TROILUS AND CRISEYDE

Geoffrey Chaucer

tudo que é bom tem que acabar!…”

DIC – y-wis: your wish (abreviado de “as you wish”, “as is your wish I will do it”…) (or “I wish”??); OU and wish; OU AINDA I/you know (raiz wissen).

triste: trust

sith, sin: since

yvel: evil

oon: one

heed: head

rede: read

agoon: ago

sone: son or soon

sonne: sun

seyn: say

wot: know

list: deseja, de desejar, raiz em Lust, do Alemão

coveityse: covetousness

anoon: anew

syk: sigh

seche: seek

thurgh: through

asper: harsh, rough

ayein: again

Iupertye: jeopardy

yeve: give

swich: sweet

meynee: mind

han: have

cas: case

stent: to stand

blissed: blessed

Ther: when

Thilke: that

ilke: the previous

Troilus, filho de Príamo, Rei de Tróia.

But nathelees, if this may doon gladnesse

To any lover, and his cause avayle,

Have he my thank, and myn be this travayle!”

And for to have of hem compassioun

As though I were hir owene brother dere.

Now herkeneth with a godeentencioun,

For now wol I gonstreight to my matere,

In whiche ye may the double sorwes here

Of Troilus, in loving of Criseyde,

And how that she forsook him er she deyde.”

And in order to have of them compassion

As though I were her own dear brother.

Now harken with a good intent,

For now will I go straight to my matter,

In which you may the double sorrows hear

Of Troilus, in loving of Criseyde,

And how she forsook him before she died.”

Eleyne

Now fil it so, that in the tounther was

Dwellinge a lord of greet auctoritee,

A gret devyn that cleped was Calkas,

That in science so expert was, that he

Knew wel that Troye sholde destroyed be,

By answere of his god, that highte thus,

Daun Phebus or Apollo Delphicus [fogo].”

Me devoram o Tédio e su’Apavorante Mania

Voraz como deve sempre esse Demônio da Tazmânia

Now hadde Calkas left, in this meschaunce,

Al unwist of this false and wikked dede,

His doughter, which that was in gret penaunce,

For of hir lyf she was ful sore in drede,

As she that niste what was best to rede;

For bothe a widowe was she, and allone

Of any freend to whom she dorste hir mone.”

Now had Calkas left, in this mischance,

All unaffected by this false and wicked deed,

His daughter, which that was in great penance,

For of her life she was full sore in dread,

As she who knows not what direction it was better go;

For both a widow was she, and alone

Of any friend to whom she could do her mourn.”

Griselda, filha de Caucas, o Foragido Traidor.

Nas noon so fair, for passing every wight

So aungellyk was hir natyf beautee,

That lyk a thing immortal semed she,

As doth an hevenish parfit creature,

That doun were sent in scorning of nature.”

There was none so fair, for passing every being

So angelic was her native beauty,

That like a thing immortal seemed she,

As does a heavenly perfect creature,

That down was sent in scorn of nature.”

This lady, which that al-day herde at ere

Hir fadres shame, his falsnesse and tresoun,

Wel nigh out of hir wit for sorwe and fere,

In widewes habit large of samit broun,

On knees she fil biforn Ector a-doun;

With pitous voys, and tendrely wepinge,

His mercy bad, hir-selven excusinge.”

This lady, which that all-day heard about

Her father’s shame, his falseness and treason,

Well-nigh out of her wit for sorrow and fear,

In widows habit large of samit[?] brown,

On knees she fell down before Hector;

With piteous voice, and tenderly weepings,

His mercy she bided, excusing herself.”

Fight fear we fear

Ioie, o arcano Jove, rima com Troye (Tróia) e Ioye (alegria).

But whither that she children had or none,

I read it not; therefore I let it be gone.”

For it were a long digressioun

Fro my matere, and yow to longe dwelle.

But the Troyane gestes, as they felle,

In Omer, or in Dares, or in Dyte,

Who-so that can, may rede hem as they wryte.”

…E É CHEGADA A PRIMAVERA AUSTRAL… [Vv. 155-61]

And so befell, when came was the time

Of April, when clothed is the meed

With new green, of lusty Ver [spring] the pryme[prime?],

And sweet smelling flowers white and red,

In sundry ways showed, as I read,

The folk of Troy her observances old,

Palladiones fest for to [foreto?] hold.”

but nathelees

Right as our firste lettre is now an A,

In beautee first so stood she, makelees;

Hir godly looking gladede al the prees.”

but nonetheless

So as our first letter is now an A,

In beauty first so stood she, meekly;

Her godly looking satisfied all tastes.”

For ever it was, and ever it shal bifalle,

That Love is he that alle thing may binde;

For may no man for-do the lawe of kinde.”

And they that han ben aldermost in wo,

With love han ben conforted most and esed”

With-inne the temple he wente him forth pleyinge,

This Troilus, of every wight aboute,

On this lady and now on that lokinge,

Wher-so she were of toune, or of with-oute:

And up-on cas bifel, that thorugh a route

His eye perced, and so depe it wente,

Til on Criseyde it smoot, and ther it stente.”

Lo, he that leet him-selven so konninge,

And scorned hem that loves peynes dryen,

Was ful unwar that love hadde his dwellinge

With-inne the subtile stremes of hir yen;

That sodeynly him thoughte he felte dyen,

Right with hir look, the spirit in his herte;

Blissed be love, that thus can folk converte!”

And of his song nought only the sentence,

As writ myn autour called Lollius,

But pleynly, save our tonges difference,

I dar wel sayn, in al that Troilus

Seyde in his song, lo! every word right thus

As I shal seyn; and who-so list it here,

Lo! next this vers, he may it finden here.

