REICH SPEAKS OF FREUD

Mary Higgins & Chester Raphael (eds.), 1967 (1972). Tradução do alemão ao inglês por Therese Pol.

The publication of the interview contained in this book is not made under the auspices nor with the consent or authorization of the Sigmund Freud Archives, Inc. or K.R. Eissler” É evidente que não! Mas o engraçado é que o entrevistador foi o próprio Kurt Eissler…

Entrevista realizada em 18 e 19 de outubro de 1952.

While Reich in many of his writings did refer to this relationship and to the conflict that developed later, the directness and informality of the interview technique has made it possible to elicit the information in a manner that is both simple and concise, and it should have the advantage of placing the reader in a favourable position to determine for himself what was at issue.” “In view of recent strenuous efforts to eliminate the libido theory, the publication of this interview is unexpectedly timely. For Reich remained steadfast in viewing libido as the core of Freudian theory.” Libido nunca significou a mesma coisa para ambos. E, ao contrário do que parece aos não-iniciados, depende de Reich o nome de Freud continuar a ter força século XXI adentro, e não o contrário.

Freud capitulated (sublimation, death-instinct, and cultural theories), and gained fame; Reich died in prison. The fact that Freud did not offer any scientific proof for the libido theory, even though he predicted it would be forthcoming, and the attenuation that resulted from his later speculations, left his disciples with little to sustain them. As a result, they have gradually abdicated, despite some idolatrical lip service in their theoretical discussions and they have offered little, if any, opposition to the concerted effort now being directed against the energy theory”

They emphasize ‘sociology’ and conveniently deemphasize ‘sexuality’. Ironically, although Reich’s emphasis on the magnitude of the influence of society upon the individual caused his break with Freud and his expulsion from the International Psychoanalytic Association, he saw no justification for discarding Freud’s libido and remained the only one prepared to defend it.

Although he was never politically oriented, Reich was once violently condemned and, at times, even today, continues to be slandered as a communist because he attached so much importance to the impact of society and saw in Marxist doctrine some basis for hope in bringing about an improven1ent in the human condition. However, practical communism, as it developed in the Soviet Union, became a monster he termed ‘red facism’; and this fact, in addition to his own experiences as a physician among the masses, convinced him that human structure, molded by authoritarian institutions, is protoplasmically unable to change.”

Even Adler, Jung and Rank are not denied Reich’s indebtedness for the inadvertent assistance their theoretical positions provided in his pursuit of a natural scientific basis for the libido theory.”

We have also provided the footnotes and appended a supplement consisting of correspondence with Freud and others, as well as miscellaneous documents pertinent to the material of the interview.”

Ernst Freud, managing director of the Sigmund Freud Copyrights, Ltd., initially expressed interest only in the payment of a royalty, but negotiations were abruptly terminated and permission refused on the advice of unnamed psychoanalysts.”

* * *

Why should we be so full of regard for privacy in important matters when our newspapers drown us in small scandals every day?” “The developments in science and education within the next 100 years will be decisive in establishing whether this interview will have any meaning whatsoever, or whether the evasion of the issues of babyhood and motherhood will continue to mess up more centuries of human destiny.”

Em 2052 a raça humana verá. Eu provavelmente não estarei mais aqui.

(*) “Even though Freud came to realize that these communications could not be taken at face value and, thus, necessitated theoretical and technical modifications, the verbal productions remain the raw material of the psychoanalytic therapy. The attempts to alleviate the difficulty in verbal communication, utilizing free association, produced some improvement, but the ability of the patient to communicate verbally remained an essential feature of the technique. It tended to exclude the uncooperative psychotic, for example, or the patient whose ability to communicate verbally was impaired by the concealed spasm of the glottis. The attempt to relieve such spasm by initiating the gag reflex, as utilized in orgone therapy, would not be a recognized means of eliminating the difficulty in psychoanalysis.”

I began to see the despair in Freud’s face some time around 1940. Although he was dead, he had a great influence upon the direction of my further search in the realm of human emotions. What was his despair about? Now, if I am right, if I read the emotional expression correctly, the problem is why he was in such despair. And why didn’t I see it before, in 1925 or 1930?” “I don’t know whether you know that he withdrew from all meetings and congresses in 1924. And he developed his cancer of the jaw at that time. Are you following me?” Esse maldito não praticava o coito.

Now, cancer, in my research is a disease following emotional resignation – a bio-energetic shrinking, a giving up of hope.”

(*) “Carcinomatous shrinking biopathy [biopatia minguante carcinomatosa] is the term Reich has applied to the process underlying the disease known as cancer, in which he discovered the functional unity of psychic resignation and biopathic shrinking which precede, often by many years, and accompany the appearance of the malignant tumor.”

What happened at that time not only happened in the IPA from 1926 to 1934. It has happened all through the ages. It happened in the Christian Church 1500 years ago. It happened in every home on this planet. Now that sounds peculiar, doesn’t it? What happened? Do you know the term ‘pestilent character’?”

PAULO FODIDO, O DOENTE: (*) “Evidence of Paul Federn’s efforts to disturb the relationship between Freud and Reich was clearly revealed by Freud himself in a letter to Reich dated November 22, 1928, in which he told him that Federn had requested Reich’s removal as director of the technical seminar. In a later letter from Freud to Reich, October 10, 1930, Federn’s malevolent ‘digging’ was again in evidence.”

I don’t know what has been deposited in the Freud Archives about me – what slander or defamation. But I know it’s around. I know who was involved in it. Jones was in it.”

You don’t know that rumor of schizophrenia? Oh, yes. That was spread by Fenichel. Oh, yes. Now, today, nobody believes it. It was quite a thing, quite a thing. I doubt that you never heard that I’m paranoiac, schizophrenic.”

Now listen! I can explain how they came to invent such a rumor, or to set such a rumor into motion about me. In 1929 I began to work in character analysis with physiological emotions, with physiological feelings in the patients.”

(*) “Students of the various schools of psychoanalysis are required to read Character Analysis but are often specifically warned not to read the contents of the 3rd edition beyond the chapter on The Masochistic Character’, to mark their separation from Reich’s later work. This separation is, of course, correct, but the admonition to ignore the later work is given with defamatory emphasis.”

In investigating the difference between the typical neurotic and the schizophrenic, I learned that the neurotic recognizes the excitations which may break through spontaneously, or in the course of treatment, as biological, as arising from within. The schizophrenic fails to recognize these primary, biophysical sensations and plasmatic streamings as an inner process and, thus, comes to misinterpret and distort them. (…) This explanation of the schizophrenic process was viewed as distorted and even delusional by psychoanalysts such as Jones, Federn, Fenichel. And out of such things grew the slander of calling me a paranoid schizophrenic.”

At that time, about 1925, the psychoanalysts in the technical seminar didn’t like my work on genitality, on orgastic potency, on the actual stasis neurosis which underlies the whole dynamic structure of the energy source of the neurosis”

Hitschmann was the only one who said, ‘You hit the nail on the head.’ (He was the director of the Psychoanalytic Polyclinic. We built it up together.)”

Basically, Freud discovered the principle of energy functioning of the psychic apparatus. The energy-functioning principle. This was what distinguished hin1 from all other psychologists. Not so much the discovery of the unconscious.”

First, when Freud discovered infantile sexuality, he was furiously attacked, in a horrible way, by Modju. Do you know who Modju is?

(…)

Then you knew that ‘Modju’ is a synonym for the emotional plague or pestilent character who uses underhanded slander and defamation in his fight against life and truth.”

DR. EISSLER

From where did you get the name?

DR. REICH

It was derived frmn Mocenigo [sobrenome italiano], a nincompoop [idiota], a nobody, who delivered a very great scientist, in the 16th century, to the Inquisition. That scientist was Giordano Bruno. He was imprisoned for 8 years and then burned at the stake. This Mocenigo was a nobody who knew nothing, learned nothing, couldn’t learn anything. He wanted to get a good memory function from Bruno, who had a marvelous memory. But he couldn’t do it. Bruno couldn’t give it to him. So what did he do? He went out and killed Bruno. You see? That’s MO-cenigo. And DJU is Djugashvili. That’s Stalin.”

F. was moving quite logically in the direction of the genitality problem, where I found myself so n1uch later, about fifteen years later. But he couldn’t get at it.” “The sublimation theory, which he developed as an absolute, was a consequence of that. It was an evasion.” Aristóteles, Nietzsche: o alerta já foi dado no séc. XIX. Enquanto não entenderem o MAL-ENTENDIDO sobre a CATARSE, que começou na Antiguidade, nada mudará. Isso foi quase uma transcrição exata de aspas do último autor citado. O cerne da questão humana, da nossa civilização.

They hampered Freud. He was hampered so that he couldn’t develop further. And from there, he went right into the death-instinct theory.”

(*) <Sublimation, as the essential cultural achievement of the psychic apparatus, is possible only in the absence of sexual repression; in the adult it applies only to the pregenital, but not to the genital impulses.> Reich, The Sexual Revolution (New York: The Noonday Press. 1962), p. 19.”

You didn’t know that? I don’t think his life was happy. He lived a very calm, quiet, decent family life, but there is little doubt that he was very much dissatisfied genitally. Both his resignation and his cancer were evidence of that. Freud had to give up, as a person. (…) Now, if my theory is correct, if my view of cancer is correct, you just give up, you resign-and, then, you shrink.” “I always had the feeling he smoked – not nervousness, not nervousness – but because he wanted to say something which never came over his lips.” the key!

(*) “All day, from breakfast until he went to sleep, Freud smoked practically without pause … usual quantum was twenty cigars a day” (Hanns Sachs) E não são os cigarrinhos com filtro de hoje, eram charutos! Demolindo ao menos o primeiro volume de Schur (porque ainda não li os outros 2), em que a versão das cartas de F. é hagiografada: “esta semana eu fumei apenas um charuto, etc., etc.”

(*) “Once – and only once – I saw him terribly angry. But the only sign of this anger was a sudden pallor and the way his teeth bit into his cigar.” Theodor Reik, From Thirty Years with Freud

If you bite with a muscle for years and years, the tissue begins to deteriorate, and then cancer develops. Now, that cannot be found in psychoanalytic theory. That comes right out of my work, out of orgonomy.”

He was alone and lonesome. Only later, about 1926, Anna Freud began to come into his life, into his work, as a co-worker. He stood it better then. But he really withdrew in 1924. The last time I saw him at a Congress was in Berlin, 1922.” “He knew in 1929 that in my youthful scientific enthusiasm I was right. But to admit this would have meant to sacrifice half of the organization.”

I don’t speak about impotence or frigidity. No. What I mean is the emotional, the primary emotional experience of the merger of two organisms. Do you get me, now?

(…)

It’s not just to fuck, you understand, not the embrace in itself, not the intercourse. It is the real emotional experience of the loss of your ego, of your whole spiritual self.”

Don’t worry. Just go on. Do your clinical work. Don’t worry. He was right! Today, these death-instinct things are dead; they are finished. You don’t hear of them any more.”

Now, how, in heaven’s name, are psychiatrists, who are influenced to such a great extent by psychoanalytic thinking, ever to correct the psychic economy in children, in new-borns, in adolescents if they leave that libido out? I don’t think it will stay that way, because I’m still around. You know that? I am quite a bit around. So that is the struggle.”

Depth psychology, therefore, operates with a function of recent origin. Many animals express themselves by sounds. But the living functions beyond and before any sound formation as a form of expression.”

You remember the role the so-called ‘negative therapeutic reaction’ played in psychoanalysis. The more you knew, the worse you got. And nobody understood it. Nobody! I began to understand it a few years ago. I would like to try to condense it into a few words.”

It will sound incredible in 100 years. Take it away from the mother. The mother must not touch or see the baby. The baby has no body contact after having had 9 months of body contact at a very high temperature – what we call the ‘orgonotic body energy contact’, the field action between them, the warmth and the heat. Then, the Jews introduced something about 6 or 7,000 years ago. And that is circumcision. I don’t know why they introduced it. It’s still a riddle. Take that poor penis. Take a knife – right? And start cutting. And everybody says, ‘It doesn’t hurt’. Everybody says, ‘No, it doesn’t hurt’. Get it? That’s an excuse, of course, a subterfuge. They say that the sheaths of the nerve are not yet developed. Therefore, the sensation in the nerves is not yet developed. Therefore, the child doesn’t feel a thing. (…) Circumcision is one of the worst treatments of children. And what happens to them? You just look at them. They can’t talk to you. They just cry. What they do is shrink. They contract, get away into the inside, away from that ugly world. I express it very crudely, but you understand what I mean, Doctor.”

(*) “I find it difficult to believe that circumcision, as practiced in our hospitals, would not represent stress and shock of some kind. Nobody who has witnessed the way these infants are operated on without anesthesia, the infant screaming in manifest pain, can reasonably deny that such treatment is likely to leave traces of some kind on the personality. This is one of the cruel ties the medical profession thoughtlessly inflicts on infants just because these cannot tell what they suffer.” René Spitz

Words can’t express it. Here, in the very beginning, the spite develops. Here, the ‘no’’ develops, the big ‘NO’ of humanity. And then you ask why the world is in a mess.” “How is it understandable that a single Hitler or a single Djugashvili can control 800,000,000 people?”

BUDISMO ORIGINAL, BUDISMO EUROPEU, BUDISMO MUNDIAL: “The biological system of the human race has been ruined for ages. It has been ruined for thousands of years in Asia – in China, in Japan. The hardened structures in India and Arabia. The helplessness of millions. That is why the Moscow Modju has such success in Asia. It is also true, of course, in Europe and in America. Everywhere.” “People are dull. They are dull, dead, uninterested. And. then, they develop their pseudo-contacts, fake pleasures, fake intelligence, superficial things, the wars, and so on.”

He wanted to get out of his own marriage. But he couldn’t. He was bound down – bound down by his position, by his Judaism, and by many other things.” “Freud was a peculiar mixture of a very progressive free thinker and a gentleman professor of 1860. Yet, in spite of his conservatism, he was so open-minded and so outgoing. I don’t think that he, himself, betrayed his cause, but he let himself be caught.”

I have had to destroy one organization after another in order to remain free. You get my point?”

(*) “Reich’s connection with the communist movement in the late 1920s, which has been repeatedly exploited to discredit him, arose simply from the fact that it was expedient, in order to carry on his work in sexual hygiene, to encounter the masses of the people in a semblance of organization in the socialist and communist parties. Thus, <It was necessary to carry on sex-economic hygiene work within the framework of the socialist and communist parties because that was where the masses of people were at that time. Their problems had to be handled in their life set-up if one wanted to get out of the rut of individual treatment. Furthermore, the physicians who would aid in such matters as birth control, and other aspects of sexual hygiene were in the socialist and communist parties, because Russia, at that time, was still connected with sex-affirmative legislation.> Reich, 1952. From the Archives of the Orgone Institute.”

It is terrifically painful to be alone and alive at the same time. That’s hell. I go through it myself. Do you know why I have removed myself, why I sit here, alone? I have to save my clean thoughts. I have to maintain a cleanliness, a purity. Freud didn’t succeed in that, and you can see it in his face. That was not quite clear in 1925. I didn’t understand it, then. But later, I too began to experience the emotional plague and to see what it does to man’s leaders. Now, that’s very crucial, not only to the understanding of Freud, but to the understanding of the human race and what it does, how it operates with its leaders, how it creates the dictator.”

He didn’t have any pose. On the other hand, Federn was a prophet, with a beard. Somebody else – Eidelberg, for instance, sat there as a ‘thinker’. But Freud was just a simple animal. Would you accept that? Just a simple animal. That was Freud. And then he broke.”

he would write, ‘Impotence, three months.’ Can you imagine trying to accomplish this in 3 months, or even in 6 months?

[Change of tape. Dialogue lost.]” Oh man!

HOW ALONE AM I, EVEN? “When I first met Freud, there was immediate contact-immediate contact of 2 organisms, an aliveness, interest, and going to the point. I had the same experience with Einstein when I met him in 1940.(*) There are certain people who click, just click in their emotional contact.

(*) Reich met Professor Albert Einstein on January 13, 1941. The basis for the meeting and their ensuing correspondence is contained in The Einstein Affair (Orgone Institute Press, 1953).”

And there was a great difference between my way of expression, as you feel it right now, and that of the rest of the psychoanalysts in Vienna. It was so very dull there. About 8 or 10 people would sit around, and it was awfully. dull – if you know what I mean?”

(*) <It is wrong to speak of the psychoanalytic method of thinking. Freud really had no method. He disliked method. And when he tried to do something with it, he went way off. He was a good empirical worker, but not a scientific methodologist. The first attempt to put method into psychoanalysis was my work in character analysis. That’s what Reik criticized me for, just for method. I put what was correct in psychoanalysis on a natural-scientific foundation, but my methodological, scientific work had in itself nothing to do with psychoanalysis, in the sense of being a part of it or developing from it. What I did was to put my eagle’s egg in the nest of chickens’ eggs. Then I took it out and gave it its own nest.> Reich, 1951. From the Archives of the Orgone Institute.”

Almost oh nest!

He liked my work in the technical seminar. I think Anna Freud knows that very well. She often said it, and she could confirm it. I was a good psychiatrist. I was known as a good clinician. I think I was the only one in that group whose background was in biology, natural science, and natural philosophy. I don’t know whether there was – no, there was nobody else. I don’t think Nunberg or Hitschmann or Federn, or anybody else had that background.”

He often expressed the hope that I would continue clinical work, just clinical work. I was a clinician. We agreed that speculations had no meaning. It was easy to put up a theory about a case. I, however, appealed to facts, to the developn1ent of the case. And that’s what Freud loved. So he had great hopes.”

Here, Freud’s disappointment comes in. I went into sociology, which, at that time, was mixed or identical with politics. It was one thing. And, here, there was another man, another genius, Marx. I began to be interested in Marx and Engels in 1927. I had to, of course. They were very great men and they all were right. I learned some good, true sociology, there.”

I want to have it quite clear that Das Unbehagen in der Kultur was written specifically in response to one of my lectures in Freud’s home.”

AS WE GET TO KNOW THE CHARACTERS! “Helene Deutsch was very sympathetic, but noncommittal. Who else? Horney understood, but she dropped the sexual angle. Rado was far off. Alexander [Abraham, nulidade] was always far off. Yes, Alexander was an eneny. Anna Freud understood. She was always very interested and friendly, but she was also noncommittal.”

Now, I can assure you I made many mistakes at that time. For instance, it was a mistake to believe that if you tell the people about a neurosis and if you tell them about happiness, they will be able to understand and to change.” Paradigma vvilfredyano.

Well, if I hadn’t gone through those mistakes, I wouldn’t have arrived where I am now, at such a mature point. I don’t want to go into that here, but I want you to understand there is no use in individual therapy. No use! Oh, yes, good use to make money and to help here and there. But from the standpoint of the social problem, the mental-hygiene problem, it’s no use. Therefore, I gave it up. There is no use in anything but infants. You have to go back to the unspoiled protoplasm.”

(*) <While I was accused by Freud of criticizing his psychoanalytic theory on behalf of and at the command of Moscow, Bischoff and Schneider, two Berlin stooges of the Moscow dictators, were using the most intricate devices of defamation, underhandedness, distortion, lies and calumny in order to wrest some 50,000 men, women, adolescents and children from my influence. These people had joined the Sexpol organizations in Germany solely because I had made them look at social institutions from the standpoint of the gratification of human needs. In contradistinction, the red fascists were only interested in state power and in getting social influence by misusing what I had built up. They were not at all interested in the factual, concrete solution of the sexual misery of people. Therefore, they fought me as an ‘anti-Marxist, counter-revolutionary Freudian’. A few years later, I pulled out of this Freudian and Marxian mess and moved onto the road which led to the common functioning principle underlying both Freud’s and Marx’s discoveries, i.e. the living in the human unconscious mind as well as in the human creative working power.> Reich, 1952. From the Archives of the Orgone Institute.”

SOMOS 3: “but I remember that he said, ‘It is not our purpose, or the purpose of our existence, to save the world.’ And you will be astounded when I tell you that I have now reached the same point. I am just where Freud was in 1930.”

First, you must shift from therapy to prophylaxis – prevention. Second, you must concern yourself with the family, which is the origin of the oedipus conflict, and so on. It was cold. They were revolting. Freud was very hard with me, but it was a good hardness.”

(*) “The responsibility for the instigation and perpetuation of these vicious attacks culminating in Reich’s imprisonment and death must be laid at the door of the psychoanalysts. Their attempts to absolve themselves of this responsibility by references to Reich’s sanity must be scrutinized in the light of this interview, which was requested and conducted amidst these desperate efforts to discredit and destroy Reich and his work by groundless slander.”

You see, the question is: Will our children, in a hundred years, when they are 5 or 6 years old, be able to live their natural lives as nature or God ordains it? Or will they sublimate according to Anna Freud?”

Hitschmann once told me that Freud couldn’t stand Federn’s eyes. He referred to them once as ‘patricidal eyes’. And that was quite true. Wonderful! Federn really had murderous eyes. Yes!”

DR. EISSLER

I mean, it’s your fault that you are speaking in such a fascinating way that I don’t notice the time, really.

DR. REICH

All right. Now, I could go on and on because it is endless. That’s what Freud means to me. Freud is like Columbus who landed on a shore and opened up a continent. You understand? Now, Freud had a severe conflict with Judaism. Here, he was bound down, too. On the one hand, out of protest against the persecution he had suffered, he maintained very bravely and very courageously that he was a Jew. But he wasn’t. Freud was not Jewish. Do you know what I mean, now? (…) So Freud was really German. His style, his thinking, his interests, everything was German. And, here, he was torn apart. On the one hand, he was a Zionist. On the other hand, he was a German. He liked Goethe, Faust. His language was German. His style was the wounded German style of Thomas Mann – the rounded, harmonic, but very complicated expression, in contradistinction to the English, which is straight and simple. That became more and more apparent in Freud as the years went by and his fame grew. And, then, there was his interest in Moses, who, to Freud’s mind, wasn’t a Jew either.”

Freud was the Moses who never reached the promised land. His unconscious was only an idea. It’s not real. It was never real.”

I think he was a very eager physician. He wanted to cure people, but it didn’t work.”

(*) “Making the unconscious conscious, which is, in essence, the function of psychoanalysis, is a speculative, intuitive process of interpretation. In orgone therapy, the attack upon the characterological and muscular rigidities effects a release of bio-energy which is expressed in clonic movements and the experience of bodily sensations described as streamings. This movement provides an objectively expressive language, eliminating the need for the verbal psychoanalytic speculations condemned by many as unscientific.”

The Christians have the deepest point of view, the cosmic one. The American Jew has it, too, but not the European. I don’t know whether we should go into that. But I am very much interested in the history of Christianity. Do you know what Christ knew? He knew about the Life Energy.”

Freud was anti-emotional, very anti-emotional. Freud was for intellect only, you understand. I myself am quite intellectual. But intellect without an emotional basis can’t quite fully live or work.”

Intellectual activity has often such a structure and direction that it impresses one as an extremely clever apparatus precisely for the avoidance of facts, as an activity which really detracts from reality.”

In short, psychoanalytic theory assumes that the unconscious is the last biologically given realm; that there is nothing behind what the analyst can find in the depth of the person. This theory knows nothing of the bio-energetic functions in the core of the living system; neither does it penetrate deeply enough into the realm of bio-energetic functioning to realize that the ‘polymorphous perversity’ and antisociality of the unconscious are artifacts of our culture which suppresses the naturally given bioenergetics emotions”

DR. EISSLER

Yes. Now in one of your letters you said that you saw Freud at the window like a caged animal.

DR. REICH

That was that September, when we parted.”

But to return to our last meeting. We talked for about an hour, maybe an hour and a half, and I left. I knew it was the last time I would see him. Somehow, I knew that I wouldn’t see him again. I walked down. And as I left, I looked up at his window, and I saw him walk up, down, up, down, fast, up-down, up-down, in that room. I don’t know exactly why this impression remained so vivid to me, but I had the impression ‘caged animal’ And that’s what he was. Every man of his greatness, of his vivacity, of his spirit, who knew what he wanted and landed where he did would behave like that, like a caged animal. I have a very good feeling for movement and for expressions, and that was my impression – caged animal.”

You see, every pioneer has to have friends and co-workers to carry his work. Now, what usually happens is that they are not around, or if they are around, they take advantage of the pioneer. That’s a very dreadful truth, but it is truth. He waits and waits and waits for somebody to come around, to help, to do things and to go along with him. But they are just dead. You see, the pioneer somehow jumps out of the present-day biological structure of humanity.

NÓS” NÃO TEMOS UM PORQUÊ DE SER ASSIM. MAS TEMOS UM “PORQUE SIM” DE SER ASSIM.

Oh, yes, neurasthenia. The neurasthenia problem. Now, you know that Freud began as a somaticist, as a man who worked with the body. Then he discovered the unconscious. So he switched over into psychology. But he never forgot that he was a somaticist. The greatest thing that ever happened in psychiatry was the discovery that the core of the neurosis was somatic, i.e., the stasis, the libido stasis was somatic. I once treated a waiter. I did this and did that, and finally, I had to give up. I described it in The Function. I worked an hour every day for over 2 years. It didn’t work. Didn’t work. Nothing happened, even though I went through to the urszene, to the primal scene. He had no erections, couldn’t have erections. Well, such things drove me to Freud. His basic attitude about our technique was that we shouldn’t be too ambitious in trying to cure. But I always had the feeling that he was very, very disappointed in the curative faculties of psychoanalysis. He had expected very much, and it didn’t quite work out. When I first began to analyze, treatment was to last 3 months, or, at the most, 6 months. Then it became longer and longer and longer. Then he left therapy altogether. He no longer wanted to improve humanity.”

(*) “Reich, here, is referring to neurasthenia as a specific example of a psychiatric disorder with a somatic core. Contrasting it with the psychoneuroses, Freud had classified neurasthenia and anxiety neuroses as actual (‘aktuelle’) neuroses, i.e., disturbances lacking a psychic etiology. He did go so far as to suggest that all psychoneuroses may have an actual-neurotic core, but he failed to pursue the issue. Reich, on the other hand, searching for the somatic core, found ample clinical evidence to justify the conclusion that the stasis of sexual energy was the common denominator of all neuroses. This was the starting point of his orgasm theory and all his later investigations into the nature of the sexual energy.”

if your destructiveness is just inhibited and you turn it against yourself and eat yourself up inside, then I agree with you fully. But to believe in a primary masochism, in a wish to punish yourself, in a desire to die – no! no!”

He couldn’t speak. You see, he had been a marvelous speaker. His words flew clearly, simply, logically. I remember that Berlin Congress. He was beautiful. He spoke about Das Ich und Das Es. He spoke very clearly. And then it hit him right there in the speech organ. He had to resign. This man had wanted to talk, to go out, to speak, to move. Look at his mouth, the configuration of his mouth. He wanted to go out, to do.” I wanna sing, dad serious, dead issues, but I’m pretty awful at it – so what? So my fingers, awfully good in what they do – type, type, and type… I once dreamt they got cut off! Brainless Zanardi

By the way, I have to mention here that Horney took over my bio-energetic theory. When Freud’s dualism didn’t work, I proceeded toward the physiological and biological realm, and then toward the plasma motions. If I want something, I stretch out. Yes? If I am afraid, I pull in. And if I want to hit, I go out with a fury. So you have: I go out in love. I withdraw in anxiety. Or withdrawal is anxiety. That’s simple. It’s the plasma motion which does it. When I came to the United States, I visited Horney. She asked me about my work and I told her. Three or four years later, a book by her appeared. I don’t know which it was – Personality, or one of them. But it said she had a new theory: People are moving toward people, away from people, and against people. Toward people, away from people, against people. Do you get the point?”

There was a mental-hygiene movement long before, but the recognition of the neuroses as a social problem, mass neuroses, that’s what I brought into the mental-hygiene movement.”

I had made statistics in the Psychoanalytic Polyclinic, in free-thinker movements and in various associations. They revealed that about 90% of all women and about 70% to 80% of all men were just plain sick. That made me realize that there was a mass neurosis. I went to Freud. He had already said that all humanity was his patient. Here, quite concretely, was the evidence. 90% of all women (today, I would say even more) are characterologically and neurotically sick and not functioning according to natural law.”

(*) “From the beginning of the attack by the Food and Drug Administration in 1947 until his imprisonment in 1957, Reich was compelled to divert much of his time and energy to legal matters.”

I went too far. I would have done better if I had restricted the movement for the first 10 years to the spreading of clinics. I had 6 clinics in Vienna where people came and received advice once or twice a week. I had one, Annie Reich had one, Annie Angel had one, Bergler had one, and so on. To provide medical and educational help was its purpose. But I went too fast. I unintentionally aroused the animosity of the political parties. They felt the power of it, and they bccan1e afraid or jealous. Their meetings were dull. They spoke about this and that, law and such things. People weren’t interested. When they came to our meetings they had the whole personal, emotional life right in the open. That created too much competition. It happened too quickly, too quickly.”

Never do it the political way! People will get very enthusiastic about it. They will glow. They will burn for you. But their structures won’t follow. The character structure can’t follow. Then you are in trouble. That’s the danger, and that’s the special problem of mental-hygiene. I’m fully occupied with it, now, in an effort to solve it. This discrepancy between what a human being wants, what he dreams of, what he intellectually understands as true and good and what he actually can do, i.e., what his structure, the character structure, really permits him to do, is quite a problem in mental hygiene. It is also the gap where religion comes in with the idea of paradise.”

Freud? I don’t know. I don’t think Freud was ever against it. But the psychoanalysts, socialists, communists, Nazis, yes, and the liberals – everybody was against it. All the politicians were against it. The problem is so tough, so complicated. But I did learn one thing: Never do it politically. Never do it politically. Do it factually. Establish clinics, help adolescents to establish their love lives…”

(*) “<Apart from the mass of diseases it creates, the process of armoring in early childhood makes every living expression edgy, mechanical, rigid, incapable of change and adaptation to living functions and processes. The living organ sensations, which have become inaccessible to self-perception, will, from now on, constitute the total realm of ideas which center around the ‘SUPERNATURAL’. This, too, is tragically logical. Life is beyond reach, ‘transcendental’. Thus, it becomes the center of religious longing for the saviour, the redeemer, the BEYOND.> Reich, Ether, God and Devil

Politically? F. always said, ‘I’m a scientist. I have nothing to do with politics.’ And since politics was hooked up with sociology, I said, ‘That’s an impossible standpoint.’ You can’t be apolitical in a situation such as the world was in. You know, the depression years. But he was right as far as politics went because politics is irrational. He was wrong as far as social science went.”

Do you know what a political peddler does? He uses such terms as ‘sexual freedom’, ‘sexual happiness for youth’ as slogans. For example, the anarchists in England, the communists in Greece do it in a political way.”

All that brain surgery,(*) all that stuff, the chemistry racket business – no good. That’s medicine of the past. There’s no doubt that Freud was one of the fathers of the quite new medicine-psychosomatic medicine, functional medicine. We are the pioneers in that direction.” “There’s so much cheating in the field of medicine, especially in the United States, cheating, cheats, just quacks, that I understand why they become chauvinistic and bureaucratic. (…) I think it was a very great mistake in his fight against the chauvinism in medicine when he protected Reik. (…) He was attacked by someone for practicing medicine. Freud supported him. And from that, ‘lay analysis’ developed.

(*) Reich is referring to the frontal lobotomy which gained some vogue in the treatment of mental disease.”

The admission of lay analysts into natural scientific psychoanalysis was a very great mistake. Here, again, I refer to the natural scientific angle in psychoanalysis as opposed to the mere psychological angle. The psychological angle doesn’t carry you anywhere. You have to be rooted in natural scientific thinking, in physical medicine, and so on. You have all these lay analysts in the United States and, in my opinion, they do very much damage, very great damage. And it was Freud who opened the way to that.”

It was quite clear where Adler was wrong. He got stuck in a very superficial layer with the power thing and he didn’t think further. It was an evasion of the libido theory. That was quite clear. Freud was very clear about these things. He had an awfully clear mind. He knew. (…) Freud attacked hin1 fron1 the standpoint of the libido theory. He rebuffed him and didn’t want anything of the ego theory. Then, Freud himself went into it, undermining the libido theory.”

Jung meant something very important. You know what he meant? He really meant the energy in the universe, a universal libido. Freud said it was not scientific. You couldn’t measure it on a Geiger counter as I can.(*) Furthermore, it was mystically conceived.

(*) The Geiger-Müller counter is used to measure orgone energy in the atmosphere.”

There is a deadly orgone energy. It is in the atmosphere. You can demonstrate it on devices such as the Geiger counter. It’s a swampy quality. You know what swamps are? Stagnant, deadly water which doesn’t flow, doesn’t metabolize. Cancer, too, is due to a stagnation.”

(*) “The moment a man questions the meaning and value of life, he is sick, since objectively neither has any existence; by asking this question one is merely admitting to a store of unsatisfied libido to which something else must have happened, a kind of fermentation leading to sadness and depression.” F. em uma carta. Mas esta frase é um plágio.

He was theoretically very good. You must grant mistakes to a man who has to handle such a vast realm as the unconscious. Everybody makes mistakes.”

He thought Stekel was a charlatan.(*) I think he was unjust to Stekel. Stekel did things. He slept with patients and such things. (…) I think that was his reason.

(*) <He plays the respectful disciple, and meantime assumes the privilege of a superior. He forgives me so to speak for all that he has done to me.> F., in Joseph Wortis, Fragment of

an Analysis with Freud

Rank said something very real, without knowing it. It is what we operate with today in our children’s clinic. It is the tight uterus, the contracted, spastic uterus which chokes the child. The oxygen is lacking. The CO2 is excessive. Then, coming out of such a spastic uterus is really a trauma. The birth process takes 20 to 40 hours in primaparae as against 1 to 5 hours in relaxed organisms. So Rank was in the right direction, too. But what did he do? Just as so many others did, just as Adler did with the will to power. They based everything on it. They made a secondary or tertiary process the sole, responsible factor. And Rank did the same thing.”

Freud rejected the existence of so-called ‘ozeanische Gefühle’. He didn’t believe in such a thing. I never quite understood why. It is so obvious that the ‘ozeanische Gefühle’, the feeling of unity between you and Spring and God, or what people call God, and Nature is a very basic element in all religion, in all religious feeling to the extent that it is not sick and distorted.”

Well, there was a question wether Anna Freud had a love life. That was a very much discussed thing. Many analysts in Vienna thought she lived in abstinence. And it was regretted. I, personally, felt somehow that it wasn’t good for the development of the education of children. Problems of genitality arise in education and if one of its leaders lives that way it is important. This is what everybody felt. I know nothing about her. I wouldn’t like to utter any opinions about it.”

F. used to analyze his children. If the child had wet himself, he would ask, ‘Why did you do it?’

He liked pretty women. For instance, Princess Bonaparte was quite pretty at that time, and Deutsch was a very pretty woman. Want more of such gossip?”

Fenichel wrote letters around about what everybody did to everybody else.”

DR. REICH

You would like this? Tell me, how far do you go when you mean Freud, when you say Freud, Sigmund Freud Archives? How far do you go?

DR. EISSLER

Well, it’s difficult to say. It originally meant Freud, and just Freud, but I don’t think that you can really make sharp distinctions.”

It is meaningful from a point of view of my own use, of my early development, my emotional connection with Freud. I liked him very much. He liked me very much. It was important. But it is only a memory now. The psychoanalysts still think I’m a psychoanalyst. No! No! Am I looked upon as a psychoanalyst?”

(*) “<Your suggestion to link up the discovery of the Life Energy with Freud’s contributions to science cannot be put into effect. There is no such link. The utmost station of my work process which had clear cut positive links with psychoanalysis is the presentation in the second edition of my Character Analysis. Even these positive links had been rejected by Freud, including the crucial orgasm theory, the starting point of the later orgone energy developments.> Reich, in a letter to Dr. Harry Slochower, January 3, 1956.”

I think it will take hundreds of years before the theory of the unconscious and the theory of bio-energy will be really lived by alive people. And to protect that process, you have to guard against slander. Slander will go on for a long time – the slander of love, the slander of genitality, the slander of life, the hate of life – for a long time. To protect against that is part of the job. It is beyond psychoanalysis. It has nothing to do with psychoanalysis. It is outside.”

everybody wants to know how many women he had; whether he was divorced or not divorced; how many times he was divorced, and so on and so on. But those who ask these questions and those who assume the right to delve into the private lives of the pioneer, mostly to do damage, are themselves hidden in the bushes. I have a very typical picture of that. The pioneer is like a deer in the open meadow, and all of his critics and all of his enemies are all around him in the bushes. They can shoot from ambush and he can’t do a thing about it. Now, Freud was a pioneer, and you know how people wanted to know about him. He ran away from that. I told you that yesterday. He stayed at home. He didn’t see people. He was careful about his private life. He went into the sublimation theory.

Now, I myself began to be a pioneer, about 1923, when I discovered the genitality problem in neurosis. And the enemies – they were not enemies yet, but they sensed danger. As I told you yesterday, most of the psychoanalysts had been patients, sexually disturbed themselves, and that had a great influence. But it wouldn’t have developed as it did if I hadn’t tackled the problem of genitality in the neuroses. So the spotlight was turned on to me very early. I remember, in this connection, a remark by Reik, Theodor Reik, when I gave my first lecture on die Rolle der Genitalität in der Neurosenetiologie. All of the Viennese psychoanalysts sat there and listened. They were very attentive. Then, for the first time, the emotional atmosphere around me cooled. Reik said that it was a perfect presentation, but <I wouldn’t like to have written that book.>”

About 1926, when I published the work on the genitality in children, the first puberty, rumors came to my ears that I cohabited with my patients. I didn’t. It was Federn who slandered. That went on and on and on, underhandedly. I would hear something here, something there.”

DR. REICH

(…) To further illustrate the situation as it developed around 1932 – I was in trouble with my wife, my first wife. You know that?

DR. EISSLER

Yes.

DR. REICH

She was sick. I just had to leave her. And I, in contradistinction to Freud, did not give up my private life. I lived my love life. I was not afraid of public opinion. When the relationship with my first wife did not work out, I took another woman. Today, such things are readily acknowledged, aren’t they? But in those ‘cultured’ Viennese circles it was something very peculiar. Now, I was in the open. Everybody knew about it. I was not promiscuous, or in any way amoral or immoral. But I never permitted my organism to grow stale or to become dirty. That goes very deep, you understand. You know what happens when somebody lives too long in abstinence. He gets dirty, dirty-minded, pornographic, neurotic, and so on. (…) One only shrinks if one lives against nature. One shrinks, gets sick, ill, in one way or another.”

As a psychoanalyst, you are aware of the fact that the one who leads a frustrated life, or a pathological life, is envious of the one who doesn’t, the one who leads a clear and straight life.”

When I was through with my first wife, I had a second one. I wasn’t married to her, not legally married to her, but she was my wife. That was Elsa Lindenberg.¹ (…) Without mentioning names, I shall mention facts which resulted from the genital frustration of some psychoanalysts.”

¹ “Elsa Lindenberg met Wilhelm Reich, the psychologist, in May, 1932, during a protest demonstration against Adolf Hitler and the Nazi Party. She later recalled that ‘I got to know Willie Reich when I used to walk around Berlin at night with a pot of glue and anti-Hitler posters.’” Fonte: https://spartacus-educational.com/Elsa_Lindenberg.htm

There were instances where psychoanalysts, under the pretext of a genital examination, of a medical examination, put their fingers into the vaginas of their patients. It was quite frequent. I knew that. You see, it happened once or twice that I fell in love with a patient. Then I was frank about it. I stopped the treatment and I let the thing cool off. Then we decided either yes or no to go to bed.

(…)

I was quite straight about it. Some psychoanalysts didn’t do that. They would be hypocrites about it. They would pretend there was nothing there and would masturbate the patient during the sessions.”

One way the world usually attempts to kill the pioneer is to segregate him, to put him away into loneliness, into lonesomeness, so he can’t live a normal life. That is one way of breaking him. It happened to Nietzsche, for example. Now, I never permitted anyone to do that to me. They tried many times. What did I do? I dissolved the organizations that tried to do that.”

Well, for example, it happened recently in New York. There was a group of two dozen or so physicians who began to admire me and to have this mystical attitude toward me. They sat around me. They made that bust of me and carried it up and down the steps in my house and made a holy smoke out of me. That began to disturb my life, my vitality. I had to separate myself. I didn’t want it. It is much more important that I stay alive and do my experiments and my science than it is to have a few followers.”

(*) “The jailing of Reich achieved for his enemies what he had been able to avoid during so much of his eventful life. It was the final and tragically irrevocable solution to the endless attempts to segregate him. Jailing succeeded where slander and defamation had failed.”

I was reproached because I married a former patient of mine, Annie Pink. It turned out very badly. Rado married a patient, Emmy. Others married patients. There was nothing wrong with that. What was wrong, however, was the hypocrisy which was in many treatments”

You make somebody else bad in order to free yourself from responsibility. We call that the Emotional Plague.”

This was not a special case of hate, or infamy, or destructiveness toward me. It is a general thing that goes on everywhere. But the psychoanalysts are no different from anyone else.”

I assure you that it is the same with the orgonomists today with the genitality theory. They don’t touch it. These armored character structures cannot handle natural genitality. It may take another 50 years or so to get it across.

Let me give you another example. My second wife, Elsa Lindenberg, was very beautiful. That is her picture over there. I came to the Lucerne Congress with her in 1934. It is quite amusing to think back on that today. But to give you a picture of the attitude of some analysts at that time: They lived in hotels, sat around in smoky lobbies, and so on. I didn’t. I lived with my wife in a tent at the Lucerne Lake. I had a dagger, you know, as you have when camping. Today, nobody would find anything peculiar in it. Fifteen years later, a rumor went around in New York to the effect that I had gone completely crazy at Lucerne and had put up a tent in the lobby of the hotel and that I went around with a dagger. You never knew who started it, but that rumor went around and came back to me.” “Only starved, genitally starved individuals do such things. A genital character, a normal, healthy individual doesn’t do that. It doesn’t occur to him to do such things, to run after a woman in such a manner. They didn’t know that she was my wife, but when they found out, they retreated. To get to the essence of the whole thing, it is impossible for a human organism, such as that of an analyst, to work continuously over the years with the human structure, with the instincts, the perverted instincts and the healthy instincts, to take all that, to have to accept it, to have it poured onto him, and to stand it, unless he himself is completely clean, lucid, and orgastically satisfied, unless he himself lives in a good way. Now, that was not the case with the majority of psychoanalysts. And that is crucial. (…) Their structures couldn’t stand it. I don’t think they avoided it in a moral way. In some cases, they did so in a pornographic way; in others, in a defensive, compulsion neurotic way; in still others, by just not having contact with it, just not handling it.”

You can’t get at the human character by psychoanalytic means. You have to reach it with character analysis or orgone therapy. Human beings live emotionally on the surface, with their surface appearance. Correct? In order to get to the core where the natural, the normal, the healthy is, you have to get through that middle layer. And in that middle layer there is terror. There is severe terror. Not only that, there is murder there. All that Freud tried to subsume under the death instinct is in that middle layer. He thought it was biological. It wasn’t. It is an artifact of culture. It is a structural malignancy of the human animal. Therefore, before you can get through to what Freud called Eros or what I call orgonotic streaming or plasmatic excitation (the basic plasma action of the bio-energetic system), you have to go through hell. Just through hell! This is true for the physician as well as the patient. In this hell, there is confusion, schizophrenic breakdown, melancholic depression.” “A bull is mad and destructive when it is frustrated. Humanity is that way, too.”

At that time, I would have run. I couldn’t run today. The bridges are burned behind me. Looking back, I understand it. It is very dangerous. You see, the armor, as thick as it is and as bad as it is, is a protective device, and it is good for the individual under present social and psychological circumstances to have it. He couldn’t live otherwise. That is what I try to teach my doctors today. I tell them I am glad they don’t succeed in breaking down that armor because people, who have grown up with such structures, are used to living with them. If you take that away, they break down. They can’t, they just can’t live any longer. They can’t function, you see. It will take a long time – maybe decades, maybe centuries, I don’t know – until we have new generations whose structures will be different.”

DR. EISSLER

You mentioned yesterday about Jones. I thought that that had a direct effect on-

DR. REICH

Oh yes, of course. He was a very frustrated Englishman, you see. And he hated the way I lived. So, to judge from the events at Lucerne, he most likely dug against me to Freud. He thought I was psychopathic. The analysts don’t distinguish the sick and the healthy. So, to them, I was psychopathic.”

(…) Emmy, Rado’s his wife, and I had very strong genital contact with each other. Never anything like full embrace happened between us, but we danced a lot together and we had very strong contact. And Rado was jealous.

DR. EISSLER

And then he started an intrigue against you?

DR. REICH

Yes. He was the one who started that rumor in 1934. He began the rumor that I was schizophrenic. He was the one. And Fenichel picked it up. The rumor was that I was in a mental institution. I wasn’t. I never was, never have been. Fenichel was the one who broke down emotionally. It was Fenichel who was in an institution for three weeks after a breakdown. He broke down in connection with my separation from the IPA. I never mentioned him by name, but I related that whole story in Character Analysis, in the 3rd edition. I never reacted to that publicly because I knew I was strong enough to survive. So, to begin with, it was Rado because of Emmy. Fenichel and others picked it up easily, as usually happens. I had quite a time to get rid of that. The rumor preceded me by a year in the United States. Everybody thought I was psychotic. That was my punishment for the discovery of the orgasm function.”

This ‘don’t touch it’ showed up quite clearly in the handling of the Freud Archives. I don’t know whether you know that. Freud was put away. Nobody wants to deal with Freudian problems, you understand. ‘Put them away for 100 years. Let 2 or 3 later generations decide about it. We don’t want anything of it.’ You won’t agree with me. There is, however, no doubt about it. When your secretary went down to the Library of Congress to confirm receipt of my documents, the answer I received back was the assurance that my correspondence with Freud or about Freud is put away for 100 years. But I am not interested in that. I never intended to put away my correspondence for 100 years. On the contrary, I am going to publish it during my lifetime. There is nothing to hide. Are you going to tell them what I say?”

It was a handy tool for my enemies, you know. I wasn’t a communist. I wasn’t a Marxist. I understood Marx, but I saw that Marxism, as I proved in my writings, was insufficient to handle the problems. But the analysts were already afraid of the ‘social consequences’. If I had known where it would lead, I would have been afraid, too. But I didn’t, you see. I was determined to go right after the problem.”

I was never a political communist. I would like to have that fully on record. Never. Oh, yes, I worked in the organization. I worked with them. I believed that capitalism was bad, but I don’t believe, today, that the misery stems from capitalism. The misery is older than capitalism. I tried hard to get psychology, especially psychoanalytic psychology, into sociology.” “From the point of view of later developments of misery for myself and my beloved ones, I wished I had never started my program of improving the socialist movements. No more deadly enemies, no greater danger to my life and liberty or happiness have ever come than that movement directed by liberators without knowledge of the laws of responsible freedom.”

Bernfeld began it about 1925, but he dropped it. I continued in 1927. In Austria, I worked with the communists, but I was in the Arbeiter Hilfe. (The Arbeiterhilfe (Worker’s Help) consisted mainly of people who were not party members but sympathized openly with the Russian revolution. The Arbeiterhilfe and the Rote Hilfe (Red Help) were designed as a kind of Red Cross organization. However, these affiliates consisting of non-political members were in many cases abused for political power purposes in the early 30s, without the consent or even the knowledge of the members of these organizations.) In Germany, I belonged to the socialist physicians under Simmel.(*) I worked with the communist faction because of the new laws in Russia – the sexual laws. Freud was all for it. Today, everybody is for it except the Russians, who dropped it long ago. Somehow, the world has split up. You see, there was this tendency in the late 20s to unite psychology and Marxism, or psychoanalysis and Marxism.(**)

(*) Ernst Simmel (1882-1947), president of the Society for Socialist Physicians in Berlin, who pioneered in the development of hospital care of patients, using psychoanalytic principles.

(**) At that time, nobody had an inkling of the future split of a mechanized and ruined Karl Marx who would be confined to an imperialist, Russian, tyrant state, and a badly mauled Freud confined to the USA, appearing frequently in a commercial manner as thousands of ‘lay psychotherapists’”

He was a Modju. Federn was a psychoanalytic Modju. He was very unhappy in his marriage, but he was a very, very good husband. He stuck to her and so on. And he was a ‘culturist’. He used to read Goethe to his patients.”

DR. REICH

(…) When did you enter the psychoanalytic movement?

DR. EISSLER

Well, I went to psychoanalytic lectures from 1931 on.

DR. REICH

Are you a member of the psychoanalytic society now?

DR. EISSLER

Yes.

DR. REICH

In New York?

DR. EISSLER

Yes.

DR. REICH

May I ask you a question? Did you discuss this interview with anyone of the Board of Directors of the Psychoanalytic?

DR. EISSLER

What do you mean – discuss?

DR. REICH

Discuss what we should talk about?

DR. EISSLER

One or two, I think, know that I planned to interview you.

DR. REICH

Who?

DR. EISSLER

I think I told Hartmann and Kronold.

DR. REICH

You know Kronold was my student.

DR. EISSLER

Yes.

DR. REICH

He is quite decent, but they all left me. They all abandoned me.

DR. EISSLER

But they say you are a very good analyst.

DR. REICH

Yes. Other psychoanalysts don’t know about this interview? They don’t ask? But they know that I cooperate with you?

DR. EISSLER

Yes, sure. But their interest is really a peripheral one.

DR. REICH

Is that so?

DR. EISSLER

Yes.

DR. REICH

You know what I mentioned yesterday about that original damage done to the human, to infants. That’s what it is – this lack of interest. Nobody is interested. They can’t be interested. The protoplasm doesn’t sparkle any more. Oh, we encounter that everywhere. We have it right in our own midst. It is everywhere, everywhere. Were there any objections to my depositing the documents?

DR. EISSLER

Oh, no.

DR. REICH

There are a few severe enemies in the psychoanalytic association. Nunberg is very severe. There are very many friends there, too, but they don’t touch it. You know what I mean.”

Do you know who has kept the libido theory alive and working today? And who developed it? I regard myself as the only one who did it. Nobody else. Is that clear? I want this quite clearly on record. I claim that. (…) It was also a point of frequent discussion with Freud. I refer here to the relationship of the quantitative to the qualitative. To him, it was one of his greatest discoveries that an idea is not active on its own, but because it has a certain energy cathexis, i.e., it has a certain amount of energy attached to it. In this, he had brought the quantitative and the qualitative together. He did the same thing when he claimed that the neurosis had a somatic nucleus. But the quantitative, the energy angle, was only a concept. It was not reality. Now, whereas the psychoanalytic organization developed the qualitative angle, i.e., the ideas, their interconnection, and so on, I picked up the energy angle. I had to hold on to the libido theory, you understand, not only because it was true, but because I needed it. I needed it as a tool. It led into the physiological realm. That means that what Freud called libido was not a chemical, but a movement of the protoplasm.”

(*) “I must guard against any attempt to write me down in history as a Freudian or as one of the many psychotherapeutic schools which sprang from the deletion of the living nerve of the Freudian theory, namely, the libido theory. The actual discovery of the cosmic energy has nothing whatever to do with Freud.” Reich, 1956

(*) “The microscope, telescope, orgonoscope, temperature-difference apparatus, electroscope, field meter, fluorophotometer, Geiger-Müller counter are some of the devices used to visualize and otherwise demonstrate and measure quantitatively the orgone energy in biological specimens and in the atmosphere.”

(*) “Blue is the specific color of orgone energy within and without the organism. Classical physics tries to explain the blueness of the sky by the scattering of the blue and of the spectral color series in the gaseous atmosphere. However, it is a fact that blue is the color seen in all functions which are related to the cosmic or atmospheric or organismic orgone energy. Protoplasm of any kind, in every cell or bacterium is blue. It is generally mistaken as ‘refraction’ of light which is wrong, since the same cell under the same conditions of light loses its blueness when it dies. Thunder clouds are deeply blue, due to high orgone charges contained in the suspended masses of water. A completely darkened room, if lined with iron sheet metal (the so-called ‘Orgone Room’), is not black, i.e., free of any light, but bluish or bluish-gray. Orgone energy luminates spontaneously; it is ‘luminescent’. Water in deep lakes and in the ocean is blue. The color of luminating, decaying wood is blue; so are the luminating tail ends of glowworms, St. Elmo’s fire, and the aurora borealis. The lumination in evacuated tubes charged with orgone energy is blue.’” Reich, The Orgone Energy Accumulator – Its Scientific and Medical Use

However, I could have developed my discovery of the life energy as well from Driesch’s Entelechy or Bergson’s Élan Vital, or from any of the biochemical branches of science, had I happened to have worked practically in any of these fields. Similar conflicts would have arisen to free my thoughts. This is to say that there are many forerunners of my discovery.”

Think of an article like Sterba’s on my work in which he leaves out the crucial orgasm question entirely. Oh, yes, I know they talk of anal and oral and so on. That is not the point, you understand. The point is the grasping of what the libido theory meant. With the libido theory, psychology hooked onto natural science for the first time in the history of science.”

(*) “The term id expresses, in a metaphysical manner, the fact that there is in the biosystem a ‘something’ the functions of which are determined outside of the individual. This ‘something’, the id, is a physical reality; the cosmic orgone energy. The living ‘orgonotic system’, the ‘bio-apparatus’, represents nothing but a special state of concentrated orgone energy. In a recent review, a psychoanalyst described the ‘orgone’ as ‘identical with Freud’s id’. This is as correct as the contention, say, that the ‘entelechy’ of Aristotle and Driesch is identical with the ‘orgone’. It is true, indeed, that the terms id, entelechy, élan vital and orgone describe ‘the same thing’. But one makes things all too easy for oneself with such analogies. ‘Orgone’ is a visible, measurable and applicable energy of a cosmic nature. Such concepts as id, entelechy, or élan vital, on the other hand, are only the expression of inklings of the existence of such an energy. Are the ‘electromagnetic waves’ of Maxwell ‘the same’ as the ‘electromagnetic waves’ of Hertz? Undoubtedly they are. But with the latter one can send messages across the oceans while with the former one cannot.

Such ‘correct’ equations without a mention of the practical differences serve the function of verbalizing away great discoveries in natural science. They are as unscientific as the sociologist who, in a recent review, referred to the orgone as a ‘hypothesis’. With hypotheses, with such things as the id or entelechy, one cannot charge blood corpuscles or destroy cancer tumors; with orgone energy, one can.” Character Analysis

* * *

APÊNDICES DO LIVRO (PART 2. DOCUMENTARY SUPPLEMENT)

TRECHOS DE ESCLARECIMENTOS E PREFÁCIOS

Freud seemed to have been stuck in his own need to ‘sublimate’ which he, then, made valid for all by translating it into a wrong psychological theory. Contemporaries of his such as Strindberg, Ibsen, Nietzsche, who had no fear, were far ahead of Freud in these matters.”

Dialectic materialism as outlined by Engels in his Anti-Dühring developed into biophysical functionalism. This development was made possible by the discovery of the biological energy, the orgone (1936-1939). Sociology and psychology were put on a solid biological foundation. Such a development cannot remain without influence on thought. As thinking develops, old concepts change and new concepts take the place of obsolete ones. The Marxist ‘consciousness’ was replaced by ‘dynamic structure’, ‘needs’ by ‘orgonotic instinctual processes’, ‘tradition’ by ‘biological and characterological rigidity’, etc.” “Does that mean that the economic theory of Marxism is fundamentally wrong? I should like to clarify this question by an illustration. Is the microscope of Pasteur’s time, or Leonardo da Vinci’s water pump ‘wrong’? Marxism is a scientific economic theory which stems from the social conditions of the early 19th century.”

TRECHOS DE CORRESPONDÊNCIAS

Carta a Adler, 1920

For if this will to power originated from the desire to become like the father (reinforced by the inferiority feeling that this cannot be done), the explanation would suffice if we did not have to ask ourselves: in what respect does the 4-year-old boy want to become like his father? If he feels the stirrings of inferiority, this must have a cause – and what is it? However, our curiosity will scarcely be satisfied by this answer: the youngster wants to become an engineer or a shoemaker like his father; he wants to build equally fine houses, etc., and since he cannot do this, his inferiority feelings awaken, and along with them the will to surpass his father. We can even occasionally observe that little boys show preference for games imitating the occupations of adults, the closest model being the father. But we will have to say that this is not always the case, and if it does happen, it is frequently an imitation, free of envy, whose strongest motives must be sought in entirely different areas. We should even admit that nothing could be more alien to the child than the reality, burdened with worries and sorrow, which in the long run cannot be concealed from him, particularly if he is intelligent; that he will select from this reality only that which gives him the most pleasure – that is, only the marvelous freedom, the come-and-go-as-you-please, above all the freedom from the paternal whip that keeps coercing him back into the narrow circle he tries to break by every available means. And, here, alone, we

would find the relation you have emphasized: cause-effect, pressure by the father (by all education)–inferiority feeling (and the will to surpass the father, i.e., to overcome him, to be free of him).”

I would like to point to the enormously conspicuous circumstance that persons with a particularly highly developed will to power also show a distinctly sadistic character trait.”

Here the question arises as to why the absolutely and relatively greater inferiority feeling of the female sex does not produce, by way of overcompensation, a will to power far stronger than the man’s …. In explaining this case, you mentioned the father’s extraordinary love for his young daughter and later, it seemed to me, you did not refer to this very important circumstance again. Is it not likely, then, that the girl returned her father’s love, could not emancipate herself from him and rejected all suitors, regardless of her wish to get married, which even seems to have tormented her?”

Carta a Ferenzi, 1925

But the principal conclusion of this research, stimulated by The Ego and the Id concerning the character and its analysis, seems to me the, by now, generally accepted opinion that we are progressing from symptom analysis to a therapy that investigates the characterological foundations of the symptom neurosis; and that true and lasting cures can be achieved only if we succeed in modifying the neurotic character, which is the substructure of its symptomatology.”

Since The Ego and the Id, we can no longer doubt that sadism – the aggressive, destructive death instinct – stands as the equal of Eros, and we are learning to assess its importance, which differs from Adler’s in being less one-sided, and yet somehow resembling it. I must confess that the contradiction between text and addendum irritated me all the more as I felt that the Professor F. did not unequivocally resolve it; for what Adler at the time understood to be an aggressive instinct is the same that Freud calls destructive instinct.”

Carta a Federn, 1926 (infelizmente Reich era muito ponderado e acabava não enviando essas cartas mais ofensivas!)

On the occasion of the last election of secretaries, after you became acting chairman following Rank’s resignation from the executive committee, you told me that I would have become secretary, along with Nunberg, if it had not been necessary to iron out certain differences with Jokl and to appoint him for political reasons. Nunberg was elected because he had seniority. (May I be permitted to remind you in this connection that I have seniority over Jokl.) I accepted these political arguments, too, even if I did not approve their specific political nature, and I, the ‘aggressive, paranoid and ambitious’ type, forgot the whole affair without being in the least upset about it. It was only after the most recent decisions of the executive committee that both incidents assumed significance in my mind. Now the position of secretary was simply liquidated with the explanation that Bernfeld was the only one being considered ad personam. And what about the post of second secretary before Bernfeld’s elecion? Please believe me when I say that I thought of my automatic advancement to Bernfeld’s position (as secretary or librarian) for the first time when you spoke of the new election in the board meeting. I had a two-fold interest in being on the executive committee. The first was motivated by the understandable desire to see and listen to the Professor more frequently. Infantile, perhaps, but neither ambitious nor criminal. The second was purely factual: I feel that for several years I have presented important suggestions which actually should have originated with a member of the executive committee since they concerned organizational questions such as establishing, conducting and developing the technical seminar (the chairmanship of which I have never claimed); differentiating between two kinds of members, systematizing the clinic services and the employment of physicians. (My admission as acting chairman to the executive committee of the clinician admission I did not claim but which was promised to me – suffered the same fate, for even flimsier reasons, as did my admission to the executive committee of the Association. Without bemoaning the former, I performed my duties in the outpatient clinic to the best of my ability and judgment, giving no cause for complaint, in spite of constant vexations.) Without my energetic efforts against the decision of the Association, the important question of the psychoanalytic specialist might not have been tackled for many years. My organizational work in the Association, combined with my scientific activity, gave me the feeling of justified expectation.”

My activity – which, like all positive things, also has its negative aspects – has earned me the reputation of being aggressive. I share this fate with Tausk. I had to admit that for a while, stung by an irrelevant scientific opposition and by the general conditions in the Association, I did not exercise sufficient restraint, a fact which I regretted very, very much, and, on realizing it, I changed my conduct immediately. However, I may safely say that, no matter in what defensive position I found myself, I never insulted a colleague or otherwise hurt his feelings. Should this nevertheless have happened, I am ready to make any amends that are asked for. I never intended any personal offense but always objectively said what I was convinced I was justified in saying – without false consideration, however, for age or position of the criticized party. I have always welcomed objective criticism. On the other hand, I have had to put up with many things that would have prompted any one among you to insist on an arbitration procedure, and yet I did not react personally (coram publico or in private) or aggressively. That my objective criticism became stricter still is something I cannot be blamed for. May I recall the personal insults of Dr. Hitschmann, Drs. Nunberg and Hoffer; also, the irrelevant personal criticism of my lectures by Dr. Reik (‘The paper is good, but I would not like to have written it’). I will not even mention all the needling – so intangible, without being the less hurtful – that I cannot itemize without making a fool of myself.

Also, please do not ask me for details about colleagues (there is only one among them who is younger than I am) who are apparently well-intentioned toward me. Unless it can be proved that I made gross or numerous serious errors which would explain the attitude of many members and, by extension, the attitude of the executive committee, then only one explanation suggests itself: our Association is suffering from intramural envy. A paralyzing skepticism prevails; almost no one takes an active interest in the outpatient clinic, and anyone who wants to bring clarity to the controversial question of analytic therapy and refuses to become stifled in his interest in psychoanalysis as a science and movement is looked upon with a jaundiced eye.”

A conversation with Professor Freud about analytic therapy convinced me that an infinite number of opinions, circulated as belonging to the Professor (e.g., on passivity), are either falsely attributed to him or, if he voiced them at all, have been misunderstood. Whence stems this shyness to discuss our therapy which is so dangerous for psychoanalysis as well as for the individual analyst? The idiotic rationalization is: the Professor does not think much of therapy. And yet, it is nothing but one’s own inner insecurity and lack of sincerity which take cover behind Freud. I am not an optimist, as people keep telling me over and over. I am merely seeking the truth about our achievements, and for this purpose, confident of analytic honesty, I created the technical seminar. I have worked for many years to obtain insight into the circumstances of successful and unsuccessful analyses. I interpret it as a symptom, and blame everyone who takes this personally, for letting me be the only one in the seminar, in courses and in publications who has reported on failures and tried to clarify these in common discussion. Most of the Viennese analysts report either on the theory of the case alone or on successful cases only.

So this is the crime that makes me unpopular: I criticized the ostrich attitude as being unanalytic; I publicly maintained that an analyst is duty-bound to discharge a patient when he has lost the thread of the analysis and is unable to find it again; he must deal with the therapeutic theory of each case and he must study the criteria for prognosis. I have repeatedly asked for cooperation, and have met either with blind criticism or scorn for my efforts.”

Carta a Freud, 1928

In yesterday’s meeting I lectured on A Problem of Psychoanalytic Technique, reporting on the technique of dealing with narcissistic defense. Last summer, I was criticized for giving my technical lectures at the Seminar and not at the Association. In yesterday’s lecture, I wished to present to the Association one of the problems which has been discussed for years at the Seminar, in order to elucidate the differences of opinion prevailing in the Seminar. To my greatest astonishment, Dr. Federn declared that what I had presented was so commonplace that it did not belong in the Association. This may be true or not; but I must protest against Dr. Federn’s hateful, high-handed tone, and against the fact that he paralyzed the discussion by proposing that the points of contention should not be debated, which, in view of the Association’s general apathy for debate, was quite enough. This unprofessional attitude of a chairman cannot, and must not, be tolerated.

It is not only my own feeling but the conviction of almost all analysts, particularly the younger ones, that Dr. Federn inhibits all constructive work by his inconsistency, his inability to conduct a discussion, and especially by his embarrassing manner of belittling everything a younger analyst may say; he is not only hampering the development of the Vienna Association but, worse, contributing to its deterioration. Dr. Sterba and Dr. Bibring, who, at my suggestion, were to present to the Association surveys on technique and therapy developed at the Seminar, have refused to do so because they do not want to expose themselves to Dr. Fedem’s supercilious condescension. If Dr. Fedem complained last year that the Seminar draws off lectures from the Association, then he should not now brush aside everything the younger analysts have to say; even if their knowledge is rather basic, they still struggle to acquire it on their own because it is generally held that Dr. Federn’s technical course was inadequate and did not offer what he calls ‘commonplace’. The younger analysts dare not complain because they fear for their future. Conditions in the Association are utterly depressing.”

Carta aos editores do International Journal for Psychoanalysis, 1932

I criticized the doctrine of the death instinct at a time when I knew nothing about Marxism except that it existed (see discussion with Alexander, written down in 1926). It was not Marxism that caused me to criticize the empirically unproven hypotheses leading to horrendous conclusions (death instinct and repetition compulsion), but it was analytic empiricism that brought me to Marxism. After all, aside from individual psychological motives, the question why psychoanalysis deviated from its initial clear biological path could essentially be explained in sociological terms alone.”

Carta a Eitingon, 1932

In our conversation of October 6th, you asked me not to admit any candidates in the first training stages to the unofficial technical seminar I am conducting, and to limit attendance to those analysts who at least are guests of the Association. You justified this demand by stating that I differ with Prof. Freud on the death instinct theory, which, judging by the latest decisions, has become an integral part of psychoanalytic theory.”

Carta à IPA, 1933

Yesterday Dr. Freud, the editorial director, advised me that, following a decision of the advisory board and the publishers, the contract for my book Character Analysis, scheduled for early publication, has been cancelled.”

For a long time, political reaction has identified psychoanalysis with Kulturbolschewismus, and rightly so. The discoveries of psychoanalysis are diametrically opposed to the nationalistic ideology and threaten its existence. It makes absolutely no difference whether the representatives of psychoanalysis resort to one precautionary measure or another, whether they withdraw from scientific work, or whether they adapt it to present conditions. The sociological and cultural-political character of psychoanalysis cannot be eliminated from this world by any measure whatsoever. The nature of its discoveries (infantile sexuality, sexual repression, sexuality and religion) makes it the arch-enemy of political reaction. One may hide behind such illusory beliefs as a ‘nonpolitical’ science: this will only harm scientific research, but will never prevent the ruling powers from sensing the dangers where indeed they are, and fighting them accordingly. (For example, the burning of Freud’s books.)

Since psychoanalysis, in the unanimous opinion of its exponents, has a cultural and political significance beyond its medical goals and will play a decisive role in the forthcoming struggle for a new social order, but will certainly not side with political reaction, any attempt at adapting or camouflaging the movement’s essential meaning is a senseless self-sacrifice. All the more so as a substantial group of analysts is determined to continue the cultural-political struggle. The existence of this group, regardless of its position inside or outside the IPV[ienna], is politically compromising even if its principal spokesmen should be physically de strayed. I see no possibility for the leaders of the IPV to disavow this group since it is rooted completely, and in contradistinction to other groups, in the soil of psychoanalytic discoveries with all their implications.”

Hitler’s rule does not spell the end of the historical process. If ever the historical raison d’être of psychoanalysis and its sociological function was needed, the current phase of historical development must prove it.”

Carta a Anna Freud, 1933

when they learned that I was going to Copenhagen, two Danish students wanted to study with me. They discussed this with several Viennese analysts. One of these analysts discouraged them because a training course with me allegedly would not be recognized. This man knew more than I did. Another promised the bewildered Danes to consult local training analysts, and came back with the information that a training analysis with me was not advisable because the Danes were Marxists, and since I, too, was a Marxist, ‘the danger of identification’ would be ‘too great’. This came as quite a surprise to me, for up to now it seemed virtually taken for granted that theologians were sent to Pfister, moral philosophers to Mueller-Braunschweig, and reconstructed socialists to Bernfeld. Only in my case this Gleichschaltung, to use the latest Nazi term, does not seem to apply. I am powerless against such methods, which I hesitate to describe more succinctly; neither do I fear them.”

I do not know if you realize that Dr. Harnik is going to Copenhagen as a training analyst, with the explicit consent of Dr. Eitingon. Dr. Hamik’s psychotic illness makes such a move seem extremely questionable. I refrain from describing the serious complications that are bound to arise when his psychosis breaks out in the North. It obviously will not help the cause of analysis. In any event, Dr. Eitingon bears a heavy responsibility for placing Dr. Harnik in such an exposed position.”

Carta a Anna, 1933

I have the greatest interest in eliminating two facts: first, the IPV’s strategy of ‘killing by silence’ as hitherto applied to my work, and, secondly, the resultant attempts to give me the cold shoulder unofficially, quietly, as it were by indirection. Dr. Eitingon’s private stand on the question of my call to Copenhagen as a training analyst, of which I informed you; Dr. Federn’s private proposal that I should be induced to resign from the IPV; the private attempts by several analysts to dispute my competence to train analysts and to disavow my purely analytic work – these represent inappropriate attempts to resolve a conflict which can only be clarified by an open, official stand.”

Carta a Rado, 1933

I have the misfortune to be an extremely orthodox analyst and a Marxist all in one, which in our present world has produced some very unpleasant truths.”

Hence, could you investigate and let me know how the Americans feel about me? And if I could eventually get a purely formal invitation from overseas for visa purposes? I would also be grateful if, in your capacity as secretary of the IUK of the IPV, you would take a stand on my teaching activity in Copenhagen by writing officially to Berlin to the Educational Committee.”

(Erik Carstens to Freud)

10 November 1933

DANISH PSYCHOANALYTIC ASSOCIATION

Holbersgade 26 – Copenhagen K

My dear Professor:

The Danish Psychoanalytic Association has asked me to write you as follows:

We are turning to you, the founder of psychoanalytic science, to help us in our difficulties. Our efforts in behalf of psychoanalysis are threatened from two sides – by the Danish authorities and the ‘wild’ analysts. Without motivation, our Minister of Justice has rejected our petition for residence and working permit for Dr. Reich, who is our training analyst and scientific director. We replied by inviting the public to a lecture, where Reich, Neergaard and I discussed the Struggle for Psychoanalysis. The evening was a success, about 600 people attended, the press gave us good coverage, and a group of physicians decided to send a new petition to the Minister of Justice. We have written to Dr. E. Jones, asking him for his expert opinion on the need of authorized training for psychoanalysts, for submission to the Danish authorities. The next attack on psychoanalysis happened a few days ago: the Attorney General is suing the editor of a journal for publishing an article by Dr. Reich on sexual education which he considers pornographic. This article is a translation of Reich’s paper published in 1928 in the Journal for Psychoanalytic Pedagogy.

We are determined to continue the struggle for authorized psychoanalytic training, but are further handicapped by the activities of wild analysts. One of them, Sigurd Naesgaard, Ph.D., who has never been analyzed, has battled for years against the training analysis. He asserts that the training analysis is only a means of power. Publicly, he describes himself as your student, but his publications contain such a mixture of opinions by Stekel, Adler, Jung and yourself that no one can quite unravel who said what. He has asked many persons to practice psychoanalysis without previous training. Several have followed his suggestion. Recently he founded, together with Strömme (Oslo) and Bjerre (Stockholm) a Scandinavian Psychotherapeutic Association for the purpose of establishing psychotherapeutic training institutes. In the program brochure, the training analysis is not even mentioned.

I am writing in such detail about Dr. Naesgaard becanse I know that you have corresponded with him and because I must assume that, living as far away as you do, you are not fully informed about him. A friend of mine who knows Naesgaard quite well recently told me that Naesgaard showed him a letter from you, in which you mentioned Harnik and Reich. You apparently wrote about Harnik that you had known for years that he was manic-paranoid. As to your comment on Reich, my friend had promised to keep silent.

You will scarcely be able to judge from such a distance how much Harnik has damaged the psychoanalytic movement here. My letter would be very long indeed if I were to elaborate on this. Let me just say this: people in Copenhagen were greatly surprised, and still are, that a man in his condition was a member of the teaching committee of the German Psychoanalytic Association, that he was given the difficult assignment to teach psychoanalysis in Denmark, and that he was an authorized analyst at all.

In contrast to Harnik, Dr. Reich has rendered us such valuable practical assistance as a training analyst and director of our technical seminar during his brief residence that we wish to keep him at all costs. His departure would not only disrupt our training program but would also cause great personal harm since our training analyses would suddenly stop. Most of us are prevented by external circumstances from following him abroad. But for several analysands with strong transference feelings such a break would be just as harmful as an interrupted operation would be for a patient whose doctor leaves him in the middle of surgery.

Therefore, we would appreciate your helping us in this trying situation by sending us your expert opinion on these two questions:

1) Is a training analysis mandatory for those who wish to practice psychoanalysis?

2) Is Reich’s article ‘Where Does Nudist Education Lead To?’ (Journal for ps. Pedagogy, 1928) pornographic?

We further would ask your permission to forward your opinions to the Danish authorities and also – if we consider it appropriate, to publish them in Denmark.”

Freud’s reply, dated November 12, 1933, acknowledged Reich’s stature as an analyst, but criticized his political ideology, which he felt interfered with his scientific work. Carsten’s appeal for help was rejected.” C A N A L H Ã O – EM 1933 PASSOU O ANO SE MASTURBANDO COM CHARUTO, NEM SABIA QUEM ERA HITLER!

Carta ao ‘camarada’ Fenichel, 1934

In science, a political struggle usually does not present itself directly and thus is not easily recognizable, but is camouflaged as a difference of scientific theories. It requires considerable Marxist training to recognize whether such differences merely stem from factual confusion or whether, regardless of the facts, they arise from conflicting political ideologies. I do not consider it very promising to wage a struggle within a scientific movement with weapons taken from the arsenal of party politics. I mean, it is not important to prove that one school of thought is reactionary and the other revolutionary. What matters is not so much the private political conviction of the analyst; rather, it is important to show how the ideology of a scholar will influence the formation of his theory and his clinical, therapeutic work. Any critique of psychoanalysis must grow from the subject matter itself; it must demonstrate from the raw material of research in which particular concepts the road forks off-to the right, or to the left. Therefore, dialectical-materialist criticism of the psychoanalytic movement can only be fruitful if it proceeds from a specific standpoint it has already earned independently – in other words, from a theory. A concrete example: it is certainly characteristic that the attitude of the Paris group toward the German e1nigres was reactionary. But what is decisive for the development of psychoanalysis is the fact not only that today Laforgue’s theories are published in preference to authentic psychoanalytic works but that this distortion of psychoanalysis goes unopposed, even among analysts who have been the most dependable in the past. Therefore, whoever does not take an open stand against the wrong theories we criticize supports them, whether he likes to or not, and runs the danger of slipping into the wrong path. For my part, since 1924, when I saw the beginnings of a schism in the formation of analytic theory, I have tried to gain a firm foothold for my criticism by the consistent development of the psychoanalytic libido theory. The attacks of the most prominent members of the Vienna association (Deutsch, Federn, Nunberg, etc.) on my orgasm theory were the first signs of the conflict between dialectical-materialist and bourgeois psychoanalysis at a time when neither side was aware of it. Even then Freud seemed to realize the depth of the conflict. He once said to me after a lecture: ‘Either you are completely wrong, or you will soon have to carry the heavy burden of psychoanalysis alone’. I knew I was not basically wrong, and today I know that the second part of Freud’s prediction has come true for me. So I already have my own theoretical platform on which to base my militant criticism. I suggest that you also find a theoretical position. Which brings me to the second point.

I think that in Fenichel’s report I have lately detected a tendency that has always caused me great concern. I fully appreciate it, but for purely objective reasons I cannot agree with it. This tendency reads: ‘Wherever possible, Freud himself should be kept out of the conflict’. And this is precisely what cannot be done. It is taken for granted that in tone and attitude our criticism of Freud will differ from our criticism of Roheim, but we cannot, and should not, exclude Freud from criticism. For we must note the following:

1) The scientific sins of Roheim, Laforgue, Jones, Klein, Deutsch, etc., are more or less rooted in Freud.

2) The basic debate between dialectical-materialist and bourgeois psychoanalysts will primarily have to prove where Freud the scientist came into conflict with Freud the bourgeois philosopher; where psychoanalytic research corrected the bourgeois concept of culture and where the bourgeois concept of culture hindered and confused scientific research and led it astray. ‘Freud against Freud’ is the central theme of our criticism. Not for one moment should we put our consideration for Freud before our consideration for the future of psychoanalysis. And from my personal relationship with Freud I have come to the conclusion that he would prefer it this way, all appearances to the contrary.”

The present state of affairs would not have spread to such an extent if Freud had not supported the reactionary trends and combated the Marxist trends.”

If people kill our work by silence – unless they just plagiarize and distort it, as Balint did at the last Congress – we must not only vigorously defend ourselves and even move to the attack, but we must have the courage of our own convictions. We must discard all false modesty and take the position that we are carrying on scientific – i.e., Marxist, dialectical-materialist –psychoanalysis, and that we are determined to defend it even against Freud wherever he is inconsistent.”

Clergymen and reactionary-minded physicians who in analysis fail to recognize the contradiction between sexual reality and social ideology cannot become analysts.”

(Reich to dialectical materialistic psychoanalysts)

Malmö, May 30, 1934

To the Group of

Dialectical Materialistic Psychoanalysts

Attn: Otto Fenichel

Oslo

Dear Colleagues and Comrades:

When my further residence in Sweden was turned down owing to denunciations by psychiatrists, as it recently turned out, a group of psychoanalysts and sympathizers wrote a circular letter to Freud, Einstein, Bohr and Malinowski, asking them to protest in writing against the persecution of scientists by political reactionaries. Freud declined” “The question cannot be clarified by pointing to his age, his weariness, his private convictions, etc. What concerns us here is an essential part of the struggle between reaction and revolution.”

Now is the time to prove why psychoanalysis has this significance, and why its function can be fulfilled in the camp of the political left alone.”

To the Group of

Analysts in Opposition

through Otto Fenichel

Oslo”

I am also professionally interested in seeing that my findings are linked with my name; neither do I want to be judged in the same category and on the same level with Melitta Schmideberg; I want my writings to be studied at least as carefully as those of Miss Searl or Harnik. I will definitely defend myself if my concepts and findings, for which I have fought hard since 1924 against all generally held opinions, are now taken for granted without mention of my name or are presented as new problems that have just come up.”

I advised supporting liberal slogans but maintaining our own basic, negative stand on reactionary research, if later we intend to come forward as a Marxist group, for essentially we will not be able to conceal this appearance from the world. (…) After all, any development is still possible. I am convinced that these inner difficulties would not exist if for years I had not worked quite openly and if many members of the opposition were not personal friends of mine as well, which seems to commit them more than the situation requires.”

Carta a Lotte Liebeck, sua aluna, fim de 1934

With O.F. (Otto Fenichel) the situation is very difficult! This friendship and readiness to understand the orgasm theory, combined with a structural inability and unconscious hostility, is a complicated problem for me. I am glad that you could judge this for yourself when you were in Sletten.”

You have good reason to be shaken by reading Freud: he was a wonderful man. But I was even more shattered by the subsequent break in his work. This is tragic. I am curious to know if you will discern it before it becomes openly manifest. It goes back to the earliest writings (predominance of symbolic interpretation rather than questions of dynamics-economy, genitality, etc.). But this can only be discovered ex post facto.”

A resposta de Liebeck:

The first work being lucid, courageous, with a brilliant prediction about the tremendous significance of the path shown and of the insights for mankind in general. The suggestion that it is up to the coming century to build up further-and then, ten years later, a totally different man, even in tone! What once was courage and clarity, combined with the utmost caution and integrity of scientific thinking, is now replaced by anxious vacillation and the fear of his own courage. How many disappointments and personal blows there must have been in the intervening years! (…) Objectively, I note that he can be beaten with his own weapons. Throughout his early works he disparaged the hereditary factor in favor of the accidental element – only to smuggle in through the back door the same factor he had previously thrown out! (…) At one time he thought that hereditary damage was incurable anyway; now it is for us to tell him that ourselves!” “Our profession ceases to be gemütlich if we have to rake up the deepest primeval emotions! And this we must inevitably do, or else we will get stuck just as inevitably halfway in between, or worse! And once we do this, we can no longer doubt the truth of the etiology anchored in the traumatic experiences of childhood. I believe more and more that we lean, quite without cause, on fantasies, and seriously neglect actual experience.”

I deliberately take my cue from the works of 1896. From then on, the roads fork off. Here is how I see it: on the one hand, a continued development; on the other, a slow retreat. For some time both are in balance, and there are still many marvelous discoveries for us in subsequent writings, until the balance shifts more and more to the sterile side and leads to paths that deviate from the natural sciences. There is only one thing I don’t understand: why haven’t the others noticed this? Or am I doing them an injustice out of my limited knowledge of literature? But perhaps it is an indispensable existential lie to have this blind spot.”

(Reich to psychoanalysts in Denmark, Norway and Germany

who are in opposition to, and in conflict with, Freud)

Oslo, December 16, 1934”

The German association did not actually want to exclude me and had taken it for granted that I would automatically become a member of the Scandinavian group. I was asked by numerous colleagues from various local groups to rejoin via the Norwegian group, and 3 members of this group, who were attending the Congress, assured me of acceptance. I could not make up my mind at that time and wished to consider the matter. Here are the names of several prominent colleagues who regarded the whole affair as a pure formality: Zulliger, Loewenstein, Bally, Landauer, Meng, Schjelderup, Hoel, Raknes, etc. When I moved to Oslo to carry out certain experiments concerning my sexual theory, people collaborated with me as if I were a member. The close connection of my work with the IPV group, and renewed assurances from colleagues in Oslo, prompted me to reapply for membership. No one had expected that Dr. Fenichel would sharply oppose me and use his influence against me. A few days earlier, I had asked Fenichel for his opinion, but he merely shrugged. The reason for his opposition is as follows: he said I harmed the cause of natural scientific (dialectical-materialist) psychoanalysis; it would be better if I remained outside and if the cause were even dissociated from my name and person.”

I would ask you to note that I deeply regret ever having placed any confidence in Fenichel and asking for his help. I cannot entrust the dialectical-materialist theory of psychoanalysis which I have worked out over many years amidst the gravest trials to anyone else, nor can I dissociate myself from it. I have no quarrel with anyone doing exactly as he pleases, but I must defend myself against usurpers and so-called services of friendship.”

SÍNTESE

I, therefore, find myself faced with the unpleasant task of summarizing my scientific position. Basically, it contains three main parts:

1. The concepts held in common with Freudian theory (the materialistic dialectic already developed by Freud).

2. Orgasm theory and character analysis as consistent extensions of Freud’s natural science and, sinmultaneously, representing those theories that I opposed to the death-instinct theory and the interpretive technique. Point 2 is still in the realm of psychoanalysis.

3. My own concepts of sexuality, based on the orgasm theory and transcending the sphere of psychology (sex-economy and sex-politics). Part 3 has merely points of contact with psychoanalysis. It forms an independent field: the basic law of the sexual process.

Whoever expounds a ‘dialectical-materialist psychology’ without explicitly expounding its very core, with the risks and sacrifices this entails, has simply made up his ‘own’ dialectical-materialist psychology and is at liberty to teach it. There is nothing we can do about the nuisance of naming certain activities by whim. Even Stroemme, for example, calls himself a ‘psychoanalyst’.”

It was from my teacher Freud that I learned the art of waiting and keeping my ideas free from undesirable interpretations and mongrelizations. I prefer to have fewer relationships and, instead, more tidiness in my work.”

Whoever fears exclusion – which is not so reprehensible – cannot take part in this struggle and is much more valuable as a quiet sympathetic bystander than he would be as an active fighter. However, it is self-evident that the victory of the scientific over the metaphysical trend in psychoanalysis will be more easily attained and secured if we succeed in revealing the various consequences inherent in the raw material of their own problems to the colleagues of all those groups that have plainly demonstrated their scientific orientation in their own work. The commitment to the dialectical-materialist trend in psychoanalysis in no way entails a similar commitment to the political trend of communism. There is no doubt that the person who is a valid scientist in his chosen professional specialty is to that extent secured against the influences of political reaction. And scientific integrity carries infinitely more weight than a political commitment. These are the natural scientists who someday will become the decisive force of social progress.”

O ANTI-FENICHEL

Fenichel finds himself in a grave conflict. On the one hand, he cannot deny the validity of my scientific position. On the other hand, he fears nothing more than taking an unequivocal stand for me and against Freud whenever the differences are manifest. He cannot oppose me factually without losing sympathies, and so he calls himself a friend of the cause while doing everything he can to avoid a conflict that is unavoidable anyway. No one is forced to go to battle for the natural scientific trend. Gerö declared that he is on my side, but does not want to fight for it. This is the proper attitude: Gerö will never become dishonest as long as he admits this to himself. Lantos told me that she sympathized with me, but that it was not her business and that she did not want to take any risks for it. We are on very good terms. Fenichel’s attitude is insincere because he is caught in a conflict between willingness and ability. I shall no longer argue with Fenichel, but the nature of his dishonesty should be clearly set down here. Perhaps my readmission would lead to a premature exclusion of the group. In Fenichel’s place, as the friend of a cause which was after all my own creation and which remains irrevocably tied to me, I would have talked with Reich, consulted him as to what could be done in order to build up enough strength for some future date; I would have named all those who might sooner or later be won over to the libido-theoretical point of view; I would have sent Reich’s papers around for discussion, etc., etc. What did Fenichel do? He never unequivocally argued against the death-instinct theory; he did not dare to engage in open polemics against Freud when necessary; he presents a theory of dialectical-materialist psychology which in its least important aspects agrees with the theory he ostensibly sympathizes with; no one knows how much scientific knowledge there really is that argues against the death-instinct theory, totem and taboo, etc.; in short, he is afraid. He might be valuable as a quiet co-worker, but he is completely unsuited to lead any scientific opposition because he is not willing to accept the slightest responsibilities. (…) Fenichel is both terribly frightened and terribly ambitious. What he did was the inevitable result of this emotional confusion. I have neither time nor inclination for such organizational struggles. They are sterile.”

Para Liebeck, 1935

And I most sincerely believe that this isolation – not from Eitingon but from life itself, from the world, from all vital things and processes – will soon prove true for my opponents and hesitating ‘friends’. This of course depends on more general problems to which I subordinate such questions as penis envy in women, etc. I find that psychoanalysis has become isolated from reality, but I have reality on my side and am not alone. (…) For years I’ve pleaded for understanding; now I’ve had it. (…) As I said in my letter, the best thing I can do for the cause is just to send out my publications. Our teacher spent 15 years in isolation. I’m not striving to emulate him, but if necessary I, too, can take it. But I don’t believe it will come to that, because there’s too much momentum in my work. You’ll be glad to hear that I’m going to hold a continuous clinical course and a technical seminar at the university; there is great interest.”

It won’t be my fault if in the course of time fewer and fewer people will want to travel by a 1915 type train when a more modern one is available.”

So, dear Lotte, don’t get all entangled, but remember that even the worst will eventually pass to make room for something better.”

I’ve only scanned Kaiser’s paper.¹ I was amused to see that Imago simultaneously published another article completely contradicting it. I’ve gradually learned to take this kind of thing from the humorous side, although I feel that a certain type of humor is an evasion. [Provavelmente fala do ar sardônico de F.] I believe Kaiser handled the subject too academically; he wanted to be too consistent and he went ahead too fast. He forgets that a theoretical postulate can be substantially correct but may not be easily carried into practice. His conclusion that all interpretation is superfluous is correct, but in our clinical practice we still cannot do without terminal interpretations. From my own development I disliked the academic tone: it didn’t touch the essentials. But still, I liked the article. But I have one suspicion: just as they’ve tried to dissociate me from dialectical-materialist psychoanalysis, just as they’ve usurped my orgasm theory without mentioning my name, so now the IPV is collecting its ‘own character analysts’. I can assure you that my book was only the beginning: the real thing is still to come and cannot be mastered without me.”

¹ Um autor já morto em 1935, outro à frente de seu tempo, que Reich conhecia e cita no Character Analysis. Hellmuth Kaiser, Effective Therapy.

Outra carta, para Lotte, 8 dias depois:

The only constructive thing one can do today is to analyze the nature and origin of the ‘split’ with complete intellectual honesty and independence. I’ve done my part – and that’s the end of it. I scarcely have ti1ne to carry on this controversy.” Sua discípula estava fazendo àquela altura o que estou fazendo agora: lendo o ‘inimigo’ para apre(e)nder todos os seus erros, já não mais podendo me identificar com quaisquer de suas OPINIÕES. Uma revisão literário-teórica de suma valia, ainda que só para mim mesmo, na pior das hipóteses.

