IRACEMA, UMA EXCURSÃO A ANTES DA INFÂNCIA

O livro é cearense. Foi imaginado aí, na limpidez desse céu de cristalino azul, e depois vazado no coração cheio das recordações vivaces de uma imaginação virgem.”

Quem não pode ilustrar a terra natal canta as lendas suas, sem metro, na rude toada de seus antigos filhos.”

Mas sempre fui avesso aos prólogos; em meu conceito eles fazem à obra o mesmo que o pássaro à fruta antes da colhida; roubam as primícias do sabor literário. Por isso me reservo para depois.

Na última página me encontrará de novo; então conversaremos a gosto, em mais liberdade do que teríamos neste pórtico do livro, onde as etiquetas mandam receber o público com a gravidade e reverência devidas a tão alto senhor.

Rio de Janeiro – Maio de 1865.”

* * *

DICIONÁRIO (SEMI-)TUPINIQUIM E ILUSTRADO –

Com 128 expressões inusitadas (entre aspas quando retiradas do próprio epílogo filológico de Alencar!)

A

abaeté: homem valoroso no vernáculo tupi; algumas localidades em Minas e no Pará; sujeito experiente; feio, asqueroso.

abati: arroz

acaracu: bebida de garça, iguaria dos índios

Acaraú: município a 255km de Fortaleza, cortado pelo rio homônimo. Líder nacional na exportação de lagosta. “O nome do rio é Acaracu – de acará – garça, co – buraco, toca, ninho e y – som dúbio entre i e u, que os portugueses ora exprimiam de um, ora de outro modo, significando água. Rio do ninho das garças é, pois, a tradução de Acaraú. Usou-se aqui da liberdade horaciana para evitar em uma obra literária, obra de gosto e artística, um som áspero e ingrato.”

acauã: ave de rapina que se alimenta preferencialmente de cobras

ádito: entrada; mistério.

aflar: soprar, bafejar; inspirar; achar (em desuso).

âmbar: “As praias do Ceará eram nesse tempo abundantes de âmbar que o mar arrojava. Chamavam-lhe os indígenas pira repoti – esterco de peixe.”

anajê: ave amazonense

Andira: “Morcego; é em alusão a seu nome que Irapuã dirige logo palavras de desprezo ao velho guerreiro.”

andiroba: fruta da andirobeira, angiosperma freqüente nas margens dos rios. O óleo das sementes da andiroba possui uso medicinal e serve como repelente a insetos. Nome científico da andirobeira: Carapa guianensis.

angico: árvore que dá tintura preta

ará: “Periquito. Os indígenas como aumentativo usavam repetir a última sílaba da palavra e às vezes toda a palavra, como murémuré. Muré – frauta, muremuré – grande frauta. Arárá vinha a ser, pois, o aumentativo de ará, e significaria a espécie maior do gênero.”

aracati: vento cearense de verão, que sopra no sentido nordeste-sudoeste

araçá: árvore; fruto do aracuzeiro; boi amarelo de manchas pretas.

araçóia: cinto de penas

Aratanha: serra cearense, a 30km da capital. Divide duas bacias hidrográficas. Um avião da VASP colidiu com a serra em 1982.

aratanha: vaquinha; pequeno camarão de água doce; sapo; aroeira-do-campo; peixe cangauá. “Dente de arara” em Tupi.

ati: gaivota-da-cabeça-cinza, tiribique. Nome científico: Larus cirrocephalus ou Chroicocephalus cirrocephalus.

B

Baturité: serra perto da de Aratanha onde chove muito

benjoim: resina da árvore benjoeiro; espécie de abelha.

boicininga: cobra venenosa, a cascavel

borralho: cinzas ainda quentes, lareira; touro de cor cinza.

C

caiçara: árvores em decomposição; isca vegetal na pescaria; curral; cobra venenosa; caboclo imprestável; sertanejo inculto do oeste brasileiro.

caipora: “Mau espírito da floresta – Os indígenas chamavam a esses espíritos caa-pora; habitantes da mata, donde por corrupção veio a palavra c., introduzida na língua portuguesa em sentido figurado.”

