A produção industrial de Tânatos: a construção de modelos de corpo e de sexualidade e sua relação com o consumo à luz da última Teoria das Pulsões – Guilherme di Angellis da Silva Alves (mestrado em Comunicação)

 

“O nascimento da sexualidade tem a ver com a dissociação do objeto sexual do objeto da função vital, separando a necessidade do desejo, que é um fluxo psíquico de retorno da experiência de satisfação.”

“O tabu da menstruação seria derivado do recalque orgânico, uma <defesa contra uma fase do desenvolvimento que foi superada>.” “A educação é definida por Freud como sendo fundamentalmente um processo de recalcamento dos estímulos sexuais olfativos anteriores à bipedia.”

“A excitação sexual se torna contínua e não mais cíclica. Essa mudança diz respeito à passagem do funcionamento instintivo para o pulsional, determinante para o desenvolvimento da cultura. A instituição da família, que representa o início da civilização humana, não seria possível sem esta mudança do instinto para a pulsão, definida por Freud como força constante.”

“É na perspectiva do desejo que se pode falar em angústia. Lacan nos ensina que esta é o melhor remédio para aquele, pois reintroduz a referência à falta originária da estrutura. A angústia, diz Lacan, é um afeto – e um afeto que não engana, já que possui relação estrutural com o que constitui o sujeito, isto é, a falta, a incompletude.”

T&T: “O violento pai primevo fôra sem dúvida o modelo de cada um do grupo de irmãos: e, pelo ato de devorá-lo, realizavam a identificação com ele, cada um deles adquirindo uma parte de sua força. A refeição totêmica, que é talvez o mais antigo festival da humanidade, seria assim uma repetição e uma comemoração desse ato memorável e criminoso, que foi o começo de tantas coisas: da organização social, das restrições morais e da religião.”

“Para ilustrar essa assertiva, há um mito grego que diz que Afrodite e Ares tiveram vários filhos, entre eles Eros, deus do amor. Diferente dos outros filhos do casal, Eros não crescia. Era um bebê pequeno, frágil, rosado, de asas transparentes e covinhas no rosto. Preocupada com a saúde do filho, Afrodite consultou Têmis, deusa guardiã da lei, que respondeu que seu filho era assim porque o Amor não podia crescer sem Paixão.”

“O amor se atém à passagem do que cessa de não se escrever para o que não cessa de se escrever. É nessa região de intercessão entre os regimes simbólico e imaginário que o amor se inscreve, e, sendo assim, o amor é essencialmente produção de sentido. Por isso, o amor é não só produtor de um discurso fragmentado, porque infinitizado, como também constitui um legítimo estilo literário, a correspondência amorosa: o amor exige reciprocidade, exige correspondência, o que leva Lacan a afirmar que <amar é querer ser amado>”

“Cada uma das três artes gregas de conduta – a Dietética, a Econômica e a Erótica – propõem modelos específicos de comportamento em relação ao sexo. A Dietética trata da temperança por meio do uso moderado dos atos de prazeres, chamado pelos gregos de aphrodisia – os atos de Afrodite. O exercício dessa moderação exigia um cuidado com os momentos específicos em que esses atos deveriam ser praticados, manifestando preocupação com a sobrevivência do indivíduo e com a manutenção da espécie. Já a Econômica não dizia respeito ao uso comedido e oportuno dos atos de prazer, mas à manutenção, por parte do marido, da estrutura hierárquica dentro de sua casa. O problema a ser apreendido neste campo é como assegurar o privilégio e o poder que o homem mantém em relação à esposa e aos escravos. O marido deve temer qualquer excesso e praticar o domínio de si sobre os outros para garantir essa permanência. Por fim, o cuidado solicitado pela Erótica diz respeito à virilidade do adolescente e ao seu status futuro de homem livre. Não se trata apenas do homem ser senhor do seu prazer, mas de compreender de que maneiras ele pode dar lugar à liberdade do outro no domínio que exerce sobre si mesmo. No pensamento grego clássico, a relação com os rapazes é o núcleo mais delicado e ativo de reflexão e elaboração.”

“A exigência de moderação e austeridade não se apresenta como lei a qual todos deveriam se submeter. Está mais para um princípio de conduta para aqueles que querem dar à existência uma forma mais elevada.” “O amor não era compartilhado com as mulheres, mas entre seus iguais. Já a relação sexual era sempre feita com o homem ocupando o papal ativo, que representava seu caráter dominante sobre os demais. O papel ativo é um princípio norteador dessa moral, demonstrado especialmente na pederastia, a relação de amor e de aprendizado entre o erasta e o erômano, o amante e o amado, o homem livre e o rapaz em formação. O excesso e a passividade são, para o homem grego, as duas principais formas de imoralidade.”

“A temperança é a palavra-chave. A maneira como se considerava esses atos, os questionamentos que são feitos, os regimes a serem adotados, tudo tinha como norte esse princípio. Não se trata de não ter desejos, portanto, mas de não deixar que esses desejos impeçam os homens de serem senhores de si.”

“É somente a esposa que pode dar filhos legítimos e garantir a continuidade da instituição familiar. Dessa forma, a relação entre os esposos não tinha outra função diferente da de produzir uma descendência. Toda a atividade sexual das mulheres deve se situar dentro da relação conjugal, o marido como parceiro exclusivo. Elas se encontram sempre a seu poder. Em caso de adultério, as sanções são tanto de ordem privada como pública. Já o homem tem por obrigação respeitar uma mulher casada ou que está sob a guarda paterna, mas a ofensa nestes casos é voltada ao homem que detém o controle da mulher.”

“A aphrodisia em relação aos rapazes constitui, para o pensamento grego, objeto de grande inquietação. Não há uma oposição excludente entre amar alguém de seu próprio sexo e amar alguém do sexo oposto. As linhas que demarcavam a sexualidade não eram tão radicais assim. Do ponto de vista da moral, a oposição entre o homem temperante, senhor de si, e aquele que se entregava desmedidamente aos prazeres era muito mais grave.” “o desejo que visa o próprio ato e que se realiza ao acaso poderia ser destinado tanto às mulheres quanto aos rapazes, mas o amor mais nobre e mais racional só é direcionado aos homens.” “Havia o encanto da conquista, do cortejo, da juventude, da beleza, do exercício do poder. Mas ao mesmo tempo em que os rapazes eram objetos de desejo, também eram homens livres em formação, daí a necessidade de formá-los. Além de uma relação de desejo, a pederastia tinha um papel pedagógico importante”

“havia um desprezo pelos jovens que cediam facilmente ou que se demonstravam muito interessados, os homens efeminados eram desqualificados etc.” “Com o rapaz, o cortejo se dava em espaços públicos, às vistas de todos. Além disso, o jovem era livre para escolher o amante que quisesse, o que fortalecia os jogos de conquista. À medida que os jovens amadureciam, as relações deixavam de ser tornar interessantes.”

“Podia-se até atribuir aos rapazes a forma mais elevada de amor, mas a abstenção também era solicitava para que se pudesse preservar o valor espiritual da relação. Essa idade de transição, tão frágil, era uma oportunidade para provar seu valor, se formar, se medir. Quem aceitasse o papel passivo na relação podia perder seus direitos de cidadão. Após esse período de formação, ele estava apto a constituir família e exercer a sua condição de domínio sobre outros.”

FORMAÇÃO DO CARÁTER E A HORA DE PASSAR O BASTÃO: “entre um homem e um rapaz, que estão em posição de independência recíproca, e entre os quais não existe constrição institucional, mas um jogo aberto (com preferência, escolha, liberdade de movimento, desfecho incerto), o princípio de regulação das condutas deve ser buscado na própria relação, na natureza do movimento que os leva um para o outro, e da afeição que os liga reciprocamente.” “as jovens mulheres é que posteriormente passam a ter tais cuidados, proteções e cortejos”

desprezar o desprazer, dás o que prezar?

“a imagem do jovem quadro sobrecarregado de tarefas e responsabilidades é estranha ao espírito grego, como lhe são estranhas as virtudes positivas que o mundo industrial inclui nas palavras produtividade e rendimento. Na ética do grego de outrora, a guerra é um meio de aquisição muito mais defensável do que o comércio.” Amouretti

“A educação era constituída da alfabetização básica e da aritmética, do ensino da música e da educação física.”

“Um senhor poderia fazer sexo com um escravo, desde que ocupasse o papel ativo na relação. A postura dominante era realmente o fundamental, independente do tipo de relação.”

FLERTANDO COM O PERIGO: NAS CERCANIAS DA TOCA DA RAPOSA: “a abordagem de um erastes (o parceiro ativo e mais velho) era um meio pelo qual um rapaz jovem podia sentir-se querido e valorizado por si mesmo. (…) O amor de uma mulher, membro dependente da sociedade, talvez não fosse tão valoroso quanto o de um homem, em especial se fosse mais velho, rico, bonito e influente. Mesmo assim, o eromenos (o rapaz que o erastes tentava conquistar) só chegava até certo ponto. Permitir a penetração anal era, para um grego, ser tratado como uma mulher e, portanto, uma humilhação degradante. É interessante notar que os cidadãos atenienses eram privados da cidadania, se condenados por prostituição masculina. Em Atenas, tal atividade podia ser deixada com segurança à prática dos não-atenienses.” Jones

“É importante salientar que a arte grega demorou até o século IV a.C para representar a figura feminina também como ideal de beleza.”

“o conceito de cidadania era restrito apenas aos homens que tivessem mães e pais atenienses. (…) Quando o marido trazia amigos para jantar em sua casa, a mulher e os filhos se retiravam. Cabia a elas todo o serviço doméstico. Não tinham direitos à educação formal e nem podiam participar da política. Seus atributos deveriam ser a castidade, a obediência, o conhecimento das tarefas domésticas e a economia dos gastos.”

“O homem podia repudiar a esposa sem qualquer motivo. Isto era direito legal; a mulher só podia fazê-lo em casos de provocação extrema por parte do marido. Alguns direitos à mulher autorizavam-na a freqüentar o teatro e o festival destinado às mulheres. Contudo, para os homens ela continuava a ser apenas gyne – portadora dos filhos.” CABRAL, Juçara.

“Havia o dildo, um objeto no formato do pênis que era esculpido em madeira, que era lubrificado em azeite para ser usado pelas mulheres para se satisfazerem sexualmente. A homossexualidade feminina é bem documentada, talvez num misto de sexualidade reprimida e sentimento de solidariedade entre elas.”

Se a mulher era tão “objetal”, como uma só conseguiu desencadear a Guerra de Tróia?

O penetra, o superior das festas.

“O fim dessa moral romana é claro: a subordinação da pessoa à cidade, que necessitava de habitantes dispostos a se sacrificar por ela nas guerras.”

“Este desejo de glória, de renome eterno, é sem dúvida a vingança do indivíduo que a sociedade reprimia, em vida, de mil maneiras: magistrado, não podia prosseguir a sua obra para além de um ano, chefe militar, se não tinha a sorte de obter qualquer vitória decisiva durante o seu comando, cabia ao sucessor a colheita dos louros. É perante a morte que volta a ser ele próprio, que a vida adquire valor exemplar na medida em que respeitou a disciplina em todas as suas formas: virtus, pietas e fides.” Grimal

“Na Grécia, os (…) esportes eram um exercício com um fim em si, uma arte. Em Roma, essa prática de ginástica pura foi ignorada. Os exercícios dos jovens eram uma preparação para a guerra, sem arte, sem preocupação estética.”

“As mulheres tinham uma paixão tão exagerada pelo luxo a ponto de alguns historiadores terem atribuído a isso o declínio do império, devido ao enorme gasto com importações. Elas se contentavam com isso frente ao fato de não terem direitos plenos e de ficarem basicamente restritas ao lar.”

“A forma mais comum do matrimônio era a de usus, que só tornava a união legal depois de um ano de convivência. Enquanto isso, a mulher continuava pertencendo ao pai. Essa espécie de estágio probatório era benéfica aos dois cônjuges. Outro tipo de matrimônio era o coemptio, em que se comprava a mulher pagando em dinheiro ao pai da noiva.

           O exagero prevalecia entre os homens livres. Era uma forma de se extrapolar a repressão e as exigências da vida pública, cheia de moralidades e demandas por virtude e severidade. Se na vida pública, havia uma série de restrições, no sexo tudo era permitido.