I realize more and more how sinful the death-instinct theorv really is. What a choking off of life itself!”

One more thing: Nic Hoel (op. cit.) had the idea that we should start thinking about ways and means of protecting character-analytic technique from unwelcome distortions. What do you think? How should we go about it? I think it’s important to start soon -this is bound to become a fad. We would have to establish definite training requirements. I’ll never permit the work to get out of my hands: it is my strongest weapon. Please write me about this. It is also in the interest of the younger colleagues.”

(*) “Some psychoanalysts stole my principle of character-analysis without mentioning me, because to mention me as the originator of the character-analytic technique would mean to defend the orgasm theory, and to stand the blows which follow in its path. So they have thrown out the orgasm theory and are taking over a kind of ghost which does not mean yes or no, black or white, mah nor bah. You are helpless against such procedure on the part of the so-called common or little man who grabs where he can take without being punished, and pays tribute to where he is treated in an authoritative manner. Take, hit and run is their motto.”

(**) “Liebeck had stated that Freud’s Three Contributions to the Theory of Sex contained ‘just about everything that can basically be said on the subject! Everything else strikes me as mere elaboration.’

A Lotte, fev. 1935

Today she had her first session. I immediately noticed what 3 or 4 years ago I probably would not have seen till much later: rigid body attitude, stiff as a board, arms stretched out, hands folded, head practically nailed down. In speaking, the lips hardly moved, the voice without resonance, high-pitched, near inaudible. In previous analyses she had always insisted that she could not, and would not, speak: for 3½ years. The more she was urged to talk, the less she could do so. With Fenichel she was silent for months, and so was he. Instead of making her aware of her body attitude, and nothing else, he asked her to change position (i.e., Ferenczi’s active technique); thereupon increased defiance. The first thing I tell her is: ‘You’re behaving as if you were facing an operation – completely stiff.’ Her reply: ‘I’ve never been afraid of operations; on the contrary, I’ve always wanted them.’ (Masochism!!!) I slowly begin to describe her attitude, feature by feature: mouth, voice, posture, mask-like face, head virtually nailed down. After about 15 minutes she starts speaking softly and urgently, and suddenly remembers the anxiety she felt as a child about operations. That she was always stretched out so expectantly; that at one time she was very angry with her mother because under some pretext she took her to a doctor without telling her the truth. It had hurt a great deal. The posture stiffened even more. I have an idea: ‘Corpse.’ I tell her that a single word seems to me to describe her attitude, but that I will not mention it because she would have to begin to feel it herself. Her reply: ‘Were you thinking of corpse?’ Then come memories: once her hair got stuck in a crate while she was playing; she would go wild if someone suddenly grasped her from behind. The ‘nailed-down’ head gradually acquired meaning, but I said nothing and merely continued describing her attitude. At the end of the hour she said ‘I don’t like my back. I’m lying here as if I were glued down, as if I had no back, as if I’d been cut in two length-wise,’ etc. Now what do you say to that? Not once in 3 years of analysis did she remember that she was afraid of surgery. Her very attitude communicated this. I confess I was shaken. Three years of money, effort, life itself!!! I’m pleased, and a little proud, to have found a way. No, I would be sinning against myself if I failed to draw the therapeutic line vis-à-vis the others, cautiously, but sharply and resolutely all the same.

Which reminds me: Elsa (Lindenberg) wrote me that she cannot verbalize in her analysis. I forgot to tell you that she has characteristic mouth movements. She will not talk, or talk poorly, unless her neck cramps are made conscious to her first. Please watch this. Each silence – and this I’ve learned only recently – is rooted in anxiety bound up in tensions of the neck musculature. Very important for the beginning; may save months of effort if properly handled.”

A Lotte, mar. 1935

I’ve done myself a grave injustice by working for so many years under the impression that my theory of genitality was rooted in Freud. This was merely due to my father fixation. Some day I hope to make a clean break.”

Yesterday Fenichel presented his ‘criticism’ of my technique and everybody was against him, including most of his own analysands (Nic, Raknes). Did you know he’s leaving Oslo? Things have been hard for him lately because the superiority of character analysis had become obvious to all. He’s going to Prague. Unfortunately, he believes that this will solve his problems. The whole Norwegian group has sided with me, except for one who doesn’t know what it is all about, and two who’re honestly trying but are structurally incapable.”

The apparatus is among the most modem there is. It may soon be necessary to have a professionally trained assistant come from Germany because the local physiologist merely wants to ‘help’, but that’s not enough. The first experiments (recording of potentials at erogenous zones) will start soon. (…) Please try to find an unemployed electrophysiologist who is fully acquainted with the oscillograph and knows about the physiology of the skin and the vegetative nervous system.”

A English (psiquiatra e ex-colega de curso), nov. 1937

Here is an example of the tactics employed by some psychiatrists. In his attack on me, Professor Ragnar Vogt thinks he can draw on the anthropologist Bronislaw Malinowski for support. Now we can prove conclusively that Malinowski approves (…) my ethnological interpretations of his book […] Furthermore, he himself has disputed the biological roots of the child-parent conflict, and has interpreted it sociologically. I do not know if you are fully familiar with this struggle in the Psychoanalytic Association, and outside of it, in 1926. If not, you might be interested in reading the back issues of Imago for 1926-27 on Malinowski’s views – of course, only if you consider such orientation necessary and feel that the avenues of approach you studied with me in Vienna and Berlin are insufficiently enlightening.”

Carta aberta de Malinowski, 1938

I have known Dr. Wilhelm Reich for 5 years, during which period I have read his works and also on many occasions had the opportunity of conversation and discussion with him, in London and Oslo. Both through his published work and in the personal contacts he has impressed me as an original and sound thinker, a genuine personality, and a man of open character and courageous views. I regard his sociological work a distinct and valuable contribution to Science. It would, in my opinion, be the greatest loss if Dr. Reich were in any way prevented from enjoying the fullest facilities for the working out of his ideas and scientific discoveries.

I should like to add that my testimonial may have some additional strength, coming as it does from one who does not share Dr. Reich’s advanced views nor yet his sympathies with Marxian philosophy – I like to describe myself as an old-fashioned, almost conservative liberal.”

Reich a Malinowski, abr. 1938

I’m not an incorrigible optimist, but thanks to my work I have deeply experienced not only man’s satanic impulses but also the human side of him. So if Hitler plucks the strings of the subhuman theme, why shouldn’t we concentrate on his human core which we know exists all along but has merely been buried?”

Malinowski a Reich, jul. 1939

My dear Willy:

Many thanks for your letter of July 10. As you can see, I am still in America, and I shall be only too happy to do all I can to help you.

Unfortunately it is by no means easy to manipulate matters now, owing to the enormous pressure on the universities and teaching institutions here. The other unfortunate point in your case is the fact that many psychoanalysts will have nothing to do with you. You know where my sympathies are, so I need not tell you how indignant I feel when this attitude is revealed. This would not be so bad if American psychoanalysts were not so much dominated by people from Vienna or Berlin. But wherever can there be a psychoanalytical society with Rank or H. Sachs or Alexander in the key position.”

Reich a um tal „Dr. Scharfenberg“, carta jamais entregue

Before moving to New York, I am taking the liberty to express my heartfelt thanks for the service you have rendered my scientific work. I would beg you to restrain your amazement over this somewhat unusual gesture. I am very much in earnest, for I have learned to appreciate the enormously important role of antagonists. The antagonist himself is usually unaware of this aspect of his achievement. You have advanced my extremely difficult scientific work by at least a decade.”

You pretend to fight alcoholism and, if I remember rightly, you belong to several temperance societies. Now it may have escaped your notice that the case history you referred to with such abusive vehemence describes the cure of an alcoholic by means of the recently developed vegetotherapy. The damming up of sexual energy and the resultant vegetative anxiety are very likely the most important underlying causes of alcoholism.”

Furthermore, it became clear as never before that the exponents of the obsolete school of psychiatry are determined to collaborate with the police, while modern psychiatry works with the patient. You reacted to the modern treatment of the difficult problem of infantile onanism with police denunciations, while we work with kindergarten and teaching staffs in order to remove for all time a medieval inquisition that has eroded the vital energies of small children.”

Over the long haul, practitioners who threaten with deportation proceedings are fighting a losing battle. You know that it was psychiatrists of your own persuasion who conspired to make my residence in Denmark and Sweden impossible, and that local and foreign fascists openly cheered your opinions about me. That this scandalizing exposure could happen to a member of a workers’ party calling itself socialist, to a registered member of the Friends of the Right of Asylum, to an ‘anti-fascist’, etc., was worth witnessing, in spite of embarrassing inconveniences. It proves the close ties between fascist ideology and the false premises inherent in genetic-oriented psychiatry. (…) From the ‘theory of degenerative genetic substances’ to Hitler’s ‘racial theory’, it is only one step. True science will stop the influence of such atrophied thinking. In the history of science your name will go down on the minus side. And yet, you might be grateful to me in turn: thanks to your active opposition to me, you have gained the honor that sometime in the future you will at least be mentioned negatively in the history of science.”

(*) “Though denunciations with the police as a weapon against Reich’s work had happened before in Europe, it had never come to an arrest.” USfachos

Reich a Malinowski, 1942

They had investigated my ‘case’ for more than a year, found nothing, had no complaints, and yet I was behind bars for 3½ weeks.”

My first wife has something to do with it. My daughter Lore told me several months ago that I had better watch out because her mother had, together with Dr. Kubie from the Psa. Society, prepared something against me in case that I don’t behave well. Here you are! Do you remember my troubles in Denmark and Sweden back in 1934 when psychiatrists had run to the police? Well, here’s the same story. The odds confronting our work are tremendous, but so are also the achievements.”

depth or death psychology, comes the question with a big H

Reich a Neill, dez. 1948

For instance, the rumor was circulated about two weeks ago in many places that a woman patient had been masturbated at the Orgone Institute and thereupon had a breakdown. The woman whose name was mentioned in this connection had never been here. We went after this story immediately with the help of our lawyer, and the man who spread the rumor, a Dr. Miller, took it back immediately. Well, this is what I call plague.”

MISCELÂNEA

This manuscript (Introduction to Ibsen’s ‘Peer Gynt”, Libidokonflikte und Wahngebilde, 1919-20 [publicação somente em 1952]) is being deposited with the Sigmund Freud Archives not only because it had some interest for the psychoanalytic historian. It is being deposited mainly to give an impression of the academic atmosphere in which the early psychoanalytic movement was submerged at that time. Psychoanalysis, which dealt with human dirt of the worst kind, and at the same time had to survive the onslaught of the maligning, gossiping, slandering academic world of established ‘sex-free’’ psychiatry, was forced to compensate for the dirt it handled by a highly academic, ‘purified’ style. It was, for example, a habit with early psychoanalytic lectures to introduce their lectures with an excuse as to their right to deal with the subject, or as to the subject itself.”

It is noteworthy that Freud’s simple style in his first papers of the 1890’s became more and more involved, academic, and ‘Goethean’ as the decades passed by. Reich, who met psychoanalysis in 1919 and had grown up in the spirit and language of German, acaden1ic, natural science and philosophy, discloses a shrouded, academic style in this manuscript, which deals little with sex directly.” “But as the years passed by, and as the emotional plague increased its efforts to kill Reich’s fight for the love life of infants and adolescents, in the 1930’s, the style became more congruous with the contents: simple, straight, brief-sentenced, hard-hitting, direct, avoiding circumlocution, evasion, and academicism.”

HISTÓRICO DA SOCIALIZAÇÃO DO NERVOSISMO SEXUAL DA MASSA: “I came to Freud through the field of sexology. It is thus not surprising that his theory of the actual neuroses (Aktualneurosen) which I later termed stasis neuroses (Stauungsneurosen) [neurose de estagnação ou entorpecimento] struck me as much more in keeping with natural science than the ‘interpretation’ of the ‘meaning’ of symptoms in the ‘psychoneuroses’. Freud applied the name of actual neuroses to neuroses which resulted from present-day (aktuelle) disturbances of sex life. According to this concept, anxiety neurosis and neurasthenia were disturbances which lacked a ‘psychic etiology’. Instead, they were the immediate result of dammed-up sexuality. They were like toxic disturbances. Freud assumed the existence of ‘chemical sexual substances’ which, if not correctly ‘metabolized’, caused such symptoms as palpitation, cardiac irregularity, acute anxiety attacks, sweating and other vegetative symptoms. He did not establish a connection between anxiety neurosis and the vegetative system. Anxiety neurosis, so his clinical experience showed, was caused by sexual abstinence or coitus interruptus. It had to be distinguished from neurasthenia, which, in contradistinction, was caused by ‘sexual abuse’, such as excessive masturbation, and which was characterized by pain in the back, headaches, general irritability, disturbances of memory and concentration, etc. That is, Freud classified according to their etiology syndromes which official neurology and psychiatry did not understand. For this, he was attacked by the psychiatrist Lowenfeld, who, like hundreds of other psychiatrists, denied completely the sexual etiology of the neuroses. Freud was trying to adapt his concepts to clinical terminology. As he put it, the symptoms of the actual neuroses, in contrast to those of the psychoneuroses, especially hysteria and compulsion neurosis, betrayed no psychic content whatsoever. (…) The psychoneuroses, understandably, occupied the center of the clinical interest of the psychoanalyst. According to Freud, the treatment of the actual neuroses consisted in the elimination of the harmful sexual practices, such as sexual abstinence or coitus interruptus in anxiety neurosis, excessive masturbation in neurasthenia. The psychoneuroses, on the other hand, called for psychoanalytic treatment. In spite of this sharp distinction, Freud admitted a connection between the two. He thought it likely that every psychoneurosis centered around an ‘actual-neurotic core’. This illuminating statement, which Freud never followed up, was the starting point of my own investigations of stasis anxiety.”

However, the majority of psychoanalysts opposed Freud’s theory of the actual neuroses. They contended that actual neuroses did not exist at all (…) The chief exponent of this view was Stekel. He, like others, failed to see the fundamental difference between psychosomatic affect and psychic content of a symptom.”

However, the symptoms of the actual neuroses had undeniably a psychic superstructure. Pure actual neuroses are rare. The distinction was not as sharp as Freud had assumed.”

While most analysts ascribed everything to the psychic content of the neurotic symptoms, leading psychopathologists, like Jaspers, contended that psychological interpretation of meaning, and thus, psychoanalysis, were not within the realm of natural science at all.”

In other words: (…) Can psychoanalysis claim to be such a psychology? Or is it only one of the many philosophical schools? Freud himself paid no attention to these methodological questions and quietly continued to publish his clinical observations; he disliked philosophical discussions. (…) They tried to classify us [a escolar reichiana] as mystics and thus to settle the question.”

If it were true that only experimental psychology in the sense of Wundt was ‘natural science’, because it measured human reactions quantitatively, then, I thought, something was wrong with natural science. For Wundt and his pupils knew nothing of the human in his living reality.”

The Viennese philosopher and physiologist Allers refused to enter upon the question of the existence of an unconscious psychic life, on the grounds that the assumption of an ‘unconscious’ was ‘a priori erroneous from a philosophical point of view’. I hear similar objections today. When I assert that highly sterilized substances produce life, it is argued that the slide was dirty, or that, if there seems to be life, it is ‘only a matter of Brownian movement’ [https://en.wikipedia.org/wiki/Brownian_motion].” Gostaria de saber o quanto andaram as comprovações ou refutações sobre esses experimentos reichianos, mas tudo que obtenho de mecanismos de busca é da própria teoria reichiana. Será que toda sua obra foi realmente relegada ao exotismo e desconhecimento?

The fact that it is very easy to distinguish dirt on the slide from the bions, and equally easy to distinguish Brownian movement from vegetative movement, is not taken into consideration. In brief, ‘objective science’ is a problem in itself.”

RESUMINDO O ANTICRISTO OU ALÉM DO BEM E DO MAL…

If the excitation subsided, the idea would collapse also. If, as is the case in the stasis neurosis, the idea of sexual intercourse does not arise in consciousness, due to moral inhibition, the excitation attaches itself to other ideas which are less subject to censorship. From this, I concluded: the stasis neurosis is a somatic disturbance, caused by sexual excitation which is misdirected because it is frustrated. However, without a psychic inhibition, sexual energy can never become misdirected. I was surprised that Freud had overlooked this fact. Once an inhibition has created the sexual stasis, this in turn may easily increase the inhibition and reactivate infantile ideas, which then take the place of normal ones.¹ That is, infantile experiences which in themselves are in no way pathological, may, due to a present-day inhibition, become endowed with an excess of sexual energy. Once that has happened, they become urgent; being in conflict with adult psychic organization, they have to be kept down by repression. Thus, the chronic psychoneurosis, with its infantile sexual content, develops on the basis of a sexual inhibition which is conditioned by present-day circumstances and is apparently ‘harmless’ at the outset. This is the nature of Freud’s ‘regression to infantile mechanisms’. All cases that I have treated showed this mechanism. If the neurosis had developed not in childhood, but at a later age, it was shown regularly that some ‘normal’ inhibition or difficulty of the sexual life had created a stasis, and this in turn had reactivated infantile incestuous desires and sexual anxieties.”

¹ Basta uma queda vital para viver pelo resto da eternidade num ciclo trágico.

Reik had published a book on Geständniszwang und Strafbedürfnis [Compulsão a Confessar e Necessidade de Punição] in which the whole original concept of the neurosis was made upside down. That the book was well received was so much the worse. Reduced to the simplest terms, his innovation consisted in the elimination of the concept that the child fears punishment for sexual behavior. Freud, in Beyond the Pleasure Principle and in The Ego and the Id had assumed the existence of an unconscious need for punishment; this was supposed to account for the resistance against getting well. (…) According to this concept [the death instinct, Thanatos], life really was nothing but a disturbance of eternal silence, of nothingness.”

It was only through Reik that I really found out where Freud began to err. Reik exaggerated and generalized many correct findings, such as the fact that criminals tend to give themselves away, or that to many people it is a relief to be able to confess a crime.”

Such formulations made any further thinking unnecessary. If one was not able to cure, the death instinct could be blamed. When people committed murder, it was in order to go to prison; when children stole, it was to obtain relief from a conscience that troubled them. I marvel today at the energy that was expended at that time on the discussion of such opinions.” “The patients’ ‘negative therapeutic reaction’ was later shown to be nothing but the result of theoretical and technical inability to establish orgastic potency in the patient, in other words, to handle their pleasure anxiety.”

Until now, we have been concerned only with the question whether non-physicians should practice psychoanalysis on patients (analysis for therapeutic purposes). The problem has now been shifted insofar as Prof. Freud, in his book on lay analysis, has taken a further step, proposing to separate psychoanalysis, even in its medical aspects, from medicine; i.e., to train ‘a special class of therapists’.” Essa e as outras 4 considerações abaixo sobre (contra a) ‘análise leiga’ datam de 1927.

It is said that non-medical analysts require practical experience in order to engage in scholarly pursuits. But the facts show that the application of psychoanalysis to the humanities is not advanced, but on the contrary suffers when its proponents become clinicians, too. The awakening clinical interest supplants all other concerns. The development of psychoanalysis in the humanities has ceased since lay persons have also been practicing analysis. This argument is thus contradicted by experience.”

A physician discovered psychoanalysis. l\lost analysts, and not the worst ones, are physicians. Prof Freud once stated that psychoanalysis will one day be placed on its organic base. Furthermore – and, until now, this has merited much too little consideration in the question of lay analysis – he posited something somatic as the core of the neuroses and the essence of the affects.”

One need only consider the great area of the organic neuroses: hypochondria, neurasthenia and the psychoses. And do we not have much to expect from a psychology of the organic diseases? Or, after psychoanalysis has been separated from its foundation, must there be analysts who, as physicians, concern themselves only with the area bordering on the organic? In our opinion, neither science nor the patient would benefit by such a division.”

At the present time, medical men offer the best guarantee of an adequate preliminary education. The fact that physicians have shown themselves so contemptuous and devoid of understanding toward psychoanalysis must be ascribed not to their somatic training but to their complexes. And have philosophers or biologists or academic psychologists who have come in contact with analysis behaved differently? Why is the ‘somatic prejudice’ any more onerous than the philosophical one? Does not the philosopher always have the most complicated objections to analysis?”

(*) “Walter Brichl, author of the chapter on Reich in the recently published Psychoanalytic Pioneers, perpetuates the myth that Reich ‘resigned’ from the IPA.”

(*) “We cannot give here an extensive presentation of the motives behind this expulsion or of the differences within the psychoanalytic movement. This may be done at a time when further catastrophes in the scientific development of psychoanalysis, catastrophes which are bound to come, will necessitate a detailed historical explanation. Here we shall show only briefly how conservative scientific organizations of today fight workers who strive to take scientific research seriously. The manner in which the expulsion of Wilhelm Reich took place is so grotesque as to appear incredible to the outsider.”

As an organization, it has to represent a science which is, intrinsically and in its theoretical origin, revolutionary. But the representatives of this organization are steeped in the ideology and the milieu of the middle classes, are convinced of the unalterability of present-day living to such an extent that they con1d not escape coming into conflict with their own theory; this has taken place to the same extent to which the world political situation turned reactionary and threatened any correct scientific work with destruction of the scientists.” “The administration of the Association had no grounds on which to object to Wilhelm Reich’s scientific and clinical views. On the contrary, over a period of many years, members of the Association, in great numbers, considered his work (theory of genitality and character-analysis) as the consistent development of Freud’s originally revolutionary theory. There were, then, no solid grounds for his expulsion. For a number of years, therefore, the demand had been made that he resign voluntarily. This he rejected, stating that he would never resign voluntarily.”

A decisive factor in the whole affair was the attitude of the Norwegians. The Executive Committee of the International Association tried to make the recognition of the Norwegian group contingent on their accepting the condition that they would not accept Reich as a member. The Norwegians, however, took the correct point of view: ‘We will not have conditions dictated to us. Make up your mind whether you want to recognize us or not. If you don’t, we will resign.’ The decisive and upright attitude of the Norwegians (Hoel, Raknes, Schjelderup) made a great impression and intimidated the Executive Committee. They were recognized unconditionally as a group of the International Association; however, the Swedish group was separated from the Norwegian group, in order to remove it from Reich’s influence. After his expulsion, Reich read his paper to the Congress as a guest.”

Sex-economy is being represented as one of the deviations from psychoanalysis like that of Jung, Adler or Stekel. The reasons for this misrepresentation are stupidity as well as malice. He who knows the history of the psychoanalytic movement can see the difference at first glance. All deviations from Freud’s theory, without exception, are characterized by the negation of sexuality. With Jung, the libido became a meaningless, mystical all-soul concept, the best possible soil for the later Gleichschaltung in the Third Reich. Adler replaced sexuality by the will to power, Rank denied the existence of infantile sexuality. Sex-economy, on the other hand, took its starting point precisely from those basic elements in Freud’s theory which originally had aroused the ire of a world afraid of the truth. It developed the orgasm theory and tried in vain to incorporate it into psychoanalytic theory, where it organically belonged. It clarified the theory of the pre-genital infantile sexual drives and built the basis for a characterology which has the sexual process as its core. Character-analytic technique required the full recognition of the laws of sexual economy.”

And what do things look like in the psychoanalytic movement itself? The English school is a sectarian circle completely divorced from life as it is. The Berlin Society attempted Gleichschaltung and thus perished. The Hungarian group consists almost exclusively of the house-analysts of rich people, without either scientific development or serious perspective. The Vienna Society is under the pressure of political reaction and ruled by some death-instinct theorists who no longer can be taken seriously from a scientific point of view. The French group looks desolate. Has the socialist movement accepted psychoanalysis? Here and there in words, because political reaction placed Freud in the camp of Kulturbolschewismus.”

Our psychological criticism of Freud began with the clinical finding that the unconscious inferno is not anything absolute, eternal, or unalterable, that a certain social situation and development has created the character structure of today and is thus perpetuated. We recognized that the fear of the ‘sexual chaos’ is justified but also that it applies to definite historical periods; and our therapeutic work showed us that a different regulation of social living is possible.”

Marxist economics was organized politically. In the realm of political economics, the political organization of science arouses no surprise. It is different in other fields. Here, the illusion of an ‘unpolitical science’ has created much confusion.”

An anxiety fantasy can be inhibitive or agitating. Vegetotherapy has nothing to do with any kind of calisthenics or breathing exercises such as yoga. If anything, it is diametrically opposed to these methods. Calisthenics and all other breathing techniques are designed to teach the organism various movements or attitudes. Vegetotherapy strives to develop those attitudes, movements, excitations, and natural breathing rhythms that are specifically characteristic of the patient’s personality.”

The principal method of psychoanalytic therapy is free association, i.e., essentially talking and communicating. The principal method of vegetotherapy consists in the disturbance of involuntary (hence unconscious) vegetative attitudes. Conversely, in vegetotherapy it is the not-talking – the elimination of conscious intensive oral expression – which is one of the principal methods for bringing to the fore vegetative feelings and affects, rooted in organic processes, before they become conscious.” “As a rule, the psychoanalyst sits behind the patient and, if possible, should not be seen by him. In vegetotherapy, this rule is suspended since it no longer relies on free association.”

Psychoanalysis is a psychology; sex-economy is sexology. ‘Sexology’ is the science of the biological, physiological, emotional, and social processes of sexuality. Sex-economy is the first discipline to establish the profession of sex physician. Up to now this discipline was not taught as a specialized medical branch at the universities, and was practiced merely as a side line of other physicians such as gynecologists, specialists for venereal diseases, neurologists, psychoanalysts.”

The practice of vegetotherapy requires:

a) An adequate orientation in the fundamentals of sociology, i.e., of the laws of the social process which influence the strength of man’s vegetative drives.

b) The knowledge of the basic elements governing the developmental history of sexual morality, from primitive society to the present state.

c) The knowledge of basic elements of psychiatry, with special consideration of the mechanisms operative in schizophrenia and in manic-depressive psychosis.

d) The work of the vegetotherapist demands precise knowledge of the autonomic or vegetative nervous system and the fundamentals of human physiology as well as endocrinology and sexual physiology.

e) A knowledge of the fundamentals of cell biology, vegetative current manifestations and electrical phenomena in protozoa are among the indispensable prerequisites for the practice of vegetotherapy.

f) Since vegetotherapy is increasingly penetrating the field of physical illness, knowledge of the relationship of the state of the bio-electric charge to the skin surface in neuroses and ego disturbances becomes a prerequisite of practical everyday work.”

Communism in its present form as Red Fascism is not a political party like other political parties. It is politically and militarily armed organized emotional plague.”

If you ask a liberal or a socialist or a Republican what he believes in socially, he will tell you frankly. The Red Fascist will not tell you what he is, who he is, what he wants. This proves that hiding is his basic characteristic. And only people who are hiding by way of their character constitution will operate in and for the Communist Party.”

Such an attitude toward fact and truth, history and human welfare is not specifically a characteristic of Red Fascism. It is typical of all politics. Red Fascism differs from other political disrespect for fact and truth in that it eliminates all checks and controls of the abuse of power and drives the nuisance politician to his utmost power. To believe that ‘’peace negotiations’ are meant as such is disastrous. They may and they may not be meant, according to the momentary expediency.”

Espionage and counter-espionage may belong as part of present-day social administration: It will never solve the problem of social pathology.”

He will be a master in cunning, slyness, ‘know-how’ in getting along with people smoothly. He will stand out little from the crowd. He will be a ‘good fellow’, people will like him, he will appear honest and straight, and he will really mean what he says subjectively. But he will never quite overcome the feeling of being an abortive genius, gifted and crippled at the same time. This is strongly developed in him, and he has this trait in common with most average people. The people in general, however, have far less strained ambitions and are not as strong bio-energetically.”

The pestilent character is basically a coward and he has much to hide, especially sexually. The hiddenness is essential to his social and emotional existence.”

Djugashvili rides to power over millions, carried along by the very people whom he is going to suppress, supported and protected by what they have in common with hin1, be it ever so minute and little.”

E DE VOLTA À PAIDEIA: “It is clear that the educator and physician instead of the politician and policeman should be in charge of these affairs of social pathology.”

Here an administrator has embraced a girl he knew in decency and honesty, but slightly out of range of what is considered ‘moral’ by ‘the public’. Many knew it, of course, but since everyone has such little and perfectly decent secrets, there is a common bond, so to speak, among the people who constitute what is called the public. Everybody has a more or less pressing bad conscience, well hidden under a mask of righteousness. Fear of getting into trouble with the law is quite general. Conformism stems from this fear and from these little secrets. And there is nothing whatsoever in the social set-up to understand, handle, or protect such innocent little secrets against invasion by dirty minds.”

O LIMITE MORAL É A MEGA-SENA: “It is all right to stop rampant cheating in the realm of public lotteries, but one can see no harm in a little gambling or a little tun at pinball machines. It is the pestilent character again who here, too, spoils the fun for the people by misusing and abusing freedom of action.”

They are convinced of the ultimately decent nature of man. But, at the same time, they talk that way out of weakness and fear of the plague. They are factually hypnotized into immobility by the plague like a hen by the snake.”

Now the pestilent character has easy going. He is protected on all sides and can proceed safely, without any danger of being detected, put into the bright sunlight, or challenged in any other way. If he adds political power machinery to his already rather well-set position he can conquer whole continents.”

The public will not act or render any help to the truth. It will remain ‘sitting’ silently and watch helplessly or even gloatingly any crucifixion of innocent souls. The public administrator will be frightened to bits and try to maintain public morals and order. The pioneer will be silenced or he may go psychotic or fall into deep depression.”

Atacar o problema da censura na muda (na calada da noite)!

The pestilent character is usually a coward and has nothing constructive to offer. Meet the plague head on. Do not yield or appease. Master your guilt feelings and know your weak spots. If necessary, reveal frankly your weak points, even your secrets. People will understand.” “Learn continuously how to meet the underhanded lie.”

Now I’m not so sure: “Truth is our potential ally even within the pestilent character. He, too, is somewhere decent deep down, though he may not know it.”

Diário de Reich, 15/10/53

since clitoral genitality is a neurotic substitute for a blocked vaginal excitation, they [F. e Kinsey¹] confused the acme of the orgasm with the total orgasm which, in the ergonomic sense, includes, in addition to the acme, the ensuing convulsive movements.” Dor femural pós-coito (no lugar de omni tristi).

¹ Alfred Kinsey (1894-1956), sexólogo, biólogo e entomologista americano. Parece ser o pai da sexologia pop estilo Penélope da MTV (ou seja, inútil). Cultuado pelo LGBTQ, que nem deve saber quem foi Reich…

According to the bio-energetic view of clinical orgonomy, the orgasm is identical with the total involuntary convulsion of the organism beginning with the acme (peak) of the orgasm and ending with complete relaxation. The orgasn1 function in the ergonomic sense reaches far beyond species and genus. It is older than the development of nerves. (…) It is clearly expressed in the protrusion of the pseudopodium of an ameba.”

Excerto de O Assassinato de Cristo (CONCLUSÃO)

To add a new dogma of human living to the 1naze of philosophies, religions, and political prescriptions means adding another piece of confusion to the building of the Tower of Babel. The task is not the construction of a new philosophy of life, but diversion of the attention from futile dogmas to the ONE basic question: WHY HAVE ALL DOGMAS OF HOW TO LIVE SO FAR FAILED?”

S-H ou Sui.

Let us now for a moment imagine that the psychoanalysts had acquired social power in some country. They would, from their point of view of the existence of an unconscious mind, acknowledge a vast domain of human existence beyond the conscious will. They would, if meeting with the ‘sitting’ of humanity, attribute it to ‘bad’ unconscious wishes of one kind or another. Their remedy would be to ‘make the spite conscious’, to exterminate the evil unconscious. This, of course, would not help, just as it does not help in the treatment of a neurotic, since the spiting itself is the result of the total body armoring, and the ‘evil unconscious’ is the result of the suppression of natural life in the infant; and ‘I won’t’ is superimposed upon a silent ‘I CAN’T’. This immobility, expressed as an ‘I CAN’T’, is naturally inaccessible to mere ideas or persuasion, since it is what orgone biophysics calls ‘STRUCTURAL’, i.e., frozen emotions. In other words, it is an expression of the total being of the individual, unalterable, just as the shape of a grown tree is unalterable.”

[+]

Margaret Anderson, Children of the South

N.B. Talvez os Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade de Freud sejam seu único texto – ou seus únicos 3 textos – que realmente valham alguma pena ainda hoje.

R., Truth versus Modju + Escuta, Zé-Ninguém! (Listen, Little Man!) + The Murder of Christ…

IRRELIGIOSIDADE VELADA

Carência é minha Palavra

Derradeiros os meus gestos

Sem lastro o meu olhar

Apática minha devoção

E no entanto é grande a ânsia de

do fundo do abismo a que a luz escapa

por meio do instinto mais primordial

ascender, À luz mais esquálida

Um pássaro preto

paira sobre as ondas

Um último raio de sol

fere a escuridão encouraçada

“MELANIE KLEIN” – Julia Kristeva

A “filósofa da inveja” ou “charlatã II: Freud Femme”.

Aunque muchos desconfiaron y siguen desconfiando (desde Heidegger hasta Nabokov, para citar a los más empecinados),¹ algunos hombres y mujeres que se contaron entre los más inventivos de este siglo (desde Virginia Woolf hasta Georges Bataille, desde André Breton hasta Jean-Paul Sartre, desde Romain Rolland hasta Gustave Mahler, desde André Gide hasta Émile Benveniste, desde Charlie Chaplin y Alfred Hitchcock hasta Woody Allen) leyeron a Freud o se tendieron en el diván analítico, para comprender o experimentar esa innovación del autoconocimiento”

¹ Às vezes a teimosia é uma virtude. Ou ela quis dizer que Heidegger e Nabokov nem sequer leram Freud ou pelo menos nenhum texto psicanalítico? Acho muito difícil… Mas não fazer análise ou discordar da seita não pode ser considerado recalcitrância nem na Paris “culta” dos 60…

Uma coisa é achar Freud genial; outra é, além disso, achar que ele contribuiu para o feminismo do século XX – INSÂNIA!

Freud inventó el psicoanálisis a partir del amor de transferencia, que nunca teorizó a fondo”

phantasy, palabra que los kleinianos escriben con ph en lugar de la f habitual”

Atenta a la pulsión de muerte que Freud ya había puesto al mando de la vida psíquica en Más allá del principio de placer, ella hizo de esta función el agente principal de nuestras afecciones”

METAPSICOLOGIA QUE PAIRA ACIMA DOS FENÔMENOS: “La locura habrá sido la actualidad política quemante de nuestro siglo, y es forzoso recordar que el psicoanálisis fue contemporáneo de ella. No porque haya participado de no se sabe qué nihilismo consecutivo a la secularización, que habría producido conjuntamente la muerte de Dios, los totalitarismos y la ‘liberación sexual’… Sino porque, en esta desconstrucción de la metafísica que vivimos con más o menos riesgos y felicidad, el psicoanálisis nos ha llevado hasta el núcleo de la psique humana, para descubrir allí la locura que es a la vez su motor y su atolladero.”

Más allá de los destinos específicos y de las desemejanzas entre las obras, es posible entrever ya algunas constantes comunes en los genios respectivos de Melanie Klein y Hannah Arendt” Odeio essas forçadas de barra gratuitas que uma mulher se sente obrigada a fazer com duas outras mulheres que não têm nada em comum, como que para ‘pagar uma dívida’!

Arendt y Klein son de las insumisas cuyo genio consistió en arriegarse a pensar.” Poderia ser só um pouco mais clichê?

1. FAMILIAS JUDÍAS, HISTORIAS EUROPEAS: UNA DEPRESIÓN Y SUS CONSECUENCIAS

En su breve Autobiografía redactada entre 1953 y 1959 (no publicada, propiedad del Melanie Klein Trust), la psicoanalista da una imagen muy modificada, incluso idealizada, de su vida. Dice haber sido fascinada por la atmósfera erudita que reinaba en la casa de los Deutsch, [¿??] haber apreciado la independencia de espíritu de su padre, que supo oponerse a los hassidim para emprender estudios de medicina, y haber admirado su dominio de una decena de idiomas… No obstante, evoca también ‘la repulsión’ que le inspiraban los caftanes de la hermana del padre, y no oculta su ‘desprecio’ por el ídish que hablaban los judíos eslovacos de su familia materna.”

Las dificultades económicas de los Deutsch obligaron a Libussa a abrir un negocio un tanto extraño para una esposa de médico. Allí vendía plantas y reptiles: lo recordaremos al abordar la fantasía del cuerpo materno según Melanie Klein, bullente de horrorosos ‘objetos malos’ penianos y anales. [¿]”

Los ‘poderosos armónicos incestuosos’ que resonaban en el seno de la familia Reizes [sobrenome do pai] se concentraron sobre todo en la relación de Melanie con Emanuel. Afectado de una enfermedad cardiaca como consecuencia de una escarlatina infantil, Emanuel se sabía condenado y, después de haber intentado estudiar medicina, se inscribió en la facultad de letras para dedicarse a la literatura y los viajes. Enfermo y endeudado, recorrió Italia escribiéndole a la madre y a la hermana, la cual le respondía con cartas llenas de sentimientos amorosos y alusiones sexuales. Fue en el marco de esta relación desesperadamente gemela, en la que hermano y hermana buscaban un fervor que estaba mucho más allá de la amistad, donde se inscribió… el matrimonio de Melanie. Ella tenía 17 años cuando conoció, en 1899, a Arthur Steven Klein, sobrino segundo de Libussa [deixa o irmão para se jogar nos braços de um primo, que bela e mórbida resolução!] y allegado a Emanuel: tenía 21 años y estudiaba química en la prestigiosa Alta Escuela Técnica de Zürich. Libussa vio en él ‘un buen partido’, e incluso a ‘el pretendiente más ventajoso’, y Emanuel demostró más entusiasmo por Arthur que la propia Melanie: más tarde, ella atribuyó su matrimonio no tanto al amor como al impulso del ‘temperamento apasionado del hermano’.”

Sumergida aún en el duelo por su hermano, cuya muerte la conmovió profundamente, Melanie se casó el 31 de marzo de 1903, al día siguiente de cumplir 21 años. A juzgar por una novela muy autobiográfica que ella escribió más tarde (hacia 1913) el sexo solo le provocaba repulsión. Ese rechazo habría estado vinculado a la sensación de traicionar el lazo incestuoso con su hermano Emanuel.” “A julgar por uma novela autobiográfica escrita em 1913, o sexo para Melanie Klein provocava repulsão. Essa recusa se ligava à sensação de trair o laço incestuoso com seu irmão Emanuel.” O pré-requisito pra ser psicanalista deve ser ser doente mental!

La existencia de la nueva familia Klein se desarrolló totalmente bajo la férula de Libussa: madre posesiva y abusiva, antes de instalarse con la pareja le prodigó consejos en cartas, les exigía ayuda económica, e incluso los acompañó en un viaje a Italia; consideraba a su hija inmadura y neurasténica, la abrumaba con su vigilancia, y llegó a ocupar el lugar de ‘la señora Klein’: Quería ocupar un lugar muy especial en la vida de la hija, y le propuso un medio extrañamente tortuoso para que Melanie pudiera comunicarse con ella sin que Arthur leyera sus cartas: «¡Dirigirlas sencillamente a la Señora Klein!». En este contexto, el propio Arthur se convirtió en ‘muy difícil’, comenzó a sufrir de los ‘nervios’ y del vientre… Las enfermedades de Melanie no tardaron en estallar a la luz del día”

Escritora de primeira ou segunda ou terceira categoria? “En su estilo es visible la influencia de la poesía erótica expresionista, pero también la ‘corriente de conciencia’, a la manera de Schnitzler y Joyce”

DODÓI DA BEBESSA, COITADA: “Melanie comenzó a asistir a una escuela de baile, donde conoció a Chezkel Zvi Kloetzel, un periodista del Berliner Tageblatt. Él estaba casado, se parecía a Emanuel… Melanie se enamoró de manera romántica, y le puso en secreto el nombre de… Hans, su hijo mayor.

A diferencia de los estalinistas, que caracterizaban el psicoanálisis como una ciencia decadente, ¡los compañeros de Béla Kun nombraron a Ferenczi profesor de psicoanálisis en la universidad! Pero cuando estalló la contrarrevolución, y al terror rojo lo sucedió un terror blanco antisemita, Roheim y Ferenczi fueron destituidos y amenazados de muerte.”

2. ANALIZAR A SUS HIJOS: DEL ESCÁNDALO A LA TÉCNICA DEL JUEGO

Mucho antes que Freud, Wordsworth (1770-1850) había escrito que ‘el niño es el padre del hombre’. Bajo el signo del Niño Jesús y de las Confesiones de San Agustín, dos modelos de la infancia se disputaban el imaginario inglés: por un lado, John Locke, con sus Pensamientos acerca de la educación (1793) y J.-J. Rousseau con el Emilio (1762) o el mito purificado de la inocencia infantil; por otra parte, la convicción, de inspiración calvinista, de que el niño tiene una naturaleza perversa, heredada del pecado original, la cual justificaba la severidad a menudo cruel de los métodos educativos (flagelaciones, privaciones, amenazas).”

En pleno siglo XIX, el escritor Charles Kingsley, en Antón Locke, describió de manera impresionante la tesis puritana. Su novela presenta los esfuerzos educativos de una madre convencida de la naturaleza diabólica de su niño, hasta su ‘conversión’ a los valores cristianos (privación de comida y sesiones regulares de latigazos le enseñan a moderar sus pasiones). Esta visión rígida subtiende la ferocidad de los intentos de moralización de los niños de las clases populares por los filántropos del siglo XIX. El libro culto de la burguesía triunfante, Tomas Brown en la escuela (1857), de Thomas Hughes, narra la transformación de la public school de Rugby por obra de Thomas Arnold, y describe la metamorfosis de un niño tímido en ‘the bad of school’, hecho a las virtudes de la ‘muscular Christianity’. [¿]”

El niño parece ser el objeto de deseo por excelencia del imaginario inglés, que calificaríamos de buena gana de paidófilo si el término pudiera aún vestirse de una cierta inocencia puritana.”

3. PRIORIDAD E INTERIORIDAD DEL OTRO Y DEL VÍNCULO: EL BEBÉ NACE CON SUS OBJETOS

(…)

4. ¿LA ANGUSTIA O EL DESEO? EN EL COMIENZO ERA LA PULSIÓN DE MUERTE

(…)

5. UN SUPERYÓ PRECOZ TIRÁNICO

Merda ininteligível… “La fase de sadismo exacerbado desde el nacimiento, a la cual Melanie Klein le dio en 1946 el nombre de posición esquizoparanoide, apunta, con el pecho, al interior del cuerpo de la madre, que contiene el pene del padre. Allí veremos, con Jean Bégoin, el prototipo del espacio psíquico.”

6. ¿CULTO DE LA MADRE O ELOGIO DEL MATRICIDIO? LOS PADRES

El universo kleiniano (se lo ha dicho demasiado) está dominado por la madre. Esa figura arcaica amenaza y aterroriza por su omnipotencia. ¿Será tan perniciosa que haya que abandonarla y hacerla morir? ¿No podría transformarse? Pero, ¿en qué? El abandono necesario de la madre, ¿constituirá un pasaje hacia el padre, como lo piensan Freud y Lacan? ¿O será más bien el primero de los encuentros con una madre buena finalmente restaurada, gratificante y gratificada? Sin duda, puesto que, para nuestra autora, no hay cuna que no tenga su bruja, ni bebé sin envidia. Y solo el analista o la analista (preferentemente mujer, o al menos un hombre que asuma lo femenino que hay en él) podría convencer al lactante que seguimos siendo eternamente, de que no es imposible encontrar hadas que merezcan nuestra gratitud.”

Pero, al poner un énfasis excesivo en la madre, desatendida por el fundador, se corre el riesgo de olvidar al padre. En efecto, ¿cuál es el lugar del padre en Melanie? Una de las primeras personas que planteó el interrogante fue Melitta Schmideberg, la hija de la analista. Y lo hizo con violencia.”

Traduzcamos: si la mujer huye del pene, lo hace porque huye del pecho; no podrá gozar, será frígida, porque gozar es en primer lugar gozar del seno que lleva el pene.”

7. LA FANTASÍA COMO METÁFORA ENCARNADA

(…)

8. INMANENCIA Y GRADOS DE SIMBOLISMO

(…)

9. DE LA LENGUA EXTRANJERA A LAS REDES DE LOS FIELES Y LOS INFIELES

A partir de su instalación en Inglaterra, en 1926, Melanie Klein formuló sus pensamientos en inglés, no sin volver a menudo a su lengua materna, para seguir en contacto con sus emociones y hacerlas compartir: después de la muerte de su hijo Hans, ella se confió a Paula Heimann hablándole en alemán. Es también probable que cuando murió su hijo haya soñado en alemán, despertando muchos recuerdos penosos: la preferencia de su padre por Emilie, la muerte precoz de Sidonie, la pérdida cruel de Emanuel (por la cual sintió una aguda culpabilidad), el resurgimiento de la angustia al morir la madre, la ambivalencia respecto de Arthur, su marido, el abatimiento consecutivo a la muerte de Abraham y su difícil relación con Kloetzel.”

La técnica y la política nos arrancan cada vez más a nuestros hábitat, y nos hemos vuelto a convertir en nómades.” ¿??

Habitar, ser puesto en seguridad, quiere decir quedar encerrado (engefriedet) en lo que nos es pariente (en in das Frye), es decir, en lo que es libre (in das Freie) y que cuida todo en su ser. El rasgo fundamental de la habitación es ese cuidado. Penetra la habitación en toda su extensión. Esta extensión se nos aparece en cuanto pensamos que la condición humana reside en la habitación en el sentido de permanencia sobre la tierra de los mortales.” Martin Heidegger

Como si no bastara con el apellido familiar Klein, que en alemán significa ‘pequeño’, a la hija que le nació el 19 de enero de 1904 (menos de un año después de su matrimonio con Arthur, el 31 de marzo de 1903) Melanie le puso sencillamente el nombre de Melitta: ‘Pequeña Melanie’. La dos veces pequeña tuvo de qué quejarse desde el principio, pero aguardó su hora. En la desavenencia entre sus padres, ella tomó aparentemente el partido de la madre. Lo que no dejaba de tener su mérito, pues Melanie, sufriendo bajo la férula de Libussa, se ausentaba continuamente en viajes y curas, Y era la abuela la que se ocupaba de la niña, por cierto que con devoción y solicitud, pero prefiriendo al hermanito menor, Hans, el varón, y explicándole a la pequeña Melitta que la madre era solo ‘una enferma emocional, tan enferma que tenía que abandonar constantemente a la hija’.”

La inserción de Melitta en el mundo psicoanalítico fue rápida y brillante. Aparentemente, de niña había sido analizada por la madre. Más tarde tuvo un análisis didáctico con Eitingon; después se analizó con Karen Horney, ya en Londres con Ella Sharpe, y finalmente con Edward Glover. Se recibió de médica en la Universidad de Berlín en 1927, y viajó a Londres para redactar su tesis sobre la Historia de la homeopatía en Hungría, en 1928.”

La guerra entre las dos mujeres se puso de manifiesto abiertamente en octubre de 1933, cuando Melitta Schmideberg fue elegida miembro del Instituto Británico: en su memoria, ella no atribuía las dificultades alimentarias de su paciente Viviane a factores funcionales, como lo quería la teoría de Melanie Klein, sino a la actitud de la madre que había procedido a una enseñanza demasiado estricta de la limpieza. Al morir su hermano Hans, en 1934, Melitta habló de suicidio, e insinuó que, como con todo suicida, una parte de la responsabilidad del acto correspondía a las dificultades con la familia, a la idealización y la decepción. Muy pronto la venganza de la hija, alentada por Glover, fue tomando forma hasta molestar a los miembros de la Sociedad. Siguieron escenas inconvenientes; Melitta le lanzó a Melanie apostrofes estridentes: ‘¿Dónde está el padre en tu obra?’. La guerrilla siguió jalonada por sarcasmos, indiscreciones, acusaciones que remitían a la primera infancia, a la vida familiar de los Klein.”

Después de haberse mostrado muy crítica respecto de los trabajos de Anna Freud, y de haberla atacado indirectamente en el comentario sobre el libro de una colega, Melitta intentó acercarse a Anna en el momento en que estallaron las divergencias entre los annafreudianos y los kleinianos. Visitó a Freud cuando este llegó a Londres el 6 de junio de 1939. Melanie, que le había enviado al maestro una carta de bienvenida, no fue recibida, y solo asistió a las exequias de Freud a fines del mes de septiembre. Melitta participó en una reunión con Anna Freud y los suyos, y después tomó parte en las múltiples controversias contra su madre, en un tono ‘chirriante’ y ‘sarcástico’.”

10. LA POLÍTICA DEL KLEINISMO

Los analistas ingleses —Barbara Low (cuyo apoyo a Anna Freud no se desmentirá, y que realizó una reseña elogiosa de su libro), Eder, Glover, Riviere, Sharpe y la propia Klein— leyeron con una atención minuciosa la obra de la hija del maestro. Aunque heterogéneo, el grupo estimó unánimemente (según la carta de Jones a Freud y en respuesta a las reconvenciones de este último) que resultaba inoportuno publicar en inglés una obra en la que era ostensible ‘un poco de precipitación’, que tenía ‘una base experimental también pobre’, y podía imponer ‘una detención’ al desarrollo del psicoanálisis de niños. Hasta el final de su vida, Anna Freud sintió la amargura de esa desaprobación, en particular por la conducta de Jones, que en ese momento dio muestras de cierto atrevimiento en su relación con Freud.”

Melanie resumió como sigue los principios del análisis según Anna Freud que le parecían inaceptables: 1) el análisis del complejo de Edipo es imposible, porque interfiere las relaciones con los padres; 2) el análisis del niño debería limitarse a fines educativos; 3) el analista no debería aceptar la neurosis de transferencia por respeto a los padres, cuyo papel es predominante en la vida del hijo; 4) el analista debería ganarse la confianza del niño, y desplegar el análisis sobre esta base. Estos principios iban en contra de las observaciones de Klein”

La primera referencia de Lacan a Klein se lee en su informe dedicado a la agresividad, que él presentó en mayo de 1948 en el XI Congreso de los Psicoanalistas de Lengua Francesa en Bruselas. Allí asimilaba su propia concepción de las ‘imágenes del cuerpo fragmentado’ con los ‘objetos internos’ de las fantasías arcaicas según Melanie, y en esa ‘fenomenología de la experiencia kleiniana’ reconoció los ‘fantasmas de la fase llamada paranoide’.”

Mientras se apropiaba de la posición paranoide según Klein, la amplificó y definió el yo como una instancia de desconocimiento imaginario, construida como una estructura paranoica. La transferencia negativa destacada por Klein lo llevó a entender la cura como una paranoia dirigida que contribuye a deshacer los desconocimientos del yo”

En esa exposición, Lacan también rindió un homenaje enfático a Anna Freud, lo cual se ha interpretado a menudo como una estrategia política de acercamiento a la hija del ‘fundador’.”

Melanie perdió toda su confianza en Lacan y en adelante se acercó a Daniel Lagache.”

Dos años después, en 1954, en el curso de su Seminario I, Los escritos técnicos de Freud, Lacan retomó el ‘caso Dick’ e introdujo su propia lectura de ‘La (de)negación’, basándose en Jean Hyppolite. Como lo hemos señalado, ese texto freudiano había sido el caballo de batalla de los kleinianos en las Controversias con los annafreudianos, que no lo conocían. En suma, Lacan adoptó la misma estrategia que los kleinianos en su propia refundación del psicoanálisis. Pero sin citar sus fuentes. Sin mencionar a Klein en su comentario sobre la negatividad freudiana, salvo… indirectamente, remitiendo a Kris y a Melitta acerca del caso clínico del Hombre de los Sesos Frescos.”

Lacan le critica entonces a Jones que suscriba la ‘perfecta brutalidad’ de los conceptos kleinianos, y no vea en el pene más que un objeto parcial, y no ‘el falo’: denuncia la ligereza con que ‘incluye los fantasmas edípicos más originarios en el cuerpo materno, desde su procedencia de la realidad que supone el Nombre-del-Padre’.”

Estos dos rostros del kleinismo no han dejado de atraer la atención de los sociólogos y otros teóricos de la modernidad ingleses, así como de las feministas británicas y estadounidenses. Entre los psicoanalistas, Melanie Klein es tal vez la única que, sin haber propuesto ella misma una reflexión directa sobre la historia y la sociedad modernas (como lo hicieron un Freud o un Reich), suscitó desarrollos políticos que exceden en mucho el alcance inmediato de sus concepciones clínicas. Su empirismo y sus torpezas teóricas hacen que la obra sea intrínsecamente abierta y polisémica, e inducen por defecto interpretaciones fagocitantes. Pero esto no basta para explicar ese éxito sociológico, que parece debido en parte a la atracción que ejerce el psicoanálisis de las profundidades en nuestro mundo contemporáneo, para cuya comprensión las ideologías y filosofías clásicas resultan caducas.”

De modo que se perfilan dos rostros del kleinismo incluso en las extrapolaciones sociológicas de la obra de Melanie. Unas acentúan la teoría de lo negativo, la importancia de la pulsión de muerte y de las fuerzas destructivas que gobiernan a las figuras del contestatario, del rebelde, cuando no del paranoico o del egotista secretamente esquizofrénico. Esta lectura, más atenta a la interpretación, realizada por los psicoanalistas franceses, recientemente ha comenzado a aparecer también en la pluma de numerosos teóricos británicos. Otros, por el contrario, desde hace ya una decena de años, se felicitan por haber descubierto en Melanie Klein un fundamento del vínculo social, privilegiando la conciliación y llevando al extremo lo que incluso algunos clínicos kleinianos no se privan de exagerar: la reparación

Por partir de la teoría freudiana de las pulsiones sexuales y el Edipo, el Eros según Marcuse, se opone en vano a una sociedad fundada en la represión; una sociología que se inspire en él corre el riesgo de encallar en un ‘instrumentalismo interesado’. Esto es lo que dice Alford. Por el contrario, una sociología derivada del kleinismo podría modelar un vínculo social en el que prevalezcan la reparación y la reconciliación.”

En efecto, mucho antes de la conmoción de Mayo del 68 y de la fuga anarquista de El anti-Edipo, que precedió en poco tiempo la pasión lacaniana por la paranoia femenina, Melanie vio al individuo como una economía movida por la pulsión de muerte, intrínsecamente esquizoparanoide y poco dispuesto a adaptarse a la realidad. Los annafreudianos le reprochaban que no tuviera en cuenta a la familia y la madre reales (mucho menos al padre), así como tampoco a la realidad exterior que había que conocer, sino que se encerraba en un mundo de fantasías sádicas, o en todo caso esencialmente negativas.”

Bion y Winnicott iban a clarificar este tema, y lo desarrollaron hablando del ‘ensueño de la madre’ (versión positiva generadora de la vida psíquica), y de ‘madres intrusivas’ (versión maléfica desestructuradora del psiquismo).”

Lacan debía remediar esa falta, inscribiendo la existencia del Edipo y el superyó kleinianos en la preexistencia de lo simbólico en los seres humanos, tal como se pone de manifiesto en el Nombre-del-Padre y en la pregnancia del Falo, cuya función paterna es portadora de lo imaginario.”

Las feministas se felicitaron por la alternativa propuesta de este modo al machismo freudiano y al falocentrismo lacaniano. Otras lamentaron lo que consideran un ‘normadvismo’ kleiniano, es decir, su adhesión a la pareja padre-madre y a la heterosexualidad como condiciones del desarrollo creativo de la psique.”

BOOMER IMBECIL: “Y ni que hablar los juegos electrónicos cuya violencia enloquece a las asociaciones de padres —puesto que sus hijos se “proyectan” (¡y sí!) en ellos, al punto de no diferenciar ya la imagen y la realidad—, juegos en los que el mundo moderno parece hundirse en una fantasía, en el sentido kleiniano del término, taliónica y realista. Con la diferencia de que, en Melanie, el analista acompaña esa fantasía, la formula y la interpreta para hacerla pensable y solo de ese modo atravesarla, no prohibirla ni reprimirla. Por el contrario, los asesinos inconscientes de las escuelas estadounidenses solo han tenido por baby-sitter a la pantalla televisiva y, sin que ninguna palabra los salvara del dominio imaginario, son los náufragos de una posición depresiva nunca consumada, víctimas señaladas de la regresión esquizoparanoide.” Eles iam à escola, mas faltava que fossem à analista judia, ah bom!

THE LIFE AND DEATH OF KING JOHN

CHATILLON

Philip of France, in right and true behalf
Of thy deceased brother Geffrey’s son,
Arthur Plantagenet, lays most lawful claim
To this fair island and the territories,
To Ireland, Poictiers, Anjou, Touraine, Maine,
Desiring thee to lay aside the sword
Which sways usurpingly these several titles,
And put these same into young Arthur’s hand,
Thy nephew and right royal sovereign.

KING JOHN

What follows if we disallow of this?”

KING JOHN

Bear mine to him, and so depart in peace:
Be thou as lightning in the eyes of France;
For ere thou canst report I will be there,
The thunder of my cannon shall be heard:
So hence! Be thou the trumpet of our wrath
And sullen presage of your own decay.
An honourable conduct let him have:
Pembroke, look to ‘t. Farewell, Chatillon.

Exeunt CHATILLON and PEMBROKE”

“KING JOHN

What is thy name?

BASTARD

Philip, my liege, so is my name begun,
Philip, good old sir Robert’s wife’s eldest son.

KING JOHN

From henceforth bear his name whose form thou bear’st:
Kneel thou down Philip, but rise more great,
Arise sir Richard and Plantagenet.”

KING JOHN

Go, Faulconbridge: now hast thou thy desire;
A landless knight makes thee a landed squire.
Come, madam, and come, Richard, we must speed
For France, for France, for it is more than need.”

“But, mother, I am not sir Robert’s son;
I have disclaim’d sir Robert and my land;
Legitimation, name and all is gone:
Then, good my mother, let me know my father;
Some proper man, I hope: who was it, mother?

LADY FAULCONBRIDGE

Hast thou denied thyself a Faulconbridge?

BASTARD

As faithfully as I deny the devil.

LADY FAULCONBRIDGE

King Richard Coeur-de-lion was thy father:
By long and vehement suit I was seduced
To make room for him in my husband’s bed:
Heaven lay not my transgression to my charge!
Thou art the issue of my dear offence,
Which was so strongly urged past my defence.

BASTARD

Now, by this light, were I to get again,
Madam, I would not wish a better father.
Some sins do bear their privilege on earth,
And so doth yours; your fault was not your folly:
Needs must you lay your heart at his dispose,
Subjected tribute to commanding love,
Against whose fury and unmatched force
The aweless lion could not wage the fight,
Nor keep his princely heart from Richard’s hand.
He that perforce robs lions of their hearts
May easily win a woman’s. Ay, my mother,
With all my heart I thank thee for my father!
Who lives and dares but say thou didst not well
When I was got, I’ll send his soul to hell.
Come, lady, I will show thee to my kin;
And they shall say, when Richard me begot,
If thou hadst said him nay, it had been sin:
Who says it was, he lies; I say ‘twas not.

Exeunt

CHATILLON

Then turn your forces from this paltry siege
And stir them up against a mightier task.
England, impatient of your just demands,
Hath put himself in arms: the adverse winds,
Whose leisure I have stay’d, have given him time
To land his legions all as soon as I;
His marches are expedient to this town,
His forces strong, his soldiers confident.
With him along is come the mother-queen,
An Ate, stirring him to blood and strife;
With her her niece, the Lady Blanch of Spain;
With them a bastard of the king’s deceased,
And all the unsettled humours of the land,
Rash, inconsiderate, fiery voluntaries,
With ladies’ faces and fierce dragons’ spleens,
Have sold their fortunes at their native homes,
Bearing their birthrights proudly on their backs,
To make hazard of new fortunes here:
In brief, a braver choice of dauntless spirits
Than now the English bottoms have waft o’er
Did nearer float upon the swelling tide,
To do offence and scath in Christendom.

Drum beats

The interruption of their churlish drums
Cuts off more circumstance: they are at hand,
To parley or to fight; therefore prepare.”

“KING JOHN

Peace be to France, if France in peace permit
Our just and lineal entrance to our own;
If not, bleed France, and peace ascend to heaven,
Whiles we, God’s wrathful agent, do correct
Their proud contempt that beats His peace to heaven.”

QUEEN ELINOR

Who is it thou dost call usurper, France?

CONSTANCE

Let me make answer; thy usurping son.

QUEEN ELINOR

Out, insolent! thy bastard shall be king,
That thou mayst be a queen, and cheque the world!”

“ARTHUR

Good my mother, peace!
I would that I were low laid in my grave:
I am not worth this coil that’s made for me.

QUEEN ELINOR

His mother shames him so, poor boy, he weeps.

CONSTANCE

Now shame upon you, whether she does or no!
His grandam’s wrongs, and not his mother’s shames,
Draws those heaven-moving pearls from his poor eyes,
Which heaven shall take in nature of a fee;
Ay, with these crystal beads heaven shall be bribed
To do him justice and revenge on you.”

First Citizen

In brief, we are the king of England’s subjects:
For him, and in his right, we hold this town.

KING JOHN

Acknowledge then the king, and let me in.

First Citizen

That can we not; but he that proves the king,
To him will we prove loyal: till that time
Have we ramm’d up our gates against the world.

KING JOHN

Doth not the crown of England prove the king?
And if not that, I bring you witnesses,
Twice fifteen thousand hearts of England’s breed,–

BASTARD

Bastards, and else.

KING JOHN

To verify our title with their lives.

KING PHILIP

As many and as well-born bloods as those,–

BASTARD

Some bastards too.

KING PHILIP

Stand in his face to contradict his claim.

First Citizen

Till you compound whose right is worthiest,
We for the worthiest hold the right from both.”

First Citizen

Heralds, from off our towers we might behold,
From first to last, the onset and retire
Of both your armies; whose equality
By our best eyes cannot be censured:
Blood hath bought blood and blows have answered blows;
Strength match’d with strength, and power confronted power:
Both are alike; and both alike we like.
One must prove greatest: while they weigh so even,
We hold our town for neither, yet for both.”

“BASTARD

(…)

The swords of soldiers are his teeth, his fangs;
And now he feasts, mousing the flesh of men,
In undetermined differences of kings.
Why stand these royal fronts amazed thus?
Cry, ‘havoc!’ kings; back to the stained field,
You equal potents, fiery kindled spirits!
Then let confusion of one part confirm
The other’s peace: till then, blows, blood and death!”

BASTARD

By heaven, these scroyles of Angiers flout you, kings,
And stand securely on their battlements,
As in a theatre, whence they gape and point
At your industrious scenes and acts of death.
Your royal presences be ruled by me:
Do like the mutines of Jerusalem,
Be friends awhile and both conjointly bend
Your sharpest deeds of malice on this town:
By east and west let France and England mount
Their battering cannon charged to the mouths,
Till their soul-fearing clamours have brawl’d down
The flinty ribs of this contemptuous city:
I’ld play incessantly upon these jades,
Even till unfenced desolation
Leave them as naked as the vulgar air.
That done, dissever your united strengths,
And part your mingled colours once again;
Turn face to face and bloody point to point;
Then, in a moment, Fortune shall cull forth
Out of one side her happy minion,
To whom in favour she shall give the day,
And kiss him with a glorious victory.
How like you this wild counsel, mighty states?
Smacks it not something of the policy?

KING JOHN

Now, by the sky that hangs above our heads,
I like it well. France, shall we knit our powers
And lay this Angiers even to the ground;
Then after fight who shall be king of it?

BASTARD

An if thou hast the mettle of a king,
Being wronged as we are by this peevish town,
Turn thou the mouth of thy artillery,
As we will ours, against these saucy walls;
And when that we have dash’d them to the ground,
Why then defy each other and pell-mell
Make work upon ourselves, for heaven or hell.

KING PHILIP

Let it be so. Say, where will you assault?

KING JOHN

We from the west will send destruction
Into this city’s bosom.

AUSTRIA

I from the north.

KING PHILIP

Our thunder from the south
Shall rain their drift of bullets on this town.

BASTARD

O prudent discipline! From north to south:
Austria and France shoot in each other’s mouth:
I’ll stir them to it. Come, away, away!”

“BASTARD

…Here’s a large mouth, indeed,
That spits forth death and mountains, rocks and seas,
Talks as familiarly of roaring lions
As maids of thirteen do of puppy-dogs!
What cannoneer begot this lusty blood?
He speaks plain cannon fire, and smoke and bounce;
He gives the bastinado with his tongue:
Our ears are cudgell’d; not a word of his
But buffets better than a fist of France:
Zounds! I was never so bethump’d with words
Since I first call’d my brother’s father dad.”

TUDO ACABA EM GUERRA OU CASÓRIO

“KING PHILIP

Speak England first, that hath been forward first
To speak unto this city: what say you?

KING JOHN

If that the Dauphin there, thy princely son,
Can in this book of beauty read ‘I love,’
Her dowry shall weigh equal with a queen:
For Anjou and fair Touraine, Maine, Poictiers,
And all that we upon this side the sea,
Except this city now by us besieged,
Find liable to our crown and dignity,
Shall gild her bridal bed and make her rich
In titles, honours and promotions,
As she in beauty, education, blood,
Holds hand with any princess of the world.

KING PHILIP

What say’st thou, boy? look in the lady’s face.

LEWIS

I do, my lord; and in her eye I find
A wonder, or a wondrous miracle,
The shadow of myself form’d in her eye:
Which being but the shadow of your son,
Becomes a sun and makes your son a shadow:
I do protest I never loved myself
Till now infixed I beheld myself
Drawn in the flattering table of her eye.

Whispers with BLANCH

BASTARD

Drawn in the flattering table of her eye!
Hang’d in the frowning wrinkle of her brow!
And quarter’d in her heart! he doth espy
Himself love’s traitor: this is pity now,
That hang’d and drawn and quartered, there should be
In such a love so vile a lout as he.”

* * *

“KING JOHN

Then do I give Volquessen, Touraine, Maine,
Poictiers and Anjou, these five provinces,
With her to thee; and this addition more,
Full thirty thousand marks of English coin.
Philip of France, if thou be pleased withal,
Command thy son and daughter to join hands.

KING PHILIP

It likes us well; young princes, close your hands.”

KING PHILIP

Now, citizens of Angiers, ope your gates,
Let in that amity which you have made;
For at Saint Mary’s chapel presently
The rites of marriage shall be solemnized.
Is not the Lady Constance in this troop?
I know she is not, for this match made up
Her presence would have interrupted much:
Where is she and her son? tell me, who knows.

LEWIS

She is sad and passionate at your highness’ tent.

KING PHILIP

And, by my faith, this league that we have made
Will give her sadness very little cure.
Brother of England, how may we content
This widow lady? In her right we came;
Which we, God knows, have turn’d another way,
To our own vantage.

KING JOHN

We will heal up all;
For we’ll create young Arthur Duke of Bretagne
And Earl of Richmond; and this rich fair town
We make him lord of. Call the Lady Constance;
Some speedy messenger bid her repair
To our solemnity: I trust we shall,
If not fill up the measure of her will,
Yet in some measure satisfy her so
That we shall stop her exclamation.
Go we, as well as haste will suffer us,
To this unlook’d for, unprepared pomp.

Exeunt all but the BASTARD

BASTARD

Mad world! mad kings! mad composition!
John, to stop Arthur’s title in the whole,
Hath willingly departed with a part,
And France, whose armour conscience buckled on,
Whom zeal and charity brought to the field
As God’s own soldier, rounded in the ear
With that same purpose-changer, that sly devil,
That broker, that still breaks the pate of faith,
That daily break-vow, he that wins of all,
Of kings, of beggars, old men, young men, maids,
Who, having no external thing to lose
But the word ‘maid,’ cheats the poor maid of that,
That smooth-faced gentleman, tickling Commodity,
Commodity, the bias of the world,
The world, who of itself is peised well,
Made to run even upon even ground,
Till this advantage, this vile-drawing bias,
This sway of motion, this Commodity,
Makes it take head from all indifferency,
From all direction, purpose, course, intent:
And this same bias, this Commodity,
This bawd, this broker, this all-changing word,
Clapp’d on the outward eye of fickle France,
Hath drawn him from his own determined aid,
From a resolved and honourable war,
To a most base and vile-concluded peace.
And why rail I on this Commodity?
But for because he hath not woo’d me yet:
Not that I have the power to clutch my hand,
When his fair angels would salute my palm;
But for my hand, as unattempted yet,
Like a poor beggar, raileth on the rich.
Well, whiles I am a beggar, I will rail
And say there is no sin but to be rich;
And being rich, my virtue then shall be
To say there is no vice but beggary.
Since kings break faith upon commodity,
Gain, be my lord, for I will worship thee.

Exit

“For grief is proud and makes his owner stoop.

To me and to the state of my great grief

Let kings assemble; for my grief’s so great

That no supporter but the huge firm earth

Can hold it up: here I and sorrows sit;

Here is my throne, bid kings come bow to it.”

“CARDINAL PANDULPH

Hail, you anointed deputies of heaven!

To thee, King John, my holy errand is.

I Pandulph, of fair Milan cardinal,

And from Pope Innocent the legate here,

Do in his name religiously demand

Why thou against the church, our holy mother,

So wilfully dost spurn; and force perforce

Keep Stephen Langton, chosen archbishop

Of Canterbury, from that holy see?

This, in our foresaid holy father’s name,

Pope Innocent, I do demand of thee.”

“KING PHILIP

Brother of England, you blaspheme in this.

KING JOHN

Though you and all the kings of Christendom

Are led so grossly by this meddling priest,

Dreading the curse that money may buy out;

And by the merit of vile gold, dross, dust,

Purchase corrupted pardon of a man,

Who in that sale sells pardon from himself,

Though you and all the rest so grossly led

This juggling witchcraft with revenue cherish,

Yet I alone, alone do me oppose

Against the pope and count his friends my foes.

CARDINAL PANDULPH

Then, by the lawful power that I have,

Thou shalt stand cursed and excommunicate.

And blessed shall he be that doth revolt

From his allegiance to an heretic;

And meritorious shall that hand be call’d,

Canonized and worshipped as a saint,

That takes away by any secret course

Thy hateful life.

CONSTANCE

O, lawful let it be

That I have room with Rome to curse awhile!

Good father cardinal, cry thou amen

To my keen curses; for without my wrong

There is no tongue hath power to curse him right.”

“KING JOHN

Philip, what say’st thou to the cardinal?

CONSTANCE

What should he say, but as the cardinal?

LEWIS

Bethink you, father; for the difference

Is purchase of a heavy curse from Rome,

Or the light loss of England for a friend:

Forego the easier.

BLANCH

The Lady Constance speaks not from her faith,

But from her need.

CONSTANCE

O, if thou grant my need,

Which only lives but by the death of faith,

That need must needs infer this principle,

That faith would live again by death of need.

O then, tread down my need, and faith mounts up;

Keep my need up, and faith is trodden down!

KING JOHN

The king is moved, and answers not to this.”

“KING PHILIP

Good reverend father, make my person yours,

And tell me how you would bestow yourself.

This royal hand and mine are newly knit,

And the conjunction of our inward souls

Married in league, coupled and linked together

With all religious strength of sacred vows;

The latest breath that gave the sound of words

Was deep-sworn faith, peace, amity, true love

Between our kingdoms and our royal selves,

And even before this truce, but new before,

No longer than we well could wash our hands

To clap this royal bargain up of peace,

Heaven knows, they were besmear’d and over-stain’d

With slaughter’s pencil, where revenge did paint

The fearful difference of incensed kings:

And shall these hands, so lately purged of blood,

So newly join’d in love, so strong in both,

Unyoke this seizure and this kind regreet?

Play fast and loose with faith? so jest with heaven,

Make such unconstant children of ourselves,

As now again to snatch our palm from palm,

Unswear faith sworn, and on the marriage-bed

Of smiling peace to march a bloody host,

And make a riot on the gentle brow

Of true sincerity? O, holy sir,

My reverend father, let it not be so!

Out of your grace, devise, ordain, impose

Some gentle order; and then we shall be blest

To do your pleasure and continue friends.

CARDINAL PANDULPH

All form is formless, order orderless,

Save what is opposite to England’s love.

Therefore to arms! be champion of our church,

Or let the church, our mother, breathe her curse,

A mother’s curse, on her revolting son.

France, thou mayst hold a serpent by the tongue,

A chafed lion by the mortal paw,

A fasting tiger safer by the tooth,

Than keep in peace that hand which thou dost hold.”

“It is religion that doth make vows kept;

But thou hast sworn against religion,

By what thou swear’st against the thing thou swear’st,

And makest an oath the surety for thy truth

Against an oath: the truth thou art unsure

To swear, swears only not to be forsworn;

Else what a mockery should it be to swear!

But thou dost swear only to be forsworn;

And most forsworn, to keep what thou dost swear.

Therefore thy later vows against thy first

Is in thyself rebellion to thyself”

“LEWIS

Father, to arms!

BLANCH

Upon thy wedding-day?

Against the blood that thou hast married?

What, shall our feast be kept with slaughter’d men?

Shall braying trumpets and loud churlish drums,

Clamours of hell, be measures to our pomp?

O husband, hear me! ay, alack, how new

Is husband in my mouth! even for that name,

Which till this time my tongue did ne’er pronounce,

Upon my knee I beg, go not to arms

Against mine uncle.

CONSTANCE

O, upon my knee,

Made hard with kneeling, I do pray to thee,

Thou virtuous Dauphin, alter not the doom

Forethought by heaven!”

“CONSTANCE

O fair return of banish’d majesty!

QUEEN ELINOR

O foul revolt of French inconstancy!

KING JOHN

France, thou shalt rue this hour within this hour.

BASTARD

Old Time the clock-setter, that bald sexton Time,

Is it as he will? well then, France shall rue.

BLANCH

The sun’s o’ercast with blood: fair day, adieu!

Which is the side that I must go withal?

I am with both: each army hath a hand;

And in their rage, I having hold of both,

They swirl asunder and dismember me.

Husband, I cannot pray that thou mayst win;

Uncle, I needs must pray that thou mayst lose;

Father, I may not wish the fortune thine;

Grandam, I will not wish thy fortunes thrive:

Whoever wins, on that side shall I lose

Assured loss before the match be play’d.”

“There where my fortune lives, there my life dies.”

“KING JOHN

Cousin, go draw our puissance together.

Exit BASTARD

France, I am burn’d up with inflaming wrath;

A rage whose heat hath this condition,

That nothing can allay, nothing but blood,

The blood, and dearest-valued blood, of France.

KING PHILIP

Thy rage sham burn thee up, and thou shalt turn

To ashes, ere our blood shall quench that fire:

Look to thyself, thou art in jeopardy.

KING JOHN

No more than he that threats. To arms let’s hie!

Exeunt”

“KING JOHN

Do not I know thou wouldst?

Good Hubert, Hubert, Hubert, throw thine eye

On yon young boy: I’ll tell thee what, my friend,

He is a very serpent in my way;

And whereso’er this foot of mine doth tread,

He lies before me: dost thou understand me?

Thou art his keeper.

HUBERT

And I’ll keep him so,

That he shall not offend your majesty.

KING JOHN

Death.

HUBERT

My lord?

KING JOHN

A grave.

HUBERT

He shall not live.

KING JOHN

Enough.

I could be merry now. Hubert, I love thee;

Well, I’ll not say what I intend for thee:

Remember. Madam, fare you well:

I’ll send those powers o’er to your majesty.

ELINOR

My blessing go with thee!

KING JOHN

For England, cousin, go:

Hubert shall be your man, attend on you

With all true duty. On toward Calais, ho!

Exeunt”

“HUBERT

Heat me these irons hot; and look thou stand

Within the arras: when I strike my foot

Upon the bosom of the ground, rush forth,

And bind the boy which you shall find with me

Fast to the chair: be heedful: hence, and watch.

First Executioner

I hope your warrant will bear out the deed.

HUBERT

Uncleanly scruples! fear not you: look to’t.

Exeunt Executioners

Young lad, come forth; I have to say with you.

Enter ARTHUR

ARTHUR

Good morrow, Hubert.”

“ARTHUR

Mercy on me!

Methinks no body should be sad but I:

Yet, I remember, when I was in France,

Young gentlemen would be as sad as night,

Only for wantonness. By my christendom,

So I were out of prison and kept sheep,

I should be as merry as the day is long;

And so I would be here, but that I doubt

My uncle practises more harm to me:

He is afraid of me and I of him:

Is it my fault that I was Geffrey’s son?

No, indeed, is’t not; and I would to heaven

I were your son, so you would love me, Hubert.

HUBERT

[Aside] If I talk to him, with his innocent prate

He will awake my mercy which lies dead:

Therefore I will be sudden and dispatch.”

“How now, foolish rheum!

Turning dispiteous torture out of door!

I must be brief, lest resolution drop

Out at mine eyes in tender womanish tears.

Can you not read it? Is it not fair writ?

ARTHUR

Too fairly, Hubert, for so foul effect:

Must you with hot irons burn out both mine eyes?

HUBERT

Young boy, I must.

ARTHUR

And will you?

HUBERT

And I will.”

“…Will you put out mine eyes?

These eyes that never did nor never shall

So much as frown on you.

HUBERT

I have sworn to do it;

And with hot irons must I burn them out.

ARTHUR

Ah, none but in this iron age would do it!

The iron of itself, though heat red-hot,

Approaching near these eyes, would drink my tears

And quench his fiery indignation

Even in the matter of mine innocence;

Nay, after that, consume away in rust

But for containing fire to harm mine eye.

Are you more stubborn-hard than hammer’d iron?

An if an angel should have come to me

And told me Hubert should put out mine eyes,

I would not have believed him,–no tongue but Hubert’s.

HUBERT

Come forth.

Stamps

Re-enter Executioners, with a cord, irons, & c

Do as I bid you do.”

“ARTHUR

Alas, what need you be so boisterous-rough?

I will not struggle, I will stand stone-still.

For heaven sake, Hubert, let me not be bound!

Nay, hear me, Hubert, drive these men away,

And I will sit as quiet as a lamb;

I will not stir, nor wince, nor speak a word,

Nor look upon the iron angerly:

Thrust but these men away, and I’ll forgive you,

Whatever torment you do put me to.

HUBERT

Go, stand within; let me alone with him.

First Executioner

I am best pleased to be from such a deed.

Exeunt Executioners”

“ARTHUR

Is there no remedy?

HUBERT

None, but to lose your eyes.

ARTHUR

O heaven, that there were but a mote in yours,

A grain, a dust, a gnat, a wandering hair,

Any annoyance in that precious sense!

Then feeling what small things are boisterous there,

Your vile intent must needs seem horrible.

HUBERT

Is this your promise? go to, hold your tongue.”

“Or, Hubert, if you will, cut out my tongue,

So I may keep mine eyes: O, spare mine eyes.

Though to no use but still to look on you!

Lo, by my truth, the instrument is cold

And would not harm me.

HUBERT

I can heat it, boy.

ARTHUR

No, in good sooth: the fire is dead with grief,

Being create for comfort, to be used

In undeserved extremes: see else yourself;

There is no malice in this burning coal;

The breath of heaven has blown his spirit out

And strew’d repentent ashes on his head.

HUBERT

But with my breath I can revive it, boy.

ARTHUR

An if you do, you will but make it blush

And glow with shame of your proceedings, Hubert:

Nay, it perchance will sparkle in your eyes;

And like a dog that is compell’d to fight,

Snatch at his master that doth tarre him on.

All things that you should use to do me wrong

Deny their office: only you do lack

That mercy which fierce fire and iron extends,

Creatures of note for mercy-lacking uses.

HUBERT

Well, see to live; I will not touch thine eye

For all the treasure that thine uncle owes:

Yet am I sworn and I did purpose, boy,

With this same very iron to burn them out.

ARTHUR

O, now you look like Hubert! all this while

You were disguised.

HUBERT

Peace; no more. Adieu.

Your uncle must not know but you are dead;

I’ll fill these dogged spies with false reports:

And, pretty child, sleep doubtless and secure,

That Hubert, for the wealth of all the world,

Will not offend thee.

ARTHUR

O heaven! I thank you, Hubert.

HUBERT

Silence; no more: go closely in with me:

Much danger do I undergo for thee.

Exeunt”

P EMBROKE

Then I, as one that am the tongue of these,

To sound the purpose of all their hearts,

Both for myself and them, but, chief of all,

Your safety, for the which myself and them

Bend their best studies, heartily request

The enfranchisement of Arthur; whose restraint

Doth move the murmuring lips of discontent

To break into this dangerous argument,–

If what in rest you have in right you hold,

Why then your fears, which, as they say, attend

The steps of wrong, should move you to mew up

Your tender kinsman and to choke his days

With barbarous ignorance and deny his youth

The rich advantage of good exercise?

That the time’s enemies may not have this

To grace occasions, let it be our suit

That you have bid us ask his liberty;

Which for our goods we do no further ask

Than whereupon our weal, on you depending,

Counts it your weal he have his liberty.

Enter HUBERT

KING JOHN

Let it be so: I do commit his youth

To your direction. Hubert, what news with you?

Taking him apart

“PEMBROKE

This is the man should do the bloody deed;

He show’d his warrant to a friend of mine:

The image of a wicked heinous fault

Lives in his eye; that close aspect of his

Does show the mood of a much troubled breast;

And I do fearfully believe ‘tis done,

What we so fear’d he had a charge to do.

SALISBURY

The colour of the king doth come and go

Between his purpose and his conscience,

Like heralds ‘twixt two dreadful battles set:

His passion is so ripe, it needs must break.

PEMBROKE

And when it breaks, I fear will issue thence

The foul corruption of a sweet child’s death.

KING JOHN

We cannot hold mortality’s strong hand:

Good lords, although my will to give is living,

The suit which you demand is gone and dead:

He tells us Arthur is deceased to-night.

SALISBURY

Indeed we fear’d his sickness was past cure.

PEMBROKE

Indeed we heard how near his death he was

Before the child himself felt he was sick:

This must be answer’d either here or hence.

KING JOHN

Why do you bend such solemn brows on me?

Think you I bear the shears of destiny?

Have I commandment on the pulse of life?

SALISBURY

It is apparent foul play; and ‘tis shame

That greatness should so grossly offer it:

So thrive it in your game! and so, farewell.

PEMBROKE

Stay yet, Lord Salisbury; I’ll go with thee,

And find the inheritance of this poor child,

His little kingdom of a forced grave.

That blood which owed the breadth of all this isle,

Three foot of it doth hold: bad world the while!

This must not be thus borne: this will break out

To all our sorrows, and ere long I doubt.

Exeunt Lords

KING JOHN

They burn in indignation. I repent:

There is no sure foundation set on blood,

No certain life achieved by others’ death.

Enter a Messenger

A fearful eye thou hast: where is that blood

That I have seen inhabit in those cheeks?

So foul a sky clears not without a storm:

Pour down thy weather: how goes all in France?

Messenger

From France to England. Never such a power

For any foreign preparation

Was levied in the body of a land.

The copy of your speed is learn’d by them;

For when you should be told they do prepare,

The tidings come that they are all arrived.”

Messenger

My liege, her ear

Is stopp’d with dust; the first of April died

Your noble mother: and, as I hear, my lord,

The Lady Constance in a frenzy died

Three days before: but this from rumour’s tongue

I idly heard; if true or false I know not.”

“BASTARD

How I have sped among the clergymen,

The sums I have collected shall express.

But as I travell’d hither through the land,

I find the people strangely fantasied;

Possess’d with rumours, full of idle dreams,

Not knowing what they fear, but full of fear:

And here a prophet, that I brought with me

From forth the streets of Pomfret, whom I found

With many hundreds treading on his heels;

To whom he sung, in rude harsh-sounding rhymes,

That, ere the next Ascension-day at noon,

Your highness should deliver up your crown.

KING JOHN

Thou idle dreamer, wherefore didst thou so?

PETER

Foreknowing that the truth will fall out so.

KING JOHN

Hubert, away with him; imprison him;

And on that day at noon whereon he says

I shall yield up my crown, let him be hang’d.

Deliver him to safety; and return,

For I must use thee.

Exeunt HUBERT with PETER

O my gentle cousin,

Hear’st thou the news abroad, who are arrived?

BASTARD

The French, my lord; men’s mouths are full of it:

Besides, I met Lord Bigot and Lord Salisbury,

With eyes as red as new-enkindled fire,

And others more, going to seek the grave

Of Arthur, who they say is kill’d to-night

On your suggestion.

KING JOHN

Gentle kinsman, go,

And thrust thyself into their companies:

I have a way to win their loves again;

Bring them before me.

BASTARD

I will seek them out.”

“HUBERT

My lord, they say five moons were seen to-night;

Four fixed, and the fifth did whirl about

The other four in wondrous motion.

KING JOHN

Five moons!

HUBERT

Old men and beldams in the streets

Do prophesy upon it dangerously:

Young Arthur’s death is common in their mouths:

And when they talk of him, they shake their heads

And whisper one another in the ear;

And he that speaks doth gripe the hearer’s wrist,

Whilst he that hears makes fearful action,

With wrinkled brows, with nods, with rolling eyes.

I saw a smith stand with his hammer, thus,

The whilst his iron did on the anvil cool,

With open mouth swallowing a tailor’s news;

Who, with his shears and measure in his hand,

Standing on slippers, which his nimble haste

Had falsely thrust upon contrary feet,

Told of a many thousand warlike French

That were embattailed and rank’d in Kent:

Another lean unwash’d artificer

Cuts off his tale and talks of Arthur’s death.

KING JOHN

Why seek’st thou to possess me with these fears?

Why urgest thou so oft young Arthur’s death?

Thy hand hath murder’d him: I had a mighty cause

To wish him dead, but thou hadst none to kill him.

HUBERT

No had, my lord! why, did you not provoke me?

KING JOHN

It is the curse of kings to be attended

By slaves that take their humours for a warrant

To break within the bloody house of life,

And on the winking of authority

To understand a law, to know the meaning

Of dangerous majesty, when perchance it frowns

More upon humour than advised respect.

HUBERT

Here is your hand and seal for what I did.

KING JOHN

O, when the last account ‘twixt heaven and earth

Is to be made, then shall this hand and seal

Witness against us to damnation!

How oft the sight of means to do ill deeds

Make deeds ill done! Hadst not thou been by,

A fellow by the hand of nature mark’d,

Quoted and sign’d to do a deed of shame,

This murder had not come into my mind:

But taking note of thy abhorr’d aspect,

Finding thee fit for bloody villany,

Apt, liable to be employ’d in danger,

I faintly broke with thee of Arthur’s death;

And thou, to be endeared to a king,

Made it no conscience to destroy a prince.

HUBERT

My lord—

KING JOHN

Hadst thou but shook thy head or made a pause

When I spake darkly what I purposed,

Or turn’d an eye of doubt upon my face,

As bid me tell my tale in express words,

Deep shame had struck me dumb, made me break off,

And those thy fears might have wrought fears in me:

But thou didst understand me by my signs

And didst in signs again parley with sin;

Yea, without stop, didst let thy heart consent,

And consequently thy rude hand to act

The deed, which both our tongues held vile to name.

Out of my sight, and never see me more!

My nobles leave me; and my state is braved,

Even at my gates, with ranks of foreign powers:

Nay, in the body of this fleshly land,

This kingdom, this confine of blood and breath,

Hostility and civil tumult reigns

Between my conscience and my cousin’s death.

HUBERT

Arm you against your other enemies,

I’ll make a peace between your soul and you.

Young Arthur is alive: this hand of mine

Is yet a maiden and an innocent hand,

Not painted with the crimson spots of blood.

Within this bosom never enter’d yet

The dreadful motion of a murderous thought;

And you have slander’d nature in my form,

Which, howsoever rude exteriorly,

Is yet the cover of a fairer mind

Than to be butcher of an innocent child.

KING JOHN

Doth Arthur live? O, haste thee to the peers,

Throw this report on their incensed rage,

And make them tame to their obedience!

Forgive the comment that my passion made

Upon thy feature; for my rage was blind,

And foul imaginary eyes of blood

Presented thee more hideous than thou art.

O, answer not, but to my closet bring

The angry lords with all expedient haste.

I conjure thee but slowly; run more fast.

Exeunt”

ARTHUR

(…)

As good to die and go, as die and stay.

Leaps down

O me! my uncle’s spirit is in these stones:

Heaven take my soul, and England keep my bones!