Cantus Troili.

<If no love is, O god, what fele I so?

And if love is, what thing and whiche is he!

If love be good, from whennes comth my wo?

If it be wikke, a wonder thinketh me,

Whenne every torment and adversitee

That cometh of him, may to me savory thinke;

For ay thurst I, the more that I it drinke.

(…)

Allas! what is this wonder maladye?

For hete of cold, for cold of hete, I deye.>

sixty times a day he lost his hue.”

But for non hate he to the Grekes hadde,

Ne also for the rescous of the toun,

Ne made him thus in armes for to madde,

But only, lo, for this conclusioun,

To lyken hir the bet for his renoun;

Fro day to day in armes so he spedde,

That alle the Grekes as the deeth him dredde.”

Troilus, o Macho Alfa Arrependido:

Lo, ther gooth he,

That is the man of so gret sapience,

That held us lovers leest in reverence!

Now, thonked be god, he may goon in the daunce

Of hem that Love list febly for to avaunce!”

Thy lady is, as frost in winter mone [moon],

And thou fordoon, as snow in fyr is sone.”

God wolde I were aryved in the port

Of deth, to which my sorwe wil me lede!

A, lord, to me it were a gret comfort;

Than were I quit of languisshing in drede.

For by myn hidde sorwe y-blowe on brede”

Al was for nought, she herde nought his pleynte”

Wol thee disese, and I mot nedes deye;

Ther-for go wey, ther is no more to seye.”

Pândaro, o amigo de angústias compartilhadas:

Ne do thou never swiche a crueltee

To hyde fro thy freend so greet a care;

Wostow nought wel that it am I, Pandare?”

Woeful, Allas, that’s bizarre!

I have, and shal, for trewe or fals report,

In wrong and right y-loved thee al my lyve;

Hyd not thy wo fro me, but telle it blyve.”

to ben slayn it were a gretter Ioye

To me than king of Grece been and Troye!”

but be thou in gladness,

And let me starve, unknown, of my distress.”

A fool may eek a wys man ofte gyde.”

Ne no man may be inly glad, I trowe,

That never was in sorwe or som distresse”

There is no man that may be inwardly glad, I trouve,

That never was in sorrow or some distress”

Phebus, that first fond art of medicyne,

Quod she, <and coude in every wightes care

Remede and reed, by herbes he knew fyne,

Yet to him-self his conning was ful bare;

For love hadde him so bounden in a snare,

Al for the doughter of the kinge Admete,

That al his craft ne coude his sorwe bete.>”

And yet, paraunter, can I rede thee,

And not my-self; repreve me no more.”

preve of trouthe” prouve of truth

Men say, <Too wretched is consolation

To have another fellow in his pain>”

Yet Troilus, for al this, no word seyde,

But longe he ley as stille as he ded were;

And after this with sykinge he abreyde,

And to Pandarus voys he lente his ere,

And up his eyen caste he, that in fere

Was Pandarus, lest that in frenesye

He sholde falle, or elles sone dye”

Seja otimista, ô romântico sangrento!:

How wostow so that thou art gracelees?

Swich yvel is nat alwey botelees.

Why, put not impossible thus thy cure,

Sin thing to come is ofte in aventure.

I graunte wel that thou endurest wo

As sharp as doth he, Ticius, in helle,

Whos stomak foules tyren ever-mo

That highte volturis, as bokes telle.”

But lyest as he that list of no-thing recche.

What womman coude love swich a wrecche?”

But listened he as he that listens nothing.

What woman could love such a wretch?”

The wretch is dead, the devil has his bones!”

Allas! What is me best to do?”

Fortunato Rodado:

For wel finde I that Fortune is my fo,

Ne alle the men that ryden conne or go

May of hir cruel wheel the harm withstonde”

To Cerberus in helle ay be I bounde,

Were it for my suster, al thy sorwe,

By my wil, she sholde al be thyn to-morwe.”

To Cerberus in hell may I be bound,

Were it for my sister, all thy sorrow,

By my will, she should be all thine tomorrow.”

Ainda que para Cérbero eu esteja destinado,

Se teu pesar fosse por minha irmã causado,

No que dependesse de mim, amanhã ela tua seria.”

Now beet thy brest, and sey to god of love,

<Thy grace, lord! For now I me repente

If I mis spak, for now my-self I love:

Thus sey with al thyn herte in good entente.>”

And also bliss is next the fine of sorrow.”

Cavaleiro pré-resignado:

Be lusty, free, persevere in thy service,

And all is well, if thou workest in this wise.”

Wo was that Greek that with him mette that day.”

O lady myn, that called art Cleo,

Thou be my speed fro this forth, and my muse,

To ryme wel this book, til I have do;

Me nedeth here noon other art to use.

For-why to every lovere I me excuse,

That of no sentement I this endyte,

But out of Latin in my tonge it wryte.

Wherfore I nil have neither thank ne blame

Of al this werk, but prey yow mekely,

Disblameth me if any word be lame,

For as myn auctor seyde, so seye I.

Eek though I speke of love unfelingly,

No wondre is, for it no-thing of newe is;

A blind man can nat Iuggen wel in hewis.”

In May, that moder is of monthes glade,

That fresshe floures, blewe, and whyte, and rede,”

In May, that mother is of months glad,

That fresh flowers, blue, and white, and red,”

<(…)To harken of your book you praise thus;

For God’s love, what said it? tell it us.