           <O conto do romano casto, corrompido pelos ‘maus vizinhos’ – os gregos – realmente é um conto. Deleitar-se em fartura de comida, de bebida e orgias não significa ‘viver à grega’, pois alugar, comprar mulheres e viver entregue aos prazeres era costume comum entre os romanos.> Cabral

           Gregos e romanos consideravam a prostituição uma peça importante na ordem social. Garantia a segurança das mulheres casadas e era vista como uma necessidade à higiene pública. Contando que os homens e as mulheres que se prostituíssem não fossem de nascimento livre, tudo era permitido, como comprar, alugar, raptar. Até as crianças que fossem escravas poderiam servir para a prostituição.”

“As orgias [de] que os romanos participavam – e que contavam com pessoas de todas as classes – ajudavam a diminuir [a] tensão da severidade que era exigida. Tudo era feito com muito exagero e[,] além do sexo, havia comida e principalmente muita bebida. Terminava com vômitos; como que para limpar a alma e se preparar novamente para as obrigações da vida pública.”

“Os novos tempos de recessão exigiam que o comportamento dos romanos também se modificasse. Antes epicuristas, os romanos passaram adotar uma moral mais austera, mais exigente. Já não se podia mais esbanjar luxo e exagero na vida social e na vida sexual. O estoicismo grego ganhava forças ao privilegiar a negação dos prazeres mundanos. Em tempos de pobreza e recessão, até a economia dos corpos se faz necessária.” Estoicismo compulsório não é estoicismo.

“Dentre as diversas religiões que sobreviviam clandestinamente em Roma, o imperador Constantino viu no cristianismo a que mais se adequava ao novo modelo econômico, que agora exigia temperança em todos os aspectos da vida.”

“A imposição das leis do Estado eram substituídas pelas ameaças do inferno e pela promessa de uma vida eterna e feliz.” Cabral

“O cristianismo não introduziu um pensamento novo. Seu grande feito foi ter dado ar sacro e metafísico a um moral que já existia, mas sob a forma pagã. Ele nasce como um socialismo primitivo, para confortar pobres e oprimidos em sua pobreza e opressão.”

João Crisóstomo e Metódi[c]o admitiam que, se os casais limitassem as carícias e a paixão, teriam chances de salvação eterna. Era consenso de toda a igreja a permissão de um só casamento, pois diziam os padres: o segundo será considerado adultério, o terceiro, fornicação[,] e o quarto, ignóbil” Cabral

A vergonha está abaixo do pecado. E eu pensando que as vergonhas eram o próprio pecado!

“O verdadeiro prazer está no mundo metafísico.”

“Santo Agostinho havia afirmado que o sexo precisava ser feito de forma pura e sem prazer para não ser pecaminoso.”

“As classes médias começavam a substituir a aristocracia na estrutura do poder.” ???

“As mulheres da era vitoriana, período compreendido entre 1840 e 1900, eram seres apáticos e de uma moralidade exagerada. O desconhecimento do próprio corpo era sinal de pureza.”

“no espaço social, como no coração de cada moradia, um único lugar de sexualidade reconhecida, mas utilitário e fecundo: o quarto dos pais. Ao que sobra só resta encobrir-se; o decoro das atitudes esconde os corpos, a decência das palavras limpa os discursos” Foucault

fecundidade do cu

“O exagero da moralidade chegava ao ponto de se proibir consultas ginecológicas a não ser em extrema necessidade.”

“Com a transformação das esposas em guardiãs da moralidade, os homens apelavam para a prostituição, que cresceu vertiginosamente no período vitoriano. Não demorou muito para uma onda de doenças venéreas invadir novamente o mundo cristão – como havia acontecido no século XV. Com medo da infecção em massa, os governos adotaram diversas medidas para coibir a prostituição. Os maridos tiveram de voltar ao lar matrimonial.”

“Com o estudo do mundo antigo, é possível perceber que não foi por falta de capacidade técnica que o desenvolvimento da indústria se deu muito aquém do possível. Ramos cita Tales de Mileto, que desviou o curso do rio Halys, Eupalinos, que escavou um túnel de um quilômetro de comprimento na montanha de Castro, e muitos outros.”

“Vale lembrar que a etimologia da palavra trabalho é tripalium, três paus, um instrumento que subjugava escravos e animais e os forçava a produzir.”

“Os monges passam a adotar em sua vida monástica uma série de procedimentos de rotina, de sistematização, de aumento da produção e de investimento científico na agricultura, na pecuária, na botânica. Desse período surge uma série de importantes invenções para a agricultura e para a economia, como a luneta, a roda dentada, os óculos, o moinho hidráulico, o moinho de vento e tantas outras.”

“É no mosteiro medieval que as categorias de tempo e de espaço se modificam radicalmente, o relógio e o sino – elementos fundamentais no período industrial – os novos reguladores. Lá, as horas canônicas são disciplinadas pela mecânica do tempo, com as atividades sempre realizadas em intervalos regulares. Ramos destaca que é dentro da etapa medieval que transcorre uma história secreta da revolução industrial.”

“Entre as invenções mais importantes no período anterior à Primeira Guerra estão a luz incandescente, o cinema, a aviação, os raios-X, a psicanálise, a física quântica. Esses inventos proporcionaram um admirável mundo novo. O homem realiza o sonho de Ícaro, se comunica a distância, guarda o som em uma caixa de cera, vê a fotografia em movimento.

           Mas talvez a mais revolucionária e impactante invenção tenha sido o automóvel. Ele é mais que um meio de transporte: origina um novo mercado e reestrutura a organização do trabalho, modifica as bases econômicas e sociais e dá origem a novos comportamentos e costumes. No início, sua produção era artesanal e escassa, até o desenvolvimento do modelo T da Ford, em 1908, marco da história automobilística. É um veículo barato, seguro, simples de dirigir e que funcionava a base de qualquer produto que produzisse combustão. (…) Ford queria adaptar a organização do trabalho ao processo reverso de se abater e desmantelar o animal.”

“Só depois que as mulheres começarem a navegar pelo oceano e empurrar o arado; quando elas gostarem de ser acossadas e cercadas por todos os tipos de homem nas vias públicas do comércio e do mundo dos negócios; quando elas amarem a traição e o torvelinho da política; quando elas amarem a devassidão do campo de luta, o fumo dos ribombos e o sangue da batalha, mais do que amam os afetos e as alegrias do lar e da família, então será tempo de falarmos sobre as tornarmos eleitoras.” George H. Williams, senador norte-americano, 1866

“O Brasil teve sua primeira eleitora em 1927 e sua primeira prefeita em 1928, na cidade de Lajes, Rio Grande do Norte.”

“Foi Hollywood, desde os dias em que sua popularidade se disseminou – nos anos 20 – até a televisão solapar sua influência nos anos 50, que da maneira mais consistente, conscienciosa e na moda, sustentou a imagem do casamento como o objetivo natural da mulher, a culminação romântica de sua vida. Muitas mensagens foram vendidas ao público, antes e desde então, mas nunca nenhuma o foi tão efetivamente como a mensagem hollywoodiana do glamour, romance e casamento. Muito depois que a <mulher moderna> se libertou das idéias e hábitos de sua avó vitoriana, Hollywood continua a condicioná-la à crença de que o lugar e o destino da mulher estavam no lar. Não porque, como no passado, inexistissem opções para ela, mas porque essa mulher estava atada lá, pelo mágico poder do amor.” Tannahill

“O folhetim no lugar do romance, o teatro de revista no lugar do teatro”

“Surge entre os veículos de comunicação, por exemplo, o pennypress, jornal de custo irrisório, que contém notícias sobre celebridades, escândalos com homens públicos, tragédias, folhetins e faits divers. Ele não tem por objetivo informar a população acerca dos temas mais relevantes, e sim de divertir, entreter.”

“A primeira exibição feita pelos irmãos Lumière em dezembro de 1895 choca os presentes, que veem não só a descoberta científica, mas a capacidade que ela tem para espantar e surpreender.” “O cinema diverte multidões a preços baixíssimos (no século XX, ao menos) e proporciona um distanciamento da realidade. (…) Ele se projeta no outro para que não lembre de si, e no dia seguinte retorne ao trabalho – seja uma fábrica ou uma repartição pública – bem disposto.”

OS IRRECONCILIÁVEIS BENJAMIN E ADORNO: “Divertir-se significa concordar; (…) significa sempre: não ter de pensar, esquecer a dor, inclusive quando ela é mostrada. Em sua base está a impotência. Com efeito, é uma fuga: não, como se pretende, fuga da terrível realidade, mas do último pensamento de resistência que a realidade ainda pode ter deixado.” T.A. apud Wolf

Squizo-jazz of a lost soul

“Como uma droga, o prazer que advém da fuga, da diversão, vicia. Em uma estrutura social em que o tempo livre se torna cada vez mais escasso, o divertimento acaba por se tornar uma necessidade fisiológica.”

Cazuza de Massa

“Importante ressaltar que tanto na publicidade voltada para o público masculino quanto na direcionada às mulheres, é o corpo feminino que é erotizado. No primeiro caso, numa incitação da libido; no segundo, uma incitação nascisística e identificatória.”

O SUZANAVIEIRISMO: “O que conta, diz Morin, não é mais a experiência acumulada, mas a adesão ao movimento.”

“Historicamente, ela [a devoção ao belo] acelera o vir-a-ser, ele mesmo acelerado, de uma civilização. Sociologicamente, ela contribui para o rejuvenescimento da sociedade. Antropologicamente, ela verifica a lei do retardamento contínuo do bolk [termo pejorativo para designar pessoa velha e ultrapassada, caretona, ou o ato de vomitar voluntariamente, se em verbo – “to bolk”], prolongando a infância e a juventude junto ao adulto. Metafisicamente, ela é um protesto ilimitado contra o mal irremediável da velhice” Morin

“É do período pós-guerra o baby-boom, a reafirmação do papel histórico de parideira, só que desta vez com adjetivos como rainha do lar, dona de casa. Foi só na década de 60 que as mulheres começaram a perceber que a conquista do voto foi apenas simbólica.”

“No lugar da eterna alegria, havia tédio, tédio infindável.”

“Os relatórios de Alfred Kinsey mostravam que 40% dos homens eram infiéis e que 70% tinham visitado prostitutas [??]. Além disso, um sexto dos homens do campo já havia tido relações zoofílicas.”

“Nos Estados Unidos de 65, havia um divórcio para cada quatro casamentos. Em 77, um divórcio para cada dois casamentos.”

O que é uma pequena e maleável ética que se veste todo dia antes de sair à rua? Uma etiqueta.

“O final de semana é redentor. Todo feriado é santo, na medida em que salva a existência de uma morte por asfixia.”

“Foi-se o tempo da temperança. Dá-se ao consumo um valor instintivo. Ao conseguir atribuir esse valor, o consumo vira consumismo, uma necessidade do corpo que precisa ser saciada, tal a angústia que se cria quando não a alimentamos”

SAFETY COURSE

A linha de chegada é muito chata, me deixe enrolar nesta corrida circular sem ineditismos ou saídas do script.

* * *

A metodologia é o cerne da chatice. Trabalho achatado na clínica de Pasteur.

“A palavra revista vem do inglês magazine, de origem árabe, cujo significado é depósito de mercadorias. Foi no inglês que a palavra adquiriu o significado de <publicação periódica, de caráter literário, contendo leituras amenas e instrutivas, e adornada de estampas>.” NIMER, Miguel. Influências Orientais na Língua Portuguesa: os vocábulos árabes, arabizados, persas e turcos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

“Em 1937, é lançada a revista Marie-Claire. Com um preço popular e uma tiragem de 800 mil exemplares, a revista introduz às classes menos abastadas os tratamentos cosméticos e os cuidados com moda e comportamento. Esses processos são interrompidos durante a segunda guerra, mas retornam logo após, acompanhando e estruturando as mudanças sociais. A Marie-Claire é publicada em mais de 30 edições internacionais, cada uma seguindo um modelo diferente, de acordo com a cultura do país. No Brasil, é publicada desde 1991.