Dies

Enter PEMBROKE, SALISBURY, and BIGOT”

“PEMBROKE

All murders past do stand excused in this:

And this, so sole and so unmatchable,

Shall give a holiness, a purity,

To the yet unbegotten sin of times;

And prove a deadly bloodshed but a jest,

Exampled by this heinous spectacle.

BASTARD

It is a damned and a bloody work;

The graceless action of a heavy hand,

If that it be the work of any hand.”

“HUBERT

Lords, I am hot with haste in seeking you:

Arthur doth live; the king hath sent for you.

SALISBURY

O, he is old and blushes not at death.

Avaunt, thou hateful villain, get thee gone!

HUBERT

I am no villain.

SALISBURY

Must I rob the law?

Drawing his sword

BASTARD

Your sword is bright, sir; put it up again.

SALISBURY

Not till I sheathe it in a murderer’s skin.

HUBERT

Stand back, Lord Salisbury, stand back, I say;

By heaven, I think my sword’s as sharp as yours:

I would not have you, lord, forget yourself,

Nor tempt the danger of my true defence;

Lest I, by marking of your rage, forget

Your worth, your greatness and nobility.

BIGOT

Out, dunghill! darest thou brave a nobleman?

HUBERT

Not for my life: but yet I dare defend

My innocent life against an emperor.

SALISBURY

Thou art a murderer.

HUBERT

Do not prove me so;

Yet I am none: whose tongue soe’er speaks false,

Not truly speaks; who speaks not truly, lies.

PEMBROKE

Cut him to pieces.

BASTARD

Keep the peace, I say.

SALISBURY

Stand by, or I shall gall you, Faulconbridge.

BASTARD

Thou wert better gall the devil, Salisbury:

If thou but frown on me, or stir thy foot,

Or teach thy hasty spleen to do me shame,

I’ll strike thee dead. Put up thy sword betime;

Or I’ll so maul you and your toasting-iron,

That you shall think the devil is come from hell.

BIGOT

What wilt thou do, renowned Faulconbridge?

Second a villain and a murderer?

HUBERT

Lord Bigot, I am none.

BIGOT

Who kill’d this prince?

HUBERT

‘Tis not an hour since I left him well:

I honour’d him, I loved him, and will weep

My date of life out for his sweet life’s loss.

SALISBURY

Trust not those cunning waters of his eyes,

For villany is not without such rheum;

And he, long traded in it, makes it seem

Like rivers of remorse and innocency.

Away with me, all you whose souls abhor

The uncleanly savours of a slaughter-house;

For I am stifled with this smell of sin.

BIGOT

Away toward Bury, to the Dauphin there!

PEMBROKE

There tell the king he may inquire us out.

Exeunt Lords”

“BASTARD

Ha! I’ll tell thee what;

Thou’rt damn’d as black–nay, nothing is so black;

Thou art more deep damn’d than Prince Lucifer:

There is not yet so ugly a fiend of hell

As thou shalt be, if thou didst kill this child.

HUBERT

Upon my soul–

BASTARD

If thou didst but consent

To this most cruel act, do but despair;

And if thou want’st a cord, the smallest thread

That ever spider twisted from her womb

Will serve to strangle thee, a rush will be a beam

To hang thee on; or wouldst thou drown thyself,

Put but a little water in a spoon,

And it shall be as all the ocean,

Enough to stifle such a villain up.

I do suspect thee very grievously.

HUBERT

If I in act, consent, or sin of thought,

Be guilty of the stealing that sweet breath

Which was embounded in this beauteous clay,

Let hell want pains enough to torture me.

I left him well.

BASTARD

Go, bear him in thine arms.

I am amazed, methinks, and lose my way

Among the thorns and dangers of this world.

How easy dost thou take all England up!

From forth this morsel of dead royalty,

The life, the right and truth of all this realm

Is fled to heaven; and England now is left

To tug and scamble and to part by the teeth

The unowed interest of proud-swelling state.

Now for the bare-pick’d bone of majesty

Doth dogged war bristle his angry crest

And snarleth in the gentle eyes of peace:

Now powers from home and discontents at home

Meet in one line; and vast confusion waits,

As doth a raven on a sick-fall’n beast,

The imminent decay of wrested pomp.

Now happy he whose cloak and cincture can

Hold out this tempest. Bear away that child

And follow me with speed: I’ll to the king:

A thousand businesses are brief in hand,

And heaven itself doth frown upon the land.

Exeunt”

“CARDINAL PANDULPH

(…)

On this Ascension-day, remember well,

Upon your oath of service to the pope,

Go I to make the French lay down their arms.

Exit

KING JOHN

Is this Ascension-day? Did not the prophet

Say that before Ascension-day at noon

My crown I should give off? Even so I have:

I did suppose it should be on constraint:

But, heaven be thank’d, it is but voluntary.

Enter the BASTARD

BASTARD

All Kent hath yielded; nothing there holds out

But Dover castle: London hath received,

Like a kind host, the Dauphin and his powers:

Your nobles will not hear you, but are gone

To offer service to your enemy,

And wild amazement hurries up and down

The little number of your doubtful friends.

KING JOHN

Would not my lords return to me again,

After they heard young Arthur was alive?

BASTARD

They found him dead and cast into the streets,

An empty casket, where the jewel of life

By some damn’d hand was robb’d and ta’en away.

KING JOHN

That villain Hubert told me he did live.

BASTARD

So, on my soul, he did, for aught he knew.

But wherefore do you droop? why look you sad?

Be great in act, as you have been in thought;

Let not the world see fear and sad distrust

Govern the motion of a kingly eye:

Be stirring as the time; be fire with fire;

Threaten the threatener and outface the brow

Of bragging horror: so shall inferior eyes,

That borrow their behaviors from the great,

Grow great by your example and put on

The dauntless spirit of resolution.

Away, and glister like the god of war,

When he intendeth to become the field:

Show boldness and aspiring confidence.

What, shall they seek the lion in his den,

And fright him there? and make him tremble there?

O, let it not be said: forage, and run

To meet displeasure farther from the doors,

And grapple with him ere he comes so nigh.

KING JOHN

The legate of the pope hath been with me,

And I have made a happy peace with him;

And he hath promised to dismiss the powers

Led by the Dauphin.

BASTARD

O inglorious league!

Shall we, upon the footing of our land,

Send fair-play orders and make compromise,

Insinuation, parley and base truce

To arms invasive? shall a beardless boy,

A cocker’d silken wanton, brave our fields,

And flesh his spirit in a warlike soil,

Mocking the air with colours idly spread,

And find no cheque? Let us, my liege, to arms:

Perchance the cardinal cannot make your peace;

Or if he do, let it at least be said

They saw we had a purpose of defence.

KING JOHN

Have thou the ordering of this present time.”

“CARDINAL PANDULPH

Hail, noble prince of France!

The next is this, King John hath reconciled

Himself to Rome; his spirit is come in,

That so stood out against the holy church,

The great metropolis and see of Rome:

Therefore thy threatening colours now wind up;

And tame the savage spirit of wild war,

That like a lion foster’d up at hand,

It may lie gently at the foot of peace,

And be no further harmful than in show.”

“LEWIS

(…)

And come ye now to tell me John hath made

His peace with Rome? What is that peace to me?

I, by the honour of my marriage-bed,

After young Arthur, claim this land for mine;

And, now it is half-conquer’d, must I back

Because that John hath made his peace with Rome?

Am I Rome’s slave? What penny hath Rome borne,

What men provided, what munition sent,

To underprop this action? Is’t not I

That undergo this charge? who else but I,

And such as to my claim are liable,

Sweat in this business and maintain this war?

Have I not heard these islanders shout out

‘Vive le roi!’ as I have bank’d their towns?

Have I not here the best cards for the game,

To win this easy match play’d for a crown?

And shall I now give o’er the yielded set?

No, no, on my soul, it never shall be said.”

“Trumpet sounds

What lusty trumpet thus doth summon us?

Enter the BASTARD, attended”

2a vez que essa mesma sequência de três linhas sucede na peça, uma no prólogo, outra no ato final.

“The youth says well. Now hear our English king;

For thus his royalty doth speak in me.

He is prepared, and reason too he should:

This apish and unmannerly approach,

This harness’d masque and unadvised revel,

This unhair’d sauciness and boyish troops,

The king doth smile at; and is well prepared

To whip this dwarfish war, these pigmy arms,

From out the circle of his territories.

That hand which had the strength, even at your door,

To cudgel you and make you take the hatch,

To dive like buckets in concealed wells,

To crouch in litter of your stable planks,

To lie like pawns lock’d up in chests and trunks,

To hug with swine, to seek sweet safety out

In vaults and prisons, and to thrill and shake

Even at the crying of your nation’s crow,

Thinking his voice an armed Englishman;

Shall that victorious hand be feebled here,

That in your chambers gave you chastisement?

No: know the gallant monarch is in arms

And like an eagle o’er his aery towers,

To souse annoyance that comes near his nest.

And you degenerate, you ingrate revolts,

You bloody Neroes, ripping up the womb

Of your dear mother England, blush for shame;

For your own ladies and pale-visaged maids

Like Amazons come tripping after drums,

Their thimbles into armed gauntlets change,

Their needles to lances, and their gentle hearts

To fierce and bloody inclination.

LEWIS

There end thy brave, and turn thy face in peace;

We grant thou canst outscold us: fare thee well;

We hold our time too precious to be spent

With such a brabbler.

CARDINAL PANDULPH

Give me leave to speak.

BASTARD

No, I will speak.

LEWIS

We will attend to neither.

Strike up the drums; and let the tongue of war

Plead for our interest and our being here.

BASTARD

Indeed your drums, being beaten, will cry out;

And so shall you, being beaten: do but start

An echo with the clamour of thy drum,

And even at hand a drum is ready braced

That shall reverberate all as loud as thine;

Sound but another, and another shall

As loud as thine rattle the welkin’s ear

And mock the deep-mouth’d thunder: for at hand,

Not trusting to this halting legate here,

Whom he hath used rather for sport than need

Is warlike John; and in his forehead sits

A bare-ribb’d death, whose office is this day

To feast upon whole thousands of the French.

LEWIS

Strike up our drums, to find this danger out.

BASTARD

And thou shalt find it, Dauphin, do not doubt.

Exeunt”

“KING JOHN

This fever, that hath troubled me so long,

Lies heavy on me; O, my heart is sick!

Enter a Messenger

Messenger

My lord, your valiant kinsman, Faulconbridge [Richard the Bastard],

Desires your majesty to leave the field

And send him word by me which way you go.“

“KING JOHN

Ay me! this tyrant fever burns me up,

And will not let me welcome this good news.

Set on toward Swinstead: to my litter straight;

Weakness possesseth me, and I am faint.

Exeunt”

ACT 5 SCENE 4 (na íntegra)

Another part of the field.

Enter SALISBURY, PEMBROKE, and BIGOT

SALISBURY

I did not think the king so stored with friends.

PEMBROKE

Up once again; put spirit in the French:

If they miscarry, we miscarry too.

SALISBURY

That misbegotten devil, Faulconbridge,

In spite of spite, alone upholds the day.

PEMBROKE

They say King John sore sick hath left the field.

Enter MELUN, wounded

MELUN

Lead me to the revolts of England here.

SALISBURY

When we were happy we had other names.

PEMBROKE

It is the Count Melun.

SALISBURY

Wounded to death.

MELUN

Fly, noble English, you are bought and sold;

Unthread the rude eye of rebellion

And welcome home again discarded faith.

Seek out King John and fall before his feet;

For if the French be lords of this loud day,

He means to recompense the pains you take

By cutting off your heads: thus hath he sworn

And I with him, and many moe with me,

Upon the altar at Saint Edmundsbury;

Even on that altar where we swore to you

Dear amity and everlasting love.

SALISBURY

May this be possible? may this be true?

MELUN

Have I not hideous death within my view,

Retaining but a quantity of life,

Which bleeds away, even as a form of wax

Resolveth from his figure ‘gainst the fire?

What in the world should make me now deceive,

Since I must lose the use of all deceit?

Why should I then be false, since it is true

That I must die here and live hence by truth?

I say again, if Lewis do win the day,

He is forsworn, if e’er those eyes of yours

Behold another day break in the east:

But even this night, whose black contagious breath

Already smokes about the burning crest

Of the old, feeble and day-wearied sun,

Even this ill night, your breathing shall expire,

Paying the fine of rated treachery

Even with a treacherous fine of all your lives,

If Lewis by your assistance win the day.

Commend me to one Hubert with your king:

The love of him, and this respect besides,

For that my grandsire was an Englishman,

Awakes my conscience to confess all this.

In lieu whereof, I pray you, bear me hence

From forth the noise and rumour of the field,

Where I may think the remnant of my thoughts

In peace, and part this body and my soul

With contemplation and devout desires.

SALISBURY

We do believe thee: and beshrew my soul

But I do love the favour and the form

Of this most fair occasion, by the which

We will untread the steps of damned flight,

And like a bated and retired flood,

Leaving our rankness and irregular course,

Stoop low within those bounds we have o’erlook’d

And cabby run on in obedience

Even to our ocean, to our great King John.

My arm shall give thee help to bear thee hence;

For I do see the cruel pangs of death

Right in thine eye. Away, my friends! New flight;

And happy newness, that intends old right.

Exeunt, leading off MELUN”

“LEWIS

Here: what news?

Messenger

The Count Melun is slain; the English lords

By his persuasion are again fall’n off,

And your supply, which you have wish’d so long,

Are cast away and sunk on Goodwin Sands.

LEWIS

Ah, foul shrewd news! beshrew thy very heart!

I did not think to be so sad to-night

As this hath made me. Who was he that said

King John did fly an hour or two before

The stumbling night did part our weary powers?”

“HUBERT

O, my sweet sir, news fitting to the night,

Black, fearful, comfortless and horrible.

BASTARD

Show me the very wound of this ill news:

I am no woman, I’ll not swoon at it.

HUBERT

The king, I fear, is poison’d by a monk:

I left him almost speechless; and broke out

To acquaint you with this evil, that you might

The better arm you to the sudden time,

Than if you had at leisure known of this.

BASTARD

How did he take it? who did taste to him?”

“BASTARD

Who didst thou leave to tend his majesty?

HUBERT

Why, know you not? the lords are all come back,

And brought Prince Henry in their company;

At whose request the king hath pardon’d them,

And they are all about his majesty.”

“PRINCE HENRY

It is too late: the life of all his blood

Is touch’d corruptibly, and his pure brain,

Which some suppose the soul’s frail dwelling-house,

Doth by the idle comments that it makes

Foretell the ending of mortality.

Enter PEMBROKE”

“PRINCE HENRY

O vanity of sickness! fierce extremes

In their continuance will not feel themselves.

Death, having prey’d upon the outward parts,

Leaves them invisible, and his siege is now

Against the mind, the which he pricks and wounds

With many legions of strange fantasies,

Which, in their throng and press to that last hold,

Confound themselves. ‘Tis strange that death

should sing.

I am the cygnet to this pale faint swan,

Who chants a doleful hymn to his own death,

And from the organ-pipe of frailty sings

His soul and body to their lasting rest.”

“There is so hot a summer in my bosom,

That all my bowels crumble up to dust:

I am a scribbled form, drawn with a pen

Upon a parchment, and against this fire

Do I shrink up.”

“PRINCE HENRY

O that there were some virtue in my tears,

That might relieve you!

KING JOHN

The salt in them is hot.

Within me is a hell; and there the poison

Is as a fiend confined to tyrannize

On unreprievable condemned blood.

Enter the BASTARD”

“O cousin, thou art come to set mine eye:

The tackle of my heart is crack’d and burn’d,

And all the shrouds wherewith my life should sail

Are turned to one thread, one little hair:

My heart hath one poor string to stay it by,

Which holds but till thy news be uttered;

And then all this thou seest is but a clod

And module of confounded royalty.”

“KING JOHN dies

SALISBURY

You breathe these dead news in as dead an ear.

My liege! my lord! but now a king, now thus.”

“What surety of the world, what hope, what stay,

When this was now a king, and now is clay?”

“SALISBURY

It seems you know not, then, so much as we:

The Cardinal Pandulph is within at rest,

Who half an hour since came from the Dauphin,

And brings from him such offers of our peace

As we with honour and respect may take,

With purpose presently to leave this war.

BASTARD

He will the rather do it when he sees

Ourselves well sinewed to our defence.

SALISBURY

Nay, it is in a manner done already;

For many carriages he hath dispatch’d

To the sea-side, and put his cause and quarrel

To the disposing of the cardinal:

With whom yourself, myself and other lords,

If you think meet, this afternoon will post

To consummate this business happily.

BASTARD

Let it be so: and you, my noble prince,

With other princes that may best be spared,

Shall wait upon your father’s funeral.

PRINCE HENRY

At Worcester must his body be interr’d;

For so he will’d it.”

“BASTARD

(…)

This England never did, nor never shall,

Lie at the proud foot of a conqueror,

But when it first did help to wound itself.

Now these her princes are come home again,

Come the three corners of the world in arms,

And we shall shock them. Nought shall make us rue,

If England to itself do rest but true.

Exeunt”

DA CULPA E DA AUTORIA DOS ATOS E TEXTOS

Republicação de ensaio de outubro de 2008.

Venho aqui tratar da gênese do sentimento de culpa. Defendo a tese, escorado em autores denominados imoralistas, de que a relação do indivíduo moderno com a culpa se assemelha à caça de uma longa e sinuosa serpente. A analogia ganha sentido quando se pensa que ao buscar incessantemente o rabo, e com ele jamais se deparar, o caçador apanha, tateando cego, de súbito, o que pensa ser uma das extremidades. E de fato: acaba de segurar a cobra pela cabeça. Ainda não era a cauda. A cauda é um enigma que, nesta minha história, jamais é desvendado. A pessoa inscrita na sociedade que busca “culpar alguém por alguma coisa” é um caçador de serpentes que acredita a todo tempo estar a ponto de se deparar com uma rabiça que chocalha. Há uma complexa relação entre “cena do crime” e “criminoso” que gostaria de desenvolver ao longo deste singelo ensaio.

Apurar um culpado é partir em busca da resposta: “quem fez?”, “de que consciência emanou a ação?”. Porém, tendo em vista conceitos lapidados ao longo de séculos como “indivíduo”, “volição”, “infração”, “acaso”, “antecedentes”, “conseqüências”, “testemunhos” e “confissões em júri”, torna-se impossível atingir um culpado ou uma penalização sobre os quais não recaia boa dose de incredulidade, mesmo revolta. O culpado e a penalização “ideais” ou “perfeitos” são o que se poderia chamar de cauda da serpente. Buscar a causa de uma cena e imputá-la a um sujeito é a prática mais corriqueira do propalado contrato social elaborado pelo homem branco europeu e hoje hegemônico no globo. Inicialmente, tal contrato era tácito, verbal ou hereditário. Filósofos então se acercaram do problema, evidenciaram-no, registraram-no, disseminaram a questão em diversos idiomas para que pessoas de épocas a partir dali pudessem consultá-la e quem sabe nela tomar parte. Houve até quem começasse a questionar a validade do contrato, sua engenharia, seus postulados, a natureza do homem. Pois se se necessita de um contrato, parece haver uma condição pré-contrato insustentável e que no entanto era o “previsível” ou “esperável”, o normal ou natural a suceder-se. Avessos ao contrato social renegam a moral cultivada pelo mundo ocidental e buscam novos valores para o homem, no que são vistos pelos compactuantes (assinantes do contrato) como imorais, apólogos do desrespeito ao contrato.

Contratos, de letras ou mais que isso, sempre podem ser quebrados. Diz-se que avalizam o ser com garantias, mas elas nunca são totalmente certas. Claro que se pode defender que é o suficiente e, ademais, o cume do possível. Infratores são prejudicados consensualmente; vítimas pontuais de infratores, algo sempre “fatal”, trágico, repentino, já que não podem ser evitadas, são aceitas e inscritas como “bodes expiatórios” insubstituíveis. Entra aqui uma expressão que gostaria de estender mais adiante ao autor da quebra de contrato, no ato de sua punição.

Assino o contrato. Acho que todos assinam o contrato ao nascerem em circunstâncias como as minhas. Mas sou contra o contrato. Enquanto não revogo minha assinatura, me limito ao que o leitor batiza de “plano teórico”, embora quem me conheça espere que eu não lance mão da dicotomia prática-teoria, por considerá-la uma barca furada. Fato é que enquanto não revogar minha assinatura e minha posição em acordo com o contrato social, caso ajam de modo ilegal contra mim serão punidos, o mesmo válido para mim. Não há escapatória: esqueci de dizer que quem não assina o contrato não existe. Não existe categoricamente neste mundo e não lhe pode ser agraciada nenhuma vantagem. Em um mar de milhões de pessoas e de coerção ultimada, significa que o indivíduo está condenado ao ostracismo mais cruel, provavelmente à inanição. Mesmo gangsters possuem um forte contrato social intra-grupo. Sou ciente do caráter absurdo de minha reivindicação aqui. Prossigo.

Assinar o contrato é proteger elementos para a própria existência esperando que uma instância que se põe à disposição de todos regule com sentenças negativas aqueles que ameaçarem a existência alheia. Assinar o contrato implica que caso aconteça uma ilegalidade (quebra de contrato), haverá um culpado pronto a indenizar, seja a vítima em si, seja a tal instância central-mediadora (aqui, o Estado, sistema de justiça). Portanto, assinar o contrato é reservar à disposição, quando necessário, um caçador de cauda de cobra. E se digo que é impossível obtê-la? Já o disse. O leitor o sabe. O leitor pode também alegar que há uma “proximidade do rabo suficiente para tornar as coisas justas”, ou ponderar que inexiste “medida melhor”. Discordarei até o final, mas reconheço que minha voz não é estridente o bastante para calar as ontologias dessas preferências, as motivações singulares de cada um. Adoraria um mundo em que houvesse mais e mais vozes desafiantes como a minha… Atenção!

Há uma confusão muito grande entre dois pares de coisas que me faz preferir a rasura da minha assinatura do contrato. Eis os pares: condicionamento/incondicionamento, sujeito/predicado. Há razões lingüísticas e históricas para crer que o mundo moderno erra ao propor dicotomias o tempo inteiro. A idéia de que há alguém para ser responsabilizado por uma “cena” precisa ser afastada. Tradicionalmente, devido à individualização das relações sociais, há sempre um autor para uma ação, sempre um sujeito para um predicado. É até difícil de engolir, para uma proporção extremamente elevada desta “realidade competitiva” que se diga que a distinção entre eu e outros e entre pessoa e meio não é correta! Não existem pessoas. Pessoas são palavras. Houve enormes equívocos na relação entre ser (sujeito) e objeto (entenda como mundo) que amalgamaram a vivência. Os “autores do contrato” (não cairei no erro de buscar um rabo de cobra, mas preciso ser sintético) são gerações sucessivas de filósofos que partiram de pressupostos convenientes ao dogma cristão, por sua vez associado a condições que surgiram no falecimento do mundo grego… Percebe como eu poderia seguir para trás até chegar a lugar algum? Esta foi uma caçada sinuosa a um apetitoso rabo. Pois bem, nos atenhamos na parte frontal do comboio: considero filósofos como Platão, Kant, os existencialistas do século XX e alguns outros no decorrer da linha do tempo como contribuintes deste modo de pensar. Porém não os quero prender, nem mesmo malograr! Queria mostrar a gênese do sentimento de culpa.

Tais pensadores propõem o pensamento, a razão humana, como algo incomensuravelmente único, pertencente ao sujeito, inalienável. Através dessa razão efetuam-se inter-relação ser-ser e ser-objeto. Efetuam-se predicados advindos de um ser. Não há predicado sem ser. O cristianismo coloca coisas inexplicáveis a cargo de uma entidade chamada deus. O homem moderno deixa deus um pouco de lado (para intervir somente quando cômodo) e convoca o Estado e mecanismos de “impessoalidade” para representar um grande número de pessoas como se fossem uma só (o Brasil como uma pessoa de 200 milhões de “rostos”). O autor do mundo é deus. O mundo é o predicado de um sujeito. O crime é o predicado do criminoso. Alguém comete, alguém é responsável. O ser tem a primazia. Mas o que é o ser?

Este debate está ficando muito extenso! Nunca vou resolvê-lo com propriedade magnânima se não estiver da espessura de um livro, mas eu disse que seria um ensaio singelo. Singelo no sentido de que não deve ser muito longo, embora não seja breve para o que um leitor gostaria de ler. Nunca se tem tempo para ler. Um blog de uma pessoa nada ilustre, então…

Eu falei de Deus. Ou deus. Existe também um par que ingressa agora no jogo, o condicionado/incondicionado. Tudo que é cobra, ou filamento de cobra, evento envolvido num emaranhado de outros, sendo causa de uns tantos e causador de outros mais, é condicionado. Só se pensa existir um autor para uma quebra de contrato porque alguém promove uma ação. Ações sempre estão ligadas a sujeitos delimitados, no mundo moderno. Pode parecer estranho, mas nem sempre foi assim. No mundo grego talvez não se dissesse “somos três pessoas”. Poder-se-ia contá-las, mas não no sentido que conhecemos. Seríamos parte de um todo indivisível. O incondicionado respeita essa idéia. O mundo é o caos. Qualquer tentativa lógica de pintar suas motivações redunda em fracasso, insuficiência. Nada está em relação com nada na medida em que tudo está em relação com tudo. Digamos que o grego ainda assuma que a teia de eventos e fatos seja uma cobra, uma cobra das grandes, mas que o homem grego não age como caçador de cauda. Se se pensa que tudo tem uma origem, há o problema da origem em si: o primeiro fato, a primeira ação, o primeiro ser, quem os trouxe ali? Deus serve para preencher essa lacuna como ninguém no mundo moderno. Pasmem aqueles que não sabiam muito sobre os gregos: eles não precisam de um deus!

Deus é tratado como todo-poderoso, onipotente, essa é sua razão de nos ser afigurável (paradoxo?!). Ele é incondicionado porque está além de qualquer causalismo, é independente e autônomo. Porém, como explicar que proviemos do incondicionado e somos condicionados? Mesmo os extensos poderes da criatura não depõem a seu favor. Na Grécia Arcaica aceita-se o mundo como eu penso que ele seja, um amontoado de caracteres incondicionados. Esbarraremos em perguntas por parte do leitor como “mas então de onde você acha que veio tudo?”. Não ficarei devendo esta resposta, mas devemos continuar até ela ser respondida!

O mundo moderno quer o condicionamento, mas como é complexo e na verdade impossível atingir o rabo da cobra, ele adiciona uma cláusula de incondicionamento ao contrato. Tudo isso para salvar a plausibilidade do binômio sujeito/predicado. Afinal, alguém tem de pagar por ter matado ou roubado alguém, ou antes, as pessoas precisam ser incutidas do medo para se sentirem seguras. Que belo vaivém!

Viu-se que são binômios assimétricos, deficientes. Não andam direito, não estão em compasso. Na Grécia está presente a idéia do incondicionado em sua totalidade, e agora não precisamos nos preocupar com cobras, autores, punições. O que parece punição, ao ocidental contemporâneo, o que faz vezes de castigo, não passa de “fato”, evento desligado de outros antes e depois de sua ocorrência. Chama-se a isso de ética trágica, um substituto do contrato social. Mente quem para me desmoralizar trata seres humanos que não pensam num contrato social como incapazes de viver, de estabelecer existências a longo prazo, viáveis. Além disso, “viável” é diferente aqui e acolá. A ética trágica preconiza que ninguém pode evitar desgraças, porém as desgraças são a chave da existência grandiosa, de quem quer ser lembrado em todos os tempos. Na Grécia clássica (pré-socrática), homem feliz é aquele que está “vencendo todo dia”. Pois, sem contrato, sua exposição a perigos permite que a sucessão de seus dias seja um contraste entre o perder e o ganhar. E o ganhar do grego, o prazer, só pode nascer do perder e do desprazer que lhe são anteriores. Dizem que o mundo ocidental tem um pouco disso: a ética da quantidade de vitórias! Mas isso é uma tendência que só pode se acentuar no futuro. Presentemente, é benquisto deitar-se e acalmar-se, dar-se a si mesmo uma vitória que permaneça. Outra vez já disse que a natureza não gosta de equilíbrios, e isso depõe contra a prática do contrato. Contratos são feitos para serem quebrados, parece saber o advogado, embora neste exato momento ele se acanhe. Parecemos viver em uma ânsia por cometer um crime. Essa vontade é a vontade de ser grego. Penso que minha antipatia pelo contrato já ganhou novos contornos! Pude explicar por um texto que não sou louco, mas apenas um “nostálgico”…

Complementarmente, para evitar buracos neste texto, me adensarei em alguns pontos. Se quiser, pode me abandonar. Intuo que eu esteja sendo interessante e você não vai partir.

Kant e seu imperativo categórico são as maiores salvaguardas da ética não-trágica, quer seja, da culpa e do contrato. Diz esse imperativo ele que a felicidade está em Deus ter fundado o mundo para que respeitemos uns aos outros, vivamos em comunhão. Persisto em que essa é uma prática maléfica que humilha o homem…

Eu diria que o mundo grego não é mais fraco por não ter um Deus. Antes, ele tem vários deuses. Mas esses deuses não são morais, não se preocupam com imputar autoria de ações a ninguém, tampouco se ocupam minutos que sejam com aquelas letrinhas pequenas de contratos… É uma liga poderosa. Já o Ocidente possui uma perna só. Para mim, o único alicerce da construção chamada “nosso mundo” é a palavra culpa. Se ela fenecer, todos os contratos serão cancelados.

Vou tentar convencê-lo a se juntar a mim e me encaminhar para a intrincada resposta que prometi (“mas então, de onde veio tudo?”). Mas para isso preciso fugir um pouco do assunto: conheci um homem – não pessoalmente – que antecipou todas as descobertas das ciências naturais no século XX, mesmo pertencendo ao século XIX e sendo um filósofo. Seu nome era Friedrich Wilhelm Nietzsche. Ele não é muito reconhecido pelos seus feitos. Sua principal descoberta foi que a natureza não existe, tal como pensamos, de forma absoluta. Ela não é o que ela é. O que vemos não pode ser, não existe a verdade, fixa, se quisermos chegar à VERDADE DAS COISAS. Nietzsche desvendou como ninguém as armadilhas da verdade. Podemos dizer que se trata de uma cobra. Quando dizemos que alguém é um criminoso pensamos estar enunciando uma verdade. Nietzsche resgatou o espírito grego e foi capaz de perceber que a verdade não pode nem QUER ser apanhada. Este é o problema: para que o rabo? Na verdade, antes que seja um desconsolo, seu enunciado é um consolo: “O único motivo da existência é não seguir qualquer motivo”. Não sei como imaginar uma vida que caminha para um propósito rijo no horizonte. Pode o indivíduo que lê se pensar como condicionado, realmente? A sociologia faz isso, tem essa missão. Ciência das mais recentes, sua principal sobrevivência é negar o livre-arbítrio individual, porque ela se escora na existência de uma sociedade onde tudo é “causado”. O velho papo do rabo… Anulando-se a individualidade em plena sociedade que valoriza supremamente o indivíduo, chega-se a uma crise irreversível. E pensar que o sujeito está sozinho é naufragar. O melhor é ser grego e entender que não existe indivíduo ou não-indivíduo. Está tudo misturado. De quem é a culpa, se a sociologia se encarrega de buscar as razões pela ocorrência de crimes? O leitor tem esperanças de que eu admita a captura da cauda da serpente? Não! A sociologia não se resolveu com essa culpa, com esse “bode expiatório”. Ou se resolveu, a sua maneira: se tudo está entrelaçado e o criminoso cometeu a ilegalidade devido a circunstâncias sociais, e estas nasceram de outras, que por sua vez nasceram da natureza em evolução, que por sua vez principiou-se do cosmos, que nasceu a dado momento de algum ato, o único culpado é este ato 1. O ato 1 é a criação do universo por Deus. Agora descortinei este deus: aparenta todo-poder, é todo-desgraça. O ocidental, o homem moderno, culpa a existência por um ato criminoso. Se o sujeito supremo é deus, todos os predicados são seus crimes. E o pior é que a autonomia do indivíduo se subjuga a ser predicado, ou seja, ao zero. É uma engenharia completamente falha. A vida no contrato social parece um teatro horroroso do qual não se pode escapar: cadê o autor da peça? O homem não é mais digno no momento em que se revolta contra o autor do contrato que julga ser imprescindível sem saber quem ele é e sem saber por onde começar a rasgar a peça jurídica; e caso ele entenda tudo o que eu disse, tem vergonha por seus pares, que não o farão, impossibilitando que ele mesmo seja um perfeito grego. Ser grego é ser deus, neste aspecto. Se tudo se imbrica, que se assuma a responsabilidade por tudo e por nada ao mesmo tempo!

Essencialmente, na natureza não existe nada que não se contradiga. Um criminoso é uma figura sempre ambígua. Um átomo é ambíguo. Nada é preciso. A vida é uma dança, um enigma, que nunca quer ser descoberto. Uma cobra não sibila reta. O fenômeno não existe em si. O próprio fenômeno é uma perspectiva. O mundo é muito mais rico do que aparenta. Não significa que nada seja real, mas que existe uma realidade para cada observador, e elas se sobrepõem, formando uma cornucópia impensável para o melhor dos criadores. Por isso o mundo não possui um autor. Como por trás de uma perspectiva há sempre uma criação ou ensaio de sentido, o Ocidente disso se aproveita para instalar a culpa. O Júri é uma instância observacional tão rica quanto qualquer pessoa, mas se diz acima de todas elas para julgar o ato como foi. Ora, não existe ato como foi! Além do mais, atos são atos e não podem ser negados. Tudo no cosmo se afirma. Crimes (que só recebem esse nome porque há sujeito – sem o ser, tudo são atos, apenas criminosos, apenas não-criminosos ou tão-somente atos puros, sem distinção, de qualquer forma) são atos. Irreversíveis. Apesar de existir o que se possa chamar de vingança, a vingança é um ato recomeçado. Não pode existir um centro de onde emana uma “punição”. Esta instância central está cometendo aí um crime, mas o homem não precisa se eximir de cometê-los e assistir o cometimento de ilegalidades de forma indireta. É uma prisão, uma revolta gerada pelo contrato e pelo conceito do Deus uno.

Para encerrar, um adágio em homenagem aos gregos, que acertaram, porque ao não pensar num contrato atingiram a imortalidade: “algo para ser eterno tem de acontecer só uma vez”. O universo é um anel, não uma cobra! Sua cauda é sua cabeça, sua origem é a mesma coisa que o seu desfecho. Este o enigma supremo do universo, porém eu não o descobri: enunciar uma verdade é perdê-la no instante em que ela sai das entranhas, para ser adotada de diferentes prismas, sempre em mutação, sempre em passos de dança. Agora a resposta “de onde veio tudo”: não acredito num deus que nos criou, em Kant, no contrato e na covardia. Eu acredito em uma economia invertida, em que o máximo esforço gera os menores resultados, e em que todos fazem o máximo de esforço. Há que haver riqueza. Quem possui mesmo a riqueza, riqueza de vida, tem o bastante para dar sem pedir nada em troca. Eu acredito que o universo jamais começou a começar e jamais cessará de terminar, embora ele comece e termine nalgum dia, para os que nele estão. Ele reverbera indefinidamente… Creio que a natureza seja traiçoeira e magnífica o suficiente para se ter engendrado isso: assim, jamais foi o “nada” e jamais rumará para um fim fixo, apenas se auto-afirmará perpetuamente… No anel, posso inverter o espaço-tempo, não existe antes e depois, e dizer que eu nasci porque neste momento de minha vida, aos 20 anos, decidi que devia nascer…

A INDIFERENÇA VOTACIONAL E O PROBLEMA DA UNIVERSIDADE (PÚBLICA OU OUTRO MODELO QUALQUER)

Republicação de artigo de 19/09/2008. Alterações apenas cosméticas nos grifos.

Ouso afirmar que o dilema do ensino superior no Brasil (Terceiro Mundo)¹ não reside em pontos abordáveis por qualquer campanha partidária e que o jovem que não vota pouco tem a ver com isso: antes, diria que aquele que se compraz em votar intensifica o problema!

¹ Não autorizo a interpretação de que “elogio” sistemas de “Primeiro Mundo” ao fazer desde o primeiro parágrafo uma crítica tão-somente ao “nosso mundo”, mas, como veremos abaixo, ao menos nestes lugares há uma maior qualidade no atendimento de serviços básicos, até para o cidadão que pode contribuir com muito pouco. De qualquer modo, ao avançar em minha argumentação deixo claro que não salvo países, muito pelo contrário: condeno todos os Estados.

Apesar da democracia se apresentar como o sistema menos inadequado de gestão do povo – ou de instituições –, sua controvérsia por excelência (eu diria “pouca vergonha”) é que constrange o indivíduo à participação, por uma rede de meios.

Em uma democracia de último tipo é absolutamente incorruptível o direito do cidadão ao alheamento. Vê-se que os direitos ativos são prometidos e não mais que parcialmente cumpridos: todos, constitucionalmente, teriam acesso à informação; não é o que acontece. Além disso, posso questionar o valor da informação em uma sociedade do espetáculo de massa. Poderia questionar qualquer tipo de serviço do Estado. Há dúvida em se o esgoto é melhor do que a falta de saneamento. Em uma grande cidade, certamente é uma bela solução provisória; mas o problema dos detalhes hiberna e ressuscita à frente. Paralelamente, posso apontar pequenas povoações em que a ausência de encanamentos representa facilidade de vida e bem-estar, porque o lixo de poucas casas não chega a agredir o meio ambiente. Aliás, povoados mais isolados e que não sucumbiram à tara da industrialização não possuem o que se pode chamar de lixo. Ilustrativamente, o tão danoso plástico é algo industrial. Nenhum indígena poderia “poluir” a natureza, no sentido que nós mesmos criamos para nossas porcarias… Nada essencial para o aborígene fica mil anos em deterioração como uma lata de Coca. E, cá entre nós, quer lugar mais imundo que o subterrâneo citadino? Porém, interrompamos esta última parte da digressão!

Eu me referia ao direito ao alheamento: a priori, é mais simples de fazê-lo valer do que a demagogia ou falácia da “benesse para todos” (os exemplos citados da televisão e jornais e do sistema de esgoto). Isso porque não há dependência econômica, não se lida com recursos escassos. O indivíduo que não incomoda a liberdade do próximo para desfrutar a sua, dando predileção à TV desligada, ao jornal na lixeira (não que o problema do excesso de lixo seja seu!) e à indiferença quanto à prestação de serviços pelo governo (“eles não recolhem meu lixo, em contrapartida eu não pago impostos”), é o modelo preciso do cidadão que quer e pode, segundo a lei, “alienar-se” do coletivo. Vê-se que, em verdade, apesar de uma ou outra baixa na receita, gostos voltados para a misantropia são apreciáveis da ótica do Estado. Basta não o olhar, o dispêndio zero, e a administração quita com suas obrigações para com o sujeito; o sujeito adora esta situação, está de acordo. Há reciprocidade, mutualidade. A democracia permite acordos tácitos em que “ninguém se mexe para não perturbar e não ser perturbado”. Assim como, não esqueçamos, jamais veda o caminho de quem quer participar, custe o que custar. O mundo perfeito!

Não obstante, essa é apenas a descrição normativa básica do paradigma democrático: não se sustenta após observações. O quadro real apresenta incongruências nos dois pólos: o cidadão ativo é submisso ao Estado e dele não recebe “recompensas” o suficiente (o que, aliás, produz em muitos a vontade de tornarem-se passivos); o cidadão passivo não consegue “não agir”. Disserto aqui sobre este segundo malefício, limitação congênita de democracias até onde as conheço. Em suma, pedimos ao poder central para não participarmos, aceitando as conseqüências (por mais que nos digam que tal atitude é prejudicial, fazemos um balanço interno e consideramo-la uma postura vantajosa!), no entanto a “máquina” não aceita nossa escolha. A falha clamorosa é que o Estado declara respeitar essa vontade de omissão; mas, na prática, pune o omisso (para não falar do ativo). Portanto, a afronta à liberdade é clara e venho por meio deste manuscrito denunciá-la. É verdade que esse meu ato se afigura como “luta ativa”, mas direciono-o tão-somente ao círculo mais próximo com o intuito de explicitar os motivos irrefutáveis de minha não-participação nas eleições da UnB, evidenciando uma crível superioridade da passividade em relação à atividade.

a) Findo este PRELÚDIO, adentremos o concreto.

De volta à universidade subdesenvolvida e votantes e não-votantes, observo que ontem, no campus Darcy Ribeiro, dia 18 de setembro de 2008, no último dia do primeiro turno para eleição do novo reitor, havia uma forte pressão, proveniente dos fiscais ou ativistas das chapas concorrentes (dir-se-ia, antigamente, “massa de manobra da inteligência”; dir-se-ia, por estarmos onde estamos, que eles SÃO a intelligentsia; mas me recuso – são ovelhas!), para quem ainda não havia votado e não demonstrava ímpeto para tal, votar. Uma pressão indevida e onipresente nos corredores do Minhocão: dificilmente se é indulgente ao ponto de vista de que “alienar-se” do processo eleitoral é já, em si, uma escolha. Argumenta-se, do lado de lá, que “sempre é melhor exercer seu voto”. Eu não compartilho desta tese. Todavia, exceto por esta carta, não tento demover quem pensa diferentemente de mim. Aí está o intenso paroxismo do “espírito democrático”.

b) Razões menos abstratas de “por que não voto” e da situação periclitante da universidade em relação profunda com a ruína do Ocidente² (e com a mediocridade da população, resultado dos impulsos democráticos):

² Ocidente, neste contexto: modelo desenvolvimentista, mundo moderno, crença no Iluminismo e preponderância do espírito apolíneo na condução das vidas (Idealismo, a vida fora da vida!).

O problema mais profundo é o SISTEMA ELEITORAL. É o MEIO URBANO. É a SOCIEDADE OCIDENTAL em todos os seus pressupostos. Devo dizer que enquanto perdurarmos neste modo infecundo de viver não VOTAREI. NUNCA votarei, pois o correto é não votar. A seguir exponho razões individuais para não ter votado ontem:

Meu peso é nulo – em escala de Brasil, DF, UnB e mesmo em uma sala – geralmente defendo o indefensável para a moral que vigora; penso que se fossem somente eu e mais dois, eu seria provavelmente a minoria. Mas independentemente de uma personalidade avessa à mediania ou não, há total irrelevância do cidadão que vota. Note-se que eu sou um. Nunca vi uma eleição ser definida por um voto. Qualquer votante fervoroso sabe que não muda o menor estilhaço do espectro político. Corneteiros, que querem transformar seu voto em cem votos, pelas mãos e cabeças dos outros, são uma figura proibida na eleição politicamente correta (pois é dela que trato aqui – não preciso citar quem fere as liberdades individuais, quem age por interesses segundos, sempre a serviço de um poderoso, ou do candidato que mexe pauzinhos para se auto-eleger… Essas condutas são óbvias, qualquer um constata, e já demonstram per se a falência do ideal democrata… E eu aqui bancando o SALVACIONISTA… Nem deveria discutir com vocês!). Porém, mesmo para a eleição definida por UM voto, sua responsabilidade é nula, acredite. Como alguém poderia dizer “se eu votasse na legenda adversária, o resultado seria integralmente diferente”, todos os demais o poderiam! Isso implica que a responsabilidade é indizivelmente dividida. Não sobra nada. Nunca se é responsável, é a conclusão. A democracia é uma fuga da responsabilidade! Parece que não se vive, é um desperdício votar… Se ainda não se convenceu, devo explicar o mecanismo “democrático” da Universidade de Brasília: o mais votado pelos estudantes/professores/funcionários (e é muito mais sadio pensar que professores escolhem um reitor ao invés de jovens inconseqüentes em curto estágio por estas bandas) não é automaticamente eleito. Na verdade, longe disso. Mesmo os dois candidatos de segundo turno podem ficar alijados da cadeira de reitor. As eleições servem apenas para que seja submetida uma lista tríplice ao Ministério da Educação, que adotará os próprios critérios. Anula-se ainda mais um peso individual que tangia ao zero! Em suma, eu, pelo menos, tenho coisas muito mais terríveis e homéricas com as quais me preocupar – uma delas é o que fazer no domingo eleitoral se não tem futebol na tevê nem se vota para vereador ou prefeito em Brasília…

Há obscuridade e interesses vis em cada um dos candidatos. Pouco pude conhecer destes renomáveis senhores e seus vices, nas páginas de jornais internos. Mas não só pode haver parcialidade por parte do jornalista como fica clara a vacuidade de cada programa. Todos bastante homogêneos entre si, parece ser o detalhe de uma barba grisalha ou de um sorriso ameaçador os fatores decisivos na escolha do aluno. E pelo que pude perceber, todas as candidaturas eram irregulares! Panfletagem em locais proibidos e posse de empresas privadas, coisas inconstitucionais… Não se vota em ladrão! O mais grave mesmo é o amontoado de santinhos e filipetas, que poderia ir para o lixão e ser tratado (reciclado), mas que devido ao recomeço da estação de chuvas escorreu em grosso para os esgotos, amplificando o problema já tratado mais acima.

Uma universidade não pode primar pela democracia, é um lugar para relações hierárquicas. A universidade não é uma coisa engraçada? O conceito de uma instituição superior de ensino em si já muito me assusta, e ainda mais a micro-democracia em algo que exige tamanha verticalidade (professor x aluno). Tenho pena de quem panfletou em nome do 70 e alguma coisa… A universidade não tem lugar em meu cardápio de estimas porque está imbricada em uma legião de equívocos: “mercado de trabalho”, “boletins de desempenho” e “intenso convívio com PADRÕES” são aviltamentos indizíveis à vida!

Proponho eu a varredura completa. A universidade terá sempre, nestes moldes, um limite baixo de recursos. Os “revolucionárias da reitoria” não o desfrutarão: o capital inundará as engenharias. Por mais que seja reconstruído por pessoas diferentes (José Geraldo?), seu sucateamento é inevitável. Vivemos em uma nação herdeira de uma filosofia perfeita de “como tornar almas miseráveis”. A UnB não muda sem que mude primeiro o sistema-mundo. Mas num sistema-mundo transcendido (adequadamente!) inexistem universidades… Não quero melhorar a UnB porque quero destruí-la – eis a minha essência. Sou um verme latente. Uma larva que hiberna antes de amadurecer e inocular seus filhotes nos bebedouros – todos beberão e serão arruinados, se fracos. Haverá também muito veneno do esgoto, este mundo de porcalha próprio dos ocidentais!

ON THE EMBASSY – Aeschines (trad. de Charles Darwin Adams, Cambridge, 1919.)

Discurso em autodefesa, contra as acusações de Demóstenes, promotor do caso. O contexto histórico é Atenas sob a dominação de Filipe da Macedônia. A “Embaixada” se refere a uma comitiva de dez embaixadores escolhidos por Atenas para negociarem a paz na Macedônia. Tanto Ésquines como Demóstenes faziam parte desta dezena. Ambos têm versões diferentes sobre quem dos dois agira como traidor da pátria na mal-sucedida viagem. Demóstenes possui um discurso, a que este retorque, chamado hoje, para diferenciá-lo de seu homônimo (e antípoda), On the FALSE Embassy.

“But when it is a question of solicitude for the interests of the state, one solitary man stands out in all his speech—Demosthenes; all the rest are traitors! For he has unceasingly insulted us and poured out his slanderous lies, not upon me alone, but upon the rest as well”

“But we, who have shrines and family tombs in our native land, and such life and intercourse with you as belong to free man, and lawful marriage, with its offspring and connections, we while at Athens were worthy of your confidence, or you would never have chosen us, but when we had come to Macedonia we all at once turned traitors! But the man who had not one member of his body left unsold, posing as a 2nd Aristeides <the Just>, is displeased, and spits on us, as takers of bribes.

“and when Pausanias was coming back to contend for the throne,¹ an exile then, but favoured by opportunity and the support of many of the people, and bringing a Greek force with him, and when he had already seized Anthemon, Therma, Strepsa and certain other places, at a time when the Macedonians were not united, but most of them favoured Pausanias: at this crisis the Athenians elected Iphicrates as their general to go against Amphipolis [no tempo desta ação, future colônia ateniense; ex-colônia ateniense, no momento do discurso de Ésquines]—for at that time the people of Amphipolis were holding their city themselves and enjoying the products of the land.” Vê-se, também, por extensão, que neste tempo Atenas formava uma coalisão imperialista com a Macedônia.

¹ Da dividida Macedônia. Segue explicação do tradutor: “Amyntas, king of Macedonia, left 3 sons, Alexander, Perdiccas, and Philip. Alexander succeeded his father, but after a short reign he was assassinated. His mother Eurydice with her paramour Ptolomaeus took the throne. Her power was threatened by Pausanias, a member of a rival princely house.”

(*) “Amyntas, hard pressed by his Illyrian and Thessalian neighbors, had at one time been driven from his throne by a rival prince. After 2 years, he was restored to power by help of Sparta and Athens. [!] It is conjectured that this was the occasion of his adoption of the Athenian Iphicrates, one of the most capable leaders of mercenary troops.”

Toda a controvérsia do princípio do discurso de defesa está em que a Macedônia tomou Anfípolis para si. Mas teria sido direito de conquista, subtraindo-a dos atenienses, ou uma “tirania”, uma usurpação de uma ainda-colônia de Atenas? Melindres e filigranas…

Ésquines diz que Demóstenes, o último da comitiva a falar com Filipe, desmaiou de nervoso.

“he … having forgotten what he had written, was unable to recover himself; nay, on making a 2nd attempt, he broke down again. Silence followed; then the herald bade us withdraw.”

“And when we were all dining together at Larisa, he made fun of himself and the embarrassment which had come upon him in his speech, and he declared that Philip was the most wonderful man under the sun.”

“In referring to me he said something like this: that I had not disappointed the hopes of those who elected me to the embassy. And to cap it all he moved that each of us be crowned with a garland of wild olive because of our loyalty to the people, and that we be invited to dine on the morrow in the Prytaneum. To prove that I have spoken to you nothing but the truth, please let the clerk take the decree, and let him read the testimony of my colleagues in the embassy.”

“Then he went on and said <See how briefly I will report all the rest. To Aeschines Philip seemed to be eloquent, but not to me; nay, if one should strip off his luck and clothe another with it, this other would be almost his equal.”

“that you may know, fellow citizens, that when it is a question of speaking in the city’s behalf, Demosthenes is helpless, but against those who have broken bread with him and shared in the same libations, he is a practised orator.”

“You find, therefore, that it was not Philocrates and I who entered into partnership in the negotations for the peace, but Philocrates and Demosthenes.”

“For it the presiding officers gave no opportunity for discussion in the 2nd meeting, it is impossible that I spoke then. And if my policy was the same as that of Philocrates, what motive could I have had for opposing on the first day, and then after an interval of a single night, in the presence of the same listeners, for supporting?”

A História (antiga, moderna, ambas?) divide a Guerra Atenas Contra Macedônia ou Liga Atenéia x Filipe II em duas, mas podemos encará-la como uma grande conflagração continuada, com esparsas tréguas. A Guerra de Tróia, por sinal, contemplou mais armistício do que combates, durando de 9 a 10 anos…

“and instead of respect and the hegemony of Hellas, Athens had a name that stank like a nest of Myonnesian¹ pirates. And Philip from his base in Macedonia was no longer contending with us for Amphipolis, but already for Lemnos, Imbros, and Scyros, our own possessions, while our citizens were abandoning Chersonese, the undisputed property of Athens.”

¹ Ilha dos Ratos, mostrando que corsários sempre foram depreciados como animais de rapina ou até coisa pior!

“charge the peace not to the ambassadors, but to the commanders o four arms.”

“Such was the situation of the city, such the circumstances under which the debate on the peace took place. But the popular speakers arose and with one consent ignored the question of the safety of the state, but called on you to gaze at the Propylaea of the Acropolis, and remember the battle of Salamis, and the tombs and trophies of our forefathers.”

(*) “Aristotle tells us that it was Cleophon who introduced the 2 obol donation from the treasury to provide a free seat in the theatre for every citizen who applied for it. This was the beginning of the Theorika, recognized in the time of Aeschines as one of the greatest abuses in the democracy.”

“Finally they brought the city to such a pass that she was glad to make peace, giving up everything, tearing down her walls [como bem visto nos discursos de Lísias no seclusão], receiving a garrison and a Lacedaemonian governor, and surrendering the democracy to the Thirty, who put 1500 citizens to death without a trial.”

“For Atrometus, our father, whom you slander, though you do not know him and never saw what a man he was in his prime—you, Demosthenes, a descendant through your mother of the nomad Scythians—our father went into exile in the time of the Thirty, and later helped to restore the democracy”

“But you find fault with my service as ambassador to Arcadia and my speech before the Ten Thousand there, and you say that I have changed sides—yourself more slave than freeman, all but branded as a runaway! (…) I acknowledge that I advised the people to come to terms with Philip, and to make the peace, which you, Demosthenes, now hold disgraceful, you who never had a weapon of war in your hands—but which I declare to be much more honourable than the war.”

“But if the responsibility for the wars is to be laid upon the ambassadors, while the generals are to receive the rewards, the wars you wage will know neither truce nor herald of peace, for no man will be willing to be your ambassador.”

“Demosthenees, who just now burst into tears here at mention of Cersobleptes, tried to shut him out of the alliance. (…) and my accuser has dared to tell you that it was I who drove Critobulus, Cersobleptes’ ambassador, from the ceremony—in the presence of the allies, under the eyes of the generals, after the people had voted as they did! Where did I get all that power?”

“you preserve for all time in the public archives your decrees, together with their dates and the names of the officials who put them to vote.”

“And do you put on airs before these jurymen, as though they did not know that you are the bastard son of Demosthenes the cutler?” Não é a primeira vez que Ésquines utiliza o fato de a mãe de Demóstenes não ser cidadã ateniense como argumento extra, ad hominem.

“For it serves you, as it does all liars, to confuse the dates, but it serves me to give the events in their order”

“At the same time I reviewed [to Phillip] from the beginning the story of the founding of the shrine, and of the first synod of the Amphictyons that was ever held; and I read their oaths, in which the men of ancient times swore that they would raze no city of the Amphictyonic states, nor shut them off from flowing water either in war or in peace; that if anyone should violate this oath, they would march against such an one and raze his cities; and if any one should violate the shrine of the god or be accessory to such violation, or make any plot against the holy places, they would punish him with hand and foot and voice, and all their power. To the oath was added a mighty course.”

“in the apportionment of the day eleven jars of water have been assigned to my defence.(*)

(*) How long a time would be occupied by the running of one amphora of water through the clepsydra, we have no means of knowing.”

“Would it not, then, be monstrous treatment for me if I should be convicted when my accuser is Demosthenes, the paid servant of Thebes and the wickedest man in Hellas, while my advocates are Phocians and Boeotians?”

“For you, Demosthenes, fabricated these charges against me, but I will tell my story, as I was taught to do from childhood, truthfully. Yonder is my father, Atrometus; there are few older men among all the citizens, for he is now 94 years old. When he was a young man, before the war destroyed his property, he was so fortunate as to be an athlete; banished by the Thirty, he served as a soldier in Asia, and in danger he showed himself a man (…) and he helped in the restoration of the democracy

It is my good fortune, too, that all the members of my mother’s family are free-born citizens; and today I see her here before my eyes in anxiety and fear for my safety. And yet, Demosthenes, this mother of mine went out to Corinth an exile, with her husband, and shared the disasters of the democracy; but you, who claim to be a man—that you really are a man I should not venture to say—you were once indicted for desertion, and you saved yourself by buying off the man who indicted you, Nicodemus of Aphidna, whom afterward you helped Aristarchus to destroy; wherefore you are polluted, and have no right to be invading the market-place.”

(*) “The murder of Nichodemus by Aristarchus, a young friend of Demosthenes, was a notorious case, but the attempts of Demosthenes’ enemies to connect him with it were entirely unsuccessful.”

“But you dared to speak about my wife’s family also—so shameless you are and so inherently thankless, you that have neither affection nor respect for Philodemus, the father of Philon and Epicrates, the man by whose good offices you were enrolled among the men of your deme, as the elder Paeanians know.”

“But see how far back his preparations for this accusation go. For there is a certain Olynthians living here, Aristophanes by name. Demosthenes was introduced to him by some one, and having found out that he is an able speaker, paid extravagant court to him and won his confidence; this accomplished, he tried to persuade him to give false testimony against me before you, promising, namely, to give him 500 drachmas on the spot, if he would consent to come into court and complain of me, and say that I was guilty of drunken abuse of a woman of his family, who had been taken captive; and he promised to pay him 500 more when he should have given the testimony.

But Aristophanes answered him, as he himself told the story, that Demosthenes had entirely misjudged his character, for he could do nothing of the sort. (…) Please call Aristophanes the Olynthian (…) and call those who heard his story and reported it to me—Dercylus, of the deme Hagnus, the son of Autocles, and Aristeides of Cephisia, the son of Euphiletus.”

“Ofttimes whole peoples suffer from one man

Whose deeds are sinful and whose purpose base.”

Hesiod

“You wrote a speech for the banker Phormion and were paid for it: this speech you communicated to Apollodorus, who was bringing a capital charge against Phormion.”

“I fought in the battle of Mantineia, not without honour to myself or credit to the city. I took part in the expeditions to Euboea, and at the battle of Tamynae as a member of the picked corps I so bore myself in danger that I received a wreath of honour then and there, and another at the hands of the people on my arrival home; for I brought the news of the Athenian victory, and Temenides, taxiarch of the tribe Pandionis, who was despatched with me from camp, told here how I had borne myself in the face of the danger that befell us.”

“In former days, after the battle of Salamis, our city stood in high repute, and although our walls had been thrown down by the barbarians yet so long as we had peace with the Lacedaemonians we preserved our democratic form of government.”

“and we held the democratic constitution unshaken. But meanwhile men who were neither free by birth nor of fit character had intruded into our body politic, and finally we became involved in war again with the Lacedaemonians, this time because of the Aeginetans.”

(*) “Ver Andocides, On the Peace with the Lacedaemonians

“a creature who is no man—no better in spirit than a woman.”

“Is he not indeed to be pitied who must look into the sneering face of an enemy, and hear with his ears his insults? But nevertheless I have taken the risk, I have exposed my body to the peril.”

LAS AVES

“EVÉLPIDES. (Indignado.)  En verdad, es una indignidad lo que ha hecho con nosotros el pajarero, el bilioso Filócrates el del mercado de las aves, que decía que estos dos pajarracos nos iban a enseñar de entre las aves a Tereo, abubilla después de su metamorfosis, y nos vendió el grajo ése, un hijo de Tarrélides por un óbolo, y la otra por tres. Y ahora resulta que los dos no sabían dar más que picotazos. (Cambia de entonación, dirigiéndose al grajo.) ¿Y por qué abres el pico ahora? ¿Hay todavía algún sitio al que quieras despeñarnos? Porque por aquí no hay ningún camino.”

“EVÉLPIDES. ¿No es una cosa lastimosa que queramos irnos… (irónico) a los cuervos y, después de hacer nuestros preparativos, luego no podamos hallar el camino? Porque nosotros, gentes que nos escucháis, estamos enfermos de la enfermedad contraria a la de Sacas: éste, no siendo ciudadano, trata de meterse en las listas a la fuerza, mientras que nosotros, de una tribu y una familia estimables, ciudadanos entre los ciudadanos, sin que nadie nos eche, hemos salido de Atenas volando con los dos pies, y no por odio, porque no fuera naturalmente grande y rica y libre para todo el mundo para pagar impuestos. Pero la verdad es que las cigarras cantan uno o dos meses sobre las ramas, mientras que los atenienses cantan en los pleitos toda su vida. Por eso damos este paso, y con un canastillo, un puchero y mirto, vamos de un lado a otro buscando un lugar tranquilo donde asentarnos para pasar la vida. Nuestra expedición es en busca de Tereo, la abubilla, deseosos de que nos entere de si ha visto por dónde ha volado alguna ciudad de esa clase.”

“PISTETERO. ¿Sabes lo que vas a hacer? Golpea la roca con la pierna.

EVÉLPIDES. Y tú con la cabeza, para que el ruido sea doble.”

“SERVIDOR DE LA ABUBILLA. (Sale de la casa de ésta) ¿Quiénes son éstos? ¿Quién llama a mi amo?

PISTETERO. ¡Apolo protector! ¡Qué abertura de pico!”

“EVÉLPIDES. Pero si no somos hombres.

SERVIDOR. ¿Pues qué?

EVÉLPIDES. Yo, el asustado, un pájaro de Libia.

SERVIDOR. Dices tonterías.

EVÉLPIDES. Y, sin embargo, mira ante mis pies.

SERVIDOR. ¿Y qué pájaro es este otro? Dímelo.

PISTETERO. Un cagado, ave del Fasis.

EVÉLPIDES. Y tú, ¿qué clase de animal eres? Di, por los dioses.

SERVIDOR. Soy un pájaro esclavo.

EVÉLPIDES. ¿Es que te venció algún gallo?

SERVIDOR . No, pero cuando mi amo se convirtió en abubilla, pidió a los dioses que yo me hiciera pájaro, a fin de tenerme para acompañarle y servirle.

EVÉLPIDES. ¿Es que un pájaro necesita servidor?

SERVIDOR. Éste, por lo menos, sí, a causa, yo creo, de que fue primero hombre. Unas veces tiene ganas de comer boquerones del Falero: cojo mi escudilla y corro por los boquerones; le apetece puré y hace falta una cuchara y un puchero: corro por la cuchara.”

“EVÉLPIDES. Los doce dioses parece que te han dejado malparado.

ABUBILLA. ¿Os burláis de mi plumaje? Es que yo era un hombre, ¡oh extranjeros!

EVÉLPIDES. No nos reímos de ti.

ABUBILLA. ¿Pues de qué?

EVÉLPIDES. Tu pico es el que nos parece risible.

ABUBILLA. Estos excesos ha hecho contra mí Sófocles en sus tragedias, de Tereo que era antes.

EVÉLPIDES. ¿Tú, Tereo? ¿Ave o… pavo real?”

“ABUBILLA. Entonces, ¿buscas una ciudad mayor que la vieja Atenas?

EVÉLPIDES. Mayor, de ningún modo, pero sí una más apropiada para nosotros.

ABUBILLA. (Con seriedad.) Sin duda alguna, veo que buscas un régimen aristocrático.”

“PISTETERO. Cuando el padre de un bonito muchacho, al encontrarse conmigo, me hiciera estos reproches como si yo le hubiera ofendido: «Tiene gracia la cosa: te encuentras a mi hijo, Don Lindo, saliendo del gimnasio, recién bañado, y no le diste un beso, no le dijiste nada, no le abrazaste, no le cogiste los cojones [colhões], y eso tú, ¡un amigo de la familia!»”

“PISTETERO. Fundad una ciudad.

ABUBILLA . ¿Y qué ciudad podríamos fundar las aves?

PISTETERO. ¿De verdad? (Recitando como verso y con gravedad cómica.)

¡Oh, cuán necia es la frase

que osaste pronunciar!

(En tono normal.) Mira abajo.

ABUBILLA. Ya estoy mirando.

PISTETERO. Mira ahora arriba.

ABUBILLA. Ya miro.

PISTETERO. Vuelve el pescuezo.

ABUBILLA. Por Zeus, ¿voy a sacar provecho si me lo retuerzo?

PISTETERO. ¿Viste algo?

ABUBILLA. Las nubes y el cielo.

PISTETERO. ¿Y n o es este, a todas luces, el polo de las aves?

ABUBILLA . ¿El polo? ¿Cómo?

PISTETERO. Como el que dice el lugar. Como todos se espolean [rosetar, gracejar] y corren a través de él, se llama polo. Pues bien: si colonizáis esto y lo cercáis con murallas se llamará polis y reinaréis sobre los hombres como ahora sobre los saltamontes, ya los dioses los haréis morir con un hambre melia.(*)

EVÉLPIDES. ¿Cómo?

(*) Alude a la rendición de Melos, por hambre, unos meses antes de representarse Las aves.”

“de esta misma manera, cuando los hombres hagan sacrificios a los dioses, como éstos no os paguen tributo, no dejaréis pasar el olor a muslos asados a través del espacio y de una ciudad que no es suya.”

O imposto sobre o ar é real!

“ABUBILLA. Lo juro por la tierra, por los lazos, por las nubes, por las redes: nunca he oído una idea más ingeniosa; estoy dispuesto a fundar contigo la ciudad si están de acuerdo los otros pájaros.”

“¡Abubuí bubuí bubububuí bubuí!

¡Ió, ió, venid, venid!

Venid aquí todos, amigos alados,

que las tierras fértiles de los campesinos

pobláis, las bandadas que comen cebada,

las razas que buscan el grano,

de rápido vuelo, de suave canto;

los que en el sembrado piáis,

(…)

Porque ha llegado un ingenioso viejo,

de nuevas ideas,

de nuevas empresas agudo inventor.

Venid todos a consejo,

aquí, aquí, aquí, aquí

¡torotorotorotorotix!,

¡kikkabaú, kikkabaü,

torotorotorolililix!”

“UN AVE. ¡Torotix, torotix!

(La flau ta imita el canto de las aves.)”

“EVÉLPIDES. ¿Qué prodigio es éste? Entonces, ¿no sólo tú eres abubilla, sino también este otro pájaro?

ABUBILLA. Es hijo de la abubilla de Filocles y yo soy su abuelo; es como si dicen que Hiponico es hijo de Calias y otro Calias hijo de Hiponico.”

“EVÉLPIDES. Pero ¿por qué esa cresta de las aves? ¿Es que son soldados que van a correr el doble estadio?”

“EVÉLPIDES. Señor Apolo, ¡qué nube! Tantos volando no dejan ver ni la entrada del teatro.”

“CORIFEO. Pero más tarde arreglaremos nuestras cuentas con él; ahora me parece lo mejor que estos dos viejos sufran castigo y sean despedazados por nosotros.

PISTETERO. ¡Estamos perdidos!

EVÉLPIDES. Tú eres el único culpable. ¿Por qué me has hecho venir de Atenas?

PISTETERO. Para que me acompañaras.

EVÉLPIDES. Para llorar amargamente.

PISTETERO. No dices nada más que tonterías; pues ¿cómo vas a llorar, si te van a sacar los ojos?”

“ABUBILLA. Precisamente de sus enemigos aprenden mucho los sabios. La previsión es la salvadora de todo. Y de un amigo no la aprenderás, pero el enemigo enseguida obliga a ello. Sin ir más lejos, las ciudades aprendieron de los enemigos, y no de los amigos, a construir altas murallas y a tener naves de guerra; y este”

“CORIFEO. Lo pactamos.

PISTETERO. Júralo.

CORIFEO. Lo juro con la condición de que todos los jueces y espectado res den el premio a la comedia.

PISTETERO. Eso es.”

“CORIFEO. ¿Nosotros reyes? ¿De quién?

PISTETERO. ¿Vosotros? De todo lo que existe, de mí primero, de éste, del mismo Zeus; sois más antiguos y anteriores a Crono, a los titanes y a la Tierra.

CORIFEO. ¿Y a la Tierra?

PISTETERO. ¡Sí, por Apolo!

CORIFEO. ¡Esto no lo sabía yo, por Zeus!

PISTETERO. Porque eres un ignorante y nada curioso y no has dado siete vueltas a Esopo, que dice que la alondra nació antes que las demás aves, antes que la Tierra, y que después su padre enfermó y murió; y no había tierra y el cadáver estuvo expuesto cinco días; y ella, apurada ante la dificultad, enterró a su padre en su propia cabeza.”

“PISTETERO. Y de que antiguamente los dioses no gobernaban a los hombres, sino las aves, de eso hay muchas pruebas. Por ejemplo, os mostraré que el gallo era rey y mandaba sobre los persas antes de todos los Daríos y Megabazos, hasta el punto de que los griegos le llamamos ave persa por aquella soberanía.”

“PISTETERO. Y el cuco era rey de Egipto y de toda Fenicia; y cuando el cuco decía: «Cu-cú», todos los fenicios recolectaban trigo y cebada en los campos.”

“PISTETERO. Y lo peor de todo, Zeus, el que ahora reina, aunque es rey, tiene sobre la cabeza un águila; y su hija Atenea, una lechuza; y Apolo, como servidor, un halcón.”

“Os tiran piedras como a los locos; hasta en los templos todos los pajareros os tienden lazos y preparan contra vosotros varetas, cepos, hilos, redes, pihuelas y trampas; luego os cogen y os venden en montón; la gente os compra después de palparos. Y ni siquiera, ya que éste es su capricho, os sirven asados, sino que hacen un menudo picadillo con queso, aceite, silfio y vinagre y le agregan otra salsa dulce y grasienta y luego os la echan caliente, como sobre carnes secas de muerto.”

“Y cuando el muro se haya elevado, reclamad a Zeus el poder; y si dice que no, y no quiere, y no se vuelve atrás de su resolución, declaradle la guerra santa y prohibid a los dioses atravesar vuestro país cuando estén en erección, del modo que antes bajaban a seducir a las Alcmenas, las Alopes y las Semeles; pero si vienen, ponedles un sello en la punta, para que no se acuesten con aquéllas. Y os ordeno que enviéis a los hombres otra ave como heraldo, para que les diga que en adelante hagan sacrificios en honor de las aves, porque son éstas las que reinan; y luego de nuevo a los dioses. Unid a cada dios un ave, la que mejor se acomode a él: si uno sacrifica a Afrodita, que ofrende trigo¹ a la negreta; si una oveja a Posidón, que consagre trigo¹ al pato; si a Heracles, que ofrezca pasteles de miel bien macizos al cuervo marino, y si sacrifica un carnero a Zeus Rey, el rey es el reyezuelo,¹ al cual hay que ofrecer antes que a Zeus un mosquito muy macho.”

¹ Alusões obscenas ao falo!

“Estás delirando. También Hermes, que es dios, vuela y lleva alas, y otros muchos dioses. Sin ir más lejos, la victoria vuela con sus dos alas de oro, y, por Zeus, también el Amor; y Homero dijo que Iris era semejante a una paloma temblorosa.”

“Y que los cuervos saquen los ojos a los bueyes de labor y a las ovejas, como muestra; y que luego Apolo, el médico, los cure: para eso le pagan.”

“CORIFEO. ¿Y cómo llegarán a la vejez? Porque está en el Olimpo. ¿Deben morir de niños?

PISTETERO. No, por Zeus; las aves, por el contrario, les añadirán trescientos años.

CORIFEO. ¿De quién?

PISTETERO. ¿De quién? De sí mismas. ¿No sabes que «la chillona corneja» vive cinco generaciones de hombres?”

“Lo primero, no tendremos que construir templos de piedra ni ponerles puertas de oro, sino que estos dioses habitarán en matas y chaparras. Y los pájaros ilustres tendrán de templo un olivo. Y no necesitaremos ir a Delfos ni a Amón para sacrificar, sino que, en pie entre los madroños y acebuches, con unos granos de cebada y de trigo, les pediremos la fortuna, levantando las manos, y la conseguiremos tirando unos granos de trigo.”

“PISTETERO. Espera, tú, vuelve. Vamos a ver, dinos cómo éste y yo, que no volamos, viviremos con vosotros, que voláis.

ABUBILLA. Muy fácilmente.”

“El Caos, la Noche, el negro Erebo y el ancho Tártaro existieron

y aún no había tierra, aire ni cielo, cuando del Erebo en el seno

puso la Noche de alas negras, antes de nada, un huevo huero.

De éste nació, pasando el tiempo, Amor, objeto de deseo,

brillante el torso con sus alas, turbión más rápido que el viento.

Se unió el Amor al Caos alado en el Tártaro vasto y negro,

y así dio el ser a nuestra raza y la sacó a la luz primero.

Pues no existían aún inmortales: Amor unió los elementos

más tarde sólo y al unirse nació el Océano y el Cielo,

nació la Tierra con los dioses felices todos, nunca muertos.

Somos los dioses más antiguos, somos de Amor los herederos.

Es claro: veis, tenemos alas y a los amantes protegemos.”

“no huiremos a los cielos

ni, sentados en las nubes,

nos haremos los gloriosos

como Zeus; aquí presentes

os daremos a vosotros

y a vuestros hijos y nietos

salud y riqueza, vida,

paz, juventud, risa, danzas,

fiestas y leche de pájaro.

Podréis cansaros de bienes,

seréis ricos en tal grado.”

“Cuantas cosas son consideradas vergonzosas en la tierra y las prohíbe la ley, aquí entre nosotros los pájaros son dignas de elogio. Pues si en Atenas es infamante, según la ley, golpear a un padre, aquí entre nosotros es honroso; así, si uno corre hacia su padre y golpeándole le dice: «Levanta el espolón sí quieres lucha.» Si alguno de vosotros es un esclavo fugitivo y ha sido marcado a fuego, entre nosotros se le llamará el francolín, de plumaje moteado. Si alguno es tan frigio como Espíntaro, éste será el frígilo o pinzón, de la familia de Filemón. Si es un esclavo y un cario como Ejecéstides, que engendre unos abuelos en nuestra ciudad y aparecerán enseguida sus compañeros de fratría. Y si el hijo de Pisias quiere entregar por traición a gente indigna las puertas de la ciudad, que se haga perdiz, polluelo de su padre, pues para nosotros no es vergüenza alguna huir como una perdiz.”

“No hay cosa mejor ni más agradable que el que le salgan a uno alas. Así, si uno de vosotros los espectadores tuviera alas, si tiene hambre y se aburre en los coros de las tragedias, saldría volando y se iría a comer a casa, y luego, ya repleto, volvería a nosotros. Y si alguno de vosotros, como Patróclides, tiene ganas de cagar, no se… sudaría en su vestido, sino que volaría y, después de quedar descansado y de tomar aliento, volaría de regreso de nuevo. Y si alguno de vosotros es amante de alguna mujer y ve al marido en los asientos reservados al Consejo, agitaría las alas y se alejaría volando de nuestro lado, y luego, después de haber jodido, volvería otra vez. ¿No resulta que el tener alas merece cualquier cosa? Fijaos en que Diítrefes, que no tiene más alas que las asas de sus vasijas, fue elegido jefe de escuadrón, luego general de caballería y luego, él que ha salido de la nada, lo pasa espléndidamente y hoy es un hipalectrión amarillo [versão do centauro metade cavalo metade galo].”

“SACERDOTE. … y a los héroes pájaros y a los hijos de los héroes, y al Porfirión, y al Pelícano Blanco y al Pardo, y al Águila, y a la Perdiz, y al Pavo Real, y al Pardillo, y a la Gaviota, y a la Cerceta, y a la Garza, y a la Bubia, y al Paro, y al Herrerillo…

PISTETERO. ¡Basta! ¡Vete a los cuervos! Deja de invitar gente. ¿A qué sacrificio llamas, desgraciado, a las águilas del mar y a los buitres? ¿No ves que un solo milano nos llevaría la víctima entera? Vete de aquí con tus guirnaldas sacerdotales. Yo me basto solo para hacer este sacrificio.

(Se aparta el Sacerdote, Pistetero coge del canastillo el cuchillo sacrifical, tras lavarse las manos.)”

“POETA. (Interrumpiendo.)

¡Oh tú, a Nubicucópolis, ciudad de distinción,

celebra, Musa, de tus cantos al son!

PISTETERO. ¿De dónde sale ese personaje? Dime, ¿quién eres?

POETA. ¿Yo?

Lanzador de canciones dulces como la miel,

de las Musas celestes soy un servidor fiel,

como dice Homero.”

“POETA. He compuesto en honor de Cucópolis de las Nubes muchos y bonitos ditirambos y partenios y versos a la manera de Simónides.

PISTETERO. ¿Y cuándo has hecho eso? ¿Cuánto hace?

POETA.

Ha mucho, mucho tiempo

que esta ciudad ensalzo.

PISTETERO. ¿Pues no estaba yo haciendo el sacrificio del décimo día y poniéndole el nombre como a un niño?”

“PISTETERO. Esta peste nos va a dar que hacer si no logramos escapar dándole algo. ¡Eh, tú! (Dirigiéndose al Sacerdote.) Tú tienes una pelliza y una túnica. Quítate la pelliza y dásela al docto poeta. Tenia: me parece que estás helado.”

“POETA.

En los escitas nómadas se aleja de la gente

el que de algún vestido tejido es indigente.

La pelliza sin túnica, de honra y fama es carente.

Tú me entiendes bien.

PISTETERO. Entiendo que quieres llevarte la túnica. Quítatela: hay que ayudar al poeta. Cógela y vete. (El Sacerdote le da la túnica y queda medio desnudo; a continuación se marcha, asustado.)”

“ADIVINO. No empieces por el sacrificio del macho cabrío.

PISTETERO. ¿Y tú quién eres?

ADIVINO. ¿Quién? Un adivino.

PISTETERO. Que mal provecho te haga.

ADIVINO. ¡Desgraciado, no desprecies las cosas divinas! Hay un oráculo de Bacis, que se refiere sin duda a Cucópolis de las Nubes.

PISTETERO. ¿Y por qué no lo anunciaste antes que yo fundara la ciudad?

ADIVINO. La divinidad me ponía trabas.”

“PISTETERO. Ese oráculo se parece muy poco a este otro que me dictó Apolo:

Mas si sin ser llamado se acerca un majadero

y estorba el sacrificio, de carne deseoso,

hay que darle de palos entre los dos costados…”

“METÓN. Quiero parcelar el aire y dividirlo en yugadas.

PISTETERO. ¡Por los dioses! ¿Y quién eres tú?

METÓN. ¿Que quién soy? Metón, a quien conoce Grecia…¹ ¡Y hasta Colono!

PISTETERO. Pero, dime , ¿qué es esto?

METÓN. Cordeles para medir el aire. El aire, sábelo bien, tiene la forma de un horno, más o menos. Pongo encima este cordel curvado, aplico el compás…, ¿comprendes?

PISTETERO. No comprendo.

METÓN. Tomaré las medidas con un cordel puesto en línea recta, inscribiendo el círculo en un cuadrado; en medio estará la plaza, a la que llevarán vías directas y, como de una estrella, pues será circular, por todas partes saldrán de ella los rayos, espléndidas calles rectas.

PISTETERO. ¡Este hombre es un Tales!”

¹ Conhecido urbanista.

“INSPECTOR. Vengo como inspector, elegido en Atenas por sorteo, para Cucópolis de las Nubes.

PISTETERO. ¿Como inspector? ¿Y quién te ha enviado?

INSPECTOR. Un papelucho de Teleas.

PISTETERO. ¿Quieres cobrar tu sueldo sin buscarte complicaciones y marcharte?

(Le amenza con el bastón.)”

“¿No es esto insoportable? ¡Mandan ya inspectores a la ciudad, antes de que hagamos el sacrificio

fundacional!”

“VENDEDOR. Te perderé presentando contra ti una reclamación de diez mil dracmas.

PISTETERO. Y yo cogeré las urnas de tu tribunal y las haré añicos.

VENDEDOR. ¿Te acuerdas de cuando una tarde hiciste tus necesidades en la columna de las leyes?

PISTETERO. ¿Sí? Cogedlo. Amigo, ¿no te esperas? (Le persigue.) Vámonos de aquí nosotros cuanto antes, para sacrificar ahí dentro a los dioses el macho cabrío.

(Sale con el macho cabrío.)”

“Ya a mí que todo lo veo,

al potente, los mortales

sacrificarán con votos.

Pues yo contemplo los campos

y yo defiendo los frutos

destruyendo los insectos

todos que sobre la tierra

con bocas voraces devoran el fruto

que nace del cáliz, e igual en los árboles.

Mato a los que perfumados

huertos arruinan con daño.

Reptantes o alados, todos los que existen

mueren a mis… alas, son asesinados.”

“CORIFEO. A los jueces queremos hablarles sobre el premio, diciéndoles cuántos beneficios les daremos si nos lo conceden: recibirán regalos mucho mejores que los de Paris.”

“MENSAJERO 2º. Algo terrible ha sucedido. Uno de los dioses de Zeus ha entrado en el aire atravesando nuestras puertas. Ha escapado a la vigilancia de los grajos, centinelas de día.

PISTETERO. Un acto horrible y criminal ha realizado. ¿Qué dios?”

“CORO. (Música.)

Estrofa.

Ya surge la guerra, la guerra sangrienta

entre mí y los dioses. Vigilad, pues, todos

el aire nuboso que dio a luz el Erebo,

no vaya a escapárseos un dios que aquí pase.”

“PISTETERO. ¡Eh, tú! ¿Dónde vas? ¿Dónde? Estáte quieta, estáte sin moverte ahí. ¿Quién eres? ¿De dónde? Deberías decir de dónde vienes volando.

IRIS. ¿Yo? De los dioses Olímpicos.

PISTETERO. ¿Cuál es tu nombre? ¿Eres una galera o un casco? (Alusión a l disfraz; lleva alas y arco iris en la cabeza.)

IRIS. La rápida Iris.”

“IRIS. ¿Yo? Vuelo hacia los hombres enviada por mi padre para decirles que hagan sacrificios a los dioses olímpicos, inmolen carneros y bueyes en las aras y llenen las calles del olor de la grasa de las víctimas.

PISTETERO. ¿Qué dices? ¿A qué dioses?

IRIS. ¿Que a qué dioses? A nosotros, los del cielo.

PISTETERO. ¿Vosotros sois dioses?

IRIS. ¿Pues qué o tro es dios?

PISTETERO. Las aves son ahora dioses para los hombres y a ellas han de sacrificar, pero, por Zeus, no a Zeus.”

“…Y tú, si sigues dándome la lata, voy a estirar las piernas y atravesar los muslos a la propia Iris; te quedarás asombrada de que, aunque viejo, todavía me pongo en erección como tres espolones.

(Trata de abrasarla.)

IRIS. ¿N o reventarás, buen hombre, con tus disparates?

PISTETERO. ¿No sales corriendo? ¡Deprisa! ¡Fuera, fuera!

IRIS. Mi padre Zeus reprimirá tu insolencia.

(Sale.)”

“HERALDO. Por tu sabiduría, los hombres te coronan con esta corona de oro y te honran las gentes.

PISTETERO. La acepto. Pero ¿por q u é me honran las gentes?

HERALDO.

Fundador glorioso de ciudad etérea,

¡no sabes qué honores los hombres te dan

ni cuántos amantes ya tiene esta tierra!

Antes de que esta ciudad tú fundaras

tenían los hombres laconomanía,

hambrientos y sucios, peludos, socráticos,

llevando un bastón; pero ahora, al contrario,

son todos los hombres pajaromaníacos

e imitan en todo con gusto a los pájaros.

Porque, lo primero, salen de la cama

y, como nosotros, picotean… las leyes;

de allí van a posarse en los anuncios,

más tarde se alimentan de… decretos.

Es claro que tienen pajaromanía,

pues muchos reciben motes de los pájaros.

La perdiz le llaman a un tendero cojo,

de Menipo el nombre es la golondrina,

y del tuerto Opuntio, igualmente, el cuervo;

la alondra es Filocles; cataraña, Teógenes;

el ibis, Licurgo; Querefón, murciélago;

Siracosio, urraca; de su parte a Midias

codorniz llamaban; y se parecía

a una a la que han dado un palo en la cabeza.

(…)

Esto allá en Atenas; te digo una cosa:

vendrá desde allí número infinito

pidiendo costumbres y alas de rapaces.

Para esos colonos necesitas alas.”

“PISTETERO. Me parece que el mensajero no va a salirnos mentiroso, pues aquí viene uno que canta a las águilas.

PARRICIDA. ¡Ah! No hay nada más dulce que volar. Pues tengo pajaromanía y vuelo ya y quiero vivir con vosotros y tengo pasión por vuestras leyes.

PISTETERO. ¿Por qué leyes? Son muchas las leyes de los pájaros.

PARRICIDA. Por todas, pero sobre todo por la que hace honorable entre los pájaros estrangular al padre y morderle.”

“(Fin de la música. Entra Prometeo tapándose con las manos la cabeza.)”

“PROMETEO. ¡Zeus está perdido!

PISTETERO. ¿Desde cuándo está perdido?

PROMETEO. Desde que colonizasteis el aire. Pues ya no sacrifica a los dioses ningún hombre, ni, desde entonces, ha vuelto a subir a nosotros el olor a grasa de los muslos de las víctimas sacrificadas; ayunamos como en las Tesmoforias, por falta de ofrendas. Y los dioses bárbaros, hambrientos y chillando, como ilirios, amenazan con atacar desde arriba a Zeus si no logra que abran los mercados para poder importar carne de víctimas ya hecha chuletas.”

“PROMETEO. Sin duda alguna. Y te digo una cosa bien clara: van a venir embajadores de Zeus y de los Tríbalos de arriba para lograr un compromiso; vosotros no lo firméis mientras Zeus no devuelva el cetro a los pájaros y te dé a Soberanía como esposa.

PISTETERO. ¿Quién es Soberanía?

PROMETEO. Una bella joven que administra el rayo de Zeus y todo lo demás, la prudencia, las buenas leyes, la moderación, los astilleros, los insultos, el habilitado del juzgado, los

tres óbolos del jurado.

PISTETERO. ¿Todo eso administra?

PROMETEO. Te lo digo yo. Si logras que te la entregue, lo tienes todo. Para eso he venido, para explicarte estas cosas; yo siempre soy amigo de los hombres.

PISTETERO. Gracias a ti sólo de los dioses hacemos nuestros asados.

PROMETEO. Y odio a todos los dioses, como tú sabes.

PISTETERO. Sí, por Zeus, siempre has odiado a los dioses.

PROMETEO. Soy un puro Timón.¹ Pero para poder irme, dame una sombrilla, para que, si Zeus me ve desde arriba, crea que voy en una procesión dando escolta a una canéforo.

PISTETERO. Toma, llévate también el taburte.

(Se va Prometeo.)”

(*) “Ilustre misántropo.”

(**) “Las canéforos llevaban una cestilla sagrada en las Panateneas; detrás de cada una, otra doncella llevaba una sombrilla para quitarle el sol y un taburete para que se sentara en las paradas.”

Querfonte: (*) “Discípulo de Sócrates, así apodado [murciélago] por la palidez de su rostro: dedicado al estudio, no hacía la habitual vida al aire libre.”

“HERACLES. Ya me has oído, Posidón, que quiero estrangular al hombre que ha bloqueado a los dioses, sea quien sea.

POSIDÓN. Pero, ¡amigo Heracles, si hemos sido elegidos embajadores para hacer un pacto!”

“HERACLES. ¿Y de qué es esa carne?

PISTETERO. Son unos pájaros que se sublevaron contra los pájaros demócratas y fueron declarados culpables.

HERACLES. Y entonces, ¿primero les rallas encima el silfio?

PISTETERO. ¡Oh! Buenos días, Heracles. ¿Qué ocurre?

POSIDÓN. Hemos venido en embajada de parte de los dioses sobre el fin de la guerra…”

“PISTETERO. Nosotros no sólo nunca hemos empezado una guerra contra vosotros, sino que ahora mismo queremos, si os parece bien y si deseáis obrar en justicia, siquiera ahora, hacer la paz. Y obrar en justicia consiste en esto: que Zeus nos devuelva el cetro a nosotros los pájaros; y si nos ponemos de acuerdo sobre esta condición, invito a comer a los embajadores.

HERACLES. A mí me basta eso y voto a favor.

POSIDÓN. ¡Cómo, desgraciado! ¡Eres un imbécil y un glotón! ¿Vas a quitar el poder real a tu padre Zeus?”

“PISTETERO. Por Zeus, hay otra cosa de la que me acuerdo ahora. Hera se la doy a Zeus, pero a la joven Soberanía hay que dármela a mí por mujer.

POSIDÓN. Tú no quieres la paz. Volvamos a casa.

PISTETERO. Poco me importa. Cocinero, la salsa hay que hacerla dulce.

HERACLES. ¡Posidón, diantre de hombre!, ¿a dónde vas? ¿Vamos a hacer la guerra por una mujer?

POSIDÓN. ¿Pues qué hemos de hacer?

HERACLES. ¿Qué? La paz.

POSIDÓN. ¿Cómo, desgraciado? ¿No ves que te están engañando? Te perjudicas a ti mismo. Pues si Zeus se muere después de dejar a éstos el poder real, serás pobre, porque los bienes que Zeus deje al morir son tuyos.

PISTETERO. ¡Pobre de mí! ¡Cómo te rodea con sofismas! Ven acá conmigo para que te hable. Te engaña tu tío, desgraciado. De los bienes paternos ni a un óbolo tienes derecho, según la ley, porque eres bastardo y no hijo legítimo.

HERACLES. ¿Yo bastardo? ¿Qué dices?