Camocim: cidade cearense com belas paisagens. Derivação do nome abaixo.

camucim: sepultura indígena em forma de vaso

camurupim: peixe; cavalo velho.

caninana: cobra inofensiva; planta; mulher má.

carbeto: “Espécie de serão que faziam os índios à noite em uma cabana maior, onde todos se reuniam para conversar.”

carima: planta

carimã: bolo de tapioca ou mingau; doença da cana ou praga algodoeira; fala-se dos bois de cor branco-laranja.

carioba: veste indígena, tipo de camisa à base de algodão

cauim: o vinho de mandioca dos indígenas

Ceará: “Diz a tradição que C. significa na língua indígena – canto de jandaia.” “Aires do (sic) Casal refere essa tradição: O senador Pompeu em seu excelente dicionário topográfico, menciona uma opinião, nova para mim, que pretende vir Siará da palavra suia – caça, em virtude da abundância de caça que se encontrava nas margens do rio. Essa etimologia é forçada. Para designar quantidade, usava a língua tupi da desinência iba; a desinência ára junta aos verbos designa o sujeito que exercita a ação atual; junta aos nomes o que tem atualmente o objeto; ex.: Coatiara – o que pinta; Juçara – o que tem espinhos. Ceará é o nome composto de cemo – cantar forte, clamar, e ará – pequena arara ou periquito.

cômoro: canteiro, socalco, elevação de terra

crajiru: arbusto cujas sementes servem como remédio e corante rubro

crasta: claustro (em desuso)

crebro: freqüente

cuandu: porco-espinho

curupira: “Espíritos da treva – A esses espíritos chamavam os selvagens c., meninos maus, de curumim – menino, e pira – mau.”

E

enrediça: planta trepadeira

Estrela morta – A estrela polar, por causa da sua imobilidade; orientavam-se por ela os selvagens durante a noite.”

F

fasquia: barra de madeira usada em competições de atletismo (salto em altura, salto com vara)

G

gará: “Ave paludal, muito conhecida pelo nome de guará. Penso eu que esse nome anda corrompido de sua verdadeira origem, que é ig – água, e ará – arara: arara d’água. Também assim chamada pela bela cor vermelha.”

goiamum: caranguejo gigante

graúna: ave sonora da América do Sul, conhecida por depredar milharais. Pássaro-preto, melro, vira-bosta.

grimpa: cata-vento; ponto mais elevado, cocuruto, píncaro.

Guaiúba: cidade da região metropolitana de Fortaleza. Cidade na serra, a mais de 500m do nível do mar. Etimologia: “por onde vêm as águas do vale”. Possui menos de 30 mil hab.

guará: “Cão selvagem, lobo brasileiro. Provém esta palavra do verbo u – comer, do qual se forma com o relativo g e a desinência ara o verbal g-u-ára – comedor. A sílaba final longa é a partícula propositiva ã que serve para dar força à palavra.

G-u-ára-á – realmente comedor, voraz.”

guaraciaba: “Cabelos do solEm tupi g.. Assim, chamavam os indígenas aos europeus que tinham os cabelos louros.”

H

heróide: escrito em verso, em primeira pessoa, cujo eu-lírico tem de ser uma personagem com caracteres heróicos

icozeiro
icozeiro

I

Ibiapaba: “Grande serra que se prolonga ao norte da província e a extrema com Piauí. Significa terra aparada.”

Ibiapina: município cearense de 25 mil hab. A nomenclatura quer dizer “terra pelada”.

Icó: terceira cidade mais velha do estado do Ceará. Etim. duvidosa: “água/rio da roça” (tapuia); icozeiro (planta da caatinga, foto acima).

igaçaba: “De ig – água, e a desinência çaba – coisa própria. Vaso, pote.”

igara: canoa indígena, usualmente um tronco de árvore escavado; veja gará, acima.

imbu: “Fruta da serra do Araripe que não tem no litoral. É saborosa e semelhante ao cajá.”

inhuma: “Ave noturna palamedea. A espécie de que se fala aqui é a Palamedea chavaria, que canta regularmente à meia-noite. (…) ave agoureira”

ipu: terreno úmido adjacente a montanhas. “Chamam ainda hoje no Ceará certa qualidade de terra muito fértil, que forma grandes coroas ou ilhas no meio dos tabuleiros e sertões, e é de preferência procurada para a cultura. Daí se deriva o nome dessa comarca da província.”

Iracema: “Em guarani significa lábios de mel

Irapuã: “De ira – mel, e apuam – redondo; é o nome dado a uma abelha virulenta e brava”

irara: animal que parece a fuinha. Etim.: “tomador de mel”.

itaoca: caverna

Itapipoca: município apelidado de “cidade dos 3 climas”, por reunir os heterogêneos ecossistemas do sertão, do litoral e das serras a curtas distâncias um do outro. Terra natal de Tiririca. Etimologia da palavra: pedra+arrebentada. A 130km de Fortaleza, diferentemente de quase todos os municípios citados no livro de Alencar, é uma cidade de médio porte, ultrapassando os 100 mil hab.

jaburu2

J

jaburu: ave pernalta (foto); sujeito feio; roleta do jogo do bicho.

jacarecanga: “cabeça de crocodilo” em Tupi

Jaci: divindade aborígene que a Lua encarna. ”De – pronome nós, e cy – mãe.”

jaguar: “J. era, pois, para os indígenas, todos os animais que os devoravam.”