“Na Itália, a imprensa feminina é o segmento mais sólido da indústria cultural. Em alguns casos, a publicidade chega a significar mais de metade do conteúdo das revistas. Entre 53 e 63, o número chega ao triplo na relação publicidade/reportagens. Além disso, nota-se um oligopólio na produção desses conteúdos, já que quatro empresas controlam ¾ da produção editorial.”

“O primeiro periódico brasileiro voltado ao público feminino foi a revista Espelho Diamantino, editada no Rio de Janeiro em 1827. Editada por homens, versava sobre literatura, política, arte e moda. Ainda nessa época de imprensa artenasal (sic!), surgiram as revistas Espelho das Brasileiras, de 1831, Jornal das Senhoras, de 1852, a primeira publicação a conter artigos de cunho feminista. Em 1875, aparece o periódico O Sexo Feminino, que contava com 800 assinaturas, feito considerável para a época. A revista possuía um olhar crítico sobre a dominação masculina através do casamento, contendo vários artigos que manifestavam apoio ao divórcio e à maior participação das mulheres no mercado de trabalho.”

Capricho, de 1952, é a revista feminina mais antiga ainda em circulação. Com suas fotonovelas, chegou a vender 500 mil exemplares por mês. Em 61, surge Cláudia. Em 1973, a editora Abril lança a revista Nova, a primeira publicação feminina a abordar temas mais polêmicos, como sexo, relacionamento e vida profissional.”

“Já Men’s Health surge nos Estados Unidos em 1987, com a proposta de criar um estilo de vida para os homens, com matérias sobre fitness, nutrição, moda e sexualidade. No Brasil, a primeira publicação de Men’s Health é de maio de 2006. Apesar de existirem no mercado diversas outras revistas voltadas ao público masculino, Men’s Health é a primeira que aborda temas que se relacionam diretamente com o conteúdo das revistas femininas, marcando uma nova etapa na construção do ideal de masculino e feminino.”

“Para as mulheres, o cuidado com o corpo antecede a exigência de um bom desempenho sexual e de se afirmar por meio dele. Para os homens, o desempenho estético do corpo é que é mais recente. Ambas as publicações reforçam e dão mais ênfase aos elementos menos consolidados nesse ideal de masculinidade hegemônica e de feminilidade enfatizada, o que explica por que em Nova o sexo é o tema mais recorrente e em Men’s Health é o cuidado com o corpo.” “Enquanto em Nova o tom autoritário prevalece, em Men’s Health ele é muito mais fraternal. A revista se propondo, como define no site e em vários de seus editoriais, a ser um mentor disposto a liberar todo o potencial do leitor.” “A ansiedade preenche o espaço entre a imagem vista no espelho e na capa da revista, e ela é um excelente motivador, pois as respostas (aparentes) para as inseguranças dos leitores também estão impressas nas mesmas revistas.”

Repetitio ad infinitum!

“Não é na depressão que devemos pensar aqui, mas na afanise, no ascetismo, na anorexia de viver. É este o verdadeiro sentido de Além do princípio do prazer. A metáfora do retorno à matéria inanimada é mais forte que se pensa, pois esta petrificação do Eu visa a anestesia e a inércia na morte psíquica. É apenas uma aporia, mas é uma que permite compreender o objetivo e o sentido do narcisismo de morte” Green

“o homem enfermo retira suas catexias libidinais de volta para seu próprio ego, e as põe para fora novamente quando se recupera.” Freud – A História do Movimento Psicanalítico

“o narcisismo primário estaria do lado deste aquém do recalcamento, do lado de um mundo não-ordenado, ilimitado, onde o Eu se confundiria com o cosmo de onde decorre sua qualificação ego-cósmica. Ora, como dissemos, a característica do narcisismo primário absoluto é a procura de um nível zero da excitação.” Stephen Hawking e o Bilhete de Suicídio do Universo (Alergia a Nozes)

“A inveja do objeto alcança seu ápice quando se supõe que este goza sem conflito. O pênis narcisista projetado (não importa qual sexo) é aquele que pode gozar sem inibição, sem culpa e sem vergonha.” Green

“Green faz o retrato de Narciso e é quase impossível separá-lo dos olimpianos de Morin.”

Torna-te quem tu és? Conhece-te a ti mesmo? Que nada: sê feliz! “Ontologicamente, o modelo da capa é a representação da realização de todos os desejos e do fim de todas as angústias, o que para as revistas se resume em pilares de posse e de consumo. Isso representa, na verdade, o instinto de morte, é Tânatos sendo produzido em escala industrial. Vende-se a solução para angústias e necessidades ontológicas, impossíveis, portanto, de serem solucionadas. A indústria cultural faz isso em essência, mudando apenas as máscaras que a encobrem. É esta a sua metafísica: é a salvação que está em jogo, que é prometida, mas ela não precisa mais esperar a morte para redimir seus crentes. Ela se encontra aqui na Terra, em valores individuais, precários e transitórios. Mas a redenção só existe para quem acredita que precisa ser redimido – e é por isso que o mal-estar exerce um papel tão fundamental na construção desses modelos de comportamento.”

“Surge a repulsa do próprio corpo e do próprio ser. O próximo passo seria a esperança.”

Algumas citações são repercutidas 2, 3 vezes. No total, temos 220 páginas. Custa tão barato iludir e tornar-se um mestre?

SCHOPENHAUER POR THOMAS MANN: O Panóptico da Perseguida de Pandora

“O tempo, segundo uma bela fórmula de Platão, é a imagem móvel da eternidade.”

“Com efeito, conceber o mundo como uma fantasmagoria multicolor e móvel de imagens que deixam transparecer a Idéia, o Espírito, é atitude eminentemente artística, que, por assim dizer, de pronto restitui o artista a si mesmo.”

“O símbolo da lua, este emblema cósmico de toda mediação, é próprio da arte.”

“Nietzsche, o discípulo de Schopenhauer, que renegou seu mestre em espírito, escreveu sobre ele estes versos:

O que ele ensinou não mais existe. O que ele viveu permanece de pé. Contemplai-o, pois! Nada pôde submetê-lo.

“Tôdas as vezes que Schopenhauer evoca o sofrimento do mundo, a lamentável angústia e a fúria de viver das múltiplas encarnações do querer (ele trata disso freqüentemente e com minúcias), sua já excepcional eloqüência e seu gênio de escritor atingem os cimos mais resplandecentes e mais gélidos de sua perfeição.”

“nós regozijamos por nos sentirmos vingados pelo verbo grandioso.”

“todos os males oriundos da contradição interna da vontade surgem da boceta de Pandora”

A seita que dói mais. Mas deu isso. Deu nisso e naquilo e naqueloutro. Escravo do pelourinho chamado negra vida.

“para um desejo satisfeito, dez ao menos restam insatisfeitos.”

“erro que não foi ainda”

“a esmola que, dada ao mendigo, prolonga sua lamentável existência de hoje para amanhã.”

transpiro literalmente por dias mais secos e felizes.

“Perseguir, evitar, recear a infelicidade, procurar avidamente o gôzo – tudo se assemelha”

Os 50 tonéis de cinzas

Tântalo faz como tântalo fez. De que vale rômulo ninar sobre isso, vaquinha?

A soleira da humanidade (Lei de Lúcia): “o suicídio é absurdo e imoral, pois nada conserta” “O sentido da vida é a morte, Rafael.”

“É o estado sem dor que Epicuro celebrava como o maior dos bens e como condição dos deuses; nesse instante, nós nos libertamos da necessidade desprezível de querer, celebramos o sabbat dos trabalhos forçados da vontade, a roda de Íxion pára.”

“Goethe fala complacentemente de <méritos inatos>, o que é uma reunião de palavras deveras absurda do duplo ponto de vista da lógica e da moral. Porque o <mérito> é inteiramente e por natureza um conceito moral, e o que é inato, como a beleza, a inteligência, a distinção, o talento, ou, conferindo-lhe o valor do destino, a felicidade, nada disso, logicamente, pode ser mérito.”

O VÉU DE MAIA: “feliz ou infeliz, cada um sempre recebe apenas o que lhe é devido.” “Diferença e injustiça não são mais do que as conseqüências que a multiplicidade no seio do tempo e do espaço implica”

“O que, ao mesmo tempo, tu fazes de mau, o mal que cometes, tua revolta contra a injustiça da vida, e também a inveja, a aspiração e o desejo, a tua cobiça do mundo, tudo isso provém da ilusão da multiplicidade, deste erro, que tu não és o mundo e o mundo não é tu. Sim, tudo isso vem desta diferença entre <eu> e <tu>, que não é mais que uma ilusão, a ilusão de Maia. Vem daí igualmente teu medo da morte.”

“Crês que, à tua morte, este resto do mundo continuará a existir, ao passo que tu – horrível pensamento! – não existirás mais.”

“ter o sentimento de que por tudo e em todos os seres não há mais que uma só e mesma vontade é o começo e a essência de toda ética.” “A resolução que, chegado a tal compreensão, toma um homem é a da renúncia, da resignação, da suprema impassibilidade. Nele se realiza a passagem da virtude para o nobre paradoxo da ascese, um grande paradoxo, na verdade; porque acontece então que uma individuação da vontade renega o ser que nela aparece e que se exprime por seu corpo, que seus atos desmentem sua aparência e entram em luta aberta com ela.”

Seria um paradoxo afirmar que a concepção cronológica das coisas é um anacronismo?

“<O que determina a hierarquia é a aptidão para sofrer profundamente> – escreveu Nietzsche, seguindo sem reserva e até o fim o aristocratismo do sofrimento de Schopenhauer, doutrina segundo a qual a vocação do homem e do gênio, sua mais alta distinção e seu enobrecimento, é o sofrimento.”

re(t)ificação da existência

o mundo é rei ou res

o crescimento geni(t)al

das vel(h)as

“tudo o que ele escreveu durante os 72 anos de sua vida, não foram mais que peças de confirmação obstinadamente reunidas, arrimos de reforço [à obra]: <O mundo como vontade e representação>”

“o sexo perturba diabolicamente a contemplação pura e o conhecimento renega o sexo”

“na medida em que tende para uma objetividade apolínea, esta concepção do espírito e da arte se encontra com a de Goethe, apresenta caráter clássico. Mas seu extremismo e seu ascetismo são nitidamente românticos, tomada esta palavra em sentido oposto ao do gosto de Goethe, que conhecemos melhor por suas atitudes a respeito de Kleist.”

CURTINDO O ETERNO RETORNO ADOIDADO: “a forma de espírito de Schopenhauer, a sensibilidade e o ardor excessivos de seu gênio, cujo dualismo é caricatural, são menos românticos que modernos; desejaria dizer muito com esta designação, mas relacionando-a totalmente com uma alma moderna, cujo calvário [DIC – cruel sofrimento moral] só é bastante visível neste século entre Goethe e Nietzsche [o século XIX em que viveu Sch. ou o século XX de Mann, numa meridiana emocional entre esses 2 escritores?].”

AZEDO 8, PICANTE E ALTISSONANTE OITAVA, ACRE 88

O sensual que não sabe dançar

O bom pai inimaginável

O pornógrafo pouco afeito a pornografias

Extremoso em sua temperança e auto-cobrança

Pagando os boletos da vida em parcelas de centavos

Sentai-vos, e escutai-me,

Ardem esses hematomas da alma!

Massacrante massa crente arde no inferno de mármore de sua gasosa crença espirituosa,

ardente sem saber, pendente de crer,

nalgo sólido só lido não sentido,

sem auto-crítica real ter tido.