Is it love? Oh, some good you teach me!>

<Uncle,>, quoted she, <your mistress isn’t here!>

With that they went laughing, and though she said,

<This romance is of Thebes, that we read;

And we had heard how that king Laius died

Through Edippus his son, and all that deed;

And hear we steady at these letters read,

How the bishop, as the book can tell,

Amphiorax, fell through the ground to hell.>”

It set me well better in a cave

To bide, and read on holy saints lives;

Let maidens go to dance, and young wives.”

is than the siege away?

I am of the Greeks, so fear that I die.”

IS LOVE A VICE?

That is to mean, [H]Ector and Troilus,

That certainly, though that I should die,

They are as void of vices, dare I say,

As any men that lived under the sun,”

There was no cry but <Troilus is there!>

Now here, now there, he hunted them so fast,

There was but Greeks blood; and Troilus,

Now them he hurt, and them all down he cast.”

For, niece, by the goddess Minerve,

And Juppiter, that makes the thunder ring,

And by the blissful Venus that I serve,

You’ve been the woman in this world living,

Without paramours [amantes], to my witting,

That I best love, and least am to grieve,

And that you wishing well yourself, I leave.”

This false world, allas! Who may it love?”

Right for this fine [or fin, end?]? Oh, Lady mine, Pallas!

Thou in this dreadful case for me purvey [supply, help, succour];

For so astonished am I that I die!”

Allas, Pallas, All as before, as soon as Thou shall not fall!

Might he yet live, of me is nought to reach.”

That may my goost departe awey fro thee,

Thou be my sheld, for thy benignitee.”

That may my ghost depart away from thee,

Thou be my shield, for thy benignity.”

This was a sodeyn love; how mighte it be

That she so lightly lovede Troilus

Right for the firste sighte; ye, pardee?”

Now was hir herte warm, now was it cold,

And what she thoughte somwhat shal I wryte,

As to myn auctor listeth for to endyte.”

Men mighten deme that he loveth me;

What dishonour were it un-to me, this?

May I him lette of that? Why nay, pardee!

I knowe also, and alday here and see,

Men loven wommen al this toun aboute;

Be they the wers? Why, nay, with-outen doute.”

I am my own woman, well at ease,

I thank it God, as after mine estate;

Right, young, and astounded untied in lusty lies,

Without jealousy or such debate;

Shall no husband say to me <Checkmate!>”

What, par dieux! I am nought religious!

And though that I mine heart set as rest

Upon this knight, that is the worthiest,

And keep away mine honor and my name,

Be all right, it may do me no shame.”

A cloudy thought gan thorugh hir soule pace,

That over-spradde hir brighte thoughtes alle,

So that for fere almost she gan to falle.”

Thereto we wretched women nothing can,

When ours is woe, but weep and sit and think;

Our wretch is this, our own woe to drink.”

MALDADE DA PEDRA

A pedra não é má,

Mas quebra o aquário,

ó Cabeça-de-Afresco!

Peixe dentro d’Água salada,

És tu, vítreo e ferrenho;

E de Deus a essência

estás tão perto quanto do aço

O Vitral partido em pedaços.

* * *

What is so worse

[if] a man, for faiblesse of eye,

May not endure to see it, [so] bright?

Is Love anything worse

if the wretched cry on [about] it?

Nenhum bem é digno que não traga males.”

So goodly was, and gat him so in grace,

That ech him lovede that loked on his face.

For he bicom the frendlyeste wight,

The gentileste, and eek the moste free,

The thriftieste and oon the beste knight,

That in his tyme was, or mighte be.

Dede were his Iapes and his crueltee,

His heighe port and his manere estraunge,

And ech of tho gan for a vertu chaunge.”

A nightingale, upon a cedre grene,

Under the chambre-wal ther as she lay,

Ful loude sang ayein the mone shene,

Paraunter, in his briddes wyse, a lay

Of love, that made hir herte fresh and gay.

That herkned she so longe in good entente,

Til at the laste the dede sleep hir hente.”

Freend, shal I now wepe or singe?”

And in hir bosom the lettre doun he thraste”

<For trewely I nil no lettre wryte.>

<No? than wol I,> quod he, <so ye endyte.>”

And Troilus he found alone at bed,

That lay as do these lovers, in a trance,

Betwixt hope and dark despair.”

Right so encrees hope, of what it be,

Therwith ful ofte encreseth eek desyr”

though she bende, yet she stant on rote;

What in effect is this un-to my bote?”

What wolt thow seyn, if I for Eleyne sente

To speke of this? I trowe it be the beste;

For she may leden Paris as hir leste.”

But flee we now prolixitee best is,

For love of god, and lat us faste go

Right to the effect, with-oute tales mo,

Why al this folk assembled in this place;

And lat us of hir saluinges pace.

But flee we now prolixity best is,

For love of god, and let us fast go

Right to the effect, without tales more,

Why all this folk assembled in this place;

And let us of her savings pace.

Up-on hir fo, that highte Poliphete,

So heynous, that men mighte on it spete.”

Answerde of this ech worse of hem than other,

And Poliphete they gonnen thus to warien”

Slay not this man, that had for you this pain!

Não comova este homem, que sofreu por ti dor tamanha!”

And though ye wolde han after merye dayes,

Than dar ye nought, and why? For she, and she

Spak swich a word; thus loked he, and he;

Lest tyme I loste, I dar not with yow dele

Com of therfore, and bringeth him to hele.

And though ye would have after merry days,

Than dare ye nought, and why? For she, and she

Speak such a word; thus looks he, and he;

Lest time I lose, I dare not with you deal

Come of therefore, and bring him to heal.

she was wys, and lovede him never-the-lasse,

Al nere he malapert, or made it tough,

Or was to bold, to singe a fool a masse.