PISTETERO. Tú, por Zeus, hijo de una mujer extranjera. ¿O cómo crees que Atenea sería heredera única si tuviera hermanos legítimos?

HERACLES. ¿Y si mi padre al morir me lega sus bienes como a bastardo?

PISTETERO. La ley no le deja. Este Posidón que ahora te azuza será el primero en oponerse a que recibas los bienes paternos, diciendo que él es hermano legítimo. Te voy a citar la ley de Solón: «Que el bastardo no tenga el derecho de parentesco de primer grado si hay hijos legítimos; y si no hay hijos legítimos, que los parientes colaterales más próximos se repartan la herencia.»

HERACLES. ¿Luego no me toca nada de la herencia de mi padre?

PISTETERO. No, por Zeus. Pero, dime, ¿tu padre te presentó ya a los miembros de su fratría?

HERACLES. A mí, no. Y la verdad, hace tiempo que me chocaba esto.

PISTETERO. Entonces, ¿por qué miras arriba con la boca abierta con aire de hombre al que le dan una paliza? Si te pones de nuestro lado, te haré rey y te daré leche de pájaro.

HERACLES. Desde hace un rato creo que tienes razón acerca de esa joven, y yo por mi parte te la entrego.

PISTETERO. ¿Y tú qué dices?

POSIDÓN. Voto en contra.

PISTETERO. Todo depende del Tríbalo. Y tú, ¿qué dices?

TRÍBALO. Bella joven y grande reina pájaro entrego.

HERACLES. Dice que la entreguemos.

POSIDÓN. Por Zeus, no es eso: lo que dice es que la entreguemos si no sabe andar, como las golondrinas.

HERACLES. Entonces dice que la entreguemos a las golondrinas.”

“HERACLES. ¿Queréis que yo, mientras tanto, me quede aquí guisando la carne? Vosotros idos.

POSIDÓN. ¿Que guisas la carne? ¿De qué glotonería estás hablando? Vente con nosotros.”

“(Entran PISTETERO y SOBERANÍA con corona, y el primero con cetro y rayo.)

CORO. (Cada verso corresponde a un coreuta.)

Atrás, aparte, en fila, dejad sitio.

Volad junto al dichoso de dichosa fortuna.

¡Cielos, qué juventud y qué belleza!

iQué boda afortunada para esta villa hiciste!”

DIC:

canastilla: cesta

POR QUE A PROSTITUIÇÃO JAMAIS ESTEVE TÃO PRESENTE APÓS A CRISE DA INSTITUIÇÃO DO CASAMENTO NO OCIDENTE HODIERNO

Este texto foi originalmente redigido e publicado em meu primeiro (e extinto) blog, em 07/10/08. Eu tinha 20 anos. Hoje, mesmo que ainda concorde com maioria do que foi dito, não me expressaria da mesma forma.


Artigo dedicado a

colegas de discussão, em especial o Thomas

qualquer um que discorde dos métodos do professor Luiz Gusmão

os fãs de artigos bem-escritos

e, finalmente, às corajosas namoradas de quem primeiro ler (obviamente, homens)


Na página 8 de Filosofia do Amor, Georg Simmel nos brinda com a seguinte passagem: “(…) é fatal que um aumento de cultura acarrete uma necessidade maior de prostituição”, no que foi desqualificado peremptoriamente pelo cânone do magistério de Sociologia da UnB, Gusmão, em sala de aula repleta de alunos. O professor defende que a variável “flexibilidade da moral”, em 100 anos, tornou a afirmação obsoleta. Não é verdade. Ela jamais foi tão válida e referendada pelo quadro social. O “empirismo neo-platônico” gusmoniano falhou mais uma vez. Em sua decadência que recrudesce, o Ocidente continua sendo unidimensional neste aspecto. Jessé Souza, autor da Introdução a Simmel e a Modernidade, me inspirou a contra-atacar  minha cátedra, pois palpavelmente compartilha de meu ponto de vista.

Até que haja rupturas galopantes da moral (“bons costumes”) e da justiça (e respectivos “tribunais imparciais”) haverá crescimento de prostituição e elevação de crimes.

Há visivelmente um paralelo que elucida a compreensão da massificação da sujidade feminina, que é a correspondente explosão da criminalidade, sobretudo de crimes periféricos, como é o caso do roubo de um pote de margarina. Há crimes brandos e crimes graves; bem como há a prostituta clássica e a fêmea de hoje em dia (uma “mulher da vida em doses homeopáticas”).

Quando Simmel fala que homicídios eram tributados com módicas multas, subentende-se que “crimes não eram valorizados em uma sociedade arcaica”. Essa leitura ocidental despreocupada com a desconstrução de categorias é nefasta, erro crasso. Matar não era considerado crime, eis o sensato. Todo crime tribal é hediondo. Quem praticar o incesto ou cozinhar um animal-totem será castigado com a morte. O crime era sempre grave. Mas era episódico. Hoje um ato ilegal é coibido de maneira mais macia – o que não evita a pecha de marginal – e sua prática se alastrou bastante.

Hoje, aceita-se muitas “depravações leves”, contra o quadro anterior¹ em que poucas ações (ou se se quiser mulheres) eram depravadas porém estas eram notórias e suportavam a carga apenas entre elas. Houve então uma “democratização” da vadiagem, o que está longe de simbolizar o afrouxamento moral.

¹ Sociedades ágrafas, Antiguidade e idade média.

O tabu é tão vigoroso que na sala de aula é benquisto ao professor homem disfarçar suas opiniões sobre o assunto. A mulher negará até o último momento ou mesmo não compreende o panorama.

Quanto mais fervilha a economia especulativa, mais se enxergam essas vicissitudes. A questão dos relacionamentos sexuais precoces que serviriam para evitar que o mancebo recorresse a prostitutas antes do casamento é um incidente que não atrapalha a teoria – muito pelo contrário: com a instituição do matrimônio em crise irreversível, sobra má-fama para todas. Inexiste qualquer pureza de espírito na mulher contemporânea em sua infinidade de sub-moldes.

Antes, a fogueira como punição da desonra. Hoje, cochichos. Quanto mais dinheiro, maior a força da propriedade. Mais sórdido é o caráter da exclusão social – os status de marginal/trombadinha e mulher que se vende tornam-se insuportáveis. Acirra-se o contraste. E ao mesmo tempo é impossível para cada homem não ser ladrão de vez em quando ou para cada mulher não agir feito puta. Isso não sou eu quem inventou: está nas ruas. Nunca a palavra de quatro letras foi tão empregada. Na sociedade das prostitutas, a mãe daquela que esqueceu por segundos de ser pudica é fortemente coagida pelo verbo. A proliferação da categoria das fêmeas que rodam a bolsa as está tornando sinônimo do grupo social, mais abrangente, “mulher” – engolindo o gênero feminino tal qual buraco negro. A castidade passou a ser encarada como mito. Houve a ampliação descomunal do conceito. O pote de margarina, banal, disseminado, me evoca a não menos freqüente menina-sabão. “Menina” que é de nítido caráter inocente, conjugado com o instrumento básico de limpeza nos lares e cuja função é escorregar, de mão em mão se for preciso. A limpeza vira sujeira quando se ensaboa os homens. Estranha palavra híbrida ocidental pós-moderna…

Se nem todas chegam a tanto (ser uma “menina-sabão”), pelo menos se diz que “tem cara de”, “se parece com uma”, “está agindo feito uma”, ou é insinuante em algo, se veste de maneira que provoca. Seja como for, algum pecado a moça tem! Obviamente, ele é produzido pelas relações de dinheiro. Certo é que o fenômeno não desapareceu, mas se fortaleceu. Quanto mais dinheiro, mais os valores da dignidade humana se degradam.

PREFÁCIO DE J. STRACHEY À STANDARD EDITION DAS OBRAS DE FREUD

“A Standard Edition não inclui a correspondência de Freud. Esta tem enorme extensão [provavelmente mais que as próprias obras completas, 3970 páginas, PDF verdadeiramente grotesco composto de 20 volumes] e apenas algumas seleções relativamente pequenas foram publicadas até o momento. Com exceção das ‘Cartas Abertas’ e de algumas outras, publicadas com o consentimento de Freud durante sua vida, minha exceção principal a essa regra geral está representada pela correspondência que Freud manteve com Wilhelm Fliess no correr da parte inicial de sua carreira.”

“Para um editor que se defrontou com um total de uns dois milhões de palavras, o primeiro problema foi decidir qual a melhor maneira de apresentá-las aos leitores. Deveria o material ser ordenado segundo um critério classificatório ou um critério cronológico? A primeira edição alemã coligida (os Gesammelte Schriften, publicados durante a vida de Freud) empreendeu uma divisão de acordo com o assunto; para as Gesammelte Werke, mais recentes, pretendeu-se uma disposição estritamente cronológica. Nenhum dos dois critérios foi satisfatório. Os escritos de Freud não se encaixam comodamente em categorias, e a cronologia estrita significaria interromper cerradas seqüências de idéias. Aqui, portanto, foi adotada uma conciliação.”

NOTA MENTAL: NUNCA ACEITAR SER O EDITOR DAS OBRAS COMPLETAS DE REVISIONISTA NATO! “Um grave defeito nas edições alemãs é a ausência de qualquer tentativa de levar em conta as numerosas modificações de texto feitas por Freud nas edições sucessivas de alguns dos seus livros. Isso se aplica especialmente à Interpretação dos Sonhos e aos Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade, pois ambos foram, em grau muito acentuado, remodelados em suas edições posteriores.”

“A maioria de suas alusões deve ter sido imediatamente compreensível para seus contemporâneos em Viena, mas elas estão muito além do alcance de um leitor atual de língua inglesa. Contudo, muitas vezes, especialmente em A Interpretação dos Sonhos, essas alusões desempenham um papel real no desenvolvimento de sua argumentação; sua explicação não pôde ser posta de lado, conquanto tivesse exigido pesquisa considerável e às vezes infrutífera.”

“quase sem exceção, esta edição não contém absolutamente referências a outros autores, por mais eminentes que sejam – exceto, naturalmente, aqueles que são citados pelo próprio Freud. (A enorme proliferação da bibliografia psicanalítica depois de sua morte, de qualquer modo, teria imposto essa decisão.)”

ESTRANHO MEA CULPA: “Quando a Standard Edition foi inicialmente planejada, considerou-se que seria vantajoso uma única pessoa incumbir-se de moldar todo o texto; com efeito, uma única pessoa executou a maior parte do trabalho de tradução, e mesmo quando uma versão anterior foi utilizada como base, pode-se constatar que se impôs a execução de grandes alterações. Infelizmente, isso provocou a rejeição, no interesse da desejada uniformidade, de muitas traduções feitas anteriormente e que, em si mesmas, eram excelentes. O modelo imaginário que sempre tive diante de mim foram os escritos de algum homem de ciência inglês, de grande cultura, nascido em meados do século dezenove. E em caráter explicativo, e não patriótico, eu gostaria de enfatizar a palavra ‘inglês’.”

“A Srta. Freud, sobretudo, revelou-se incansável ao dedicar suas preciosas horas de lazer à leitura de toda a tradução e ao contribuir com inestimáveis críticas.” Hm.

“O Sr. Woolf, que vem publicando as traduções inglesas de Freud há uns quarenta anos, participou ativamente da evolução desta edição. Sinto que minha gratidão especial, e até um tanto mesclada de culpa, se deve aos editores e impressores, por sua tolerância em atenderem às minhas exigências.”

“Já faz hoje quase meio século desde que, juntos, passamos dois anos em Viena, em análise com Freud, e desde que, decorridas apenas algumas semanas de análise, ele, de repente, nos instruiu a fazer uma tradução de um trabalho que escrevera havia pouco tempo – Ein Kind wird geschlagen –, tradução que agora faz parte, aqui, do Volume XVII.”

CÓDIGO DE HAMMURABI

“Cuando Anum, el Altísimo, Rey de los Anunnakus, el divino Enlil, señor de cielos y tierra, que prescribe los destinos del País, otorgaron al divino Marduk, primogénito del dios Ea, la categoría de Enlil (soberano) de todo el pueblo, lo magnificaron entre los Igigus; cuando impusieron a Babilonia su sublime nombre la hicieron la más poderosa de los Cuatro Cuadrantes; cuando en su seno aseguraron a Marduk un reino eterno de cimientos tan sólidos como los de cielo y tierra, en aquellos días, Anum y el divino Enlil también a mí, Hammurabi, príncipe devoto respetuoso de los dioses, para que yo mostrase la Equidad al País, para que yo destruyese al malvado y al inicuo, para que el prepotente no oprimiese al débil, para que yo, como el divino Shamash, apareciera sobre los «Cabezas Negras» e iluminara la tierra, para que promoviese el bienestar de la gente, me impusieron el nombre.”

“Leyes

1 § Si un hombre acusa a otro hombre y le imputa un asesinato pero no puede probarIo, su acusador será ejecutado.

2 § Si un hombre le imputa a otro hombre actos de brujería pero no puede probarlo, el que ha sido acusado de magia tendrá que acudir al divino Río y echarse al divino Río y, si el divino Río se lo lleva, al acusador le será lícito quedarse con su patrimonio. Pero si el divino Río lo declara puro y sigue sano y salvo, quien le acusó de magia será ejecutado. El que se echó al divino Río se quedará con el patrimonio de su acusador.”

“4 § Si acude a atestiguar en un proceso sobre cebada o dinero, pagará la multa de ese proceso. 5 § Si un juez instruye un caso, dicta sentencia y extiende veredicto sellado, pero luego modifica su sentencia, al juez le probarán que ha cambiado la sentencia y la suma de la sentencia la tendrá que pagar 12 veces. Además, en pública asamblea, le echarán de su sede judicial de modo irrevocable y nunca más podrá volver a sentarse con jueces en un proceso.”

“7 § Si un hombre compra o recibe en depósito plata u oro o un esclavo o esclava o un buey, o una oveja, o un asno, o lo que sea, de manos de un hijo de un hombre o del esclavo de un hombre sin testigos ni contrato, ese hombre es un ladrón; será ejecutado.”

“13 § Si ese hombre no tiene entonces los testigos a mano, los jueces fijarán un plazo de hasta 6 meses. Si no presenta a sus testigos en 6 meses, ese hombre es un embaucador [enganador]; que cargue con toda la multa del juicio.”

“15 § Si un hombre deja que un esclavo del palacio o una esclava del palacio o un esclavo de un individuo común o una esclava de un individuo común salgan por la puerta principal de la ciudad, será ejecutado.”

“17 § Si un hombre captura en el campo a un esclavo o esclava fugitivos y los lleva a su amo, el amo le dará 2 siclos de plata.”

“21 § Si un hombre abre un boquete [buraco] en una casa, lo ejecutarán y lo dejarán colgado frente al boquete [pendurado ou enterrado ou abandonado].”

“25 § Si en la casa de un hombre hay un incendio y algún hombre que había venido a apagarlo desea algún objeto y se queda con el objeto del dueño de la casa, ese hombre será quemado en ese mismo fuego.”

“27 § Caso que un soldado o un militar haya caído cautivo estando de servicio en una fuerza del rey, y su campo o su huerta se hayan confiado –en su ausencia- a otro y ése haya ido cumpliendo con sus cargas fiscales: si consigue volver y regresar a su ciudad, le devolverán su campo y su huerta, y él cumplirá con sus cargas fiscales .”

“30 § Si un soldado o un militar deja las cargas fiscales por su campo, su huerta y su casa y se ausenta, y otro, en lugar suyo, se queda con su campo, su huerta y su casa y cumple con sus cargas fiscales durante 3 años, si aquél vuelve y reclama su campo, su huerta y su casa, que no se los den; el que cargó y cumplió con sus cargas fiscales, ése seguirá.”

“36 § El campo o la huerta o la casa de un soldado o de un militar o de un colono no puede venderse.”

“42 § Si un hombre arrienda un campo para explotarlo pero luego no produce cebada en el campo, que le prueben que no lo cultiva bien y él le dará al dueño tanta cebada como produzca su vecino.”

“45 § Si un hombre arrienda su campo a un arrendatario y recibe la renta de su campo, si el divino Adad devasta el campo o se lo lleva una riada, los perjuicios serán sólo del arrendatario.”

“48 § Si un hombre contrae una deuda y el divino Adad devasta su campo o se lo lleva una riada, o, por falta de agua, no se produce cebada en el campo, en ese año no le devolverá cebada a su acreedor; que moje su tablilla [o equivalente de rasgar, romper o contrato] y no pague el interés de ese año.”

“54 § Si no puede compensar la cebada, que lo vendan a él y sus bienes, y que, después, los que tenían las tierras cuya cebada se llevó el agua, se lo repartan.”

“59 § Si un hombre sin permiso del dueño de una huerta corta un árbol en la huerta de un hombre, le pagará 1/2 mina de plata.

60 § Si un hombre confía un campo a un hortelano para que plante una huerta y el hortelano la planta, que él la cultive cuatro años, y el quinto año, que se la repartan en partes iguales; el dueño de la huerta elegirá primero la parte que quiera quedarse.”

“108 § Si una tabernera no cobra cebada como precio por la cerveza y cobra en dinero según una pesa grande y rebaja el valor de cerveza en relación al valor de la cebada, que se lo prueben y la tiren al agua.

109 § Si una tabernera en cuyo local suelan reunirse embusteros no agarra a esos embusteros y los lleva a Palacio, que esa tabernera sea ejecutada.

110 § Si una sacerdotisa naditum o una sacerdotisa ugbabtum que no reside en un convento gagu abre una taberna o entra por cerveza en una taberna, a esa mujer, que la quemen.”

“117 § Si las deudas se apoderan de un hombre y tiene que vender a su esposa, a su hijo o a su hija, o andar ofreciéndoles para que sirvan por la deuda, que trabajen 3 años para la casa del que los compró o los tomó en servicio; el cuarto año serán libres.”

“119 § Si las deudas se apoderan de un hombre y tiene que vender a una esclava que ya le haya dado hijos y el dueño de la esclava paga todo el dinero que le había prestado el mercader, que redima a su esclava.”

“122 § Si un hombre da a otro hombre en depósito plata, oro o lo que sea, que todo lo que entrega lo enseñe a testigos, que redacte un contrato y que luego haga la entrega.

123 § Si efectúa la entrega sin testigos ni contrato y luego se lo niegan en el lugar en que lo entregó, en ese caso no podrá haber reclamación judicial.”

“127 § Si un hombre señala con el dedo a una sacerdotisa ugbabtu o a la esposa de otro hombre, y luego no lo prueba, a ese hombre que lo azoten ante los jueces; y le raparán media cabeza.

128 § Si alguien toma esposa, pero no redacta un contrato sobre ella, esa mujer no es esposa.

129 § Si la esposa de un hombre es sorprendida acostada con otro varón, que los aten y los tiren al agua; si el marido perdona a su esposa la vida, el rey perdonará también la vida a su súbdito.”

“131 § Si a la esposa de un hombre la acusa su marido y no ha sido descubierta acostada con otro varón, que ella jure públicamente por la vida del dios, y volverá a su casa.

132 § Si a la esposa de un hombre, a causa de otro varón, se la señala con el dedo, ella, aunque no haya sido descubierta acostada con el otro varón, tendrá que echarse al divino Río por petición de su marido.”

“134 § Si alguien es hecho preso y en su casa no hay de comer, que su esposa entre en casa de otro; esta mujer no tiene culpa.

135 § Si alguien está preso y en su casa no hay de comer, y su esposa, antes de que él vuelva, entra en casa de otro y alumbra hijos, y luego su marido logra volver y regresa a su ciudad, que esa mujer vuelva con su primer marido; los hijos seguirán a su padre.”

“137 § Si un hombre quiere divorciarse de una sacerdotisa shugitum que le ha dado hijos, o de una sacerdotisa naditum que le ha dado hijos, que a esa mujer le devuelvan su dote; además le darán la mitad del campo, de la huerta y de los bienes muebles, y criará a sus hijos; desde que haya criado a sus hijos, que a ella, de todo lo que les fue entregado a sus hijos, le den una parte como a un heredero más, y que case con ella el marido que a ella le guste.”

“139 § Si no ha habido precio de novia, le pagará 1 mina de plata como compensación por el repudio.

140 § Si es un individuo común, le pagará 1/3 de mina de plata como compensación por el repudio.

141 § Si la esposa de un hombre que vive en la casa del hombre planea irse y hace sisa, dilapida su casa, es desconsiderada con su marido, que se lo prueben; si su marido declara su voluntad de divorcio, que se divorcie de ella; no le dará nada para el viaje ni como compensación por repudio. Pero, si su marido no declara su voluntad de divorcio, que el marido tome a otra mujer y que la primera viva como una esclava en casa de su marido.

142 § Si una mujer siente rechazo hacia su marido y declara: «Ya no vas a tomarme», que su caso sea decidido por el barrio y, si ella guardó su cuerpo y no hay falta alguna, y su marido suele salir y es muy desconsiderado con ella, esa mujer no es culpable; que recupere su dote y marche a casa de su padre.

143 § Si no ha guardado su cuerpo, ha estado saliendo, ha dilapidado la casa y ha sido desconsiderada con su marido, a esa mujer la tirarán al agua.”

“145 § Caso que un hombre haya tomado (por esposa) a una (sacerdotisa) naditum y ella no le haya alumbrado hijos, si luego se propone tomar a una gugitum, que ese hombre tome a la shugitum, que la meta en su casa; pero la shugitum no tendrá el mismo rango que la naditum.” Pesquisar sobre o sistema de castas.

“148 § Si un hombre toma una esposa y a ella le ataca la sarna, y quiere tomar por esposa a otra, que la tome; que a su esposa con la sarna no la repudie; ella vivirá en la casa que hizo él y, mientras ella viva, él la seguirá manteniendo.”

“151 § Si la esposa de un hombre que vive en la casa del hombre, para evitar que se quede con ella un acreedor de su marido, obliga por contrato a su marido y le hace extender una tablilla, si ese hombre, antes de tomar a esa mujer, ya se había endeudado, sus acreedores no podrán hacerse con su mujer. Igualmente, si esa mujer, antes de entrar en casa de su marido, ya se había endeudado, sus acreedores no podrán quedarse con su marido.”

“153 § Si la esposa de un hombre, a causa de otro varón, hace que maten a su marido, a esa mujer la empalarán.

154 § Si un hombre yace con una hija suya, a ese hombre lo desterrarán de la ciudad.

155 § Si un hombre le elige una novia a su hijo y su hijo yace con ella, y más tarde es él quien yace con ella y lo sorprenden, a ese hombre lo atarán y lo tirarán al agua.”

“157 § Si un hombre, después de muerto su padre, yace con su madre, que los quemen a ambos.”

“158 § Si un hombre, después de muerto su padre, yace con su «principal» [=madrastra], que ya había alumbrado hijos, ese hombre será expulsado de casa de su padre.”

“161 § Si un hombre manda a casa de su suegro el regalo de esponsales y da el precio de la novia, y luego su amigo lo calumnia, y su suegro le dice al marido: «No tomarás a mi hija por esposa», que calcule 2 veces lo que le había sido llevado y lo devuelva, pero que a su esposa no la tome su amigo.” [¡]

“166 § Si un hombre les elige esposas a los hijos que haya tenido, pero no ha elegido aún esposa a su hijo menor, luego, al llegarle al padre su última hora, cuando los hermanos hagan partes, de los bienes de la casa del padre asignen a su hermano menor, que no ha tomado aún esposa, además de su parte, dinero para el precio de novia, y, de este modo, le dejarán tomar una esposa.”

“168 § Si un hombre se propone desheredar a su hijo y les dice a los jueces: «Desheredo a mi hijo», que los jueces decidan sobre su caso, y si el hijo no ha cargado con una falta lo suficientemente grave como para arrancarlo de su posición de heredero, el padre no lo arrancará de su condición de heredero.

169 § Si ha cargado con una falta respecto a su padre lo bastante grave para arrancarlo de su posición de heredero, que, la primera vez, no se lo echen en cara. Si se carga con una falta grave por segunda vez, su padre Io privará de su condición de heredero.”

“175 § Si un esclavo del palacio o un esclavo de individuo común toma por esposa a una hija de señor y ella alumbra hijos, el dueño del esclavo no reclamará como esclavos a los hijos de la hija de señor.”

“177 § Si una viuda, con hijos pequeños, quiere entrar como esposa en casa de otro, que no entre sin permiso de los jueces. Cuando entre, que los jueces valoren el patrimonio dejado por su marido y que el patrimonio del primer marido lo den en custodia al marido nuevo y a la mujer, y que se escriba una tablilla; tendrán que cuidar del patrimonio, y criar a los pequeños, y no venderán objeto alguno: el comprador que compre algo perteneciente a los hijos de la viuda perderá su dinero; la propiedad volverá a su dueña.”

“188 § Si un maestro artesano se lleva a un hijo ajeno para criarlo y le enseña su oficio, [el hijo] no podrá ser reclamado.”

“190 § Si un hombre se lleva un niño para adoptarlo y lo cría, pero no lo trata como a hijo, ese niño podrá volver a casa de su padre.”

“192 § Si el hijo adoptivo de un cortesano girsiqu o el hijo de una hieródula sekretum le dice al padre que lo ha criado o la madre que lo ha criado: «Tú no eres mi padre; tú no eres mi madre», que le corten a lengua.

193 § Si el hijo adoptivo de un cortesano girsiqu o el hijo de una hieródula sekretum averigua la casa de su padre natural y desdeña al padre que lo ha criado o a la madre que lo ha criado y se marcha a casa de su padre, que le saquen un ojo.

194 § Si un hombre confía su hijo a una nodriza y ese hijo muere mientras lo cuida la nodriza, si la nodriza, sin saberlo el padre ni la madre, se procura otro niño y se lo prueban, por haberse procurado otro niño sin saberlo el padre y la madre, que le corten un pecho.

195 § Si un hijo golpea a su padre, que le corten la mano.

196 § Si un hombre deja tuerto a otro, lo dejarán tuerto.

197 § Si le rompe un hueso a otro, que le rompan un hueso.

198 § Si deja tuerto a un individuo común o le rompe un hueso a un individuo común, pagará 1 mina de plata.

199 § Si deja tuerto al esclavo de un hombre o le rompe un hueso al esclavo de un hombre pagará la mitad de su valor.

200 § Si un hombre le arranca un diente a otro hombre de igual rango, que le arranquen un diente.”

“202 § Si un hombre golpea en la mejilla a otro hombre mayor que él, le darán en público 60 azotes de vergajo de buey.”

“205 § Si el esclavo de un hombre golpea en la mejilla al hijo de un hombre, que le corten una oreja.

206 § Si un hombre golpea a otro hombre durante una discusión acalorada y le produce una herida, que ese hombre jure: «Le he golpeado sin intención», y pagará el médico.”

“209 § Si un hombre golpea a una hija de hombre y le causa la pérdida del fruto de sus entrañas, pagará 10 siclos de plata por él.

210 § Si esa mujer muere, que maten a su hija.” Ambíguo, embora entendamos (pelo principio de Talião)!

“213 § Si golpea a la esclava de un hombre y le provoca la pérdida del fruto de sus entrañas, pagará 2 siclos de plata.”

“215 § Si un médico hace incisión profunda en un hombre con bisturí de bronce y le salva la vida al hombre, o si le abre la sien a un hombre con bisturí de bronce y le salva un ojo al hombre, percibirá 10 siclos de plata.” [¡]

“218 § Si un médico hace incisión profunda en un hombre con bisturí de bronce y le provoca la muerte, o si le abre la sien a un hombre con bisturí de bronce y deja tuerto al hombre, que le corten la mano.”

“219 § Si un médico hace incisión profunda al esclavo de un individuo común y le provoca la muerte, restituirá esclavo por esclavo.”

“224 § Si un veterinario hace incisión profunda en un buey o en un asno y le salva la vida, el dueño del buey o del asno le dará al médico 1/6 de siclo de plata al médico como paga.

225 § Si hace incisión profunda en un buey o un asno y le causa la muerte, pagará al dueño del buey o del asno 1/4 de su valor.

226 § Si un barbero, sin consentimiento del dueño de un esclavo, afeita el copete [topete] a un esclavo que no sea suyo, que corten la mano del barbero.

227 § Si un hombre hace que un barbero le afeite el copete a un esclavo que no es suyo, que ejecuten a ese hombre y lo cuelguen a la puerta de su casa; que el barbero jure: «Lo he afeitado sin saberlo» y no tendrá castigo.”

“229 § Si un albañil hace una casa a un hombre y no consolida bien su obra y la casa que acaba de hacer se derrumba y mata al dueño de la casa, ese albañil será ejecutado.

230 § Si muere un hijo del dueño de la casa, que ejecuten a un hijo de ese albañil.”

“232 § Si destruye bienes de la propiedad, que restituya todo lo destruido y, por no haber consolidado bien la casa que hizo y haberse derrumbado, que a su costa rehaga la casa derrumbada.”

“239 § Si un hombre contrata un barquero, le pagará 6 kures de cebada por año.”

“250 § Si un buey, al ir por una calle, da una cornada a un hombre y lo mata, no hay lugar para una reclamación judicial.

251 § Si el buey de un hombre suele dar cornadas y su barrio ya le ha hecho saber que da cornadas y él ni le recorta los cuernos ni controla su buey, si luego ese buey da una cornada a un hijo de hombre y lo mata, pagará ½ mina de plata.

252 § Si es el esclavo de un hombre, pagará 1/3 de mina de plata.”

“266 § Si en un corral, hay un toque de dios o un león mata reses, el pastor jurará públicamente su inocencia ante el dios, y, las pérdidas del corral, será el dueño del corral quien las afrontará en lugar suyo.”

“278 § Si un hombre compra un esclavo o una esclava y, antes de que haya pasado un mes, le da un solo ataque de epilepsia, que lo devuelva al que se lo vendió, y el comprador recuperará el dinero pagado.”

“282 § Si un esclavo dice a su amo: «Tú no eres mi amo», que el amo pruebe que sí, él es su esclavo, y luego le corte la oreja.” (último artigo)

“Yo soy Hammurabi, el rey perfecto. Respecto a los «Cabezas Negras» que me regaló Enlil y cuyo pastoreo me confió Marduk, no fui nada negligente, no me crucé de brazos. Les fui buscando lugares tranquilos, resolví las dificultades más duras, les hice salir la luz. Con el arma poderosa que me habían prestado el divino Zababa y la divina Ishtar, con la agudeza que me destinó el divino Ea, con la fuerza que me donó el divino Marduk, aniquilé a los enemigos arriba y abajo, extinguí la resistencia, y volví placentera la vida del País. Asenté a la gente aglomerada en regadíos, y no dejé pasar a nadie que los pudiera inquietar. Los Grandes Dioses me llamaron: yo soy el único Pastor Salvífico, de recto cayado, mi buena sombra se extiende por mi capital, llevé en mi regazo a la gente de Súmer y Acad, han prosperado por la Virtud mía, los he conducido en paz, los he resguardado con mi perspicacia. Para que el fuerte no oprima al débil, para garantizar los derechos del huérfano y la viuda, en Babilonia, la capital cuya cabeza exaltaron Anum y el divino Enlil, en el Esagil, el templo cuyos cimientos son tan sólidos como los cielos y la tierra, para decretar el derecho del País, para dictar las sentencias del País, para garantizar los derechos del oprimido, he inscrito mis eximias palabras en la estela mía, y las he alzado delante de mi estatua de Rey de la Equidad. Yo soy el rey que sobresale de entre los reyes. Mis palabras son exquisitas, mi potencia no tiene igual. Que, por orden de Shamash, el gran juez de cielos y tierra, brille mi Equidad en el País; que, por la palabra de Marduk, mi señor, mis signos y designios no tengan que enfrentarse a quien las aniquile; que, en el Esagil, que tanto amo, sea mi nombre pronunciado con gratitud por siempre. Que el oprimido a quien llevan a juicio pueda acudir ante mi estatua de Rey de la Equidad, que lea y relea mi estela inscrita y oiga mis exquisitas palabras, que mi estela le aclare el caso, él mismo comprenda su sentencia, y su corazón respire diciendo: «Hammurabi – el Señor que se manifiesta como padre carnal de la gente ha vibrado ante las palabras del divino Marduk, su señor, y ha hecho realidad los deseos de victoria de Marduk arriba y abajo; ha regocijado el corazón de Marduk, su señor, y convertido el bienestar en el destino sempiterno de la gente, e impuesto su derecho en el País».” “Que, en días venideros -en cualquier tiempo-, el rey que surja en el País guarde las palabras de Equidad que he grabado en mi estela; que no falsee la legislación que le he dado al País, ni las sentencias que he dictado al País; que no aniquile mis signos y designios. Si ese hombre tiene inteligencia y es capaz de poner orden en su país: que atienda a las palabras que he grabado en mi estela, y que, el camino, la conducta, la legislación que he dado al País, las sentencias que he dictado para el País, se los enseñe esta estela, y que dirija bien a sus «Cabezas Negras», que les dé una ley y que decida sobre ellos: que erradique de su país al malvado y al inicuo y procure el bienestar de su gente.” “Que el divino Nergal, el más Fuerte de los dioses, irresistible en la batalla, el que me asegura el triunfo, con su enorme poder queme a su gente como un incendio desatado en el cañaveral y, con su arma poderosa, lo haga azotar y desmenuce sus miembros como de figurilla de barro.”

“DIOSES Y TEMPLOS

Adab, lugar al SE [sudeste] de Nippur, culto a la diosa Nimmaj (hoy Bismaya).

Adad/Ishkur, dios del clima y la tormenta, culto en Karkara.

Anum/An, Dios del cielo, padre de los dioses (Uruk).

Anunnaku, el panteón, los dioses reunidos.

Aya, diosa de la luz, esposa de Shamash (Sippar).

Dagán, dios del cereal (Éufrates medio).

Damgalnunna, esposa de Ea/Enki (Malgum).

Dilbad, al S [sul] de Borsippa (dios Urash).

Duranki, lazo de cielo y tierra, mote de Nippur.

Ea/Enki, el Viviente, dios del saber y la magia, rey del abismo inferior de agua dulce.

E’abzu, casa del abismo subterráneo, templo de Ea en Eriddu.

E’anna, casa del cielo, templo de Ishtar en Uruk.

Ebabbar, casa blanca, templo de Shamash en Sippar y Larsa.

Egalmaj, palacio espléndido, templo de Ishtar en Isin.

Ekishnugal, casa rebosante de luz, templo de Sin en Ur.

Ekur, casa de la montaña, templo de Enlil en Nippur.

Emaj, casa espléndida, templo de Ninmaj en Adab.

Emeslam, casa del guerrero infernal, templos de Nergal (Kuta, Mashkan Sapir) y Erra (Kuta).

Emesmes, templo de Ishtar en Nínive.

Emete’ursag, casa digna del héroe, templo de Zababa en Kish.

Eninnu, casa de los 50 pájaros blancos del abismo, templo de Ningirsu (Girsu).

Enlil, el señor del aire, dios de la atmósfera, hijo de Anu, esposo de Ninlil, jefe de los dioses (Nippur).

Erra, dios de la peste y la guerra (Kuta).

Esagil, casa de la alta cima, templo de Marduk en Babilonia.

E’udgalgal, casa de las tempestades, templo de Adad en Karkara.

E’ulmash, templo de Ishtar en Acad.

Ezide, casa de la justicia, templo de Tutu en Borsippa.

Hursagkalamma, montaña mundial, templo de Ishtar en Kish.

Id, río divino cuando juzga por ordalía.

Igigu, conjunto de los dioses mayores.

Inanna = Ishtar.

Ishkur = Adad.

Ishtar = Inanna, diosa de la guerra y del amor, planeta Venus.

Mama, un nombre de la gran diosa madre.

Marduk, dios de Babilonia, sucesor de Enlil.

Nanna = Sin. Nergal, dios ínfero.

Ninazu, dios sanador e ínfero.

Ninkarrak, diosa médica, hija de Anu.

Ninlil, la señora del aire, esposa de Enlil.

Nintu, un nombre de la gran diosa madre.”

EVERYTHING THAT RISES MUST CONVERGE (TUDO QUE ASCENDE DEVE SE UNIR)

Flannery O’Connor

“Rome wasn’t built in a day.”

“Julian thought he could have stood his lot better if she had been selfish, if she had been an old hag who drank and screamed at him. He walked along, saturated in depression, as if in the midst of his martyrdom he had lost his faith.”

if you know who you are, you can go anywhere. She said this every time he took her to the reducing class.”

“Knowing who you are is good for one generation only. You haven’t the foggiest idea where you stand now or who you are.”

“You remain what you are, she said. Your great-grand-father had a plantation and two hundred slaves.

There are no more slaves, he said irritably.”

“I’ve always had a great respect for my colored friends”

“Behind the newspaper Julian was withdrawing into the inner compartment of his mind where he spent most of his time. This was a kind of mental bubble in which he established himself when he could not bear to be a part of what was going on around him. From it he could see out and judge but in it he was safe from any kind of penetration from without. It was the only place where he felt free of the general idiocy of his fellows. His mother had never entered it but from it he could see her with absolute clarity.”

“he realized he was too intelligent to be a success”

“She excused his gloominess on the grounds that he was still growing up and his radical ideas on his lack of practical experience. She said he didn’t yet know a thing about ‘life,’ that he hadn’t even entered the real world – when already he was as disenchanted with it as a man of fifty.

The further irony of all this was that in spite of her, he had turned out so well. In spite of going to only a third-rate college, he had, on his own initiative, come out with a first-rate education; in spite of growing up dominated by a small mind, he had ended up with a large one; in spite of all her foolish views, he was free of prejudice and unafraid to face facts. Most miraculous of all, instead of being blinded by love for her as she was for him, he had cut himself emotionally free of her and could see her with complete objectivity. He was not dominated by his mother.”

“He would have liked to get in conversation with the Negro and to talk with him about art or politics or any subject that would be above the comprehension of those around them, but the man remained entrenched behind his paper. He was either ignoring the change of seating or had never noticed it. There was no way for Julian to convey his sympathy.”

“Instead, he approached the ultimate horror. He brought home a beautiful suspiciously Negroid woman. Prepare yourself, he said. There is nothing you can do about it. This is the woman I’ve chosen. She’s intelligent, dignified, even good, and she’s suffered and she hasn’t thought it fun.”

“He could not believe that Fate had thrust upon his mother such a lesson. He gave a loud chuckle so that she would look at him and see that he saw. She turned her eyes on him slowly. The blue in them seemed to have turned a bruised purple. For a moment he had an uncomfortable sense of her innocence, but it lasted only a second before principle rescued him. Justice entitled him to laugh. His grin hardened until it said to her as plainly as if he were saying aloud: Your punishment exactly fits your pettiness. This should teach you a permanent lesson.”

“She kept her eyes on the woman and an amused smile came over her face as if the woman were a monkey that had stolen her hat.”

Don’t think that was just an uppity Negro woman, he said. That was the whole colored race which will no longer take your condescending pennies. That was your black double. She can wear the same hat as you, and to be sure, he added gratuitously (because he thought it was funny), it looked better on her than it did on you. What all this means, he said, is that the old world is gone. The old manners are obsolete and your graciousness is not worth a damn. He thought bitterly of the house that had been lost for him. You aren’t who you think you are, he said.”

“He turned her over. Her face was fiercely distorted. One eye, large and staring, moved slightly to the left as if it had become unmoored. The other remained fixed on him, raked his face again, found nothing and closed.”

Help, help! he shouted, but his voice was thin, scarcely a thread of sound.”

Ironically, the son killed his raucous mother; Jacob read it as a sycophant father killed (failed to kill) his honest son. And not by rising, but by making him descend! The son in O’Connor’s felt guilty, unlike the dad in Lost’s.

FREUD/FLIESS: Mito e quimera da auto-análise – Erik Porge (trad. Vera Ribeiro), 1996 (1998).

INTRODUÇÃO

“É em nome da auto-análise de Freud que a auto-análise é hoje reconhecida por alguns como uma prática completa. Num livro recente, um autor alemão, Karl König, escreveu: <Freud fez a primeira auto-análise (1900). Quando de sua auto-análise, Freud dirigiu-se a um parceiro, Fliess, e talvez o tenha imaginado durante a auto-análise; pelo menos, sempre o trouxe em seus pensamentos.> O autor expôs em seguida a técnica da auto-análise: a análise dos próprios sonhos e o que ele denominou de <micro-sintomas>: esquecimentos momentâneos, dores de cabeça, dores de barriga. estados depressivos e, acima de tudo, coincidências temporais que criam um vínculo causal. Veremos que a atenção dada a este último aspecto foi um dos pilares do método de interpretação de Fliess.”

“essa auto-análise que prolonga a análise pode ser considerada, por uma curiosa inversão, como o começo da análise.”

1. A CORRESPONDÊNCIA FREUD/FLIESS, UM QUEBRA-CABEÇA TRUNCADO

“Algumas cartas de F. a Fliess foram publicadas pela 1ª vez no começo de 1906, durante a vida de F., mas sem sua autorização, no panfleto de Richard Pfennig intitulado Wilhelm Fliess e seus descobridores imitadores, O. Weininger e H. Swoboda, que acusava Weininger e Swoboda de haverem, por intermédio de Fr., plagiado Fl..” “Uma 2ª reprodução dessas 4 cartas (com diferenças mínimas de citação) saiu em junho de 1906, na brochura de Fl. denominada Em minha causa própria, que retomava as acusações de Pfennig.” “Fr., muito afetado pela publicação maldosa de suas cartas particulares ao amigo, decidiu, depois de 1904, destruir todas as cartas que recebera de Fliess, de modo que, hoje em dia, dispomos apenas de metade da correspondência.”

“A ascensão do nazismo obrigou os Fliess a emigrar e a se separar de parte dos arquivos de Fl., ao mesmo tempo que tentavam certificar-se de que esse material não seria destruído pelos nazistas. Após refletir sobre o assunto, Charles Fliess achou que a solução mais segura seria dirigir-se a um negociante de livros, pois sua profissão o punha em contato com o exterior e, desse modo, ele teria mais facilidade em fazer com que saíssem documentos da Alemanha. Foi assim que Charles vendeu as cartas de Fr., depois de fazer uma triagem prévia”

“O livreiro que comprou 250 das cartas de Fr. entrou em contato com Marie Bonaparte para lhe vender o conjunto a 12 mil francos.”

“Depois da guerra, Bonaparte, Anna Freud e Ernst Kris decidiram publicar as cartas, mas fazendo previamente uma triagem e censurando boa parte delas. O livro foi lançado em 50, sob o título de Aus den Anfängen der Psychoanalyse. Briefe an Wilhelm Fliess, Abhandlungen und Notizen aus den Jahren 1887-1902, Londres, Imago. A versão francesa saiu em 1956. Até hoje, início de 95, esse é o único texto das cartas de Fr. a Fl. de que o público francês dispõe! Graças ao trabalho de Michael Schröter, Gerhard Fichtner e Jeffrey Moussaieff Masson, a S. Fischer lançou, em 86, o volume Sigmund Freud Briefe an Wilhelm Fliess 1887-1904, que contém quase a íntegra não-censurada. A edição inglesa, de 85, traz erradamente o título The Complete Letters of (…).”

“Em 1895, época em que a correspondência atingiu um 1º pico, Fliess descobriu a solução para a concepção, i.e., as cifras referentes aos períodos masculinos e femininos – 23 e 28 –, os quais, segundo ele, regiam, entre outras coisas, a determinação do sexo e das datas de fecundidade.” “Um segundo pico foi atingido em 1897. A curva atingiu seu ápice em 1899, ano em que Fr. mandou publicar, no outono, A interpretação (…), depois de um momento de pressa de concluir ocorrido no verão, corrigindo com Fl. as provas dos primeiros capítulos (…) Depois a correspondência diminuiu muito rapidamente.”

“Essas cartas são bem-escritas, sempre em caracteres góticos. Vez por outra, Fr. utiliza palavras iídiche (Meschugge), ou do dialeto vienense (Knetscher), ou expressões em francês.”

“A importância da clientela de Fr. varia ao longo dos meses. Pode ir de 11 clientes/dia (em 1898) até 3 e ½ (!) (em 20/05/1900). Fr. não quer ter pacientes em demasia – eles lhe são um tormento quando está deprimido, o que não é raro”

“Como indica nos Estudos sobre a histeria, depois Fr. abandonou a hipnose, a fim de praticar a busca de idéias e lembranças através da pressão das mãos sobre a fronte. Mais adiante vem a técnica das associações livres, à qual ele certamente faz alusão em sua carta de 07/07/1897.”

“metapsicologia, termo surgido em 13/02/1896.”

“O Sr. E.: o ataque de angústia diante de um escaravelho (Käfer), aos 10 anos de idade, continuara inexplicado até o momento em que ele descobriu que essa palavra devia ser escutada como Que faire?, índice da perplexidade de sua mãe na hora de se casar.”

“Muitos desses manuscritos não foram preservados. Esse foi o caso, em especial, de uma série que ele batizou com o nome grego de Drekkologie (merdologia). Em consonância com seu nome, nenhum desses manuscritos foi conservado. Numerados 1, 2, 3,…, eles foram remetidos entre o fim de 1897 e o começo de 1898. Fliess os devolveu, depois de fazer algumas correções. Um desses textos da Drekkologie continha, provavelmente, um grande sonho de Fr., que ele tencionava inserir em lugar de destaque na Traumdeutung, mas que retirou a conselho de Fliess, porque dizia respeito a Martha. (…) Fr. também corrigia os manuscritos de Fl. – principalmente até a publicação de As relações entre o nariz e os órgãos genitais femininos, do fim de 1896 – e utilizava os trabalhos do amigo em suas pesquisas.”

“eles começaram por fazer o projeto de um livro a 2, versando sobre a neurastenia e a neurose de angústia. Esse projeto alimentou boa parte de sua correspondência entre 1892 e meados de 1893, momento em que o ritmo de suas cartas se acelerou. (…) Esse projeto tinha um objetivo nosográfico (a distinção entre as neuroses atuais e as psiconeuroses)”

SUJEITO NARIGUDO: “Fl. havia escrito um artigo preparatório para o estudo comum: Nova contribuição para a clínica e a terapia das neuroses nasais reflexas.”

Fl. A neurose nasal reflexa, abril de 1893 (conferência)

“Muito mais tarde, quando os 2 já haviam se afastado, Fr. renovaria a Fl. a proposta de escrever um livro conjunto sobre a bissexualidade. O projeto não foi além dessa proposta.”

“Fl., que até então só se ocupara das neuroses nasais reflexas, iria desenvolver, a partir dessa data (maio de 1895), um sistema delirante de interpretação, baseado na existência de períodos masculinos e femininos de 23 a 28 dias, aplicáveis com a mesma regularidade aos acontecimentos normais e patológicos que sucedem ao ser humano, assim como aos animais e às plantas. Esse sistema entrou em vigor a partir de As relações. Freud desconheceu o caráter delirante do sistema fliessiano e não tardou a se interessar por seus cálculos. Alimentou-os, fornecendo listas de datas de acontecimentos ocorridos com seus pacientes ou em sua família, procurando verificar a teoria de Fl. em si mesmo e integrando-a em sua própria teoria das neuroses – p.ex., na distinção entre as fases sexuais e as fases psíquicas que fossem múltiplas, respectivamente, de 23 e 28 dias.”

58 84 112 140 168 196 224 252 280 308 336 364

—————(gravidez de 36 semanas)——–

46 69 92 115 138 161 184 207 230 253 276 299 322 345 368

“Reconheceu não estar certo de poder retribuir na mesma moeda no que concernia à grande obra que Fl. estava preparando, O curso da vida: Fundamento para uma biologia exata, que só viria a ser publicado em 1906, embora Fr. desejasse vê-lo lançado ao mesmo tempo que a Traumd..”

“Anna receberia o nome de Wilhelm, se o filho esperado fosse um menino, como era previsto (pelos cálculos de Fliess).”

“Martin era atacado, segundo palavras do pai, de <Dichteritis (‘poesite’) periódica>.” Aos 8 anos de idade? Difícil acreditar…

“Fala pouco da mãe, mencionando com maior freqüência Martha e Minna, que vai morar em sua casa, e o pai, falecido em 23/10/1896, dia do aniversário de Fliess (…) Fr. responsabiliza seu pai pela histeria de seu irmão [??].”

Dora, fragmento da análise de um caso de histeria estava pronto desde 1901, mas Fr. renunciou a publicá-lo, ao se dar conta de haver perdido Fl. como público.”

“Ao longo da correspondência, Fr. também modificou sua maneira de falar de si mesmo. Até 95, queixava-se muito da saúde e apelava para o médico que havia em Fl., o qual viera substituir Breuer nesse papel. Consultava-o sobre seu catarro nasal, suas enxaquecas e seus distúrbios cardíacos (dores, arritmia, etc.), que ele supunha estarem ligados a uma miocardite. Fliess aconselhou Fr. a parar de fumar charutos e, achando que se tratasse também de uma neurose nasal reflexa [hahaha], praticou em Fr. a cocainização do nariz. Fl., por sua vez, queixava-se sistematicamente de enxaquecas fortíssimas.”

“Ida ocupa um lugar de destaque em As relações, sob o nome de Sra. A., havendo Fr. desaconselhado que ela fosse chamada pelo nome verdadeiro.”

“Fr. observa ao amigo (no Manuscrito O) o quanto ele tem sorte por contar com uma mulher que é, ao mesmo tempo, sua paciente e sua secretária (ela retranscrevia os manuscritos do marido).”

“Aliás, sucedeu a Fr. pedir que Fl. lhe devolvesse esta ou aquela carta, por precisar dela para alguma publicação.” E um homem tão precavido não as copiava antes?!

“Como dizia Montaigne, mesclavam-se <na amizade outra causa e meta e fruto que não a amizade em si>.”

“o que conheces de melhor não pode ser dito aos meninos” Goethe

“Assim como as cartas de Fr. a Fl. não contam uma história, elas também não formam um todo. Constituem, antes, um quebra-cabeça no qual faltam diversas peças.”

“A falta das cartas de Fl. desequilibra a correspondência e induz a sua leitura no sentido de uma história na qual um dos personagens – no caso, Fl. – ocupa o lugar do ausente, do Outro silencioso, que não responde. É muito fácil, a partir daí, dar um passo a mais e dizer que Fl. encarnou a posição do analista para Fr., e que Fr. fez uma auto-análise com Fl.. Esse foi o passo dado pela maioria dos psicanalistas, que erigiram a auto-análise de Fr. com Fl. num mito fundador. Ainda hoje, estamos a tal ponto impregnados desse mito que nem sequer avaliamos a sua amplitude ou seus efeitos. Ele constitui uma versão das origens da psicanálise que prevalece tanto entre os lacanianos quanto entre os não-lacanianos. Octave Mannoni contribuiu para forjá-la em seu livro sobre Fr., notável sob outros aspectos.” “É sobretudo a Didier Anzieu que devemos, na França, a propagação do mito da auto-análise de Fr., que ele construiu nas 3 edições revistas de seu livro L’auto-analyse de Freud et la découverte de la psychanalyse.”

2. O CASO DA AUTO-ANÁLISE DE FREUD, NÃO SEM UM ITALIANO CULTO

“Cada tornar-se analista é determinado, em parte, pelo desejo que movia Fr. e Lacan como analistas.” Acho que já sei por que nunca me tornei um.

“O livro de Anzieu contribuiu para fabricar um mito da auto-análise, na medida em que equivaleu a uma reconstituição de uma espécie de <Diário de minha auto-análise> escrito por Fr., uma espécie de autobiografia analítica. Seu método consistiu em ligar, pela trama do que é sabido sobre a história de Fr., os sonhos, formações do inconsciente e ditos deste último a Fl..”

“no encontro no lago de Achen, em julho de 1900, Fl. afastou-se voluntariamente de Fr. e espaçou a remessa de suas cartas.” “Em 1901, Fl. censurou-o por <só ler nos pensamentos dos outros seus próprios pensamentos>.”

“A convicção de que seu pai, que morreu de erisipela após longos anos de supuração nasal, poderia ter sido salvo fez dele um médico, e até direcionou sua atenção para o nariz. A morte súbita de sua única irmã, 2 anos depois, no 10º dia de uma pneumonia pela qual ele não pôde responsabilizar os médicos, inspirou-lhe a teoria fatalista das datas predestinadas para a morte – como que para se consolar. Esse fragmento de análise, contrário ao desejo dele, foi o motivo interno do rompimento, que ele empregou de maneira sumamente patológica (paranóica).”

“Fl. sabia que seu pai não havia morrido de erisipela, e sim que se havia suicidado. O fato de ele não ter dito nada a Fr. a esse respeito mostra sua desconfiança, anterior a qualquer interpretação procedente de outrem.”

MEIO LENTO O DOUTOR, NÃO? “Foi preciso esperar pela divulgação da acusação de plágio, em 1906, para que Fr. começasse a conceber a idéia de que o amigo havia ultrapassado os limites do que ele esperava de uma amizade.”

“De aparecimento relativamente recente e de contornos imprecisos, a biologia era um campo que Fr. esperava que trouxesse uma certa garantia ou confirmação para o caminho que ele ia abrindo.”

“estou 10 a 15 anos à frente”  01/01/00 – de qualquer modo não foi muito…

“Uma vez que a biologia era uma ciência relativamente nova, havia margem para esse tipo de esperança. (…) Ele não hesitou em qualificar Fliess de Kepler da biologia, coisa de que o próprio Fl. estava convencido. Assim, a certeza megalomaníaca de que este dava mostras habilitou-o a desempenhar o papel que Fr. esperava dele.”

“Em sua carta de 22/09/98 a Fl., escreveu: Endlich erfuhr ich den Namen: Signorelli – <Finalmente aprendi o nome: Signorelli>, o que foi impropriamente traduzido, em La Naissance de la psychanalyse, como <Finalmente, lembrei-me do nome: Signorelli>. Depois, em seu artigo de 1898 intitulado O mecanismo psíquico do esquecimento, Fr. foi mais explícito: <Dado que, durante a viagem, eu não tinha nenhum acesso a livros de consulta, tive que aceitar, por vários dias, essa perda da lembrança e o tormento interno que lhe estava ligado, o qual retornava diversas vezes por dia, até que encontrei um italiano culto que me libertou, através da comunicação do nome: Signorelli.> Por último, no 1º capítulo da Psicopatologia da vida cotidiana, lemos: <Quando o nome correto me foi comunicado por uma fonte externa (vom fremder Seite), reconheci-o imediatamente e sem hesitação.> Anzieu cometeu um erro, portanto, ao atribuir à auto-análise de Fr., sozinho, o retorno do nome, porquanto ele não chegou à solução por si mesmo – apesar, justamente, de sua obstinação, ou seja, dos vários dias de tentativas repetidas e tormentosas –, e foi preciso um encontro com um italiano culto para que ele fosse liberto de seu tormento. É claro que Anzieu se apoiou numa tradução ruim da carta de 22/09/98. Mas não se pode imputar sua leitura unicamente a essa tradução, pois ele faz referência também ao texto alemão, e as versões do artigo de 1898 e da Psicopatologia são inequívocas quanto à intervenção do terceiro.”

gebildeten Italiener

ele era cultivado como uma planta!

o italiano ilustrado

Retirem o Édipo e a psicanálise em extensão fica inteiramente sujeita ao delírio do presidente Schreber

Lacan

encontrou o que estava procurando? encontrou-se ao menos?

a cultura é um peido estrondoso ou silencioso?

me dei (bem) comigo mesmo no espelho

Definitivamente Freud não compreenderia Lacan.

3. UM RESTO NÃO-ANALISADO DE FREUD PARA LACAN, EM 1964

“Hoje em dia, talvez vejamos menos lacanianos do que em 1979, e as divisões entre eles favorecem um recuo, mas ainda é fato que o lacanismo é hoje um elemento de nossa cultura. Isso é conseqüência da crise que abalou o movimento analítico francês nos anos 60 e que foi resolvida através da suspensão, por Lacan, de seu seminário sobre os nomes do pai, e de sua criação da Escola Freudiana de Paris. Ao proceder desse modo, Lacan quis romper com o corporativismo da sociedade de psicanálise a que pertencia e criar, por meio do fato cultural, interligações entre a psicanálise e o conjunto da sociedade.” blábláblá…

“A Escola que ele fundou, aliás, foi aberta aos não-analistas, que ali deveriam exercer uma função.”

“Em 20/11/63 realizou-se a primeira sessão desse seminário. Lacan anunciou que ela seria também a última. [?]” “Voltando a falar desse seminário nos anos seguintes, Lacan manteria o suspense, em vez de confirmar a suspensão definitiva. A suspensão do seminário constituiu uma reação às medidas discriminatórias da IPA que a SFP ratificou em relação e ele, em 11/63, e que Lacan assimilou a uma excomunhão, tal como a que atingira Espinosa. Essa história havia começado em 1959, com o pedido de adesão da SFP à IPA. Este foi acompanhado, durante 4 anos, por uma sucessão de inquirições e negociações, cujo pivô era o afastamento de Lacan e que, no fim de 07/63, levaram à chamada Diretriz de Estocolmo, que estipulava que ele fosse riscado da lista de didatas”

O homem que não acabava nada… “Em seguida deveria vir um livro de L., intitulado Questionamento do psicanalista, mas este nunca veio à luz. Em 65, porém, L. leu em seu seminário excertos de um livro que estava escrevendo, intitulado Vias da psicanálise verdadeira, mas que também ficaria inacabado.”

“Em 01/64, um mês depois da suspensão do seminário Os nomes(…), Lacan começou um outro”

“Depois de fundar sua Escola, em 21/06/64, L. pôde prevalecer-se de ter os pés em 3 Escolas: a ENS, com respeito ao lugar geográfico, a EPHE, como lugar social que se abria para o meio científico, e a Escola Freudiana de Paris, como lugar de transmissão formado por ele e seus alunos.”

“Na virada que se efetuou para Lacan em 1963-4, o encontro com Althusser foi decisivo.”

“Lacan tencionava não se deixar encerrar nos impasses de uma transmissão religiosa da psicanálise, impasses dos quais não bastava sair da IPA para escapar.”

“Uma escola, quando merece esse nome, no sentido em que esse termo é empregado desde a Antiguidade, é uma coisa onde se deve formar um estilo de vida”

L. 27/01/65 (por que é tão importante datar tudo?)

“Quanto ao seminário, ele deve ter um valor de ação para os que o acompanham”

“Chegou até a intitular um seminário de Les non-dupes errent [Os não-tapados erram]” “a descoberta do nó borremeano” “sujeito suposto saber”

ESSA TERMINOLOGIA ME DÁ ENGULHO

“Fl. teria encarnado, para Fr., uma imagem do Nome do pai sujeito suposto saber, no ideal científico que representava aos olhos dele, e essa imagem ter-se-ia transmitido para a psicanálise, sem que Fr. se apercebesse.”

“a distinção estabelecida por Pascal entre o Deus de Abraão, Isaac e Jacó e o Deus dos filósofos. Essas duas versões de D. de modo algum são incompatíveis num mesmo sujeito.”

“Na ciência, a forclusão [inclusão fora] da verdade como causa a faz aparentar-se com a paranóia, na qual existe uma forclusão do Nome-do-Pai. Como conciliar, sendo assim, a idéia da psicanálise – paranóia bem-sucedida – com o fato de ela reintroduzir o Nome-do-Pai na consideração científica?” Metafísica ela não é. Não que fosse possível de qualquer forma…

“podemos ver desatar-se em algum lugar o QUIASMA que lhe parece criar obstáculos.”

“Ora, o princípio da verdade como causa resulta da divisão forclusiva de Descartes, que, ao remeter a garantia das verdades eternas a Deus-sujeito suposto saber, permitiu que a ciência deslanchasse como acumulação de saber.”

“a publicação de Emílio correspondeu ao desencadeamento de um delírio em Rousseau. Alguns atrasos na impressão levaram-no a crer que os jesuítas se haviam apoderado do texto e tinham armado um conluio para lhe acrescentar suas próprias idéias, usando seu nome.” “A ficção do aio deve ser considerada como um Nome-do-Pai para Rousseau.”

“A continuação de Emílio, Emílio e Sofia ou Os solitários, encerra-se num drama, bem ao estilo de Rousseau. Emílio perde tudo: separa-se de Sofia, seus filhos e seus sogros morrem. <Tudo me anunciava uma vida agradável, tudo me prometia uma doce velhice e uma morte tranqüila nos braços de meus filhos. Ai de mim!>”

4. FLIESS, UM ARTISTA DA CIÊNCIA

“Swoboda era um jovem doutor em direito e filosofia, que entrou em análise com Fr. em 1900 e se lançou em estudos de psicologia, depois publicados em seu livro sobre os períodos. Afirmava ele que a emergência espontânea das lembranças sobrevinha ao cabo de um período de horas ritmado pelas cifras 23 e 18, e por seus múltiplos.”

“O livro de Weininger saiu em maio de 1903. Wei. suicidou-se em outubro do mesmo ano, na mesma casa em que morreu Beethoven. Antes de morrer, escreveu: <Mato-me para não matar um outro>.”


*POH4, FDI6, BIP6, FL6

“POH4, anterior à briga, teve como ambição fundar uma nova psicologia, emancipada da psicologia experimental e de sua instrumentação, que levasse em conta o conhecimento da psique individual e casos tomados em suas condições de vida habituais [psicologia da vida cotidiana].” Swoboda: “Se nos queimarem um quadro de Böcklin, se perderem a partitura dos Mestres Cantores, poderemos falar numa perda insubstituível. Na ciência, porém, não passamos de soldados rasos. Enquanto estivermos produzindo o individual, não teremos a menor relação com a ciência. Não existe na ciência o splendid isolation. Por aí se explica também o fato de as descobertas científicas serem, muitas vezes, feitas ao mesmo tempo.”

FID6: “É justamente o contrário que sucede: o desempenho científico de alta classe traz uma marca tão individual quanto qualquer desempenho artístico, e não é menos raro nem menos precioso do que este.”

“contrastar o artista com o cientista equivale a refutar a teoria dos períodos”

BIP6, a tréplica: “Quanto mais artista alguém é, menos precisa temer por sua prioridade.” “Existe um desenvolvimento contínuo e histórico da ciência, enquanto, na arte, qualquer realização, seja qual for sua época, pode continuar a ser admirável.” Um dos últimos anos em que se podia ser ingênuo o bastante para afirmar isso sem uma chuva de vaias.

Kuhn: “Os cientistas dirigem-se a um público restrito, uma <platéia>, e os artistas a um público amplo e em lugares diversos: leitores críticos, museus, galerias, etc. [uau, que multidão!] “a ciência destrói seu passado (…) nesse aspecto, K. aproxima-se de Lacan” “a arte cultiva seu passado”

“A nova concepção fliessiana da dupla sexuação permanente lançava na obscuridade, segundo seu autor, todas as concepções da bissexualidade que a haviam precedido.”

“os <alunos> de Fl. não parecem haver transmitido a teoria fliessiana a uma nova geração.”

Vol quatre du Banque Sabbath

“Fl. não discutia seu método; expunha seus resultados como a transcrição de uma lei da Natureza.”

Nesse mesmo dia há exatos 4700 anos um ancestral meu pegou um forte resfriado!

“A simultaneidade significativa dos acontecimentos era o zero necessário ao cálculo e do qual provinha a seqüência dos números.”

0 4 8 15 16 23 42

. . .

A nosso ver [NÓS LACANIANOS], o sistema teórico de Fl. constituiu-se como uma defesa contra a transmissão de pensamento”

“Em O curso da vida, Fl. comparou a duração da vida do príncipe de Orange, Guilherme IV, e de sua irmã, Charlotte Amalie von Nassau Dietz, com a da vida de Bismarck e de Goethe, para constatar que, reduzidas a fórmulas escritas unicamente com os nos. 23 e 28, essas durações eram formalmente vizinhas.

Em O ano no ser vivo, comparando entre si os intervalos de nascimento de um certo n. de famílias e comparando-os com os intervalos nas datas de floração de uma planta, Fl. chegou a enunciar uma equação entre a família Fr. e a família Fl.: Freud 1 = Fliess 1 – (2Å [0,2 nanômetros?] – 23), onde Å representa o ano (365 dias), e o n. 1 indica os intervalos de nascimento entre os dois primeiros filhos de Fr. e de Fl..” “Essa fórm. evidencia o que Fl. chamava de Tipo D acrescido de 1 ano (os nos. entre parênteses), também encontrado em outras famílias e até em plantas.”

Guilherme PREMONIÇÃO Fliess

“Em Vom Leben und vom Tod (Da vida e da morte), Fliess relatou que, em 1886, morreram de tuberculose 34,19 homens em cada 10 mil, e 28,2 mulheres em cada 10 mil. A relação é igual a 28/23.” “A natureza escolhe, tanto entre os homens quanto entre as mulheres, grupos de 23 ou 28 seres, e os liga todos a um mesmo destino. Nesses grupos, todas as oscilações são equilibradas, e é por isso que cada um representa a mesma soma de substância viva.” “Um pouco mais adiante, ele observa que a mortalidade entre 1867 e 1907 oscilou entre 19 e 31,1 por cada mil habitantes. O quociente obtido é igual a 2,23/28. (…) enquanto a taxa de natalidade foi de 1872/1907 = 28/23.”

CONCLUSÃO

Não me venha “explicar” a “auto”análise de Freud (sem explicar!) relacionando-a com erros e omissões e a incompreensibilidade de Lacan! Stop at the flop – Inclusive esta conclusão poderia ter sido logo redigida à p. 2 – um dos livros mais desnecessários que já li!

“Esse ideal pseudocientífico contribuiria também para sustentar uma prática da análise selvagem na qual tendem a cair alguns analistas, o que não facilita as relações entre eles.”

APÊNDICES (mais ¼ do livro!)

Do mesmo sangue – Fl.

“Um dos meus colegas e amigos relatou ter sido atingido por dores apendiculares na mesma hora em que sua irmã começou a sentir as dores do parto. Isso ocorreu no dia do aniversário de um terceiro irmão.”

“Nos haras, é sabido que freqüentemente o potro adoece quando a égua fica no cio.” “No sul do Brasil, os bambus florescem a cada 13 anos; na costa ocidental das Índias, a floração acontece a cada 32 anos, e se dá simultaneamente num vasto território.”

Direita e esquerda – Fl. (tradução de Patricia Barouky)

O LADO DA VONTADE (O LADO ESCURO DA LUA): “Na casa de Goethe, em Weimar, há uma máscara pendurada cujo molde foi feito por Schadow, e que representa Goethe aos 60 anos, aproximadamente. Como a fotografia ainda não tinha sido inventada na época, essa máscara constitui o único documento autêntico sobre o rosto de Goethe, pois os quadros concordam tão pouco entre si que é impossível saber que aparência teria Goethe na realidade. Se estudarmos a máscara de Schadow um pouco mais de perto, observaremos uma extrema acentuação da metade esquerda do rosto. Do lado esquerdo, a fronte é mais recurvada, à esquerda a bossa da fronte é mais saliente, a arcada superciliar esquerda é mais alta, o osso malar é mais forte, a dobra nasal do lábio é muito mais pronunciada e, do mesmo modo, as outras partes do rosto são nitidamente mais desenvolvidas à esquerda do que do lado direito. Goethe, que sabia tudo, também havia reparado nisso. <A natureza golpeou-me do lado esquerdo>, disse certa vez. E quando se observa a máscara de Beethoven – não a máscara mortuária, com os traços emagrecidos, mas o conhecido molde do rosto de Beethoven vivo, que costuma ser adornado por louros –, nota-se a mesma coisa, a despeito de toda a diferença na realização e na forma. Também em Bee. a parte esquerda do rosto é maior e muito mais pronunciada do que a direita.”

Schopenhauer pisara ali antes. Você entrou com o pé esquerdo nessa celeuma!

Quem será meu mascareiro? Uma impressora-scanner, talvez…

“Para compreender a natureza desse fenômeno, é necessário termos uma nova percepção, qual seja, a de que os homens canhotos são mais propensos à feminilidade [eu diria ao fascismo], e as mulheres canhotas à masculinidade, ou seja, mais propensos no sentido de o serem mais intensamente do que se observa nos destros do mesmo sexo.”

“Normalmente, todo homem tem seios rudimentares e deles, nos meninos recém-nascidos, com freqüência até escorre leite, o chamado <leite de feiticeira>. E a penugem do bigode é igualmente própria das mulheres.” “Existe um nº excessivamente maior de falsos canhotos do que de canhotos. Basta observar de maneira suficientemente precisa para descobrir o mundo dos falsos canhotos: com qual mão o homem se barbeia, assoa o nariz, leva o copo à boca, segura o cigarro, distribui as cartas, tira a rolha das garrafas, em qual mão apóia sua cabeça e com qual delas abotoa o sobretudo.” “esse é, antes de mais nada, o artista. Portanto, o homem que tem um dom particular.”

“Compreendemos como o poeta dos Niebelungen, Wilhelm Jordan, pôde aprender, em tempo ínfimo, a escrever com a mão esquerda, e como Frederico, o Grande, depois de um ataque de gota na mão direita, pôde imediatamente escrever com a mão esquerda a carta enviada a sua irmã favorita, a baronesa de Bayreuth.”

“quando a natureza dá um excedente, ela também tem que criar uma carência, um vazio do qual o excedente tenha sido extraído. No interior de uma família com uma substância que forma uma unidade, uma entidade homogênea, da qual cada um dos que a ela pertencem constitui um fragmento, deve ser possível encontrar esse vazio.” $destrezaboemiaTALENTO

“o ser realmente sinistro”

Eu seria, teleologicamente, aquele que teria de advir.

all o’ them are 5 letter-words…

“eles não sabem que a natureza compensa essa sombra com uma abundância de luz.”

“O que foi dito dos eslavos é igualmente válido em relação aos franceses, com seu gosto refinado e suas mulheres autoritárias. Entre eles, os ferrolhos se fecham no sentido inverso e os bicos de gás fecham-se com o movimento contrário. (…) Na China, quase tudo é feito para a esquerda, e os homens usam cabelos compridos, presos em tranças.”

A idiotia do “cabelo feminino”… Ó, devem ser meus genes!!

Matar um dos irmãos gêmeos ou AMBOS? Qual destas superstições seria a mais aceitável?

“as famílias geniais nunca persistem.” Que honra que uma nulidade como a família que me gerou seja por isso chamada de GENIAL!

“Os Goethe, os Schiller, os Mozart, os Beethoven, nem mesmo os Bismarck existem – apenas, de fato, os Dupont e os Durand, em grande número. O gênio aparece na terra – segundo as palavras de Moebius – não para aumentar o número de homens: somente as obras imortais são seus filhos.”

NOTAS

“Lacan se considerava instigador do trabalho de Anzieu e o acusou de plágio por seu comentário do sonho da injeção de Irma: <Assim, será preciso que eu o publique (seu comentário do sonho de injeção, de 1955), e, se não o publiquei, foi por ter ficado absolutamente enojado com a maneira como isso foi retomado num certo livro que saiu com o título de Auto-análise: era meu texto, mas remetendo a ele de maneira a que ninguém compreendesse nada> (Lacan, …Ou pire, sessões de 14 e 21 de junho de 1972, inédito). A acusação de L. representa uma homenagem involuntária a Fl. [VAI TOMAR NO CU, PORGE!], que sabemos haver desencadeado uma acusação de plágio contra Fr.. Por outro lado, ela assinala que os lacanianos não têm como não se sentir interessados no problema da autoanálise de Fr. em sua relação com Fl..” Só assinala que vocês são um bando de mexeriqueiros.

“O termo <biologia> só foi introduzido no alvorecer do XIX, na França, num contexto científico (Xavier Bichat), e na Alemanha, onde fez parte do vocabulário romântico (G.R. Treviranus). A introdução desse termo destinava-se a dar lugar a uma ciência distinta da fisiologia, que levasse em conta a especificidade da força vital (Lebenskraft) imanente à matéria orgânica e incluísse o microcosmo e o macrocosmo no campo unitário de uma inteligibilidade universal [de micróbios a baleias, mas sobre vírus¿¿¿].” “A biologia romântica da Naturphilosophie propôs um novo modelo de saber, do qual não estava ausente o matematismo, sob a forma de números que regeriam a economia interna de um organismo total.”

Porge cita Roudinesco.

“Por trás de Ulisses, ausente, perfila-se o Pai oculto e esquivo, o Pai, talvez cruel, que deu às tentativas de cristologia féneloniana seu caráter trágico” (Fénelon, Télémaque)

IDÉIA FUTURA

PARA UMA HISTÓRIA DO PLÁGIO

De Hipócrates a Paulo Coelho, passando por Cervantes¿¿¿

DICIONÁRIO:

automaton (grego): acaso cego (pura sorte, gratuito)

das trifft sich gut (alemão) :  isso vem a calhar;

                            isso se encontra bem

maten (grego): em vão, à toa. Pode-se dizer que o automaton é a sorte com este atributo, em oposição à tique (abaixo).

tique (grego): acaso que contribui para um fim ou propósito “Aristóteles cita o exemplo de alguém que vai à ágora tratar de negócios e que, sem haver pensado nisso, depara com uma pessoa que lhe devia dinheiro.”

PSICOLOGIA DE MASSAS DO FASCISMO, Ou: A vitória do lumpemproletariado.

REICH. Trad. inglesa de Mary Boyd Higgins & trad port. (direta do alemão) de Maria da Graça Macedo, Martins Fontes, 1988 [1972 (1946)].

PREFÁCIOS

“Se a Psicologia de Massas do Fascismo algum dia vier a ser compreendida e utilizada de algum modo, se a vida <frustrada> alguma vez se libertar, e se palavras como <paz> e <amor> deixarem de ser meros chavões vazios de significados, então o funcionamento da Energia Vital terá de ser aceito e compreendido.” “Para Reich, o fascismo é a expressão da estrutura irracional do caráter do homem médio, cujas necessidades biológicas primárias e cujos impulsos têm sido reprimidos há milênios.”

* * *

“No nível superficial da sua personalidade, o homem médio é comedido, atencioso, compassivo, responsável, consciencioso. Não haveria nenhuma tragédia social do animal humano se este nível superficial da personalidade estivesse em contato direto com o cerne natural profundo.”

“A biofísica orgônica tornou possível a compreensão do inconsciente freudiano, aquilo que é anti-social no homem, como resultado secundário da repressão de exigências biológicas primárias.”

“O cerne biológico do homem não encontra representação social desde o colapso da primitiva forma de organização social segundo a democracia do trabalho. Os aspectos <naturais> e <sublimes> do homem, aquilo que o liga ao cosmos, só encontram expressão autêntica nas grandes obras de arte, especialmente na música e na pintura.” Pelo menos parece que Reich encampa os poetas, escritores e músicos em seu “trabalhador vitalmente necessário”!

“Nos ideais éticos e sociais do liberalismo, vemos representadas as características do nível superficial do caráter: autodomínio e tolerância. O liberalismo enfatiza a sua ética, com o objetivo de reprimir o <monstro no homem>, i.e., o nível das <pulsões secundárias>, o <inconsciente> freudiano>. A sociabilidade natural da camada mais profunda, do cerne, permanece desconhecida para o liberal. Este deplora e combate a perversão do caráter humano por meio de normas éticas, mas as catástrofes sociais do século XX provam que essa tática de nada adianta.”

“Nem o verdadeiro revolucionário, nem o artista, nem o cientista foram até agora capazes de conquistar e liderar as massas, ou, se o fizeram, de mantê-las por muito tempo no domínio dos interesses vitais.”

Se há 3 camadas do caráter em seu sistema, obviamente haveria 3 estruturas políticas possíveis: “O fascismo não representa, na sua essência, nem o nível superficial (1) nem o mais profundo (3) do caráter mas sim o nível intermediário (2), das pulsões secundárias.”

A máquina mística. O demiurgo xiita robotizado.

“O fascismo [por muito tempo foi] considerado como uma característica nacional específica dos alemães ou dos japoneses. É deste primeiro erro que decorrem todos os erros de interpretação posteriores. Em detrimento dos verdadeiros esforços pela liberdade, o fascismo foi e ainda é considerado como a ditadura de uma pequena clique reacionária. A persistência neste erro deve ser atribuída ao medo que temos de reconhecer a situação real: o fascismo é um fenômeno internacional que permeia todos os corpos da sociedade humana de todas as nações.”

“O fascismo como um movimento político distingue-se de outros partidos reacionários pelo fato de ser sustentado e defendido por massas humanas. Estou plenamente consciente da enorme responsabilidade contida nestas afirmações. Desejaria, para o bem deste mundo perturbado, que as massas trabalhadoras estivessem igualmente conscientes da sua responsabilidade pelo fascismo. É necessário fazer uma distinção rigorosa entre o militarismo comum e o fascismo. A Alemanha do imperador Guilherme foi militarista, mas não fascista.”

“Se entendemos por revolucionária a revolta racional contra as situações insuportáveis existentes na sociedade humana, o desejo racional de <ir ao fundo, à raiz de todas as coisas> (<radical>, <raiz>), para melhorá-las, então o fascismo nunca é revolucionário.”

“O sociólogo tacanho, a quem falta coragem para reconhecer o papel fundamental do irracional na história da humanidade, considera a teoria fascista da raça como mero interesse imperialista ou, apenas, como simples <preconceito>. O mesmo acontece com o político irresponsável e palavroso: a extensão da violência e a ampla propagação desses <preconceitos raciais> são prova da sua origem na parte irracional do caráter humano. A teoria racial não é uma criação do fascismo. Pelo contrário, o fascismo é um produto do ódio racial e a sua expressão politicamente organizada. Por conseguinte, existe um fascismo alemão, italiano, espanhol, anglo-saxônico, judeu e árabe. A ideologia da raça é uma grande expressão biopática pura da estrutura do caráter do homem orgasticamente impotente.”

“O fascismo SERIA um retorno ao paganismo e um arqui-inimigo da religião. Mas muito pelo contrário, o fascismo é a expressão máxima do misticismo religioso. (…) O fascismo apóia a religiosidade que provém da perversão sexual e transforma o caráter masoquista da velha religião patriarcal do sofrimento numa religião sádica.

A mentalidade fascista é a mentalidade do <Zé Ninguém>, que é subjugado, sedento de autoridade e, ao mesmo tempo, revoltado. Não é por acaso que todos os ditadores fascistas são oriundos do ambiente reacionário do Zé Ninguém.” Livro de Reich cuja leitura pende…

“O Zé Ninguém observou bem demais o comportamento do grande homem, e o reproduz de modo distorcido e grotesco. O fascista é o segundo sargento do exército gigantesco da nossa civilização industrial gravemente doente. (…) o pequeno sargento excedeu em tudo o general imperialista: na música marcial, no passo de ganso, no comandar e no obedecer, no medo das idéias, na diplomacia, na estratégia e na tática, nos uniformes e nas paradas, nos enfeites e nas condecorações. Um imperador Guilherme foi em tudo isto simples <amador>, se comparado com um Hitler, filho de um pobre funcionário público. Quando um general <proletário> enche o peito de medalhas, trata-se do Zé Ninguém que não quer <ficar atrás> do <verdadeiro> general. É preciso ter estudado minuciosamente e durante anos o caráter do Zé Ninguém, ter um conhecimento íntimo da sua vida atrás dos bastidores, para compreender em que forças o fascismo se apóia.”

“Quando se ouve um indivíduo fascista, de qualquer tendência, insistir em apregoar a <honra da nação> (em vez da honra do homem) ou a <salvação da sagrada família e da raça> (em vez da sociedade de trabalhadores); quando o fascista procura se evidenciar, recorrendo a toda a espécie de chavões, pergunte-se a ele, em público, com calma e serenidade, apenas isto:

O que você faz, na prática, para alimentar esta nação, sem arruinar outras nações? O que você faz, como médico, contra as doenças crônicas; como educador, pelo bem-estar das crianças; como economista, contra a pobreza; como assistente social, contra o cansaço das mães de prole numerosa; como arquiteto, pela promoção da higiene habitacional? E agora, em vez da conversa fiada de costume, dê respostas concretas e práticas, ou, então, cale-se!”

“A queda da nossa civilização é inevitável se os trabalhadores, os cientistas de todos os ramos vivos (e não mortos) do conhecimento e os que dão e recebem o amor natural, não se conscientizarem, a tempo, da sua gigantesca responsabilidade.” Já era então…

“O impulso vital pode existir sem o fascismo, mas o fascismo não pode existir sem o impulso vital. É como um vampiro sugando um corpo vivo”

“quem compreende as funções vitais no animal, na criança recém-nascida, quem conhece o significado do trabalho dedicado, seja ele um mecânico, pesquisador ou artista, deixa de pensar por meio de conceitos que os manipuladores de partido espalharam por este mundo.”

“Depende do grau de insolência do intruso e não de mim ou do meu trabalho, eu ter que usar a força para proteger dos intrusos o meu trabalho sobre a vida.”

A Psicologia de Massas do Fascismo foi pensada entre 1930 e 1933, anos de crise na Alemanha. Foi escrita em 1933 e publicada em setembro de 1933, na Dinamarca,¹ onde foi reeditada em abril de 1934.

[¹ Ver referência no último capítulo.]

Desde então, passaram-se 10 anos. Pela revelação da natureza irracional da ideologia fascista muitas vezes esta obra recebeu aplausos demasiado entusiastas e sem embasamento num verdadeiro conhecimento, vindos de todos os setores políticos, aplausos esses que não levaram a nenhuma ação apropriada. Cópias do livro — às vezes sob pseudônimos — atravessaram, em grande número, as fronteiras alemãs. A obra foi acolhida com júbilo pelo movimento revolucionário ilegal, na Alemanha. Durante anos, serviu como fonte de contato com o movimento antifascista alemão.”

Apenas os partidos socialistas, que viam tudo sob o ângulo da economia, e os funcionários assalariados do partido, que controlavam os órgãos do poder político, não lhe encontraram qualquer utilidade até hoje. Por exemplo, os dirigentes dos partidos comunistas da Dinamarca e Noruega criticaram-na violentamente, considerando-a <contra-revolucionária>. Por outro lado, é significativo que a juventude de orientação revolucionária pertencente a grupos fascistas tenha compreendido a explicação da natureza irracional da teoria racial, dada pela economia sexual.”

“Já não pegava neste livro há muitos anos. Quando, depois, comecei a corrigi-lo e a ampliá-lo, fiquei surpreso com os erros de reflexão que eu havia cometido, 15 anos antes, com as profundas revoluções do pensamento que haviam ocorrido e com as exigências que a superação do fascismo haviam imposto à ciência.” E provavelmente seu livro seria bem diferente hoje…

“É um elogio para a Psicologia de Massas do Fascismo o pedido de reedição, 10 anos depois de ter sido escrita. Disso não se pode gabar nenhum escrito marxista de 1930 cujo autor tenha condenado a economia sexual.”

“As organizações socialistas e comunistas, não obstante os protestos dos seus militantes, proibiram a distribuição das publicações da Editora para Política Sexual (SEXPOL), no ano de 1932, em Berlim. Ameaçaram me matar logo que o marxismo alcançasse o poder na Alemanha.” “A minha expulsão de ambas as organizações baseou-se no fato de eu ter introduzido a sexologia na sociologia, e ter demonstrado como ela afeta a formação da estrutura humana. (…) Os escritos de economia sexual eram apreendidos na fronteira soviética do mesmo modo que os milhares de refugiados que procuraram salvar-se do fascismo alemão; não há argumentos válidos que justifiquem isso.”

“O conhecimento biológico da economia sexual havia sido comprimido dentro da terminologia marxista comum como um elefante numa toca de raposa. Já em 1938, quando revia o meu livro sobre a juventude, observei que, decorridos 8 anos, todos os termos da economia sexual tinham conservado o seu significado, enquanto as palavras de ordem dos partidos, que eu incluíra no livro, se tinham esvaziado de sentido. O mesmo aconteceu com a 3ª ed. de Psicologia de Massas do Fascismo.”

“Os partidos marxistas da Europa fracassaram e conheceram o declínio (não digo isso com prazer), por terem tentado enquadrar um fenômeno essencialmente novo, como é o fascismo do século XX, em conceitos apropriados ao século XIX. Foram derrotados como organização social porque não souberam manter vivas e desenvolver as possibilidades vitais que cada teoria científica encerra.”

“Sendo médico, tive muito mais possibilidade de conhecer o trabalhador internacional e seus problemas do que qualquer político partidário. O político não vê mais do que a <classe operária>, em quem pretende <infundir consciência de classe>. Eu, pelo contrário, via o homem como uma criatura que vinha se sujeitando à dominação das piores condições sociais, condições que ele próprio criara, que já faziam parte integrante do seu caráter, e das quais procurava, em vão, se libertar. O abismo intransponível que separa a visão puramente econômica da visão biossociológica.”

“não existe hoje um único partido que se possa considerar herdeiro e representante vivo do patrimônio científico do marxismo, quando se trata de fatos reais do desenvolvimento sociológico e não de meros chavões que já não correspondem ao seu conteúdo original.”

“Sei, por experiência própria, que serão precisamente os <únicos representantes da classe operária> e os atuais e futuros <dirigentes do proletariado internacional> que combaterão esta ampliação do conceito social de trabalhador, acusando-o de <fascista>, <trotskista>, <contra-revolucionário>, <inimigo do partido>, etc. Organizações de trabalhadores que expulsam negros e praticam o hitlerismo não merecem ser considerados como fundadoras de uma sociedade nova e livre. É quando o <hitlerismo> não é exclusivo do partido nazi ou da Alemanha; ele penetra nas organizações de trabalhadores e nos círculos liberais e democráticos.”

“Assim como o conceito de energia sexual se perdeu dentro da organização psicanalítica, vindo a reaparecer, com uma força nova, na descoberta do orgone, também o conceito do trabalhador internacional perdeu o sentido nas práticas dos partidos marxistas, reaparecendo no âmbito da sociologia da economia sexual.” “A sociologia baseada na economia sexual resolve a contradição que levou a psicanálise a esquecer o fator social e o marxismo a esquecer a origem animal do homem.”Engels ficaria puto com Reich!

“As palavras <proletário> e <proletariado> foram cunhadas há mais de 100 anos para designar uma classe social destituída de direitos e mergulhada na miséria. É certo que ainda hoje existem tais categorias, mas os bisnetos dos proletários do século XIX se tornaram trabalhadores industriais especializados, altamente qualificados, indispensáveis e responsáveis, que têm consciência de sua capacidade. O termo <consciência de classe> é substituído por <consciência profissional> ou <responsabilidade social>.”

“O marxismo do século XIX limitava a <consciência de classe> ao trabalhador manual. Mas os outros trabalhadores, de profissões indispensáveis, eram contrapostos ao <proletariado> e designados como <intelectuais> ou <pequeno-burgueses>. Esta justaposição esquemática, hoje inaplicável, desempenhou um papel muito importante no triunfo do fascismo na Alemanha. (…) Esta [nossa] nova concepção vem preencher uma lacuna que contribuiu largamente para a atomização da sociedade humana trabalhadora e, conseqüentemente, levou ao fascismo tanto preto quanto vermelho.”

“Há capitalistas liberais e trabalhadores reacionários. O caráter não conhece distinções de classe. (…) Esta alteração foi forçada pela peste fascista. O materialismo dialético, cujos princípios foram desenvolvidos por Engels no Anti-Dürhring, transforma-se em funcionalismo energético. (…) A sociologia e a psicologia adquiriram, assim, uma sólida base biológica, o que não pôde deixar de exercer influência sobre o pensamento. (…) Assim, o termo marxista <consciência> foi substituído por <estrutura dinâmica>, <necessidade> por <processos instintivos orgonóticos>, <tradição> por <rigidez biológica e caracterológica>, etc.”

“O conceito marxista de propriedade privada não se aplicava às camisas, calças, máquinas de escrever, papel higiênico, livros, camas, seguros, residências, propriedades rurais, etc. Esse conceito referia-se exclusivamente à propriedade privada dos meios sociais de produção, isto é, aqueles que determinam o curso geral da sociedade; em outras palavras, estradas de ferro, centrais hidráulicas e elétricas, minas de carvão, etc.” “Na Rússia Soviética, tida como bastião do marxismo, nada há que se pareça com a <socialização dos meios de produção>.”

“[O fascismo remonta à tirania milenar] (…) é tão impossível superar a peste fascista com as medidas sociais adotadas nos últimos 300 anos como enfiar um elefante (6 mil anos) numa toca de raposa (300 anos).”

* * *

GLOSSÁRIO

“BIONS. Vesículas que representam as fases de transição entre substância não-viva e substância viva. Desenvolvem-se constantemente na natureza, por um processo de desintegração de matéria orgânica e inorgânica, que pode ser reproduzido experimentalmente. Os bions estão carregados de energia orgânica e transformam-se em protozoários e bactérias.” [!]