“Schopenhauer: mais moderno, mais doloroso, mais complicado que Goethe, mas muito mais <clássicos>, robusto, são que Nietzsche”

Eu 2008: clássico

não são sãos

são carecas

“o paradoxo de sua prosa clássica e clara, que revela o mais profundo, o mais noturno abismo”

THE QUEEN OF SHEBA AND HER ONLY SON MENYELEK (KEBRA NAGAST)

Translated by Wallis Budge

And He drove him out of the Garden, because of his apostasy through the sin of the Serpent and the plotting of the Devil. And at that sorrowful moment Cain was born, and when Adam saw that the face of Cain was ill-tempered and his appearance evil he was sad. And then Abel was born, and when Adam saw that his appearance was good and his face good-tempered he said, <This is my son, the heir of my kingdom.> (…) Cain was envious, first because of the words of his father; and secondly, because of his sister with the beautiful face, who was born with him and who had been given unto Abel, even as God commanded them to multiply and fill the earth – now the face of the sister who had been born with Abel resembled that of Cain [quantos gêmeos cruzados nesta historieta!], and their father had transferred the two sisters when giving them in marriage; – and thirdly, because when the two brothers offered up sacrifice, God accepted the offering of Abel and rejected the offering of Cain. (…) And having killed his brother, Cain fell into a state of trembling and horrible fright, and he was repulsed by his father and his Lord. And then Seth was born, and Adam looked upon him and said, <Now hath God shown compassion upon me, and He hath given unto me the light of my face. In sorrowful remembrance I will console myself (?) with him. The name of him that shall slay my heir shall be blotted out, even to his ninth generation.Que espécie de livro não é entendido nem pelos próprios tradutores? E então, não eram nem 4, nem 7, mas 9 gerações?

the sons of Cain ate, drank and danced, and they played upon stringed instruments, and sang lewd songs thereto, and they worked uncleanness without law, without measure, and without rule.” E eles introduziram a semente do burro na égua, e a mula nasceu, o que Deus não comandou. E no meio de todas essas coisas, o homem se poluiu com o homem, e a mulher trabalhou com a mulher na coisa abominável.

Segundo o Segundo Pacto que Deus fez com Noé, após o Dilúvio, não haveria novo Dilúvio, mas nascera aí a distinção Outono-Primavera, Primavera-Outono.

Though heaven and earth pass away My word shall not pass away.”

Deus, o Bipolar

Deus criou Zion; o útero de Maria criou Deus.

Canaã, o neto de Noé, quebrou o pacto, e não Shem (seu pai). “And in later days God took vengeance upon the sons of Canaan, and made the sons of Shem to inherit their country.”

And they slaughtered their sons and their daughters to the devils” Que ironia.

Abraão é o nono descendente de Canaã. Seu pai se chamava Terah.

Numa chuva de fiel, no meu colo cai herético, pecado e ignomínia.

And I will bring down the Tabernacle of My Convenant upon the earth 7 generations after thee”

Antes havia para onde viajar e se tornar rei. Hoje o Oeste já foi desvelado e é só repetição.

Isaque e Jacó são irrelevantes na “historiografia”.

Gênesis 35:22-27: “Quando Israel habitava naquela terra, foi Rúben e deitou-se com Bila, concubina de seu pai; e Israel o soube. Eram doze os filhos de Jacó: Os filhos de Léia: Rúben o primogênito de Jacó, depois Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulom; os filhos de Raquel: José e Benjamim; os filhos de Bila, serva de Raquel: Dã e Naftali; os filhos de Zilpa, serva de Léia: Gade e Aser. Estes são os filhos de Jacó, que lhe nasceram em Padã-Arã. Jacó veio a seu pai Isaque, a Manre, a Quiriate-Arba, onde peregrinaram Abraão e Isaque” Não se dão 1000 anos de perdão para quem torna corno aquele que corneou?

Judá viria da raiz etíope da palavra, que quer dizer “ladrão”. “and although he [Rubem] was the firstborn son the kingdom was rent from him. And his younger brother reigned, and he was called Judah because of this.”

and He opened to them salvation. And he spake with them from the pillar of cloud

And again he saith by the mouth of the Holy Ghost, <And My habitation is here, for I have chosen it.>”

The Emperor of Rôm [Constantinopla] is the son of Solomon, and the Emperor of Ethiopia is the firstborn and eldest son of Solomon.”

Mt. 12:42//Lc. 11:31: “A rainha do sul se levantará no juízo com esta geração, e a condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis aqui quem é maior do que Salomão.”

Now in the days of Solomon the King gold was as common as bronze, and silver as lead, and bronze and lead and iron were as abundant as the grass of the fields and the reeds of the desert and cedarwood was also abundant.”

for wisdom is far better than treasure of gold and silver, and wisdom is the best of everything that hath been created on the earth. Now unto what under the heavens shall wisdom be compared? It is sweeter than honey, and it maketh one to rejoice more than wine, and it illumineth more than the sun, and it is to be loved more than precious stones. And it fatteneth more than oil, and it satisfieth more than dainty meats, and it giveth more renown than thousands of gold and silver. (…) it is a teacher of those who are learned, and it is a consoler of those who are discreet and prudent, and it giveth fame to those who seek after it. (…) no man can filch [surrupiar] it from his heart. That which fools heap up the wise consume.” Queen Mâkedâ, um dos nomes da Rainha do Sabá ou dos Sabeus [diferente da Etiópia – note como as versões conflituam o tempo todo], que quer dizer “Not thus”, “Não assim”, “Não deste modo”, assinalando a mudança do politeísmo e paganismo primitivo à Verdadeira Religião (cof, cof).

So she made ready to set out. And 797 camels were loaded, and mules and asses innumerable were loaded, and she set out on her journey and followed her road without pause, and her heart had confidence in God.”

And thou, although thou dost not know the God is Israel, hast this wisdom which thou hast made to grow in thine heart”

And this speech of mine springeth not from myself, but I give utterance only to what He maketh me to utter.”

I am a man and dust and ashes, who tomorrow will become worms and corruption, and yet at this moment I appear like one who will never die.”

As is his death is my death; and as is his life is my life. Yet this man is stronger to work than I am”

We worship the sun according as our fathers have taught us to do, because we say that the sun is the king of the gods; some worship stones, and some worship wood, and some worship carved figures, and some worship images of gold and silver. And we worship the sun, for he cooked our food, and moreover, he illumned the darkness, and removed fear; we call him <Our King>, and we call him <Our Creator>, and we worship him as our god; for no man had told us that beside him there is another god. But we have heard that there is with you, Israel, another God Whom we do not know”

No one can chide Him, for He is the Lord of the Universe, and there is no one who can say unto Him, <What hast Thou done?>”

(and it was not only human beings who came to him, but the wild animals and the birds used to come to him and hearken unto his voice, and hold converse with him)”

A woman of such splendid beauty had come to me from the ends of the earth! What do I know? Will God give me seed in her?”

I Rs. 11:1-2: “Ora, o rei Salomão amou muitas mulheres estrangeiras, além da filha de Faraó: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, das nações de que o Senhor dissera aos filhos de Israel: Não ireis para elas, nem elas virão para vós; doutra maneira perverterão o vosso coração para seguirdes os seus deuses. A estas se apegou Salomão, levado pelo amor.”

A diferença das partes não altera o produto: “And he had 400 queens and 600 concubines. Now this which he did was not for fornication, but as a result of the wise intent that God had given unto him, and his remembering that God had said unto Abraham, <I will make thy seed like the stars of heaven for number, and like the sand of the sea.> And Solomon said in his heart, <What do I know? Peradventure God will give me ten children from each one of these women. My children shall inherit the cities of the enemy, and shall destroy those who worship idols.>”

to those after Christ, it was given to live with one woman under the law of marriage. And the Apostles laid down for them an ordinance: <as concerning Solomon no law had been laid down for him in respect of women, and no blame can be imputed to him in respect of marrying many wives. But for those who believe, the law and the command have been given that they shall not marry many wives, even as Paul saith, ‘Those who marry many wives seek their own punishment. He who marrieth one wife hath no sin.’ [I Corinthians, VII]>”

Lv. 18:18: “E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, durante a vida desta, para tornar-lha rival, descobrindo a sua nudez ao lado da outra.”

And they destroyed His light and cast themselves upon Him and they set a guard over His tomb wherein they had cast Him. And He came forth where they did not look for Him, and illumined the whole world, more especially the First Sea and the Last Sea, Ethiopia and Rôm. And He paid no heed whatsoever to Israel, and He ascended His former throne.”

And he gave her whatsoever she wished, everything on which great store was set in the country of Ethiopia, and camels and wagons, 6000 in number, which were laden with beautiful things of the most desirable kind, and wagons wherein loads were carried over the desert, and a vessel wherein one could travel over the sea, and a vessel wherein one could traverse the air (or winds) [!], which Solomon had made by the wisdom that God had given unto him.

and she brought forth a man child, and she gave it to the nurse with great pride and delight.” “And the child grew and she called his name Bayna-Lehkem. And the child reached the age of 12 years, and he asked his friends among the boys who were being educated with him, and said unto them, <Who is my father?> And they said unto him, <Solomon the King.> And he went to the Queen his mother, and said unto her, <O Queen, make me to know who is my father.> And the Queen spake unto him angrily, wishing to frighten him so that he might not desire to go, <Why dost thou ask me about thy father? I am thy father and thy mother; seek not to know any more.> (…) And a second time, and a third time he asked her, and he importuned her to tell him. One day, she told him, <His country is far away, and the road thither is very difficult; wouldst thou not rather be here?> And the youth Bayna-Lehkem was handsome, and his whole body and his members, and the bearing of his shoulders resembled those of King Solomon his father, and his eyes, and his legs, and his whole gait [porte] resembled those of Solomon the King.”

At. 8:26-39: “Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai em direção do sul pelo caminho que desce de Jerusalém a Gaza, o qual está deserto. E levantou-se e foi; e eis que um etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace [Mâkedâ], rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros e tinha ido a Jerusalém para adorar, regressava e, sentado no seu carro, lia o profeta Isaías. Disse o Espírito a Filipe: Chega-te e ajunta-te a esse carro. E correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes, porventura, o que estás lendo? Ele respondeu: Pois como poderei entender, se alguém não me ensinar? e rogou a Filipe que subisse e com ele se sentasse. Ora, a passagem da Escritura que estava lendo era esta: Foi levado como a ovelha ao matadouro, e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, assim ele não abre a sua boca. Na sua humilhação foi tirado o seu julgamento; quem contará a sua geração? porque a sua vida é tirada da terra. Respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? de si mesmo, ou de algum outro? Então Filipe tomou a palavra e, começando por esta escritura, anunciou-lhe Jesus. E indo eles caminhando, chegaram a um lugar onde havia água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? [E disse Felipe: é lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.] mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e Filipe o batizou. Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco, que jubiloso seguia o seu caminho.”

His eyes are gladsome, like unto those of a man who hath drunk wine” “in those days Solomon had no children, except a boy who was 7 years old and whose name was Îyôrbe’âm (Rehoboam).”

[De 1000 esposas, Deus só lhe deu] 3 filhos. Seu filho mais velho era o Rei da Etiópia, o filho da Rainha da Etiópia, e era o primogênito daquele com que Deus falou profeticamente, <Deus jurou perante Davi o justo, e não se arrepende, ‘Do fruto do teu corpo eu vou fazer sentar de novo em teu trono’>”

I Co. 1:20-31: “Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o questionador deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste? Visto como na sabedoria de Deus o mundo pela sua sabedoria não conheceu a Deus, aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que crêem. Pois, enquanto os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria, nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos, mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte que os homens. Ora, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Pelo contrário, Deus escolheu as coisas confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas ignóbeis do mundo, e as desprezadas, e as que não são, para reduzir a nada as que são; para que nenhum mortal se glorie na presença de Deus. Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor.”

Besides travailing with him and suckling him, what else had a woman to do with a son? A daughter belonged to the mother, and a boy to the father. God cursed Eve, saying, <Bring forth children in anguish and with sorrow of heart, and after thy bringing forth shall take place thy return to thy husband. As for this my son, I will not give him to the Queen, but I will make him king over Israel.”

For no man hated the place where he was born, and everyone loved the things of his native country.”