But whan his shame gan somwhat to passe,

His resons, as I may my rymes holde,

I yow wole telle, as techen bokes olde.

she was wise, and loved him nevertheless,

All near he malapertly did, or made it tough,

Or was too bold, to sing a fool a mass.

But when his shame gained somewhat to pass,

His reasons, as I may my rhymes hold,

I will tell ya, as taught books old.

But nevertheless, this warn I you,

A king’s son although you be,

You shall no more have sovereignty

Of me in love, than right in that case is;

And never I’ll forbear, if you’ve done a mis’,

To abhor you; and while alike you serve me,

Cherish you I’ll, right as you deserve.”

When every wight was voided but they two,

And all the doors were fast and shot,

To tell in short, without words more,

This Pandarus, without any late,

Up arose, and on his bed’s side he sat,

And gained to speak in a sober wise”

Welawey! The day that I was born!”

Well away. Longe de mim tal dia!

Inda bem que já passou

esta maldi(c)ção!

And, if I lie, Achilles with his spear

My heart cleave, although were my life eternal,”

In wretchedness, in filth, and in vermin,

Captive to cruel king Agamemnon”

And that thou hast so muche y-doon for me,

That I ne may it never-more deserve,

This knowe I wel, al mighte I now for thee

A thousand tymes on a morwen sterve.

I can no more, but that I wol thee serve

Right as thy sclave, whider-so thou wende,

For ever-more, un-to my lyves ende!”

And that thou hast so much thou’st done for me,

That I may it nevermore deserve,

This know I well, all might I now for thee

A 1,000 times on a morrow starve.

I can no more, but that I will thee serve

Right as thy slave, wherever thou went,

Forever, until my life’s end!”

I have my faire suster Polixene,

Cassandre, Eleyne, or any of the frape;

Be she never so faire or wel y-shape,

Tell me, which thou wilt of everichone”

I have my fair sister Polixene,

Cassandra, Helene, or any of the crop [?];

Be she never so fair or well your shape,

Tell me, which thou will of everyone”

Eu tenho minha bela irmã Políxena,

Cassandra, Helena, ou qualquer uma da safra;

Se nenhuma delas for do seu feitio ou da sua graça;

Diga-me, qual dentre todas quer você”

This was his life; with all his full might,

By day he was in Mars’ high service,

This is to say, in arms as a knight;

And for the most part, the long night

He laid, and thought how that he might serve

His lady better, her thanks deserving.”

But never would I swear, although that he laid soft,

That in his thoughts he wasn’t somewhat diseased,

Neither that he did not turn on his pillows oft’,

Nor that ‘cause of this his guilt would’ve been ceased;

But in such cases men is not always pleased,

Nothing more could I tell of him;

At least nothing that I could conceive.”

But O, Fortune, executrice of wierdes,

O influences of thise hevenes hye!

Soth is, that, under god, ye ben our hierdes,

Though to us bestes been the causes wrye.”

<Now, niece mine, you should well understand>,

Quoted Pandarus, <so as you women deem all,

That for to hold in love a man in hand,

And he her ‘life and ‘dear heart’ call,

And make him half above a call,

I mean, as love another in this while,

She does herself a shame, and him a guile.>”

Now if he knows that joy is transitory,

As every joy of worldly thing most flee,

Than every time he that had in memory,

The dread of losing made him that he

May in no perfect silliness be.”

Quando o maniqueísmo tolo infecta a riqueza de matizes pagãos…

I hope all shall be well that is amiss,

For you may quench all this”

But well I know, that you will not do so;

You are too wise to do so great folly,

To put his life all-night in jeopardy.”

Discretion out of your head is gone;

That feel I now, and that is rough [harsh];

O time you’ve lost, well may you curse sloth!”

But O, Thou Jove, O author of nature,

Is this an honour to thy deity,

That folk unguilty suffered here injury,

And who that guilty is, all quiet goes he?”

All my woe is this, that folk now use

To say right thus, <Ye, jealousy is love!>

Ah, meu pesar é esse, que a gente agora sói

Dizer bem assim, <P’s-é, ciúmes são amor!>”

of a full misty morrow

Follows full often a merry summer’s day;

And after winter followed green May.”

EMADOAMORBIPO

catatôniqueufóricüanêmicüemfrenesi

Men moste drinke, as men may often see,

Ful bittre drink; and for to han gladnesse”

Her arms small, her straight back and soft,

Her sides long, fleshly, smooth, and white

(…)

Her snowish throat, her breasts round and light;

Thus in this heaven she gained him to delight,

And therewithal a thousand times her kissed”

Away, thou foul danger and thou fear,

And let them in this heaven bliss dwell,

That is so high, that all o’ it can’t I tell!”

Sabe deus, a Verdade dói demais, se demora a conseguir,

Como pudeste tu sem corda ou corrente me aprisionar?”

But when

Lucifer, the day’s messenger,

Gained for to rise, and out her beams threw;

And eastwards rose…”

O night, allas! Why won’t you over us hove,

As long as when Alcmena lays by Jove?” (*)

(*) “Durante três dias consecutivos, Apolo, a pedido do pai, não percorreu o céu com o carro do sol, e durante essa longa noite, o deus dos deuses amou ardentemente Alcmena.”

A noite escura, como a gente lê nos livros,

Moldada pelos deuses para ocultar este mundo,

Em certos momentos, com seu negro véu,

A fim de que o homem sob o manto descansar consiga,

A noite escura, tão censurada,

Tem seu lado claro, por certo,

Pois enquanto o sol a pino o fôlego nos arranca com trabalhos,

Assim que tu voas com teu véu, não podemos descansar!