Jaguaraçu: município que fica em MG; pequeniníssimo: comporta menos de 4 mil hab. Terra natal do assediador José Mayer. Do cu para o mundo!

Jaguaribe: município com pouco mais de 30 mil hab., possui a maior reserva natural do estado do Ceará. Significado: rio das onças. Banhado pelo rio homônimo.

jandaia: periquito do Brasil, de cabeça amarela

Japi: município do Rio Grande do Norte com 6 mil pessoas

japi(m): (á)r(v)or(e) de penas douradas, como na foto abaixo

jati: “Pequena abelha que fabrica delicioso mel.”

Jericoacoara: Baía dos papagaios É a baia da J., de jeru – papagaio, cua – várzea, coara – buraco ou seio: enseada da várzea dos papagaios. É um dos bons portos do Ceará.”

jetica: batata-doce

juçara: “Palmeira de grandes espinhos [porque será que em nada me surpreendo], das quais servem-se ainda hoje para dividir os fios de renda.”

jurema: “Árvore meã, de folhagem espessa; dá um fruto excessivamente amargo, de cheiro acre, do qual juntamente com as folhas e outros ingredientes preparam os selvagens uma bebida, que tinha o efeito do haxixe, de produzir sonhos tão vivos e intensos, que a pessoa fruía neles melhor do que na realidade. A fabricação desse licor era um segredo, explorado pelos pajés, em proveito de sua influência. Jurema é composto de ju – espinho, e rema – cheiro desagradável.”

Jurupari: o demônio dos Tupis

japim

M

mairi: “Cidade. Talvez provenha o nome de mair – estrangeiro, e fosse aplicado aos povoados dos brancos em oposição às tabas dos índios.”

maniva: vd. O QUINZE

maracajá: gato selvagem

maracatim: embarcação

maracujá: fruto+na+cuia segundo o Tupi. Fruto das plantas Passiflora. Sua função sedativa é conhecida desde os tempos antigos. Já as folhas do maracujazeiro combatem a asma, convulsões e crises nervosas. Em altas doses, podem intoxicar via cianeto.

Maranguape [Maranguab]: cidade que foi engolida pela expansão de Fortaleza. Possui mais de 100 mil hab. Cidade-natal de Chico Anysio. “A serra de Maranguape, distante 5 léguas da capital, é notável pela sua fertilidade e formosura. O nome indígena compõe-se de maran – guerrar, e coaub – sabedor; maran talvez seja abreviação de maramonhang – fazer guerra, se não é, como eu penso, o substantivo simples guerra”

Martim: “Da origem latina de seu nome, procedente de Marte, deduz o estrangeiro a significação que lhe dá.”

Mearim: rio que deságua em outros onde ocorre a pororoca

membi: planta; buzina de guerra dos indígenas; o mesmo que inúbia.

Meruoca: cidadezinha do CE com 15 mil hab., conhecida pelas lindas quedas d’água. O nome, no entanto, é depreciativo em Tupi: morada das moscas.

Moacir: “Filho do sofrimento: de moaci – dor, e ira – desinência que significa – saído de.” [versão alternativa: mel pungente]

Mocoribe: “Morro de areia na enseada do mesmo nome, a uma légua de Fortaleza; diz-se hoje Mucuripe. Vem de corib – alegrar, e mo, partícula ou abreviatura do verbo monhang – fazer, que se junta aos verbos neutros e mesmo ativos para dar-lhes significação passiva; ex.: caneon – afligir-se, mocaneon – fazer alguém aflito.”

moquém: grelha elevada, espécie de churrasqueira indígena; apodo da carne mantida em fogo baixo para não decompor.

Mundaú: “lagoa grande” na língua Tupi; batiza uma praia e um rio cearenses. Quanto ao rio, a nascente é na serra de Uruburetama e a foz na fronteira com Itapipoca. De junho a dezembro uma de suas metades seca. Um açude construído em Uruburetama impede que todo seu curso sofra as conseqüências mais graves da seca sazonal que se estende de junho a dezembro. Possui um afluente, o Cruxati.