Since thou speakest in this wise, according to the law I myself am not the son of my father David, for he took the wife of another man whom he caused to be slain in battle, and he begot me by her; but God is compassionate and He had forgiven him. Who is wickeder and more foolish than men? and who is as compassionate and as wise as God? God had made me of my father, and thee had He made of me, according to His Will. And as for thee, O my son, thou fearer of our Lord God, do not violence to the face of thy father, so that in times to come thou mayest not meet with violence from him that shall go forth from thy loins, and that thy seed may prosper upon the earth. My son Rehoboam is a boy 6 years old, and thou art my firstborn son, and thou hast come to reign, and to lift up the spear of him that begot thee. Behold, I have been reigning for 29 years, and thy mother came to me in the 7th year of my kingdom; and please God, He shall make me to attain to the span of the days of my father. And when I shall be gathered to my fathers, thou shalt sit upon my throne, and thou shalt reign in my stead, and the elders of Israel shall love thee exceedingly; and I will make a marriage for thee, and I will give thee as many queens and concubines as thou desirest. And thou shalt be blessed in this land of inheritance with the blessing that God gave unto our fathers, even as He covenanted with Noah His servant, and with Abraham His friend, and the righteous men their descendants after them down to David my father. Thou seest me, a weak man, upon the throne of my fathers, and thou shalt be like myself after me, and thou shalt judge nations without number, and families that cannot be counted.” “Now Balt.âsôr, the King of Rôm, wished that I would give my son to his daughter, and to make him with his daughter king over the whole country of Rôm. For besides her he had no other child, and he had sworn that he will only make king a man who is of the seed of David my father. And if we rule there we shall be 3 kings. And Rehoboam shall reign here over Israel. For thus said the prophecy of David my father <The seed of Solomon shall become 3 heads of kingdoms upon the earth.>”

It is meet and right that thy dominion of Ethiopia shall be from the River of Egypt to the west of the sun (i.e., to the setting sun); blessed be thy seed upon the earth – and from Shoa to the east of India”

I the Lord thy God am a jealous God. I am He Who visited the sin of the father on the children to the third and fourth generation of those who hate Me, and I perform mercy to a thousand, to ten thousand generations of those who love Me and keep My commandments.” “Observa o dia do Sabá e santifica-o, assim como o Senhor teu Deus comandou. Por seis dias deves fazer o teu trabalho, e no sétimo dia, o Sabá do Senhor teu Deus, tu não deves fazer trabalho algum, nem tu mesmo, nem teu filho, nem tua filha, nem teu burro nem tua mula, nem qualquer besta, nem o estranho que mora contigo. Porque em seis dias Deus fez os céus e a terra, e o mar e tudo que neles se encontra, e descansou no sétimo dia, e por isso Deus abençoou este sétimo dia e o declarou livre de todo trabalho.”

uncover the shame”: eufemismo para dar umazinha

descobrir as pudendas (Cláudia Ohanas!)!

And they cursed the King secretly and reviled him because he had seized their sons against their will.”

Os primogênitos “extraditados” pela Vontade do Senhor planejaram o roubo do Tabernáculo para levá-lo consigo à Etiópia. A paródia do seqüestro de Helena: “I would offer up a sacrifice to the holy city Jerusalem, and to my Lady Zion, the holy and heavenly Tabernacle of the Law of God.” “And had it not been that God willed it Zion could not have been taken away forthwith.”

and they were then even as they were when God slew the firstborn of Egypt.” “the dogs howled, and the asses screamed, and all those who were left there mingled their tears together.” “From this moment our glory had passed away, and our kingdom had been carried off unto a strange people who know not God, even as the prophet said, <The people who have not sought Me have found Me.>” “I will turn My face away from thee because thou hast treated My offerings with contempt, and hast preferred thy sons to Me.”

the sons of the warriors of Israel saw that they had come in one day a distance of thirteen days’ march, and that they were not tired, or hungry, or thirsty, neither man nor beast”

the plan the pan the pun the pen the pin the spoon of God, oh, Majesty, Have you Forgotten?

Esse, o filho de um profeta, será ele enumerado entre os profetas?”

And there was joy to the Sea of Eritrea, and to the people of Ethiopia, who went forth to the sea and rejoiced exceedingly, and with a greater joy than did Israel when they came out of Egypt.”

Verily the sun that appeared unto me long ago when I was sleeping with the Queen of Ethiopia was the symbol of the holy Zion.”

and they were swifter than the eagles that are in the sky”

And thou, O King, whose wisdom had no counterpart under the heavens, why hast thou given away the Tabernacle of the Law of the Lord thy God, which thy fathers kept pure for thee?”

Os lamentos salomônicos (os antípodas dos Cânticos?): “Our name was honoured, to-day it is nothing. Woe be unto us!”

E quando os Filisteus guerrearam com Saul o Rei, Saul foi sobrepujado e morreu com Jônâthân seu filho. E aqueles de seus filhos que restaram quiseram levar o Tabernáculo (Sião), ao saberem que seu pai e irmão mais velho estavam mortos. (…) Mas era impossível levar Sião embora sem que ela quisesse e Deus quisesse.” “quando seu pai [Davi] reinou com justeza sobre Israel ele a levou da cidade de Samaria e trouxe a arca para Jerusalém, dançando sobre seus pés diante dela, batendo palmas por conta de sua imensa alegria”

And Solomon lived for eleven years after the taking away of Zion from him, and then his heart turned aside from the love of God, and he forgot his wisdom, through his excessive love of women. And he loved very greatly the daughter of Pharaoh, the king of Egypt, whose name was Mâkshârâ, and he brought her into the house wich he had made; and there were figures of the sun, moon, and stars in the roof thereof, and it was illumined by night as brightly as by day. Its beams were made os brass, and its roof of silver (…) and its floor was of blocks of sapphire stone and sardius.” “And she multiplied her sacrifices, and her worship, and her folly, according to the stupidity of the Egyptians” “and she spoke to him with honeyed words, and with the tender speech of women, and with the sweet smile that accompanied the presentment of an evil deed, and with the turning of the face and the assumption of a look of good intent, and with the noddling of the head. With actions of this kind she caused his heart to turn away from his good intent, and she enticed him to the evil of her work, wishing to drag him down into the folly of the foolish service of idols through carelessness. And as the deep sea drawed down into its depths the man who cannot swim, until the water overwhelmed him and destroyed his life, even so did that woman wish to submerge Solomon the King.”

Thy son had carried away thy Lady Zion, thy son whom thou hast begotten, who springed from an alien people into which God had not commanded you to marry, that is to say, from an Ethiopian woman, who is not of thy colour, and is not akin to thy country, and who is, moreover, black.”

And thy kin is her kin, for ye are all the children of Ham. And God, having destroyed of the seed of Ham 7 kings, had made us to inherit this city, that we and our seed after us may dwell therein for ever. And as concerning Zion, the will of God had been performed, and He had given her unto them so that they may worship her. And as for me, I will neither sacrifice to nor worship thine idols, and I will not perform thy wish.” “Who was wiser than Solomon? yet he was seduced by a woman. Who was more righteous than David? yet he was seduced by a woman. Who was stronger than Samson? yet he was seduced by a woman. Who was handsomer than ‘Amnôn? yet he was seduced by Tamar the daughter of David his father. And Adam was the first creation of God, yet he was seduced by Eve his wife. And through that seduction death was created for every created thing.”

Come now, and consider, which was the greater of the two, the sin of his father David or the sin of his son Solomon? David caused Uriah to be slain in battle by means of a plan of deceit so that he might take his wife Bêrsâbêh (Bathsheba), the mother of Solomon; and he repented, and God had compassion on him, And when he was dying he advised his son Solomon, saying, <Kill Joab as he killed ‘Amêr (Abner), and kill Shimei because he cursed me>; and he performed the will of his father and slew them after the death of David his father. And Solomon killed no one except his brother when he wished to marry the Samênâwât, a sulamita, the wife of his father David whose name was ‘Abîs (Abishag).”

De acordo com a interpretação da profecia, o nome Salomão significava na língua secreta <Cristo>. E como Salomão construiu a casa de Deus, Cristo encarnou em Seu Corpo e consubstanciou a Igreja. E quando Ele disse aos Judeus, <Deitem abaixo esta casa, e em 3 dias eu a erguerei novamente> [João 2:19], Ele estava falando da casa que era Seu Corpo. E como Salomão multiplicou mulheres de povos forasteiros devido a sua beleza e charme, e o desejo o consumiu, assim mesmo Cristo reuniu rebanhos de gentios que não conheciam a Lei, mas que acreditavam Nele. E não havia incircuncisos para Ele, nenhum pagão; e não havia escravo, e nenhum judeu, e nenhum servo e nenhum homem livre [Gálatas 3:28]; Ele os juntou todos em Seu reino celeste através de Sua Carne e Sangue. E no Cântico dos Cânticos o próprio Salomão cantou e disse, <Há 60 homens poderosos em torno da cama de Salomão, todos treinados na guerra e possuindo espadas, cada homem com sua espada à destra> [Cânticos 3:7-8]. O número de 60 indicava o número dos Patriarcas virtuosos, e dos Profetas, e dos Apóstolos, e dos Mártires, e dos Crentes, e dos Santos, e dos Monges que resistiram aos pensamentos maus e à guerra de Satã. E a palavra <espada> é, sendo analisada, a palavra das Escrituras. A palavra do Senhor corta com sua lâmina afiada, e desta mesma maneira as Escrituras também cortam dos corações dos homens os perigos causados pelos sonhos fantasiosos da madrugada. E as palavras <cama de Salomão> são, se analisadas, a Igreja de Cristo.”

Elias e Eliseu sabiam a verdade, e inscreveram os pecados de Salomão no Livro dos Reis para envergonhar os Judeus, que são cegos de coração e os inimigos da virtude.”

Salomão, Rei e Profeta, nos legou 4 livros de profecias” Viveu 60 anos, 20 a menos que seu pai Davi.

Mas a tolice de Deus é mais sábia que a sabedoria dos homens, e Ele te deu apenas 3 filhos: um que levou-lhe a glória para uma terra desconhecida, estabelecendo a morada do Senhor na Etiópia; outro que é coxo do pé, que deverá sentar em teu trono para os de Israel, o filho da raça de tua raça de Tarbâna, da casa de Judá; e por último aquele que é filho de uma mulher grega, uma faxineira, que nos últimos dias destruirá Roboão e toda sua linhagem de Israel; e toda essa terra será dele, porque ele acredita n’Aquele que virá, o Salvador. Mas a tribo de Roboão, e daqueles que restaram em Israel, O crucificará, Àquele que há de vir, o Redentor, e sua memória deverá ser extirpada da terra. Porque eles tramarão um plano que não poderão concluir, e Ele se zangará com eles e obliterará a sua memória.”

Salomão sofrerá no Seol até seu Filho ir buscá-lo. “E como Moisés afogou o Faraó com os egípcios no Mar da Eritréia, também o Salvador afogará Satanás e seus demônios no Seol; porque o mar é para ser tido pelo Seol, e o Faraó por Satanás, e suas hostes egípcias pelos demônios.” “E como Josué massacrou os Reis de Canaã, o Salvador massacrará as sete cabeças de ‘Iblîs.”

Davi seria um sétimo filho, segundo o Kebra Nagast original. Mas uma nota de rodapé desmente: foi o oitavo. E Salomão o sexto.

Conclui-se do conceito de Seol dos hebreus e deste K.N. que o Inferno já deveria ter sido destruído e todos nós redimidos… Aforismo de sabedoria condensada (supercondensação estilo Big Bang): Se a História tivesse de ter um fim, Pôncio Pilatos seria seu Autor… Esse fato de per se comprova a existência do Inconsciente. Território iníquo inato da maldade.

a madeira da Cruz, o terceiro meio de salvação que deverá ser enviado à terra” A ficção que ficou mais embolada que Star Wars… A Pérola [?!?], Sião – a mesa – e a Cruz… E depois virá a linhagem dos Belmondo…

E se eu virar pó, não ficarei triste, porque pó não tem sentimento!

<Meu Senhor, está a vinda do Salvador de que falaste próxima ou distante?>

<Ele virá em 3 ou 30 gerações da tua linhagem e da tua semente vai salvá-lo.>”

Deus responde em módulo ou variação estatística.

O primeiro Schopenhauer: “Of what use are we who are men? We are created in vain, and after a little time we become as if we had never been created.” “O quê então? Multiplicar a fala é sem propósito, e a nobreza da estatura é destruída, e a força dos reis é pulverizada (…) Depois de 3 gerações de nossas crianças, não há quem lembre nosso nome.”

They called Rehoboam <King of Judah>, and they called the King of Samaria <King of Israel>. And of the generations of Rehoboam, from Rehoboam to ‘Îyâkêm (Joachim) were 41 generations.”

And the name of Esau’s kingdom was called, according to his name of contempt, <Edom>, for the interpretation of <Edom> is <lentiles>”

Como Salomão o sábio disse, <Há 3 coisas que são difíceis para minha mente, e a quarta delas eu não posso conceber: – O rastro da águia nos céus, a trilha da serpente na rocha, a trilha do navio no mar.> E a quarta coisa de que ele falava concernia à mulher má, que, tento traído seu marido, e se lavado, sentava como uma santa que nada tinha feito de errado, e jurava falsamente.”

