GERATIVISMO – Eduardo Kennedy

Numa resenha em 1959 sobre o livro Comportamento verbal, de Skinner, C. apresentou uma radical e impiedosa crítica à visão comportamentalista da linguagem sustentada pelos behavioristas.”

Para procurar responder a perguntas como essas, a linguística gerativa propõe-se a analisar a linguagem humana de uma forma matemática e abstrata (formal), que se afasta bastante do trabalho empírico da gramática tradicional, da linguística estrutural e da sociolinguística, e se aproxima da linha interdisciplinar de estudos da mente humana conhecida como ciências cognitivas.”

A gramática transformacional esbarra no problema da voz passiva. Ou melhor: para os linguistas gerativistas das décadas de 60 e 70, nenhum problema, em seu sistema de estrutura profunda-superficial. Mas esse sistema foi-se tornando gradualmente inaceitável até que nos 90 não mais encontrava adeptos, nem o próprio C.

a frase aparece antecedida do asterisco, que indica a agramaticalidade.”

VEREDICTO SOBRE O GERATIVISMO (OU SEJA, SOBRE O INDIVÍDUO CHAMADO CHOMSKY EM SUA ÁREA DE PREDILEÇÃO)

A resposta para as maiores perguntas dos gerativistas já era implícita na pergunta: “como alguém pode ter consciência de que uma estrutura <tem algo de errado> inatamente?”. O “ter algo de errado” é criado socialmente. A educação básica cria a noção no indivíduo; o “falante ruim”, no sentido obsoleto em que é possível dizê-lo, jamais perceberia que comete infrações de gramática (pergunte a um servente – o típico baixa-escolaridade – próximo). Inatamente o bebê-criança é capaz de tudo absorver, portanto “não existe” esta distinção, que é produto da própria mente dos gerativistas. Eles, sim, deviam dedicar seu nada precioso tempo a um autoestudo, abandonando pretensões grandiloquentes em meio aos demais! Um estudo que não diferencia o “sistema nervoso” de um aristocrata do de um favelado, ou melhor, que pressupõe que a diferença só poderia estar aí (e não está, é claro), passando a tratar “todo humano” homogeneamente, sem levar em conta componentes sócio-históricas, é um estudo fadado ao fracasso retumbante.

o algoritmo do cu

P. 5: gramática modular

o elemento central da gramática é a sintaxe. Ela retira do léxico as palavras com as quais construirá, segundo suas próprias regras, estruturas como sintagmas e sentenças, que da sintaxe são encaminhadas à preparação para a pronúncia, no módulo fonológico, e para a interpretação formal, no módulo semântico. Nessa maneira de compreender o funcionamento da gramática, a morfologia é interpretada como parte do léxico, já que dá conta da estrutura interna da palavra, e também como parte da fonologia, uma vez que deve dar conta das alterações mórficas fonologicamente condicionadas.

          No programa minimalista, entendemos por princípio as propriedades gramaticais que são válidas para todas as línguas naturais, ao passo que parâmetro deve ser compreendido como as possibilidades (limitadas sempre de maneira binária) de variação entre as línguas.” Parametrizando a chatice.

É um princípio da GU que uma anáfora necessariamente deve suceder o seu referente, e nunca o contrário.”

um pronome expletivo (sem conteúdo semântico), como o it do inglês.”

FOXP2 projeto genoma:

bullshit – cafajestagem com grupo de controle

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s