O

Ocara: município cearense, localizado na microrregião setentrional. Possui por volta de 25 mil hab.

ocara: praça central da aldeia

oitibó: “É uma ave noturna, espécie de coruja.”

oiticica: “Árvore frondosa, apreciada pela deliciosa frescura que derrama sua sombra.”

P

Pacatuba: cidade do norte cearense; etimologia: lugar com muitas pacas. Mais de 80 mil hab.

Pacoti: cidade sobre a Serra de Baturité. Recebeu o nome do rio que banha seu território. Há divergências quanto ao significado de pacoti em Tupi.

Pará: mar. “Geralmente se diz que pará significa rio e paraná mar; é inteiramente o contrário.”

piau: peixe piaba; logro.

Pirapora: rio batizado pelos tupis: “salto do peixe”.

pitanga: fruto da árvore da família Eugenia uniflora L., que significa, no idioma aborígene, “fruto vermelho”. “Chupou tua alma – Criança em tupi é p., de piter – chupar, e anga – alma; chupa alma. Seria porque as crianças atraem e deleitam aos que as vêem? Ou porque absorvem uma porção d’alma dos pais? Caubi fala nesse último sentido.”

pocema: algazarra; grito de guerra (só no Rio Grande do Norte).

porangaba: beleza

Potengi: cidade com menos de 10 mil hab.; ou rio, que também passa por Natal, onde de fato nasceu o fundador do Ceará Soares Moreno.

poraquê: enguia

Q

Quixeramobim: como de uso, o nome dum rio e da cidade que veio a ser fundada as suas margens. Segunda maior vila do sertão, com entre 70 e 80 mil hab. segundo o último censo. “Segundo o Dr. Martius traduz-se por essa exclamação de saudade. Compõe-se de Qui – ah!, xere – meus, amôbinhê – outros tempos.”

R

rafeiro: raça canina que guarda o gado; indivíduo que não vive sem outro (fiel como o cão ao seu senhor); puxa-saco.

refego: dobra na pele resultante do excesso de gordura

rugitar: “É um verbo de minha composição para o qual peço vênia. Filinto Elísio criou ruidar de ruído.”

sapiranga

S

saí: macaco; pássaro azul de grande beleza.

Sapiranga: lagoa em Fortaleza (foto)

sapopem(b)a: árvore ou peixe

sopesar: sustentar o peso; apalpar e agarrar, estudar; distribuir equanimemente.

sassafrás: árvore da qual se extraem fragrâncias

T

Tabajaras: “Senhores das aldeias, de taba – aldeia, e jara – senhor. Essa nação dominava o interior da província, especialmente a serra de Ibiapaba.”

tapuia: o mesmo que caboclo ou mameluco

taquara: taboca, bambu brasileiro; lagarta que vive neste bambu.

tuim: pequeno papagaio

Tupinambás: nação indígena mais numerosa antes dos portugueses, habitando de preferência o litoral. Etimologia: “descendentes dos primeiros pais”. “Nação formidável, rama primitiva da grande raça tupi. Depois de uma resistência heróica, não podendo expulsar os portugueses da Bahia, emigraram até o Maranhão, onde fizeram aliança com os franceses, que já então infestavam aquelas paragens.”

U

Ubiratã: “Pau-ferro; de ubira – pau; e antan – duro.”

uiraçaba: “Aljava, de uira – seta; e a desinência çaba – coisa própria.”

uru: animal parecido com a galinha; cesto indígena.

Uruburetama: cidadezinha cearense de 20 mil hab., que nasceu às margens do rio Mundaú; significa terra dos urubus.

urutau: n’O GUARANI

V

vieste: “A saudação usual da hospitalidade era esta: – Ere ioubê – tu vieste? – Pa-aiotu – vim, sim. – Auge-be – bem dito. Veja-se Léry [Viagem à Terra do Brasil], pág. 286.”

Z

zabelê: jaó, ave noturna, vermelha, de belo canto

* * *

Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que o seu talhe de palmeira.”

Tupã deu à grande nação tabajara toda esta terra. Nós guardamos as serras, donde manam os córregos, com os frescos ipus onde cresce a maniva e o algodão; e abandonamos ao bárbaro potiguara, comedor de camarão, as areias nuas do mar, com os secos tabuleiros sem água e sem florestas. Agora os pescadores da praia, sempre vencidos, deixam vir pelo mar a raça branca dos guerreiros de fogo, inimigos de Tupã.”

Quando o sangue do guerreiro branco correr nas veias do chefe tabajara, talvez o ame a filha de Araquém.”