A lenda do nascimento de Nabucodonosor: a criança fruto de um adultério; mas, aparentemente destinado a ser jogado no rio ao nascer, o filho bastardo de um mercador acaba sendo criado em berço real. Nabudonosor significa pelos auspícios do pássaro. “ele era extremamente arrogante e costumava dizer <Eu faço o sol brilhar no céu>; e idolatrava ídolos.”

Ló, não se vire depois de sair da cidade, não volte as costas se não quiser morrer”, disse o Anjo do Senhor. Mas a esposa de Ló se virou, e virou sal. Isso foi antes de Ló se recolher às montanhas como eremita e enrabar suas filhas.

E Noé estava bêbado e nu perante sua mulher e filhos, e amaldiçoou seu filho quando este riu-lhe; e o ter dormido com sua filha não foi reconhecido como pecado de Ló, uma vez que ele o fez inconscientemente, embriagado.”

E então Dalîlâ (Delilah) concebeu de Sansão, e enquanto ela estava grávida Sansão morreu com os Filisteus; e Dalila deu a luz a um filho que chamou <Menahem>, que quer dizer <semente do homem forte>.”

Dalila e sua irmã Maksâbâ, ambas viúvas, eram belas, e se amavam muito. E seu amor não era como o amor de irmãs, mas como o da mãe pelo filho, e do filho pela mãe. E viveram juntas. Maksâbâ foi a única sobrevivente do massacre de Sansão, e por isso reinou sobre os Filisteus.” Seus filhos cresceram juntos como irmãos, mas o filho de Sansão, o caçula, assassinou o Rei dos Filisteus, aos 15.

Eu ouvi dizer que os hábitos dos egípcios são sem-lei, e que eles vivem em idolatria e fornicação. E quando te virem, vão tramar contra mim, e me matar por causa da excelência de tua bela forma; porque entre eles não há quem se compare a ti. Para que salves minha vida, fala por favor, se acontecer de perguntarem-te coisas sobre mim, <Sou a irmã dele>, e então quem sabe os estranhos pouparão minha alma da morte.” Abraão

A serva Hagar, que não devia se comparar à ama, foi presente do Faraó a Abraão, depois que ele se borrou com o poder do Anjo vingador!

Ismael, o bastardo, que significa “Deus ouviu minhas preces”.

Ishmael tinha 14 anos antes de Isaac nascer. E Deus disse a Abraão, <O que Sara falou por ciúmes é verdade; deserde a serva com seu filho Ishmael. Deixe que Ishmael viva perante Mim, e farei dele uma grande nação, e ele deverá possuir 12 nações e reinar sobre todas elas. Mas eu vou estabelecer Meu Pacto com Isaac Meu servo, o filho de Sara, que será com todas as nações da Terra.>” El Hayek realmente gosta de aproveitar apenas o estritamente conveniente de suas queridas histórias…

And therefore the children of Ishmael became kings over Tereb, and over Kebet, and over Nôbâ, and Sôba, and Kuergue, and Kîfî, and Mâkâ and Môrnâ, and Fînkânâ, and Arsîbânâ, and Libâ, and Mase’a, for they were the seed of Shem. And Isaac reigned over Judah and over Amôrêwôn, and over Kêtêwôn, and Îyabûsêwôn, and Fêrzêwôn, and Eêwêwôn, and Kêkêdewôn, and Rômyâ, and Ansôkyâ (Antiochia), and Sôryâ (Syria), and Armenia, and Felesteêm (Palestine), And Ethiopia, and Edom, and Philistia, and Îyôâb, and Amalek, and Phrygia, and Babylon, and Yônânest, and Ebrâyast. For as God sware He gave all kingdoms to the seed of Shem, and an exalted throne and dominion to the seed of Shem, even as his father Noah, by the word of God, blessed his son Shem, saying, <Be lord to thy brethren and reign over them.>”

And the Queen said unto her nobles: <Speak ye now, and swear ye by the heavenly Zion that ye will not make women queens or set them upon the throne of the kingdom of Ethiopia, and that no one except the male seed of David, the son of Solomon the King, shall ever reign over Ethiopia, and that ye will never make women queens.[!]>” “E se depois desse dia for achado qualquer homem que observe todos os seus costumes antigos, sua casa será pilhada, e ele e sua esposa e suas crianças deverão ser condenados.”

And thus the eastern boundary of the kingdom of the King of Ethiopia is the beginning of the city of Gâzâ in the land of Judah, that is, Jerusalem; and its boundary is the Lake of Jericho, and it passed on by the coast of its sea to Lêbâ and Sâbâ; and its boundary goes down to Bîsîs and ‘Asnêt; and its boundary is the Sea of the Blacks and Naked Men [?], and goes up Mount Kêbêrênêyôn into the Sea of Darkness, that is to say, the place where the sun setted and its boundary extended to Fênê’êl and Lasîfâlâ and its borders are the lands near the Garden (Paradise)”

David waged war wheresoever he pleased; no man conquered him, on the contrary, whosoever attacked him was conquered. (…) This I found among the manuscripts of the Church of Sophia in Rôm/Constantinople.”

He performed many miracles, some of which are written down and some of which are not, even as said John the Evangelist, the son of Zebedee”

Moses spake unto God and said, <Shew me Thy Face.> And God said unto Moses, <No one can look upon My Face and live, but only as in a mirror. Turn thy face to the west and thou shalt see in the rock the mirroring of My Face.> And when Moses saw the shadow of the Face of God, his own face shone with a brightness which was 7x brighter than the sun, and the light was so strong that the children of Israel could not look upon his face except through a veil. And thereupon he saw that they did not desire to look upon the Face of God”

E quando Abraão levou seu filho Isaque ao Monte Carmelo, Deus enviou do paraíso um carneiro para a redenção de Isaque. (…) Abraão deve ser entendido como Deus o Pai, e Isaque como um símbolo de Cristo o Filho.”

And the daughters of Cain with whom the angels had companied conceived, but they were unable to bring forth their children, and they died. And of the children who were in their wombs, some died, and some came forth; having split open the bellies of their mothers they came forth by their navels. And when they were grown up and reached man’s estate they became giants, whose height reached unto the clouds”

I was with Daniel in the den, and I was with Jonah in the belly of the great fish, and I was with Joseph in the pit, and I was with Jeremiah in the well fed from the lake. I stand under the deepest deep so that the mountains may not sink down under the waters”

A estranha autobiografia: “Wearied and miserable, they made Him sad when they rejected Him and hated Him; but strong and glorious, what could sadden Him when they brought false charges against Him? For He Himself knew His Godhead, and He knew His glory, and He new Himself.”

And in it is the throne of the Most High, which is surrounded with fire, and 4 beasts bear it in their place, which is the 6th heaven. And a throne goeth up to the 7th heaven, the habitation of the Father”

O que aconteceria se Abraão fosse contemporâneo de Jesus Cristo e testemunha na praça do Gólgota? Aliás, suponha que Abraão fosse José de Jesus…

Tirando a narrativa salomônica, esse livro é um desperdício de tempo!

Sealed in the cavewomb

Ano 409 do Perdão (nosso séc. XIV). Amém.

Prefácio-Posfácio (Colofão)

The first summary of the contents of the K.N. was published by Bruce as far back as 1813”

Nenhum livro religioso faz a apologia do tempo presente nem é best-seller imediato.

when Nectanebus II, the last native king of Egypt, fled from Egypt he went to Macedon, where he established himself as a magician. Here he became acquainted with Queen Olympias, who wished to find out from him if her husband, Philip, intended to put her away. An intimacy sprang up between Nectanebus and Olympias, and he appeared to the queen one night in the form of the god Amen of Libya, arrayed in all the attributes of the god, and begot Alexander the Great. Tradition transferred the horns of Amen to Alexander, and ancient Arab writers call Alexander <Dhu’l-Karnên>, i.e. <provided with two horns>, a title that translates exactly one of the titles of Amen, <Sept abui>.”

The Tabernacle of the Law had much in common with the arks or divine tabernacles of the Babylonians and Egyptians, which formed the places of abode of figures of gods or their most characteristic emblems.” “The Ark of the Law which Menyelek [David Son or Grandson] covered and stole from the Temple of Jerusalem was probably a copy of that made by Moses, and to all intents and purposes it was a rectangular box, made of hard wood plated with gold, and measuring about 4ft. long, 2ft. 6inc. wide, and 2ft. 6in. deep. It was provided with a cover upon which rested the Mercy seat and figures of the Cherubim.”

Apologies: “A full discussion of every portion of the work, with extracts giving the original texts of the authorities used and quoted by Isaac [o copista ou inspirado a escrever o Kebra Nagast], would fill another volume, and the cost of printing, paper, and binding is now so great that the idea of producing such a book has been abandoned.”

Os portugueses foram os primeiros europeus a descobrir o Kebra Nagast, no século XVI. Destaca-se o papel dos jesuítas, os historiadores mais capacitados do período.

Primeira versão integral do texto: Abhandlungen der Königlich Bayerischen Akademie, Munich, 1909.

Ester ou Judite quebraram a seqüência de reis homens da semente de Salomão, na historiografia oficial.

reference may be made here to a series of chapters which try to prove that the kings of the Moabites, Philistines, Egyptians, Persians, Babylonians and the Byzantines, are of Semitic origin. The fantastic legends which the author invented or reproduced contain much falsified history and bad philology, but it would be interesting to know their source and their author; these chapters seem to suggest that he was a Semite, probably a Jew.”

And when the mother of this Queen was with child of her she saw a fat and handsome-looking goat, and she looked upon him with greedy desire, and said, <How handsome the beast is! And how handsome its feet are!> And she longed for it after the manner of women who are with child. And when the afore-mentioned daughter was fashioned completely in the womb of her mother, she had onefoot like the foot of a man and another like the foot of a goat. (…) she did not want to marry any man because of her malformed foot; and she continued in her virginity until she began to reign.” Depois Salomão teria curado sua perna sem dificuldades e a revertido à forma natural (antropomórfica). Ou não seria uma mulher (ainda mais rainha) uma loba em pele de cordeira? PIN-PON! Versão alcorânica menos lisonjeira: “Jalâl ad-Dîn says that Solomon thought of marrying Balkîs [Makeda], but could not bring himself to do so because of the hair on her feet and legs. The devils who were always in attendance on Soloom removed the hair by the use of some infernal depilatory, but it is doubtful if even then Solomon married her.”

12-04-17

I

 

DESCRIÇÃO

Deitado na cama dos meus pais. Namorada ou moça bonita qualquer ao lado (não consigo identificar). Eu estou deitado na cama, na posição da minha mãe. Já a outra pessoa está ou de pé ou sentada, mas do lado direito, fora da cama. Um DVD do Metallica toca na TV.

Deitado na cama dos meus pais, só que do lado esquerdo, onde ficaria o meu pai, o Aloísio, meu melhor amigo de infância, hoje mero borrão. Nós cantamos junto com o James Hetfield, mas a voz dele sai idêntica; a minha não. Além disso, eu hesito, erro e esqueço alguns trechos das letras.

COMENTÁRIOS

Ele se deu – ele se dá – na vida melhor que eu. Mas quem? O Aloísio, ou o meu pai?

O Aloísio foi a pessoa que me apresentou ao Metallica, quando eu tinha 13 anos e ele 14. Recentemente ele se casou. Em breve eu me casarei. No casamento dele, uma mini-orquestra tocou Nothing Else Matters do “Black Album” ou álbum epônimo; creio que ainda seja a banda favorita dele, mas não somos mais pessoas íntimas, então nem tenho interesse em perguntar-lhe ou saber a resposta. Essa música é uma das mais populares da banda, embora muitos “fãs conservadores” do Metallica a detestem. Posso dizer que os gostos musicais do Aloísio e o meu destoam completamente, e que esse é um dos raros pontos de convergência (o Metallica está entre minhas 3 bandas favoritas). Já passei pela fase xiita de odiar tal música; hoje, gosto de todas as fases, e aprendi a apreciar bastante a melancolia passada pelo solo principal, realmente parece que entro na canção. Todavia, mesmo com toda minha evolução pessoal na relação com a banda, ainda estou mais para a apreciação da década de 80 do Metallica (fase áurea endeusada pelos fãs conservadores) e dos momentos mais underground e menos radiofônicos do grupo (o que inclui, paradoxalmente, os 2 últimos trabalhos, mais pesados do que nunca, com faixas de 8 ou 9 minutos que jamais tocariam na programação de uma rádio sem cortes) do que para um fã como o Aloísio (certa vez, ele me disse que a faixa favorita dele era The Outlaw Torn, do contestado Load; e vale lembrar que ele não gosta de nada no heavy metal fora o próprio Metallica).