“BIOPATIA. Distúrbio resultante da perturbação da pulsação biológica em todo o organismo. Abrange todos os processos de doença que perturbam o aparelho autônomo da vida. O mecanismo central é um distúrbio na descarga da excitação biossexual.”

“ECONOMIA SEXUAL. Este conceito se refere ao modo de regulação da energia biológica ou, o que é praticamente o mesmo, da economia da energia sexual do indivíduo. Economia sexual é o modo como o indivíduo lida com a sua energia biológica — que quantidade reserva e que quantidade descarrega orgasticamente. Os fatores que influenciam este modo de regulação são de natureza sociológica, psicológica e biológica. (…) Este conceito caracteriza o trabalho de Reich desde a época em que refutou a filosofia cultural de Freud até a descoberta do orgone, a partir da qual preferiu o termo <orgonomia>, ciência da Energia Vital.”

“ENERGIA ORGÔNICA. Energia Cósmica Primordial; está presente em tudo e pode ser observada visualmente, [!!] termicamente, eletroscopicamente e por meio de contadores Geiger-Müller. No organismo vivo: Bioenergia, Energia Vital. Descoberta por Wilhelm Reich entre 1936 e 40.”

“SEXPOL. Nome da organização alemã que se ocupava das atividades de política sexual de massas.”

* * *

I. A IDEOLOGIA COMO FORÇA MATERIAL

“o fascismo era um fenômeno que Marx e Engels não conheceram e que Lenin só vislumbrou nos seus princípios.”

“não se levou em conta o papel das classes médias baixas até pouco tempo antes da subida de Hitler ao poder.”

“este marxismo banalizado afirmava que uma crise econômica como a de 1929-33 tinha uma tal proporção que conduziria necessariamente a uma orientação ideológica esquerdista das massas por ela atingidas.” “Disso resultou uma clivagem entre a base econômica, que pendeu para a esquerda, e a ideologia de largas camadas da sociedade, que pendeu para a direita. Esta clivagem foi ignorada, o que impediu que se perguntasse como era possível que as largas massas se tornassem nacionalistas num período de miséria. Palavras como <chauvinismo>, <psicose>, <conseqüências de Versalhes> não explicam a tendência da classe média para a direita radical em períodos de crise, porque não apreendem efetivamente os processos envolvidos nessa tendência.”

“o fascismo, nas suas origens e no começo da sua transformação em movimento de massas, combatia principalmente a classe média alta

“Quem ainda depositava esperanças numa saída revolucionária para a prevista Segunda Guerra Mundial, que a essa altura já havia sido deflagrada, e confiava em que as massas populares utilizariam contra o inimigo interno as armas que lhes entregavam, não seguira atentamente a evolução da nova técnica de guerra. Não se podia simplesmente rejeitar o raciocínio de que o armamento de largas massas seria muito improvável na próxima guerra. [a segunda ou a terceira?] De acordo com esta concepção, a luta seria dirigida contra as massas desarmadas dos grandes centros industriais e conduzida por técnicos de guerra selecionados e de toda confiança.”

“Foram exatamente as massas reduzidas à miséria que contribuíram para a ascensão do fascismo, expoente da reação política.”

“Era a seguinte a composição das classes na Alemanha, de acordo com o estudo de Kunik, Tentativa de Estudo da Estrutura Social da População Alemã, Die Internationale, Lenz (ed.), Internationaler Arbeitërverlag, 1931:”

ALEMANHA em 1928: Perfil demográfico do trabalhador em classe social e gêneroTrabalhadores remunerados (ativos)Remunerados + família (ativos + nº de dependentes econômicos)
Proletários no senso clássico do marxismo (operários industriais)(a)21.789.00040.700.000 – Relação de 1,15:1 (*)
Classe média urbana6.157.00010.700.000 – Relação de 1,35:1 (**)
Classe baixa e média rurais (camponeses)6.598.0009.000.000 – Relação de 2,74:1 (***)
Burguesia (campo + cidade)718.0002.000.000 – Relação de 0,56:1 (****)
Donas-de-casa35.262.000 (*****)N.A.
TOTAL POPULACIONAL62.400.000
Tabela (com alterações didáticas) extraída da página 32 da minha edição de REICH, Psicologia de Massas do Fascismo.

(*) Subentende-se que um só operário do segundo setor mal conseguia sustentar-se a si e à esposa desempregada, e que vivia em situação de miséria caso tivesse filhos sem idade para trabalhar. E que um casal em que ambos trabalhassem teria imensas dificuldades para sustentar uma família de 4 membros (2 adultos ativos + 2 filhos), estando em situação literal de miséria caso possuísse prole maior (3+ filhos).

(**) No estrato da classe dos profissionais liberais ou empregados públicos, p.ex., a situação era menos opressiva, em termos de quantidade de pessoas ativas que sustentavam membros inativos ou desempregados da família, além do nível salarial garantir uma melhor qualidade de vida; mesmo assim, a porcentagem economicamente ativa não superava 54% intra-classe.

(***) No campo o desemprego é bem menor; a renda individual também, relativamente. Parcela populacional em recessão demográfica, não-afetada diretamente pela miséria dos centros urbanos, mas sem poder de mobilização política. Se este número estiver correto, contraria o lugar-comum de que no campo as famílias são mais numerosas. Ou talvez os filhos abandonassem a casa paterna muito cedo.

(****) Primeira relação de muito menos ativos (proprietários, a dizer verdade) que famílias inteiras (ativos + inativos); o desemprego nesta faixa não é de relevo, pois as famílias são folgadamente sustentadas pelo capital dos chefes-de-família ativos. Um pai sustentava bastante bem uma esposa desocupada e 2 filhos sem trabalho, mantendo o luxo e o conforto do lar. No entanto, estamos falando de somente 3% da população.

(*****) Mais da metade da população eram donas-de-casa que precisavam ter uma fonte de renda para complementar a da família (trabalho remunerado em meia-jornada + trabalho servil-doméstico, tradicionalmente reservado à mulher), não importando a classe ou meio (cidade, campo, proletariado, classe média). A burguesa, via de regra, não trabalhava.

(a) Segundo o marxismo ortodoxo, mais de 65% da população alemã pertenciam à classe revolucionária, o que seria basicamente afirmar que, numa sociedade em que 1/33 era explicitamente o explorador da mão-de-obra proletária e o demais 1/3 da população se dividia entre profissionais liberais (não-burgueses, não-pobres) e camponeses (pobres ou relativamente abastados, mas destituídos de consciência revolucionária e fora do jogo de forças políticas), de forma mais ou menos equilibrada (com leve preponderância da classe média urbana), que deveriam, ao fim, ser o fiel da balança, sendo convertidos à causa socialista ou defendendo a burguesia – classe esta que lhes nega formalmente a ascensão social –, era de se esperar, de um marxismo atuante e diligente, que o estado deplorável da economia do país e a preponderância numérica da população proletária (e dos não-proprietários ainda maior) em relação à classe dominante conduziriam em não muito tempo a uma vitória comunista na Alemanha empobrecida pós-Primeira Guerra Mundial.

“Muitos empregados da classe média podem ter votado em partidos de esquerda, e, do mesmo modo, operários podem ter votado em partidos de direita, mas é evidente que os números que calculamos para a distribuição ideológica revelam uma correspondência aproximada com os resultados eleitorais de 1932: comunistas e social-democratas, juntos, receberam de 12 a 13 milhões de votos, enquanto o Partido Nacional-Socialista e os nacionalistas alemães alcançaram, juntos, 19 a 20 milhões de votos. Isto significa que, na prática política, é decisiva a distribuição ideológica e não a econômica. Vê-se, assim, que a classe média baixa desempenha um papel político mais importante do que lhe foi atribuído.

No período de rápido declínio da economia alemã (1929-32), dá-se a grande ascensão do Partido Nacional-Socialista, de 800 mil votos em 1928 para 6.4 milhões no outono de 30, 13 milhões no verão de 32 e 17 milhões em janeiro de 1933. Segundo cálculos de Jaeger (Hitler, Roter Aufbau, 1930), dos 6.400.000 votos recebidos pelos nacional-socialistas, cerca de 3 milhões eram de trabalhadores, dos quais 60% a 70% eram empregados e 30% a 40%, operários.”

“Em meu entender, quem compreendeu com maior clareza a problemática deste processo sociológico foi Karl Radek, que, já em 1930, depois do primeiro sucesso do Partido Nacional-Socialista, escrevia:

Não se conhece nada de semelhante na história da luta política, especialmente num país de diversificação política antiga, em que cada novo partido tem de lutar duramente para ganhar um lugar entre os partidos tradicionais. Nada é tão característico como o fato de nem a literatura burguesa nem a literatura socialista dizerem uma palavra sobre este partido que vem ocupar o segundo lugar na vida política alemã.”

“O que causa essa clivagem entre os 2 fatores, ou seja, o que impede a correspondência entre situação econômica e estrutura psíquica das massas populares?”

“Na realidade, o marxismo comum se recusa a compreender a estrutura e a dinâmica da ideologia, rejeitando-a como <psicologia> que não é considerada <marxista>; deste modo, deixa o tratamento do fator subjetivo — a chamada <vida psíquica> na história — totalmente entregue ao idealismo metafísico da reação política nas mãos de personagens como Gentile e Rosenberg, que responsabilizam exclusivamente a <alma> e o <espírito> pelo curso da história, obtendo, por estranho que pareça, grande sucesso com suas teses.” “O marxismo comum simplesmente nega, em vez de fazer uma crítica construtiva, e considera-se <materialista> ao rejeitar fatos como <pulsão>, <necessidade> ou <processo interno> como sendo <idealistas>.” “quanto mais ele nega a psicologia, mais ele se vê praticando o psicologismo metafísico ou coisas piores, como o coueísmo.¹ Por exemplo, ele tentará explicar uma situação histórica com base na <psicose hitleriana> ou tentará consolar as massas, persuadindo-as a não perder a fé no marxismo, assegurando-lhes que, apesar de tudo, o processo avança, que a revolução não pode ser esmagada, etc.”

¹ Wiki: “Émile Coué (Troyes, França, 26 de fevereiro de 1857 – Nancy, França, 2 de julho de 1926) foi um notável psicólogo, farmacêutico e esperantista que criou um método de psicoterapia baseado na autossugestão.” [!!]

“Quando existe uma especialização no estudo dos processos psíquicos típicos e comuns a uma categoria, classe, grupo profissional, etc., excluindo diferenças individuais, então temos a psicologia de massas.”

“Marx não pôde desenvolver uma sociologia do sexo porque não existia então a sexologia. Trata-se agora de incluir no edifício das ciências sociais não só as condições econômicas, mas também as condições de economia sexual, de modo a eliminar a hegemonia dos místicos e dos metafísicos neste domínio.”

“como é possível uma teoria produzir um efeito revolucionário?”

“a <ideologia> evolui mais lentamente do que a base econômica.” Wilhelm Reich

Eis uma lei sociológica. Com quantos Steve Jobs já não nos brindou o século XX, ao passo que ainda não emergiu nenhuma nova forma política após o fascismo, último avatar anti-capitalista (pós-socialismo)? E nem surgirá – o próprio fascismo estava em Platão, claramente ligado à tirania das massas e dos demagogos. Mas ainda nos depararemos com muitas formas novas de crescimento econômico e consumismo, com que sequer podemos sonhar. Seria mais digno dizer “com que meus netos nem poderiam sonhar, mas que irão utilizar mais tarde”. Eu – eu não poderia nem compreender tal forma, na minha velhice – só poderia transmitir essa idéia com um exemplo atual se me imaginasse um ancião centenário nos anos 1990 que se deparasse com o fenômeno da internet…

Na Rússia a ideologia deu um grande salto entre 1905 e 1917, mas estacionou ali – em 1990 poderíamos dizer que a base econômica, ainda que lerda, já a havia ultrapassado. E, na realidade, o devir sociológico do povo russo regrediu. O Japão parece o perfeito contrário, a síntese da lei de Reich. Não se prevê nem se concebe o dia em que a ideologia do povo japonês poderá alcançar sua robótica pirotécnica, seu nonsense cultural esquizofrênico que é quase uma loucura coletiva intergeracional integrada ao mercado! Lolis na terra dos samurais… Bonecas infláveis que namoram universitários que não têm tempo para se masturbar enquanto se estressam tentando atingir notas de corte, nada do que é retratado em sua ficção-para-exportação. Bonsai que coexistem com prédios de base plástica, molar, que esperam o próximo terremoto de 8 pontos como o brasileiro espera o próximo assalto à lotérica…

“A inibição moral da sexualidade natural na infância, cuja última etapa é o grave dano da sexualidade genital da criança, torna a criança medrosa, tímida, submissa, obediente, <boa> e <dócil>, no sentido autoritário das palavras. Ela tem um efeito de paralisação sobre as forças de rebelião do homem, porque qualquer impulso vital é associado ao medo; e como sexo é um assunto proibido, há uma paralisação geral do pensamento e do espírito crítico. Em resumo, o objetivo da moralidade é a criação do indivíduo submisso que se adapta à ordem autoritária, apesar do sofrimento e da humilhação. Assim, a família é o Estado autoritário em miniatura, ao qual a criança deve aprender a se adaptar, como uma preparação para o ajustamento geral que será exigido dela mais tarde. A estrutura autoritária do homem é basicamente produzida — é necessário ter isto presente — através da fixação das inibições e medos sexuais na substância viva dos impulsos sexuais.”

“A inibição moral, anti-sexual, impede a mulher conservadora de tomar consciência da sua situação social, e liga-a tão fortemente à Igreja, quanto mais esta a faz temer o <bolchevismo sexual>.”

“o efeito produzido pelo militarismo baseia-se num mecanismo libidinoso: o efeito sexual do uniforme, o efeito erótico do passo de ganso executado ritmicamente, o caráter exibicionista da parada militar, tudo isto é, na prática, muito mais facilmente compreendido por uma balconista ou secretária do que pelos nossos sábios políticos.”

II. IDEOLOGIA AUTORITÁRIA DA FAMÍLIA NA PSICOLOGIA DE MASSAS DO FASCISMO

“Hitler acentuou em várias passagens da sua obra Mein Kampf que a tática certa, em psicologia de massas, consistia em prescindir da argumentação, apontando às massas apenas o <grandioso objetivo final>.”

“o êxito de Hitler não pode ser explicado pelo seu papel reacionário na história do capitalismo, pois este, se tivesse sido claramente apresentado na propaganda, teria obtido resultados opostos aos desejados.” “Somente quando a estrutura de personalidade do führer corresponde às estruturas de amplos grupos um <führer> pode fazer história.” “Milhões de pessoas apoiaram a sua própria opressão, o que representa uma contradição que só pode ser explicada de um ponto de vista de psicologia de massas, e não de um ponto de vista político ou econômico.”

“na primavera de 1933, quando queria conquistar os trabalhadores da indústria, a propaganda acentuou o caráter revolucionário do movimento nazi, e <festejou-se> o 1° de maio, depois de se ter dado satisfação à aristocracia em Potsdam.”

“por que motivo [as massas] não descobririam que Hitler simultaneamente prometia a expropriação dos meios de produção, quando se dirigia aos trabalhadores, e dava garantias contra a expropriação, quando se dirigia aos capitalistas?”

“A estrutura pessoal e a história de vida de Hitler não são relevantes para a compreensão do nacional-socialismo. Mas é interessante notar que a origem da classe média baixa nas suas idéias coincidia, nos traços essenciais, com as estruturas de massas que avidamente aceitaram essas idéias.”

a grande pequeno-burguesia

“Hitler era filho de um funcionário público. (…) O pai tinha-o destinado à carreira de funcionário público, mas ele se revoltou contra este plano paterno, e decidiu não lhe obedecer <em circunstância alguma>; assim se tornou pintor e empobreceu.”

“A revolta contra a autoridade, acompanhada de respeito e submissão, é uma característica básica das estruturas da classe média, desde a puberdade até a idade adulta”

“Hitler falava da mãe com sentimentalismo. Costumava dizer que a única vez que chorara na vida fôra por ocasião da morte da mãe. A sua rejeição ao sexo e a idolatria neurótica da maternidade são claramente explicadas pela teoria da raça e da sífilis

“No início, Hitler simpatizava com a social-democracia, porque esta conduzia a luta pelo sufrágio universal, e isso podia levar a um enfraquecimento do odiado <domínio dos sifilíticos Habsburgo>. Mas repugnava-lhe a ênfase dada pela social-democracia às diferenças de classe, à negação da nação, da autoridade estatal, do direito de propriedade privada dos meios sociais de produção, da religião e da moral.”

Bismarck tornou-se o seu ídolo, por ter realizado a unificação da nação alemã e por ter lutado contra a dinastia austríaca. O antissemita Lueger e o nacionalista alemão Schönerer contribuíram decisivamente para a evolução posterior de Hitler. A partir daí, seu programa se baseou nos objetivos nacional-imperialistas que ele pensava alcançar por meios diversos, mais adequados do que os empregados pelo velho nacionalismo <burguês>. A escolha desses meios resultou do reconhecimento da força do marxismo organizado e do reconhecimento da importância das massas para qualquer movimento político.”

…Só quando à visão de mundo internacional — dirigida politicamente pelo marxismo organizado — se opuser uma visão de mundo local, organizada e conduzida com igual unidade, implicando uma energia de luta igual de ambas as partes, o sucesso se voltará para o lado da verdade eterna.

Mein Kampf, p. 384.

Uma visão de mundo só pode combater e triunfar sob a forma limitada e, por isso, integradora de uma organização política, e não numa liberdade ilimitada para interpretar uma visão geral.

MK

Os partidos <burgueses>, como a si próprios se designam, nunca mais conquistarão para as suas fileiras as massas <proletárias>, pois trata-se de dois mundos opostos, em parte natural, em parte artificialmente, que só se podem relacionar entre si através da luta. Mas triunfará o mais jovem — que é o marxismo.

…o estado de espírito do povo sempre foi uma simples descarga daquilo que se foi incutindo na opinião pública a partir de cima

“não devemos esquecer que o movimento nacional-socialista, na sua primeira arrancada vitoriosa, apoiou-se em largas camadas das chamadas classes médias, isto é, os milhões de funcionários públicos e privados, comerciantes de classe média e de agricultores de classe média e baixa. Do ponto de vista da sua base social, o nacional-socialismo foi sempre um movimento da classe média baixa, onde quer que tenha surgido: na Itália ou na Hungria, na Argentina ou na Noruega. Esta classe média baixa, que anteriormente estava ao lado das várias democracias burguesas, sofreu, necessariamente, uma transformação interna, responsável pela sua mudança de posição política. A situação social e a correspondente estrutura psicológica da classe média baixa explicam tanto as semelhanças essenciais como as diferenças existentes entre as ideologias dos fascistas e da burguesia liberal.”

“Na mais grave crise econômica jamais atravessada pelo sistema capitalista (1929-32), a classe média, representando a causa do nacional-socialismo, tomou o poder político e impediu a reconstrução revolucionária da sociedade.” “Se não tivesse feito a promessa de lutar contra a grande empresa, Hitler nunca teria ganho o apoio das classes médias. (…) as autoridades foram forçadas a tomar medidas anticapitalistas, que depois tiveram de abandonar, sob a pressão da grande empresa.”

“Aqueles que negam ou não apreciam devidamente a função da base de massas do fascismo surpreendem-se perante o fato de que a classe média, não possuindo os principais meios de produção nem trabalhando neles, não pode ser uma força motriz permanente na história e, por isso, oscila invariavelmente entre o capital e os trabalhadores. Esses mesmos não percebem que a classe média pode ser e é <uma força motriz na história>, se não permanentemente, pelo menos temporariamente como provam o fascismo italiano e o alemão.”

“Entre 1933 e 1942, assistiu-se ao seguinte paradoxo: o fascismo conseguiu superar o internacionalismo revolucionário social como movimento internacional. Os socialistas e os comunistas estavam tão certos do progresso do movimento revolucionário em relação ao progresso da reação política, que cometeram suicídio político, embora motivados pela melhor das intenções.”

DOS AGUIAR AOS VASCONCELOS, SEMPRE COM DEUS NO MEIO: “A classe média tem, em virtude da estrutura do seu caráter, uma força social extraordinária que em muito ultrapassa a sua importância econômica. É a classe que retém e conserva, com todas as suas contradições, nada mais nada menos do que vários milênios de regime patriarcal.”

“A posição social da classe média é determinada: a) pela sua posição no processo de produção capitalista; b) pela sua posição no aparelho de Estado autoritário; e c) pela sua situação familiar especial, que é conseqüência direta da sua posição no processo de produção, constituindo a chave para a compreensão de sua ideologia. A situação econômica dos pequenos agricultores, dos burocratas e dos empresários de classe média não é exatamente a mesma, do ponto de vista econômico, mas caracteriza-se por uma situação familiar idêntica nos seus aspectos essenciais.”

<A classe média nada tem a esperar deste sistema, a não ser a aniquilação. Esta é a questão: ou todos nos afundamos na grande tristeza cinzenta do proletarianismo onde todos teremos o mesmo — isto é, nada — ou então a energia e a aplicação poderão colocar o indivíduo na situação de adquirir propriedade por meio do trabalho árduo. Classe média OU proletariado! Esta é a questão.>

Estas advertências foram feitas pelos nacionalistas alemães antes das eleições para a presidência, em 1932. Os nacional-socialistas não foram tão estúpidos, tiveram o cuidado de não criar um hiato muito grande entre a classe média e os trabalhadores da indústria, na sua propaganda, e esta tática lhes proporcionou um êxito maior.”

Não faremos depender as relações germano-americanas de uma loja de miudezas[,] ligada ao destino das lojas Woolworth¹ em Berlim… a existência de tais empresas encoraja o bolchevismo… Elas destroem muitas pequenas empresas. Por isso não as aprovaremos, mas pode ter a certeza de que as suas empresas na Alemanha² não serão tratadas de modo diverso do que as empresas alemãs do mesmo tipo.

H., em entrevista a jornalista americano

¹ Rede de varejo que sobreviveu com este nome até os  anos 80. Iniciadora das práticas de R$1,99 (five-and-dime) já no séc. XIX. Ou seja, uma multinacional estadunidense encorajaria o comunismo, quando em solo alemão!

² Com certeza se refere às verdadeiras multinacionais, as corporações gigantescas que realmente interessam em escala global. ISSO é capitalismo – para vocês, gringos – e NOSSA PROSPERIDADE, para nós, alemães, queria dizer H.

“Depois da subida ao poder, nos meses de março e abril, verificou-se um saque maciço dos grandes armazéns, que logo foi freado pela direção do Partido Nacional-Socialista (proibição de intervenções autocráticas na economia, dissolução de organizações da classe média, etc.)” Como sempre, só o microempreendedor se fodeu. Nada de adquirir propriedade com trabalho árduo. Classe média é proletariado.

“As dívidas privadas aos países estrangeiros sobrecarregavam muitíssimo a classe média. Mas, enquanto Hitler era a favor do pagamento das dívidas privadas, porque, em política externa, dependia do cumprimento das exigências estrangeiras, os seus adeptos exigiam a anulação dessas dívidas. A classe média baixa revoltou-se, pois, <contra o sistema>, que ela entendia ser o <regime marxista> da social-democracia.” Odeie o mundo, mas primeiro chame-o de “meu loro”, i.e., comunismo.

“Mas, por mais que essas camadas da classe média baixa tentassem se organizar, numa situação de crise, o certo é que a concorrência econômica entre as pequenas empresas impedira que se desenvolvesse um sentimento de solidariedade comparável ao dos trabalhadores das indústrias. (…) Contudo, o movimento fascista provocou a união da classe média baixa.” Todos com a camisa da seleção exaltando o pato da FIESP: os vizinhos, eternamente estranhos e hostis entre si, finalmente se viram como uma grande família unida contra os vermelhos, Lula, a corrupção, enfim, todos os males saídos da caixa de Pandora…

Ladrão que rouba ladrão só aumenta da crise a proporção.

“O funcionário público encontra-se, geralmente, numa posição econômica inferior à do trabalhador industrial especializado; esta posição inferior é parcialmente compensada pelas pequenas perspectivas de fazer carreira e, especialmente no caso do funcionário público, pela pensão vitalícia. Extremamente dependente da autoridade governamental, esta camada desenvolve um comportamento competitivo entre colegas [muito desta verdade se tornou ultrapassada], que é contrário ao desenvolvimento da solidariedade.”

“total identificação com o poder estatal” A suposta doença do func. púb. Restaria tentar entender por que, no nosso caso, alguém gostaria de se identificar com (quem pelo menos prega) o desmame das tetas do Estado, sua seiva, sua pátria-Mãe no sentido mais doméstico e pragmático do termo, seu pão de cada dia, seu leite e nutrição por toda sua eterna existência infantil e, ora ora, parasita (prevista em contrato, ou seja, de certa forma consentida, e não um ludibrio em que se oculta da ‘vítima’ uma verdade futura indesejável – pelo contrário, sabemos tudo sobre as ‘cegonhas’ e os ‘bichos-papões’, e estamos de acordo com todas as falácias que se propagam…). Desde que se diga que somos um parasita necessário e se nos dêem garantias para continuarmos a sê-lo, qual seria o problema, ocos de consciência que somos?! Todo remorso nesse caso é uma perda de tempo e dinheiro.

“Por que motivo não desenvolve o mesmo sentimento de solidariedade que o trabalhador industrial? Isso se deve à sua posição intermediária entre a autoridade e os trabalhadores manuais. Devendo obediência aos superiores, ele é simultaneamente o representante dessa autoridade diante dos que estão abaixo dele e, como tal, goza de uma posição moral (mas não material) privilegiada. O mais perfeito exemplo deste tipo psicológico é o sargento de qualquer exército.” Mais general que soldado, mais pé-rapado que cidadão, dependendo apenas de uma tela fina e dinâmica chamada contexto.

“A força desta identificação com o patrão está patente no caso de empregados de famílias aristocráticas, como mordomos, camareiros, etc., que se transformam completamente, num esforço para esconder sua origem assumindo as atitudes e a filosofia dominantes, aparecendo como caricatura das pessoas a quem servem.” “o indivíduo da classe média baixa acaba criando uma clivagem entre a sua situação econômica e a sua ideologia. A sua vida é modesta, mas tenta aparentar o contrário, chegando, freqüentemente, a tornar-se ridículo.”

“O fraque e a cartola tornam-se símbolos materiais desta estrutura do caráter. E poucas coisas são tão adequadas a uma primeira apreciação de um povo, do ponto de vista da psicologia de massas, do que a observação da sua maneira de vestir.” Brasileiros: uns pornógrafos.

“A adaptação dos hábitos da classe média baixa pelo trabalhador industrial na América confunde estes limites.” Agora explique a Psicologia de Massas do Fascismo do Cone-Sul.

“Descrevi, em outra parte, as dificuldades que o governo soviético teve de enfrentar na época da coletivização da agricultura; não foi apenas o <amor à terra>, mas essencialmente a relação familiar criada pela terra que deu origens a tantas dificuldades.”

A possibilidade de se preservar uma classe camponesa saudável como a base para toda uma nação nunca será suficientemente valorizada. Muitos dos nossos sofrimentos atuais são apenas conseqüências de uma relação pouco saudável entre a população urbana e a população rural. Uma sólida estirpe de pequenos e médios camponeses foi, em todos os tempos, a melhor proteção contra os males sociais que agora nos afetam. E é também a única solução para assegurar à nação o pão de cada dia dentro do circuito interno da economia.

MK

BODEN BODEN

“A propriedade rural era herança inalienável da família camponesa ancestral. Mas a introdução de leis não-nativas veio destruir a base legal desta constituição rural. Apesar disso, o camponês alemão, tendo um senso saudável da concepção básica de vida do seu povo, conservou, em muitas regiões do país, o saudável costume de transmitir, de geração para geração, a propriedade rural intacta.”

“Só o cidadão alemão de sangue alemão pode ser dono de uma propriedade hereditária. Não é de raça alemã quem tiver entre os seus antepassados varões, ou entre os restantes antepassados até a quarta geração, uma pessoa de origem judaica ou de cor. Todo teutônico é de sangue alemão de acordo com esta lei [todo alemão é alemão!]. O posterior matrimônio com pessoa não-pertencente à raça alemã impede os seus descendentes de serem donos de uma propriedade hereditária.”

A mulher significava tão pouco até a geração de Hitler que em 5 gerações uma judia se alemanizava, e em 1000 gerações um homem não se desjudeizaria…

“Que tendências se revelam nesta lei? Ela contrariava os interesses dos grandes proprietários agrícolas, que pretendiam absorver tanto as propriedades pequenas quanto as médias, criando, assim, uma divisão cada vez maior entre os proprietários de terras e o proletariado rural sem-terra. Mas a frustração desse intento foi amplamente compensada por outro poderoso interesse dos grandes proprietários agrícolas: o de conservar a classe média rural, que constituía a base de massas do seu poder. Não é apenas por ser dono de propriedade privada que o pequeno proprietário se identifica com o grande proprietário; isto por si significa muito. O que importa aqui é a preservação do clima ideológico dos pequenos e médios proprietários, isto é, o clima que existe nas pequenas empresas operadas por uma unidade familiar. Esse clima é conhecido por produzir os melhores combatentes nacionalistas e de imbuir as mulheres de fervor nacionalista. Isto explica porque a reação política está sempre falando na <influência do campesinato na preservação da moralidade>.”

“Assim, no seu esforço para se diferenciar do trabalhador, o homem da classe média urbana só pode apoiar-se na sua forma de vida familiar e sexual. Suas privações econômicas têm de ser compensadas por meio do moralismo sexual. No caso do funcionário público, esta motivação é o elemento mais importante de sua identificação com o poder. Uma vez que ele se encontra numa situação inferior à da classe média alta, mas mesmo assim se identifica com ela, é necessário que as ideologias sexuais moralistas compensem a insuficiência da situação econômica.”

“Ao comprar um cavalo, o camponês procura desvalorizá-lo por todos os meios. Mas se decide vendê-lo um ano depois, o mesmo cavalo então já é mais jovem, e melhor que na época da compra. O sentido do <dever> baseia-se em interesses materiais e não em características nacionais. Os bens próprios serão sempre os melhores, os alheios sempre os piores. A desvalorização do concorrente, a maior parte das vezes um ato desonesto, é instrumento importante do <negócio>. O comportamento dos pequenos comerciantes, a sua excessiva cortesia e submissão para com os clientes, são reveladores do jugo impiedoso da sua existência econômica, capaz de deformar o melhor dos caracteres.” “apesar de toda a hipocrisia, o êxtase derivado das noções de <honra> e <dever> é autêntico.”

O povo, na sua esmagadora maioria, tem natureza e atitude tão femininas que os seus pensamentos e ações são determinados muito mais pela emoção e sentimento do que pelo raciocínio. Esse sentimento não é complicado; pelo contrário, [sic] são muito simples e claros, Não há muitas nuanças; há sempre um positivo e um negativo; amor ou ódio, certo ou errado, verdade ou mentira, e nunca situações intermediárias ou parciais.

“Enquanto as mulheres, sob as influências da classe média baixa, criam uma atitude de resignação forçada por uma revolta sexual recalcada, os filhos criam, além da atitude submissa para com a autoridade, uma forte identificação com o pai, que forma a base da identificação emocional com todo tipo de autoridade. Ainda falta muito tempo para descobrir como é possível que a criação das estruturas psíquicas da camada básica da sociedade se adapte tão bem à estrutura econômica e aos objetivos das forças dominantes como as peças de um instrumento de precisão.”

I WIN: “Há, por um lado, a competição entre as crianças e os adultos e, por outro, com conseqüências muito mais abrangentes, a competição entre os filhos de uma família no relacionamento com seus próprios pais.”

“A fraqueza sexual tem como conseqüência uma diminuição da autoconfiança, que em alguns casos é compensada pela brutalização da sexualidade, e, em outros, por uma rigidez do caráter.” “concepções patológicas e altamente emocionais de honra e dever, coragem e autodomínio.”

“O ser humano genitalmente satisfeito é honrado, responsável, corajoso e controlado, sem disso fazer muito alarde. (…) Pelo contrário, o indivíduo genitalmente enfraquecido, afetado por contradições na sua estrutura sexual, tem de estar constantemente atento para controlar a sua sexualidade, para preservar a sua dignidade sexual, para resistir às tentações, etc.”

“Todos os adolescentes e crianças, sem exceção, conhecem a luta contra a tentação da masturbação. No decorrer desta luta, começam a desenvolver-se todos os elementos da estrutura do homem reacionário. É na classe média baixa que essa estrutura se revela mais desenvolvida e mais fortemente enraizada.”

“[nos] trabalhadores [da classe baixa], dado o seu modo de vida diferente do modo de vida da classe média baixa, as forças de afirmação sexual são muito mais pronunciadas e também muito mais conscientes. A consolidação afetiva destas estruturas por meio de uma ansiedade inconsciente e o seu disfarce por traços de caráter aparentemente assexuais tornam impossível atingir esses níveis profundos da personalidade apenas por meio de argumentos racionais.”

“Deve-se ter presente que os tipos de comportamento metafísico, individual e sentimental-familiar não são mais do que aspectos diferentes do mesmo processo de negação sexual, ao passo que o modo de pensar voltado para a realidade, não-místico, se identifica com relações familiares descontraídas e com uma atitude, no mínimo, de indiferença para com a ideologia sexual ascética.”

“É lícito perguntar por que motivo o trabalhador industrial é especialmente receptivo ao internacionalismo, ao passo que o trabalhador da classe média baixa revela tão marcadas tendências para o nacionalismo.” “A estranha recusa dos teóricos marxistas em considerar a existência familiar como fator de igual importância (no que diz respeito à consolidação do sistema social) ou até mesmo decisivo no processo de formação das estruturas humanas só pode ser atribuída às suas próprias ligações familiares. Nunca é demais acentuar o fato de que a relação familiar é a mais intensa e a mais fortemente afetiva.”

“A tendência da família numerosa da classe média baixa para a expansão econômica também reproduz a ideologia imperialista: <A nação precisa de espaço e de alimentos.>

“Quem não conseguiu superar a sua própria ligação à família e à mãe ou, pelo menos, não aclarou nem excluiu tal influência do seu julgamento, deve-se abster de estudar o processo de formação das ideologias. Quem classificar depreciativamente estes fatos como <freudianos> só conseguirá provar a sua cretinice científica. (…) Os erros são possíveis e reparáveis, mas a tacanhice científica é reacionária.”

Alguém bate com um chicote na face da tua mãe, ainda por cima agradeces! É um ser humano? Não, não é um ser humano, é um monstro! Quantas coisas piores não fez e continua a fazer o judeu à nossa mãe Alemanha!

Goebbels

“Especialmente o medo da <liberdade sexual>, que nas concepções do pensamento reacionário se confunde com o caos sexual e a dissipação, tem um efeito inibidor em relação ao desejo de libertação do jugo da exploração econômica.”

“A <proteção à família>, i.e., à família autoritária e numerosa, é o princípio básico de toda a política cultural reacionária. Isto se esconde, fundamentalmente, na expressão <proteção ao Estado, à cultura e à civilização>.”

“A afirmação de que o homem e a mulher são companheiros de trabalho só é válida do ponto de vista deste elemento da classe média baixa. Não se aplica aos operários. E também para o camponês só se aplica formalmente, pois a mulher do camponês é, na realidade, a sua criada.”

“Ele atrai todas as atitudes emocionais que foram num dado momento devidas ao pai, severo mas também protetor e poderoso (poderoso na visão da criança). Muitas vezes, conversando com militantes nacional-socialistas sobre a insustentabilidade e aspecto contraditório do programa do Partido Nacional-Socialista, era comum a resposta de que Hitler compreendia muito melhor tudo isso e <havia de conseguir tudo>. Aqui está claramente expressa a necessidade infantil da proteção do pai. Transpondo isto para a realidade social, é esta necessidade das massas populares da proteção de alguém que torna o ditador <capaz de conseguir tudo>. Esta atitude das massas populares impede a autogestão social, isto é, a autonomia e cooperação nacionais. Nenhuma democracia autêntica poderá ou deverá assentar sobre tal base.” “Esta tendência à identificação constitui a base psicológica do narcisismo nacional, isto é, a autoconfiança que cada homem individualmente retira da <grandeza da nação>. O indivíduo reacionário da classe média baixa descobre-se no führer, no Estado autoritário. A sua situação material e sexual miserável é escamoteada pela exaltação da idéia de pertencer a uma raça dominante e de ter um führer brilhante, de tal modo que deixa de perceber, com o passar do tempo, quão profundamente se deixou reduzir a uma posição insignificante de cega submissão.”

“a consciência internacional da própria capacidade opõe-se ao misticismo e ao nacionalismo. Isto de modo nenhum significa que o trabalhador liberado abandone a sua autoconfiança; é o indivíduo reacionário que, em época de crise, começa a sonhar com os <serviços à comunidade> [milícia limpa-ruas] e com a <prioridade do bem-estar coletivo sobre o bem-estar individual> [hm… hino nacional nas escolas? estou à caça de uma imagem mais forte, mas não encontro…].”

“Quando os psicanalistas pouco versados em sociologia pretendem explicar a revolução social como uma <revolta infantil contra o pai>, eles têm em mente o <revolucionário> que vem dos meios intelectuais; nesse caso, a afirmação é verdadeira. Mas o mesmo já não se aplica aos operários. A opressão das crianças pelo pai, longe de ser menor, é por vezes ainda mais brutal entre a classe trabalhadora do que entre a classe média baixa. Não é esta, portanto, a questão. O que distingue especificamente estas classes reside no seu modo de produção e na atitude em relação ao sexo que deriva desses modos de produção. (…) Na classe média baixa, vemos apenas a repressão da sexualidade.”

“Os pequenos agricultores são muito permeáveis à ideologia e à política reacionárias, em conseqüência da sua economia individualista e do seu grande isolamento familiar. Este é o motivo da clivagem que se verifica entre a situação social e a ideologia. Caracterizada pelo mais rígido sistema patriarcal e por uma moral correspondente, esta camada desenvolve, contudo, formas naturais — embora deformadas — na sua sexualidade. Tal como entre os operários industriais — em contraste com os trabalhadores da classe média baixa —, os jovens desse meio começam a ter relações sexuais bastante cedo. Mas, em conseqüência da severa educação patriarcal, a juventude revela perturbações ou tendências brutais; o sexo é praticado em segredo; é comum a frigidez das mulheres; assassinatos por motivo sexual e um ciúme violento, bem como a escravização da mulher, são fenômenos típicos entre os camponeses. Em parte nenhuma histeria é tão freqüente como no meio rural. O casamento patriarcal é o objetivo máximo da educação, ditado pela economia rural.”

“O operariado industrial do século XX não é o proletariado do século XIX referido por Karl Marx. Adotou, em larga extensão, as convenções e os pontos de vista das camadas burguesas da sociedade. É certo que a democracia burguesa formal não aboliu as fronteiras econômicas entre as classes, tal como não aboliu os preconceitos raciais. Mas as tendências sociais que ela permitiu surgir apagaram as fronteiras ideológicas e estruturais entre as várias classes sociais.”

“O fascismo penetra nos grupos de trabalhadores por 2 vias: o chamado lumpem proletariat (expressão contra a qual todos se insurgem), pela corrupção material direta; e a <aristocracia dos trabalhadores>, também por meio da corrupção material como pela influência ideológica. Na sua falta de escrúpulos políticos, o fascismo alemão prometeu tudo a todos.”

“a roupa melhor para os domingos, o estilo correto de dançar e outras mil banalidades acabam por exercer uma influência incomparavelmente mais reacionária quando repetidos dia após dia do que os efeitos positivos de milhares de discursos e panfletos revolucionários.”

“Os acontecimentos políticos ocorridos nos diversos países do mundo durante os últimos 30 anos mostraram claramente que é mais fácil verificarem-se movimentos revolucionários em países de fraco desenvolvimento industrial, como a China, o México ou a Índia, do que na Inglaterra, nos Estados Unidos e na Alemanha. Isto apesar dos movimentos de trabalhadores mais bem-treinados e organizados, herdeiros de velhas tradições, que existem nestes países. Pondo de lado a burocratização do movimento de trabalhadores, que é, em si mesma, um sintoma patológico, surge o problema do forte enraizamento do conservantismo na social-democracia e nos sindicatos nos países ocidentais. Do ponto de vista da psicologia de massas, a social-democracia apóia-se nas estruturas conservadoras dos seus adeptos.¹ Tal como no caso do fascismo, também aqui o problema está menos na política perseguida pelas lideranças partidárias do que na base psicológica dos trabalhadores.”

¹ Problema: a social-democracia é nosso último limite lógico e ao mesmo tempo um sistema político-econômico “vivível”, por assim dizer. Se a alternativa for simplesmente “social-democracia ou não”, evidentemente escolheremos a 1ª, pois não há qualquer possibilidade do 2º cenário ser melhor.

O PRETO TIROU SEU DIPLOMA PARA CHICOTEAR O PRÓPRIO LOMBO COM MAIS PRUMO (PTà‘NARO): “Tendo o movimento operário organizado conseguido impor algumas conquistas políticas e sociais, como a limitação do horário de trabalho, direito de voto, sistema de previdência social, isto se refletiu, por um lado, no fortalecimento da classe, mas, por outro lado, iniciou-se um processo oposto: à elevação do nível de vida correspondeu uma assimilação estrutural à classe média. Com a elevação da posição social das pessoas, <o olhar das pessoas voltava-se para cima>. Esta adoção dos hábitos da classe média intensificou-se em épocas de prosperidade mas o conseqüente efeito desta adaptação, em épocas de crise econômica, foi obstruir o desenvolvimento da consciência revolucionária.” Memento pauper.

“Ora, no momento em que o trabalhador social-democrata sofreu a crise econômica que o rebaixou ao status de coolie, o desenvolvimento de seu sentimento revolucionário foi afetado pelas décadas de conservadorismo. Ou permaneceu no terreno da social-democracia, apesar de toda a crítica e rejeição de suas políticas; ou então voltou-se para o Partido Nacional-Socialista, procurando uma melhor colocação.” “A desilusão com a social-democracia, aliada à contradição entre a miséria econômica e uma maneira de pensar conservadora, leva ao fascismo, se não houver organizações revolucionárias.”

“o governo social-democrata norueguês proibira desfiles de unidades militares. Mas, em 39, os fascistas noruegueses eram ainda os únicos que desfilavam nas ruas e faziam exercícios. A traição de Quisling¹ foi grandemente facilitada por esse <liberalismo>.”

¹ O idolozinho do Varg.

Rosa Luxemburgo defendia a opinião de que o combate revolucionário não era possível com coolies (Obras Completas, p. 647 do vol. 4 alemão). É lícito perguntar a que coolies se referia: aos de antes ou aos de depois da estruturação conservadora. Antes, lidávamos com um coolie que tinha uma obtusidade quase impossível de penetrar, mas também uma grande capacidade para a ação revolucionária; depois deparamo-nos com um coolie desiludido. Por quanto tempo poderá o fascismo utilizar em seu benefício a desilusão das massas com a social-democracia, e sua <revolta contra o sistema>?”

III. A TEORIA DA RAÇA

“o progresso e a seleção cessariam se os mais fracos, que são mais numerosos, conseguissem suplantar os seres superiores, que estão em desvantagem numérica.” O que já aconteceu desde que o tempo dos reis passou, sem conotação racial.

“Segundo Hitler, deve-se dividir a humanidade em 3 raças: as fundadoras da civilização, as portadoras da civilização e as destruidoras da civilização. A única raça fundadora de uma civilização seria a ariana, pois dela provêm <os alicerces e as muralhas das criações humanas>. Os povos asiáticos, como os japoneses e os chineses, que são portadores de civilização, ter-se-iam limitado a absorver a civilização ariana, adaptando-a a novas formas. Os judeus seriam, pelo contrário, uma raça destruidora de civilizações.” E por que quem fundou não pode destruir? Não há devir de uma raça?

“A primeira civilização humana foi baseada na utilização de raças humanas inferiores. Antes que fossem os cavalos a puxar a carroça, tinham-no feito os vencidos”

Se você decaiu, o problema é seu – é tarde para querer reascender: “logo que os vencidos começaram a utilizar a língua e a adotar o estilo dos <senhores>, e a nítida demarcação entre senhores e escravos se apagou, o ariano renunciou à pureza do seu sangue e perdeu <o seu lugar no paraíso>.” Não aceitamos trocas nem devoluções. aSSinado: Adão, O FarmaCELTICo

“os homens não sucumbem por perderem guerras, mas por perderem a capacidade de resistência”

“os teóricos da raça, que invocam uma lei biológica como base da sua teoria omitem o fato de que a seleção das raças nos animais é um produto artificial. Não interessa saber se o cão e o gato têm uma aversão instintiva ao cruzamento, mas sim se o cão pastor-alemão e o galgo-eslávico sentem a mesma aversão.

Os teóricos da raça, que são tão antigos quanto o próprio imperialismo, pretendem criar a pureza racial em povos nos quais, em conseqüência da expansão da economia mundial, a mistura das raças se encontra numa fase tão adiantada que tal pureza da raça só é concebível e aceitável por cérebros decadentes.”

“Interessa-nos particularmente o fato de Hitler falar de <incesto> para se referir ao cruzamento de um ariano com um não-ariano, [!!] quando, comumente, a palavra incesto é usada para a relação sexual entre pessoas ligadas pelo sangue. Como tamanho disparate pode ser exposto numa <teoria> que pretendia ser a base de um mundo novo, um <terceiro Reich>?”

“As concepções defendidas pela ditadura têm de ser inicialmente compreendidas a partir da base econômica de que provêm. Assim a teoria racial fascista e a ideologia imperialista têm uma relação concreta com os objetivos imperialistas de uma classe dominante que pretende solucionar dificuldades de natureza econômica.”

“Por vezes, o nacionalismo nem se encontra representado objetivamente no plano social, e muito menos pode ser identificado com pontos de vista raciais. Na antiga Áustria-Hungria, o nacionalismo não se identificava com a raça, mas sim com a <pátria> austro-húngara. Quando, em 1914, Bethmann-Hollweg fez um apelo <ao teutonismo contra o eslavismo>, logicamente deveria ter marchado contra a Áustria, Estado predominantemente eslavo. Disto se conclui que as condições econômicas em que surge uma ideologia explicam a sua base material, mas não proporcionam um conhecimento imediato do seu fundo irracional.”

“…a contaminação das massas pela sífilis, encontramo-la… nos nossos filhos. (…) Nas doenças dos filhos estão patentes os vícios dos pais.”

A moça, descrita por alguns estrangeiros conto sendo magra, delicada e extremamente bonita, apesar da cabeça raspada e do estado em que se encontrava, foi conduzida ao longo da fila de hotéis internacionais das proximidades da estação, através das ruas principais, cuja circulação se encontrava vedada pela multidão, e depois, de restaurante em restaurante. Era escoltada por soldados nazis e seguia-se uma multidão calculada, por observadores fidedignos, em cerca de 2000 pessoas. Tropeçou algumas vezes e os S.A. que a acompanhavam obrigavam-na sempre a voltar a ficar em pé, tendo-a por vezes levantado nos braços, para que os espectadores afastados a pudessem ver; nestas ocasiões, a multidão insultava-a e convidava-a, por zombaria, a fazer um discurso.

(…)

No peito e nas costas foram-lhe colocados cartazes com a seguinte inscrição: Eu, desavergonhada criatura, ousei permanecer sentada enquanto se tocava o canto Horst-Wessel, ofendendo assim as vítimas da revolução nacional-socialista.

Times, ago/33

“A concepção da <alma> e da sua <pureza> é o credo da assexualidade, da <pureza sexual>.”

“Segundo Rosenberg, os gregos teriam sido originariamente os representantes da raça nórdica pura.” “Os deuses do Oriente Próximo contrastam com estes deuses que simbolizam a pureza, o sublime e a religiosidade.” “Dionísio, deus do êxtase, da volúpia, da excitação, representaria a <intrusão da raça estrangeira dos etruscos e o começo da decadência do helenismo>.”

“O grande romantismo alemão sente, com o frêmito da veneração, que véus cada vez mais escuros encobrem os deuses luminosos do céu, e mergulha profundamente no instintivo, no amorfo, no demoníaco, no sexual, no extático, no ctônico, na veneração da mãe.”

“O domínio masculino da era platônica é inteiramente homossexual. O mesmo princípio domina a ideologia fascista da camada dirigente masculina (Blüher, Roehm, etc.).”

“O heterismo é completado pela homossexualidade dos homens que, em conseqüência da vida conjugal que lhes é imposta, recorrem às heteras ou aos efebos, tentando assim restaurar a sua capacidade de vivência sexual.”

“A estreita associação entre essas noções — <comunidade de bens e de mulheres> — desempenha um papel central na luta antirrevolucionária.”

“No capitalismo primitivo e nas grandes civilizações asiáticas de tipo feudal, a classe dominante ainda não está interessada na repressão sexual da classe oprimida.”

“É claro o que se pretende dizer com a expressão <robustez física>: é aquele elemento remanescente da espontaneidade sexual que distingue os membros das classes reprimidas dos membros da classe dominante, e que é gradualmente embotado no decurso da <democratização>, sem contudo se perder inteiramente.”

“Psicologicamente, a serpente Poseidon e o dragão Píton representam a sensualidade genital, simbolizada pelo falo.”

“Não existe ameaça mais séria para um ditador do que a classe média baixa perder sua atitude moralista em relação ao sexual à medida que perde a sua posição econômica intermediária entre o trabalhador industrial e a classe superior.”

IV. O SIMBOLISMO DA SUÁSTICA

“Conversas com partidários do nacional-socialismo, especialmente com membros das S.A., revelavam claramente que a fraseologia revolucionária do nacional-socialismo foi um fator decisivo para conquistar as massas. Podiam-se ouvir nacional-socialistas negando que Hitler representasse o capital. Podiam-se ouvir membros das S.A. advertindo Hitler para que não traísse a causa da <revolução>. Podiam-se ouvir membros das S.A. afirmando que Hitler era o Lenin alemão. Quem passava da social-democracia e dos partidos liberais do centro para o nacional-socialismo eram, sem exceção, as massas com tendências revolucionárias, anteriormente apolíticas ou politicamente indecisas.”

“Os nacional-socialistas sabiam utilizar melodias revolucionárias, aplicando-lhes letras reacionárias.”

Como nacional-socialistas, vemos na nossa bandeira o nosso programa. Vemos no vermelho a idéia social do movimento, no branco a idéia nacionalista, na suástica a nossa missão de luta pela vitória do homem ariano e, pela mesma luta, a vitória da idéia do trabalho criador que, como sempre, tem sido e haverá de ser anti-semita

MK, p. 496

“Judeu e negro não são diferentes na mente do fascista. Isto é verdade também para o americano. Na América a luta racial contra o negro se desenrola predominantemente na esfera da defesa sexual. O negro é concebido como um porco sensual que viola as mulheres brancas.”

a França é e continuará sendo, de longe, o inimigo mais temível. Esse povo que se negrifica cada vez mais constitui, pela sua ligação aos objetivos judeus de dominação mundial, um perigo latente para a existência da raça branca na Europa. A contaminação com sangue negro no Reno, no coração da Europa, serve tanto à sede de vingança sádica e perversa desse ancestral chauvinista do nosso povo como ao frio calculismo dos judeus

“Temos de nos habituar a escutar com atenção o que o fascista diz sem julgarmos imediatamente que se trata de puro disparate ou engodo. Compreendemos melhor o conteúdo emocional desta teoria, próxima de um delírio de perseguição, quando a relacionamos com a teoria do envenenamento da nação.”

“A suástica também foi encontrada entre os semitas, mais precisamente no pátio dos Mirtos do Alhambra de Granada. Herta Heinrich descobriu-a nas ruínas da sinagoga de Edd-Dikke, na Jordânia oriental, nas margens do lago de Genesaré.” “Percy Gardner encontrou-a na Grécia, onde a designavam por Hemera e era o símbolo do Sol, representando, novamente, o princípio masculino. Löwenthal descreve uma suástica do século XIV, que ele encontrou na toalha do altar da igreja Maria zur Wiesa, em Soest; aí ela se encontra combinada com uma vulva e uma cruz de travessa dupla. Neste caso, a suástica é o símbolo do céu anunciando trovoada, e o losango é o símbolo da terra fértil. Smigorski encontrou a suástica na forma da cruz suástica indiana, como relâmpago quadripartido, com três pontos em cada braço”

D. QUIX: “A suástica é, portanto, originariamente um símbolo sexual. No decorrer dos tempos, assumiu vários significados, entre os quais, mais tarde, o de uma roda de moinho, símbolo de trabalho.” “De acordo com Zelenin, os antigos lexicógrafos indianos chamam de suástica tanto à ereção como à volúpia”

“é de supor que este símbolo, representando 2 figuras enlaçadas, provoque uma forte excitação em estratos profundos do organismo, excitação essa que será tanto mais forte quanto mais insatisfeita, quanto mais ardente de desejo sexual estiver a pessoa. Se, apesar disso, este símbolo é apresentado como emblema de respeitabilidade e de fidelidade, satisfaz igualmente as tendências de defesa do ego moralista.”

V. OS PRESSUPOSTOS DA ECONOMIA SEXUAL SOBRE A FAMÍLIA AUTORITÁRIA

“A idealização e o culto da maternidade, que tão flagrantemente contrastam com a brutalidade com que são tratadas na realidade as mães da classe trabalhadora, são essencialmente, meios para não permitir que as mulheres adquiram consciência sexual, ultrapassem o recalcamento sexual imposto e vençam a ansiedade sexual e os sentimentos de culpa sexual. A mulher sexualmente consciente, que se afirma e é reconhecida como tal, significaria o colapso completo da ideologia autoritária.”

“A ideologia da <felicidade da família numerosa> é necessária não apenas para a preservação da família autoritária mas também serve aos interesses do imperialismo bélico; seu objetivo essencial é desvalorizar a função sexual da mulher face a sua função de reprodução.” “Esta noção não é menos reacionária quando é defendida por comunistas como Salkind e Stoliarov.”

“Numa sociedade em que as mulheres têm de estar dispostas a ter filhos, sem qualquer proteção social, sem garantias quanto à educação das crianças, sem mesmo poderem determinar o número de filhos que terão, mas em que mesmo assim têm de ter filhos sem se insurgirem contra isso, é realmente necessário que a maternidade seja idealizada, em oposição à função sexual da mulher.”

ANTIABORTISTA É FASCISTA

A preservação da família numerosa já existente confunde-se com a preservação da forma da família numerosa porque estas duas questões são, na realidade, indissociáveis… A conservação da forma da família numerosa é uma necessidade nacional, cultural e política… (…) A interrupção da gravidez é contrária ao próprio sentido da família, cuja missão é precisamente a educação das novas gerações, além do fato de que essa interrupção significaria a liquidação definitiva da família numerosa.

texto facho, Völkischer Beobachter, 14/10/31

“O argumento do exército de reserva perdeu quase totalmente a sua importância nos anos de crise econômica, quando havia vários milhões de desempregados na Alemanha e cerca de 40 milhões no mundo inteiro, no ano de 1932. Quando a reação política repete sem cessar que a manutenção da lei do aborto é necessária no interesse da família e da <ordem moral>, quando o higienista social Grothjan, que era social-democrata, toma, neste ponto, a mesma atitude que os nacional-socialistas, somos forçados a acreditar como eles que <família autoritária> e <éticas moralistas> são forças reacionárias de importância decisiva.”

“Para o assalariado da civilização moderna família e modo de existência social não são coincidentes.”

“Estas mulheres votaram pelo planejamento familiar, de acordo com os princípios da economia sexual, porque queriam preservar o seu direito à satisfação sexual; mas, simultaneamente, votaram naqueles partidos, não porque desconhecessem as suas intenções reacionárias, mas porque, sem terem consciência dessa contradição, estavam simultaneamente dominadas pela ideologia reacionária da <maternidade pura>, da oposição entre maternidade e sexualidade e, especialmente, pela própria ideologia autoritária. Essas mulheres desconheciam o papel sociológico desempenhado pela família autoritária numa ditadura, e encontravam-se influenciadas pela política sexual reacionária”

“As pessoas passarão a viver a sua vida ao máximo, desenfreadamente, livremente e sem limites. Marido e mulher: não pertencerão mais um ao outro, em vez disso um homem está hoje com uma mulher, amanhã com outra, conforme lhe apetecer. A isto se chama liberdade, amor livre, nova moral sexual. Mas todos estes nomes bonitos não podem ofuscar o fato de que grandes perigos estão espreitando. São conspurcados sob estas práticas os mais belos e mais nobres sentimentos dos homens: o amor, a fidelidade, o sacrifício. É completamente impossível, é contra a lei da natureza, que esse homem ou essa mulher possam amar muitas pessoas ao mesmo tempo. Isso só poderia levar a um embrutecimento imprevisível que destruiria a civilização. Não sei como são estas coisas na União Soviética mas, ou os russos são pessoas especiais, ou não é verdade que eles tenham permitido essa liberdade absoluta, e ainda deve haver certas sanções…”

“Encontrando-se sujeito a uma forte coação, reage com impulsos para a promiscuidade e acaba por se defender contra as duas coisas. A moral representa um pesado fardo, e o instinto aparece como um perigo tremendo. O ser humano que recebeu e conservou uma educação autoritária não conhece as leis naturais da auto-regulação, e não tem confiança em si próprio; tem medo da sua própria sexualidade porque não aprendeu a vivê-la naturalmente. Por isso rejeita a responsabilidade pelos seus atos e tem necessidade de direção e orientação.”

“Em conseqüência desta atitude comunista, toda mulher ou moça tem o dever de satisfazer o impulso sexual do homem. E como isto nem sempre acontece voluntariamente, a violação de mulheres tornou-se uma autêntica praga na União Soviética.

Mentiras deste tipo, forjadas pela reação política, não podem ser descartadas apenas desmascarando-as como mentiras que são; nem é suficiente assegurar, em resposta, que os outros são tão <morais> quanto eles, que a revolução não destrói a família autoritária e o moralismo, etc. O fato é que, na revolução, a vida sexual sofreu uma alteração, e a antiga ordem compulsiva se dissolveu. Não se pode negar este fato, assim como não se pode definir a posição correta em matéria de economia sexual, se tolerarmos, no nosso próprio campo, concepções ascéticas sobre estas questões, deixando-as atuar livremente.”

VI. O MISTICISMO ORGANIZADO COMO ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL ANTI-SEXUAL

“Dado que o contágio místico é o pré-requisito psicológico mais importante para a absorção da ideologia fascista pelas massas, o estudo da ideologia fascista não pode prescindir da investigação dos efeitos psicológicos do misticismo em geral.”

Papen foi o antecessor de Hitler no cargo e mais tarde desempenhou um importante papel como diplomata do governo fascista.”

“A polícia de Hamburgo ordenou aos seus agentes que prestassem particular atenção ao comportamento dos praticantes de esportes aquáticos, que freqüentemente <não observam os princípios naturais da <moral pública>. A polícia de segurança pública faz saber publicamente que intervirá sem hesitação e que internará em campos de concentração os utilizadores de canoa que infringirem as suas ordens, a fim de que aprendam a comportar-se com decência e moralidade.”

“A educação da juventude para apreciar o valor do Estado e da comunidade recebe a sua força interior das verdades do cristianismo… A fidelidade e a responsabilidade para com o povo e a prática têm as suas raízes mais profundas na fé cristã. Por este motivo, será sempre meu especial dever assegurar o direito e a livre propagação da escola cristã e os fundamentos cristãos de toda a educação.”

“O cristianismo do império de Guilherme I é necessariamente diferente do cristianismo do nacional-socialismo.”

“O nacional-socialismo começou por rejeitar o Antigo Testamento, por ser <judeu> — assim fez, pelo menos, na pessoa do seu conhecido representante Rosenberg, que pertencia à sua ala direita. Da mesma maneira, o internacionalismo da Igreja Católica Romana era considerado <judeu>. A Igreja internacional devia ser substituída pela <Igreja nacional alemã>. Após a tomada do poder a Igreja foi, na realidade, colocada na linha. Isto reduziu o seu campo de atuação política mas, em contrapartida, alargou consideravelmente a sua influência ideológica.”

“Era necessário evitar a todo custo uma identificação do Deus judeu com a Santíssima Trindade. O fato de o próprio Jesus Cristo ser judeu era um ponto melindroso. Mas Stapel encontrou rapidamente uma solução: como Jesus era filho de Deus, não podia ser considerado judeu. Os dogmas e tradições judaicos deviam dar lugar à <experiência da consciência individual>; a remissão dos pecados ao <conceito de honra pessoal>.

A crença da transmutação da alma depois da morte é rejeitada como ato de bruxaria típico dos povos das ilhas dos mares do sul. O mesmo acontece em relação à imaculada concepção da Virgem Maria.”

“O grande êxito do misticismo religioso deve-se necessariamente ao fato de se ter baseado essencialmente na teoria do pecado original como ato sexual realizado por prazer. O nacional-socialismo conserva esse tema, mas explora-o com o auxílio de outra ideologia, mais adequada aos seus objetivos”

…E NASCE KONOHA

O crucifixo é o símbolo da doutrina do cordeiro sacrificado, uma imagem que nos faz sentir o esmorecer de todas as forças e que nos deprime também interiormente pela… terrificante representação da dor, tornando-nos humildes como desejam as igrejas ávidas de domínio… Uma igreja alemã substituirá gradualmente a crucificação, nas igrejas que passarem para a sua tutela, pelo instrutivo espírito de fogo que personifica o herói no seu sentido mais sublime.

Rosenberg, Mythus, P. 577

Um dia, o Estado racial étnico do povo ainda deverá descobrir suas raízes mais profundas na religião. Só quando a fé em Deus deixar de estar associada a um acontecimento particular do passado, mas estiver intimamente ligada, através da experiência de vida, à ação e à vida nativas de um povo e de um Estado, então o nosso mundo estará de novo alicerçado em bases sólidas.

Ludwig, Haase, Nationalsozialistiscbe Monatshefte, I, n° 5, p. 213.

“Não se atacou o aumento das receitas pastorais, na Baviera, de 5.87 milhões de marcos em 1914 para 19.7 em 1931 (ano de crise grave!)”

“1. Os eclesiásticos são funcionários do Estado.

2. O Estado admite que a secularização de 1817 (expropriação de bens da Igreja) constituiu uma grave injustiça e deixa à sua consideração reclamar a restituição desses bens ou de uma indenização no montante de 60 milhões de marcos-ouro.

3. O Estado gasta quase 50% dos rendimentos das florestas do Estado bávaro para poder pagar parte das rendas devidas à Igreja; por isso, hipotecou por assim dizer, os seus rendimentos florestais à Igreja.

4. A Igreja tem o direito de cobrar impostos, com base nas listas dos contribuintes civis (imposto da Igreja).

5. A Igreja tem o direito de adquirir e manter, a título de propriedade, novos bens, que são invioláveis e serão defendidos pelo Estado.

6. O Estado compromete-se a indicar e a pagar aos altos dignitários da Igreja uma <residência condigna com a sua situação e dignidade>.

7. A Igreja, os seus padres e os seus 28 mil monges gozam de uma liberdade ilimitada no exercício das suas atividades religiosas e industriais (fabricação de livros, cerveja e aguardente). [!]

8. Tanto a Universidade de Munique como a de Würzburg devem contratar um professor de filosofia e um de história, que sejam da confiança da Igreja e só ensinem de acordo com o seu espírito.

9. O Estado garante o ensino da religião nas escolas primárias, e o bispo e os seus delegados têm o direito de denunciar às autoridades civis, exigindo uma solução para o problema, situações suscetíveis de ofender os alunos católicos na sua prática religiosa pública, e as influências desfavoráveis ou impróprias (!) que daí poderiam resultar.”

Lei de 1925, que continuou vigente no nazismo.

“Não é suficiente que as concepções científicas do mundo progridam, se esse progresso for tão lento que vá sendo cada vez mais ultrapassado pelo contágio místico. A causa disto só pode estar na nossa compreensão incompleta do próprio misticismo. O esclarecimento científico das massas consistiu essencialmente em mostrar as práticas corruptas dos dignitários e funcionários da Igreja. Mas a esmagadora maioria das massas foi deixada nas trevas. O esclarecimento científico apelou apenas para o intelecto das massas — e não para os seus sentimentos. O mais completo desmascaramento de um príncipe da Igreja deixa impassível alguém que tenha uma mentalidade mística, assim como lhe são indiferentes o conhecimento pormenorizado do auxílio financeiro concedido pelo Estado à Igreja, com os tostões dos trabalhadores, como na análise histórica da religião, feita por Marx & Engels.”

“as associações cristãs de jovens congregavam cerca de 30x mais membros do que os Partidos Comunista e Social-democrata juntos: para cerca de 1.5 milhão de jovens cristãos havia, em 1930-32, cerca de 50 mil membros do partido comunista e 60 mil do partido socialista.”

Exigimos que o Estado proteja por todos os meios nossa herança cristã da influência venenosa de uma imprensa suja, de uma literatura obscena e de filmes eróticos, que degradam ou falsificam os sentimentos nacionais…

“Os comunistas esperavam que os jovens cristãos percebessem, por si mesmos, que a Igreja estava desempenhando uma função capitalista. Por que não puderam perceber? Evidentemente porque essa função lhes era desconhecida, e ainda porque sua formação autoritária tornou-os crédulos, sem capacidade de crítica. Também não se pode ignorar o fato de que os representantes da Igreja, nas organizações de jovens, falavam contra o capitalismo, de modo que a antítese entre as posições sociais assumidas por comunistas e padres não era imediatamente perceptível para a juventude cristã. De início, teve-se a impressão de que só no domínio da sexualidade havia uma clara distinção. Parecia que os comunistas tinham uma opinião positiva em relação à sexualidade dos jovens, contrariamente à posição da Igreja. Mas em breve verificou-se que as organizações comunistas não só deixaram completamente de lado este importantíssimo domínio, mas também rapidamente se associaram à Igreja na condenação e na repressão da sexualidade dos jovens.”

“Uma organização de jovens trabalhadores convidou um pastor protestante para uma discussão sobre a crise econômica. Este compareceu, acompanhado e protegido por cerca de 20 jovens cristãos de idade compreendida entre os 18 e os 25 anos. Indicaremos a seguir os principais pontos de vista defendidos na sua conferência, afirmando desde já que a conclusão de maior importância para o nosso estudo é o modo como ele saltava de afirmações parcialmente corretas para pontos de vista místicos. As causas da miséria eram, segundo explicou, a guerra e o plano de Young. A guerra mundial seria uma manifestação da depravação dos homens e da sua baixeza, uma injustiça e um pecado. Também a exploração praticada pelos capitalistas seria um pecado grave. Ficava difícil neutralizar a sua influência uma vez que ele próprio assumia uma posição anticapitalista e ia assim ao encontro dos sentimentos dos jovens cristãos. Capitalismo e socialismo seriam fundamentalmente a mesma coisa. O socialismo da União Soviética seria uma forma de capitalismo, e o crescimento do socialismo implicaria desvantagens para algumas classes, tal como o capitalismo para outras. Era necessário <quebrar os dentes> do capitalismo, qualquer que a sua forma fosse; a luta do bolchevismo contra a religião era um crime, a religião não era responsável pela miséria, pois o mal estava no fato de o capitalismo fazer mau uso da religião. (O pastor era decididamente progressista.) Quais as conseqüências de tudo isto? Como os homens são maus e pecadores, seria impossível eliminar a miséria, sendo pois necessário suportá-la, habituar-se a ela. O próprio capitalista não era feliz. A angústia interior, que está na raiz de toda angústia, não desapareceria, mesmo depois da aplicação do terceiro plano qüinqüenal da União Soviética.” “No fim, chegou-se à conclusão de que era impossível conciliar as posições contrárias e de que ninguém sairia dali com uma convicção diferente daquela com que chegara. Os jovens acompanhantes do pastor bebiam-lhe as palavras; pareciam viver nas mesmas condições de opressão material que os jovens comunistas, mas concordavam com o ponto de vista de que não há remédio contra a miséria, de que é necessário conformar-se com ela e <ter fé em Deus>. Prosseguindo o debate, perguntei a alguns jovens comunistas por que motivo não tinham abordado a questão principal, ou seja, a insistência da Igreja na abstinência sexual. Responderam-me que este assunto teria sido muito melindroso e difícil, que teria tido o efeito de uma bomba e que, enfim, não era costume abordá-lo em discussões de caráter político.”

“A Igreja afirma que o uso de métodos anticoncepcionais é contra a natureza, como o é qualquer entrave à procriação natural. Ora, se a natureza é tão rigorosa e tão sábia, por que razão criou um aparelho sexual que não incita a ter relações sexuais apenas quando se quer ter filhos, mas numa média de 2 a 3 mil vezes na vida?” “Por que motivo Deus teria criado um aparelho sexual com duas glândulas, uma para a excitação sexual e outra para a procriação?” “Por que motivo as crianças manifestam desde a mais tenra idade uma certa sexualidade, muito antes de se ter desenvolvido a função da procriação?”

“As respostas embaraçadas dos representantes da Igreja foram acolhidas com gargalhadas. Quando comecei a explicar o papel desempenhado pela negação da função do prazer, por parte da Igreja e da ciência reacionária, no âmbito da sociedade autoritária, quando expliquei que a repressão da satisfação sexual tem o objetivo de provocar uma atitude de humildade e resignação, também no campo econômico, fui apoiado por toda a sala. Os representantes do misticismo tinham sido derrotados.”

“Ao empregar o termo <bolchevismo>, o místico não tem em mente o partido político fundado por Lenin. São-lhe inteiramente desconhecidas as controvérsias sociológicas ocorridas na passagem do século. As palavras <comunista>, <bolchevique>, <vermelho>, etc., tornaram-se lemas reacionários que nada têm a ver com a política, o partido, a economia, etc. Estas palavras são tão irracionais como a palavra <judeu> na boca de um fascista. (…) Roosevelt é rotulado como <judeu> e <vermelho> pelos fascistas.” “Sempre que aparecer a palavra <bolchevismo>, devemos pensar também em <ansiedade orgástica>.”

“uma educação mística torna-se a base do fascismo sempre que um abalo social põe as massas em movimento.”

“A linha de argumentação do folheto limita-se a resumir, sistematizar e aplicar à guerra atual as idéias provenientes da mitologia Xinto, que os políticos japoneses, sob a chefia de Yosuke Matsuoka, tornaram dogma imperialista para justificar a política de expansão do Japão. (…) Neste sentido, o professor Fujisawa é uma espécie de Wagner e de Nietzsche japonês, e o seu panfleto, o equivalente japonês do Mein Kampf de Hitler. Tal como foi o caso com relação ao Mein Kampf, o mundo prestou pouca atenção a esta tendência do pensamento japonês, que foi encarada como mera fantasia ou relegada ao campo da teologia.”

“É digno de nota que o princípio orientador da Alemanha nacional-socialista e da Itália fascista tenha muito de comum com o princípio Musubi, um dos muitos que distinguem as potências do Eixo das democracias e da União Soviética.”

“Embora todas as crônicas e histórias japonesas admitam que na fundação do império japonês — que o governo japonês data de 2600 a.C. mas que os historiadores datam do princípio da era cristã — os habitantes das ilhas japonesas eram ainda selvagens primitivos, alguns dos quais <homens com cauda> que viviam em árvores, o professor Fujisawa declara brandamente que o Japão é a terra-mãe de toda a raça humana e da sua civilização.”

“De acordo com esta tese professoral, os sumérios — que eram tidos por fundadores da civilização babilônica, da qual floriram as restantes civilizações, incluindo as do Egito, da Grécia e de Roma — são semelhantes aos antigos colonos japoneses de Erdu, o que, diz Fujisawa, explica a correspondência entre os relatos pré-históricos do Japão e o Antigo Testamento. Segundo ele, o mesmo acontece com os chineses, que, acentua, foram civilizados pelos japoneses, e não o contrário. Não obstante, as histórias japonesas indicam que os japoneses só aprenderam a ler e a escrever quando os coreanos e os chineses os ensinaram, por volta de 400 a.C.”

Infelizmente, a ordem mundial, com o Japão funcionando como centro unificador absoluto, ruiu em conseqüência de repetidos terremotos, erupções vulcânicas, enchentes, ondas gigantescas e glaciações. Devido a estes cataclismos tremendos, a humanidade separou-se geográfica e espiritualmente da terra-mãe

“Os contos de terror ouvidos na infância, mais tarde as histórias policiais, a atmosfera misteriosa da igreja, tudo isso prepara o terreno para a posterior suscetibilidade do aparelho biopsíquico às comemorações militares e patrióticas.”

“Em regra, os morfinômanos não têm capacidade de satisfação sexual e por isso tentam satisfazer artificialmente as suas excitações, nunca sendo completamente bem-sucedidos. Geralmente são sádicos, místicos, vaidosos, homossexuais e atormentados por uma ansiedade consumidora, que tentam neutralizar por um comportamento violento.”

De Coster – Till Eulenspieger

“Valeria a pena dedicarmo-nos ao estudo exaustivo das diversas seitas místicas dos Estados Unidos, da ideologia budista na Índia, das várias correntes teosóficas e antroposóficas, etc., como manifestações socialmente importantes da economia sexual patriarcal.”

O REGINADUARTISMO: “O líder reacionário sente o perigo que ameaça a consolidação estrutural do misticismo imperialista (‘cultura’); tem uma visão melhor e mais profunda desse perigo do que o revolucionário tem do seu objetivo, porque este começa por concentrar todas as suas forças e toda a sua inteligência na transformação da ordem social.”

“Na prática do trabalho de massas, o revolucionário esquece facilmente — e às vezes com prazer — que o verdadeiro objetivo não é o trabalho (a liberdade social traz uma diminuição progressiva da jornada de trabalho), mas sim a atividade e a vida sexuais em todas as suas formas, desde o orgasmo até as mais elevadas realizações.” “Se, em conseqüência das suas próprias inibições sexuais, ele não compreende totalmente o objetivo da organização social baseada na liberdade, a sua reação consiste em negar o próprio prazer, tornando-se asceta e perdendo assim todas as possibilidades de se fazer ouvir pela juventude. No filme soviético O Caminho da Vida,¹ que nos outros aspectos é excelente, não é a vida sexual livre que é contraposta à vida sexual do homem dissoluto (na cena da taberna), mas sim o ascetismo e a anti-sexualidade. O problema sexual dos adolescentes é inteiramente omitido; isso está errado e acaba por confundir, em vez de trazer soluções.”

¹ Putyovka v zhizn, 1931.

VII. A ECONOMIA SEXUAL EM LUTA CONTRA O MISTICISMO

“A escuridão mística das igrejas aumenta os efeitos de uma sensibilidade tomada de modo supra-individual em relação à própria vida interior e aos sons de um sermão, de um coral, etc., planejados para produzir esse efeito.”

“O tratamento de sacerdotes mentalmente doentes revelou que o auge dos estados de êxtase religioso é freqüentemente acompanhado por uma ejaculação involuntária.” “O sentimento religioso é subjetivamente verdadeiro e assenta em bases fisiológicas. A negação da natureza sexual dessa excitação provoca falsidade de caráter.”

“Crianças não acreditam em Deus. A fé em Deus só se inculca nelas quando têm de aprender a reprimir a excitação sexual, que ocorre a par da masturbação. Assim começam a ter medo do prazer e, depois, a acreditar realmente em Deus, a temê-lo. Por um lado, elas o temem como um ser onipresente e onisciente, e, por outro, invocam a sua proteção contra a própria excitação sexual. Tudo isto tem a função de evitar a masturbação. A inculcação das concepções religiosas processa-se, portanto, na primeira infância.”

“Quem não respeita o pai comete um pecado; em outras palavras, quem não teme o pai, quem se entrega ao prazer sexual, é castigado.”

“Lieber Gott, nun schalf ich ein, schicke mir ein Engelein.

Vater, lass die Augen Dein, über meinem Bette sein.

Hab ich Unrecht heut getan, sieh es, lieber Gott, nicht an.

Vater, hab mit mir Geduld und vergib mir meine Schuld.

Alle Menschen, gross und klein, mögen Dir befohlen sein.”

VITÓRIA & FRACASSO

(panfleto puritano nazi)

Começa previsivelmente mal-interpretando e utilizando sem o devido contexto um aforismo de Nietzsche.

“A nossa época é uma época doente. Em tempos passados, exigia-se que Eros se submetesse à disciplina e à responsabilidade. Hoje, pensa-se que o homem moderno já não necessita de disciplina. Esquecemo-nos, no entanto, que o homem de hoje, habitante das grandes cidades, é muito mais nervoso e tem menos força de vontade, precisando, por isso, de mais disciplina.” Não deixa de ser uma passagem verdadeira, conquanto um intróito para idéias erradas e a ignorância acerca da gênese de Eros!

Não há dúvida de que a prática freqüente da masturbação é muito prejudicial à saúde do corpo, e que esse vício ocasiona, mais tarde, perturbações várias, como o nervosismo, incapacidade mental para o trabalho e abatimento físico.

Hartung

É notável que alguns casos de contágio, aparentemente simples, possam provocar males tão graves, de tal modo que por vezes decorrem muitos anos entre o contágio inicial e a manifestação de uma doença nervosa incurável; e que a doença hoje tão comum, a que os leigos chamam amolecimento cerebral, tenha origem, em mais de 60% dos casos, nos primeiros contágios (sic) sexuais.

Binswanger [!]

“do mesmo modo que Jesus amava o pecador e ajudava todos aqueles que aceitavam a sua ajuda, opondo-se no entanto ao próprio pecado com uma santa severidade, assim também nós devemos combater os fenômenos da homossexualidade, que corrompem o nosso povo e a nossa juventude.”

O CONTRASTE COM O VANGUARDISMO DE REICH SÓ NÃO É MAIS GRITANTE QUE UM MUNCH! “Também é urgente fazer uma advertência contra o uso de meios anticoncepcionais. A única proteção verdadeira é guardar castidade até o casamento.”

“É aconselhável tudo o que fortaleça o corpo e facilite a luta contra as práticas imorais: ginástica, esporte, natação, passeios a pé, levantar logo após o despertar.”

“Escolha honestamente! Mundo do Vício ou mundo Superior? Animal ou Ser Espiritual? Vitória ou Fracasso?” Um ato falho revelador: a vitória está com a animalidade e o ‘vício’ fenomênico!

* * *

VENERAÇÃO DA VIRGEM MARIA & O JOVEM – Gehard Kremer, “doutor em Teologia”

“Os símbolos dessa cavalaria já não existem; mas o que é mais grave é que, entre a juventude masculina, enfraquece cada vez mais o respeito tímido pela mulher, dando lugar ao comportamento frívolo e baixo do cavaleiro salteador.”

“Não faça mal a nenhuma moça; lembre-se de que também sua mãe foi moça.”

* * *

“O homem saudável, orgasticamente potente, é capaz de grande veneração por figuras históricas. Mas não há correlação entre a sua apreciação da história primitiva do homem e a sua felicidade sexual. Ele não tem que se tornar místico, reacionário ou escravo da metafísica para avaliar os fenômenos históricos.”

DAVISMO (só andava para todo canto de mãos dadas com a mamãe até os 14 ou 15 anos de idade): “O Antigo e o Novo Testamento podem ser considerados como criações gigantescas do espírito humano, mas não se deve utilizar essa admiração para reprimir a sexualidade. Aprendi, com base na minha experiência de médico, que o adolescente sexualmente doente tem uma visão doente da lenda de Jesus.”

“A diferença entre a reação mística e a reação sexual reside no fato de a primeira não permitir a percepção da excitação sexual e impossibilitar a descarga orgástica, mesmo quando se trata do chamado êxtase religioso.” “A defesa contra o desejo orgástico força o ego a ter concepções compulsivas de <pureza> e <perfeição>. Enquanto a sensualidade e a capacidade de satisfação saudáveis proporcionam uma autoconfiança natural, a experiência mística cria, com base naquelas formações de defesa, uma autoconfiança forçada e deteriorada.” “Isto explica por que motivo o homem educado segundo a <ética> mística ou nacionalista é tão permeável aos lemas reacionários, tais como <honra>, <pureza>, etc. É que ele é permanentemente forçado a comportar-se convenientemente, a ser honrado e puro. O caráter baseado na genitalidade é espontaneamente puro e honrado, não necessitando para isso de constantes advertências.”

VIII. ALGUMAS QUESTÕES DA PRÁTICA DA POLÍTICA SEXUAL

“As conclusões científicas são invariavelmente progressistas, freqüentemente mesmo revolucionárias. Para nós, a construção de pontos de vista teóricos justifica-se pelas necessidades da vida concreta, pela necessidade imperiosa de resolver problemas de ordem prática, e deve ter por objetivo um novo modo de agir, melhor e mais adequado, na resolução de tarefas práticas. Vamos mais longe ao afirmar que uma teoria só tem algum valor para nós quando se comprova na prática e através da prática.”

“Mas agora que os revolucionários estão no poder não são mais revolucionários. Eles criam uma contradição do processo cultural: por um lado, fomentam por todas as formas a investigação científica, porque esta apóia o progresso econômico, mas, por outro lado, servem-se do misticismo como principal instrumento para a repressão dos milhões de assalariados (terceira fase do misticismo).” “A revolução russa permite conduzir o combate contra a religião a um nível muito mais elevado (quarta fase).”

“O primeiro artigo da constituição da Rússia czarista estipulava: <O soberano de todos os russos é um monarca autocrata e absoluto, e é Deus que ordena a submissão voluntária ao poder do seu governo.> (…) Hitler reestruturou a Igreja na Alemanha exatamente da mesma maneira: reforçou a sua autoridade, e conferiu-lhe o direito pernicioso de preparar o espírito das crianças, nas escolas, para absorverem as ideologias reacionárias.”

“Nos seminários e academias eclesiásticas havia disciplinas especialmente destinadas ao combate contra o movimento revolucionário. No dia 09/01/05, apareceu um panfleto eclesiástico em que os operários revoltados eram acusados de estar a serviço dos japoneses. A revolução de fevereiro de 1917 pouco alterou esta situação; as Igrejas foram equiparadas, mas não se confirmou a tão esperada separação entre a Igreja e o Estado, e, à frente da administração da Igreja, foi colocado o príncipe Lvov, grande proprietário. Numa assembléia eclesiástica, em outubro de 17, os bolcheviques foram excomungados [hahaha!]; o patriarca Tikhon declarou-lhes guerra.”

CUIDADO COM O CÃO (BISPO HIDROFÓBICO): “O Partido tenciona eliminar completamente todas as relações entre as classes exploradoras e a organização da propaganda religiosa: está sendo organizada uma ampla propaganda antirreligiosa e de esclarecimento científico que contribuirá decisivamente para libertar as massas trabalhadoras dos preconceitos religiosos. Ao fazê-lo, deve-se evitar cuidadosamente ferir a sensibilidade dos crentes, pois isso só poderia resultar na consolidação do fanatismo religioso.”

“As associações eclesiásticas e religiosas não possuem direito de propriedade e, como tal, não gozam dos direitos de pessoa jurídica (§ 12).”

“Os padres, monges e freiras não têm direito de voto, ativo ou passivo, porque não realizam trabalho produtivo.”

“aos poucos, as igrejas foram convertidas em clubes de trabalhadores e salas de leitura. (…) A fonte sagrada da igreja de S. Sérgio acabou por tornar-se uma simples bomba d’água; a fronte de alguns santos, que só podia ser beijada a troco de dinheiro, mostrou ser um simples pedaço de couro, habilidosamente arranjado. O efeito produzido por este desmascaramento, frente às massas reunidas, foi imediato e radical. É evidente que tanto a cidade como o campo foram inundados de panfletos e jornais de esclarecimento, distribuídos pela propaganda atéia. A construção de museus de ciências naturais antirreligiosos permitiu a confrontação das concepções científicas e supersticiosa do mundo. Apesar disso tudo, ouvi dizer em Moscou, em 29, que os únicos grupos contra-revolucionários organizados e bem-estruturados eram ainda as seitas religiosas.” “A ciência e o ateísmo tinham finalmente adquirido os mesmos direitos sociais que o misticismo. Nenhuma hierarquia religiosa podia, a partir de então, decidir que um cientista natural fosse exilado. Isto é tudo. Mas a Igreja não estava satisfeita. Mais tarde, quando a revolução sexual fracassou (a partir de 34), a Igreja reconquistou as massas.”

“se eu me limitar a dizer a uma mulher cristã, sexualmente frustrada, que o seu sofrimento é de natureza sexual, ela sem dúvida me porá na rua e terá razão para isso. Estamos diante de duas dificuldades: (1) cada pessoa tem em si contradições que devem ser compreendidas individualmente; e (2) os aspectos práticos do problema diferem de região para região, de país para país e, portanto, exigem soluções diferentes.”

“Em resumo, quem conhece a argumentação usada pelos místicos e pelos fascistas nas discussões políticas, e pelos caracterologistas e <humanistas> nas discussões científicas, está habituado a este tipo de atitude, pois trata-se, no fundo, da mesma coisa. É natural que o temor a Deus e a defesa moralista sejam reforçados quando se consegue relaxar um pouco um elemento da repressão sexual.”

“O jovem cristão compreenderá rapidamente, p.ex., que as suas fortes tendências exibicionistas e perversas correspondem, em parte, a um retorno a formas primitivas e infantis da sexualidade e, em parte, à inibição da sexualidade genital. (…) Finalmente, a vegetoterapia possibilita ao paciente uma vida amorosa satisfatória, o que representa o fim do misticismo.”

“[O psicanalista que é também pastor da Igreja] age de modo muito semelhante aos parlamentares alemães social-democratas que, depois de terem entoado entusiasticamente o hino nacional alemão, quando da última sessão parlamentar, não deixaram de ser enviados para campos de concentração, acusados de serem <socialistas>.”

“Não nos interessa discutir a existência ou inexistência de Deus: limitamo-nos a suprimir as repressões sexuais e a romper os laços infantis em relação aos pais.”

“A política demográfica, campo a que se tem limitado a reforma sexual, não é uma política sexual, no sentido estrito da palavra. Ela não diz respeito à regulação das necessidades sexuais, mas sim ao aumento populacional, campo em que se inclui, evidentemente, o ato sexual. Mas, de resto, nada tem a ver com a vida sexual, nos seus aspectos sociais e biológicos. Aliás, as massas não têm o menor interesse pelas questões da política demográfica. A lei do aborto não suscita o interesse das massas devido a questões políticas, mas sim pela aflição pessoal que implica.” “Se um reacionário encarregado da política social tivesse a idéia de dizer às massas: <Vocês se queixam das conseqüências da lei do aborto para a vida humana! Quem manda vocês terem relações sexuais?>, seríamos apanhados desprevenidos, pois até agora só consideramos a política demográfica.”

“No tratamento psicanalítico, são necessários meses, e mesmo anos, de trabalho árduo para tornar o paciente consciente de seus desejos sexuais, estando as inibições morais tão profundamente enraizadas como a necessidade sexual, e ocupando, além disso, o primeiro plano. Como se poderia realizar a tarefa de vencer a repressão sexual das massas, quando não se dispõe de um método comparável ao da análise individual? Esta objeção deve ser levada a sério. Se, no início, tais objeções me tivessem dissuadido de realizar na prática o trabalho de economia sexual entre as massas, deveria ter concordado com aqueles que repelem a economia sexual como sendo uma questão individualista, e esperar pela vinda de um segundo Jesus Cristo para resolver o problema. Pessoas muito próximas chegaram a argumentar que as minhas experiências só contribuíam para um esclarecimento superficial, deixando de lado as forças profundas que estão na base da repressão sexual. Se um psiquiatra pode fazer essa objeção, é sinal de que a dificuldade deve ser examinada atentamente.”

“O homem é um pobre diabo; mas não o sabe. Se o soubesse, que pobre diabo seria!”

“O coolie chinês ou indiano, que inconscientemente suporta a carga do seu destino, resignado e sem questionar, sofre menos do que o coolie que tem consciência da ordem terrível das coisas e que, portanto, se rebela, conscientemente, contra a escravidão.” Queria ser uma Damaris, sem consciência de autocastração!

“Nossa <desumanidade> é o combate por aquilo de que tanto falam os bons e os justos…, para depois se deixarem subjugar à primeira investida da reação fascista.” “…que, apesar de todo o seu <marxismo> e <leninismo>, são reacionários num importante aspecto de suas personalidades…”

“É evidente que essa atmosfera de afirmação da sexualidade só pode ser criada por uma poderosa organização internacional, operando no campo da economia sexual. No entanto, tem sido impossível convencer os dirigentes dos partidos políticos de que aí reside uma das suas principais tarefas. Entretanto, a política foi desmascarada como irracionalismo reacionário; não podemos contar com partidos políticos.”