Torpe é o morcego porque foge da luz e bebe o sangue da vítima adormecida!…” “O morcego vem te chupar o sangue, se é que tens sangue e não mel nas veias, tu que ameaças em sua cabana o velho pajé.”

Vil é o guerreiro que se deixa proteger por uma mulher.”

O guerreiro que possuísse a virgem de Tupã morreria.” “Se a virgem abandonou ao guerreiro branco a flor de seu corpo, ela morrerá; mas o hóspede de Tupã é sagrado; ninguém lhe tocará, todos o servirão.”

O guerreiro cristão cismava; ele não podia crer que o deus dos tabajaras desse ao seu sacerdote tamanho poder.”

Os guerreiros da grande nação que habitava as bordas do mar se chamavam a si mesmos pitiguaras, senhores dos vales; mas os tabajaras, seus inimigos, por escárnio os apelidavam potiguaras, comedores de camarão.”

valente e forte é o tamanduá, que morde os gatos selvagens por serem muitos e o acabam.”

Lá o espera a virgem loura dos castos afetos; aqui lhe sorri a virgem morena dos ardentes amores.”

O sono é o descanso do guerreiro, disse Martim; e o sonho a alegria d’alma.”

sentiu que já não sonhava, mas vivia.”

Mais afunda a raiz da planta na terra, mais custa a arrancá-la. Cada passo de Iracema no caminho da partida, é uma raiz que lança no coração de seu hóspede.”

O chefe pitiguara pensava que o amor é como o cauim, o qual bebido com moderação fortalece o guerreiro, e tomado em excesso abate a coragem do herói.”

– Por que chamas tu Mocoribe ao grande moro das areias?

– O pescador da praia, que vai na jangada, lá onde voa a ati, fica triste, longe da terra e de sua cabana, onde dormem os filhos de seu sangue. Quando ele volta e que seus olhos primeiro avistam o morro das areias, a alegria volta ao seio do homem. Então ele diz que o morro das areias dá alegria.”

O cristão sabia por experiência que a viagem acalenta a saudade, porque a alma pára enquanto o corpo se move.”

A filha dos sertões era feliz, como a andorinha que abandona o ninho de seus pais e emigra para fabricar novo ninho no país onde começa a estação das flores.”

lagoa da Sapiranga, cujas águas diziam que inflamavam os olhos.”

Iracema gostava do mutiriapuá, onde o vento suspirava docemente; ali espolpava ela o vermelho coco, para fabricar a bebida refrigerante, adoçada com mel da abelha, que os guerreiros amavam durante a maior calma do dia.”

Travou da mão do esposo, e a impôs no regaço:

– Teu sangue já vive no seio de Iracema. Ela será mãe de teu filho!”

A felicidade do mancebo é a esposa e o amigo; a primeira dá alegria; o segundo dá força: o guerreiro sem a esposa é como a árvore sem folhas nem flores; nunca ela verá o fruto. O guerreiro sem amigo é como a árvore solitária no meio do campo que o vento embalança: o fruto dela nunca amadura. A felicidade do varão é a prole, que nasce dele e faz seu orgulho; cada guerreiro que sai de suas veias é mais um galho que leva seu nome às nuvens, como a grimpa [cabeça] do cedro. Amado de Tupã é o guerreiro que tem uma esposa, um amigo e muitos filhos”

O guerreiro branco é feliz, chefe dos pitiguaras, senhores das praias do mar; e a felicidade nasceu para ele na terra das palmeiras, onde recende a baunilha, e foi gerada do sangue de tua raça, que tem no rosto a cor do sol. O guerreiro branco não quer mais outra pátria senão a pátria de seu filho e de seu coração.”

Foi costume da raça, filha de Tupã, que o guerreiro trouxesse no corpo as cores de sua nação. Traçavam em princípio negras riscas sobre o corpo, à semelhança do pêlo do coati, de onde procedeu o nome dessa arte da pintura guerreira. Depois variaram as cores, e muitos guerreiros costumavam escrever os emblemas de seus feitos. O estrangeiro, tendo adotado a pátria da esposa e do amigo, devia passar por aquela cerimônia, para tornar-se um guerreiro vermelho, filho de Tupã.”

– Meu irmão é um grande guerreiro da nação pitiguara; ele precisa de um nome na língua de sua nação.

– O nome de teu irmão está em seu corpo, onde o pôs tua mão.

– Coatiabo! exclamou Iracema.

– Tu disseste; eu sou o guerreiro pintado; o guerreiro da esposa e do amigo.