Assim como nos gostos musicais, na vida eu e o Aloísio não podíamos ser pólos mais opostos. Ele se tornou tudo que eu mais abomino. No entanto, há um componente indisfarçável de inveja na posição que ele ocupa: tendo feito aulas de música e de canto, tendo tido uma banda e sendo um “jovem popular”, ele também cantou em seu casamento; coisa que eu não seria capaz de fazer no meu. Se tornou um advogado, funcionário público, que anda de carrão, pertence literalmente à nata de Brasília. Embora eu quisesse ter sua condição financeira (e esse desejo é retrospectivo: seus pais sempre lhe deram tudo, e eu cresci convivendo com a sovinice do meu pai; ele tinha todos os brinquedos que eu apenas sonhava em ter), confesso que se o preço fosse necessariamente se tornar alguém padrão como ele, não pagaria preço tão alto: a supressão dos traços mais benquistos por mim de minha personalidade. Contestatória, criativa, para resumir em dois termos. O Aloísio é apenas um burguesinho alienado, fã auto-declarado de Jair Bolsonaro e católico que se orgulha da sua educação moral e de suas origens insípidas e medianas (o típico casal pouco inteligente do Plano Piloto, que mima e blinda os filhos). Outra coisa que me deixa fulo com os caminhos que o Destino toma: eu sempre amei o futebol; já trabalhei como jornalista esportivo, sempre escrevi muito sobre o assunto, colecionei figurinhas, vi muitos programas de mesa-redonda na TV, já vi até 55 dos 64 jogos de uma Copa do Mundo (a de 2006)! Mas sou péssimo jogador. O Aloísio tinha um talento para a coisa, e sempre esteve vários e vários degraus acima de mim, tanto que me surpreende que ele não tenha mesmo tentado ou conseguido seguir essa carreira profissional.

Meu pai é outra pessoa que eu tenho, na minha concepção de mundo e de vida, como um contra-exemplo absoluto, alguém que não devo seguir sob nenhum pretexto, em nenhum aspecto, alguém que se possível deve ser invertido ao invés de copiado. Funcionário público aposentado; com talento para o comércio e a administração de empresas. Nasceu no interior do Ceará. Pode-se dizer que ganhou bem a vida, materialmente. Por golpe do destino, trabalhamos no mesmo órgão do governo: ele foi concursado da CAPES no cargo de Analista em C&T entre 79 e 2002. Eu sou atualmente Analista em C&T da CAPES desde 05/2014; depois de ter fracassado nas minhas duas primeiras escolhas profissionais (jornalista; professor).

Certa feita meu pai me perguntou o que eu estava lendo. Era o ano de 2008. Eu estava no segundo semestre do curso de Ciências Sociais. Respondi: Max Weber. Uma leitura muito prazerosa. Ele declarou que aquilo seria a última coisa que ele leria por gosto. Que na Administração foi obrigado a degluti-lo, mas que felizmente esses anos já se haviam passado. E é verdade: somos pessoas antônimas. De certa forma, ele e o Aloísio representam o sucesso material e mundano que eu penso que nunca atingirei. Como funcionário público que detesta suas funções, que não tem muito talento para nada aplicado ou pragmático, enfim, lucrativo, e escritor ainda-não-lido-por-quase-ninguém… Acho que a representação onírica “I” condensa toda essa celeuma muito bem.

II

 

DESCRIÇÃO
Leio um grosso volume, um livro que parece um fascículo de enciclopédia, de capa-dura cor vinho. A ordem é a mesma do mangá: da direita para a esquerda. Parecem listas de recomendação de outras pessoas em termos de livros e CDs de música, mas eu não reconheço um item sequer! Leio o perfil biográfico das pessoas que estão indicando as obras: uma é uma mulher de 38 anos, outra uma adolescente de 16. Intercalados com essas informações, em algumas das páginas, anúncios de jogos de videogame, que me permitem classificar a impressão desse livro no tempo. Uma das propagandas é sobre Starcraft I, edição digital/remasterizada (não lembro). Meu irmão chega em casa e me impede de terminar a leitura. É tarde da noite e eu quero que pensem que estou dormindo. Corro para o banheiro do quarto de empregada com o livro em mãos e me tranco.

CURIOSIDADE PITORESCA
Nunca joguei Starcraft, mas um dos primeiros que joguei foi o Warcraft II, jogo da mesma produtora, a Blizzard, de ambientação medieval e fantástica ao invés de espacial e futurista, como a de Starcraft. Seja como for, Starcraft é um jogo de real-time strategy bastante conhecido dos PCs (e alguns outros consoles). Sua primeira aparição foi na segunda metade dos anos 90. Dei uma googlada e, que coisa!, soube agora que lançarão um Starcraft Remastered esse ano (2017)!

III

 

DESCRIÇÃO

Enquanto urino, percebo que não é mais o meu banheiro. Estou morando no Guará. Esta é a casa do meu tio Nilo, dos meus primos André e Adriano. Parece estar tudo em obras. Não tem piso, azulejo, nada, e o plano é reclinado. Eu lembro com alguma nostalgia: há muito tempo costumava ter nojo desse lugar; agora ele é natural para mim.

Antes que eu termine de urinar aparece um gato branco com manchas marrons ou beges, estranho, deformado. Cara feia, alongado, “torto”, fisicamente absurdo. Pego um cabo de vassoura para enxotá-lo de minha casa (agora o banheiro não é mais um cômodo minúsculo, e parece haver muitos outros aposentos, que em nada lembram minha casa), mas me falta força na mão (sonho muitas vezes que quero socar alguém, e o soco não sai forte – nunca briguei na vida real). O gato é mais rápido do que eu. Há outro bichano, todo branco, mas na perseguição ao primeiro acabo ignorando-o.

COMENTÁRIOS

Meu tio Nilo é pobre. Significa que eu sou pobre agora? Que estou preparado para a pobreza? Meu poder aquisitivo não é o mesmo do meu pai. Ainda moro com ele, mas minha mudança está próxima. Será que é alguma apreensão nesse sentido? Atualmente estou sufocado por gastos [só na releitura percebi a semelhança fonética], principalmente de ordem médica, e tenho insegurança quanto a poder juntar dinheiro daqui para frente. Sobretudo, como detesto meu trabalho, tenho insegurança sobre meu próprio sustento, e o de minha futura família, devido ao meu quadro clínico.

Sobre o gato, ou bichos de estimação ou animais: não está claro o que eles simbolizam para mim, dada a frequência com que aparecem nos meus sonhos. Nunca tive gato ou cachorro. Conheço muitas pessoas que têm gato, que veneram gatos [o Aloísio venera gastos]. A Brenda, minha noiva, não é uma delas. Inclusive, ela tem alergia a pêlo de gato. No entanto, uma vez um gato de rua entrou na casa dela e pareceu se afeiçoar a todos os presentes (só queria comida, no fundo). A amiga da Brenda, Fernanda, tem um gato esquisito, o Nelson, que na verdade é do sexo feminino. Era semelhante ao gato branco de manchas marrons do sonho. Mais do que representar minha superioridade diante de alguém (certamente eu não conseguiria humilhar o Aloísio ou o meu pai num sonho, pois eles têm algo que eu queria ter, por mais que os despreze) – pois o gato não tem como se defender de mim –, uma hipótese que eu avento é: simplesmente vejo fotos e gifs de gatinhos demais ao longo do dia na Internet!

EXCERTOS AGRADÁVEIS DE SEMANÁRIOS

ou …E VIVA O ÓCIO! Vol. II

planeta #525 outubro/2016 ano 44

fleursdeprovence

FESTA PARA OS SENTIDOS

Das praias da Côte d’Azur aos Alpes, a Provença, no sul da França, tem uma formidável galeria de paisagens para encantar os visitantes, enriquecida pelos perfumes da lavanda e pelos sabores únicos de sua culinária e de seus vinhos

Por Luis Pellegrini

É fácil entender por que tantas pessoas, de imperadores romanos a estrelas de Hollywood, deixaram-se seduzir pela Provença (Provence, em francês) a ponto de abandonar tudo e compulsivamente comprar uma casa nessa região do sul da França. São em geral pessoas de temperamento artístico, cuja alma sensível ficou intoxicada pela beleza da paisagem e pelos muitos charmes desse jardim do Éden que começa nas praias da Côte d’Azur mediterrânea e vai até o sopé das montanhas dos Alpes.

(…)

REGIÃO DISPUTADA

A Provença foi a primeira província romana fora da Itália, e essa é a origem do seu nome. Após a queda de Roma, ela foi disputada por vários povos conquistadores, francos, sarracenos, senhores feudais, sendo finalmente dividida entre o reino da França e o papado. (…) o vaivém da política, dos exércitos e das guerras deu a esse povo a convicção de que não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe. (…)

          Avignon foi sede da Igreja Católica Romana de 1309 a 1377, depois que o papa Clemente V deixou Roma devido às lutas pelo poder no seio da Igreja. Seu Palácio dos Papas é uma cidade dentro da cidade. Leva-se um dia inteiro para visitá-lo sem pressa, e fazê-lo é mergulhar em ambientes da Idade Média que chegaram intactos até os nossos dias.

(…) Edificadas ao longo da Idade Média, são cidadelas quase inexpugnáveis, onde as construções se espremem aproveitando cada espaço disponível, muitas vezes à beira de precipícios espantosos.

(…)

          Jogo de desafio e de honra, de prática exclusivamente masculina, a pétanque é uma partida de arremesso de bolas metálicas similar à bocha italiana. Os torneios são realizados em toda parte, ao ar livre, diante de um público gozador que não perde o menor lance para arremessar chistes, piadas e impropérios aos jogadores menos afortunados.

          Aos domingos, depois da pétanque, começa o ritual do almoço provençal. O aioli é o prato oficial dessas reuniões de amigos e familiares, sobretudo no verão. É feito de peixes, frutos do mar e legumes cozidos e comidos com um molho cremoso à base de alho, azeite de oliva e várias especiarias regionais. O aioli pode ser substituído [Bela Gil mode on?] pela adola, a carne de panela à provençal, outro prato muito popular. Ou pela bouillabaisse, sopa que se prepara com peixes de água doce e temperados com azeite de oliva, cebola, alho-poró, alho, tomates sem pele e sem sementes, plantas aromáticas e especiarias (foto).

(…)

bouilla

RESPEITO À TERRA

Há dicionários inteiros dedicados aos vinhos provençais. Só a lista dos melhores Côtes de Provence, Côtes du Rhône, Château-neuf-du-Pape e do supercélebre Bandol ocuparia muitas páginas. (…)”

* * *

O TRABALHO REVISTO

Trabalhar precisa ser duro e penoso ou deve ser um suporte para a realização pessoal? Esse debate estava presente no texto a seguir, parte de um exercício de futurologia do francês Patrick Ravignant sobre grandes problemas da humanidade publicado em PLANETA 3, de 1972

(…)

meramenteilustrativo

Retomando a idéia do pecado original, que condena o homem a trabalhar com o suor do seu rosto, a sociedade industrial erigiu, ou tenta erigir, o trabalho como objetivo supremo da existência e lança contra a ociosidade a pior das condenações. A maior parte das pessoas considera hoje que o trabalho é o destino natural do homem, e esse trabalho deve ser duro, cansativo, penoso.

(…) Não é, como se pretendeu muitas vezes, o aspecto monótono do trabalho que gasta e consome o indivíduo. O trabalho é destruidor no plano psicológico quando utiliza uma pequeníssima parte das faculdades humanas, isto é, quando o indivíduo, incapaz de explorar o conjunto de suas aptidões, termina por atrofiá-las e destruí-las. O artista ou cientista, que nos seus trabalhos exerce a maior parte de suas faculdades, raramente considera suas tarefas penosas ou cansativas. Os momentos mais difíceis são também os mais estimulantes.