“Os dois principais pilares do ambiente moralista e antissexual — família e pequena empresa — foram abalados.”

“O ideal da jovem pura, e sobretudo do jovem puro e sexualmente fraco, é agora considerado uma vergonha. (…) Já não se pode falar, atualmente, num regresso à situação largamente dominante antes do fim do século, em que a vida real coincidia com a ideologia ascética.” Nietzsche parece ter vivido há 1800 anos…

“No início do século, teria sido impensável que mulheres cristãs aderissem a associações de planejamento familiar; hoje, isso se torna cada vez mais a regra geral. Este processo não foi interrompido pela subida dos fascistas ao poder; apenas se tornou clandestino. O problema consiste agora em saber como se desenvolverá esse processo, no caso de a barbárie assassina dos fascistas durar mais tempo do que receamos.”

“Outra circunstância objetiva que está estreitamente relacionada com a anterior é o rápido aumento de perturbações neuróticas e biopáticas, como expressão de desequilíbrio sexual, e a intensificação das contradições entre as necessidades sexuais reais, de um lado, e a inibição moral e a educação da criança, de outro.”

“É do conhecimento, em vista da escassez de literatura científica sobre sexo, que o que mais se lê nas bibliotecas públicas são livros pornográficos.”

“A reação política nunca será capaz de contrapor à economia sexual revolucionária um programa reacionário de política sexual que vá além da total repressão e negação da sexualidade; isso afastaria imediatamente as massas, com exceção de um círculo politicamente sem importância de senhoras idosas e de seres humanos irremediavelmente obtusos. É a juventude que importa! E esta, disso estamos certos, já não é permeável, na sua maioria, a uma ideologia de negação da sexualidade.”

“Qualquer jovem que tenha entre 17 e 25 anos de idade [50% do tempo perdido] e que não tenha uma vida sexual satisfatória corre o risco de futuras perturbações da potência sexual e de graves depressões psíquicas que acarretam, invariavelmente, uma perturbação de capacidade de trabalho. Quando um órgão ou uma função natural não são utilizados durante muito tempo, acabam, mais tarde, por ter dificuldades de funcionamento. As conseqüências são, na maior parte dos casos, doenças nervosas e psíquicas, assim como perversões (aberrações sexuais).” Vai na antítese exacerbada de Binswanger…

“Constitui um atentado ao pudor o fato de um jovem dormir numa barraca com a sua namorada?”

“A criança, a não ser que pertença a uma família excepcionalmente progressista, o que é o caso de uma minoria, não distingue os conteúdos da propaganda reacionária daqueles da propaganda revolucionária. O primeiro mandamento do trabalho antifascista consiste em não dissimular a realidade, e por isso afirmamos abertamente que as crianças e os jovens de amanhã desfilarão tão alegremente ao som das fanfarras fascistas como hoje desfilam ao som das liberais.”

“Paradoxalmente, é Marx e Lenin que os adversários do trabalho de economia sexual entre as crianças invocam para se justificar. Aliás, é certo que nem Marx nem Lenin jamais se referiram a problemas de economia sexual. Em contrapartida, considere-se o fato de que as crianças caem em massa nas manobras da reação política. Apesar de todas as dificuldades, há muitas possibilidades imprevistas de desenvolver junto às crianças um trabalho em base da economia sexual, porque se pode contar, de início, com o enorme interesse das crianças.”

“Chegou finalmente o momento de abordar a questão daquilo a que se chama o homem apolítico. Hitler não só assentou desde o início o seu poder entre as massas até então essencialmente apolíticas, como executou <legalmente> o último passo que o levaria à vitória de março de 1933 [o outubro de 2018 deles], através da mobilização de nada mais nada menos do que milhões de pessoas que até então não tinham votado” “No caso do intelectual médio que <não quer ter nada a ver com a política>, podem-se detectar facilmente interesses econômicos imediatos e o receio pela sua própria posição social, que depende da opinião pública, à qual sacrifica grotescamente os seus conhecimentos e convicções.”

“Não é possível captar isso estatisticamente; também não somos partidários de um ilusório rigor estatístico dissociado da realidade da vida, quando é certo que Hitler conquistou o poder negando as estatísticas e explorando as baixezas da miséria sexual.”

IX. AS MASSAS E O ESTADO

“Os grupos de colonos, quando se perdiam nas florestas americanas, tentavam reencontrar o caminho que tinham seguido anteriormente para, partindo de terreno conhecido, voltarem a fazer incursões no desconhecido. Para isso não constituíram partidos políticos; não realizaram debates intermináveis sobre as regiões que não conheciam; não se hostilizaram mutuamente nem exigiram permanentemente, uns dos outros, que elaborassem programas para a sua fixação.” O que Reich diria sobre a “autocrítica do PT” caso fosse um brasileiro contemporâneo?

“Mas os nossos políticos estão muito distantes destas reações naturais. Não seria absurdo dizer que faz parte da natureza do político não aprender nada com a experiência.”

“A monarquia austríaca desencadeou a I Guerra Mundial, em 1914. Na época, combateu de armas na mão os democratas americanos. Em 42, durante a Segunda Guerra, apoiou-se nos estadistas americanos para reivindicar a restauração da dinastia dos Habsburgo, com o fim de <evitar> novas guerras. Isto é um disparate político irracional.” “Na I Guerra Mundial, em 1914, os <italianos> eram inimigos mortais dos <alemães>, por assim dizer, <inimigos hereditários> desde os mais remotos tempos. Na Segunda Guerra, em 40, os <italianos> e os <alemães> eram irmãos de sangue, <novamente com base na hereditariedade>, para, em 1943, voltarem a ser inimigos mortais. Na próxima guerra mundial, suponhamos que em 1963, os <alemães> e os <franceses> terão passado de <ancestrais inimigos raciais> a <ancestrais amigos raciais>.”

“Um Copérnico afirmou, no século XVI, que a Terra gira ao redor do Sol; um de seus discípulos afirmou no século XVII que a Terra não gira ao redor do Sol; e um discípulo deste declarou, no século XVIII, que ela gira ao redor do Sol. Mas, no século XX, os astrônomos afirmam que tanto Copérnico como os seus discípulos tiveram razão, pois que a Terra gira ao redor do Sol mas ao mesmo tempo está parada [?]. No caso de Copérnico, pensou-se logo em recorrer à fogueira. Mas, no caso de um político que faz crer à população mundial os disparates mais inacreditáveis, que em 1940 considera verdadeiro exatamente o contrário daquilo que considerava verdadeiro em 39, acontece que milhões de pessoas perdem seu referencial e concluem que aconteceu um milagre.”

“As formalidades democráticas desiludiram milhões de pessoas na Europa, possibilitando deste modo o advento da ditadura fascista. Os políticos democráticos esquecem de voltar aos pontos de partida dos princípios democráticos, de corrigi-los de acordo com as transformações radicais que têm ocorrido na vida social, de torná-los novamente úteis. No entanto, organizam-se votações sobre formalidades, exatamente as mesmas formalidades que na Europa foram destronadas de modo tão inglório.” Isso me lembra os SUPREMOS do STF comentando que a  CF88 é o norte do respeito e do futuro garantidos, o baluarte daquilo que o próprio texto diz (o texto constrói inelutavelmente o inescapável real, as regras pétreas do jogo), a pedra de toque da redenção universal ad eternum.

“Pretende-se planificar, imaginar e submeter a voto sistemas de paz. É claro que se recua diante dos mesmos sistemas de paz, ainda antes de iniciar sua planificação. (…) Só é possível desenvolver condições de liberdade já existentes e eliminar os obstáculos que se opõem a esse desenvolvimento. Mas isso deve ser feito organicamente. Não se pode dotar um organismo social doente de liberdades garantidas por lei.

O melhor exemplo para estudar as relações entre as massas e o Estado é o caso da União Soviética, pelos seguintes motivos: a revolução social de 17 foi preparada por uma teoria sociológica testada durante dez anos. A revolução russa serviu-se dessa teoria. Muitos milhões de pessoas participaram no processo da revolução social, sofreram-no, beneficiaram-se das suas vantagens e prosseguiram-no. Mas o que aconteceu à teoria sociológica e às massas do <Estado proletário> no decurso de 20 anos?”

“A diferença entre a superação de dificuldades na democracia do trabalho e a politização da democracia formal está claramente expressa na atitude das várias organizações políticas e econômicas em relação à União Soviética.”

“O pensamento democrático de Engels e de Lenin caiu no esquecimento. Era um osso duro de roer, um desafio muito grande para a consciência dos europeus e, como mais tarde se veria, dos políticos e sociólogos russos também.”

“O entusiasmo exclusivamente emocional pelos atos heróicos da Rússia na guerra contra a Alemanha de Hitler não nos conduz a nada, na prática. A motivação desse entusiasmo de 43, o qual não se manifestou entre 1917-23, é de natureza extremamente duvidosa; ele é ditado muito mais por interesses bélicos egoístas do que pela vontade de alcançar a democracia autêntica.”

“A atividade frenética dos politiqueiros nos Estados Unidos impôs a convicção geral, embora não cientificamente comprovada, de que os políticos são um câncer no corpo da sociedade. Na Europa de 35, estava-se ainda muito longe disso. Era ao político que cabia decidir o que era verdadeiro ou não.”

“Era do conhecimento geral, latente, que o fascismo tinha tão pouco a ver com a dominação de classe da <burguesia> como a <democracia soviética> de Stalin com a democracia social de Lenin.”

“A melhor situação era a daqueles que tinham sido sempre <apolíticos>, consagrando-se exclusivamente à sua vida de trabalho. Eram exatamente esses círculos que, na Europa, foram permeáveis a tão importantes conhecimentos sociológicos. (…) É assim que muitos médicos, pedagogos, escritores, assistentes sociais, jovens, operários e outros, adquiriram a profunda convicção de que o irracionalismo político seria um dia derrotado, e de que as exigências do trabalho natural, do amor e do saber se concretizariam um dia na consciência e no modo de agir das massas, sem que para isso fosse necessária qualquer propaganda para vender a teoria.”

“Depois da catástrofe de 33 na Alemanha, a União Soviética enveredou rapidamente por uma via de retrocesso a formas autoritárias e nacionalistas de liderança social. Grande número de cientistas, jornalistas, funcionários, etc., estava ciente de que se tratava de um fenômeno de <nacionalismo>. Mas não se tinha a certeza de que fosse um nacionalismo de cunho fascista.

A palavra fascismo não é um insulto, e nem a palavra capitalismo. Representa um conceito que designa uma forma muito particular de dirigir e influenciar as massas: regime autoritário; sistema de partido único, logo totalitário; o poder à frente dos interesses objetivos; distorção política dos fatos, etc. Deste modo há <judeus fascistas> e <democratas fascistas>.

Mas se estas conclusões tivessem sido divulgadas na época, o governo soviético as teria mencionado como um exemplo de tendências contra-revolucionárias e fascismo trotskista. A grande massa da população soviética gozava ainda, em larga medida, os benefícios da Revolução de 17. Aumentava o consumo, quase não havia desemprego. A população se beneficiava de inovações, como o acesso generalizado ao esporte, ao teatro, à literatura, etc. Aqueles que tinham vivido a catástrofe alemã sabiam que estes benefícios, ditos culturais, a que uma população tem acesso, nada dizem quanto à natureza e desenvolvimento da sociedade. Nada diziam, portanto, de profundo quanto à sociedade soviética. Ir ao cinema e ao teatro, ler livros, praticar esportes, escovar os dentes e freqüentar escolas são coisas importantes, mas não é nelas que reside a diferença entre um estado ditatorial e uma sociedade verdadeiramente democrática. (…) Tem sido um erro básico e característico dos socialistas e comunistas rotular a construção de habitações, o aumento da rede de transportes urbanos ou a construção de uma escola como realizações <socialistas>.” Numa sociedade como a alemã ou a norte-americana, foram os capitalistas que aumentaram a malha de transportes até a virtual totalidade necessária, que resolveram na medida do possível a questão do déficit habitacional e realizaram na prática o mantra iluminista da educação para todos!. Mas e daí? Puseram tudo a perder a seguir… Enquanto os socialistas russos tiveram de ser os financiadores, em atraso, dessas benesses, o que não os redime num juízo crítico. O movimento de expansão do capital tardio (de 1850 a nossos dias) não requereria nada de fundamentalmente diferente, e qualquer sistema teórico oposto ao capitalismo ainda estava submetido a essa lógica simplesmente por ser obrigado a superar os capitalistas em seu próprio jogo como pré-requisito para os passos seguintes…

“Quando alguém julga ter descoberto uma verdade política, é forçado a esperar até que ela se manifeste de modo objetivo e independente. Se isso não acontece, essa verdade não era uma verdade e é preferível que permaneça no domínio das possibilidades. A regressão catastrófica ocorrida na União Soviética foi seguida ansiosamente em toda a Europa.”

“Quando, já em 29, revelavam-se cada vez mais claramente, na União Soviética, atitudes reacionárias em relação à sexualidade, era lícito concluir que estava em curso uma evolução de sentido autoritário e ditatorial na liderança social. Justifiquei amplamente este ponto de vista em A Revolução Sexual. As minhas previsões foram confirmadas pela legislação oficial sobrea sexualidade, em vigor a partir de 34, e pelo restabelecimento de leis reacionárias referentes à questão sexual.” Houve quem preferisse esperar a morte de Stalin para proferir julgamentos!

“O fracasso de uma revolução social autêntica é um sinal de fracasso das massas humanas”

Passou a época em que parecia que as massas da sociedade avançavam com as suas próprias forças, guiadas pela razão e pela compreensão da sua situação. Foi-se o tempo em que as massas tinham uma função na formação da sociedade. Estas revelam-se agora influenciáveis, pouco conscientizadas, capazes de se adaptar a qualquer tipo de poder e infâmias. Não têm uma missão histórica. No século XX, no século dos tanques e dos rádios, essa missão é impossível de ser cumprida. As massas foram excluídas do processo de configuração social.

Willi Schlamm, 1935

“Foi sobretudo Erich Fromm quem veio mais tarde a desconsiderar totalmente o problema sexual das massas humanas e a sua relação com o medo da liberdade e o desejo de autoridade.” Desconfie dos kardecistas demais (Fromm, Jung…)

“Compreendia-se, acima de tudo, a intoxicação fascista das massas pelo racismo. Compreendia-se a impotência dos sociólogos e políticos de orientação exclusivamente econômica diante dos acontecimentos catastróficos da primeira metade do século XX.”

“É tarefa de uma orientação verdadeiramente democrática deixar que as massas superem a si próprias; mas as massas só serão capazes de superar a si próprias se desenvolverem espontaneamente entidades sociais que não pretendam competir com os diplomatas em matéria de álgebra política, mas sim refletir e servir de porta-vozes das massas em tudo aquilo que elas próprias não são capazes de refletir e exprimir, [!] devido à miséria, à ignorância, à submissão e à peste do irracionalismo.¹ Em suma, atribuímos às massas humanas toda a responsabilidade por todos os processos sociais. Exigimos a sua responsabilização e combatemos a sua irresponsabilidade.” Já é pretensioso e pueril demais esperar pelo Overman enquanto entidade anômala – querer isso da massa não passa de um erro ultra-demagógico, devaneio, solilóquio ao vento, paradoxo insosso.

¹ Nunca se poderá insistir o bastante quanto à incompreensão do binômio racionalismo-irracionalismo, ainda hoje.

“Certos grupos de intelectuais defendiam o ponto de vista de que <na União Soviética também se registram indubitavelmente grandes progressos>. Era como se um adepto de Hitler dissesse que <também há judeus decentes>.”

ABATE

debate combate embate no bate-bate do entrave rebate desbasta a abastança

com as abas da taça entre as mãos

fatiaste e enfastiaste o desafio

o fio nad’afiado da fina navalha

“Nas escolas, as primeiras tentativas de autogestão (plano de Dalton, etc.) tinham fracassado e cedido o lugar à velha disciplina escolar autoritária, embora encoberta por organizações escolares formais.”

“Ora, não é culpa de uma liderança social se ocorre uma regressão social. No entanto, essa liderança social consolida a regressão nos casos em que: (1) apresenta a regressão como progresso; (2) proclama a si mesma a redentora do mundo; e (3) fuzila aqueles que a lembram de seus deveres.”

“Nada é mais impressionante do que o fato de que uma população mundial de 2 bilhões de pessoas não consiga a força suficiente para eliminar um punhado de opressores e de assassinos biopáticos.” Sim: o fato de 9 bilhões provavelmente conseguirem ainda menos!

“Os anarquistas (sindicalistas) aspiravam à autogestão social, mas se recusaram a tomar conhecimento dos profundos problemas relacionados com a incapacidade humana para a liberdade e rejeitaram todo e qualquer tipo de orientação social. Eram utópicos e acabaram sofrendo uma derrota na Espanha [década de 1930]. Só tinham olhos para o desejo de liberdade, mas confundiam esse desejo com a capacidade de SER realmente livre, de conseguir viver e trabalhar sem qualquer liderança autoritária. Rejeitaram o sistema de partidos. Mas não souberam adiantar coisa alguma quanto ao modo como as massas humanas escravizadas aprenderiam a governar suas vidas por si próprias. Nada se consegue, se apenas se abomina o Estado; nem com colônias de nudismo [HAHAHA].”

“A social-democracia, resultante da adaptação que Bernstein fez da sociologia marxista, também falhou quanto à questão da estrutura de massa. Tal como a cristandade e o anarquismo, vive da conciliação, por parte das massas, entre a luta pela felicidade e a irresponsabilidade.” “É muito mais sensato usar todas as forças contra a reação fascista enquanto se está no poder do que desenvolver a coragem para fazê-lo depois de se ter abandonado o poder. A social-democracia tinha a seu dispor, em muitos países europeus, toda a força necessária para aniquilar, dentro e fora do homem, o poder patriarcal que veio se acumulando por milhares de anos e acabou festejando os seus triunfos sangrentos na ideologia fascista. (…) Trata-se, evidentemente, de chamberlainismo [Chamberlain, primeiro-ministro inglês incompetente que tentou negociar diplomaticamente com Hitler, e depois capitulou após 8 meses de guerra] no seio do movimento socialista.”

“As democracias burguesas da Europa perderam o seu caráter originariamente revolucionário de 1848 muito mais rápida e totalmente do que o cristianismo. As medidas liberais eram uma espécie de decoro, uma prova de que se era <democrático>. Nenhum desses governos teria sido capaz de dizer como seria possível fazer as massas de pessoas escravizadas saírem de sua condição de aceitação cega e necessidade de autoridade. (…) Considerar o governo austríaco de Dollfuss como modelo de um governo democrático revela uma ignorância completa quanto à questão social. [O queridinho de Freud]”

“A promoção das artes e das ciências estivera nas mãos dos senhores feudais, mais tarde destronados pela burguesia. Mas os capitalistas burgueses interessavam-se muito menos pela arte e pela ciência do que as antigas casas senhoriais. Os filhos dos capitalistas burgueses, em 1848, deram o seu sangue pela defesa dos ideais democráticos, enquanto que os filhos dos capitalistas burgueses, entre 1920 e 30, escarneceram as manifestações democráticas. Iriam constituir, mais tarde, as tropas de elite do chauvinismo fascista. Tinham cumprido a sua missão de abertura econômica do mundo, mas sufocaram sua própria realização, instituindo as tarifas aduaneiras, e não tinham a menor noção do que fazer com o internacionalismo que nascera das suas realizações econômicas. Envelheceram rapidamente e tornaram-se senis como classe social.”

“O fascismo tem a sua origem no conservadorismo dos social-democratas e na senilidade e tacanhice dos capitalistas. Incorporou, não na prática mas na ideologia (esse é o aspecto fundamental para as massas humanas cujas estruturas psíquicas eram dominadas por ilusões), todos os ideais que tinham sido defendidos pelos seus antecessores. Incluiu a mesma reação política brutal que na Idade Média devastara a vida e os bens humanos. Assim, respeitava de um modo místico e violento as chamadas tradições patrióticas que nada têm a ver com o verdadeiro sentimento patriótico e apego à terra. Designava-se a si próprio <socialista> e <revolucionário>, assumindo deste modo as tarefas não executadas pelos socialistas. Ao dominar os dirigentes econômicos, absorveu o capitalismo.” “A ideologia fascista acreditava nisso honestamente. Quem não compreende essa honestidade subjetiva não compreende o fascismo na sua totalidade e a força de atração que ele exerce sobre as massas. Como o problema da estrutura humana nunca foi abordado ou discutido, e muito menos superado, a concepção de uma sociedade não-autoritária, governando-se a si própria, era considerada como fruto da imaginação ou utopia.”

“O ponto de vista de Lenin era o seguinte: a social-democracia fracassou; as massas não podem alcançar a liberdade por si próprias, espontaneamente. Necessitam de uma liderança construída ao longo da linha hierárquica, cuja atuação seja autoritária, na superfície, mas ao mesmo tempo tenha, internamente, uma estrutura absolutamente democrática. O comunismo de Lenin está absolutamente consciente da sua missão: A <ditadura do proletariado> é a forma social que leva de uma sociedade autoritária para uma ordem social não-autoritária, auto-reguladora, que não necessita nem de força policial, nem de moral compulsiva.

A revolução russa de 1917 foi, basicamente, uma revolução político-ideológica, e não uma revolução simplesmente social. Baseou-se em idéias políticas provenientes dos campos da economia e da política, e não das ciências que estudam o homem. É necessário conhecer exatamente a teoria sociológica de Lenin e as suas realizações para compreender qual a lacuna em que mais tarde veio a desembocar a técnica autoritária e totalitária da liderança de massas na Rússia.”

“Mas nenhuma pessoa sensata poderá esperar que a liberdade social e individual seja matéria suscetível de ser planejada e posta em prática nos gabinetes dos pensadores e dos políticos revolucionários. Cada novo esforço social é baseado nos erros e omissões dos sociólogos e líderes revolucionários anteriores. A teoria da <ditadura do proletariado>, de Lenin, reunia já uma série de condições prévias para a instituição da verdadeira democracia social, mas ainda lhe faltavam muitas. O seu objetivo era uma sociedade humana capaz de se autogovernar.”

“Além de criar as condições econômicas necessárias para a democracia social, a ditadura do proletariado tinha a tarefa de efetuar uma mudança básica na estrutura do homem, por meio da completa industrialização e tecnização da produção e do comércio. Lenin não utilizou exatamente estes termos, mas a transformação básica da estrutura do homem era parte integrante e indissociável da sua teoria sociológica.” “Quem quiser compreender o triunfo do fascismo e a evolução nacionalista da União Soviética, deve primeiro compreender a amplitude desse problema.”

“O primeiro ato do programa de Lenin — a construção da <ditadura do proletariado> — foi bem-sucedido. Assim, surgiu um aparelho de Estado constituído totalmente por filhos de trabalhadores e camponeses. Dele eram excluídos todos os descendentes das antigas classes feudais e altas. O segundo e mais importante ato, a substituição do aparelho de Estado proletário pela autogestão social, não chegou a se realizar.”

“Comecemos por resumir as concepções de Marx e de Engels sobre o desenvolvimento de uma <sociedade comunista>. Para isso, recorreremos aos escritos fundamentais do marxismo e às interpretações feitas por Lenin no período decorrido entre março de 1917 e a revolução de outubro, na sua obra O Estado e a Revolução.”

“Ver os relatos de Malinowski sobre a disciplina de trabalho na sociedade matriarcal dos trobriandeses”

“O primeiro ato em que o Estado aparece como representante da sociedade inteira — a apropriação dos meios de produção em nome da sociedade — é simultaneamente o seu último ato independente na qualidade de <Estado>. A partir de agora, <a intervenção do poder do Estado nas relações sociais… vai se tornando supérflua, até desaparecer por si mesma. O governo sobre as pessoas é substituído pela administração dos vários assuntos e pela direção dos processos de produção. O Estado não é ‘abolido’: ‘extingue-se’> (Engels).”

“Nem Marx, nem Engels, nem Lenin dão uma resposta a estas questões. Em 1935, havia uma questão premente e que não podia mais ser evitada: assiste-se, na União Soviética, à extinção do Estado? Se não, por que motivo?” “Disto tudo resultou uma imagem que correspondia à realidade de 1850, mas não à de 1940.”

“faz-se uma clara distinção entre <órgãos representativos> e <parlamento>. Aqueles são aprovados, este é rejeitado, Mas não foi explicado o que representam esses órgãos e de que modo atuam. Veremos a seguir que é nesta lacuna crucial da teoria de Lenin sobre o Estado que o <stalinismo> veio a fundamentar, mais tarde, o seu poder de Estado.”

“os sovietes ainda são, até essa altura, órgãos e corpos mais ou menos distintos do conjunto da sociedade, se bem que tenham surgido no seu seio.” “Os sovietes atuam entre duas forças: um poder que é ainda o poder do Estado, e um novo sistema social de autogestão.”

“as democracias burguesas, e mesmo os <plebiscitos> fascistas, <já apresentaram uma

participação eleitoral de 90% ou mais>.”

“Sonhos de anarquistas! Utopias! Quimeras! E o certo é que os que assim gritavam e ironizavam podiam invocar até mesmo a União Soviética, a declaração de Stalin de que a abolição do Estado estava fora de questão, que, ao contrário, o poder do Estado proletário tinha de ser fortalecido e ampliado.”

“Nós não somos utopistas. Não <sonhamos> com prescindir de repente de toda administração, de toda subordinação. Estes sonhos anarquistas, baseados na incompreensão das tarefas que cabem à ditadura do proletariado, são estranhos à essência do marxismo e não servem, na realidade, senão para adiar a revolução socialista para a época em que os homens tiverem mudado. Mas não; nós temos de fazer a revolução socialista com os homens tal como eles são hoje, com os homens que não dispensam a subordinação, o controle, os <fiscais e os contabilistas>… Mas é ao proletariado, vanguarda armada de todos os explorados e de todos os trabalhadores, que nos devemos subordinar. O que é especificamente <burocrático> no funcionalismo público pode e deve ser substituído pelas funções simples de <fiscais e contabilistas>. Esse trabalho deve começar imediatamente, de um dia para o outro… Organizemos nós próprios, trabalhadores, as grandes indústrias, baseando-nos na nossa própria experiência de trabalho, aproveitando aquilo que o capitalismo já criou, criando uma disciplina férrea, rigorosa, mantida pelo poder do Estado dos trabalhadores armados; reduziremos os funcionários públicos ao papel de simples executantes das nossas instruções, ao papel de <fiscais e contabilistas> responsáveis, substituíveis e modestamente remunerados… É esta a nossa tarefa proletária.Com isso, podemos e devemos iniciar a realização da revolução proletária. Este início, baseado nas grandes indústrias, conduzirá naturalmente à extinção progressiva de toda a forma de burocracia, ao estabelecimento progressivo de uma nova ordem, sem aspas, uma ordem que nada tem a ver com a escravatura assalariada. Criaremos uma ordem na qual as funções de fiscalização e contabilidade, cada vez mais simplificadas, serão desempenhadas alternadamente por todos, até se tornarem hábito e acabarem por desaparecer como funções específicas de uma categoria especial de indivíduos.”

“Lenin não pressentiu os perigos que ameaçavam a nova burocracia estatal. Aparentemente, acreditava que os burocratas proletários não abusariam do seu poder, cultivariam a verdade, ensinariam o povo trabalhador a ser independente. Não contou com a gravíssima biopatia de que sofre a estrutura humana, pelo simples fato de que a desconhecia.”

LULA QUE O DIGA: “não há quaisquer perspectivas de êxito para um programa de liberdade enquanto não for transformada a estrutura sexual biopática dos homens.”

Trechos do programa russo de 1919:

“À medida que for desaparecendo a possibilidade objetiva de haver exploração do homem pelo homem, desaparecerá também a necessidade dessas medidas, e o partido esforçar-se-á pela sua limitação e abolição total.” À medida que isso acontecesse, desapareceria o “partido” e este comunicado (ou um contrário) seriam absolutamente supérfluos, de qualquer modo…

“O governo soviético garante às massas trabalhadoras, em muito mais alto grau que a democracia burguesa ou o parlamentarismo, a possibilidade de elegerem e destituírem deputados, da maneira mais simples e acessível para os operários e camponeses” Se soubessem do programa de um soviete, muitos minions se tornariam comunistas da noite para o dia: Primeiro a gente tira esse, depois a gente tira aquele, não tem problema, não!

“Enquanto a democracia burguesa, apesar das suas declarações em contrário, fez do exército um instrumento ao serviço das classes ricas, dissociando-o e opondo-o às massas trabalhadoras, negando ou dificultando aos soldados a possibilidade de exercerem os seus direitos políticos, o Estado soviético reúne trabalhadores e soldados no seio dos seus órgãos (…) É tarefa do partido defender e aprofundar esta unidade entre os operários e os soldados dentro dos sovietes, consolidando o elo indissolúvel que liga as forças armadas às organizações do proletariado e do semiproletariado.”

“Na nossa Constituição soviética, isto se reflete no fato de que são concedidos certos privilégios ao proletariado industrial, em comparação com as massas pequeno-burguesas do campo, bastante mais dispersas.” A primeira constituição autocrítica, i.e., que não fedia, desde a própria impressão da letra, à má-fé.

“Foi graças à organização soviética do Estado que a revolução conseguiu demolir de um só golpe e arrasar completamente a antiga burguesia, funcionalismo público e o aparelho de Estado judiciário. Contudo, o nível cultural relativamente baixo das massas, a ausência da indispensável prática nos serviços administrativos por parte dos representantes promovidos pelas massas a cargos de responsabilidade, a necessidade, sentida em circunstâncias difíceis, de recorrer rapidamente a especialistas da velha escola, e o afastamento da camada mais desenvolvida dos operários urbanos para o trabalho nas forças armadas; todos estes fatores contribuíram para um ressurgimento parcial da burocracia dentro da ordem soviética.”

* * *

“Garantia real, e não apenas formal, de todos os direitos e liberdades a todas as classes não-capitalistas da população.” Um texto pode dizer o que quiser…

“Não se diz que as massas humanas, tal como são hoje, não podem assumir a atividade estatal e (mais tarde) social. O pensamento político-estatal de hoje foi originalmente criado pelos primeiros representantes hierárquicos do Estado contra as massas.”

“O 8.° Congresso do Partido Comunista da União Soviética instituiu, em 1919, a democracia soviética. Em janeiro de 1935, o 7.° Congresso dos Sovietes anunciou a <instituição da democracia soviética>. O que significa este disparate?”

A ditadura do proletariado foi sempre o único poder real do povo. Até o presente, realizou com êxito as suas duas tarefas principais: a destruição da classe dos exploradores, sua expropriação e supressão, e a educação socialista das massas. A ditadura do proletariado mantém-se inalterada…

PARTIDO COMUNISTA, Rundschau, n. 7, 1935

“Contra quem ou contra o que esse regime é dirigido, se deixou de haver exploradores, e se as massas já foram educadas para assumirem responsabilidade pelas funções sociais? O aparente disparate de tal formulação esconde um significado inacreditável: a ditadura se mantém, já não contra os exploradores de antigamente, mas contra as próprias massas.”

“Nunca se deve esquecer que Hitler sempre se baseou — e com muito êxito! — no ódio justificado das massas humanas às democracias ilusórias e ao sistema parlamentar. Em vista das manobras políticas dos comunistas russos, o poderoso lema fascista <unidade do marxismo e do liberalismo parlamentar burguês>, tinha necessariamente que impressionar muito!”

“A <instituição do sufrágio universal>, em 1935, significa, além de um deslocamento de ênfase política para a massa dos camponeses kolkhoz, a re-instituição da democracia formal. Em essência, isso significava que o aparelho de Estado burocrático, que se tornava cada vez mais poderoso, conferia um direito parlamentar sem significado a uma massa humana que não fôra capaz de destruir esse aparelho e que não aprendera a administrar seus próprios assuntos. Não existe, na União Soviética, um único indício de que o menor esforço esteja sendo feito para preparar as massas trabalhadoras para assumirem a administração da sociedade. Ensinar a ler e a escrever, promover a higiene e transmitir conhecimentos técnicos são coisas necessárias, mas nada têm a ver com a autogestão da sociedade. Tais coisas, Hitler também faz.”

“Seria absurdo atribuir a <culpa> a Stalin ou a qualquer outro. Stalin foi apenas um instrumento das circunstâncias. Só no papel, o processo de desenvolvimento social aparece fácil e alegre como um passeio no bosque. A dura realidade é que ele depara incessantemente com problemas novos, até então desconhecidos. Resultam retrocessos e catástrofes. É necessário aprender a pressenti-los, a conhecê-los e a superá-los. Mas subsiste uma censura: um projeto social promissor deve ser incessantemente examinado com o maior rigor. É preciso decidir honestamente, com objetividade, se o projeto em si estava errado, ou se foi esquecido algum elemento na sua concretização; nesse caso, é sempre possível alterar conscientemente o projeto, aperfeiçoá-lo e controlar melhor o seu desenvolvimento. É necessário mobilizar o pensamento de muitas pessoas, de forma a ultrapassar os entraves a uma evolução para a liberdade. Mas enganar as massas com ilusões é um crime contra a sociedade. Se um dirigente de massas honesto chega a uma situação problemática, para a qual não consegue encontrar solução, o que tem a fazer é demitir-se, cedendo o seu lugar a outro. Caso não seja possível encontrar um substituto, é preciso esclarecer a comunidade sobre as dificuldades surgidas e esperar, junto dessa comunidade, que se apresente uma solução, quer pela força dos acontecimentos, quer por descobertas individuais. Mas o politiqueiro teme essa honestidade.”

“Se, ao apresentar a Nova Política Econômica (NPE), no ano de 23, Lenin tivesse dito: <Passamos de uma fase inferior da ditadura do proletariado para uma fase superior; a instituição da NPE representa um enorme passo à frente no caminho do comunismo>; tal afirmação teria imediatamente destruído toda a confiança no governo soviético. Ao apresentar a NPE, Lenin disse:

É triste, é cruel, mas por enquanto não o podemos evitar. A economia imposta ao comunismo pela guerra causou dificuldades imprevistas. Temos de dar um passo atrás para podermos voltar a avançar com segurança. É certo que restituímos alguma liberdade à empresa privada — não tivemos outra escolha —, mas sabemos muito bem o que estamos fazendo.

Quando a minha amada esposa me der um filho, a primeira palavra que ensinarei a ele será: Stalin.

Jornal comunista, 1935

Reich cita o patriotismo como a “ioimbina dos impotentes” aplicada à política. Mais atual e brasileirinho impossível, vide:

“A ioimbina é um fármaco antagonista seletivo dos receptores alfa-2 adrenérgicos. É utilizado como estimulante sexual, na impotência masculina, apesar de FALTA DE COMPROVAÇÕES CIENTÍFICAS. Melhora o fluxo sangüíneo da região sexual.

Fórmula: C21H26N2O3

Hoje mais usada para emagrecimento entre os dois sexos, a ioimbina apresenta os seguintes efeitos colaterais COMPROVADOS: “aumento da pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos, irritabilidade, vertigens, náuseas, vômitos, dores de cabeça, transpiração excessiva, urticária, vermelhidão na pele e tremores” !!

“Quando as massas humanas começarem a exigir retratos gigantescos dos seus führers, é sinal de que se encontram no caminho da irresponsabilidade. No tempo de Lenin, não havia ainda o culto exagerado ao führer, nem retratos gigantescos do führer do proletariado. Sabe-se que Lenin não aceitava tais manifestações.”

“A tendência a ver tudo em termos de economia é catastrófica. Devem ser feitos todos os esforços para corrigir essa tendência.”

“A organização social-democrata dos trabalhadores vienenses considera a introdução do sistema de trólei pela comunidade social-democrata de Viena como uma realização especificamente social-democrata. Em contrapartida, os trabalhadores comunistas de Moscou, ou seja, os trabalhadores que eram essencialmente hostis ao Partido Social-Democrata, consideraram a construção do metrô de Moscou, levada acabo pela administração comunista da cidade, uma realização especificamente comunista. E os trabalhadores alemães consideraram a projetada rede ferroviária de Bagdá como uma realização especificamente alemã. Estes exemplos ilustram o caráter intoxicador das satisfações ilusórias, no domínio do irracionalismo político.”

“Mas estes trabalhadores de diferentes nacionalidades não dizem uns para os outros: <Estamos ligados uns aos outros pelo mesmo princípio do trabalho e da capacidade produtiva. Conheçamo-nos uns aos outros e reflitamos sobre o modo como podemos ensinar os trabalhadores chineses a aplicarem os nossos princípios>. Não! O trabalhador alemão está profundamente convencido de que a sua rede ferroviária é diferente, e melhor do que a da Rússia. Por este motivo não lhe ocorre ensinar os chineses a construir uma rede idêntica. Pelo contrário, presa da sua satisfação nacionalista ilusória, é capaz de seguir qualquer general pestilento que queira roubar aos chineses a sua rede ferroviária. É deste modo que a peste emocional da política cria a divisão e a hostilidade dentro da mesma classe, assim como a inveja, a fanfarronice, a falta de caráter e a irresponsabilidade.”

“Peço aos agentes da KGB na Europa e na América que tomem conhecimento destes fatos. Matar os que fazem tais afirmações não alterará nem um pouco os fatos, nesse caso.”

“Não hesitaremos em chamar de irracional o comportamento de uma mãe que trata seu filho neurótico de maneira severa e autoritária. Compreendemos que é essa severidade que torna a criança doente, mas não podemos ignorar — e é este o ponto nevrálgico do combate à educação autoritária — que uma criança que se tornou neurótica num meio neurótico só por meios autoritários pode ser disciplinada. Isto quer dizer que a severidade da mãe, embora não seja, na sua essência, racional, tem também um aspecto racional, embora extremamente condicionado e limitado. Somos forçados a admitir essa função racional condicional, se é que alimentamos a esperança de vir a convencer o educador, que por necessidade se apega ao princípio autoritário, de que isso pode ser eliminado, na medida em que se evitar que a criança se torne neurótica.”

“Se não há outra maneira de lidar com assassínios com violação que não a execução do assassino, recorre-se a esse método. Esta é a abordagem seguida pelo Estado autoritário. A democracia do trabalho, no entanto, vai ao núcleo da questão e pergunta: Como se pode eliminar, de uma vez, os fenômenos de violação e assassínio? Só depois de ter compreendido e, ao mesmo tempo, condenado a obrigatoriedade do recurso à execução surge com a devida clareza e acuidade o problema da eliminação.”

“Um dos fatores que contribuíram para levar ao poder o fascismo alemão foi a fragmentação da sociedade alemã em numerosos partidos políticos, diferentes e combatendo-se entre si. A sua rápida e poderosa ascensão constitui uma clara prova de que as massas alemãs consideravam mais importante a prometida unificação da sociedade, com base na idéia de Estado, do que a orientação política dos diferentes partidos.”

“Os fascistas não foram os únicos a sublinhar a necessidade do Estado. Limitaram-se a fazê-lo com maior eficiência e intensidade do que o fizeram o governo social-democrata, os comunistas e os liberais. É esse o segredo do seu triunfo. Assim, é a divisão política de uma sociedade que faz surgir a idéia de Estado, e vice-versa — a idéia de Estado cria a divisão da sociedade. É um círculo vicioso, para o qual só há saída possível se tanto a divisão da sociedade como a idéia de Estado forem examinadas a fundo e reduzidas a um denominador comum.” “Um dos maiores erros na apreciação das ditaduras consistiu em afirmar que o ditador se impõe à sociedade, por assim dizer, de fora, e contra a sua vontade.”

“Este esclarecimento da idéia de Estado à luz da sociologia, realizado pelo industrial e sociólogo alemão Friedrich Engels, retirou o fundamento de todas as filosofias sobre o Estado que, de uma maneira ou de outra, apontavam, em última análise, para uma idéia platônica, abstrata e metafísica de Estado. A teoria de Friedrich Engels, em vez de justificar o aparecimento do aparelho de Estado por valores superiores ou por um misticismo nacionalista, retrata, de maneira simples, a natureza dupla do Estado: ao descrever as bases sociais em que se assenta o aparelho de Estado, realçando ao mesmo tempo a contradição entre o Estado e a sociedade, fornece, tanto ao estadista perspicaz da envergadura de um Masaryk ou de um Roosevelt, como ao simples cidadão trabalhador de todo o mundo, um poderoso meio para compreender a divisão da sociedade e a conseqüente necessidade de um aparelho de Estado… e os meios para eliminá-lo.

“Como as uniões sexuais não são monogâmicas, os jovens trobriandeses de um clã têm relações sexuais com os de outro clã. Se entendermos a relação social entre as pessoas como toda a relação que sirva para a satisfação de uma necessidade biológica fundamental, concluiremos que as relações sexuais têm uma função tão importante como as relações econômicas. Mas, à medida que progride a divisão entre o trabalho e a satisfação das necessidades, e à medida que as próprias necessidades se tornam mais complexas, cada membro isolado da sociedade trabalhadora é cada vez menos capaz de cumprir sozinho as diversas funções que lhe cabem. Assim, transplantemos a sociedade dos trobriandeses, com a sua economia natural, para qualquer região da Europa ou da Ásia. É lícito apresentar esta hipótese, dado que todas as nações desta Terra provêm de tribos, e as tribos, por sua vez, têm a sua origem em clãs. Do mesmo modo, a economia mercantil, baseada no dinheiro, provém, invariavelmente, da economia natural. Suponhamos que, numa daquelas pequenas comunidades de 200 a 300 membros, surja a necessidade de estabelecer relações com a outra comunidade. Essa necessidade ainda é reduzida, pois é apenas um dos 200 membros que sente necessidade de comunicar algo a um membro de outra comunidade. Monta o seu cavalo e dirige-se para a outra localidade para transmitir a notícia. Entretanto, aparece a técnica da escrita, e a necessidade de estabelecer relações sociais com os membros de outras comunidades aumenta lentamente. Até então, cada indivíduo levava sua própria correspondência, mas, a certa altura, pede-se ao cavaleiro que leve e distribua várias cartas. As comunidades crescem, sendo agora constituídas por 2 a 5 mil habitantes. Centenas de membros de uma localidade sentem a necessidade de se corresponder com outras centenas de membros de outra comunidade. Com o desenvolvimento do comércio, a correspondência escrita deixou de ser uma curiosidade. A distribuição de cartas passa a ser uma tarefa diária, indispensável e cada vez mais difícil de ser realizada da maneira antiga. A comunidade discute o problema e decide contratar um carteiro. Para isso, libera um dos seus membros — que até então em nada se distinguira dos seus companheiros —, de todas as outras tarefas, garante-lhe subsistência e encarrega-o da tarefa de distribuir a correspondência de toda a comunidade. Este primeiro carteiro representa a encarnação da relação humana que se processa através da correspondência e sua distribuição. Deste modo surgiu um órgão social que apenas se encarrega de distribuir a correspondência de todos. Este carteiro é um tipo primitivo de administrador social, cujo trabalho indispensável está ainda inteira e rigorosamente ao serviço da comunidade.

Suponhamos agora que as comunidades primitivas, com o correr dos anos, e em grande parte devido à nova função da correspondência e das relações sociais desenvolvidas nessa base, se convertam em pequenas cidades de, digamos, 50 mil habitantes. Um só carteiro já não chega; tornam-se necessários 100 carteiros. Estes 100 carteiros precisam de uma administração própria, sob a forma de um carteiro-principal. Este carteiro-principal é um dos antigos carteiros, que é então liberado da tarefa de distribuir a correspondência. Passa a cumprir a função mais ampla de organizar da maneira mais prática a atividade dos 100 carteiros. Ainda não exerce funções de <supervisão> e não dá ordens. Ainda não sobressai do conjunto dos carteiros. Limita-se a facilitar aos 100 carteiros o seu trabalho, determinando a hora do dia em que as cartas devem ser recolhidas e distribuídas. Ocorre-lhe a idéia de criar selos para simplificar o conjunto daquelas funções.”

“O sistema-postal tornou-se um aparelho da sociedade; nasceu da própria sociedade com a finalidade de aumentar sua coordenação sem ainda se opor a esta sociedade como um poder superior.

Como é então possível que um aparelho administrativo da sociedade tenha se tornado um aparelho repressivo? Não é com base na sua função primitiva que se dá essa transformação. O aparelho administrativo conserva essas funções sociais, mas, gradualmente, desenvolve outras características, além dessa atividade indispensável. (…) Já existem, por exemplo, famílias <aristocráticas>, constituídas a partir dos primitivos chefes de tribo. Por meio da acumulação dos dotes de casamento, essas famílias criaram duas espécies de poder: em primeiro lugar, o poder que decorre da propriedade, e, em segundo lugar, o poder de proibir aos seus próprios filhos o estabelecimento de relações sexuais com as classes menos abastadas da comunidade social. Estas duas funções do poder encontraram-se sempre lado a lado, no desenvolvimento da escravidão econômica e sexual. O patriarca autoritário, cada vez mais poderoso, quer impedir que outros membros mais fracos da comunidade mantenham, sem obstáculos, as suas relações com as outras comunidades. Quer igualmente impedir que as suas filhas troquem correspondência amorosa com os homens que bem entenderem. Está interessado em que as suas filhas se liguem exclusivamente a determinados homens abastados. Ora, os seus interesses de opressão sexual e econômica levam-no naturalmente a apoderar-se daquelas funções sociais autônomas que anteriormente estavam confiadas ao conjunto da sociedade. O nosso patriarca pretende agora, servindo-se da sua crescente influência, impor que o correio deixe de distribuir todas as cartas sem distinção, passando a distribuir algumas cartas e excluir outras, como, por exemplo, as cartas de amor em geral e determinadas cartas de negócios. Para exercer esta função nova, o correio atribui a um dos carteiros a tarefa da <censura da correspondência>. Deste modo, a administração social do serviço postal adquire uma segunda função que o torna um poder autoritário separado e acima da sociedade.” “Pode acontecer, por exemplo, que jesuítas se sirvam da censura da correspondência para os seus próprios fins. Também a política de segurança do Estado pode utilizar a censura já implantada da correspondência para fortalecer o seu poder.”

“Para Lenin e seus contemporâneos, o <Estado capitalista> não passava de instrumento do poder da <classe de capitalistas privados>. A simplicidade desta relação traduziu-se, por exemplo, do seguinte modo, nos filmes russos sobre a revolução:

O proprietário de uma fábrica tenta baixar os salários, enquanto os operários exigem salários mais altos. O capitalista recusa-se a ceder a essa exigência; em resposta, os operários da fábrica entram em greve para impor o cumprimento das suas reivindicações. O capitalista chama então o chefe de polícia, encarregando-o de <restabelecer a ordem>. Aqui, o chefe de polícia atua como um instrumento público do capitalista, revelando claramente que o Estado é um <Estado capitalista>. O chefe de polícia envia os seus contingentes, manda prender os <instigadores>; os operários estão sem líder. Algum tempo depois, começam a sentir o tormento da fome e, voluntária ou involuntariamente, voltam ao trabalho. O capitalista venceu. Há necessidade de uma organização de trabalhadores melhor e mais sólida.

Na opinião dos sociólogos russos que tomaram o partido dos trabalhadores, esse filme refletia a relação entre o Estado e o capitalismo na América. Contudo, 20 anos de gigantescas transformações sociais provocaram alterações que já não coincidem com o esquema simples que descrevemos acima. No sistema de capitalismo privado, começaram a surgir cada vez mais claramente organismos que foram designados globalmente como <capitalistas de Estado>. A sociedade russa substituiu o papel do capitalista privado pelo domínio ilimitado do Estado. Não importa o nome que se dê a ele, mas o certo é que, de um ponto de vista sociológico correto e rigorosamente marxista, o capitalismo privado foi substituído pelo capitalismo de Estado. Como já dissemos, o conceito de capitalismo é determinado, não pela existência de capitalistas individuais, mas pela existência de uma economia de mercado e de trabalho assalariado.”

“Em outras palavras: em consequência dos acontecimentos revolucionários ocorridos na União Soviética e da crise econômica cada vez mais generalizada nas outras sociedades, surgiram graves focos de crise e, consequentemente, a necessidade de mobilizar o aparelho de Estado existente contra um processo de destruição. <O Estado> como poder social autônomo regressava à sua função original de manter a coesão da sociedade, a qualquer preço.”

“Esse processo pôde ser observado claramente na Alemanha: a necessidade de coesão durante a grave crise de 1929-39 foi de tal ordem que a idéia do Estado autoritário e totalitário conseguiu impor-se quase sem resistência. É certo que a sociedade conseguiu manter-se, mas não se verificou a solução dos problemas que tinham precipitado a crise social. Isso é facilmente compreensível dado que a ideologia do Estado é incapaz de lidar, de maneira atual e prática, com interesses opostos.”

“Nas indústrias Göring, o capitalismo privado e o capitalismo de Estado fundem-se em um só. Como entre os operários e empregados alemães as tendências anticapitalistas tinham sido sempre bastante fortes, essa transformação só era viável se acompanhada de métodos de propaganda anticapitalista. Foi exatamente essa contradição que fez da carreira triunfal do fascismo o protótipo do irracionalismo social, difícil de ser apreendido. Como o fascismo prometia simultaneamente a revolução contra o capitalismo privado e o remédio contra a revolução, conforme se dirigisse às massas trabalhadoras ou aos capitalistas privados, todo e qualquer movimento desse tipo tinha de acabar por ser contraditório, incompreensível e infrutífero. Isto explica, em grande parte, a compulsão que levou o aparelho de Estado alemão para a guerra imperialista.”

“Já aprendemos, entretanto, a atribuir a acontecimentos baseados em ilusões uma importância igual, se não maior, que à realidade mais sólida. A atuação da hierarquia da Igreja no decurso de milhares de anos constitui uma sólida prova disso. Mesmo que não tivesse sido resolvida nenhuma das dificuldades concretas da vida social, a unificação estatal, politicamente ilusória, dava a impressão de que alguma coisa fôra conseguida. É evidente que os acontecimentos subseqüentes provaram a inconsistência dessa solução estatal.”

“É o acaso que decide se o funcionário de Estado é um indivíduo de mentalidade democrática ou de tendências autoritárias. E, do ponto de vista da estrutura e da ideologia das massas trabalhadoras, não há na realidade qualquer garantia de que a ditadura não se desenvolverá a partir do capitalismo de Estado.”

“o aparelho de Estado americano formou-se a partir de grupos humanos que se subtraíram aos despotismos europeus e asiáticos, refugiando-se numa região virgem e livre de tradições. Só assim se compreende que, até o momento deste trabalho, não se tenha podido desenvolver nos Estados Unidos nenhum aparelho de Estado totalitário, enquanto, na Europa, todas as revoluções trouxeram invariavelmente consigo novas formas de despotismo, sob a palavra de ordem da liberdade.” Que lástima…

“Os fundadores da revolução americana tiveram de construir a sua democracia em terreno estrangeiro e em bases inteiramente novas, a partir do nada. Os homens que levaram a cabo essa realização eram, na sua maioria, rebeldes contra o despotismo inglês. Pelo contrário, os revolucionários russos foram forçados a assumir os destinos de toda a população russa, e a administrá-la. Os americanos tiveram a possibilidade de começar tudo de novo, ao passo que os russos traziam a reboque tudo o que estava para trás, por mais que lutassem contra isso. Isto talvez também explique por que motivo os americanos, que continuaram a manter viva a recordação da sua própria fuga ao despotismo, atuaram, em relação à tragédia dos novos refugiados de 1940, de um modo muito diferente, mais aberto e mais acessível do que a União Soviética, que fechou as suas portas.”

A SUCUMBIDA: “Resta-nos a esperança de que a democracia americana compreenda a tempo, e em tudo o que isso implica, que o fascismo não é exclusivo de uma nação ou de um partido; e que consiga dominar a tendência que existe nas pessoas para a ditadura. Só o tempo nos dirá se os americanos vão sucumbir ou resistir à compulsão do irracionalismo.”

X. FUNÇÃO BIOSSOCIAL DO TRABALHO

“A União Soviética aboliu a economia de lucro privada, mas não a estatal. Começou pretendendo transformar a <racionalização> capitalista do trabalho numa <racionalização> socialista. Libertou as forças produtivas do país e reduziu o horário de trabalho para todos; deste modo conseguiu atravessar sem desemprego a grave crise econômica de 1923-32. Indubitável que a União Soviética conseguiu satisfazer as exigências da economia planificada, com as suas medidas de racionalização que, de início, foram parcialmente socialistas. No entanto, o problema fundamental de uma verdadeira democracia, de uma democracia de trabalho, é mais do que apenas um problema de racionalização de trabalho. Mais do que qualquer outra coisa, é um problema de alterar a natureza do trabalho, de modo que este deixe de ser um dever fastidioso e se torne a realização gratificante de uma necessidade.”

“a psicologia experimental só considera a questão de saber que métodos permitem alcançar o maior rendimento possível da força de trabalho humana. Ao falar de alegria no trabalho, refere-se às realizações de um cientista ou de um artista que trabalhem independentemente. Também a teoria da psicanálise sobre o trabalho incorre no erro de se orientar sempre pelo padrão do trabalho intelectual. O estudo do trabalho humano, do ponto de vista da psicologia de massas, parte, corretamente, da relação do trabalhador com o produto do seu trabalho.”

“É perfeitamente admissível que o trabalhador possa ter contato com o produto total do trabalho, sem no entanto ser suprimida a divisão do trabalho.” Será?

“O que é feito da eliminação da divisão do trabalho, no paraíso dos trabalhadores que é a União Soviética? O que é feito do prazer no trabalho? O que é feito do sistema de salários e da economia de mercado? Vocês não vêem, a partir dos resultados da revolução operária, como são impossíveis e ilusórias as suas concepções epicuristas sobre o trabalho?”

“O fato de ninguém ainda ter conseguido escalar o monte Everest não constitui prova de que seja impossível fazê-lo. Só faltam os últimos 800 metros!” “Foram precisos séculos para se chegar à idéia de construir as fábricas, não como prisões, mas como lugares plenos de luz, de ventilação, de banheiros, cozinhas, etc. As necessidades da economia de guerra introduziram os aparelhos de rádio nas fábricas. Este processo se desenvolveria ilimitadamente, se os trabalhadores, e não os políticos, estivessem no controle da imprensa.” “Neste ponto, o adversário da democracia do trabalho poderia argumentar triunfalmente que a maior parte destas inovações não pôde ser mantida, que, por exemplo, as discussões sobre a produção degeneraram, com o tempo, em mera formalidade, ou foram totalmente suprimidas. A isto respondemos: os irmãos Wright não tornaram o vôo possível, embora Ícaro e Dédalo, na Antiguidade, e Leonardo da Vinci, na Idade Média, tenham fracassado em seus esforços para voar?”

O diretório tripartido e a autogestão das empresas foram abolidos quando um só diretor assumiu a direção da empresa, assumiu a responsabilidade individual e avançou para uma posição de liderança independente. Esse <diretor> era ainda originário da classe trabalhadora, isto é, dos trabalhadores da empresa em questão. Mas este diretor autônomo da empresa era logo forçado a desenvolver todas as características de um fiscal, de um burocrata ou de um dominador, o qual já não fazia parte das massas de trabalhadores. É esta a origem da <classe dominante> na União Soviética.”

“É sempre mais fácil, para quem se mantém numa atitude passiva, ridicularizar os fracassos de quem tenta avançar. Para o governo soviético, constituiu desde sempre uma grande dificuldade o fato de que justamente os operários especializados e interessados mostraram pouco entusiasmo pela política.”

“O trabalhador que se interessava pelos aspectos técnicos do seu trabalho, se pertencia a um partido político, era obrigado a voltar-se para a problemática política, quando chegava a noite. Os políticos não estavam em condições de adotar posições e pensamentos revolucionários a partir do próprio processo de trabalho; a verdade é que nada sabiam sobre o trabalho.”

“A democracia natural do trabalho elimina a falta de interesse; não a disfarça através de uma identificação ilusória com o <Estado>, a cor do cabelo ou a forma do nariz; elimina a falta de interesse permitindo que os trabalhadores sintam uma responsabilidade real por seu produto e tenham a sensação de que <essa empresa é nossa>.”

“Consideramos <libidinosa>¹ a relação de um homem com o seu trabalho, quando este lhe proporciona prazer; dado que o trabalho e a sexualidade (nos sentidos lato e estrito das palavras) estão estreitamente ligados entre si, a relação do homem com o trabalho é também uma questão pertencente ao domínio da economia sexual das massas humanas.”

¹ Hoje no dicionário: lascivo, dissoluto.

“Ora, quando 33 mil trabalhadores abandonam ao mesmo tempo uma fábrica, exatamente na primavera, não pode haver dúvidas de que a origem do problema está numa condição insatisfatória da economia sexual na União Soviética.”

O HORRÍVEL BUROCRATÊS DE STALIN:

Precisamos agora de uma organização que, sem se propor o objetivo pouco agradável de supervisionar tudo, seja capaz de concentrar toda a sua atenção na tarefa de controlar e verificar a implementação das decisões das instituições centrais. Essa organização só pode ser a Comissão Soviética de Controle do Conselho do Comissariado da União Soviética.

“A autogestão desejada não se desenvolveu, e não podia ter-se desenvolvido, porque o Partido Comunista, embora já tivesse proclamado o princípio da autogestão, não conhecia os meios necessários para concretizá-lo.”

“não é nos sovietes, como representantes dos homens e mulheres trabalhadores, que reside a causa do fracasso, mas sim na manipulação destes sovietes pelos políticos.” “Não se pode censurar o governo soviético por ter voltado aos métodos de controle autoritário e moralista: ele teve de fazê-lo para não pôr em perigo o resto. Pode-se censurá-lo, sim, por ter esquecido a autogestão, por ter dificultado seu desenvolvimento futuro e por não ter criado suas condições prévias.”

“As ilusões servem sempre para impedir a realização daquilo que representam.” “Uma ditadura declarada é muito menos perigosa do que uma democracia aparente.” “Por isso não podemos poupar aos políticos soviéticos a acusação de desonestidade. Prejudicaram, mais do que Hitler, o desenvolvimento da verdadeira democracia.”

“Determinavam-se planos. Os desertores eram expostos ao ridículo público; efetuavam-se manobras: as pessoas eram alarmadas e mobilizadas. A cavalaria ligeira se apossava dos postos avançados de comando em ataques perigosos.”

“Uma vez que a revolução social não se materializou no Ocidente, e que, acima de tudo, a autogestão da sociedade soviética não se desenvolveu, a situação na Rússia soviética era de fato comparável a um estado de guerra. A diplomacia soviética enfrentava então a difícil missão de evitar confrontos militares, especialmente o confronto com o Japão, devido à ferrovia da China Oriental e da Manchúria.”

“Quando uma população de 160 milhões de pessoas é mantida durante anos num clima de guerra, sendo-lhe inculcada uma ideologia militarista, são inevitáveis as influências sobre a formação da estrutura humana, mesmo que tenha sido atingido o objetivo dessa ideologia de guerra.”

“Quando um governo que se sente rodeado por poderes beligerantes exerce, durante anos seguidos, um tipo definido de influência militarista e ideológica sobre as massas, e, envolvido no turbilhão de tarefas imediatas de difícil resolução, acaba esquecendo sua própria tarefa, é facilmente tentado a manter e intensificar essa atmosfera, mesmo depois que, uma vez atingido o seu objetivo, ele tenha se tornado supérfluo.” Não faz sentido, já que a URSS não realizou nenhuma das duas tarefas: superar militar e economicamente seu principal adversário; implementar a autogestão.

“O heroísmo que presidia aos esforços de reconstrução da indústria era notável. Mas em que difere essencialmente esse heroísmo daquele da juventude hitlerista ou daquele de um soldado imperialista?”

“Reinstituiu-se o sistema de bônus. Os trabalhadores eram remunerados de acordo com sua força de trabalho; aqueles que faziam mais recebiam melhor alimentação e moradia. Mas isso não era o pior: foi restabelecida a forma mais rígida do sistema competitivo de salários. Tudo isto foi <necessário>, mas devia ter ficado claro que era diametralmente oposto ao objetivo original.”

“os operários tinham de comprometer-se a permanecer até o fim do plano qüinqüenal. Visto que cerca de 40% da indústria da União Soviética, no tempo do plano qüinqüenal, servia para a produção de material de guerra, tornava-se necessário intensificar consideravelmente o trabalho, para manter num certo nível a indústria de bens de consumo. Assim se organizaram <noites de trabalho>, com o propósito de estimular a ambição. Nessas <noites>, estabeleciam-se competições para ver quem conseguia datilografar mais depressa, embrulhar bombons mais depressa, etc. Em várias fábricas foi instituído o sistema de quadro preto e quadro vermelho. No quadro preto, eram escritos os nomes dos trabalhadores <preguiçosos>; no vermelho, os dos trabalhadores <bons e diligentes>. Ignoraram-se os efeitos produzidos pela exaltação moral de uns e pela humilhação de outros sobre a formação do caráter. Mas, a partir de tudo o que sabemos sobre a aplicação dessas medidas, podemos concluir com segurança que os efeitos sobre a formação da estrutura humana foram desastrosas. Aqueles que viam o seu nome escrito no quadro preto tinham, sem dúvida, sentimentos de vergonha, inveja, inferioridade e mesmo ódio; os que eram inscritos no quadro vermelho podiam vangloriar-se face aos outros concorrentes, podiam sentir-se vitoriosos, podiam dar vazão à sua brutalidade e fazer triunfar a sua ambição. Mas, na realidade, os vencidos em tal concurso não eram necessariamente os <inferiores>. Pelo contrário: temos o direito de supor que alguns dos <negros> eram homens estruturalmente mais livres, mesmo que mais neuróticos.”

“Chamava-se stakhanovistas aos operários que ultrapassavam em muito o nível médio de produtividade das empresas. Stakhanov fora o primeiro operário industrial a estabelecer recordes de produtividade do trabalho.”

wiki: “In 1988, the Soviet newspaper Komsomolskaya Pravda claimed that the widely cited achievements of Stakhanov were puffery. The paper insisted that Stakhanov had used a number of helpers on support works, while the throughput was tallied for him alone. Still, according to the newspaper, Stakhanov’s approach had eventually led to increased productivity by means of a better work organization, including specialization and task sequencing.” Ok, uma continência ao Sr. Ford vermelho!

“A falta de instrumentos de trabalho e de matérias-primas, o alojamento em grande parte miserável e a resistência passiva de muitos trabalhadores, são freqüentemente superiores às forças dos membros dos Komsomols [o equivalente na URSS à Juventude Hitlerista], e houve casos em que aqueles que chegavam com canções entusiásticas voltavam a partir com lágrimas de desespero.”

“Se hoje uma fábrica produz máquinas defeituosas, comete um crime contra o socialismo, contra todos nós que lutamos pela sua construção. Desertar da frente de batalha não é uma falta em relação ao oficial, mas sim uma traição aos camaradas. Desertar da frente do plano qüinqüenal e do socialismo não é fazer greve contra o empresário, mas é um crime contra todos nós.”

“Fazer guerras, criar indústrias, agitar bandeiras, organizar desfiles militares são brincadeiras de criança, se comparadas com atarefa de criar uma humanidade livre.”

…O bolchevismo na Rússia não corresponde àquilo que os entusiastas do comunismo neste país nos levaram a acreditar. Tem-se desviado constantemente para a direita nos últimos 12 meses, o que é evidente de muitas maneiras. Em parte nenhuma vi tanto respeito pelas fileiras do Exército como na Rússia, da base ao topo, o que vai no sentido do capitalismo e da democracia. [!!!] Os uniformes dos oficiais foram, em grande medida, copiados daqueles do tempo do czar, e a imprensa impinge ao povo heróis pré-revolucionários.

General americano protofascistinha

“As afirmações ridículas como a que foi citada acima só são possíveis se a história de um país e sua luta amarga pela libertação da escravidão não forem conhecidas. Rickenbacker aponta a União Soviética de 1943 como um modelo para os Estados Unidos. Fazia-o porque estava irritado com o absenteísmo nas fábricas americanas. Impressionava-o a facilidade com que a ditadura parecia ser capaz de enfrentar as dificuldades sociais. Mas, se é esse o caso, que preocupação é essa com a liberdade, guerra de libertação, mundo novo? Essa tagarelice babilônica é uma conseqüência do <politicalismo>.”

“Se as coisas continuarem como estão, há uma possibilidade muito real de, em breve, os Estados Unidos estarem em guerra com a Rússia. A União Soviética não tolerará nem uma América e nem uma Alemanha verdadeiramente democráticas. Uma das muitas razões para isso será a consciência carregada que pesa intensamente sobre a liderança de um Estado que partiu para conquistar liberdade para o mundo e acabou em um chauvinismo antiquado, contra o qual seus fundadores lutaram tão amargamente.”

XI. DAR RESPONSABILIDADE AO TRABALHO VITALMENTE NECESSÁRIO!

“O processo de reconstrução social na Europa começará com um vazio na vida social, o qual será principalmente caracterizado pelo caos político.”

“A democracia do trabalho não é um sistema ideológico. Também não é um sistema político, que pode ser imposto à sociedade humana através da propaganda de um partido, de políticos isolados ou de qualquer grupo que compartilhe a mesma ideologia. Não existe uma única medida política formal, capaz de <instituir> a democracia do trabalho. Não é possível instituir a democracia do trabalho, como se institui uma república ou uma ditadura totalitária.”

“Não é necessário, e seria mesmo catastrófico, instituir sistemas políticos recentemente concebidos. O que é necessário é coordenar as funções naturais da vida com a regulação dos processos sociais futuros. Não é preciso criar nada de novo; devemos simplesmente remover os obstáculos que se opõem às funções sociais naturais, independentemente das formas que estes obstáculos possam assumir.”

“A democracia natural do trabalho não tem uma orientação política nem de <esquerda> nem de <direita>. Abrange todos aqueles que desempenham um trabalho vitalmente necessário e, por isso, a sua orientação é exclusivamente no sentido do futuro. Não tem, na sua essência, a isenção de ser contra ideologias, nem contra ideologias políticas. Mas, se quer funcionar plenamente, é obrigada, também pela sua essência, a opor-se fortemente a qualquer orientação ideológica e, certamente, a qualquer partido político que impeça o seu caminho, de maneira irracional.” “Em resumo, a democracia do trabalho é uma função — básica, natural e biossociológica — recém-descoberta da sociedade. Não é um programa político. Assumo toda a responsabilidade por este breve resumo e exposição de idéias.”

XII. O ERRO DE CÁLCULO BIOLÓGICO NA LUTA DO HOMEM PELA LIBERDADE

“Nós terminamos uma guerra para pôr fim a todas as guerras; não há, portanto, motivo para inquietação.”

“quando a Liga das Nações e os diplomatas dão provas suficientes de sua incapacidade para lidar com problemas urgentes, quando se desencadeia uma nova guerra — desta vez envolvendo o mundo todo e mais violenta do que todas as guerras que a história conhece —, então todas as atenções se concentram no objetivo de <vencer a guerra>. Então se diz: <Primeiro temos que ganhar a guerra. Não é tempo para verdades profundas. Precisaremos delas quando tivermos ganho a guerra, pois nessa altura teremos também de assegurar a paz>.”

“Só depois de se ganhar a guerra e se concluir a paz (!) é que se pretende assegurar a paz. Ignora-se, assim, que é exatamente durante a guerra que têm lugar as profundas convulsões sociais que destroem as velhas instituições, que transformam o homem, que, em outras palavras, as sementes da paz germinam nas devastações da guerra.”

“O homem aprendeu a construir represas quando passou por inundações.”

“Mas, em vez de aproveitar a tempo os ensinamentos da guerra para construir um mundo novo, adiam-se decisões importantes, a ponto de os diplomatas e estadistas estarem tão ocupados com acordos de paz e indenizações, que já não há tempo para <fatos básicos>. Pois, nos períodos de transição entre o fim das hostilidades e a conclusão de uma paz aparente, diz-se: <Primeiro é preciso reparar os estragos da guerra; a produção de guerra tem de ser convertida em produção de paz; nossas mãos estão ocupadas. Antes de lidarmos com esses fatos básicos, vamos organizar tudo pacificamente.> Entretanto, os ensinamentos da guerra são esquecidos; mais uma vez, tudo foi arranjado de tal maneira que, no decorrer de uma geração, estoura uma nova guerra ainda mais terrível.”

“Se alguém, como eu, passou por esse adiamento de questões essenciais e ouviu esses mesmos argumentos pela 2ª vez, em 45 anos de vida; se reconheceu, na nova catástrofe, todas as características da antiga catástrofe, então tem de admitir, embora relutantemente, que não houve nenhuma mudança essencial desde a primeira catástrofe (a menos que se considere o aperfeiçoamento dos meios de destruição e um desenvolvimento mais difundido do sadismo humano como mudanças essenciais).” Mas criaram-se as bases da internet e da telefonia móvel, dirão os economistas!!

Novo clássico: A ARTE DE PROSSEGUIR EM GUERRA

“Afirma-se que a guerra <purifica> a atmosfera, que tem grandes vantagens — ela <fortalece a juventude>, tornando-a corajosa. E acredita-se, de maneira geral, que sempre houve e sempre haverá guerras. (…) Nunca ouvi dizer que os ursos ou os elefantes tenham o costume de se dividir em dois grupos que se destroem mutuamente.”

Os ecos do adestramento descoberto por Nie.: “as massas humanas, em conseqüência de milênios de distorção social e educacional, tornaram-se biologicamente rígidas e incapazes de liberdade; não são capazes de estabelecer a coexistência pacífica.”

“É ridículo dizer que o general psicopata conseguiu violentar por si só 70 milhões de pessoas.”

Milhões de Reiches.

“O fascismo é o resultado da distorção do homem através de milhares de anos. Poder-se-ia ter desenvolvido em qualquer país ou nação. Não é uma característica especificamente alemã ou italiana. O fascismo se manifesta em cada cidadão do planeta.”

Quem quer ser um Zaratustra? Um milhão de Carmen San Diegos…

“Adiei repetidamente o momento de escrever estas conclusões. Tentei livrar-me do problema, dizendo a mim mesmo que não sou político e que os acontecimentos políticos não me dizem respeito; ou que os meus estudos de biofísica orgânica me davam muito que fazer e que não devia sobrecarregar-me mais ainda com uma questão social básica ingrata e que, provisoriamente, parecia insolúvel. Tentei convencer-me de que era a minha secreta ambição política que me levava a me envolver na confusão das ideologias políticas irracionais; não queria ceder a ambições dessa ordem. Os políticos e estadistas responsáveis fatalmente se ocupariam desses problemas, cedo ou tarde!”

“A estrutura biológica do caráter do homem não é mais do que a fossilização do processo histórico autoritário.”

“Quem, como eu, perdeu, durante a Primeira Guerra Mundial, o lar, a família e os bens, quem viveu durante 3 anos e ½ de uma guerra mortífera, quem viu morrer e desaparecer numerosos amigos, quem assistiu a êxodos em massa e a destruições, etc., compreende o que milhões e milhões de homens e mulheres estão sofrendo hoje. Queremos pôr fim a essa ignomínia! É uma ignomínia que um punhado de malfeitores prussianos e de neuróticos perversos, funcionando como führers de uma coisa ou outra, possam explorar o estado de desamparo social de milhões de homens e mulheres trabalhadores e decentes.”

“Se nos entregássemos à ilusão de que basta eliminar a peste do fascismo para que a liberdade social funcione, prevaleçam a justiça, a verdade e a decência; nesse caso estaríamos sem dúvida condenados a soçobrar.”

“Não será fácil para os que trabalham no campo da biofísica orgânica, da psicologia estrutural e da economia sexual fugir à influência das ilusões e preservar, na forma de um cristal claro e puro, os seus conhecimentos, para as gerações futuras: é necessário que esses conhecimentos sejam ainda utilizáveis, na prática, depois da 6ª, 12ª ou 20ª guerra mundial.”

“Jesus defendeu uma verdade incomensurável para o seu tempo. Essa verdade morreu no mundo cristão quando a Jesus sucederam os papas. O conhecimento profundo da miséria humana, adquirido há 2 mil anos, deu lugar a fórmulas rígidas”

“As verdades da economia de Marx pereceram na Revolução Russa, quando a palavra <sociedade> foi substituída por <Estado> e o conceito de uma <humanidade internacional> foi substituído pelo pacto com Hitler.”

MAQUIAVEL TAMBÉM AUTOGESTIONAVA: “Seria estúpido tentar conquistar as massas com a afirmação de que elas próprias, e não alguns psicopatas, é que são responsáveis pela miséria social, de que elas próprias, e não um dirigente eleito ou aclamado, têm a responsabilidade pelo seu destino, de que elas e só elas são responsáveis por tudo que acontece neste mundo. Isso está em total desacordo com tudo que as massas até agora ouviram e absorveram. Seria estúpido pretender alcançar o poder por meio de tais verdades.”

“É verdade que os nossos conceitos de potência orgástica, couraça de caráter e orgone parecem irrelevantes, se comparados com a barragem de Dneprostroi ou com o blackout ou com Bataan e Tobruk. [??] Isto, evidentemente, a partir de um ponto de vista atual. Mas, afinal, o que restou de Alexandre, o Grande que se possa comparar às leis de Kepler? E de Júlio César, comparado com as leis da mecânica? E das campanhas de Napoleão, comparadas com a descoberta de microrganismos ou do psiquismo inconsciente?”

Aldridge está errado quando censura os chefes dos exércitos democráticos por tentarem poupar a vida humana, ao invés de imitar os robôs humanos. Também está errado quando exige que os combatentes antifascistas aprendam a matar de maneira ainda mais mecânica, mais automática e mais científica do que os autômatos prussianos. Tentar derrotar tais autômatos recorrendo aos seus próprios métodos é como tentar esconjurar o diabo por meio de Belzebu, isto é, quem o tentar, transformará a si mesmo, no processo de aprender a matar melhor e mais cientificamente, num autômato mecânico” Mas e então?

“Nossa concepção de luta antifascista é outra. É um reconhecimento claro e impiedoso das causas históricas e biológicas que determinaram tais assassínios. Só por este processo, e nunca pela imitação, será possível destruir a peste fascista. Não se pode vencer o fascismo imitando-o ou exagerando os seus métodos, sem o perigo de incorrer, voluntária ou involuntariamente, numa degeneração de tipo fascista.” Ainda bem que Reich era um pensador, e não um estratego militar.

“Ora, o homem desenvolveu a idéia peculiar de que não era um animal; ele era um <homem>, e há muito tempo se afastara do <mau> e do <brutal>. O homem tenta distinguir-se do animal por todos os meios, e, para provar que <é melhor>, invoca a civilização e a cultura, que o diferenciam dos animais. Mas todo o seu procedimento, suas <teorias de valor>, suas filosofias morais, suas <tentativas de macaco>, tudo comprova o fato de que ele não quer lembrar-se do fato de que, no fundo, é um animal, e de que tem muito mais em comum com <os animais> do que com aquilo que afirma e sonha ser. A teoria do super-homem alemão baseia-se nisso. Sua perversidade, sua incapacidade de conviver pacificamente com os seus semelhantes e suas guerras comprovam o fato de que o homem se distingue dos outros animais apenas pelo seu sadismo desmedido e pela trindade mecânica da visão de vida autoritária, da ciência mecanicista e da máquina. Quem considerar com atenção os resultados da civilização humana durante longos períodos verificará que as pretensões do homem não só são falsas, como também parecem ter o objetivo exclusivo de fazer o homem esquecer que é um animal.”

“Gozar a vida, com o auxílio da máquina, sempre foi o seu sonho. E na realidade? A máquina foi, é e continuará sendo o seu mais perigoso destruidor, se o homem não se diferenciar dela.”

“Quando, finalmente, o homem ousou descobrir os seus próprios órgãos, de maneira lenta, cautelosa e muitas vezes ameaçado de morte pelos seus semelhantes, interpretou então as suas próprias funções com base nas máquinas que, séculos antes, começara a construir (…) Mas o funcionamento da vida é inteiramente diferente; não é mecanicista. A energia biológica específica, que é o orgone, obedece a leis que não são nem mecânicas nem elétricas. (…) O homem sonha com poder construir um dia um homúnculo como Frankenstein, ou pelo menos um coração ou uma proteína artificiais. As idéias que a fantasia humana teceu em torno do homúnculo convertem-no num monstro violento, de aparência semelhante à do homem, mas de uma estupidez mecânica e de uma força bruta que, uma vez liberada, é impossível de controlar, e automaticamente provoca devastação. Walt Disney captou isso brilhantemente no seu filme Fantasia. (…) Por outro lado, nota-se claramente que o homem atribui aos animais que retrata exatamente aquelas características de que sente falta em si próprio, as quais, porém, não atribui ao homúnculo. Isso também se revela muito bem nos filmes de Disney sobre animais.”

Naruto é o animal místico mais poderoso, só por isso ele traz a paz duradoura. Goku é um gorila destrutivo e imparável. Gon é uma besta que, uma vez acordada, perde toda a capacidade de raciocínio, o exato oposto da quimera-formiga-rei Meruem, o pacifista. Netero reconhece que a malícia humana é infinitamente mais ampla e profunda que a de qualquer besta mágica. Os Houyhnhnms são tudo que quereríamos ser, até um padre o conhece, e não Darwin, o demasiado humano. Os aborígenes – os selvagens! – são mais humanos que o homem cultivado. O demônio enfeado no inferno é mais convincente como figura histórica que um amorfo Jesus de Nazaré…

“Os bebês recém-nascidos têm que tomar uma quantidade determinada de leite a intervalos determinados e têm que dormir um número também determinado de horas. A sua dieta tem que conter x gramas de gordura, y gramas de proteínas e z gramas de carboidratos. O homem não tem pulsão sexual até o dia do casamento; a partir desse dia, exatamente, passa a tê-lo. Deus criou a Terra em exatamente 6 dias e, ao sétimo, descansou, tal como o homem descansa das máquinas. As crianças têm que estudar x horas de matemática, y horas de química, z horas de zoologia; todas têm exatamente o mesmo número de aulas e têm de absorver a mesma quantidade de conhecimentos. A inteligência brilhante equivale a 100 pontos, a inteligência média a 80 pontos e a estupidez a 40 pontos. Com 90 pontos obtém-se o grau de doutor, mas não com 89.”

“A vida psíquica continua sendo para o homem alguma coisa nebulosa e misteriosa ou, na melhor das hipóteses, uma secreção do cérebro que é, por assim dizer, cuidadosamente conservada em compartimentos. Não tem maior significado do que as fezes, excretadas pelo intestino.” “(Nos meus estudos experimentais sobre o orgone, ainda continuo espantado com o fato de milhares de extraordinários pesquisadores terem-no ignorado.)” Mau sinal

“Não à animalidade! Não à sexualidade! — estes são os princípios da formação de todas as ideologias humanas, disfarçados quer sob a forma fascista de <super-homem> de raça pura, a forma comunista de honra da classe operária, a forma cristã de <natureza espiritual e moral> do homem ou a forma liberal de <valores humanos superiores>.”

“Quantas desgraças não tem provocado a filosofia platônica do Estado! São evidentes os motivos por que o homem conhece melhor os políticos do que os cientistas: não quer que lhe recordem que é, no fundo, um animal sexual: não quer ser um animal.” Ponto de vista imbecil e parvo de quem não entendeu Platão. Nem a união da eidos de Política, Arte, Cultura e Ciência.

“Um ministro da educação esclarecido poderia promulgar os decretos necessários à reformulação da educação. Os erros estariam corrigidos em uma ou duas gerações. Afirmações insensatas como esta foram também feitas por homens sensatos na época da Revolução Russa, entre 1917 e 23.”

“Não é por acaso que a noção platônica do Estado nasceu na sociedade grega escravagista.” You are utterly wrong! Or am I?

O que diabos é Baku? Este livro envelheceu mal!

O homem é o animal que sofre. Porém dir-se-ia que ele está tornando seus animais favoritos, lentamente, companheiros sofredores (cães, gatos e cavalos deprimidos, etc.).

“Por mais imóveis que sejam sua pélvis e suas costas, por mais rígidos que estejam seu pescoço e seus ombros, por mais tensos que sejam seus músculos abdominais — ou por mais que erga o peito de orgulho ou de medo —, o homem sente, no profundo cerne das suas sensações, que ele é apenas um pedaço de natureza viva e organizada.”

“As massas humanas, sob a influência dos políticos, costumam atribuir a responsabilidade pelas guerras àqueles que detêm o poder numa determinada época. Na Primeira Guerra Mundial, foram os industriais de material bélico; na Segunda Guerra Mundial foram os generais psicopatas.”

amor livre é um conceito que se degradou e perdeu o sentido que lhe fôra conferido pelos velhos lutadores pela liberdade. Nos filmes, ser criminoso e ter uma sexualidade intensa são representados como sendo a mesma coisa.”

“Existe um perigo enorme de que a própria organização social democrática formal venha a degenerar numa organização ditatorial quando tiver de defender-se da ditadura autoritária sobre a sua vida.”

“não se pode contar com o retorno do velho”

A massa são os tentáculos da sociedade, diria o hentai japonês.

“lutando com dificuldade para obter um lugar ao sol, a planta acaba ficando retorcida. Quando libertamos um desses brotos das ervas daninhas, verificamos que ele se desenvolve melhor a partir de então; mas os efeitos anteriores da erva daninha não podem ser eliminados. Há um crescimento deficiente, atrofiamento dos ramos, mau desenvolvimento das agulhas. Mas as sementes novas que caem em terreno livre de ervas daninhas desenvolvem-se, desde o início, livre e plenamente.”

Eu achava que vivíamos no deserto, mas vivemos numa superfloresta amazônica…

“todos os dias nascem novos seres humanos e, dentro de 30 anos, a raça humana estará biologicamente renovada; virá ao mundo sem quaisquer marcas de deformação fascista.” Infelizmente isso foi afirmado em 1950…

“O fascismo alemão é fruto da rigidez biológica e da deformidade da geração alemã anterior. O militarismo prussiano, com sua disciplina mecânica, seu <passo-de-ganso> e seu <peito para fora, barriga para dentro>, foi uma expressão extrema dessa rigidez.” Barriga de chopp, porra!

“Fórmulas gerais, como <liberdade de imprensa, de reunião e de expressão>, etc., são imprescindíveis, mas nem de longe suficientes. É que, segundo essas leis, o homem irracional desfruta exatamente dos mesmos direitos que o homem amante da liberdade. E, como a erva daninha cresce com mais facilidade e maior rapidez que uma árvore forte, é inevitável que o hitlerismo acabe por triunfar.” Sim, liberdade de expressão apenas para os petistas: ditadura do proletariado é o único meio.

“Quem quer guiar um automóvel, precisa passar por um exame de motorista. Quem ocupa uma casa que está além de suas possibilidades, tem que alugar uma casa menor. Quem pretende abrir uma sapataria, tem de provar que está habilitado para isso. Mas não existe no século XX nenhuma lei que proteja os recém-nascidos da incapacidade educacional e das influências neuróticas dos pais. Um sem número de novos seres podem, e devem, segundo a ideologia fascista, ser colocados no mundo; mas ninguém pergunta se esses novos seres poderão ser alimentados adequadamente e educados de acordo com os tão louvados ideais. O lema sentimental da família numerosa é tipicamente fascista, seja quem for que o propague. (Surgiu lamentavelmente também no Plano Beveridge, de características progressistas, em 1942, na Inglaterra.)”

“Do ponto de vista médico e educacional, é indispensável pôr fim ao fato deplorável de centenas de milhares de médicos e professores poderem dirigir os destinos de cada nova geração, sem terem adquirido o mínimo conhecimento sobre as leis que regulam o desenvolvimento biossexual da criança. E isso ainda ocorre 40 anos após a descoberta da sexualidade infantil. A mentalidade fascista é inculcada dia após dia, hora após hora, em milhões de jovens e de crianças, devido a essa ignorância dos educadores e dos médicos. Isso nos leva a formular de imediato duas exigências. Primeira: todo o médico, educador, assistente social, etc., que lida com jovens e crianças terá que provar que ele próprio é saudável do ponto de vista da economia sexual e que adquiriu conhecimentos detalhados sobre a vida sexual das pessoas de 1 a 18 anos de idade.” “Segunda: o amor natural à vida, por parte da criança e do adolescente, deve ser protegido por leis claramente definidas. Esta exigência parece radical e revolucionária. Mas o fascismo, que se desenvolveu com base na repressão da sexualidade das crianças e adolescentes, teve, como todos reconhecerão, efeito muito mais radical e revolucionário, no sentido negativo das palavras, do que jamais poderá ser, de um ponto de vista positivo, a proteção da sociedade aos impulsos naturais.”

“A democracia do trabalho não pode ser organizada, do mesmo modo que a liberdade não pode ser organizada. Não se pode organizar o crescimento de uma árvore, de um animal ou de um homem. O crescimento de um organismo é livre, no mais rigoroso sentido do termo, pela própria função biológica. Igualmente livre é o crescimento natural de uma sociedade. Regula a si próprio e não necessita de legislação. Mas pode ser impedido ou desviado.”

Bombas de flor, flores de bomba. Bombons floridos, flores & bobinas…

MAL SABE VOCÊ QUE ESTÁ APENAS REPETINDO PLATÃO 2300 ANOS DEPOIS: “Não dizemos àqueles que trabalham conosco como ou o que eles devem pensar. Não <organizamos> seu pensamento. Mas exigimos que todos aqueles que trabalham no nosso setor se libertem das maneiras falsas de pensar e de agir que lhes foram impostas pela educação que receberam. Deste modo, as suas reações espontâneas libertam-se de maneira racional.” A diferença seria que Platão via esse modelo educacional, p.ex., em Esparta – algo muito longe e muito acima de qualquer estado degenerado das civilizações européias – e achava que o que estava funcionando não precisaria de mudanças radicais…

“É ridículo discutir com um assassino o seu direito de assassinar. Mas comete-se sempre esse erro em relação aos fascistas. Em vez de se considerar o fascismo como a irracionalidade e a infâmia organizada pelo Estado, vê-se nele uma <forma de Estado> em pé de igualdade com as outras. Isto acontece porque todos têm o fascismo em si mesmos. É evidente que também o fascismo <às vezes tem razão>. Do mesmo modo que o doente mental. O problema é que ele não sabe quando tem razão.”

“Não existe contrapeso significativo para compensar as influências biologicamente destruidoras da tecnologia da máquina.”

MESSIAH!

“A resposta para este doloroso dilema surgiu espontaneamente quando me interroguei sobre o modo como eu mesmo chegara às formulações funcionais nos domínios da psiquiatria, sociologia e biologia, chegando desse modo a esclarecer e substituir a mecanização e o misticismo naqueles três domínios. Não me considero um super-homem. Não sou muito diferente da média das pessoas. Como é que consegui então encontrar uma solução que a todos os outros se mantivera vedada? Gradualmente, comecei a compreender que a minha prática profissional de dezenas de anos, em que me ocupei do problema da energia biológica, me obrigara a libertar-me dos métodos e concepções mecanicistas e místicas, para poder me dedicar exclusivamente ao meu trabalho nos organismos vivos. Isto significa que foi o meu trabalho que me obrigou a aprender a pensar funcionalmente. Se eu tivesse me limitado a seguir a estrutura mecânica e mística que herdei da minha educação, não teria descoberto um único fato da biofísica orgônica. Comecei a trilhar a via até então oculta que me levaria à descoberta do orgone quando entrei no domínio do proibido das palpitações orgásticas do plasma. Olhando para trás, percebi claramente que a minha evolução tinha passado por muitos pontos críticos em que teria sido possível recuar da minha visão funcional¹ e viva das coisas para uma visão mecânica e mística. Nem eu sei como escapei a esse perigo. Mas tenho a certeza de que a visão funcional da vida, que contém tantas respostas essenciais para o caos atual, se alimentou do meu trabalho coma energia biológica, a energia orgônica.”

¹ Hoje essa palavra soa ofensiva acompanhada de “viva”!

“o orgone cósmico — a energia especificamente biológica que existe no Universo — não funciona de modo mecanicista e não é de natureza mística. Esta energia orgônica é regida pelas suas próprias leis funcionais específicas as quais não podem ser compreendidas de modo rígido, material, mecanicista ou em conceitos de eletricidade positiva ou negativa. Obedece a leis funcionais, como a da atração, dissociação, expansão, contração, irradiação, pulsação, etc. Duvido que a energia orgônica se preste a qualquer tipo de assassinato e, portanto, a qualquer técnica mecanicista de extermínio.”

Tudo o que é vivo morre, mas o que vida, não!