Poti deu a seu irmão o arco e o tacape, que são as armas nobres do guerreiro. Iracema havia tecido para ele o cocar e a araçóia, ornatos dos chefes ilustres.”

Como a cobra que tem duas cabeças de um só corpo, assim é a amizade de Coatiabo e Poti.”

Como o colibri, a alma do guerreiro também satura-se de felicidade, e carece de sono e repouso. A caça e as excursões pelas montanhas em companhia do amigo, as carícias da terna esposa que o esperavam na volta, o doce carbeto no copiar da cabana, já não acordavam nele as emoções de outrora.”

Quando o sabiá canta, é o tempo do amor; quando emudece, fabrica o ninho para sua prole; é o tempo do trabalho.”

Ele manda que Iracema ande para trás, como o goiamum, e guarde sua lembrança, como o maracujá guarda sua flor todo o tempo, até morrer.” “Os mesmos guerreiros que a tinham visto alegre nas águas da Porangaba, agora encontrando-a triste e só, como a garça viúva, na margem do rio, chamavam aquele sítio da Mocejana, a abandonada.”

Ainda dessa vez os tabajaras, apesar da aliança dos brancos tapuias do Mearim, foram levados de vencida pelos valentes pitiguaras. Nunca tão disputada vitória e tão renhida pugna se pelejou nos campos que regam o Acaraú e o Camucim; o valor era igual de parte a parte, e nenhum dos dois povos fôra vencido, se o deus da guerra não tivesse decidido dar estas plagas à raça do guerreiro branco, aliada dos pitiguaras.”

como da primeira vez, quando parece que o tempo não poderá exaurir o coração. Mas breves sóis bastaram para murchar aquelas flores de um coração exilado da pátria.”

Como o imbu na várzea era o coração do guerreiro branco na terra selvagem.”

O amigo e a esposa não chegavam mais à sua existência, cheia de grandes e nobres ambições.”

tua alma se abre para o grito do japim, porque ele tem as penas douradas como os cabelos daquela que tu amas!”

Tu és Moacir, o nascido de meu sofrimento. A ará, pousada no olho do coqueiro, repetiu Moacir; e desde então a ave amiga em seu canto unia ao nome da mãe, o nome do filho.”

Volve o rosto para o Mocoribe:

– Tu és o morro da alegria; mas para Iracema tu não tens senão tristeza.”

A raça dos cabelos do sol cada vez ganhava mais a amizade dos tupinambás: crescia o número dos guerreiros brancos, que já tinham levantado na ilha a grande itaoca, para despedir o raio.”

O terno esposo, em que o amor renascera com o júbilo paterno, a cercou de carícias que encheram sua alma de alegria, mas não a puderam tornar à vida: o estame de sua flor se rompera.

– Enterra o corpo de tua esposa ao pé do coqueiro que tu amaste. Quando o vento do mar soprar nas folhas, Iracema pensará que é tua voz que fala entre seus cabelos.”

E foi assim que um dia veio a chamar-se Ceará o rio onde crescia o coqueiro, e os campos onde serpeja o rio.” “O cajueiro floresceu quatro vezes depois que Martim partiu das praias do Ceará, levando no frágil barco o filho e o cão fiel.” “O primeiro cearense, ainda no berço, emigrava da terra da pátria. Havia aí a predestinação de uma raça?” “Afinal volta Martim de novo às terras, que foram de sua felicidade, e são agora de amarga saudade.” “Poti foi o primeiro que ajoelhou aos pés do sagrado lenho; não sofria ele que nada mais o separasse de seu irmão branco; por isso quis tivessem ambos um só deus, como tinham um só coração.” Obsessão de Alencar!

As jandaias cantavam ainda no olho do coqueiro; mas não repetiam já o mavioso nome de Iracema. Tudo passa sobre a terra.”

* * *

Em 1603, Pero Coelho, homem nobre da Paraíba, partiu como capitão-mor de descoberta, levando uma força de 80 colonos e 800 índios. Chegou à foz do Jaguaribe e aí fundou o povoado que teve o nome de Nova Lisboa. Foi esse o primeiro estabelecimento colonial do Ceará. Como Pero Coelho se visse abandonado dos sócios mandaram-lhe João Soromenho com socorros. Esse oficial, autorizado a fazer cativos para indenização das despesas, não respeitou os próprios índios do Jaguaribe, amigos dos portugueses. Tal foi a causa da ruína do nascente povoado.” “Na primeira expedição foi do Rio Grande do Norte um moço de nome Martim Soares Moreno, que se ligou de amizade com Jacaúna, chefe dos índios do litoral, e seu irmão Poti. (…) Poti recebeu no batismo o nome de Antônio Felipe Camarão, que ilustrou na guerra holandesa. (…) Martim Soares Moreno chegou a mestre-de-campo e foi um dos excelentes cabos portugueses que lideraram o Brasil na invasão holandesa. O Ceará deve honrar sua memória como a de um varão prestante e seu verdadeiro fundador, pois que o primeiro povoado à foz do rio Jaguaribe foi apenas uma tentativa frustrada.”