Saudade, logo, dá do teu propiciado repouso.

Envious day, what desirest thee to spy?

What hast thou lost, why seekest thou this place,

That god thy light so quench, for his grace?”

Thou art the pine of hell

For many a’lover

Thy pouring in will nowhere let them dwell!”

First shall Phoebus fall from his sphere,

And every eagle be the doves fear,

And every stone out of his place start,

Before Troilus be out of Criseyde’s heart!”

He may well lay and wink,

But sleep may not in his heart sink”

Niece, if I shall be dead,

Have here a sword, and smite off my head!

With that his arm all suddenly he thrust

Under her neck, and then kissed her.”

The worst kind of misfortune is this,

A man to’ve been in prosperity,

And it he remembered, when it passed is.”

Pride, Envy, Ire, and Avarice,

He gained to flee, and every other vice.”

How Criseyde Troilus forsook,

Or at least, how that she was unkind,

Must henceforth be the matter of my book”

Phoebus and Neptune both,

That made the walls of the town,

Are with the folk of Troy always so wroth,

That they will bring it to confusion”

The parliament deliberated: Antenor will be changed for Criseyde! The president pronounced its will. Hector often prayed: Nay! Finally, though, no wight (creature) could withstand this cruel Fate’s will.”

O Troilus, what may men now thee call

But wretched of wretched, out of honor fall

Into misery, in which I will bewail

<Criseyde, allas!> ‘til my breath fail?”

Nem tanto ao Céu, nem tanto à Terra

Nem em Paris, nem em Calcutá

Nem Heitor, nem Páris

Apenas um trollado!

Paris, your brother, a lover has;

Why wouldn’t you have one too?”

And wash thy face, and to the king you go,

Or he may wonder why that you are gone.”

Ah, Fama sutil, que coisas falsas espalha,

como se fossem as menos mentirosas,

Todos em Tróia souberam por suas

asas tão prestas e fabulosas;

O boato circulou de homem a homem,

e o boato virou a nova verdade da cidade,

Como a filha de Calcas, com sua pele onde a neve some;

No Parlamento, sem meias-palavras,

Ele vendeu, como se fosse mera colheita de safra

Para em troca, sem rubor, receber Antenor.”

Amaldiçoada seja a porra naquele dia que me gerou!

Ended, then, love in woe? Yeah, or men lied!

And all wordly bliss, as I thought.

The end of bliss the sorrow occupied.”

Alguma vez uma mulher protagonizou um romance clássico, sem que estejamos

falando da burguesa que só pensa no dogma da traição?

Who ever saw me, he saw sorrow all at once,

Pain, torment, lament, woe, smear, distress.

Out of my woeful body harm there none is,

As anguish, languor, cruel bitterness,

Annoy, dread, fury, and sickness.”

E no entanto, ai de mim! Em que acredito eu?

Sempre houve muitos pregadores para cada discurso,

E alguns homens dizem que a Necessidade não existe;

Mas sim a livre-escolha, dada a todos.

Oh, encruzilhada! Tão sábios são os sacerdotes,

E discordantes, que não sei de que lado ficar.”

Ora então, eu digo, se desde a eternidade Ele

Já divinou nossos pensamentos, méritos e pecados,

Não temos livre-arbítrio, como os padres tecem!”

Eu gostaria de saber,

Das coisas que vêm a ser,

A causa certa da necessidade

É a Presciência de Deus

Ou a necessidade é que é causa

Certeira da Providência ser assim?

Hast thou such lust to be thine own foe?”

In thine head thine eyes seem dead”

Griselda morre de repente nos braços de Troilus, de puro desgosto e tristeza diante da iminente separação das almas-gêmeas… Oh, não! Apenas um ligeiro desmaio enganoso foi…

Átropos, corta agora minha corda, sua maldita!

Bewailing both the day that they were born.”

That a wight always his woe complain,

And sought nought how hopeful be,

It is but folly and increase of pain!”

and it supposed is,

That men the queen Helene shall restore,

And Greeks restore to us what missed is.”

For, ay!, with gold men may the heart grieve,

Of him that set is upon covetousness

And how I mean, I shall it you devise.”

he had not well the Gods understood.

For Gods speak in amphibologies [duplos-sentidos],

And, for one truth they tell 20 lies.”

But Jupiter, that of his might may do

The sorrowful to be glad, so give us grace,

As soon as nights ten, to meet in this place”

Mas Júpiter

que de seu poder

pode fazer

do triste feliz,

cheio de lazer,

me dê o prazer,

quando passem

noites dez,

nos braços te ter!”

My ship and me Caribdis will devour.”

The day is more, and longer every night,

Than they were wont to be, he thought tho’;

And that the sun went his course unright

By longer way than it was wont to go;

And said, <You know, I dreaded evermo’,

The sun’s son, Phaeton, be alive,

And that his father’s cart amiss he drive.>”

Que bom que o Faetão dirige,

em chama viva, seu próprio fáeton!

Tenha fé, o feto phantasma vai alumiar a noite…

…antes do trovão!

This Diomede, of whom I’ll tell you,

Went now, within himself arguing

With all the slight and awe that ever he could,

How best he knew, with the shortest tarryng,

Into his net Criseyde’s heart bring.

To this intent he could never fain;

To fish her, he laid out hook and line.”