“As radiações orgônicas são a contribuição importante que a economia sexual oferece para a continuação do gênero humano. Mais cedo ou mais tarde, círculos e grupos cada vez mais vastos de pessoas familiarizar-se-ão com as funções do orgone.” Ainda à espera do desmentido.

“Peço que esta conclusão não seja tomada por uma proclamação messiânica. Considero-me, como por várias vezes tive ocasião de salientar nos meus escritos, um <verme no Universo>, um simples instrumento de uma determinada lógica científica. Faltam-me inteiramente certas características como a megalomania que levou o general pestilento a executar os seus atos criminosos.”

XIII. SOBRE A DEMOCRACIA NATURAL DO TRABALHO

“No ano de 1937, portanto 2 anos antes do início da II Guerra, foi publicado na Dinamarca um folheto intitulado A organização natural do trabalho na democracia do trabalho. Esse estudo não era assinado. Dizia-se apenas que era da autoria de um trabalhador de laboratório, e escrito com a concordância de outros homens e mulheres que executavam trabalhos práticos no mesmo setor. Foi publicado em alemão, simplesmente mimeografado e, mais tarde, traduzido para o inglês. A sua circulação foi reduzida, pois não era promovido por nenhum aparelho de propaganda política e não tinha pretensões políticas. Mas recebeu manifestações de adesão em toda a parte em que foi lido. Teve acesso a pequenos círculos, em Paris, na Holanda, na Escandinávia, na Suíça, na Palestina. Algumas dúzias de exemplares conseguiram atravessar clandestinamente a fronteira alemã. Só um semanário socialista alemão publicado em Paris lhe fez referência; de resto, não causou a menor sensação. Longe de desempenhar um papel revolucionário nos acontecimentos políticos da época, logo se perdeu no turbilhão. Não se tratava, aliás, de um panfleto político; muito pelo contrário, era um panfleto contra a política, elaborado por um trabalhador.”

“Nos 6 anos de guerra que se seguiram, não se ouviu mais falar desse panfleto. Mas, em 1941, surgiu uma continuação do primeiro escrito, intitulada Problemas adicionais da democracia do trabalho. Também foi transportada ilegalmente para vários países europeus, chegando a ser ‘interceptada’ pela polícia secreta americana, o FBI.” Antes de se preocupar em causar mutação genética nos outros, o Tio Sam queria é imitar nazi…

“Um estudante de medicina, antes de ter licença para praticar medicina, tem de comprovar rigorosamente os seus conhecimentos práticos e teóricos. Pelo contrário, um político que se propõe determinar o destino não de centenas, como o médico, mas de muitos milhões de homens e mulheres trabalhadores, não é submetido a uma prova semelhante na nossa sociedade.”

“São outros trabalhadores, com anos de prática, que decidem, de modo mais ou menos fundamentado, se o aprendiz está qualificado para exercer um trabalho profissional. É isso que se exige, embora as coisas muitas vezes não ocorram assim. Mas, ao menos, existe uma orientação. Nos Estados Unidos essa exigência é levada ao ponto de uma balconista, numa grande loja de departamentos, ser obrigada ater estudos universitários. Por mais exagerada e socialmente injusta que possa ser essa exigência, ela revela claramente a pressão social que se exerce mesmo sobre o trabalho mais simples. Qualquer sapateiro, carpinteiro, torneiro, mecânico, eletricista, pedreiro, servente de obra, etc., tem de preencher determinados requisitos.”

“Nos últimos 25 anos, temos testemunhado como um jornalista medíocre foi capaz de brutalizar os 50 milhões de pessoas da forte nação italiana, reduzindo-as, finalmente, a um estado de miséria.” “…até que, certo dia, o feitiço desapareceu silenciosamente, de tal modo que se teve a sensação de que nada acontecera!” “Um aprendiz de pintor, inteiramente fracassado do ponto de vista profissional, anda na boca de toda a sociedade humana durante 20 anos, sem que tenha realizado uma única ação útil, de valor prático. Também neste caso se assiste a uma enorme confusão que, de repente, se dissolve na constatação de que <nada aconteceu>. O mundo do trabalho prossegue o seu ritmo calmo, silencioso, indispensável à vida. Da grande confusão nada subsiste, além de um capítulo nos manuais de história, de orientação falsa, que impingem aos nossos filhos.”

“Não é nossa tarefa investigar aqui o modo como o atual sistema de partidos políticos se desenvolveu a partir dos primeiros sistemas de governo patriarcal e hierárquico da Europa e da Ásia. O que é essencial aqui é estudar o efeito do sistema de partidos políticos no desenvolvimento da sociedade. O leitor já terá adivinhado que a democracia natural do trabalho é um sistema social que já existe, e não um sistema ainda por instituir, o qual é tão inconciliável com o sistema de partidos políticos como a água com o fogo.”

“Designemos por homem científico, sem nos prendermos a detalhes, o ser humano que desempenha algum tipo de trabalho vitalmente necessário que exija uma compreensão dos fatos. Neste sentido, o torneiro numa fábrica é um trabalhador científico, visto que o seu produto se baseia nos frutos do seu próprio trabalho e da pesquisa, e no trabalho e pesquisa de outros.” “Não precisa de poder, pois não é por meio do poder que se constroem motores, que se produzem medicamentos, que se educam as crianças, etc. O homem científico e trabalhador vive e atua sem armas.”

“Prometem, dos seus gabinetes ministeriais, que trarão Deus, o Diabo e o paraíso à Terra, podendo estar certos de que ninguém os chamará a prestar contas por fraude. As suas afirmações estão protegidas pelo direito democrático inviolável da liberdade de expressão. Mas, se refletirmos atentamente sobre o assunto, concluiremos que há algo errado no conceito de <liberdade de expressão>, se é possível um pintor malogrado usar esse direito para conquistar, de um modo absolutamente legal e no decorrer de poucos anos, uma posição no mundo que jamais foi concedida a nenhum dos grandes pioneiros da ciência, da arte, da educação e da técnica, na história da humanidade.”

“Quero deixar bem claro que sou e sempre fui a favor do sufrágio universal. Mas isso em nada altera o fato inegável de que a instituição social do sufrágio universal da democracia parlamentar de modo nenhum corresponde às 3 funções essenciais da existência social [AMOR, TRABALHO E CONHECIMENTO].”

“Não existe na legislação da democracia parlamentar uma única disposição que garanta ao amor, ao trabalho e ao conhecimento prerrogativas especiais na condução dos destinos da sociedade.”

“O sistema de partidos políticos não satisfaz, de maneira nenhuma, as condições, as tarefas e os objetivos da sociedade humana. Isso está claramente patente, por exemplo, no fato de que um sapateiro não pode simplesmente decidir transformar-se em alfaiate, nem um médico em engenheiro de minas, nem o professor em carpinteiro. Por outro lado, um republicano pode tornar-se democrata, nos Estados Unidos, de um dia para o outro, sem uma mudança objetiva em suas idéias” Por um lado, a comparação com profissões é chula, porque cada um tem o direito de mudar de profissão sem mudar de identidade. Por outro, caro Reich, você está seguindo Platão, ao pé-da-letra ou não…

“na Alemanha antes de Hitler, um comunista podia facilmente se tornar um fascista, um fascista um comunista, um liberal um comunista ou social-democrata, e um social-democrata um nacionalista alemão ou socialista-cristão. Essas mudanças podem fortalecer ou enfraquecer a ideologia do programa de qualquer um dos respectivos partidos; podem, em resumo, determinar, do modo mais inconsciente, o destino de uma nação inteira.”

ON MERKELISM: “As chamadas coligações entre partidos nada mais são do que recursos de emergência por falta de uma orientação objetiva, e contornar as dificuldades sem resolver nenhuma delas realmente. É que não se podem resolver problemas reais e palpáveis com opiniões, que se mudam como se troca de camisa.”

“pelo fato de atacar a política, como princípio e como sistema, será de esperar que este trabalho seja atacado por meio de ideologias políticas. Será interessante e fundamental observar de que modo a sociologia da democracia do trabalho resistirá na prática. A democracia do trabalho, tal como eu a entendo, opõe às ideologias políticas o ponto de vista da função social e do desenvolvimento social, isto é, opõe-lhe fatos e possibilidades. É uma abordagem semelhante à que ocorre no domínio da moralidade: a economia sexual lida com os estragos causados pela moralidade compulsiva, não por meio de outro tipo de moralidade, como é costume em política, mas por meio de conhecimentos concretos sobre a função natural da sexualidade.”

“A afirmação de que um trabalho positivo nunca é contra mas sempre a favor de alguma coisa pode parecer improvável e exagerada. Isso resulta do fato de que a nossa vida de trabalho está repleta de expressões de opiniões motivadas irracionalmente, que não se distinguem das avaliações objetivas. Por exemplo, o agricultor é contra o trabalhador e o trabalhador é contra o engenheiro, etc. Um médico é contra este ou aquele medicamento. Pode-se dizer que faz parte da livre expressão democrática ser <a favor> ou <contra>. Eu, por outro lado, afirmo que esta concepção formalista e não objetiva do conceito de liberdade de expressão é o principal responsável pelo fracasso das democracias européias. Exemplifiquemos: um médico é contra o uso de determinado medicamento. Pode sê-lo por dois motivos:

Ou o medicamento é efetivamente prejudicial e o médico é consciencioso: neste caso, o fabricante do medicamento trabalhou mal. O seu trabalho não teve êxito e, evidentemente, não foi motivado por um forte interesse objetivo em fabricar um medicamento eficaz e inofensivo. A motivação do fabricante baseou-se não na função do medicamento, mas, digamos, no interesse do lucro; é, portanto, uma motivação irracional, porque não é compatível com o fim em vista. Neste caso, o médico atua racionalmente, no interesse da saúde humana, isto é, ele é automaticamente contra o mau medicamento, porque é a favor da saúde.”

“Um músico não pode criticar um mineiro, assim como um médico não pode criticar um geólogo.” Na boa? Vai se fuder!

YIN-YANG DIFICILMENTE EXISTENTE FORA DA CABEÇA DE REICH: “Ora, se a tal <natureza humana>, considerada imutável, corresponde à peste emocional, e esta, por sua vez, ao somatório de todas as funções vitais irracionais do homem; e se as funções do trabalho são, em si mesmas e independentemente do homem, racionais, então estamos diante de 2 importantíssimos setores de atividade humana que se opõem mortalmente: de um lado o trabalho vitalmente necessário, como função vital racional; de outro lado, a peste emocional, como função vital irracional.”

“Não importa absolutamente que um arquiteto, um médico, um professor, um torneiro, um educador, etc., seja fascista, comunista, liberal ou cristão, quando se trata de construir uma escola, de curar doentes, de tornear esferas ou de tratar de crianças. Nenhum desses trabalhadores pode fazer grandes discursos ou promessas fantásticas; ele tem que fazer um trabalho prático e palpável de colocar tijolo sobre tijolo, depois de ter refletido e feito projetos para decidir quantos compartimentos terá a escola, onde será colocada a ventilação, as portas e as janelas, e onde ficarão a administração e a cozinha.” Há controvérsias, sobretudo no tocante ao professor.

“Um grupo político, muito depois de levar um país à falência, continua seus velhos debates ideológicos em outro país.”

“Se, em 1933, quando comecei a adivinhar a existência de uma energia biológica universal, tivesse afirmado alto e bom som que essa energia realmente existia, que ela era capaz de destruir tumores cancerosos, eu apenas teria confirmado o diagnóstico de esquizofrenia feito por psicanalistas precipitados e seria metido num manicômio. Em conseqüência das minhas investigações no domínio da biologia, eu poderia ter criado uma série de ideologias e poderia ter fundado um partido político, um partido libertário, defensor da democracia do trabalho. Não há dúvida de que eu o poderia ter feito tão bem quanto outros que tinham menos experiência prática. Por meio da influência que eu tenho sobre as pessoas, teria sido fácil eu me cercar da minha própria SS e fazer com que milhares de homens usassem emblemas da democracia do trabalho. No entanto, isso não me teria aproximado nem um passo a mais do problema do câncer nem da compreensão das sensações cósmicas ou oceânicas do animal humano. Teria formulado solidamente a ideologia da democracia do trabalho, mas o processo da democracia do trabalho, desconhecido mas existente na natureza, continuaria sem ter sido descoberto.” “Tive de ler livros, dissecar cobaias, tratar diversos materiais de centenas de maneiras diferentes, até realmente descobrir o orgone e conseguir concentrá-lo em acumuladores, tornando-o visível.”

“Uma criança tem de aprender a ler antes de poder entender o quê as pessoas dizem em seus escritos. [VERDADE] Um médico tem de estudar anatomia antes de compreender a patologia. [FALSO!]” Não sou eu que opino assim, George Beard, neurologista do XIX, falou-o textualmente: seria melhor que o estudante de medicina iniciasse na prática, pois calhamaços repetidos não lhe inculcam o conhecimento e muitas vezes atrapalham sua clínica vindoura.

Há muito que se refletir, criticar e analisar sobre isso: “Não tenho uma ideologia que me obrigue a ser racional, por motivos éticos ou quaisquer outros. O comportamento racional me é naturalmente imposto pelo meu trabalho, de modo objetivo. Acabaria morrendo de fome se não me esforçasse por proceder racionalmente. O meu trabalho me corrige imediatamente, cada vez que eu tento encobrir as dificuldades com ilusões, pois não posso eliminar a paralisia biopática com ilusões, do mesmo modo que um maquinista, um arquiteto, um agricultor ou um professor não podem produzir, por meio de ilusões, o trabalho que lhes compete.”

Infelizmente, desmistificar o fascismo é só a parte mais fácil de tudo…

“Este ponto de vista é novo, tanto em psicologia como em sociologia; é novo em sociologia porque esta, até agora, considerou racionais os atos irracionais da coletividade, e é novo em psicologia porque esta não duvida da racionalidade da sociedade.” Um ponto de vista novo ligado à imanência não significa nada. E a via de acesso à transcendência se encontra bloqueada para nós.

“Consideraremos trabalho vitalmente necessário todo tipo de trabalho indispensável à manutenção da vida humana e ao funcionamento da sociedade.” Agora entendi. Finalmente iremos falar sobre álbuns de black metal!

“A contradição entre trabalho e política aplica-se tanto ao capitalista como ao trabalhador assalariado. Do mesmo modo que um pedreiro pode ser fascista, também um capitalista pode ser socialista. Em resumo, temos de compreender que não é possível orientar-se no caos social baseando-se em ideologias políticas.” Socialistas de fábricas de iphone são muito poderosos.

“Henry Ford poderá ter adotado esta ou aquela opinião política; poderá ter sido, ideologicamente, um anjo ou uma pessoa perniciosa; mas o que é inegável é que foi o primeiro americano a construir um automóvel, tendo contribuído para alterar radicalmente o aspecto técnico dos Estados Unidos. Edison foi sem dúvida um capitalista, do ponto de vista da ideologia e da política, mas não existe nenhum funcionário político de qualquer movimento de trabalhadores que não tenha utilizado a lâmpada concebida por Edison, ou que tenha a coragem de afirmar que ele foi um parasita da sociedade.”

“precisamente na época em que eu escrevia estas páginas, estava diante do problema de fazer placas e anúncios para o Orgonon [clínica e escola no Maine]. Como não sou carpinteiro, não sei fazer as placas. Como também não sou pintor, não sou capaz de fazer inscrições bem feitas. Mas precisávamos de placas para o nosso laboratório. Assim, fui obrigado a procurar um carpinteiro e um pintor, e resolver com eles, em pé de igualdade, sobre a melhor maneira de realizar aquelas tarefas. Sem os seus conselhos práticos e experientes, teria sido impossível para mim a realização da tarefa. Nessa ocasião, era absolutamente indiferente que eu me julgasse ou não um sábio acadêmico ou um cientista natural; assim como eram inteiramente indiferentes as <opiniões> do carpinteiro ou do pintor sobre o fascismo ou sobre o New Deal. O carpinteiro não podia considerar-me como <lacaio do proletariado revolucionário>, nem o pintor poderia ver em mim um <intelectual> supérfluo. O próprio processo de trabalho levou-nos a trocar nossos conhecimentos e experiência prática. Assim, o pintor, para poder trabalhar de modo não-mecânico, teve de compreender o símbolo do nosso método funcional de pesquisa [?] e, ao consegui-lo, entusiasmou-se pelo trabalho. Eu, por outro lado, aprendi com o carpinteiro e com o pintor coisas que desconhecia sobre a disposição das letras e das placas mais adequada à execução correta da função de um estabelecimento de ensino.” U-A-U!

“Sem o auxílio do fabricante de lentes e do engenheiro eletrotécnico, eu não poderia ter avançado nem um passo na investigação do orgone; por sua vez, o engenheiro e o fabricante de lentes enfrentavam alguns problemas não-resolvidos da teoria sobre a luz e a eletricidade, para alguns dos quais existe esperança de solução através da descoberta do orgone.” sub judice

“Karl Marx, quando começou a sua crítica da economia política, não era político, e nem membro de nenhum partido. Era economista e sociólogo. Foi precisamente a peste emocional das massas humanas que impediu que os seus ensinamentos fossem ouvidos; foi a peste emocional que fez com que Marx morresse na miséria; foi a peste emocional que o obrigou a fundar uma organização política, a famosa Aliança Comunista, que ele próprio dissolveu depois de pouco tempo; foi a peste emocional que converteu o marxismo científico¹ no marxismo político e partidário, que nada tem a ver com o marxismo científico, e que é, em parte, responsável pelo advento do fascismo.² A afirmação de Marx de que ele <não era um marxista> traduz exatamente esse fato. Marx não teria recorrido à solução de fundar uma organização política, se o pensamento das massas humanas fosse, em regra, racional, e não irracional. É certo que a máquina política foi muitas vezes necessária, mas foi uma medida compulsiva, devido ao irracionalismo humano.

¹ Nada mais que filosofia continental. Isso contradiz a questão da democracia natural do trabalho…

² Culpa do PT!

“Durante cerca de uma década, nada se assemelhou à política dos ditadores europeus. Para compreender a essência da política, basta atentar para o fato de que uma personagem como Hitler pôde manter o mundo inteiro com a respiração suspensa durante anos e anos. O fato de Hitler ter sido um gênio político serviu para desmascarar, mais do que nada, a natureza da política em geral. Com Hitler, a política atingiu o seu desenvolvimento máximo. Sabemos quais foram os seus resultados e qual foi a reação do mundo. Em resumo, acredito que o séc. XX, com as incomparáveis catástrofes que o marcaram, assinala o começo de uma nova era social, livre da política.” Só mais uma versão pseudo-a-ideológica do Fim da História…

GULLIVER’S TRAVELS INTO SEVERAL REMOTE NATIONS OF THE WORLD – Trechos traduzidos por Rafael Aguiar

AS VIAGENS DE GULLIVER A VÁRIAS NAÇÕES REMOTAS DO MUNDO

Jonathan Swift, deão de São Patrício em Dublin, primeiro publicado no verão 1726-7 e agora finalmente trazido para os modernos conhecedores do Idioma Português, nesta pandemia de 2020!

PARTE I – VIAGEM A LILLIPUT

“Meu pai tinha algumas poucas posses em Nottinghamshire: eu era o terceiro de 5 filhos.” (Incrível semelhança com Robinson Crusoe! – https://seclusao.art.blog/2018/06/06/a-vida-e-as-aventuras-de-robinson-crusoe-em-291-293-paragrafos-traducao-inedita-para-o-portugues-com-a-adicao-de-comentarios-e-notas-de-rafael-a-aguiar/)

“Meu pai costumava me remeter esporadicamente algumas somas de dinheiro que bastavam para minhas módicas despesas; eu as aplicava aprendendo a Náutica, bem como outros segmentos da Matemática úteis àqueles que desejam empregar seus dias viajando. Algo me dizia que, quer queira, quer não, mais cedo ou mais tarde, eu estaria destinado a este ofício! (…) Estudei Física 2 anos e 7 meses, conhecendo sua utilidade ao percorrer longos trajetos.”

“aconselhado a abandonar o celibato, casei-me com a senhorita Mary Burton, segunda filha do senhor Edmund Burton, tecelão e dono de armazém na rua de Newgate, de quem recebi, como dote,  8 mil xelins.”

“Fui cirurgião em dois navios subsecutivamente, vindo a fazer diversas viagens ao longo de 6 anos, às Índias Orientais e Ocidentais, excursões que também acresceram minha fortuna. Minhas horas de ócio eu empregava lendo os melhores autores, antigos ou modernos, nunca me encontrando nalgum lugar sem uma penca de livros; a bordo, ao poder observar os hábitos e os costumes de outros povos, aprendia sobre sua cultura, aproveitando para aprender também sua língua. Creio que eu nasci predisposto a esse tipo de aprendizado, pois minha prodigiosa memória me poupava dos mais ásperos esforços.”

“Acabei por aceitar uma proposta muito vantajosa do capitão William Prichard, regente do navio Antílope, que excursionaria em breve rumo aos mares do Sul. Partimos de Bristol dia 4 de maio de 1699, e posso dizer que no começo nossa jornada foi bastante próspera.”

“Na medição, encontrávamo-nos na latitude de 30 graus e 2 minutos sul. Doze de nossos tripulantes já haviam morrido de excesso de fadiga e escassez de víveres.”

“Nadei a esmo, conforme a fortuna me ditou, e de algum modo avancei graças ao vento e à maré. Constantemente deixava minhas pernas caírem, e não era capaz de sentir nenhum fundo. Mas, quando já não podia me agüentar, percebi que estava incrivelmente perto da praia, a uma profundidade propícia para um homem atravessar andando. Nesse momento a tempestade já havia enfraquecido deveras. O declive do solo neste litoral era tão pequeno que caminhei, ainda com as pernas submersas, mais de um quilômetro até me achar finalmente em terra seca. Calculei que devia ser umas 8 da noite.”

“Dentro em pouco senti algo vivo se movendo pela minha perna esquerda, deslizando e subindo suavemente, escalando até meu peito, e depois quase alcançando uma de minhas bochechas. Ao baixar minha vista para resolver o mistério – que será? –, vejo uma criatura humana de 6 polegadas, armada de arco-e-flecha, com uma aljava às costas. Não tive tempo de raciocinar antes que sentisse mais umas 40 criaturinhas semelhantes formigando por minha cútis! Claro, estão seguindo a primeira, conjeturei. Meu espanto carecia de expressão”

Hekinahdegul!, os outros repetiram as mesmas palavras diversas vezes, e nesse ponto da estória eu não sabia o que isso queria dizer.”

“Tolgophonac”

“Langrodehulsan”

“Peplomselan”

“Essas pessoinhas são exímios matemáticos, e atingiram a perfeição em engenharia, muito devido à industriosidade e empenho do imperador, um grande mecenas do conhecimento, se me é permitido o trocadilho.”

“Passei algumas horas bastante premido pelas necessidades da natureza; é de admirar que eu tenha agüentado tanto, já que fazia já 2 dias que eu não evacuava. Meu caso era grave: ao mesmo tempo que se insinuava essa emergência corporal, meu sentimento de decência me refreava. A melhor solução que encontrei, enfim, foi enfiar-me o mais fundo que pudesse no que me deram como moradia; segui, portanto, até a corrente que me prendia não me permitir ir mais longe, e detrás de bem-fechados portões descarreguei aquele excesso desconfortável de dentro de mim. Mas juro que essa foi a única ocasião em minha vida que me tornei culpável por uma ação tão abjeta!”

“Deste dia em diante, meu hábito passou a ser, assim que acordava, praticar ‘o ato’ a céu aberto, no limite do alcance de minha corrente. Além disso, graças a minha prevenção e também ao susto do incidente anterior, todo o cuidado era tomado pelo governo para que, antes de qualquer trânsito de pessoas pela rua, dois servos especialmente designados removessem a matéria ofensiva com a ajuda de carrinhos de mão. Eu não perderia tanto tempo da narrativa com detalhes tão escatológicos, à primeira vista absolutamente inoportunos, se não cresse imprescindível justificar minha conduta, meu asseio e minha higiene perante a boa sociedade”

“Ele era pelo menos uma unha (minha) mais alto que todo o restante da côrte, o que, por si só, é de saltar às vistas, naquele mundinho em miniatura!” “Ele já estava na metade descendente da vida, nos seus 28 anos e 9 meses, dos quais ele reinou por 7 na mais plena tranqüilidade e prosperidade.” “Seus trajes eram simples, diria que a moda de seu povo se situava entre a asiática e a européia; porém, à cabeça usava um portentoso elmo dourado, todo cravado de jóias, encimado por uma pluma.”

“tentava me comunicar com eles em quantas línguas eu sabia e em quantas eu não sabia (qualquer palavra decorada já me servia de auxílio), as quais eu enumeraria como as seguintes: o Holandês erudito e o vulgar, Latim, Francês, Espanhol, Italiano e a língua franca; mas não se espantem quando eu disser que nada dessa minha poliglotia servia para eu me fazer entender.”

“Eles perceberam o quanto seria oneroso eu ser mantido pela tribo. Que minha dieta custar-lhes-ia o suor de muitos e muitos homúnculos, eventualmente causando até fome e miséria em seu país. Então a dado ponto eles me submeteram praticamente a uma greve de fome ou jejum compulsório. Mas não era uma solução definitiva. Então um dia me flecharam na face e nas mãos com setas envenenadas, esperando, senão matar-me (porque o veneno seria reduzido comparado a meu volume relativo de rios de sangue), ao menos livrarem-se de mim (esperando que eu fugisse). Na verdade só posso considerar este como o plano desde o início, ao pensar melhor, pois a própria possibilidade da minha morte e da transformação do meu corpo em cadáver seria o bastante para desencadear uma grave crise: uma porção imensurável de carne putrefata, um odor pestífero que logo se alastraria, e que talvez iniciasse uma epidemia capaz de dizimar aquela civilização na micro-metrópole de Lilliput! O melhor para eles é que eu me fosse embora, voluntariamente.”

“Foi ordenada uma comissão de 6 habitantes, que ganhariam salários, para serem meus domésticos; foram-lhes erguidas moradias equidistantes e ao redor da minha própria<casa>. Foi também estipulado que 300 alfaiates se encarregariam de me confeccionar alguns vestuários conforme a moda local”

“em cerca de 3 semanas eu fiz grandes progressos no aprendizado da língua nativa”

Imprimis: no bolso direito da jaqueta do grande homem-montanha (pelo menos é assim que eu decifro a expressão quinbusflestrin), após a mais meticulosa busca, nada encontramos além de uma flanela gigante, gigante o bastante para servir de carpete da maior sala do palácio real. (…) Obrigamo-lo então a revelar o que se encontrava no extremo da corrente; pareceu-nos uma espécie de globo. Meio-prata e meio-translúcido, embora esta segunda parte também fosse de um material metálico; nessa metade transparente constatamos algumas estranhas figuras desenhadas em círculo; muito embora fôssemos capazes de <tocá-las>, era apenas uma ilusão de perspectiva, pois o tato nos revelava que tocávamos com os dedos apenas a superfície transparente do hemisfério do globo, e não os desenhos inscritos por debaixo daquele domo. Ele aproximou este globo de nossos tímpanos, queria que verificássemos uma coisa – o estranho mecanismo não parava de emitir um certo som como o de um moinho de vento, a intervalos regulares! Conjeturamos: será um animal desconhecido? Ou o deus que o homem-montanha venera? Achamos mais provável esta última opção, pois ele mesmo nos afiançou (se compreendemo-lo bem, pois ele não domina nossa língua e o conceito parecia um tanto abstrato) que rara era a ocasião em que ele fazia qualquer coisa sem consultar seu objeto ou talismã primeiro. Ele o chamou de <seu oráculo>, e declarou que tal globo ou entidade era o responsável por indicar-lhe precisamente o tempo destinado a cada ação do seu ciclo de existência.”

“a pólvora eu havia deixado amarrada, impermeável, dentro da algibeira, precaução de todo bom marinheiro quando infelizmente tem de se jogar no mar”

“Ele ficou espantado diante do barulho contínuo que o cilindro produzia, e também do rastro da bala no ar, que ele podia claramente discernir (a vista dos liliputianos é muito mais perfeita que a nossa)”

“Minha cimitarra, minhas pistolas e algibeira foram todas estocadas em carruagens nos depósitos de sua majestade; o resto dos meus pertences, ao menos, foi-me devolvido.

Eu tinha um bolso bem escondido em minhas vestes, que escapou a toda inspeção minuciosa deste povo singular. Nele eu guardava um par de óculos (porque algumas vezes eu tinha fraqueza nos olhos), um monóculo portátil e outras bagatelas que, não sendo de maior consequência para o imperador, bem julguei que não valesse a pena revelar-lhe a existência. Além do quê, cogitei que, de tanto manusearem esses instrumentos delicados, podiam acabar quebrando alguma lente.”

“Algumas vezes eu me deitava, de mãos espalmadas, e deixava que 5 ou 6 liliputianos dançassem sobre elas; com o passar do tempo, foram-se acostumando a mim e até os garotos e garotas da vila se aventuravam a conhecer-me de perto e tocar-me. As crianças gostavam de jogar esconde-esconde em minha cabeleira.”

“essa gente excelia qualquer nação que eu jamais conhecera em destreza e magnificência.”

“Quando um cargo de relevo fica vago, por morte ou desgraça (e desgraças acontecem), 5 ou 6 candidatos pleiteavam ao imperador sua posse na função renomada, através de um teste bem fora do comum: sua majestade e o restante da côrte deviam testemunhar uma dança sobre a corda!” “Não raro os próprios ministros em atividade eram convocados a demonstrar sua perícia equilibrista, a fim de convencer o imperador de que ainda possuíam a mesma habilidade que os levara ao cargo no passado.”

“Mas não pense que esses espetáculos nunca terminassem em acidentes fatais – isso era o mais comum, inclusive. Os documentos do governo registraram uma infinidade desses casos. Eu vi pessoalmente 2 ou 3 dos candidatos fraturarem algum membro. Mas o maior perigo se apresenta, mesmo, nas danças dos ministros; ciosos de superar os pretendentes aos novos cargos e de superarem a própria reputação já auferida, e buscando sobressair-se em relação a todos os demais funcionários, eles se aplicam até os limites de seus talentos corporais; nessa situação, raríssimo era o ministro que durante toda sua vida não sofria nenhuma queda da corda; está certo que nem todas as quedas matavam ou deixavam aleijado, pois vi muitos homens com a saúde perfeita que relatavam já haver tombado 2 ou 3 vezes…”

“Golbasto Momarem Evlame Gurdilo Shefin Mully Ully Gue, Todo-Poderoso Imperador de Lilliput, júbilo e terror supremos do universo, cujos domínios se estendem por 5 mil blustrugs (eu diria que coisa de 10km de raio), até os extremos do globo; monarca dos monarcas, mais alto que os filhos dos homens; cujo pé empurra para baixo e submete tudo com a gravidade, até o mais fundo; cuja cabeça altiva ameaça até o sol.

(…)

Art. 6º. Que ele deverá ser nosso aliado contra os inimigos da ilha de Blefuscu, e devotar-se ao máximo a fim de dizimar sua frota, que agora se organiza para invadir-nos.

(…)

Art. 8º.  Que o supracitado homem-montanha deverá, dentro de no máximo 2 luas a contar da promulgação desta Lei, fornecer uma medição precisa da circunferência de nossos domínios mediante o cômputo dos seus passos como unidade de medida, circunscrevendo a costa.

Último artigo. O homem-montanha prestará juramento solene de que observará todos os artigos desta constituição. Sua retribuição por seus serviços será uma ração diária de carne e bebida o suficiente para nutrirem 1.724 (hum mil setecentos e vinte e quatro) liliputianos médios, com livre acesso à presença de nossa pessoa real, bem como outros privilégios e distinções.

Redigida em nosso palácio de Belfaborac, ao décimo segundo dia da 91ª lua de nosso reino.”

“O leitor talvez queira observar que, no último artigo da constituição que regulamenta a retomada de minha liberdade, o imperador estipula uma quantidade de carne e de bebida para minha pessoa equivalente à que seria destinada a alimentar 1724 indivíduos liliputianos. Algum tempo depois, perguntando a um de meus amigos da côrte como foi que eles chegaram a esta medição tão exata, fui relatado que os matemáticos a serviço de sua majestade, utilizando minha altura como parâmetro e com o auxílio do quadrante, chegaram à conclusão de que eles próprios estavam em proporção a mim como o número 1 está para o número 12; e, havendo analogia orgânica e estrutural entre nossos corpos, intuíram que o meu deveria possuir uma massa de 1724 homenzinhos e, conseqüentemente, meu metabolismo deveria queimar energia nas mesmas bases.”

“Eu ultrapassei o grande portão ocidental e avancei bastante sutilmente, esgueirando-me por entre as duas principais vias, não vestindo mais do que meu colete, um tanto justo, por medo de danificar, se usasse um tecido mais longo, os telhados e esquinas das casas.”

“nós lutamos contra dois grandes males: uma violenta facção em nosso lar e a constante ameaça do invasor do lado de fora, inimigo este que nos é superior militarmente. Quanto ao primeiro mal, vós deveis compreender que, há já 70 luas nesta nação há dois partidos que racham a unidade do império, sob as alcunhas de Tramecksan e Slamecksan, distinguindo-se os partidários dum e doutro conforme calçam cano-alto ou sapatos rasos. Alega-se que os de cano-alto ou coturno são a facção mais agradável posto que fiel às nossas maiores tradições e leis mais arcaicas; seja como for, sua majestade determinou compor seu quadro apenas dos sapatos-comuns, ficando a facção mais ortodoxa como mera expectadora dos eventos da Coroa. (…) (drurr é uma unidade de medida correspondente mais ou menos a 1/14 de uma polegada) (…) Os Tramecksan ou canos-altos são de fato a maioria; mas nós concentramos o poder. (…) Quanto ao que afirmas, que há outros reinos e Estados neste mundo, habitados por seres humanos tão grandes quanto tu, nossos filósofos estão muito céticos; sua opinião é de que caíste da lua, ou de uma das estrelas; porque, com certeza, se 100 mortais tão grandes quanto tu existissem, todos os víveres, toda a fauna de sua majestade extinguir-se-iam num piscar de olhos. Ademais, nossa História de 6 mil luas de idade não faz menção de nenhuma outra região para além dos impérios de Lilliput e Blefuscu. (…) A contenda principal é: o modo primitivo de quebrar os ovos, antes de comê-los, é pelo lado mais largo; mas quando o avô da majestade vigente, em sua infância, prestes a comer um ovo, e quebrando-o conforme o costume antigo, cortou um de seus dedos, seu pai, isto é, o bisavô de sua majestade vigente, decretou, prevendo pesadas punições para os infratores, que os ovos deviam, doravante, ser quebrados pelo seu lado mais estreito. O povo ficou descontente com os novos usos, tendo havido 6 rebeliões originadas pela promulgação desta lei; como resultado, um rei perdeu sua vida, e outro sua coroa. Essas comoções civis foram fomentadas muito visivelmente pela nobreza de Blefuscu, que não vacilou uma só vez em receber todos os refugiados e hereges de Lilliput, para reforçar seus exércitos. Foram computados 11 mil mortos, que preferiram a punição a quebrar os ovos pela parte mais estreita. Centenas de calhamaços foram então publicados na matéria. Os livros dos ‘coturnos’ ou ‘larguistas’, foram completamente proibidos, e os partidários desta crença foram declarados inaptos para a assunção de cargos. Durante todas essas instabilidades os imperadores de Blefuscu sempre maquinaram mediante seus embaixadores, acusando-nos de cisma religioso, alegando grave ofensa a uma doutrina fundamental do grande profeta Lustrog, exposta no capítulo XLIV do Blundecral (que é o Alcorão dos liliputianos). Mas esses versos parecem estar corrompidos ou sujeitos no mínimo a uma má-interpretação, uma vez que as palavras são estas: <todo verdadeiro crente deverá quebrar seus ovos do lado conveniente.>. E qual seria esse lado conveniente? Na minha humilde opinião, este problema deveria ser deixado à consciência de cada cidadão, ou pelo menos dos magistrados, que têm toda a competência para eleger um lado favorito.”

“O império de Blefuscu é uma ilha a nordeste de Lilliput, do qual jaz separado por um canal que não ultrapassa as 800 jardas.”

“Tão triviais são todos os serviços prestados a um príncipe, quando no outro prato da balança ele situa aquela única ocasião em que nos recusamos a satisfazer um capricho seu!”

Burglum! Burglum! Burglum! O palácio real estava em chamas e fui acordado no meio da noite. (…) Por puro golpe do destino, na noite anterior aconteceu de eu ter tomado uma generosa quantidade de um deliciosíssimo vinho chamado por nós de glimigrim, e pelos blefuscudianos de flunec, do qual porém nos orgulhávamos de cultivar as melhores safras e os melhores vinhedos. Bebida muito diurética, esta! O acaso mais feliz é que eu não havia, até o momento, despejado nenhuma gota desta substância pelo meu canal uretral, até ser chamado pelos meus desesperados convivas a ajudar no combate ao incêndio. E o vívido contato com o calor daquelas chamas, após o fatigante trabalho de carregar tonéis de água que pudessem debelar o mal (para mim tais tonéis não passavam de tampas), finalmente acendeu em mim a vontade de desopilar! Dei vazão a meus instintos: urinei em tal quantidade, em tal abundância, e apliquei o jato tão adequadamente nos focos do incêndio, que em 3 minutos o fogo estava completamente extinto, e o resto dos escombros reais, que levaram tantas luas para serem erguidos, foram preservados da destruição.”

“Havia, sem embargo, uma questão: era interdito a qualquer pessoa, de qualquer condição, sangue-azul ou plebeu, aliviar-se nas dependências do palácio. Nisto, fiquei apreensivo: seria eu condenado à morte por tal blasfêmia sem tamanho? Mas sua majestade me tranqüilizou com o recado de que daria pessoalmente ordem ao grande-inquisidor para me anistiar formalmente por qualquer ofensa ao código neste caso tão excepcional.”

“Assim como a estatura média dos habitantes é ligeiramente inferior a 6 polegadas, também cada animal e planta existe em miniatura e nas mesmas proporções que em nosso mundo.”

“Sua maneira de escrever é um tanto peculiar, não sendo nem da esquerda para a direita, como com os europeus, nem da direita para esquerda, como os árabes fazem, nem de cima para baixo, como é o caso dos chineses, mas obliquamente, duma diagonal à outra, cruzando o papel, como as madames na Inglaterra.

Eles enterram seus mortos de ponta-cabeça, na vertical, porque eles acreditam que em 11 mil luas todos os mortos reviverão, e neste dia a terra (que eles crêem ser plana) virará do avesso, e por esse método eles procuram que, à ressurreição, os liliputianos acordem já sobre seus pés, prontos para caminharem para fora de suas tumbas. É verdade que os mais eruditos dentre os liliputianos confessam a absurdez dessa doutrina; mas a prática remanesce, havendo complacência com a sabedoria popular.”

“o símbolo da Justiça, presente nas côrtes de judicatura, é uma figura de 6 olhos, 2 à frente, 2 às costas e mais 1 de cada lado, significando circunspecção; com um saco de ouro aberto em sua mão direita, e uma espada embainhada à sinistra, o símbolo quereria dizer com isso que seu papel é mais recompensar do que punir.”

“não é concebível, entre os liliputianos, que uma criança esteja obrigada a obedecer ao pai biológico pelo simples fato de trazê-la ao mundo, tampouco à mãe (…) sua opinião é que os pais são os menos confiáveis para decidir sobre a educação da criança”

“As crianças são vestidas pelos adultos até os 4 anos; depois disso devem se vestir sozinhas, não importa se é um menino ou menina da aristocracia; as atendentes do sexo feminino, cuja idade é mais ou menos, proporcionalmente, a de 50 para nossos anos solares, só executam algumas tarefas consideradas mais vis, muito limitadas em número.”

“Os pais só podem ver seus filhos duas vezes ao ano; cada visita deve durar uma hora; pode-se dar um beijo à chegada e outro beijo à saída; mas um guardião do Estado, que deverá testemunhar esses encontros, não permitirá cochichos nem expressões de ternura exageradas e afetadas, nem troca de presentes, brinquedos espalhafatosos, guloseimas e que-tais.”

“Se for percebido que alguma dessas babás se atreve a entreter ou assustar as mocinhas com estórias tolas ou aberrantes, ou qualquer tipo de tolice, como as que soem praticar pela Inglaterra, a culpada será açoitada em praça pública, não só numa mas em três sessões separadas, em diferentes pontos da cidade, além de encarcerada por um ano, ao fim do qual é devolvida à liberdade, conquanto banida da sociedade para viver nas partes mais remotas. Esse sistema faz das donzelas tão ou mais embaraçadas diante de demonstrações de covardia e asneirice que os próprios homens, de modo que também detestam ornamentos corporais, indecentes e contrários ao asseio: com efeito, crescer homem ou mulher em Lilliput é absolutamente idêntico, a não ser, talvez, por uma suavização tênue nos exercícios físicos das mulheres (…) a esposa deve ser companhia prudente e agradável, já que nem sempre será jovem. Aos 12 anos as garotas atingem à maioridade (lembrando que sua escala de tempo é diferente da nossa); seus pais ou guardiães trazem-na para casa, demonstrando gratidão aos professores (um dos quais é o guardião estatal a que me referi nos reencontros semestrais entre pais e filhos durante a infância destes), mas sem choro de mulheres e coisas assim.”

“Como Sua Majestade é excepcionalmente benévola, e em consideração a teus incomensuráveis serviços à Coroa, ela está decidida a poupar-te a vida, sendo o bastante que arranquemos ambos os teus olhos, humilde punição que te quitará com a lei. (…) Claro que a extração de tuas córneas não fará de ti um homem fraco; mesmo um cego como tu, posto que gigante, poderá ser de utilidade para Sua Alteza. Aquele que, mesmo cego, serve ao rei demonstra redobrada valentia, e cremos mesmo que a falta de visão seja uma vantagem, por acrescer certa valentia interna ao ser; o medo que tiveste de que acontecesse algo a teus olhos foi a maior dificuldade que tivemos para capturar a frota rival. Ademais, para ti está de bom tamanho que vejas pelos olhos dos ministros, pois sabemos que assim são os príncipes (em metáfora, é claro).”

“O rei tem boas razões para crer que és um larguista no fundo de teu coração. E, como a traição principia no coração, antes de manifestar-se nos atos, sua majestade acusou-te como traidor da pátria com fundamento sólido, e insistiu em condenar-te à morte.”

“Foi decidido meticulosa e rigorosamente que o projeto de matar-te por inanição gradual permanecesse um segredo de Estado”

“Foi um costume introduzido pelo monarca atual e seu ministério (que contrasta vivamente com o uso dos antigos) que, após a côrte pronunciar qualquer sentença capital, fosse para bajular o ressentimento do rei ou excitar a malícia de um ou outro cortesão favorito, o imperador deveria proceder a um discurso perante seu conselho, expressando hipocritamente sua misericórdia e ternura infinitas, qualidades altamente reputadas e veneradas em todo o mundo. E este discurso era, posteriormente à transcrição do escriba, publicado em todo o reino; e nada amedrontava tanto as pessoas quanto esses encômios autodirigidos à benevolência de Sua Majestade! Quanto mais pomposas eram estas palavras, verificava-se a cada execução, mais inumana e cruel se mostrava a punição, e não raras eram as vezes em que o réu não passava de um inocente. Confesso, não havendo nascido para a côrte, nem sido educado para compor a mesma, ser tão mau juiz e árbitro das coisas que não encontrei em canto algum da sentença essa leniência e esse favor tão aventados! Considerei então (talvez erroneamente) que havia nesta peça mais rigor que gentileza!”

“Ruminava sobre meu futuro, e estava propenso a resistir a minha punição, uma vez que, de fato, não estando eu despojado do movimento em meus membros, minha força era suficiente para derrubar todo esse império. Bastaria arremessar algumas pedras e a capital estaria completamente arruinada. Mas meu remorso começou a crescer dia a dia e desisti desta resolução inicial, relembrando meu juramento para com o imperador, e todas as honras que dele recebi, incluindo meu título de nardac (o mais nobre da nação).”

“Devo admitir que a preservação de meus olhos – e minha conseqüente liberdade – deveu-se a meu caráter um tanto afoito e minha completa falta de experiência. Porque se eu conhecesse bem, àquela altura, a natureza de príncipes e ministros, que hoje eu posso me jactar de conhecer após visitar muitas outras côrtes, seus métodos de tratar criminosos menos detestáveis do que eu, ah, se de tudo isso fizesse idéiaentão!…creio mesmo que, cheio de alacridade e circunspecção, resignar-me-ia a minha dura sentença.”

“e o embaixador declarou que, a fim de manter a paz e a amizade entre os dois impérios, o imperador de Lilliput esperava que seu irmão de Blefuscu ordenasse minha extradição de volta ao país liliputiano, de pernas e braços bem-amarrados, para ser devidamente punido pela minha traição.”

“o acaso, bom ou mau isso eu não sei, atirou em minha direção um barco, em que eu não hesitaria em embarcar, oceano adentro. Não quis continuar a ser um objeto de disputas entre dois ilustres monarcas! O mesmo imperador que me mantinha como hóspede não se mostrou de todo insatisfeito com minha decisão. Na verdade, por acidente, acabei por apurar que ele estava, ao contrário, muito contente, assim como a maioria absoluta de seus ministros.

Essa descoberta me fez apressar minha partida. A côrte, já manifestamente impaciente pela minha ida, muito me auxiliou na empreitada. Quinhentos operários foram designados para confeccionar velas para meu barco, seguindo minhas meticulosas instruções; cada vela era o produto de 13 dobraduras do seu linho mais forte e resistente!

“Um mês depois do começo dos trabalhos, com tudo ajeitado, comuniquei oficialmente a Sua Majestade de Blefuscu minha partida imediata. (…) O monarca me regalou com 40 bolsas contendo 200 sprugs – a moeda blefuscudiana – cada, com um quadro enorme (para seus padrões) seu, o qual eu pus dentro de uma de minhas luvas para manter seco.”

“Abasteci a embarcação com carcaças de 100 bois e 300 ovelhas, além da mesma proporção em pão e bebida, quantidade que um blefuscudiano demoraria 400 refeições normais para consumir. Fiz questão de levar, ainda, 6 vacas e 2 touros vivos, bem como os mesmos números em ovelhas e carneiros, respectivamente, com o fito de exibi-los em minha terra natal e, quem sabe, proceder à criação desta micro-espécie. Para alimentá-los enquanto estivessem a bordo trouxe comigo um bom naco de feno, e uma saca de milho.”

“Lancei-me ao mar em 24 de setembro de 1701.”

“Meu propósito era atingir, se possível, uma das ilhas que, eu cria, se localizavam a nordeste da Terra de Van Diemen.¹ Mas não me deparei com terra nesse dia; no próximo, contudo, lá pelas 3 da tarde, após, pelos meus cálculos, navegar 24 ligas marítimas desde Blefuscu, avistei velas a sudeste (eu seguia sentido oeste-leste).”

¹ Cujo nome foi mudado para Ilha da Tasmânia na década de 1850. Fica próxima da Austrália.

“Era um navio mercante de minha terra, regressando do Japão pelos mares setentrional e meridional. O capitão, Senhor John Biddel, de Deptford, era bastante cortês e excepcional marinheiro.

Estávamos agora a 30 graus sul de latitude; havia 50 homens no navio. Aqui encontrei um velho camarada, Peter Williams, o que só aumentou minha estima pelo capitão John. Este camarada me tratou com a maior consideração. Ele logo desejou saber de que lugar eu vinha, e se fôra feito prisioneiro; eu não hesitei em resumi-lo minhas aventuras em breves palavras, mas ele obviamente pensou que eu delirava. Natural que um marinheiro perceba num discurso incrível sintomas de alguém que passou pelas piores atribulações em alto-mar, e não dê crédito. Porém, para comprovar tudo, retirei do bolso meu gado e rebanho, o que, por fim, após um grande espanto e turbação causados ao camarada, serviram para convencê-lo da autenticidade do meu relato.” “Dei-lhe duas bolsas de 200 sprugs. Afiancei-lhe que, chegados à Inglaterra, dar-lhe-ia também uma de minhas vaquinhas e uma de minhas ovelhinhas adultas, junto com as crias, quando já as tivessem.”

“Ancoramos em Downs dia 13 de abril de 1702. Minha única infelicidade foi que os ratos do navio levaram uma de minhas ovelhas.”

“Durante minha curta nova estada em meu lar, lucrei algum dinheiro exibindo meu gado-miniatura a pessoas distintas. Antes que começasse minha segunda viagem, consegui vendê-los, por fim, a 600 libras. Ao regressar mais tarde eu contemplaria o crescimento exponencial dos espécimes, especialmente dos carneiros, o que, penso eu, contribuirá muito para o progresso da manufatura de lã do país, dado que realmente a lã destas micro-ovelhas é de altíssima procedência!

Para resumir, fiquei parado apenas por mais 2 meses, ao lado de esposa e família, pois meu insaciável desejo de conhecer novos povos não me permitiria continuar por mais tempo. Deixei 1500 libras nas mãos de minha mulher, comprando também uma casa para todos se instalarem com conforto em Redriff. O resto de meu dinheiro levei comigo, parte em espécie, parte em bens, com o intento de voltar a multiplicar minha fortuna. Meu tio mais velho, John, morrera e deixara, em herança, terras nas proximidades de Epping, que geravam um lucro de aproximadamente 30 libras ao ano. (…) Meu filho Johnny, batizado em homenagem a esse tio, estava no primário, mas eu já podia ver o quanto o menino era adiantado. Minha filha Betty (hoje, enquanto escrevo, uma mulher casada e com filhos) começava a desempenhar seu ofício de costureira. Despedi-me, então, de minha esposa, da garota e do garoto, com lágrimas nos olhos, de ambas as partes, e embarquei para novas aventuras, num navio mercante de 300 toneladas, com destino ao Surat, grande entreposto comercial das Índias Ocidentais, capitaneado por John Nicholas, de Liverpool.”

* * *

PARTE II – VIAGEM A BROBDINGNAG

“Tivemos ventos muito favoráveis até chegarmos ao Cabo da Boa Esperança, onde desembarcamos para coletar água doce; porém, descobrindo um vazamento, desembarcamos também todos os nossos pertences e a carga e acampamos por ali; com o capitão padecendo de febre, não pudemos seguir nosso curso até o fim de março.”

“Nossa trajetória era leste-nordeste, o vento seguia o rumo sudoeste-nordeste.”

“fomos levados, pelos meus cálculos, 500 ligas além da conta para leste, desorientados a ponto de o marinheiro mais experiente a bordo nada saber de nosso paradeiro. Nossas provisões ainda estavam em boa quantidade, nosso navio seguia firme e inabalado, a tripulação compartilhava um bom estado, mas o problema foi que a água se tornou terrivelmente escassa. Preferimos seguir no mesmo curso, ao invés de dirigirmo-nos mais para o norte, o que podia nos levar à costa noroeste da Grande Tartária, ou quem sabe ao mar congelado. No dia 16 de junho de 1703, o garoto no topo do mastro avistou terra.

“Quando aportamos em terra não vimos água corrente nem nenhuma fonte, muito menos sinais de povoação.”

“para mim era impossível escalar esse lance de escadas, porque cada degrau tinha quase 2m de altura e o topo da pedra estava lá pelo sexto metro de altura do chão.”

“avistei um dos habitantes, nas planícies das proximidades, avançando em nossa direção, do mesmo tamanho do colosso que flagrei perseguindo nosso barco! Ele tinha a altura dum campanário gótico e sua passada percorria 5m, pelo menos! Meu espanto não tinha dimensões, de modo que corri até o pé-de-milho mais próximo para me esconder. O gigante se ergueu sobre aquela enorme montanha de pedra, para nós, que para ele não passava de um escabelo ou plataforma, mirando ao longe, nos campos do lado oposto, com a mão direita em concha sobre os olhos. Eu ouvi seu chamado numa voz muitas e muitas vezes mais elevada que uma trombeta militar; o som ecoou de modo tão grave e assustador pelo ar que demorei a entender que não se tratava de um trovão. Imediatamente, 7 monstros da sua estatura se aproximaram portando gadanhas, o gancho de cada uma tão largo quanto 6 foices humanas inteiras!”

“Eu chorei minha viúva desolada e meus filhos órfãos de pai. Lamentei profundamente minha loucura e meu capricho, depois de tantos apuros arriscando-me numa segunda viagem, contra o conselho de meus mais próximos. Nessa terrível agitação, podia menos ainda suportar lembrar de Lilliput, onde os nativos me olhavam como o maior prodígio aparecido naquele mundo; lá eu mesmo podia encerrar toda a tropa imperial em minhas mãos, afora inúmeras outras ações que estarão para sempre gravadas nas crônicas daquela civilização de milhares de luares de duração, a ponto de provavelmente haver no futuro discussões entre as velhas e as novas gerações – porque decerto que uns chamarão todos os relatos historiográficos oficiais de mitologia e contos de fadas impressionáveis, mas outra corrente sempre acreditará em sua realidade efetiva!”

“Considerando a criatura humana mais selvagem e mais cruel em proporção a seu tamanho, o que poderia eu esperar senão tornar-me o pão do dia de um desses enormes bárbaros, o primeiro que me avistasse e me apanhasse? Pela primeira vez acreditei de corpo e alma nos filósofos, que dizem: nada é grande ou pequeno, a não ser relativamente. A natureza sabia o que fazia quando colocou liliputianos e blefuscudianos como vizinhos – imagine se os micro-homens tivessem de se haver com estes gigantes, gigantes para o único <gigante> que eles mesmos conheceram! E não duvido que um dia pudessem encontrar, os liliputianos, outros liliputianos deles mesmos: uma civilização menor ainda, que meu olho demasiado humano sequer pudesse distinguir em meio à relva! Mas o que me parecia mais estranho era que, houvesse gigantes para estes gigantes, não sei que continente terrestre poderia abrigá-los!… Sem dúvida o mundo era uma vastidão ainda longe de ser completamente conhecida pelo gênero humano, de qualquer tamanho ou espécie, pensei eu — tudo isso eu pensei, não organizada nem pachorrentamente, como aparece agora no papel, num curto intervalo de tempo, em meio aos temores mais macabros e à maior incerteza sobre os próximos eventos!”

“O gigante agiu com cautela, a mesma do caçador que não ignora que um animal, ainda que pequeno, pode vir a arranhá-lo ou mordê-lo. Na Inglaterra eu sabia caçar doninhas como poucos! Por fim, o homem-montanha me espreitou pelas costas, e envolveu meu tão largo lombo suavemente, entre seu indicador e polegar, depositando-me depois a cerca de 3m de seus olhos, para estudar minha fisionomia com mais precisão.”

“Ele <falava> bastante comigo; mas o som de sua voz feria meus tímpanos, chacoalhava meu organismo como se fôra todo o núcleo de um engenho ou moinho trabalhando a todo vapor. Apesar de tudo, eu conseguia distinguir as sílabas que ele emitia. Eu respondia o mais alto que conseguia, tentando em várias línguas, no que meu dono aproximava sua orelha de mim menos de 2m, o que para ele devia ser quase contato epidérmico; mas sempre em vão, porque não parecíamos dois seres inteligíveis. Parecíamos dois animais incapazes da comunicação entre nós.”

“Ele chamou sua mulher, e me exibiu a ela. Ela gritou e correu para longe, como a dona de casa inglesa ao ver um sapo ou uma aranha. Porém, depois de contemplar meu comportamento por algum tempo, e como eu parecia entender a reagir aos sinais de seu marido, ela passou a se acostumar a mim gradualmente, até considerar-me com bastante afeto, eu diria.”

“Eu segurei com bastante dificuldade o vaso com as duas mãos, e demonstrando grande respeito bebi à saúde da senhora, pronunciando o mais alto que pude as palavras em Inglês, o que fez todos os presentes rirem do fundo do coração. E essas gargalhadas quase me ensurdeceram. Esse licor tinha gosto de sidra, e estava longe de ser ruim.”

“lembrando quão naturalmente malvadas são nossas crianças com papagaios, coelhos, gatinhos e cães ainda filhotes, prostrei-me de joelhos e, apontando para o garoto, fiz com que meu mestre entendesse, tão bem quanto podia, que eu perdoava a ação de seu filho. O pai entendeu e concordou, e o garoto pôde se sentar à mesa novamente”

“como sempre me contaram, e por experiência própria confirmei em minhas viagens, fugir ou demonstrar medo diante dum animal feroz sempre o faz persegui-lo e ter mais motivos para atacá-lo, resolvi, então, nessa hora crítica, dissimular indiferença.”

“Tive muito menos apreensão dos cachorros, que se atulhavam na sala, como é usual em chácaras, em 3 ou 4; um era um mastim, que para mim tinha o tamanho de uns quatro elefantes, e havia também um galgo, algo mais alto que o mastim, mas muito mais esbelto.

Quando o jantar estava por terminar, a babá apareceu com um bebê de um ano de idade, que imediatamente me espiou e começou a guinchar e lamuriar na típica linguagem da idade duma forma que tenho certeza ouvir-se-ia da ponte de Londres a Chelsea, tal era seu desejo de brincar comigo.”

“Devo confessar que nada me causava mais horror que a vista de seus monstruosos seios, que não sei no momento com o quê comparar a fim de transmitir ao leitor curioso a correta proporção de seu vulto, de sua forma e de sua cor. Cada um era da altura de um homem da nossa civilização, e em circunferência creio que beirava os 5 metros. O mamilo era metade da minha cabeça, e sua cor, como a dos demais detalhes da teta, com pintas, cravos e sardas monstruosos, eram-me nauseantes. (…) Isso me fez refletir acerca da maciez da pele de nossas senhoras inglesas, que tão belas nos parecem, mas, no fim das contas, só porque estão adaptadas ao nosso próprio tamanho! Os defeitos da nossa mulher só poderiam ser assim apreciados com a ajuda de lentes de aumento.”

“Lembro de, em Lilliput, ter considerado a compleição daqueles micro-habitantes talvez a coisa mais linda sob o sol. Ao falar sobre isso com um sábio da nação, com quem estabeleci amizade, ele me disse que meu rosto parecia muito mais bonito e jovem quando me observava desde o solo, e que eu já não parecia o mesmo quando se me observava em close, nas vezes em que eu pegava meu interlocutor pela palma da mão a fim de aproximá-lo dos meus ouvidos. Ele confessou, com sinceridade, que se espantara quando vira meu rosto de perto pela primeira vez. Ele percebia enormes buracos, e dizia que cada fio de minha barba parecia mais rígido que as cerdas de um javali, e minha compleição, composta de um sem-número de cores, era um caleidoscópio doloroso aos olhos e, enfim, repulsivo. Devo dizer ao leitor que, na Inglaterra, eu sou dono de uma beleza mediana quando o assunto é o meu sexo, e que minha pele tem poucas imperfeições e queimaduras de sol, a despeito de tantas andanças e viagens!”

“A filha de meu dono se afeiçoou muito a mim, e me confeccionou 7 camisas e algumas outras roupas de linho, dos melhores tecidos disponíveis, que para o meu tato eram mais ásperos que roupas de juta. (…) Ela também foi minha professora do idioma local. (…) Eu fui batizado por ela de Grildrig, o que a família acolheu de forma voluntariosa. Em pouco tempo eu seria conhecido por todo o reino. Essa palavra carrega o mesmo significado do latim nanunculus, italiano homunceletino, inglês mannikin, isto é, <pigmeu>. Se não fosse essa mulher creio que pereceria em minha estada nesse país. Ela sempre me mantinha consigo e a salvo em suas peregrinações – eu a chamava de minha Glumdalclitch, ou <pequena babá>.”

“A vizinhança já andava dizendo que meu dono havia encontrado um estranho animal no mato, do tamanho de um splacnuck, embora constituído em toda sua compleição como um ser humano (como um ser-montanha!). E não escapava às observações que em tudo eu me comportava humanamente também, fosse inerentemente ou por imitação. E notaram que eu tinha uma linguagem totalmente própria e que me alfabetizava rapidamente na língua deles, andava ereto sobre duas pernas, era educado e gentil, aparecia quando era chamado, obedecia qualquer instrução, tinha membros muito hábeis e elegantes, e que meu pequeno rosto era mais formoso que o de qualquer menina aristocrata de três anos de idade.”

“Minha mestra me considerava humilíssimo, não desprovido de honra e amor-próprio, e que era-me degradante ser exposto no mercado por dinheiro para os tipos mais vulgares. Ela me afiançou que conseguiu de seu papai e de sua mamãe a promessa de que Grildrig seria dela e só dela; mas em breve ela percebeu que queriam fazer como fizeram com seu carneirinho do ano passado. De início seu mascote, ele foi engordado e logo vendido para o açougueiro.”

“o cavalo avançava mais de 10 metros a cada passo e trotava tão alto que a sensação não era outra senão a de ver-se solto num navio na mais agitada das tempestades. Nossa jornada era algo mais extensa do que seria o percurso de Londres a Saint Alban.”

“quase não me deixavam descansar nesse tempo, a não ser às quartas-feiras, que eram o Sabbath nessa região.”

“Cruzamos 6 ou 7 rios, no mínimo muito mais profundos e largos que o Nilo e o Ganges. Devo admitir que raramente havia regaço menor que o Tâmisa, nosso rio de pouco menos de 400km de comprimento. Já havia 10 semanas que estávamos nessa jornada; eu fui exibido em 18 grandes cidades do império, afora cidadezinhas e vilarejos ou famílias campesinas à parte. Em 26 de outubro chegamos à capital, chamada Lorbrulgrud, <Orgulho do Universo>.”

“Eu já era basicamente um usuário fluente da língua, podendo entender cada palavra dos interlocutores.”

“Minha ama trazia consigo um livrinho de bolso, não muito maior que um átlas de Sanson. Tratava-se de um manual muito disseminado entre as jovenzinhas desta nação, uma espécie de sinopse dos preceitos e da história da religião ali adotada. Ela utilizou este volume para alfabetizar-me.”

“Eles concluíram pela análise minuciosa de meus dentes que eu era um animal carnívoro. Mas, ao mesmo tempo, eles não podiam imaginar como eu podia me sustentar, uma vez que mesmo os quadrúpedes mais inofensivos e menores, como ratos, eram demasiado perigosos para minha acanhada existência. Cogitaram se eu não tinha de recorrer a lesmas e demais insetos.”

“Eles jamais se dignariam a classificar-me como um de seus iguais, um exemplar de sua espécie que teve sua maturação interrompida precocemente, i.e., um anão, porque minha pequenez estava muito abaixo de qualquer grau de aceitação do que devia ser um anão para eles. O menor indivíduo de todo o reino, o bobo favorito da rainha, tinha, ao que me parece, 9,14m. Após muitos debates, eles chegaram portanto a um consenso, o de que eu era um mero relplumscalcath, literalmente um lusus naturae conforme à moderna filosofia européia, definição vazia que não deixa de ser apenas um arremedo dos escolásticos aristotélicos para disfarçar sua extrema ignorância das coisas: queriam dizer, em suma, que eu era uma dessas aberrações de circo, e nada mais.”

“a rainha (mulher de estômago fraco!) se serviu, duma garfada, dum monte de comida equivalente à massa que uma dúzia de fazendeiros ingleses poderiam consumir num banquete suntuoso. Depois de ver essa cena, confesso que a cada nova lembrança voltava a me sentir enjoado como na ocasião. Isso se repetiria ainda por muitos dias”

“Confesso que, após falar copiosamente de minha terra-natal Grã-Bretanha, de descrever nossos comércios e guerras através de tantos mares e terras, e como os negócios de Estado estavam divididos em partidos assim e assado, de nossos cismas religiosos, dos preconceitos pedagógicos, etc., etc., Sua Alteza, não resistindo ao charme da crônica, fez-me subir a sua destra espalmada e me transportou, muito delicadamente, até bem perto de seu rosto real. Então, afetuosamente me afagando às costas e à cabeça como se fosse seu cachorrinho, e após uma sincera gargalhada, perguntou-me: Tu és um whig ou um tory?

“Quão desprezível não é a grandeza humana, capaz de ser emulada em todos os seus ínfimos detalhes por insetos diminutos como tu e teus semelhantes! Imagino que vós levais bem a sério a questão das distinções honoríficas. E tal como em nosso reino vós construís casas e cidades, que para nós não seriam mais que uma toca de coelho! Aposto que a aristocracia se admira ao espelho com vestimentas aprumadas e adornos mil; ama e peleja; contende, trai, engana, vilipendia!”

“E o rei continuava, enquanto eu, desconfortável, ora empalidecia, ora ruborizava, fosse de vexação ou pura indignação. Não era fácil ouvir falar assim tão galhofeiramente do nosso nobre país, da nossa invencível marinha e de nossa perícia e indústria sem iguais. Segundo a visão deste homem, a França era ainda mais digna de pena, quando lhe disse que nossa rival era apenas a segunda dentre as nações; e para ele a Europa não passava de um amontoado de arbitrariedades sem propósito. O que poderiam significar, nesse contexto tão irrelevante, virtude, piedade, honra, verdade, altivez e a ambição de conquistar o mundo inteiro? Nosso ridículo papel no jogo do universo era manifesto, e eu não fui poupado de ouvi-lo com todas as sílabas.”

“Nada me mortificava e me indignava tanto quanto este anão da rainha. Como eu disse, ele tinha <apenas> 9,14m, ou seja, era com toda a certeza o campeão dentre os pigmeus do reino – ninguém de sua própria espécie conseguia ser mais baixo do que ele. E parece que à minha vista ele também se sentia terrivelmente mortificado, interpretava minha existência como um insulto – uma ofensa direta à sorte que lhe cabia de ser o primeiro em alguma coisa. Sua inveja e ciúmes se tornaram evidentes. Pois eu duvido que vocês encontrem um bobo da côrte mais presumido do que este em todos os mundos nos quais pisarem!”

“ela costumava me perguntar se as pessoas do meu país eram tão covardes quanto eu.”

“A totalidade da extensão dos domínios do príncipe girava em torno dos 9500km em longitude e dos 4800km aos 8000km (especulava-se, sem muita certeza) em latitude. Isso me leva a crer que os geógrafos europeus encontram-se muito equivocados em seus cálculos ao supor que nada há entre o Japão e a Califórnia senão o oceano! Eu, particularmente, sempre acreditei que devia haver uma quantidade de terra equivalente para compensar, nas coordenadas opostas do globo, os desertos da Tartária. Proponho, doravante, uma reformulação dos mapas e cartas atuais, acrescentando este vasto continente dos gigantes na circunvizinhança da porção noroeste da América. Ofereço meus préstimos para o que se fizer necessário.”

“desnecessário dizer que essa gente se encontra excluída de todo comércio com qualquer outra nação do mundo.”

“a natureza, ao produzir as plantas e animais deste espaço, de dimensões tão extraordinárias, formou um ecossistema perfeitamente fechado, limitado a este continente, mantendo outras zonas terráqueas sem qualquer interferência ou comunicação com este espaço que padece de gigantismo. Parece que isso ocorre em benefício tanto desta terra dos gigantes quanto do resto do mundo, de forma que nenhuma das fisionomias da natureza sai prejudicada. Se há uma moral por trás destes fatos, deixo para os filósofos descobrirem.”

“As madames da côrte amiúde convidavam Glumdalclitch a seus apartamentos, e encorajavam-na a levar-me consigo, a fim de me contemplar e me tocar. Essas mulheres se compraziam em deixar-me pelado e inserir-me por inteiro entre os seus dois seios; eu tinha tremenda repulsa dessa gracinha, até porque o cheiro da pele das gigantes me era nauseabundo. Não digo isso para depreciar a honra dessas – no demais – prestigiosas damas, mas, como já deixei claro em minha narrativa, o fato de eu ser muito menor que elas me fazia exageradamente sensível para estas coisas. Qualquer cheiro, aparência ou som inexistentes ou desprezíveis para esta raça me eram muito notáveis e chamativos; numa palavra, ofensivos. Essas ilustres pessoas não deviam ser menos agradáveis para seus pares do que as melhores cortesãs inglesas, mas eu não podia participar deste encanto. Além do mais, qualquer aroma natural era menos traumatizante do que perfumes e loções, que estas aristocratas usavam em abundância e que me davam alergia ou simplesmente me faziam perder a consciência.”

“A mais adorável de todas estas damas da côrte, uma espirituosa adolescente de 16 anos, costumava me deixar sentado sobre um de seus mamilos, e cada vez inventava uma nova brincadeira ou um jeito inusitado de se entreter as minhas custas – estripulias dessas de moças, sem maiores conseqüências… mas que o leitor me escusará de eu não publicar neste recatado tratado. Estas coisas me deixavam tão inquieto e apreensivo que um certo dia pedi a Glumdalclitch que me arranjasse uma desculpa que me desobrigasse dali em diante de comparecer a essas <reuniões íntimas de comadres> de uma vez por todas.”

“Certa vez, um dos servos, cuja atribuição era encher-me o cantil com água fresca a cada 3 dias, se distraiu e deixou que um sapo enorme pulasse no balde e lá ficasse, sem de nada se dar conta. Ele abasteceu meu cantil derramando o bebê junto com a água, quer dizer, derramando o sapo junto com minha água, aposto, sem olhar o que estava fazendo, e se retirou. Eu tinha um barco próprio para velejar em uma banheira que este povo gentilmente construiu-me, como se se tratasse de um veleiro de brinquedo. Velejar consistia num dos meus melhores passatempos. O sapo adentrou a banheira, subiu ao barco, e eu só fui percebê-lo quando comecei a navegar. O sapo, com seu peso descomunal comparado ao do barco, fê-lo se inclinar em excesso para um dos lados, no que fui forçado a servir de contrapeso na parte oposta. Depois o sapo saltou até o meio do navio e, em seguida, sobre minha cabeça, e não parou de saltitar para frente e para trás, emporcalhando minha cara e minhas vestes com um lodo odioso. A largura horizontal deste bicho só o fez parecer, para mim, àquela altura, o animal mais deformado que podia existir. Mas, orgulhoso, mesmo Glumdalclitch tendo notado meu apuro, pedi para cuidar disso sozinho. Eu peguei um dos meus remos e dei-lhe umas boas pancadas, até ele finalmente achar melhor saltar de meu barquinho.”

“o macaco, sendo muito ágil e olhando em todas as direções, ótimo para detectar movimentos e encontrar meu paradeiro, deixou-me em tal estado de aflição que eu tirei sabe-se lá daonde firmeza de espírito e força mental para me esconder debaixo da cama e não dar um sinal de vida. Fato é que, depois de espreitar irrequieto uns instantes, urrando e fazendo caretas, ele conseguiu detectar minha presença. E enfiando uma de suas mãos pela porta da minha casa-miniatura, como um gato faria ao brincar com um rato, embora eu tentasse ludibriá-lo mudando de lugar rapidamente, ele por fim agarrou-me pelo cordão do capuz do meu casaco e me arrancou da casa de brinquedo.”

“Eu creio piamente que ele me tomou por um filhote de sua própria espécie, sempre acariciando simiescamente minha cara com sua outra mãozorra.”

“o macaco foi avistado por centenas na côrte, sentado num telhado, segurando-me como se fôra seu bebê, me alimentando, inserindo em minha boca certos víveres que ele havia amassado após retirá-lo das provisões que um dos macacos de seu bando carregava. Ele me fazia carinho e exortações se eu me recusava a comer. Os gigantes lá embaixo começaram a rir da cena. E não posso culpá-los: a cena deve ter parecido das mais ridículas e engraçadas, menos para mim mesmo, é claro. Seja como for, alguns jogaram pedras, esperando com isso fazer o macaco descer. Mas outros logo proibiram que se fizesse isso, porque se uma só dessas pedras me acertasse, era provável que meu próprio cérebro virasse uma papinha.”

“Eu quase morri engasgado com a comida amassada que o macaco insistia em enfiar minha goela abaixo. Minha querida <pequena babá> usou uma agulha para tirar tudo do fundo de minha garganta, no que comecei a vomitar, o que muito me aliviou. Mas eu me encontrava tão fraco a essa altura, e tão machucado nas costelas, de tanto ser abraçado pelo símio, que fiquei de cama umas boas duas semanas.”

“O macaco que me seqüestrou foi executado, e uma ordem expedida de que nenhum animal da espécie deveria ser deixado circulando nas dependências do palácio.”

“O rei me perguntou: O que tu te punhas a pensar enquanto no colo do macaco? Agradou-te a comida? Como ele fez para alimentar-te? O ar fresco dos cimos do telhado causou-te algum tipo de alteração no estômago? O que tu terias feito se isto te tivesse acontecido em teu próprio país? Sobre essa última pergunta, eu contei a Sua Majestade, com simplicidade, que na Europa quase não tínhamos macacos, só mesmo aqueles trazidos por curiosidade de outros países distantes, mas que estes eram tão pequenos que eu sozinho poderia lidar sem problemas com uma dúzia deles.”

“O fato é que a cada dia que passava eu alimentava a côrte com mais uma história burlesca e ridícula. Glumdalclitch, muito embora se afeiçoasse muito a mim, maliciosamente informava à rainha cada uma dessas ocorrências – porque ela não podia perder a oportunidade de tanto agradar a realeza.”

“Tinha um cocô de vaca no caminho, e eu tive de exercer minhas faculdades atléticas tentando saltá-lo. Peguei muito impulso, mas infelizmente o salto saiu fraco e eu afundei até os joelhos na substância. Eu percorri aquele monte de esterco como se fôra um terrível mangue, e um dos soldados me limpou tão bem quanto pôde com seu lenço. Deve-se imaginar o meu estado. Glumdalclitch me confinou a minha caixa até que voltássemos para casa. Obviamente a rainha foi logo informada do ocorrido, e o próprio soldado que me limpou espalhou o conto jocosamente por todo o reino. Todas as gargalhadas da cidade foram tiradas as minhas expensas por uma sucessão de dias.”

“Um dia o rei me posicionou para ouvir uma execução da banda real, mas eu duvido que todas as baterias e trombetas da Inglaterra poderiam ter feito um som tão ofensivo a meus ouvidos.”

“Quando criança eu aprendi a tocar a espineta. Glumdalclitch tinha uma em seu quarto e recebia aulas de um professor da aristocracia duas vezes por semana. Bom, pelo menos eu chamava o instrumento de espineta, porque me lembrava uma. Uma idéia surgiu em minha mente: de que eu pudesse entreter o rei e a rainha com uma canção inglesa com a ajuda deste instrumento. Mas, pensando bem, não passava de devaneio: a espineta tinha pelo menos uns 20m.”

“Um dia, talvez imprudentemente, tomei a liberdade de dizer ao rei que o desprezo com o qual ele aprendeu a imaginar a Europa, além do resto do mundo, é claro, não parecia condizente com toda sua sabedoria e caráter virtuoso; que a razão não aumenta com o tamanho do corpo; que, ao contrário, na Europa os mais altos eram geralmente os mais desprovidos de inteligência. Que, dentre os animais, os mais distintos por sua indústria e sagacidade eram as abelhas e formigas. E que, por mais que ele me tivesse em conta como um mero bobo da côrte, eu esperava poder viver para honrá-lo com algum serviço extraordinário. O rei me ouviu atentamente e começou a conceber uma opinião muito melhor de minha pessoa. Ele me pediu então uma minuciosa descrição do governo britânico, a mais minuciosa que eu pudesse fornecer. Acredito que, por mais orgulhosos de seu próprio reino, todos os príncipes gostam de ouvir sobre costumes de outras terras, para ver o que se pode melhorar na sua própria.

O leitor pode imaginar vivamente como eu desejava, nestas horas, ter o talento oratório de um Demóstenes ou Cícero, que me daria a chance de celebrar minha querida terra natal e exaltá-la ao grau máximo, num estilo condizente com seus méritos e sua prosperidade.

Seja como for, iniciei meu longo colóquio informando Sua Majestade da geografia da Inglaterra: disse que nosso país eram duas ilhas, que em seu todo constituíam 3 importantes reinados, unificados, porém, sob um só monarca; isso sem falar de nossas colônias na distante América. (…) Discorri então sobre a constituição inglesa e o funcionamento do nosso parlamento; detalhei portanto nosso ilustre corpo da Câmara dos Lordes, onde só exerciam mando os mais distinguidos dentre os sangue-azul, os mais tradicionais de berço e as famílias com mais patrimônio. Descrevi nosso sistema educacional e nossa imensa preocupação em incutir nos jovens o ensino das artes, da técnica e do combate militar. Apenas os melhores podiam se tornar conselheiros do rei. E demonstrei que se tornar legislador ou juiz era uma das maiores honras que se podia almejar. Enfim, esses eram os heróis de nossa pátria.”

“Outras pessoas, consideradas sagradas, também compunham aquela assembléia, os bispos, cujo ofício era zelar pela religião, bem como por todos os de hierarquia inferior no corpo eclesiástico. O rei e os mais sábios conselheiros se encarregavam de nomear os bispos dentre os mais compenetrados e santos dentre os padres. Os padres eram os mais espirituais do povo e da nação, o sustentáculo do clero.

A outra parte do parlamento era composta pela Câmera dos Comuns, gentis-homens livremente escolhidos pelas próprias pessoas do povo, baseadas principalmente na habilidade e no patriotismo de seus principais cidadãos. Contei então que a Câmara dos Comuns junta da Câmara dos Lordes constituíam a mais augusta assembléia de toda a Europa; este, que era o parlamento, em conjunção com o rei, decidia todos os mais importantes negócios de Estado e vigiava a aplicação da Lei.

Falei também das nossas côrtes de justiça, presididas pelos mais doutos e eruditos conhecedores do Direito, árbitros dos litígios civis, penais, morais… Relatei como era prudente e meticulosa nossa administração contábil e orçamentária. Estimei o valor e as glórias de nossas forças, da marinha e da infantaria. Fiz um censo tão bem quanto me lembrava de nossa população, quantos milhões se declaravam de uma confissão ou de outra, quantos se declaravam conservadores ou liberais. Não omiti sequer nossos desportes e passatempos favoritos, nem nenhuma outra particularidade que julguei que aumentaria a estima deste rei pelo meu país. Finalizei esses meus discursos com uma história resumida da Inglaterra nos últimos 100 anos.

Foram ao todo 5 audiências, cada uma delas de várias horas. O rei raramente me interrompia e parecia hipnotizado e concentrado em minha narrativa; às vezes ele se punha a anotar certas coisas; bem como anotava perguntas para me lançar no dia subseqüente.”

“Quais métodos são usados para aperfeiçoar as mentes e corpos de vossa jovem nobreza? Em que tipo de negócios os rebentos desta casta despendem seu tempo, seja na primeira infância ou na juventude mesma? Quando uma família da aristocracia se extingue, que medida é tomada e como se seleciona uma nova família para a Câmara dos Lordes? Qualé o pré-requisito para ser nomeado Lorde: conquistar a confiança do príncipe? Uma soma de dinheiro, talvez? Ou demonstrar engenhosidade e estrategismo políticos? As inovações, procurando sempre melhorar os costumes, chegam a causar algum tipo de perturbação ou ameaça de revolução? O interesse público é o último fim visado pelo monarca, ou há outros mais importantes? Quanto um lorde médio sabe sobre as Leis, e como vem a saber o que porventura sabe? Como um juiz faz para saber o que decidir numa questão vital sobre as propriedades de alguém em litígio? Está tua sociedade livre de vícios como a avareza, o partidarismo, a miséria? Poderia ser que a aristocracia esteja sujeita a se corromper por subornos, negociatas ou qualquer tática suja do ser humano sedicioso? Os bispos, eles são sempre nomeados com base na autenticidade de sua reputação e a honestidade de suas vidas, na extensão de seus conhecimentos em religião? Nunca houve um só que se tornasse um conspirador depois de ascender ao topo, mesmo que tivesse sido um bom padre? A fé é forte em todos os padres? As idéias são prostituídas entre aqueles que não querem perder suas ligações com a aristocracia, ou impera a sinceridade acima de tudo? Como são escolhidos os tais ‘comuns’? Um forasteiro eventualmente muito rico poderia vir a comprar votos ou exercer influência sobre a população? Por que todos estão inclinados a fazer parte desta assembléia, se é um trabalho tão duro e encerra tantas responsabilidades,e mesmo sem receber pensões ou salários, correndo o risco de levar a própria família à ruína?!? Os nobres estão sempre dispostos a tirar de seu próprio bolso a fim de auxiliar os outros? Mesmo se for um príncipe cheio de vícios e de pulso fraco?”

Enfim, eu senti que sua majestade duvidava do exaltado patamar de virtude e do espírito de abnegação de meu povo! Ele não cessava de multiplicar suas perguntas. Cada resposta gerava novas perguntas, e eu não sabia mais de onde peneirar tantas respostas! Suas objeções eram tamanhas, e tão impudentes, que me reservo ao direito de não incluí-las todas neste relato!”

“Quanto tempo leva para determinar o que é justo e o que é injusto? Quanto esforço, dinheiro e tudo o mais é gasto nesta operação? Advogados e oradores têm liberdade irrestrita de expressão ainda em casos de notórios assassinos ou maus-exemplos, cujos réus sejam indignos ou cuja defesa comprometa sua própria honra? (…) Quais são as possibilidades de reformar as Leis já instituídas? E como evitar que um juiz interprete uma Lei a seu bel prazer?”

“Quem são os credores dos ingleses? De onde tirais vós os recursos para pagá-los? – ele queria muito me ouvir falar dessas tais caríssimas e pesadas guerras. Deveis ser supinamente belicosos, ou então estais acostumados a viver em meio a inúmeros vizinhos de nações guerreiras e de mau temperamento! Não posso imaginar que vossos generais não sejam mais ricos ainda que vossos reis! … E que tipo de comércio ou empresa vós executais fora de suas ilhas, ademais dos naturalíssimos escambos e escoltas marítimas de rotina para manter-vos em paz?”

“Se nós fôssemos governados por nosso próprio consentimento, i.e., se meu povo fosse livre e o soberano de si mesmo, que elege seus próprios representantes, acho que nada nem ninguém teríamos, e não concebo do que os ingleses possam ter medo! E afinal de onde vêm todos esses inimigos de que falas?! Uma simples residência, não é ela muito mais bem-defendida pelo seu dono, seus filhos e família, enfim, que por meia dúzia de patifes recrutados nas ruas a baixos soldos, que lucrariam 100x mais cortando as próprias gargantas?”

“E essa coisa chamada jogo de cartas, a que idade começa-se a praticá-lo? E quando se pára? Quanto tempo é dedicado a isso a cada semana?! Essas apostas são perigosas – interferem no tamanho da fortuna de uma família?! Pessoas de caráter duvidoso podem se aproveitar de seu talento no jogo para amontoar riquezas? O título de nobre é comprável? Os vossos aristocratas conseguem viver em meio a rufiões ou não suportam essa perspectiva?”

“Teu último século e o de teu país, ó inglesinho, não passou de uma seqüência vertiginosa de conspirações, rebeliões, assassinatos a sangue frio, massacres, revoluções, exílios e banimentos, uma seleção das piores conseqüências dos mais graves vícios tais quais a avareza, a sedição, a hipocrisia, a perfídia, a crueldade, a fúria, a loucura, o ressentimento, a inveja, a luxúria, a malícia, a ambição!”

“Meu pequeno amigo Grildrig, fizeste um excelente panegírico de teu país. Provaste-me que a ignorância, a preguiça, o vício são os ingredientes mais aptos para formar os legisladores! Que as leis são mais bem-explicadas, interpretadas e aplicadas por aqueles cujos interesses e habilidades estão em perverter, confundir, enganar. Vejo em vós as linhas de uma instituição que, em sua origem, pode ter beirado o tolerável, mas que agora, metade apagada, em suas melhores partes, está agora infectada pela corrupção!”

“E quanto a ti, Grildrig, que passaste a maior parte de tua vida viajando, tenho muitas esperanças de que tu mesmo não cultivas muitos destes abomináveis vícios de tua nação!”

“Não posso concluir outra coisa senão que a grande maioria de teus conterrâneos é constituinte da raça mais perniciosa de pequenos e odientos vermes que a natureza jamais deu-se ao trabalho de perpetrar sobre a superfície da terra!”

“este monarca se mostrou tão cioso e inquisitivo em conhecer cada particular de minha vida e de meu povo que algumas informações e demandas não poderiam soar mais do que como ingratidão e descortesia, seja da parte dele ou da minha, ao me negar a responder ou dar satisfação de alguns detalhes. Às vezes não era por discrição: eu simplesmente desconhecia a resposta.”

“Se bem que devemos ser tolerantes com um rei que vive tão secluso do resto de todas as nações, e portanto nada deve saber em termos de maneiras e costumes ordinários para estrangeiros: nunca seu preconceito será aniquilado uma vez que há essa ignorância, e será sempre natural qualquer estreiteza conceitual, mais ou menos grave conforme o contexto. Creio que nós e o restante da Europa estamos, pelo menos, isentos deste defeito. Seria realmente bizarro se os padrões de vícios e virtudes adotados por um príncipe tão remoto e isolado tivessem utilidade universal!”

“Ele ficara abismado como um inseto rastejante tão impotente como eu (aqui uso suas expressões, literalmente) podia dar vazão a idéias tão desumanas, ainda mais sem o menor pudor na forma de dizê-lo, parecendo alheio a tantas cenas de violência e desolação que eu mesmo pintara como as conseqüências evidentes do uso dessas máquinas destrutivas. Algum gênio mau deve ter invadido vossa civilização, ele disse. Quanto a ele próprio, declarou que, embora poucas coisas o comovessem tanto quanto novas descobertas na arte e na natureza, ele preferiria perder metade de seu reino que ficar a par desses segredos sórdidos. E me recomendou dali em diante jamais voltar a esse assunto. Estranho caráter, estreitos princípios e visão tão limitada!”

“Eu tenho para mim que assim é essa gente porque ela não chegou ainda ao estágio em que se reduz a política a uma ciência. Uma vez eu lhe disse que <há dezenas de milhares de livros sobre a arte do governo entre nós>, o que, ao contrário do que eu projetava, gerou-lhe grande repulsa, uma péssima opinião de nós e muitos mal-entendidos!”

“A educação dos gigantes é muito precária, pois considera apenas a ética, a história, a poesia e a matemática, na qual, por sinal, eles são como que obrigados a exceler. Só que toda essa matemática é aplicada apenas em coisas práticas da vida cotidiana, p.ex., o aperfeiçoamento da agricultura e de outras artes mecânicas ou que chamaríamos de artesanato. Dentre nós creio que esta educação teria valor zero. Nunca vira povo tão pouco filosófico: idéias, entidades, abstrações e qualquer noção que fosse de transcendência eram-lhes particularmente impossíveis!”

“Desde épocas imemoriais eles já haviam descoberto a imprensa, como os chineses fizeram entre nós. Mas suas bibliotecas são até hoje acanhadíssimas. Mesmo a do rei, que é tida como a mais suntuosa, não possui mais do que mil volumes, distribuídos por uma galeria da coisa de uns 350 metros de extensão. Ganhei permissão real para pegar emprestado o livro que eu quisesse.”

“nada é mais alvejado pelos autores deste país que evitar qualquer palavra desnecessária ao discurso, ou mesmo a criação de sinônimos, porque se uma palavra comunica algo, essa palavra basta e eis tudo. Eu peregrinei minhas vistas por inúmeros de seus livros, principalmente os de história e moral.”

“seria bem razoável imaginar, homenzinho, que as espécies de hominídeos eram originalmente muito maiores, mas que pessoas do nosso tamanho e também da tua diminuta estatura sempre existiram em paralelo. Não só a tradição e os mitos nos falam de gigantes incomparáveis, não só alguma parcela de nossa história escrita, mas também provas fósseis, casualmente escavadas em diferentes porções de nosso reino; falo de esqueletos muito maiores que os dos homens atuais, que tu chamas de homens-montanhas.”

“Um cavaleiro montado num belo corcel chegava aos 30 metros de altura.”

“Eu estava bastante curioso para saber como esse príncipe, cujos domínios eram praticamente inacessíveis para qualquer outro país, sem falar que seriam inexpugnáveis por quaisquer de nossas forças armadas<diminutas>, avaliava os exércitos ou a falta de um, isto é, se ele estaria propenso, caso a necessidade se apresentasse, a ser um competente general de guerra ou se não passava de um rematado pacifista, desses que jamais veríamos dentre os líderes das nossas nações conhecidas.Será que ele ensinava a seus súditos a disciplina das batalhas e as treinava para enfrentar emergências?Essa minha ânsia, afinal, não durou muito, haja vista eu ter sido informado, tanto pelos livros de História quanto por alguns interlocutores, que, no decorrer das eras, houve na terra dos gigantes muitas pestes e doenças contagiosas, como essas que ajudaram a conter, assolar e subjugar aspopulaçõesna Europa, não muito tempo atrás. Também fiquei sabendo que – exatamente como em nosso Velho Continente – a nobreza dos gigantes vivia sempre sediciosa e ávida por mais poder ou por manter seus privilégios, enquanto que as massas contendiam o tempo todo arriscando a vida pela própria liberdade, e o rei, à parte, pelo domínio absoluto e nada mais.”