Ora, na província de Ceará, em Sobral, não só referiam-se entre gente do povo notícias do Camarão, como existia uma velha mulher que se dizia dele sobrinha. Essa tradição foi colhida por diversos escritores, entre eles o conspícuo autor da Corografia Brasílica [Aires de Casal].” Primeiro livro publicado no Brasil – contém a carta do descobrimento de D. Pero Vaz de Caminha

É a nação de Jacaúna que alguns pretendem ter sido a tabajara. Há nisso manifesto engano.” “Como chefes dos tabajaras são mencionados Mel Redondo no Ceará e Grão Deabo em Piauí. Esses chefes foram sempre inimigos irreconciliáveis e rancorosos dos portugueses, e aliados dos franceses do Maranhão que penetraram até Ibiapaba. Jacaúna e Camarão são conhecidos por sua aliança firme com os portugueses.”

* * *

Ouve seu trovão – Todo esse episódio do rugido da terra é uma astúcia, como usavam os pajés e os sacerdotes de toda a nação selvagem para se imporem à imaginação do povo. A cabana estava assentada sobre um rochedo, onde havia uma galeria subterrânea que comunicava com a várzea por estreita abertura; Araquém tivera o cuidado de tapar com grandes pedras as duas aberturas, para ocultar a gruta dos guerreiros. Nessa ocasião a fenda inferior estava aberta, e o pajé o sabia; abrindo a fenda superior, o ar encanou-se pelo antro espiral com estridor medonho, e de que pode dar uma idéia o sussurro dos caramujos. – O fato é, pois, natural; a aparência, sim, é maravilhosa.”

Seu colar de guerra – O colar que os selvagens faziam dos dentes dos inimigos vencidos era um brasão e troféu de valentia.”

costumavam os indígenas guardar uma castanha de caju, de cada estação da fruta, para marcar a idade.”

* * *

Carta ao Dr. Jaguaribe

Já estava eu meio descrido das causas, e mais dos homens; e por isso buscava na literatura diversão à tristeza que me infundia o estado da pátria entorpecida pela indiferença. Cuidava eu porém que você, político de antiga e melhor têmpera, pouco se preocupava com as cousas literárias, não por menos preço, sim por vocação.

A conversa que tivemos então revelou meu engano; achei um cultor e amigo da literatura amena; e juntos lemos alguns trechos da obra, que tinha, e ainda não as perdeu, pretensões a um poema.”

PENSAMENTO SÚBITO: E SE “IRACEMA” FOSSE UM POEMA?

lia as produções que se publicavam sobre o tema indígena; não realizavam elas a poesia nacional, tal como me aparecia no estudo da vida selvagem dos autóctones brasileiros. Muitas pecavam pelo abuso dos termos indígenas acumulados uns sobre os outros, o que não só quebrava a harmonia da língua portuguesa, como perturbava a inteligência do texto. Outras eram primorosas no estilo e ricas de belas imagens; porém certa rudez ingênua de pensamento e expressão, que devia ser a linguagem dos indígenas, não se encontrava ali.

Gonçalves Dias é o poeta nacional por excelência; ninguém lhe disputa na opulência da imaginação, no fino lavor do verso, no conhecimento da natureza brasileira e dos costumes selvagens. Em suas poesias americanas aproveitou muitas das mais lindas tradições dos indígenas; e em seu poema não concluído dos Timbiras, propôs-se a descrever a epopéia brasileira.

Entretanto, os selvagens de seu poema falam uma linguagem clássica, o que lhe foi censurado por outro poeta de grande estro, o dr. Bernardo Guimarães; eles exprimem idéias próprias do homem civilizado (…)

Sem dúvida que o poeta brasileiro tem de traduzir em sua língua as idéias, embora rudes e grosseiras, dos índios; mas nessa tradução está a grande dificuldade; é preciso que a língua civilizada se molde quanto possa à singeleza primitiva da língua bárbara; e não representa as imagens e pensamentos indígenas senão por termos e frases que ao leitor pareçam naturais na boca do selvagem.