For wise folk in books express,

<Men shall not wow a wight in heaviness.>”

Nos livros dizem os sábios,

Melhor é que nenhum homem instigue aquele em dificuldades”

Ele pensou em seu coração, <Seja como for,

Até’u morrer, vou seu coração buscar>”

Esse Diomedes, como nos declaram os livros,

Era em seus assuntos presto e corajoso;

Sua voz, severa, a cintura robusta,

Resiliente, provador, forte e distinto competidor

Nos atos, como seu pai Tideu.

E, não bastasse, era ainda herdeiro,

não só de Argos, como da Caledônia.”

Mas pra dizer de forma clara como não vê o consumido pelo amor,

Está escrito pelos antigos que Griselda enxergou naquele tempo o Paraíso.”

Ó, decerto não posso dizer dela a idade.”

E os homens deviam temer, até o fim dos tempos,

Dali em diante, deixar-se enlevar por qualquer rainha,

Cruel que é a miséria sobre sua imagem na História.”

What will you more, lovesome lady dear?

Let Troy and troyans from your heart pass!

Drive out that bitter hope, and make good cheer,

And clap again the beauty of your face,

That you with salty tears so deface.”

A verdade é a história que nos contam,

Que nenhuma mulher provocou tanto infortúnio

Quanto ela, na ocasião em que traiu Troilus.

Ela disse a si mesma, <Ai de mim! Porque agora já me é manifesto,

Sujei para sempre minha reputação no amor!

Eu enganei, deixei para trás, o mais gentil dos gentis-homens

Que jamais pisaram a terra. Homem do maior valor!

Pobre de mim, sem salvação até o fim dos dias,

Destinada ao Olvido do Hades, sem versos nem canções

Nenhuma apologia, quando muito há-de haver difamações!

Ah, e muitas línguas vão me injuriar

Através do mundo meu sino de ignomínia tocará;

E de todos são as mulheres as que mais me odiarão

(…)

Ainda que não seja eu a primeira a falsear

No que isso ajuda a diminuir minha culpa?

E, como não vejo nenhuma outra saída,

E já é tarde demais para recuar,

A Diomedes então serei eu devota.>”

But, really, how long it was between,

That she forsook him for this Diomede,

There is no author who told it, I assume.

Head every man now to his book’s head;

He shall no term find”

<Minha senhora a luzidia Griselda me traiu,

O indivíduo em quem mais acreditei,

Ela fincou seu coração noutras paragens;

A deusa da felicidade, com seu grande poder,

Mostrou-mo no meu sonho de maneira clara.

No meu sonho Griselda eu observei> –

E tudo isto a Pândaro Troilus relatou.”

Pândaro respondeu, dizendo, <Maldito o dia

Em que nasci; não fui eu a falar anteriormente,

Que sonhos muitos homens imaginosos iludem?

E por quê? Porque a gente os explica com erro.

Como ousas dizer que sua senhora falseou-te,

Por um sonho suscitado por seus próprios temores?

Troilus à Sibila sua irmã enviou,

Chamada Cassandra, justa toda ela”

<Esse aborrecimento de Diomedes vem,

O filho de Tideu, que descendente era

de Meleagro, cujo destino era aborrecer.

E sua senhora, onde quer que esteja,

Esse Diomedes seu coração conquistou, e ela o dele.

A você cabe lamentar-se ou seguir em frente;

Pois que não há dúvida, Diomedes entrou, e você saiu.>

<Não diz nada que preste, sacerdotisa,

Com essa sua predileção pela falsa profecia!

Você se pretende uma grande adivinha;

É o destino de Griselda caluniada

ser assim por suas semelhantes?

Nada feito! Que Zeus a amaldiçoe!

Você será mentirosa, ó irmã, hoje e sempre!

Decerto enganaste ainda Alceste,

Que era das criaturas, por mais caluniada fosse,

A mais gentil, amável, a melhor de todas.>”

Juro que um dia voltarei, embora esteja

em tamanha atribulação, que nada sei

sobre o ano ou o dia em que regressarei,

Pois que, sendo assim, nada hei de dizer.”

Só o que conta é a vontade e a intenção,

nada importando portanto a falta de cartas!”

Juro pelo mundo inteiro,

em meu coração não suporto

deixar de amá-la um quarto dum dia!

Só Deus sabe como nasci em tempo maldito!”

Eu odeio Griselda!

E, sabe Deus, detestá-la-ei para sempre!”

E desse mundo infeliz, ó Pai todo-poderoso,

Peço: Liberte-a de uma vez!

Ah, mas disso eu bem duvido!

Adiante sua fortuna a permitirá seguir.

Griselda amava o filho de Tideu,

E por isso Troilus deverá chorar amargo, desolado.

Assim é esse mundo; quem suportar contemplá-lo,

A cada estado não consegue descansar o coração;

Deus nos ajude a aprender a valorizá-lo!”

Por sua ira, sem medo, dia e noite,

Paguem então cruelmente os gregos;

Sempre Diomedes estará na linha de tiro.

E não é que ambos muitos encontros tiveram,

Cheios de golpes sangrentos e cumprimentos ardis,

Com lâminas úmidas de parte a parte?

E violentamente animado, Troilus até conseguiu

O elmo do inimigo atingir?”

E que nenhuma mulher franca e gentil

Testemunhando a insídia de Griselda,

Pela culpa que ela tinha comigo se zangue!

Vocês deverão comprovar sua culpa

por intermédio de muitos outros livros”

E devido à intensa diversidade

No Inglês e na escrita de nossa língua,

Eu oro a Deus que ninguém me perverta,

Nem me calunie por mau autor.

E que onde este livro seja lido, ou declamado,

Que seja propriamente entendido, ah, eu imploro!”