“O navio em que embarquei foi o primeiro jamais visto naquela costa, e o rei deu ordens estritas de que, a qualquer tempo que uma nova nau fosse contemplada no horizonte, outras embarcações dali em diante fossem capturadas e trazidas à terra firme, com todos os passageiros e tripulação intactos, que deviam ser transportados a Lorbrulgrud em carroças de duas rodas. O rei estava muito convencido nos últimos tempos da idéia de providenciar-me uma fêmea de meu tamanho, a fim de propagar minha nanica espécie – mas, sinceramente, de minha parte, preferia morrer que ser forçado a perpetuar uma espécie que passaria sua existência confinada em gaiolas como canários adestrados e, com o tempo, provavelmente vendida nos mercados para consumidores curiosos. Eu fui tratado com toda a deferência no reino; era o cortesão favorito do rei e da rainha, o deleite de uma côrte inteira. Mas considero isso um simples acaso individual, e a raça humana que de mim derivasse, creio, não teria a mesma sorte.”

“Já fazia 2 anos que estava entre os gigantes. Certa feita eu e Glumdalclitch fomos convocados a comparecer a uma audiência diante do rei e da rainha.”

“Eu olhava através das minhas janelas, mas nada podia ver além das nuvens e do céu. (…) alguma águia agarrou a argola de minha gaiola pelo bico, com o provável intento de deixá-la se quebrar numa rocha, como faria quando captura uma tartaruga, a fim de quebrar seu casco. E aí essa ave coletaria meu cadáver dos destroços, ou antes o devoraria sem pestanejar ali mesmo! A esperteza e o olfato desse animal permitem-no descobrir comida a centenas ou milhares de metros de distância, muito embora eu mesmo estivesse oculto ao olhar também muito agudo da criatura, por estar confinado nesta gaiola, que às vezes eu também chamava simplesmente de <minha caixa> ou <minha casa>; enfim, eu estava tão invisível para esse predador do mundo dos gigantes quanto estaria um homúnculo ou inseto bem-escondido num compartimento de 5cm³.”

“Percebi então que havia caído em alto-mar.”

“Ah, quantas vezes não desejei voltar a estar ao lado de minha querida Glumdalclitch! E pensar que cada hora separado desta minha babá era uma eternidade durante minha estada neste país! E além da situação lamentável em que estava não pude deixar de me entristecer também por Glumdalclitch, pensando o que ela estaria sentindo e pensando naqueles exatos instantes, de que forma ela lidaria com o luto de minha perda, o pesar da rainha, essas circunstâncias todas…”

“Ou, se eu escapasse desses perigos por um ou dois dias, o que sobraria para mim a não ser a morte mais miserável de frio e fome? Meu estresse máximo e perigo real de morrer a qualquer instante duraram 4 horas; eu esperava, não, eu desejava que cada segundo fosse literalmente o meu último.”

“Se há qualquer corpo aí embaixo, deixem que fale.”

“Alguns deles, ouvindo-me gritar tão selvagemente, pensaram logo que eu estava louco; outros ainda puseram-se a rir; de fato, a ficha demorou a cair: eu estava agora com pessoas da minha própria estatura e do mesmo nível de força que o meu!”

“Os marinheiros estavam todos admirados, me fazendo mil perguntas, às quais, para ser sincero, eu não desejava responder. Eu estava confuso à vista de tantos pigmeus ao mesmo tempo, porque era só o que pensava que eles poderiam ser: pigmeus da terra dos gigantes! Meus olhos estavam desacostumados com objetos e corpos pequenos.”

“Um deles disse:

– Eu distingui 3 águias voando rumo ao norte; mas confesso que não reparei se eram gigantescas ou do tamanho normal. Isso nem veio a minha mente.

Imagino que isso se deva à grande altura nas quais as águias se encontravam. Mas duvido que este homem entendesse as razões para minha pergunta.”

“como grandes criminosos, noutras nações, haviam sido forçados a embarcar em barcos pouco confiáveis e com provisão alimentícia muito minguada… Embora o capitão estivesse tão pesaroso da situação de racionar os bens, também se compadecia da miséria deste homem desgraçado e doente que caíra em seu navio, e prometia cumprir sua palavra e me levar a salvo para terra firme, nem que fosse no primeiro porto que tivesse a oportunidade de atracar, nem que fosse muito distante da Inglaterra, ou mesmo da Europa.”

“serão os olhos deste homem maiores que sua barriga? Não sei, meus caros, não sei, e não vejo mal nisso, ainda que fossem, porque este homem passou um dia inteiro sem comer!”

“Eu propus deixar todos os meus pertences como fiança de todos os favores de que me proveram. Porém o capitão se recusava a aceitar um tostão furado.¹ Despedimo-nos amavelmente, e fi-lo prometer que me visitaria em Redriff. Contratei um cavalo e um cocheiro por 5 xelins, que tomei emprestado do capitão.

Na estrada, observando a pequeneza das casas, das árvores, do gado e mesmo das pessoas, alucinei que estava ainda em Lilliput. Tinha verdadeiro receio de tropeçar e machucar qualquer viajante que encontrava, e não-raro gritava para que eles me dessem licença, como se falasse com pigmeus. Não menos de duas vezes quiseram quebrar minha cabeça pela minha atitude impertinente.”

¹ Outra situação idêntica a uma das cenas de Robinson Crusoe!

“Admoestei minha esposa dizendo que ela fôra frugal demais nos gastos, a ponto de pôr a si e a nossa filha quase em estado de penúria. Mas eu parecia tão fora de mim mesmo que elas opinaram omesmo que o capitão assim que me resgatara: achavam que eu tinha ficado louco. Digo isso porque o hábito e o preconceito parecem exercer uma extraordinária impressão sobre nós!”

“Minha esposa me aconselhou a jamais embarcar novamente, muito embora meu destino não estivesse alinhado com este plano de vida. Mas disso o leitor será informado a seu tempo!”

* * *

PARTE III – VIAGEM A LAPUTA, BALNIBARBI, LUGGNAGG, GLUBBDUBDRIB E AO JAPÃO

“Não pude recusar essa proposta. Minha ânsia por conhecer o mundo, a despeito de meus infortúnios passados, continuava violenta como sempre.”

“Tripulando a chalupa de 14 homens, 3 deles ingleses, ele me nomeou capitão da expedição”

“Ao décimo dia fomos perseguidos por dois piratas, que logo nos alcançaram; minha chalupa estava tão pesada com suprimentos que não conseguia velejar a contento; tampouco tínhamos aparato militar para defendermo-nos.”

“Lamento encontrar mais misericórdia num pagão que num irmão em Cristo, eu confessei ao holandês.”

“Considerei quão impraticável seria preservar minha vida num lugar tão desolado, e quão miseráveis não seriam meus últimos dias”

“O leitor jamais há de conceber meu espanto ao descobrir uma ilha flutuante, habitada por homens, que eram capazes (ao que parece) de levitar e afundar de novo sua ilha-nave e movê-la como bem desejassem”

“nunca na vida eu contemplara uma tal sorte de mortais, seres absolutamente singulares em suas formas, hábitos e tabus. Suas cabeças eram totalmente reclinadas, fosse para a direita, fosse para a esquerda; um de seus olhos apontava para dentro, isto é, para a parte de baixo do corpo e para o chão, e o outro para o zênite (o cume do firmamento)! Era um costume muito assíduo que a aristocracia do lugar conservasse sempre junto a si, em caráter imprescindível para a comunicação com o <mundo externo>, dois servos ou escravos, empregados faz-tudo.”

“Enquanto ascendíamos, inúmeras vezes perdiam o fio da conversação, de modo que eu tinha de relembrá-los. Às vezes de nada adiantava, e eu tinha de esperar que eles voltassem a si sozinhos. Mesmo diante de uma raça alienígena (o que eu era para eles), não podiam manifestar nada além da mais completa indiferença. Eu podia notar que lidava com indivíduos da aristocracia desse país, porque outros da mesma espécie, que eu chamaria de plebeus ou gente vulgar, tinham pensamentos mais ansiosos e contínuos, e viviam a gritar, mas os primeiros não lhes davam qualquer atenção.”

“Sua Majestade sequer pareceu me notar, ou a comitiva inteira, mesmo que nossa entrada tenha sido algo barulhenta. Ele estava ensimesmado num problema: como conseqüência, tivemos de esperar uma hora pelo seu <retorno>. De cada lado do rei havia um pajem ou servo; quando eles percebiam que o rei estava <de volta ao mundo real>, voltavam a se comunicar com ele. Um dos pajens servia-lhe de boca, o outro de ouvido. Assim ele se comunicava com o mundo exterior. Quando o rei percebeu nossa chegada, teve um sobressalto.”

“O rei me direcionou uma série de perguntas, de modo que eu (não pela primeira, nem pela última vez) tentei dar-lhe satisfação em várias línguas que conhecia. (…) esse rei era especialmente distinguido, reputado acima de seus predecessores no trono como excelente anfitrião de estrangeiros.”

“Tivemos duas refeições, de três pratos cada. Na primeira, havia uma paleta de cordeiro cortada em formato de triângulo equilátero, um pedaço de bife em rombóide (paralelogramo), e um pudim em ciclóide. A segunda refeição consistia em patos amarrados em forma de violino; salsichas e pudim idênticos a flautas e oboés, afora um peito de vitela imitando uma harpa”

“Em poucos minutos aprendi, na língua deles, a pedir pão e algo para beber, ou alguns outros petiscos.”

“Ele me trouxe pena, tinta e papel, além de 3 ou 4 livros, dando a entender pela linguagem de sinais que fôra enviado para ensinar-me as letras. Ficamos em labuta por 4 horas, tempo que me foi o bastante para redigir uma imensidão de palavras em colunas, com as respectivas traduções; também me esforcei para aprender as principais expressões curtas de uso cotidiano; meu tutor me ensinou como dar ordens aos meus serventes, tais quais pegar isso ou aquilo, ir embora, se apresentar, fazer reverência, sentar-se, erguer-se, andar, etc.

“Em poucos dias, com a ajuda de uma memória em que podia depositar minha inteira confiança, podia me expressar razoavelmente bem neste idioma.”

Lap, na antiga língua obsoleta, significa alto; e untuh, governador; daí é que dizem ter derivado o nome Laputa, antes Lapuntuh. Terra alta ou terra da altura, mais-alto-governo, como queiram.”

“O rei deu instruções para a locomoção leste-nordeste, rumo ao ponto vertical acima de Lagado, a metrópole de todo este alto-reino, localizada mais abaixo. Isso era a 145km de distância de onde estávamos; nossa viagem durou 4 dias e meio.”

“Ele me confidenciou que os residentes da ilha tinham os ouvidos adaptados para ouvir <a música das esferas, que toca inelutavelmente de período em período, de modo que a côrte está agora preparada para realizar sua parte, cada qual no instrumento em que mais excele>.”

“A facilidade que eu tinha com matemática me capacitou a absorver um pouco de sua fraseologia altamente avançada, que, por assim dizer, tinha a aritmética e a geometria como bases sólidas; a música também. (…) Suas idéias sempre percorrem figuras geométricas ou linhas cartesianas. Para elogiar, p.ex., a beleza de uma mulher, ou de algum animal, descrevem-na em losangos, círculos, trapézios, elipses e qualquer termo de especialista afim. Quando figuras imagéticas não são o suficiente, recorrem a metáforas musicais.”

“Suas casas não são nada bem-construídas; as paredes são sinuosas, nenhuma forma um ângulo reto ou simular ao das outras quinas em cômodo algum! Isso deriva do extremo desprezo desse povo pela geometria prática, que consideram coisa vulgar e de operário ou gente bruta, arte mecânica, enfim. Suas instruções, portanto, de engenheiros e arquitetos, abstratas e refinadas demais para os simples pedreiros, acarretam inúmeras falhas. Tanto quanto eles são destros e habilidosos num pedaço de papel, com o lápis, o compasso e os esquadros, são incompetentes e lassos no trato social, na ação concreta, no bê-á-bá da vida. Jamais vira nem veria dali em diante um povo tão estranho, anti-social e destrambelhado. Qualquer conceito estranho a sua sabedoria milenar consolidada deixava-os perplexos e sem reação. Se não fosse matemática ou música, era melhor que esquecêssemos!Eles são muito fáceis de contrariar, suscetíveis e teimosos, conservando o bom senso apenas quando têm a razão de seu lado; e numa discussão eles nunca cedem, então o melhor a fazer para se poupar é sempre dizer que eles têm razão. Eles desconhecem imaginação criativa, devaneio, invenção! Sequer pode-se nomear tais coisas em sua língua.”

“Mas, para não exagerar na crítica desse povo, o que mais me admirou neles foi sua forte disposição para novidades em política, sempre preocupados com o bem-estar social e os negócios da ilha; cada cidadão possuía suas opiniões e juízos particulares sobre negócios de Estado, e havia muitas facções que apreciavam o debate apaixonado. Na realidade já observara a mesma inclinação entre os matemáticos que conhecera na Europa, embora jamais atinasse com qualquer analogia entre as exatas e a ciência política! A não ser que essas pessoas imaginem que, como os menores círculos possuem tantos graus quanto os maiores, a regulação e a administração do mundo inteiro não requeiram nem menos nem mais habilidade que pôr um globo terrestre em movimento!”

“Essas pessoas se encontram perpetuamente angustiadas, jamais atingindo a tranqüilidade de espírito por mais do que alguns minutos. Suas perturbações derivam de causas que quase não afetam a vida do restante dos mortais. Suas apreensões despertam à causa de inúmeras mudanças dos corpos celestes que elas observam e temem. Por exemplo: temem que a Terra, devido à contínua aproximação do sol, seja, ao longo do tempo, absorvida ou engolida; que o disco solar vá gradativamente desmilingüindo por conta do próprio calor produzido em seu núcleo, até apagar-se por completo; e contam assustados como a Terra, que há pouco escapou, de forma miraculosa, de uma colisão fatal com o último cometa que adentrou o sistema solar,pode virar cinzas siderais à próxima visita de um desses corpos celestes de movimento inopinado! Não inopinado a ponto de escapar a seus meticulosos cálculos, é claro:afirma-se que em exatos 31 anos terrestres um novo cometa nos destruirá irrevogavelmente.”

“o sol, gastando diariamente seus nutrientes emitindo raios, sem reposição alguma, será inapelavelmente consumido e aniquilado (…) enfim, não queria ser tão repetitivo, mas estes meus novos amigos vivem tão alarmados e apreensivos sobre essas coisas tão distantes e remotas, senão improváveis, afora muitas outras calamidades sequer citadas, que são todos uns insones que não aproveitam os pequenos prazeres da vida. Quando cumprimentam um conhecido pela manhã, a primeira pergunta é sobre o estado do sol, como ele parecia estar ao se pôr no dia de ontem e se houve percepção de mudança no seu nascer hoje, e quão esperançosos podem ser os habitantes da ilha de evitar a catástrofe iminente! Esse tipo de diálogo é levado a cabo com a mesma desenvoltura de dois garotos que compartilham contos de terror, estórias de fantasmas e duendes. Como no caso dos garotos, eles se comprazem imensamente durante a conversa e manifestam extrema curiosidade – mas depois se arrependem e não conseguem dormir no escuro ou ir à cozinha de madrugada beber água.

As mulheres da ilha, verdadeiras Xantipas!, são muito, muito vivazes: não param de brigar com seus maridos e se afeiçoam facilmente a forasteiros, sendo esta ocasião tudo menos rara, pois muitas vezes a ilha pousa nos continentes telúricos. E muitas vezes visitantes são autorizados a subir a bordo e visitar a côrte, como eu. Não só issomas visitam as cidades e corporações sob os menores pretextos. Se bem que, coletivamente, são todos desprezados, por parecerem sempre querer o mesmo tipo de coisa – são utilitaristas, não há dúvida!”

ah, mas os maridos… os maridos estão sempre tão absortos em especulações que a mulher e seu amante podem se dar ao luxo de proceder às maiores amabilidades e familiaridades inclusive no mesmo cômodo, bem debaixo de seus narizes, contanto que eles estejam com papel, caneta e livros ao alcance das mãos, i.e., devidamente distraídos – e desacompanhados de seus dedicados servos, é claro!

As esposas e filhas sem dúvida lamentam muito seu confinamento à ilha, embora eu, particularmente, julgue-a o pedaço de terra mais magnífico do planeta! Embora vivam aqui em meio à maior abundância e magnificência, e com permissão para circular sem restrições pelo habitat flutuante, elas anseiam ver o mundo lá de baixo e conhecer o tipo de entretenimento presente em Lagado, a capital baixa do império (…) me relataram que uma senhora distinta da côrte, repleta de filhos, desceu a Lagado sob o pretexto de tratar da saúde, mas que lá viveu ocultamente vários e vários meses.” “Essa senhora, mesmo com marido tão gentil e abnegado, e por mais que ele a tenha recebido de volta sem o menor indício de reprovação, pouco tempo depois conseguiu empreender nova fuga, com todas as suas jóias, e foi viver com o mesmo indivíduo, e dessa vez nunca mais voltou — seu paradeiro segue desconhecido na côrte.

Imagino que essa história toda pareça uma alegoria para retratar as famílias britânicas desestruturadas, o que seria mais fácil imaginar – que eu sou um autor de ficção, que não precisaria ter viajado a um país tão remoto para redigir esse tipo de coisa! Mas ao leitor que assim pensar eu alerto: o sexo feminino não difere em clima ou nação algum, consistindo num espécime muito mais uniforme do que se pode esperar!”

“Sua majestade não tinha o menor interesse em indagar sobre as leis, o governo, a história, a religião, os costumes dos países em que estive; suas perguntas se resumiam ao estado em que se encontrava nossa Matemática, mas mesmo assim minha resposta era recebida com desprezo e indiferença”

“A ilha flutuante, creio ser desnecessário até mencionar, é perfeitamente circular, possui um diâmetro de 7,166153km, possuindo, portanto, uma superfície de 10 mil acres.”

“É jurisdição do monarca elevar a ilha acima da região das nuvens e vapores, garantindo assim que só haja orvalho ou chuva quando ele bem entender.”

“Quando a pedra é posicionada paralela ao horizonte, a ilha fica estacionária; suas extremidades ficando a uma altitude isonômica da terra, a força gravitacional age em equivalência com a força normal, anulando qualquer possibilidade de aceleração.

Essa preciosa pedra, espécie de ímã-volante de toda a ilha, leme tão excepcional, é guardada por certos astrônomos que, de tempos em tempos, mudam sua posição conforme as prescrições do monarca. Estes especialistas passam a maior parte da vida observando os corpos celestes, assistidos por lentes telescópicas ‘n’ vezes mais avançadas que as européias!”

“Em seus catálogos científicos constam 10 mil estrelas fixas, enquanto que nossos mais vastos registros não contabilizam 1/3 deste número. Eles também descobriram duas estrelas-menores, ou satélites, rodopiando Marte; o que traslada mais próximo do planeta vermelho está distante de seu centro geométrico cerca de 3x a extensão de seu próprio diâmetro; o satélite externo, 5x.” “Eles conhecem 93 cometas e sabem seus períodos de passagem pelo nosso sistema com grandíssima exatidão.”

“Este rei seria o rei dos reis do universo, se ele pudesse unicamente reunir homens de igual capacidade em seus ministérios! Mas eu ousaria dizer que não há na ilha ninguém como este homem, nem que chegue perto do intelecto e da visão deste homem; os segundos certamente estão em nossa terra, em nossa altitude habitual, e eu duvido que um rei precavido aceitasse jamais como subordinados tão poderosos e influentes pessoas estranhas, arriscando a escravidão de seu país!”

“o rei, quando se põe animoso e, portanto, decidido a exterminar uma de suas cidades, ordena com fleuma a descida da ilha, dissimulando uma visita benevolente aos cidadãos do lugar escolhido para extermínio; mas tudo isso é por medo de quebrar o fundo da ilha, adamantino, duro como o diamante.”

“Diz a lei do lugar que nem o rei, nem ninguém do reino, nem qualquer de seus dois filhos mais velhos, estão permitidos a sair da ilha. Nem a rainha, até o término de sua infância.”

“Após conhecer todas as singularidades da ilha, eu desejava muito partir. Essas pessoas se tornaram muito cansativas para mim. Eram excelentes em duas ciências pelas quais nutro grande estima, e nas quais confesso ser algo versado; mas, ao mesmo tempo, eram consciências tão abstratas e especulativas, que com o passar do tempo creio que não poderia encontrar companhias mais desalentadoras! Passei a conversar apenas com as mulheres, com comerciantes, servos e pajens. Assim foram meus últimos 2 meses. Não podendo mais ocultar meu desprezo por tal gente, passei a me conduzir de forma impertinente, mas minha mudança só podia ser detectada por essas mesmas pessoas em quem eu ainda encontrava qualquer tipo de aprovação ou reciprocidade!”

“Ele me ouviu com bastante atenção e remeteu-me diversas observações sapientes, relacionadas ao meu discurso. Ele possuía, como sempre nesta classe, 2 servos, mas quase nunca os utilizava – só mesmo em visitas à côrte e em cerimônias. Quando estávamos a sós, ele apenas comandava que se retirassem do aposento.”

“Dia 16 de fevereiro eu me despedi de Sua Majestade e da côrte. O rei me presenteou com o que eu converteria para 200 libras esterlinas, sendo que meu protetor e seus apaniguados também me deram somas em dinheiro, que remontavam mais ou menos ao mesmo valor na somatória. Também levaria comigo uma carta de recomendação para um seu amigo em Lagado, a referida metrópole do reino, mais mundana. A ilha revolvendo cada vez mais baixo e em torno de duas montanhas, uns 3km mais abaixo, fui conduzido ao mundo telúrico da mesma forma como me fizeram subir da primeira vez.” “Encontrei rapidamente a casa da pessoa a quem fui recomendado na carta, e fui recebido, claro, devido à chancela real, com as maiores honrarias.”

“À manhã seguinte ele me levou em passeio de charrete para conhecer a capital, que seria, diria, metade de Londres em tamanho. As casas são esquisitíssimas, e maioria necessitando reparos urgentes! As pessoas nas ruas andam rápido, parecem bárbaras, olhos fixos, geralmente maltrapilhas. Atravessamos um dos portões da cidade e avançamos coisa de 5km campo adentro, onde testemunhei o trabalho de vários camponeses utilizando um sem-fim de utensílios, embora não tenha entendido a função de um deles sequer.”

“não podia atinar com tantas cabeças, mãos e rostos ocupados, no campo ou na cidade! Não entendia o conceito de produtividade dessa nação. Para falar a verdade, nunca vira um solo mais mal-cultivado, casas tão precárias e degradadas, nem pessoas de aspecto mais miserável e necessitado.

O senhor Munodi era um aristocrata, ex-governante de Lagado, mas soube que devido a uma insurreição dos ministros fôra demitido por alegada incompetência. Ainda assim, o rei o recebia com muita ternura e gentileza, como um homem benfazejo, cujo único defeito era a falta de entendimento.”

“Em nossa jornada ele me mostrou diversos métodos empregados por fazendeiros na administração de suas terras, os quais para mim eram todos imprestáveis; raro era o terreno em que eu distinguia um pé de milho ou pedaço de grama. Em 3h de viagem, entretanto, o cenário mudou completamente: chegamos a um meio rural muito bonito, a casas camponesas, umas próximas das outras, todas muito bem-erigidas, os campos compactos e repletos de vinhas e de milharais, além de campos para pastagem. Na verdade nunca vira uma paisagem tal na Inglaterra! (…) os camponeses de Lagado desprezavam e ridicularizavam o jeito do senhor Munodi fazer as coisas em suas propriedades, crendo-o um péssimo exemplo para o reino. Esse tipo de contra-exemplo (a produtividade no campo!) era também seguido por umas raras exceções, reputadas como os excêntricos, velhacos, teimosos, velhos rabugentos e fracos de espírito do lugar.

Chegamos enfim a seu lar, uma mansão bastante nobre e brilhantemente estruturada. Encontro nas leis deste projeto arquitetônico o que de melhor os antigos nos deixaram. As fontes, os jardins, as passarelas, avenidas e pomares eram distribuídos de forma justa e regular e sem dúvida havia bom gosto em sua disposição.”

“ele me contou com um ar melancólico que até consideraria seriamente a idéia de derrubar suas edificações e restaurá-las ao gosto dos atuais cidadãos de Lagado; de destruir todas as suas plantations e adotar as <modernizações> em voga, para seu próprio prejuízo, mas temia que tudo isto não fosse apreendido pelos demais senão como orgulho, afetação, ignorância e capricho, manchando ainda mais sua reputação em relação a Sua Majestade.”

“Cerca de 40 anos atrás, muitos subiram a Laputa, ou a negócio ou a lazer, e, depois de 5 meses de estada, voltaram cheios de novas concepções e invencionices matemáticas, o que na verdade eu chamo de preconcepções absurdas e desconhecimento – essas pessoas se tornaram muito voláteis, provavelmente em virtude de haverem respirado o ar rarefeito e elevado demais daquela região. Foi aí que os habitantes de Lagado começaram a tomar gosto pela falta total de administração de seus negócios, i.e., passaram a desprezar toda e qualquer coisa <material> e <mundana>. Tudo em que pensavam era na reforma imediata das técnicas, artes, ciências e linguagens. Eles providenciaram uma patente real a fim de erigir em Lagado uma academia de projetistas (mal consigo usar a palavra <engenheiros>). As idiossincrasias prevalecem em tal medida nessa gente extravagante da capital que não há, na atualidade, uma só província que não tenha sucumbido a seu amalucado exemplo. Nessas novas escolas os professores ensinam regras e métodos inauditos em agricultura e engenharia civil, concebem novos instrumentos e ferramentas para todos os negócios e manufaturas; dizem eles que assim, devido à revolução que acabarão por promover, um homem trabalhará por 10, um palácio será erguido numa semana, e será feito de materiais tão duráveis que jamais carecerá de reparos. Que todos os frutos da terra chegarão à maturidade em qualquer estação e terão dimensões 100x maiores que as atuais. Isso e muito mais eles prometem. O único inconveniente é que nenhum desses projetos jamais chegou à perfeição ou a qualquer resultado satisfatório. E enquanto esse dia não chega, o país vive na miséria e desperdiça seu potencial, as casas permanecem ruinosas e as pessoas sem quase o que comer ou vestir. Mas isso, ao invés de desencorajá-las, torna-as 50x mais agressivas e obstinadas. Não sei o que mais as move, se a esperança ou o desespero. Quanto a mim, senhor Gulliver, sou despido desse tal ‘novo espírito de empreender’! Hei de viver como vivi desde que nasci, como meus antepassados viveram, e não pretendo mudar. Mas a verdade é que os poucos de nós contrários às inovações são vistos como inimigos do povo, das artes, uns plebeus ignorantes! O que dizem de nós é que somos preguiçosos que preferem se ater a envelhecidas fórmulas de sucesso e que nos falta o ímpeto do sacrifício coletivo!”

“A um quilômetro de sua casa esse homem tinha um engenho movido pela correnteza de um grande rio que por ali passava. Essa construção atendia as suas necessidades, as de sua família e as de muitos outros amigos. Mas há exatos 7 anos os tais projetistas acadêmicos o procuraram com propostas de destruir o moinho e construir um outro na região montanhosa, em que pretendiam erguer um grande canal bem no meio dos desfiladeiros, enchendo-os com água, abastecendo-os de motores, sistemas condutores e certas engenhocas.Alegavam que os ventos e o ar, a grandes alturas, agitavam a água e, quanto mais ela pudesse ser movimentada, e de quão mais alto ela viesse, mais energia seria produzida. Munodi, não vendo saída, em desprestígio com a coroa e pressionado por muitos de seus vizinhos, cedeu. Apesar de terem aplicado 100 homens no projeto ao longo de 2 anos, o trabalho descarrilhou, tudo deu errado e os projetistas foram-se embora, culpando o próprio Munodi! Agora esses acadêmicos andam por aí procurando outras almas como o benévolo Munodi, a fim de engabelá-las por seu turno, prometendo sempre os melhores resultados e as mais altas probabilidades de êxito, com o mínimo esforço. Mas, na prática, tudo acontece ao revés.”

“Essa academia não se resume a um simples prédio, mas é mais como um condomínio ou um campus, com prédios dos dois lados de uma rua que, barata e desvalorizada, foi comprada para servir de sede aos projetistas.”

“O primeiro homem que vi era um senhor muito raquítico, de cara e mãos muito sujas; seu cabelo e barba eram compridos, esfrangalhados e chamuscados em vários lugares. Suas roupas, sua camisa e sua cara, enfim, eram para mim da mesmíssima cor. Ele se encontrava há 8 anos entretido num só projeto: extrair a luz solar de pepinos, os quais eram inseridos em frascos hermeticamente selados, e depositados ao ar livre em pleno verão, debaixo do sol mais inclemente. Ele me contou que, sem dúvida, em no máximo mais uns 8 anos, já terá podido iluminar todos os jardins do governador, e isso a custos irrisórios.”

“O projetista dessa cela era o estudante mais antigo da academia. Seu rosto e barba eram de um amarelo pálido, suas mãos e roupas eram recobertas por uma camada de poeira. Quando fomos apresentados ele me deu um entusiástico abraço, um cumprimento que em outra ocasião eu bem poderia ter desculpado! Desde sua entrada na academia, ele estava envolvido numa operação a fim de reduzir os excrementos humanos à comida original, separando as partes, removendo a tintura emprestada às fezes pela bile, dissipando o mau cheiro e drenando o suco gástrico. Ele contava com parcos recursos da sociedade de cientistas, dentre eles uma remessa semanal de um recipiente abastecido de bosta, mais ou menos das dimensões de um barril de chope de Bristol.

Também vi um professor tentando calcinar o gelo até virar pólvora; este último me mostrou um tratado que redigira, sobre a maleabilidade do fogo, o qual ainda não se encontrava publicado.

Havia um arquiteto dos mais engenhosos, que descobrira um novo método de construir casas, começando pelo teto e descendo progressivamente à base. Sua justificativa? Ele me contou que devíamos copiar os insetos peritos em construção, isto é, as abelhas e as aranhas!”

“ora, empregando aranhas o trabalho de tingir a seda será todo poupado.”

“Ele me exibiu uma vasta quantidade de moscas das cores mais belas, com as quais alimentava suas aranhas, garantindo que as teias sairiam com a mesma tintura das moscas. Como ele tinha um repertório de todas as cores de moscas, ele esperava assim conquistar a aprovação universal, ao menos a partir do momento em que encontrasse alimento apropriado para todas as variedades de moscas, constituído de certas gomas, óleos e matérias viscosas, a fim de dar a consistência e a força necessárias aos fios.”

“Eu me queixava no momento de uma pequena crise de cólica, quando meu guia me conduziu à sala de um renomado físico, que conseguia curar essa inconveniência através de operações contrárias de um mesmo instrumento. Havia um par de berrantes enormes, com o bocal muito alongado e estreito feito de marfim. Ele inseria essa parte (de uns 20cm!) no ânus do paciente. Fazendo ventar para aquelas partes, ele garantia poder tornar o intestino tão murcho e isento de gases quanto uma bexiga depois de estourada! O problema era que quando o mal era mais crônico e violento ele precisava retirar os berrantes várias vezes para repetir o procedimento de ventilação. Nesse intervalo em que retirava o berrante para reintroduzi-lo, o doutor precisava tapar o orifício do reto do paciente com seu dedo polegar, para não deixar nada escapar; depois que isso era feito 3 ou 4 vezes, no mais grave dos casos, o <vento adventício> podia finalmente ser liberado com todos os gases (funcionava exatamente como uma bomba d’água). O paciente recebia alta. Eu vi este homem fazer o experimento com um cão, mas não pude perceber qualquer resultado na primeira aplicação do berrante. Com a repetição da operação, vendo que o caso era grave, o doutor aplicou tanto vento no animal,e logo ele peidou tão feio, que foi impossível permanecer na sala… O cachorro morreu no ato! – mas o doutor iria tentar a ressuscitação do animal aplicando a mesma técnica… eu não fiquei para ver o resultado e segui adiante em minha visita…

Com efeito eu visitei muitos outros apartamentos de projetistas-especialistas, mas não vou desperdiçar o tempo do meu leitor com as curiosidades que acabei por observar, preferindo um relato mais breve da aventura.”

“A invenção mais brilhante que encontrei foi um dispositivo que pretendia reunir todo o conhecimento universal da humanidade mediante o registro de todas as palavras concebíveis e de sua repetição na mesma proporção em que ocorrem nos livros conforme sua classe gramatical (advérbios, preposições, conjunções, verbos, adjetivos, substantivos…), e tudo isso de uma forma dinâmica, um aparato gigantesco operado por muitos auxiliares. Achei meu colega, o inventor deste mecanismo (veja a imagem), tão aplicado e original que prometi que, se um dia eu voltasse ao Velho Continente, tornaria público o fato de que ele, e somente ele, era o inventor genuíno desta grandiosa máquina revolucionária. E eu disse a ele, encorajando-o: <Embora seja o costume do europeu o furtar, por assim dizer, invenções uns dos outros, nosso sistema tem, ao menos, essa vantagem: sempre fica dúbio, no final, quem fôra o descobridor do Ovo de Colombo…>, mas – complementei –<…agirei com tanta precaução que você pode estar certo de ficar como detentor derradeiro dos direitos sobre sua invenção, sem um rival sequer!>

“A seguir nós nos dirigimos à faculdade de letras, onde 3 professores estavam em debate, cujo tema era: como aperfeiçoar o idioma natal? O primeiro projeto proposto foi o de diminuir o discurso, cortando polissílabos, e eliminando verbos e particípios, uma vez que coisas imaginadas não são senão normas. O segundo projeto era um esquema extremista em que se aboliam de vez todas as palavras; argumentou-se que seria uma ação altamente valiosa tanto no campo da saúde quanto no da objetividade científica. E para isso evidenciou-se que cada palavra que pronunciamos representa uma ligeira diminuição de nossa capacidade pulmonar por corrosão e que, por extensão, a língua contribui para o encurtamento da vida humana. Pregou-se uma solução: <Uma vez que as palavras são apenas nomes para as coisas, seria mais conveniente que cada homem carregasse consigo todas as coisas necessárias a fim de expressar idéias particulares.> Essa invenção, alegou-se, já teria sido possível e já seria uma realidade, se as mulheres e a gente vulgar e iletrada não ameaçasse, sempre, rebelião quando esta era a pauta do dia. Aquilo que nossos avós e pais faziam, é-nos muito difícil de abdicar. São esta gente os inimigos maiores do fazer-ciência. (…) Entrando em mais detalhes sobre esta curiosa proposta, à objeção levantada de um homem cuja profissão fosse muito abrangente, abarcando muitos tipos de objetos, este homem teria, proporcionalmente aos campos que domina, numa lei de igualdade compensatória, de carregar mais coisas nas costas, a não ser que fosse rico o bastante para ter um ou dois servos que o ajudassem nesse tocante. Eu vi dois dos sábios defensores desta proposta quase que afundando sob o solo dado o enorme peso de sua bagagem, como os nossos mascates. Aí, então, a pessoa que carregasse todos os objetos de que necessita para <falar>, quando encontrasse um conhecido seu na rua, depositaria sua sacola no chão, retiraria seus objetos e poderia, assim, dialogar mudamente por cerca de uma hora! A ajuda de terceiros com implementos ou o camaradismo a fim de que todos e cada um lograssem carregar sem maiores dificuldades toda sua <mercadoria de fala> em peso (com o perdão do trocadilho!) seriam aspectos indispensáveis desse novo e promissor modo de vida. (…) Como seria de se imaginar, a casa ou escritório de alguém nesta sociedade seria atulhado de coisas para que diálogos fossem sempre possíveis. Essa operação não é coisa simples: a habilidade no rápido e coordenado manejo de objetos sendo essencial, diria que é uma verdadeira ARTE da conversação!

Mas mais uma vantagem aludida com o emprego dessa nova técnica seria que finalmente cumpriríamos os desígnios de Babel: teríamos atingido a língua universal! Em nenhuma nação que adotasse esse método qualquer forasteiro que jamais estudou os costumes locais deixaria de ser plenamente compreendido! (…) Embaixadores tratariam com quantas autoridades internacionais pudesse haver, sem maiores inconvenientes.”

“nada há de tão extravagante e irracional que alguns filósofos não tenham proclamado como verdadeiro.”

“Propôs então o doutor: <Na assembléia do senado, alguns médicos deveriam comparecer nos seus três primeiros dias, e, à hora da saída, medir o pulso de cada um dos debatedores. Após o quê, considerando com sabedoria e consultando sobre os sintomas das mais variadas doenças, bem como seus métodos de cura, ao quarto dia, retornariam em companhia de seus apotecários munidos dos medicamentos adequados. Antes mesmo desta quarta reunião, eles administrariam todos os lenitivos, aperitivos, abstergentes, abrasivos, corrosivos, restringentes, detergentes, paliativos, laxativos, analgésicos, anti-cefalóides, anti-ictéricos, anti-apopléticos, acústicos, etc., na dosagem e na qualidade que o quadro de saúde de cada paciente demandasse. Conforme esses remédios sanassem ou não a doença, e em que grau, os médicos e farmacêuticos regressariam, ainda, para repetir, alterar ou omitir o tratamento.>

“Como sucede de os favoritos do príncipe sofrerem, em geral, de curta e péssima memória, o mesmo doutor ainda prescrevera: <Quem quer que se encontre com o primeiro-ministro, após relatar o assunto, da forma mais lacônica e simples possível, deveria, no instante de despedir-se, dar um beliscão no nariz do sumo ouvinte, ou senão um chute no estômago, ou dar-lhe um pisão, ou puxar ambas as suas orelhas por no mínimo três vezes, ou então enfiar-lhe uma agulha no traseiro, ou deixar hematomas no seu braço, tudo pela melhor das causas: prevenir seu esquecimento. E, se se tratar de uma sucessão de muitos encontros, deveria repetir a operação a cada um deles, até que o negócio esteja fechado, i.e., que o primeiro-ministro dê, enfim, seu sim ou seu não e conclua a questão.>

“O mesmo médico propôs uma bela medida contra as dissensões agudas e violentas entre os partidos. O método de fazer a reconciliação era o seguinte: reúnem-se 100 líderes de cada partido; eles são dispostos dois a dois entre aqueles com cabeças de tamanho mais próximo; dois cirurgiões qualificados serram o occipúcio de cada par da dupla simultaneamente. Os occipúcios extraídos são intercambiados, vindo a pertencer agora à cabeça de um antigo rival. Parece absolutamente um trabalho que exige a mais milimétrica precisão ou algo pode dar muito errado! Porém, o médico-cirurgião afiançou que <se a dupla-cirurgia for realizada com êxito, a cura é inescapável. Com as duas metades antagônicas de um cérebro pós-cirúrgico deixadas à vontade para debater o tema em questão, dentro do mesmo crânio, não poderiam deixar de se entender logo, porquanto não há outra saída, e produziriam nos pacientes assim operados aquela moderação e regularidade de pensamento, justo neles, que, previamente à intervenção da medicina, julgavam que sua existência neste mundo decorria tão-somente do eterno movimento praticado pelos corpos celestes e que por isso julgavam que seus defeitos eram predestinados e que não valia a pena esforçarem-se por minorá-los!>.”

“O método mais justo seria impor um imposto sobre os vícios e tolices; a soma fixada para cada homem seria estabelecida de forma eqüitativa por um júri composto de seus vizinhos.”

“As mulheres deveriam ser taxadas segundo sua beleza e destreza no vestirem-se, no que elas deveriam ter os mesmos privilégios que o homem, em valores a ser determinados por seu próprio juízo. Mas a constância, a castidade, o bom-senso e a gentileza não poderiam ser mensurados, porque daria muito trabalho e ademais os impostos seriam tão altos que quebrariam a economia.”

“Outro professor mostrou-me um artigo muito extenso com instruções para descobrir intrigas e conspirações contra o governo. Seu aconselhamento era, em síntese, o de que o governante devia prestar atenção na dieta dos suspeitos; as horas das refeições; em que posição dormiam; com qual das duas mãos coçavam o traseiro; analisar detidamente seus excrementos, de modo a retirar opiniões conclusivas de sua cor, odor, gosto, consistência, nível avançado ou inicial da digestão, enfim, tudo o que, segundo este nobre autor, permite que leiamos nas entrelinhas os pensamentos e intenções mais profundos daqueles que conspiram; é de fato sabido por todas as civilizações (que possuem vaso sanitário) que um homem nunca se põe tão sério, grave e deliberativo como quando está no trono. Após longos experimentos, este doutor conseguiu descobrir que aqueles que se punham a pensar, enquanto defecavam, na melhor maneira de matar o rei tinham as fezes esverdeadas; porém, se o caso fosse apenas o de levantar uma insurreição ou incendiar a metrópole, aí então as cores resultavam bem díspares, etc.”

“Pois saiba o senhor que na Tribnia,¹ dentre os nativos chamados Langdon,² na qual habitei muitos de meus anos em meio a minhas intermináveis viagens, o grosso da população consiste, no fim das contas, em grandes descobridores, inventores, investigadores, testemunhas, informantes, acusadores, procuradores, provadores, conjuradores, incitadores, sempre no uso de seus instrumentos subalternos, i.e., outros langdoninos. E todos, sem exceção, estão sempre, quaisquer que sejam sua índole e conduta, submetidos à vontade dos ministros de Estado e aos congressistas, senão outras marionetes ou avatares destes primeiros. As intrigas, nesse reino, são obra daqueles que querem se tornar proeminentes e marcar a história como grandes personalidades, o velho desejo de ser um GRANDE POLÍTICO. Se não é isso que os conspiradores querem, só posso cogitar alguns outros motivos: revigorar uma administração que se tornara louca? sufocar ou dividir minorias de descontentes (ou seja, conspirar apenas como isca para apanhar conspiradores)? encher seus cofres? piorar ou melhorar a imagem do império em face das outras nações (aquele dos dois que for mais vantajoso no momento para a fortuna individual)? E não duvide de que as coisas são tão bem encenadas na Tribnia que muitos até decidem mutuamente seus papéis antes da peça: talvez tirem no palitinho ou dalguma outra forma quem serão os bodes expiatórios da vez, aqueles que serão acusados e condenados pelo poder público; medidas formais são tomadas para confiscar seus pertences e rastrear suas cartas e correspondências; e, enfim, se os prende. Os papéis encontrados que sirvam de prova da conspiração são distribuídos para uma caterva de artistas, muito hábeis em decifrar significados misteriosos em palavras esdrúxulas e quase arbitrárias, prestando entonação às menores sílabas. Há uma interpretação de tudo quanto for informação num sentido bem elaborado – p.ex.: uma referência a uma latrina fechada numa carta de comadres pode ser o símbolo para conselho privado; uma revoada de gansos, símbolo do senado; um cachorro furibundo, um invasor; a peste, um exército à espreita; um abutre, o primeiro-ministro; a gota, o sumo-pontífice; o patíbulo, o secretário de Estado; uma retrete, um comitê de especialistas; uma peneira, uma dama da côrte; uma vassoura, a revolução; uma ratoeira, uma estratégia; um abismo sem fundo, o Tesouro; um naufrágio ou escolhos, a própria côrte; um chapéu de bobo com sinos nas pontas, um favorito; uma cana quebrada, a côrte de justiça; um tonel oco, o general; uma ferida aberta, a própria administração.(*)

(*) Este parágrafo é a versão revisada do dr. Hawksworth (1766); na edição original de 1726, a introdução era: Pois saiba o senhor que, vivesse eu num país em perpétua crise e rebuliço…Portanto, não havia ainda este código dual Tribnia-Langdon nem tampouco a figura do vaso sanitário fechado na enumeração simbólico-irônica que vem a seguir.”

¹ Forma velada de o autor se referir à Bretanha.

² Os londrinos – referência aos habitantes da capital Londres ou London no original.

“Se falhar esse jogo de associações na interpretação da linguagem empregada entre os comparsas, há nesta terra ainda dois métodos efetivos que os mais versados possuem de desbaratar conspirações: os acrósticos e os anagramas. Quanto ao primeiro método: todas as iniciais podem conter sentidos políticos. N pode querer dizer uma trama;¹ B, aludir à cavalaria; L, uma esquadra no mar… Quanto ao segundo método: transpondo as letras do alfabeto em qualquer <documento suspeito>, as verdades mais ocultas e impensadas podem vir à tona, principalmente o descontentamento do partido vencido. Então, p.ex., se eu dissesse, numa carta, a um amigo, em tom de desabafo, <O FLAGELO FERIDO TEM UM PESO!>, um decifrador competente poderia deslindar a seguinte sentença subjacente na primeira: <O REI SEM LEGADO É MOFO, PLUFT!>,² o que parece insinuar que quereriam assassinar ou desaparecer com o rei, que julgavam nada estar deixando para a glória futura do país, sendo mera relíquia de um passado desinteressante.”

¹ Não é nenhuma palavra com “n” em inglês; aqui, Swift escreve plot, deliberadamente para o efeito cômico da explicação, e assim nos dois próximos exemplos nonsense.

² “Our brother Tom has just got the piles” e “Resist—, a plot is brought home – The Thour” no original.

“O professor me agradeceu muitíssimo meu relato detalhado, e garantiu que na versão final de seu artigo eu ganharia diversas citações.

A verdade é que nada vi nesse país que me convencesse a uma estadia longa, então comecei a planejar meu retorno à Inglaterra.”

“O continente, do qual esse reino ocupa apenas uma parte, se estende, pelo menos creio, a oriente, até aquela obscura borda da América conhecida como costa oeste ou Califórnia. Ao norte, o limite de seus domínios é o Oceano Pacífico, que não dista mais de 250km da capital Lagado no centro. Nesta costa setentrional há um grande porto e bastante comércio com a grande ilha de Luggnagg, mais ou menos a noroeste de onde eu me encontrava então, aos 29° de latitude e aos 140° de longitude. Essa ilha chamada Luggnagg situa-se, portanto, a sudeste do Japão, mais ou menos a 800km. Há uma aliança restrita entre o imperador japonês e o rei de Luggnagg; com isso, viagens entre ambos os arquipélagos se tornam mais fáceis. Foi assim que decidi tomar meu rumo para a Europa por esta via.”

“Dessa vez, por incrível que pareça, minha jornada não contou com acidentes ou aventuras extraordinários que valham a pena narrar. Chegando ao porto de Maldonada nenhum navio estava ancorado na parte reservada para as embarcações de Luggnagg, nem havia qualquer aparência de que esperavam a chegada de alguma nau. Esta cidade em que desembarquei era mais ou menos do tamanho de Portsmouth. (…) Um gentleman me disse: <Como navios para Luggnagg não sairão no próximo mês, seria uma honra, se o senhor concordar, ser o guia do senhor numa excursão pelo pequeno arquipélago de Glubbdubdrib, que dista daqui não mais que 5 ligas marítimas a sudoeste.>

“Glubbdubdrib, tanto quanto eu posso interpretar, significa ‘Ilha dos magos e feiticeiros’. Tem mais ou menos um terço do tamanho da ilha de Wight,¹ é de vegetação bastante frutífera e de prospectos excepcionais, governada por uma tribo inteiramente composta de magos. Nessa tribo todos os casamentos são endógamos, sendo que a sucessão cabe ao filho mais velho. Seu palácio mais seus jardins dão uma área de 3 mil acres,² toda cercada de uma muralha de pedra polida de 6 metros de altura.”

¹ Ou seja, tem por volta de 127km².

² O acre vale um número diferente em metros quadrados em cada notação, e são diversas as existentes. Não deve ser a mais comum delas, em que 1 acre = 4km², pois sendo assim 3 mil acres x 4km² dariam 12 mil km², o que seria o mesmo que dizer que o próprio palácio do rei da ilha e adjacências são CERCA DE 100X MAIORES QUE A PRÓPRIA ILHA (nota 1)! Ou a notação é uma que me é inacessível ou trata-se de um imenso efeito cômico (burlesco, aliás) do autor!

“Mestre da necromancia, o governante deste lugar pode chamar dentre os mortos qualquer um que desejar, contanto que os serviços do finado não durem mais do que 24h. Também há a limitação de não se poder chamar a mesma pessoa de novo num espaço de 3 meses, a não ser em circunstâncias extraordinárias.”

“Este rei entendia a língua de Balnibarbi, embora não fosse o idioma desta ilha. Ele me solicitou, portanto, relatos de minhas viagens e, para provar-me que eu seria tratado sem cerimônia nem etiqueta excessivas, dispensou todos os atendentes da côrte num simples voltear de seu dedo. Ao concretizar esse gesto – não falo por metáforas! – todos os seus súditos sumiram, escafederam, como vapor ou imagens oníricas, num só instante! (…) Sentindo-me encorajado, comecei uma breve narração que incluía uma seleção de minhas melhores aventuras até então. (…) Logo me pus tão familiar à aparição de espíritos que, depois da terceira ou quarta vez já não me sobressaltava com os visitantes! Mesmo que um ou outro me parecesse ainda assustador em um aspecto ou outro, minha curiosidade ultrapassava em muito esse ligeiro mal-estar. Sua alteza determinou, então, que eu tinha inteira liberdade para fazê-lo convocar qualquer personalidade morta que eu quisesse, e aliás que eu continuasse a fazê-lo até me contentar de todo, não importasse o número daqueles que eu gostaria de entrevistar nesta minha curta estada por tão poderosa côrte! Podia ser qualquer nome, desde o início dos tempos até os dias atuais, e eu teria liberdade irrestrita no interrogatório. Mas ele me fez observar que as perguntas que eu dirigisse deveriam estar confinadas ao tempo de existência do sujeito, sob pena de não obter nenhuma resposta que fizesse sentido. Além disso, o rei me assegurou: <Tu ouvirás a verdade e nada menos que a verdade, posto que mentir não é talento que possua qualquer valor no submundo>.”

“O primeiro que decidi convocar foi Alexandre o Grande, encabeçando seu exército da batalha de Arbela:¹ após um leve volver de dedo no ar pelo governante, este excelso imperador imediatamente se materializou, em meio a uma vasta planície, visível através da janela que se abria a nossa frente. Alexandre foi chamado a sentar-se diante de nós. Foi com muita dificuldade que compreendi seu grego, e eu mesmo não falo mais do que o básico neste idioma. Ele me jurou: <Não fui envenenado, morri de febre decorrente do excesso de bebedeira.>

¹ Que terminou com a derrota de Dario III e representou a conquista dos persas pelo mundo helênico, tentada desde a formação da nação grega. Alexandre tinha muito menos soldados que seu adversário.

“Em seguida eu vi Aníbal cruzando os Alpes, dizendo: <Eu não tenho uma gota sequer de vinagre em meus campos>.¹”

¹ Uma anedota popular diz que o conquistador Aníbal conseguiu desintegrar enormes rochas que bloqueavam o caminho de suas tropas usando fogo e vinagre (ou azeite) como catalisador das chamas. Ou seja: entrevistando as personalidades históricas, Gulliver sempre se depara com desmentidos.

“Vi (não fui, ele que veio; nem venci, mas afianço que eu vi!) César e Pompeu na dianteira de suas tropas, prontos para qualquer assalto. O primeiro deles estava na forma física de seu último grande triunfo. Eu desejava também a convocação do senado romano para diante de nós. E num amplo salão eu pude ver todas as ilustres figuras daquele senado republicano, além de, ao seu lado, uma assembléia dos tempos mais recentes de Roma, do Império corrompido. Os componentes do primeiro salão pareciam heróis, semi-deuses; a outra turba parecia um amontoado de mascates, batedores de carteira, andarilhos e fanfarrões!

O rei necromante, a minha instância, fez sinal para que César e Bruto se adiantassem. Fui presa de verdadeira veneração ao contemplar este homem Bruto! Pude distinguir nele a mais resoluta das virtudes, um caráter intrépido e uma mente firme, um sincero amor pela sua nação e grande humanidade e benevolência em cada gesto seu. E percebi também que ambos se davam muito bem. César me confessou: <As maiores ações que perpetrei nem sequer igualam, em vários graus, a glória de quem as suprimiu deste mundo!>. Instado por esse comentário, conversei bastante com Bruto. E dele ouvi: <Meu ancestral Junius, Sócrates, Epaminondas, Cato o Jovem, Thomas More e eu andamos sempre juntos no Hades>. Um sextunvirato, decerto, a que nenhuma idade poderia acrescentar um sétimo elemento!

Mas seria tedioso fazer o leitor repassar por todos os meus encontros e conversações daquela ocasião, que foram saciando minha sede por ver e conhecer as pessoas mais renomadas dos séculos dos antigos! Também não poupei meus olhos da vista dos maiores destruidores e tiranos e usurpadores de nossa História; bem como surgiram diante de mim grandes restauradores da liberdade e da paz a nações antes subjugadas…”

“Propus então que aparecessem Homero e Aristóteles, seguidos de sua horda de comentadores. Mas os comentadores eram tão numerosos que algumas centenas tiveram de se pôr em fila, fora das dependências do palácio, aguardando sua vez. Assim que o bando apareceu, de longe, já podia distinguir Homero e Aristóteles dos demais, e até mesmo entre um e outro. Homero era mais alto e cavalheiresco, andava muito ereto para um velho, e seus olhos, ao contrário da crença comum, eram alguns dos mais perspicazes e fulminantes de que já se teve notícia! Aristóteles andava muito encurvado, necessitando do auxílio de um cajado. Sua vista era débil e cansada, seu cabelo ralo e fino, sua voz minguada. Percebi num átimo o quanto cada um deles era desconhecido pela própria turba de comentadores que os seguiam! E também percebi que nem no além estes dois travaram contato com quaisquer daqueles. Recebi um cochicho no ouvido de um fantasma, cuja identidade preservarei: <Acontece que estes comentadores ficam o mais distantes possível dos seus mestres, tamanha a vergonha e a culpa que carregam – enfim se deram conta de quão mal interpretaram seus ensinamentos e distorceram tudo quanto estes homens nos legaram, prejudicando incontáveis gerações de novos homens!>. Introduzi, destarte, Dídimo¹ e Eustácio a Homero, e consegui que ele os tratasse, quiçá, melhor do que mereciam. Homero, muito atento, logo percebeu que estes coitados não tinham gênio de poeta! Já Aristóteles não foi tão benevolente nem contido: pôs-se furioso quando contei-lhe sobre Scotus² e Ramus,³ ao mesmo tempo que lhe apresentava seus espectros, emanando daquela multidão. Aristóteles, sem meias-palavras, indagou se todos os demais eram tão asnáticos quanto aqueles dois!”

¹ Há muitos Dídimos na História, nenhum especialmente vinculado apenas à obra de Homero, então é difícil dizer a qual deles Swift se refere. O mesmo vale para Eustácio.

² Duns Scotus, frade franciscano do XIII. Um dos poucos filósofos da idade média ainda relevantes e talvez a única figura de destaque destes séculos que sirva como contraponto metafísico a Tomás de Aquino, foi um dos prefiguradores isolados e muito prematuros do existencialismo, cf. Heidegger. Beatificado em 1993.

³ Lógico francês do XVI. Na sua época inovou sobre Aristóteles e foi moda, mas logo caiu em esquecimento e suas teses foram consideradas esdrúxulas.

“Neste ponto, solicitei ao rei que trouxesse Descartes e Gassendi das trevas. Com Aristóteles ainda presente, pus-me como intermediário para explicar seus sistemas ao Peripatético. Diante do que ouviu, Aristóteles, cheio de humildade, reconheceu seus erros e imperfeições em filosofia natural, e que isto não lhe era nem um pouco degradante, pois em muitos pontos ele raciocinou por conjeturas. Ele também disse, implacável e austero, que a ética de Gassendi, que parecia um epicurista de primeira linha, e os vórtices de Descartes, por exemplo, um dia seriam também completamente refutados pelos filósofos da posteridade. Ele deu o mesmo diagnóstico para a lei da atração, que os eruditos da contemporaneidade defendem com todo o zelo. Em suas próprias palavras, Aristóteles deixou bem claro: <Novos sistemas da natureza são como novas modas, sendo que cada idade tem a sua; mesmo aqueles que alegam poder demonstrar suas teorias por axiomas matemáticos não prevalecem mais que por uma porção de tempo determinada, brevíssima considerando a infinita sucessão dos homens>.

Eu passei 5 dias inteiros conversando com muitos outros sábios antigos. Vi a maioria dos primeiros imperadores de Roma. Pedi ao necromante que nos mandasse servir um jantar feito pelos cozinheiros de Heliogábalo, o imperador mais hedonista de todos os tempos. Porém, seus dotes culinários não ficaram atestados, porque nas dependências do palácio não havia tantos ingredientes quanto eles desejavam. Um hilota (escravo espartano) de Agesilau nos preparou, também, um ensopado, mas, urgh!, não consegui dar uma segunda colherada.

Os dois gentlemen que me acompanhavam na visita à ilhota tinham necessidade, por razões particulares, de regressar dentro de mais 3 dias, após esses primeiros 5, então eu decidi empregar o tempo que ainda me restava com a idade moderna, o que ainda não tinha feito. Decidi me limitar a nossa Europa de 300 anos para cá. Sendo um conhecedor e admirador das famílias mais tradicionais, pedi logo que se apresentassem uma ou duas dúzias de reis, acompanhadas de seus ancestrais até a oitava ou nona geração, se possível. Minha decepção foi imensa e aterradora. Ao invés de semblantes superiores com diademas reais, o que vi foi, numa família, rabequistas, dândis afetados, prelados (profissão muito comum entre os italianos); noutra, barbeiros, um abade, dois cardeais, e assim por diante. Não conseguia suportar essa frustração histórica, haja vista minha mais alta reverência por cabeças coroadas. Quanto a condes, marqueses, duques, barões e que-tais, não fui tão escrupuloso, e confesso que me locupletei com a baixeza de suas árvores genealógicas! Percebi, após analisar muitos traços, de que famílias alguns dos meus contemporâneos descendem com mais probabilidade. E até conseguia fazer a mesma analogia e adivinhar mais ou menos de que raças de antigos e de que personalidades específicas estes nobres de algumas gerações passadas devem ter descendido.”

Nec vir fortis, necfoemina casta [Nem homem viril, nem mulher casta] (Virgílio); é incrível como a crueldade, a covardia e a falsidade se tornaram tão evidentes que são praticamente sinônimas das características mais enraizadas duma família, dizendo muito mais que seus escudos e brasões. Era fácil ver como um celerado, um tratante, vinha como a sífilis e logo contaminava toda uma nobre casa, cujos descendentes não passavam de escrofulosos tumoríferos!”

“Me preocupava muito com os destinos de nossa história moderna. Analisando todos os rostos dos grandes das côrtes, percebi como o mundo foi tirado dos eixos por escritores venais, prostitutos bajuladores, que teciam loas a grandes espoliadores, amantes da guerra e covardes! Percebi logo como fui enganado pelos nossos historiadores a respeito de tantos tolos pintados como sábios, tantos mentirosos pintados como almas pias; vi até que a tal virtude romana não passava de traição da pátria. A piedade decerto não se encontrava nestes ateus que diziam pregá-la acima de tudo! A castidade era defendida na minha frente pelos mais desabridos sodomitas! A verdade era espezinhada na boca de alguns fofoqueiros. Ó, quantos indivíduos de excelência e perfeitamente inocentes não foram condenados à morte ou ao exílio perpétuo pela prática corrupta de juizecos e pela malícia de intermináveis facções!”

“Com que baixa opinião eu não saí a respeito da suposta ‘sabedoria humana’, da integridade, disso e daquilo, quando me dei conta da raiz e das motivações vis por trás de tão robustas e tão nobres empresas e revoluções registradas em nossos anais! É realmente miserável de se ver como as melhores coisas, maioria das vezes, se produziam da forma mais aleatória e acidental, em meio a um sem-fim de patifaria!

Sobretudo, veio-me um asco por todos aqueles que adoram escrever anedotas com um fundo moral, isto é, os vilões que imaginam escrever a ‘história secreta’ dos povos. Quanta trapaça e ignorância não há em suas sentenças! Poder-se-iam empilhar os reis enterrados por envenenamento… E esses escrevinhadores se comprazem nesses relatos mórbidos; replicam falas exatas e riquíssimas de príncipes e ministros sem que sequer tenha havido qualquer testemunho dessas frases; desvendam como que por mágica os pensamentos e procederes de embaixadores e secretários de Estado que nunca soubemos, nem mediante seus diários íntimos! Ah, sim, quem faz e quem escreve a história está sempre e invariavelmente incorrendo em erro! Descobri a causa de muitos eventos que pareceram surpreendentes quando grassaram no mundo: como uma puta governou por trás das cortinas um conselho inteiro; como generais conseguiram vitórias principalmente devido a seu caráter acanhado e às decisões mais estapafúrdias! (…) todos estes homens mais ‘elevados’ me mostraram da forma mais crua como é impossível um homem ocupar um trono real sem estar infectado de corrupção até a medula, porque o caráter reflexivo, sóbrio, confiante e otimista não combina em nada com os negócios públicos; inclusive poder-se-ia dizer que o bom caráter do monarca seria a principal pedra no sapato e empecilho do ‘comezinho transcorrer das coisas’!… O rei incita o irrealismo.”

“Minha nova viagem durou um mês. Sofremos numa violenta tempestade, de modo que foi preciso seguir o rumo oeste a fim de pegar ventos propícios. Por 60 ligas marítimas esse vento embalaria nossa embarcação. Em 21 de abril de 1708, chegamos ao rio de Clumegnig, uma cidade-porto, a sudeste de Luggnagg.”

“Senti-me premido a ocultar minha procedência e sustentei ser holandês. Como minha intenção era seguir posteriormente ao Japão, esse era o certo a fazer, uma vez que os Países Baixos são a única nação européia com permissão para visitar este império.”

“Toda minha ‘comitiva’ era esse pobre rapaz como intérprete, que persuadi a me acompanhar de forma remunerada; ganhamos cada qual uma mula para a cavalgada.”

“Há um costume que não posso aprovar: quando dá na veneta do rei condenar um de seus nobres à morte, e de maneira indulgente, manda que o chão seja espargido com determinado pó amarronzado, venenoso, que, ao ser lambido, mata infalivelmente em 24 horas. Contudo, para fazer jus à imensa clemência do príncipe regente, bem como à prestatividade deste para com a vida de seus súditos (no que devia, aliás, ser emulado pelos monarcas europeus), devo mencionar, honradamente, que ordens estritas são emitidas para que as partes infectadas do chão sejam bem-lavadas ao término de cada execução, coisa que, se seus domésticos negligenciam, pode resultar na pena de morte ou algum castigo mais brando para todos os encarregados da limpeza. Eu vi pessoalmente como sua majestade mandou chicotear um pajem que estava em sua vez de lavar o chão, mas que, maliciosamente, após uma execução, omitiu seus deveres! Devido a sua indolência, um jovem barão muito promissor, visitando o palácio para uma audiência, foi sem querer envenenado, por mais benquisto fosse pelo rei! Vê-se, porém, como era benevolente o príncipe, ao perdoar tão gritante falta de seu servo, desde que ele prometesse nunca mais agir assim.”

“Inckpling gloffthrobb squut serummblhiop mlashnalt zwin tnodbalkuffh slhiophad gurdlubh asht. Esses são os cumprimentos, expostos na lei local, devidos a qualquer pessoa admitida à presença do rei. Seria mais ou menos o seguinte em inglês: <Que Vossa Alteza Celestial sobreviva ao Sol, onze luas e meia!> A essa fórmula de etiqueta o rei respondia alguma outra coisa ritual, que não pude entender, havendo aprendido apenas a recitar minha parte. Então eu devia proceder à tréplica (não sei o significado – apenas decorei as sílabas): Fluft drin yalerick dwuldom prastrad mir push. Eu disse que não sei o significado porque eu não sei interpretar o que quer dizer, embora saiba traduzir: <Minha língua está na boca de meu amigo>. Mas acho que isso tinha alguma coisa a ver com chamar meu intérprete para junto da conversa, para assim podermos proceder à conversação! Com a ajuda do rapaz que contratei, pude responder todas as perguntas que Sua Alteza me dirigiu, o que durou mais de hora. Eu falei na língua balnibarbiana; meu guia convertia tudo no idioma luggnagguês.”

“Permaneci 3 meses ali. O rei adquiriu muita simpatia por mim, fazendo-me diversas propostas de cargos na côrte. Eu, porém, julguei mais prudente e justo passar o restante de meus dias em companhia de minha esposa e família.”

“Um dia, num círculo da aristocracia, fui questionado por um dos nobres:

– Você já viu um de nossos struldbugs ou imortais?

– Nunca; mas muito anseio por que me expliquem o que é isso que designam por esta apelação, que decerto é aplicada a uma criatura mortal como todos nós!

– Às vezes, por muito raro que seja, uma criança nasce, numa família aleatória, com um sinal vermelho na testa, logo acima da sobrancelha esquerda, uma marca infalível de que aquele ser jamais morrerá. Esse sinal tem estas dimensões [ele fez um gesto com os dedos, e pude compreender que se tratava mais ou menos do tamanho de uma moeda de prata de 3 pêni¹] quando a criança acaba de nascer. Com o tempo, ele vai ficando maior, e inclusive mudando de cor. Até os 12 anos, já se tornou verde. Aos 25 se torna azul escuro. Aos 45, preto-carvão, e já grande assim [ele fez com os dedos uma mímica que eu aproximo ao xelim]. A partir desse ponto, porém, o sinal não muda sua coloração nem seu tamanho. Amigo, estes seres são tão raros que se houver mais de 1100 struldbrugs (contando homens e mulheres), isso muito me surpreenderá! Creio que uns 50 vivam na metrópole. Fora da capital, houve a notícia de um último struldbrug nascido 3 anos atrás, do sexo feminino. Não há qualquer chance de um struldbrug ser mais freqüente em umas famílias que em outras, não há qualquer correlação! Tampouco qualquer struldbrug, ao ter filhos, teve filhos que fossem iguais a si mesmo…”

¹ Pense numa moeda de 50 centavos, tanto com referência ao tamanho quanto com o valor aproximado de 3 pêni ou threepence àquela altura.

“Nação ditosa, em que toda criança tem pelo menos uma chance ínfima de ser imortal!”

“Dizia ainda ele que Sua Majestade, sendo tão judiciosa, jamais deixaria de escolher, dentre os struldbrugs, um bom número para compor seu conselho. Se bem que uma côrte é algo tão mundano, impuro e estulto para a alta sabedoria de um struldbrug envelhecido que se nenhum é visto por lá atualmente, isso não é culpa do rei. Comecei a mudar de idéia quanto aos planos de ficar ou não neste país. Me parecia um futuro promissor poder gastar meus anos conversando com sábios struldbrugs!”

“Após um breve silêncio, o mesmo interlocutor deu prosseguimento:

– Mas é impressionante! Nunca vi alguém com seu otimismo com respeito à vida eterna! Diga-me no que consistiria sua vida, caso você tivesse tido o privilégio de nascer um struldbrug?”

“Ora, se eu fosse bem-aventurado para tanto, assim que soubesse, pelos meus conterrâneos, ser um imortal, isto é, aprendendo a diferença entre a vida e a morte, a primeira coisa que procuraria seria me tornar rico. Sendo econômico e previdente, creio que em cerca de 200 anos eu já teria atingido a meta de ser o homem mais rico da nação. Em segundo lugar, desde minha juventude me aplicaria ao estudo das artes e ciências, o que me garantiria ser o número 1 em cada uma após algum cultivo. Em terceiro e último lugar, tomaria o cuidado de registrar todas as minhas ações e eventos biográficos de conseqüência num diário, sem deixar, evidentemente, de redigir uma história a mais imparcial possível dos meus próprios reis e ministros, com notas e opiniões pessoais a cada ponto. Não deixaria de catalogar todas as mudanças culturais, lingüísticas, dietéticas, estéticas e variedades tais. Seria eu um tesouro vivo de conhecimento e sabedoria acumulados, e certamente me fariam exercer o cargo de oráculo do país!

Depois dos 60, creio que não voltaria a me casar, vivendo de maneira celibatária, mas não reclusa. Me comprazeria muito ser o mentor de jovens mentes brilhantes, convencendo-os, de acordo com minha vasta experiência, a ser virtuosos na vida pessoal e na vida pública. Meus amigos íntimos, entretanto, seriam unicamente outros de minha raça e condição; e mesmo dentre eles eu seria seletivo: procuraria me acercar apenas da dúzia mais anciã de todas, e dificilmente procuraria contato com os struldbrugs mais jovens que eu mesmo.”

“Como um homem mortal se distrai contemplando a sucessão anual das rosas e tulipas de seu jardim, sem nunca lamentar pelas rosas e tulipas mortas da estação passada, assim eu viveria!”

“rios famosos que com o tempo se tornam modestos córregos; o oceano, que em seu perpétuo movimento acaba por recuar e aumentar uma de suas margens, só para engolir completamente uma outra; a descoberta de muitos países até agora ignorados; a barbárie avançando e ultrapassando as nações mais eruditas e cultivadas; a arte de medir, o moto perpétuo, a medicina universal, e muitas outras invenções e ciências eu veria chegarem à perfeição!

Quantas belíssimas coisas não descobriríamos na astronomia, só pelo fato de sobrevivermos até podermos confirmar nossas predições? Observando o progresso e o retorno dos cometas, as mudanças de movimento do sol, da lua e das estrelas, ah!…

Incorri numa infinidade de outros tópicos, todos a que o desejo natural pela vida eterna e pela felicidade sublunar poderia me incitar. Quando terminei meu discurso, e o essencial do que eu disse foi devidamente transcodificado e retransmitido pelo meu intérprete a todos os ouvintes, houve uns bons minutos de discussão entre os pares na língua do país; sem entender uma palavra, me era possível, entretanto, ver que eu me passava por ridículo, porque era evidente que riam as minhas expensas! Enfim aquele que havia sido meu intérprete fez o favor de explicar-me tudo que se havia conversado. Toda essa gente desejava, em suma, retificar alguns erros crassos acerca da idéia que eu fazia da imortalidade terrena. Não que fosse culpa minha, por assim dizer, mas da imbecilidade universal da espécie humana, que não tem como perceber o erro de seus raciocínios abstratos a menos que seja confrontada com a dura realidade. Tendo essa nação convivido com imortais por muitos séculos, estas pessoas se sentiam no direito de censurar-me, uma vez que tinham muito mais experiência no assunto em questão. Os struldbrugs, ao que tudo indica, são exclusivos deste recanto do mundo, e nenhum outro povo conhece as peculiaridades desta condição. Nem em Balnibarbi nem no Japão, vizinhos que às vezes recebiam struldbrugs como embaixadores, tinha-se uma perspectiva acertada a esse respeito. Na verdade, poucos criam na possibilidade mesma de que estivessem tratando com imortais, julgando que fosse uma espécie de mito, lenda ou que se desejava pregar uma boa peça. E julgaram que eu não me portei diferentemente, pois notaram como a princípio eu acolhi com muito espanto e ressalvas a possibilidade de alguém viver anos infindáveis; e que se agora eu acreditava na existência dos struldbrugs, sem dúvida isso se devia a minha credulidade incomum. E assim seria com todas as nações que não conhecem indivíduos da raça imortal, pelo menos não tão bem, isto é, em toda sua vida, mas apenas, quando muito, como embaixadores que não residem muito tempo no exterior, logo se aposentando de suas funções: todos os povos compostos apenas por mortais manifestam um grande anseio pela imortalidade. Toda pessoa velha, decrépita, com um pé na cova, dentre as nações desprovidas de struldbrugs, teme a morte, e não hesita em fugir da morte, tentando inutilmente afastar o outro pé, aquele que ainda não está na cova, diante do destino inevitável de todo ser vivo que não recebeu a marca da imortalidade na testa logo que nasceu. Dizem que os velhos, por mais doentes e senis, nunca deixam de nutrir as esperanças de dias melhores, e sempre querer viver um dia a mais, não importando o dia de hoje. Para os mortais, a morte é o maior mal, e por mais que ela seja inerente à natureza é um fato horroroso. Só na ilha de Luggnagg, lugar privilegiado, esse apetite insaciável pela infinidade dos anos havia sido abolido, pelo menos nas mentes de todos que bem conheciam histórias de struldbrugs.

Alegaram que meu sistema de vida eterna era injusto e irracional, pois supunha, em primeiro lugar, uma juventude eterna, uma saúde sem-fim, um vigor inacabável, o que não passa de quimera e tolice. E me corrigiram, dizendo que a questão não era se seria desejável viver para sempre na flor dos anos e na primavera da vida, próspero e feliz. Mas sim como é que seria desejável para qualquer um viver para sempre, com todas as inconveniências naturais do envelhecimento. Os luggnagguianos confessaram, enfim, que nunca viram alguém partir desta vida de bom grado em Balnibarbi ou no Japão, exceto aqueles que já estivessem à mercê das mais cruentas misérias ou vivendo sob tortura. O intérprete me perguntou, já certo da resposta, se, nos países que eu já havia visitado, assim como na minha terra natal, os homens se comportavam de maneira diferente ou análoga.

Depois deste longo prefácio, ele finalmente me relatou como é verdadeiramente a vida de um struldbrug. Ele disse que um struldbrug vive como qualquer mortal até seus 30 anos de idade; aos poucos, porém, eles se tornam cada vez mais melancólicos e apáticos. Progridem até os 80 anos num ritmo constante, isto é, cada vez mais melancólicos e apáticos conforme a idade. Isso era conhecido não só por observação mas da boca dos próprios struldbrugs. Claro que, nunca havendo, numa só geração de mortais, mais do que 2 ou 3 struldbrugs, seria difícil generalizar e chegar a conclusões confiáveis para todos os struldbrugs de todos os tempos. Mas, o que é mais espantoso, assim que um struldbrug supera seus 80 anos, que é mais ou menos reconhecido como o termo da vida do homem mortal, marca além da qual poucos chegam,ainda mais provido de lucidez, percebe-se que, independentemente do dom recebido da imortalidade, este ser sofre de todas as doenças e abastardamento mental comuns à terceira idade. Não só isso, mas um struldbrug, justamente por saber-se eterno, parece sofrer ainda mais que qualquer mortal de idade avançada que sabe que um dia irá morrer. Os que ainda se comunicam tornam-se obstinados e recalcitrantes, rabugentos, invejosos, indolentes, vãos, tagarelas, maus ouvintes, incapazes de cultivar a amizade. Logo, pelo menos metaforicamente, mortos às afeições humanas, tornam-se incapazes de sentir ternura por qualquer descendente seu mais jovem que seus próprios netos ou bisnetos. Tornam-se apenas vultos, por assim dizer, fontes que emanam unicamente desejos e paixões impotentes. E as duas coisas que eles mais passam a odiar são os vícios comuns à juventude e a morte dos velhos. Vendo como vivem os mais jovens, eles se vêem alijados de há muito dos prazeres da existência; e sempre que ocorre um funeral, lamentam profundamente que alguém tenha ido para um lugar de repouso e sossego, enquanto eles ali continuam. E é curioso observar que eles não guardam memória das coisas que acontecem em seu tempo de velhice; eles teimam em recordar apenas aquilo que viveram durante a juventude e a meia-idade. Se bem que cada vez menos, quanto mais envelhecem. Sendo que ninguém mais confia no juízo de um struldbrug muito ancião, preferindo dar crédito às tradições, ao ouvir-dizer popular, do que a qualquer entrevista que se possa ter com um struldbrug milenar. Os menos desagradáveis dos struldbrugs são os que atingem um estado de perfeita senilidade e se recolhem em si mesmos, perdendo qualquer lembrança ou sociabilidade; estes, confessava meu intérprete, ainda são vistos com piedade e condescendência pelos mortais, porque, afinal, não incomodam ninguém.

Mas se um struldbrug, por exemplo, casa com outro struldbrug, a lei do país, muito sensata, dissolve o casamento, assim que o mais jovem do casal completa seus 80. Porque a lei entende que um struldbrug é o que é, e não tem culpa de ter nascido sem poder morrer. E seria crueldade aumentar o peso dessa velhice eterna, se se permitisse que um imortal, ainda por cima, tivesse sempre um cônjuge!

Como já se vislumbrou, um struldbrug de 80 anos é só um pária não mais contemplado pela lei. Seus herdeiros passam a ter desde então direito à herança; é claro que a caridade ainda é fomentada, e eles continuam de posse de um naco de seus bens, que lhes permita seguir vivendo comodamente; mas tudo o que seria supérfluo é-lhes imediatamente retirado. Os struldbrugs que porventura cheguem pobres aos 80 anos são custeados por pensões estatais. A essa idade, ninguém lhes confia emprego algum, pelo menos não um trabalho útil. Proíbe-se-lhes comprar ou arrendar terras; ser testemunha nos tribunais – seja a causa cível ou criminal –, etc. A verdade é que nem como jurados de pequenas causas eles seriam de qualquer proveito.

Aos 90, eles já perderam todos os dentes e fios de cabelo da cabeça. Já não têm paladar, se bem que comem e bebem indiscriminadamente o que lhes puserem à mesa, sem gula nem muito menos satisfação. As doenças de que padeciam de há muito não os abandonam, mas chegam a um ‘equilíbrio’, e param de se agravar. Começam a esquecer os nomes mais óbvios, os nomes das pessoas, mesmo dos antigos melhores amigos ou chegados. E, por isso, ler não é mais um hábito que faça sentido para eles, porque sua memória já não pode conduzi-los do início ao fim de uma frase sem que eles exclamem:<O quê? Nada compreendo disso!>. Nessa amnésia eterna, portanto, eles perdem a capacidade de se engajar em qualquer distração construtiva.

Como é sabido, em todos os lugares e inclusive em Luggnagg, a língua, como os costumes, vai mudando com o tempo, de modo que um struldbrug, ainda que pudesse dialogar com outro struldbrug muito mais velho ou mais novo, não poderia entendê-lo, nem fazer-se entender, porque cada qual aprendeu um idioma um tanto diferente. Aliás, a menor e mais banal conversação se torna materialmente impossível aos 200 anos. É verdade que eles ainda podem balbuciar palavras soltas, como bebês fariam. É assim que, embora sustentados pelo Estado, eles passam a viver como estrangeiros em seu próprio lar.

Foi isso que me contaram desta raça dos struldbrugs!Depois desse extenso relato tive a oportunidade de conhecer pessoalmente 5 ou 6 destes seres, o caçula ainda não bicentenário. Como eu fiz muitos amigos na ilha, eles sempre viajavam com struldbrugs para trazê-los a mim. Muito embora dissessem aos struldbrugs trazidos que eu era um grande viajante que viu inumeráveis partes do globo, eles naturalmente não demonstravam a mínima curiosidade nem me dirigiam perguntas; só o que pediam era um pouco de slumskudask, i.e., uma lembrancinha do estrangeiro. Na verdade não se enganem: nem esse ato era desinteressado, e descobri que essa era uma forma de burlar a lei e pedir esmolas, o que era diretamente proibido. Como eu disse, struldbrugs, quando envelhecem, são mantidos pelo Estado, e sua pensão não é lá muito elevada…

Eles são, em suma, desprezados e mesmo odiados por todos os tipos de habitantes locais. Quando um nasce, já recai sobre todos a certeza de um acontecimento ominoso, em nenhum grau mais evitável pelo fato de que seria uma desgraça sentida somente a longo prazo. Por isso é que eles registram nos cartórios com muito esmero a data de nascimento de um struldbrug, para que qualquer cidadão possa descobrir a idade de um só de olhar nos registros: quanto mais velho um struldbrug, mais longe dele se deve passar! Esse registro é arcano, mas a prática não retrocede a mais de 1000 anos ou, até onde pude entender, registros mais antigos que um milênio de idade já haviam sido destruídos ou tornados ilegíveis por intempéries climáticas, alguma catástrofe natural ou simples desorganização administrativa. Tirante esse registro do parto, há também uma forma mais simples e informal de se inteirar da idade de um struldbrug: pergunta-se-lhes de que reis ou grandes nomes da História ele se lembra; naturalmente que, muitas vezes, é necessário seguir essa entrevista de uma consulta aos livros de História. É um dogma que o último monarca lembrado por um struldbrug subira ao trono invariavelmente antes de seu octogésimo aniversário, prestando grande confiabilidade a esse método.

Honestamente, os struldbrugs foram a visão mais mortificante que tive em minha vida. E a mulher era sempre mais horrenda que o homem. Além das deformidades verificáveis em qualquer idoso mortal, havia uma aura infecta indefinível que envolvia cada struldbrug, mais e mais, conforme o avanço etário. Isso era tão palpável, embora tão difícil de descrever, que, batendo o olho,eu conseguia descobrir, sem hesitação, qual era o mais velho dos seis que eu vim a conhecer. E digo isso ressaltando que entre este e o segundo mais idoso não havia uma diferença espetacular, mas coisa de entre 100 e 200 anos!

O leitor facilmente adivinhará que, diante de tudo que aprendi e vi com meus próprios olhos, minha ânsia pela imortalidade terrena sofreu o mais duro golpe. Desde então, nunca deixei de guardar uma profunda vergonha dos antigos pensamentos fantásticos que eu nutria a respeito dessa possibilidade quimérica!”

“O rei soube de tudo que se passara comigo e meus recém-amigados, além de toda minha obsessão inicial pela imortalidade e sua súbita conversão em repulsa e desalento. De forma espirituosa ele me disse que desejava que eu levasse comigo, na volta, 2 ou 3 exemplares de struldbrugs para exibição em minha terra natal. Ele disse que assim toda minha nação seria devidamente ensinada a jamais temer a morte. Mas o rei só estava brincando: eu soube que, segundo as severas leis do reino, era interdita a exportação de struldbrugs. E esta era uma cláusula pétrea de sua avançada constituição. Confesso que, não fôra isso, a repelência (e as despesas!) de tê-los por perto durante uma longa viagem por mar seria vencida pelo meu altruísmo educador, e eu mostraria os struldbrugs de bom grado aos ingleses!”

“Sendo a avareza inseparável amiga da velhice, creio que, no tempo devido, dando-se-lhes o direito, os imortais chegariam a ser os grandes proprietários de toda a nação, depauperando os poderes civis em igual proporção. Por isso, concordo em absoluto com a lei que considera os struldbrugs avançados em idade meros párias.”

“Em seis dias encontrei um navio apto a zarpar comigo para o Japão, viagem que durou 15 dias.” “No porto, mostrei aos oficiais da alfândega a carta do rei de Luggnagg endereçada à Sua Majestade Imperial. Eles estavam habituados àquele selo; era, para falar a verdade, uma insígnia do tamanho da minha mão. Uma inscrição acompanhava o símbolo, dizendo: Um Rei que ergue um mendigo ignoto da terra. O magistrado daquela cidade costeira, ao ficar sabendo de meu documento real, recebeu-me como um verdadeiro ministro de Estado. Deram-me carruagens e servos para minha expedição, e encarregaram-se também de expedir minha bagagem para Edo. Em Edo fui convidado a uma audiência pública e ali me devolveram a carta do rei. Abriram-na de uma forma imensamente ritualística e cerimoniosa; trataram de explicar seu conteúdo ao Imperador via intérprete, e ele finalmente se dignou a me receber. Assim pronunciou: <Peça o que quiser e será atendido, em nome de Seu Real Irmão de Luggnagg!> – é claro que diz-se<Irmão> não por consangüinidade, mas pelo vínculo de suprema autoridade entre as duas nações vizinhas.”

<Você é o primeiro holandês escrupuloso quanto a isso; você é mesmo um holandês?! Você não se porta como um destes, como é que se diz?, protestantes…>De qualquer maneira, ele não quis me interrogar mais seriamente – acredito que por consideração a Seu Amigo-Rei. Na verdade, o que pedi era muito incomum naquela côrte, mas o Rei é Soberano Absoluto, e muito Misericordioso e Benevolente! Ele ressalvou:<Se essa informação se torna pública entre os holandeses, esteja prevenido, nenhuma amizade entre nações evitará que cortem-lhe a garganta ainda no meio da sua viagem!>

“Em 9 de junho de 1709 cheguei a Nagasaki; a viagem não foi breve nem muito menos sossegada. Aconteceu de eu estabelecer relações com alguns marinheiros de uma robusta embarcação de 450 toneladas, que eram justamente holandeses,de Amboyna, Amsterdã. Vivi muitos anos nos Países Baixos, estudando em Leyden, e meu Holandês não era menos que impecável, então consegui disfarçar minha identidade de súdito da rainha da Inglaterra. Seja como for, estes homens foram logo informados de que eu era um viajante crônico, e se mostraram muito curiosos sobre que aventuras eu vivi. Condensei os detalhes o mais que pude e ocultei o essencial, i.e., a maior parte dos acontecimentos. Eu conhecia muitos indivíduos holandeses. Podia facilmente inventar nomes de família para meus pais, que, alegava eu, eram gente simples da província de Gelderland. Eu pagaria de bom grado o exigido pelo meu traslado pelo capitão do navio (um tal Theodorus Vangrult, a propósito); porém, descobrindo que eu era cirurgião, este homem aceitou baixar a taxa pela metade, desde que eu servisse como médico. O fato é que nos dias de preparativos para incursão em alto-mar fui incessantemente interrogado pela tripulação sobre se eu ‘participara da cerimônia ou não’, pergunta que, dependendo da resposta, podia custar minha vida…Que cerimônia? Aquela em que se pede algo de todo súdito que deseja atestar Sua Lealdade Absoluta exceto no caso do simples comerciante holandês: lamber o piso da sala do Imperador do Japão!

“Ah, nada aconteceu durante esta viagem que mereça ser citado. O vento foi favorável até o Cabo da Boa Esperança, onde paramos só para nos guarnecer de mais água potável. Em 10 de abril de 1710 chegamos sãos e salvos a Amsterdã, tendo perdido apenas 3 homens de doença, e um quarto que caíra do mastro nas águas, mais ou menos próximo da costa da Guiné. De Amsterdã foi um pulo para voltar à Inglaterra, num barco menor, saído daquela mesma cidade.

Dia 16 de abril lá estava eu de volta a Downs. Eu estive ausente de minha terrinha por 5 anos e 6 meses. Fui incontinenti a Redriff, lá chegando em 17 de abril, às 2 da tarde, e me reencontrei com minha esposa e família, todos na mais perfeita saúde.”

PARTE IV – VIAGEM AO PAÍS DOS HOUYHNHNMS

“Por mais 5 meses incompletos segui em casa, ao lado de mulher e filhos,feliz, devo dizer, e não sairia desse estado se já tivesse aprendido a lição, i.e.,sabido desde já no que consiste realmente a felicidade. Porque aí então no fim deste curto período eu deixei mais uma vez minha mulher, com a barriga bem visível,esperando mais um descendente meu, tendo eu resolvido aceitar uma oferta, que eu julgava aliás irrecusável, do capitão do Adventurer, um grande navio mercante de 350 toneladas. Bom navegante, e muito mais experiente agora, além de enjoado de exercer a medicina, que, se me desse na telha, eu poderia voltar a predicar por breves instantes, levei conosco um colega médico, Robert Purefoy, para ser o responsável pela saúde dos meus homens – eu ia, portanto, apenas como mercador e a fim de lucrar e de desvendar o desconhecido!¹ Desancoramos de Portsmouth no 7º dia de setembro de 1710; dia 14 cruzamos com o Capitão Pocock, de Bristol, no Teneriffe, cujo destino era a baía de Campechy, onde iriam atrás de madeira. Dois dias depois, acabamos nos separando por conta de uma tempestade. Dali a muito tempo, quando retornarianovamente ao lar, fiquei sabendo, afinal, que sua embarcação naufragara, e só um garoto, pajem, sobrevivera. É, o Capitão Pocock era um homem honesto, e bom capitão, mas um pouco otimista demais e obstinado em seguir uma rota sem nunca improvisar, mesmo diante de circunstâncias ruins. Foi isso que precipitara sua morte e a de quase toda sua tripulação, o que não foi a primeira nem será a última vez nos sete mares! Se ele tivesse seguido meu conselho, estaria hoje confortavelmente instalado diante da lareira de sua sala de estar, ao ladodos parentes, tão bem quanto eu – tão bem quanto eu chegaria a estar um dia–, mas agora não é a hora!

[¹ As semelhanças com Robinson Crusoe não param!]

Quanto a minha viagem, muitos colegas morreram da febre dos trópicos, ocasionada pela insolação; isso me levou, como capitão de m