(…) De fato, todo homem procura uma atividade que lhe permita desenvolver o conjunto de suas funções psicofisiológicas. Se essa atividade coincide com um meio de subsistência, tanto melhor. O essencial, porém, não é a subsistência, mas a realização do indivíduo. (…)

Todos os homens, mesmo os mais iletrados, ao contemplarem um crepúsculo ou sonhar diante de um céu estrelado, interrogam-se sobre a finalidade da existência. (…) Os dirigentes atuais, contudo, não tomam nenhuma providência para que o lazer, no futuro, não se torne um fator geral de padronização, ou de tédio mortal, fonte de todas as neuroses.”

HISTORY OF THE ROMANS UNDER THE EMPIRE – VOL. VII: Subterfúgio: Polêmicas Judias

Reverendo Charles Merivale

 

(pente fino no capítulo sobre a destruição de Jerusalém sob Tito; circa p. 237)

 

At. 19:13-17: “Ora, também alguns dos exorcistas judeus, ambulantes, tentavam invocar o nome de Jesus sobre os que tinham espíritos malignos, dizendo: Esconjuro-vos por Jesus a quem Paulo prega. E os que faziam isto eram sete filhos de Ceva, judeu, um dos principais sacerdotes. Respondendo, porém, o espírito maligno, disse: A Jesus conheço, e sei quem é Paulo; mas vós, quem sois? Então o homem, no qual estava o espírito maligno, saltando sobre eles, apoderou-se de dois e prevaleceu contra eles, de modo que, nus e feridos, fugiram daquela casa. Isto tornou-se conhecido de todos os que moravam em Éfeso, tanto judeus como gregos”

 

“The extreme party now reigned unresisted in Jerusalem. Jehovah, they proclaimed, had manifestly declared Himself on their side. Judea stood once more erect and independent, and invited her children dispersed throughout the world to fulfil, by a common effort, her imperial destiny. But in Rome they had been crushed; in Alexandria they were baffled; Nero had cajoled Vologesus, and engaged him to control their movements in Ctesiphon and Seleucia; the summons of the patriots met, it seems, with no response beyond the confines of Palestine, and the army of Titus confronted in closed lists the defenders of the city of David.”

Mt. 24:15-21: “Quando, pois, virdes estar no lugar santo a abominação de desolação, predita pelo profeta Daniel (quem lê, entenda), então os que estiverem na Judéia fujam para os montes; quem estiver no eirado não desça para tirar as coisas de sua casa, e quem estiver no campo não volte atrás para apanhar a sua capa. Mas ai das que estiverem grávidas, e das que amamentarem naqueles dias! Orai para que a vossa fuga não suceda no inverno nem no sábado; porque haverá então uma tribulação tão grande, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem jamais haverá.”

“While the chiefs of the Roman army were occupied with manoeuvres for securing the empire, the leaders of the Jews were actively engaged in plotting against each other. The Zealots, in the moment of victory, were split into three factions. (…) John and Simon might dispute the superiority in numbers and equipment; but the stronghold of Eleazar was regarded by the Romans as the real citadel of Jerusalem. After many open attacks and secret stratagems, John contrived to assassinate this powerful rival, and obtained possession of the whole Temple with the eminence on which it stood.”

Nota de rodapé p. 226: o Mito de Sião – nunca houve uma Cidade Sagrada, metafórica, “mesal”. Tratava-se da colina mais alta da orla montanhosa de Jerusalém. Citado em Macabeus, mas nunca, de novo, em Josephus[?] ou no Novo Testamento. “The temple of Jerusalem, planted nearly on the southern extremity of this second hill, was completely overlooked by Zion, and also by the fortress Antonia, with which Herod protected it on its northern flank.”

[?] Fariseu contemporâneo (séc. I d.C.) do cerco e que “virou a casaca” depois de uma carreira pregressa como agitador (//Paulo). Teria deixado relatos históricos sobre os eventos em que ele próprio participou (consultados no original em grego por Merivale), tentando dissuadir as duas lideranças rebeldes remanescentes até o fim do cerco.

“Acra, or Moriah, as it has been called by a vulgar error, might thus represent the Capitoline, and Zion the Palatine at Rome: the depression between them, crossed by a bridge or causeway, was thronged with the dwellings of the lowest classes, and occupied the place of the Velabrum or the Suburra.”

“The hill of Zion was almost a perfect square: but Acra, more oblong in shape, overlapped it considerably to the north-east, and in the rectangle between them, a third hill, to which we may give the name of Calvary, rose a little lower than the one, and as much higher than the other. The venerable tradition which assigns this spot for the place of our Lord’s crucifixion, and has consecrated it with the existing church of the Holy Sepulchre, may be accepted with reasonable confidence. At the date of the Crucifixion it stood outside the walls; but Herod Agrippa undertook to enclose it, together with a large suburb to the north, in a third line of defences. Bezetha, or the New City, for so it was denominated, embraced an area towards the north and north-east, fully equal to all the rest of Jerusalem together.”

Trecho destacado por El Hayek: “The circuit of these exterior defences may have measured about four miles, and the ordinary population could scarcely amount to 200,000; but this number was vastly increased on occasion of the great festivals when the Jews thronged to their national temple from all quarters. (…) Tacitus estimates at 600,000 the number enclosed within the walls at the period of the siege; and this estimate, great as it is compared with the extent of accommodation, is far less than what we might infer from certain statements of Josephus. Eusebius states the number roundly at 3,000,000 (Hist. Eccl. iii. 5.), from a passage in Josephus” Segundo o mesmo Jos., essa prévia do Holocausto matou 1 milhão de judeus, número reputado como absurdo.

 

“The perseverance with which Titus renewed his elaborate constructions after every failure was not less eminent than the fortitude of John and Simon.” “The siege had already lasted three months. Seven days were now employed in the destruction of the citadel, one wing only being reserved as a watchtower. All the buildings round it were thrown down to make room for the works required for the attack on the Temple, and the Lower City was at the same time demolished. Titus had now relaxed from his earlier severity. Large numbers of the population received their lives on submission, while the more desperate fled for refuge to the Temple and to Mount Zion.” um monte sagrado, um monte de mentiras

“Josephus addressed them, like the Assyrian of old, in the Hebrew language that all might understand him; but John, perceiving (so at least Joseph us assures us) the impression he was making, sternly interrupted him, declaring that they had nought to fear, for Jerusalem was the Lord’s, and the Lord would protect it.”

Profético (prefácio do “show de 6 milhões”): “Hundreds of the Jews perished in this storm of fire.” 70 d.C. apud Hayek apud AGUIAR (2017). Titus ou Tito teria sido clemente e tentado até o último esforço do cansativo cerco salvar o Templo, mas ele terminou incendiado graças à teimosia judia e à imperícia e codícia dos soldados romanos, que viram no incêndio a única possibilidade de dar um fim à resistência inesgotável dos fanáticos e foram “hipnotizados” pelo ouro dos adornos templares: “Titus looked back with a sigh, but made no further attempt to save it [o Tabernáculo]. He withdrew despondingly from the spot, and the divine decree was accomplished.” “The Jewish chronicler [Josephus] exhausts all his rhetoric in describing the horrors of the scene he had himself witnessed from the camp of the victors. The hill of the Temple was enveloped in a sheet of flame, and the whole city seemed to be involved in a general conflagration. The shouts of the conquerors, the shrieks of the victims, the groans and howls of a nation of spectators in the streets and on the hills surrounding Jerusalem, surpassed all horrors recorded or imagined.”

“A few unarmed priests, who had cowered among the ruins of the Temple, had just before descended, pressed by hunger, and thrown themselves on his mercy [Tito]; they had been led straightway to execution, with the brutal sarcasm that those who live by the altar should perish with the altar.” E os sacerdotes restantes, já vencidos, mas que não davam o braço a torcer, enfureceram o paciente Tito, que ordenou que Jerusalém inteira fosse deitada abaixo.

Apocalypse Yesterday: teria sido num 2 de setembro.

“Depois que o censo dos civis sobreviventes terminou, os velhos e imprestáveis foram atravessados a sangue frio pelo fio da espada. Os mais altos e mais formosos foram escolhidos a seguir para honrar o triunfo do conquistador; do restante, todos acima de 17 anos foram levados como cativos para o Egito, ou condenados a lutar contra feras nos teatros de Antioquia e Cesaréia. Todas as crianças foram vendidas como escravos.” “While John was granted his life, and kept without public disgrace in perpetual confinement, Simon was reserved for the special ornament of the triumph, for ignominy, and for death.”

“Diz-se que Jerusalém foi tomada 17 vezes – mas ela foi destruída e liquidada unicamente por Nabucodonosor e Tito. O de Tito foi apenas o sexto saque.” Foi a chegada ao trono mais triunfal das 320 registradas até então em Roma.

“The residence of Titus at Berytus, and again at Caesarea, was marked by bloody shows in the circus, where he solemnized the birthdays of his father [imperador Vespasiano] and brother with the slaughter of multitudes of Jewish captives. From thence he returned to witness the completion of his instructions with regard to Jerusalem, and, leaving the Tenth legion in garrison on the spot, carried with him the Fifth and Fifteenth into Egypt.”

 

“With the reduction of Palestine the consolidation of the empire was completed. From the Mersey to the Dead Sea no nation remained erect, and the resistance of the last free men on her frontiers had been expiated with their blood. The overthrow of Judea, with all the monuments of an ancient but still living civilization, was the greatest crime of the conquering republic. It commenced in wanton aggression, and was effected with a barbarity, of which no other example occurs in the records of civilization. Jerusalem shared the fate of Tarquinii and Corinth; but the Romans, stalking amongst the ruins of Zion, seemed unconscious that they had annihilated a nation more important in the history of the world than Etruria, or even than Greece. Yet not altogether annihilated. The homeless Jews, scattered, as captives or fugitives, more widely than ever, bore throughout the empire and beyond it the seeds of the law delivered from Sinai, the fortitude which neither Egyptian, nor Syrian, nor Roman could bend or break, the hopes which delay had not extinguished, the maxims which patriarchs and prophets had revered.”

A ÚLTIMA TIA

Hoje tanto faz

Constatar que não há irmão, irmã de pai meu que não seja burro, incapacitado

Mas quando descobri, foi um choque

Todos os antigos amigos descartados

Aqueles que brincam contigo,

porque és criança, fofa, reluzente, a todos agrada

Vão minguando com o passar dos anos

Uma ou duas respostas truculentas e adolescentes

bastam para que virem-te as costas

permanentemente

Então sobram uma, duas ou três

entidades

Uma que se isolou, não que se importe

Outra que se endividou, depois reapareceu

pedindo dinheiro, não tem interesse

no teu âmago verdadeiro

Mas ficava a (falsa?) lembrança de uma tia

que te reconhecia

que sabia que tu eras uma criança

especial, ainda na fase adulta

Quando finalmente tua tia risonha e afável

abre a boca para falar de terceiros

sem demagogia

do teu país, do que é o brasileiro

com sinceridade,

Vês que passaste deslumbrado e tolo esta segunda idade

Melhor é envelhecer e esquecer que já tiveste parentes

pois os mais promissores são maior flagrante

que bocas se deleitando na sarjeta

Não são nada, são um aborto,

um não-potencial

Escória nascida de avós com quem nunca

simpatizaste

E eis que

revelam sua real e cruda natureza

a de animais auto-empaláveis

sempre se crucificando com novas cruzes

que eles mesmos carpem

AH, Carpe diem! Em Cristo

Pelo pai, pelo tio, pela tia

Mas nem em Espírito!

Afasta de mim esse FALE!

Na festa dos embriagados corneteiros

Tu és o calado, único sábio,

Enquanto os palhaços do século dos sofistas são endeusados

teu posto é relegado

Até nunca!

Tu és órfão em segundo grau,

Não és semente desta jeira,

ultrapassaste todo o adubo

Bastardo, diante de teu sangue

Milagre inexplicável

Único

Só te lembra:

tu também os decepcionaste,

ah, oh! uh! urticária, só de imaginar…

– que trastes!

 

Avante!,

há famílias nascidas dos encontros casuais

com força maior que a de galhos apodrecidos

equiparável ao diamante