Como eu disse antes,

a fúria de Troilus foi paga cara pelos gregos;

Milhares foram mortos por suas mãos,

Pois aquele que não tinha igual,

Salvo Heitor, em seu tempo, ouvi eu dizer.

Contudo, pela graça de Deus,

O temerário Aquiles sua existência dizimou,

Impiedosamente.

E, quando ele foi assim derrubado,

Sua leve alma alegremente ascendeu

Às santidades inerentes à sétima esfera,

Deixando para trás todo elemento;

Convertendo-se em energia de matéria,

Ali ele ficou, e observou, todo atenção,

As erráticas escaramuças nas planícies,

escutando a harmonia

Dos sons dotados de paradisíaca melodia.”

E após ser abatido, mirou o solo sangrento;

E por dentro se ria, piedoso, em face da desgraça

Daqueles que choravam sua morte tão precoce”

Assim principiou seu amor por Griselda,

Como contei, e dessa forma ele morreu.”

Esse mundo, que passa tão ligeiro quanto florescem as flores,

Amou-o demais aquele que, justo por amor,

Pregado foi na cruz, para nossas almas bendizer,

Primeiro definhou, depois se ergueu, e

senta-se agora nos Céus acima”

Veja esses velhos e malsãos ritos pagãos,

Veja, tudo que seus deuses permitiram;

Veja, os apetites deste mundo decrépito;

Veja, a vaidade e a paga do trabalho

de Zeus, Apolo, de Marte, dessa canalha!

Veja bem, as falas dos sacerdotes de outrora

Na Poesia, se você seus livros for buscar. -”

Filha da puta!

AS ARMAS CÔMICAS – Os interlocutores de Platão no Crátilo. Luisa Buarque. in: Estudos Clássicos. UFRJ/Cofecub (CAPES)

…os próprios deuses são brincalhões.”

Aristófanes – Acarnenses

A. – Aves

A. – Cavaleiros

A. – Pássaros

A. – Rãs

A. – Vespas

Ricoeur – La Métaphore Vive

Schleiermacher – Introductions aux Dialogues de Platon, 2004

Platão não faz uma história da filosofia, ou doxografia, à maneira aristotélica – corrigindo calculadamente os seus erros. Platão nos expõe, no fim das contas, um páthos da disputa.” “mais um sinal de que o filósofo não concebe predecessores históricos, já que apresenta discussões entre concepções vivas e atuantes.”

anonimato platônico” “tática do camaleão”

Sócrates se censura por ter sido mais agonista do que filósofo.”

erística, a arte da controvérsia”

a República, onde são tecidos os mais altos e respeitosos louvores a Homero e à sua obra, e onde, simultaneamente, o autor dedica boa parte de um grande livro a contestar a poesia homérica como método pedagógico, e a propor a substituição dessa poesia por sua própria filosofia. E também o Sofista, onde a reverência sincera ao mestre Parmênides acaba dando lugar a um parricídio que mais parece um genocídio, visto que leva ao túmulo junto com Parmênides grande parte da tradição eleata, assim como parte da sofística”

quais são as personagens históricas implicitamente chamadas à cena junto com Sócrates, Crátilo e Hermógenes?”

Com o nascimento da etimologia científica no início do séc. XIX, iniciou-se uma forte tendência a tratar o Crátilo como um diálogo distinto da maioria dos outros diálogos platônicos.” “a prática desenvolvida no Crátilo só pode ser considerada <etimológica> se esse termo for entendido em um sentido distinto do sentido moderno.”

P. está atacando uma tendência do pensamento grego de superestimar as palavras; um tal ataque frontal à cultura grega requer uma exposição meticulosa dos maus hábitos lingüísticos.” Baxter, 1992

P. tenta exorcizar a fascinação generalizada de seus contemporâneos por todas as hermenêuticas de seu tempo, rapsódica, trágica, religiosa e gramatical, que pretendiam fazer economia de uma ontologia.” Dalimier, 1998

Cálias gastara muito dinheiro com os sofistas; esse é, diga-se de passagem, um dos chistesmais bem formulados do diálogo”

O adivinho Eutífron, como se sabe, é personagem central do diálogo homônimo, que não por acaso é também um diálogo de coloração cômica. Eutífron, <espírito obtuso> segundo Méridier (2003), p. 17, costuma ser motivo de zombaria; o povo de Atenas escarnece dos seus delírios oraculares.”

se muitos afirmavam ser impossível dizer o falso tomando como base a identificação parmenídica entre ser, pensar e falar, o corolário mais perigoso de tais afirmações pode ser resumido, precisamente, pela idéia protagórica de que a diferença entre os discursos está apenas em sua eficácia e utilidade, e não em sua verdade, ou capacidade de gerar conhecimento.”

o essencial da cultura grega era heraclítico avant la lettre.” “Heráclito é o corifeu de um coro, é a mosca de um alvo que deve ser derrubado por inteiro.” “afirmar que tudo flui significa afirmar que o que antes era verdadeiro pode virar falso, de modo que não há nem sujeito de conhecimento estável nem objeto de conhecimento para ser conhecido. A ética se torna cambiante, a linguagem se torna praticamente inútil e o conhecimento impossível.” “o relativismo protagórico tem sua versão ontológica na transformação incessante dos entes, isto é, no relativismo heraclítico, e este encontra sua versão ética nas afirmações protagóricas.” “a doutrina heraclítica do fluxo e a doutrina protagórica do homem-medida.”