O conhecimento da língua indígena é o melhor critério para a nacionalidade da literatura. Ele nos dá não só o verdadeiro estilo, como as imagens poéticas do selvagem, os modos de seu pensamento, as tendências de seu espírito, e até as menores particularidades de sua vida.

É nessa fonte que deve beber o poeta brasileiro; é dela que há de sair o verdadeiro poema nacional, tal como eu o imagino.

(…) Se a investigação laboriosa das belezas nativas feita sobre imperfeitos e espúrios dicionários exauria o espírito; a satisfação de cultivar essas flores agrestes da poesia brasileira, deleitava. Um dia porém fatigado da constante e aturada meditação ou análise para descobrir a etimologia de algum vocábulo, assaltou-me um receio.

Todo este ímprobo trabalho que às vezes custava uma só palavra, me seria levado à conta? Saberiam que esse escrúpulo d’ouro fino tinha sido desentranhado da profunda camada, onde dorme uma raça extinta? Ou pensariam que fôra achado na superfície e trazido ao vento da fácil inspiração?

E sobre esse, logo outro receio.

A imagem ou pensamento com tanta fadiga esmerilhados seriam apreciados em seu justo valor pela maioria dos leitores? Não os julgariam inferiores a qualquer das imagens em voga, usadas na literatura moderna?

(…) O caminho no estado selvagem não existe; não é cousa de saber. O caminho faz-se na ocasião da marcha através da floresta ou do campo, e em certa direção; aquele que o tem e o dá, é realmente senhor do caminho.

Não é bonito? Não está aí uma jóia da poesia nacional?

Pois talvez haja quem prefira a expressão rei do caminho, embora os brasis não tivessem rei, nem idéia de tal instituição. Outros se inclinaram à palavra guia, como mais simples e natural em português, embora não corresponda ao pensamento do selvagem.

Ora, escrever um poema que devia alongar-se para correr o risco de não ser entendido, e quando entendido não apreciado, era para desanimar o mais robusto talento, quanto mais a minha mediocridade. Que fazer? Encher o livro de grifos que o tornariam mais confuso e de notas que ninguém lê? Publicar a obra parcialmente para que os entendidos proferissem o veredicto literário? Dar leitura dela a um círculo escolhido, que emitisse juízo ilustrado?

Todos estes meios tinham seu inconveniente, e todos foram repelidos: o primeiro afeava o livro; o segundo o truncava em pedaços; o terceiro não lhe aproveitaria pela cerimoniosa benevolência dos censores. O que pareceu melhor e mais acertado foi desviar o espírito dessa obra e dar-lhe novos rumos.

Mas não se abandona assim um livro começado, por pior que ele seja; aí nessas páginas cheias de rasuras e borrões dorme a larva do pensamento, que pode ser ninfa de asas douradas, se a inspiração fecundar o grosseiro casulo. Nas diversas pausas de suas preocupações o espírito volvia pois ao álbum, onde estão ainda incubados e estarão cerca de 2 mil versos heróicos.

Conforme a benevolência ou severidade de minha consciência, às vezes os acho bonitos e dignos de verem a luz; outras me parecem vulgares, monótonos, e somenos a quanta prosa charra [mesquinha] tenho eu estendido sobre o papel.”

perder inutilmente meu tempo a fazer versos para caboclos.”

O verso pela sua dignidade e nobreza não comporta certa flexibilidade de expressão que, entretanto, não vai mal à prosa a mais elevada. A elasticidade da frase permitiria então que se empregassem com mais clareza as imagens indígenas, de modo a não passarem desapercebidas (sic).”

Este livro é pois um ensaio ou antes amostra. Verá realizadas nele minhas idéias a respeito da literatura nacional; e achará aí poesia inteiramente brasileira, haurida na língua dos selvagens.”

Se o público ledor gostar dessa forma literária, que me parece ter algum atrativo e novidade, então se fará um esforço para levar ao cabo o começado poema, embora o verso pareça na época atual ter perdido sua influência e prestígio.”

Depois de concluído o livro e quando o reli já apurado na estampa, conheci que me tinham escapado senões que poderia corrigir se não fosse a pressa com que o fiz editar: noto algum excesso de comparações, certa semelhança entre algumas imagens, e talvez desalinho no estilo dos últimos capítulos que desmerecem dos primeiros. Também me parece devia conservar aos nomes das localidades sua atual versão, embora corrompida.

Se a obra tiver segunda edição será escoimada destes e de outros defeitos que lhe descubram os entendidos.

Agosto 1865.

J. DE ALENCAR

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s