<A medida de todas as coisas é deus> P. em seu último diálogo, Leis, 716c4. Dinamitando a Antropologia Existencialista! Erguendo picos de dinamite para que a Europa vivesse sempre no perigo de explodir tudo…

Crátilo fala por meio de oráculos – talvez imitando seu mestre Heráclito”

O nome, para os gregos, possui uma virtude mágica, ele pode exprimir o caráter daquele que o leva e está ligado misteriosamente à sua pessoa. Donde as práticas de feitiço e de sortilégio que repousam freqüentemente sobre a crença de que se pode ter poder sobre um homem por intermédio de seu nome. Os nomes dos deuses são sagrados; as teogonias costumam explicar a essência de uma divindade pelo seu nome.” Goldschmidt, 1940

a etimologia do nome de Hermógenes é absolutamente simples e clara”

Ver, quanto às etimologias dos nomes de Aquiles, Pátroclo, Héracles, Enéas e Demódoco, entre outros, G. Nagy (1979).”

em Homero, e talvez na épica em geral, por exemplo, o nome, muitas vezes, traz em seu bojo toda a história da personagem, contém em potência o desenvolvimento do enredo daquela vida.”

os jambos, dos quais parece derivar a comédia.”

1) provavelmente a injúria pode ser assimilada ao nome próprio porque desempenha a mesma função de apelativo; 2) distintamente do nome próprio, que identifica sem atribuir nenhuma qualidade ao seu portador, aquela qualifica.” Saetta-Crotone (2005)

Crátilo é conhecido pelo extremismo narrado por Arist.: não é possível entrar nem mesmo uma vez no rio de Heráclito. Crátilo é, por assim dizer, mais realista que o rei.” “na Metafísica, Arist. diz que Crátilo fôra o primeiro professor de P., de modo que o filósofo ateniense teria sido extremamente marcado pela doutrina heraclítica.”

Aristófanes é um escritor particularmente sensível aos níveis de linguagem e à tonalidade das palavras. Foi possível provar, p. ex., que ele conhecia perfeitamente o vocabulário técnico da medicina e que suas comédias apresentavam inúmeros pontos de encontro com o corpus hipocrático. Da mesma forma, ele tem consciência da distância que separa a linguagem épica da linguagem comum.” Lamberterie, 1998

A relação de profunda admiração e rivalidade entre Aristófanes e Eurípides se revela das mais variadas maneiras e é assunto para toda uma vasta bibliografia.” “Eur. é assim tratado em As Aves como os próprios sofistas, sem maldade, mas antes com uma simpatia um pouco irônica, que mostra que aquele que zomba dele não é insensível ao que ele tem de sedutor.”

O trocadilho de Strepsíades, que liga o início e o fim da obra, tem muito mais importância do que aparenta ter à primeira vista.” “Sócrates se posiciona claramente contra a tese de que tudo flui, afirmando que, segundo ela, <nada é são, e tudo escoa e vai como vasos de argila>.” “o filósofo apresenta a mesma comparação entre o movimento rotatório dos pensamentos e dos argumentos dos sábios e o movimento giratório da fabricação da cerâmica: a vertigem circular dos sábios em geral (que também se encontram embaralhados em um mesmo saco)” Barthes diria: mas não é isso o ápice do dizer-sim nietzscheano?

uma utilização platônica de noções portadora da crítica aos pretensos sábios, que com sua propalada sabedoria, acabam por confundir-se e levar os outros à confusão.” Reversão ad infinitum do argumento: seu autor, sua melhor vítima. Está para nascer o homem que irá parar a roda…

Ao reino do turbilhão no pensatório, que se revela ao fim ser um mero reino do vaso de argila” Há quem enalteça a olaria!

utilização dúbia, em ambos os contextos, da crítica ao deus ex-machina. Na peça, é a máquina que traz Sócrates. Ela é utilizada, portanto, como recurso do próprio comediógrafo para destacar a entrada em cena de um de seus personagens principais. Recurso verdadeiramente cômico, porém, já que, ao contrário da utilização tradicional deste mesmo expediente pelos tragediógrafos, o fato de chamar atenção para o próprio recurso utilizado é parte integrante do uso aristofânico. (…) O curioso é que o Sócrates platônico, assim como o de A., utiliza a mechané. Porém, ao contrário deste, utiliza-a, mas rejeita-a posteriormente, explicitando que sua utilização anterior havia sido desonesta com seu interlocutor”

<quanto mais alto é o coqueiro, maior é o tombo do coco>. Eleva-se à maior altura possível a tese adversária para que sua queda seja mais longa e definitiva.”

Aristófanes opera um redobro da anedota: se Tales havia apenas caído em um buraco, o que já era ridículo, Sócrates torna-se duas vezes mais ridículo. Pelos mesmos motivos (isto é, por olhar para o céu para examinar os astros), uma lagartixa defeca em sua boca, o que faz com que Strepsíades corra para a sua escola, julgando que, sendo duas vezes mais ridículo do que Tales, será também duplamente útil a seus propósitos.”

Como nota Chambry (1967), no diálogo Protágoras, todo o ambiente foi tomado de empréstimo da comédia de Êupolis, Os Aduladores, também passada na casa do rico Cálias e que pinta como aduladores os sofistas, dentre os quais figura o próprio Sócrates.”

O filósofo não é retórico (Górgias), nem sofista (Sofista), nem político (Político), nem poeta (República). Mas, por outro lado, é o verdadeiro retórico (Fedro, 271a-272b), o verdadeiro Político (Górgias, 521d) e o verdadeiro poeta (Fédon, 61a e Leis, 817b2-3).”

O QUINZE – Rachel de Queiroz

DIC:

pedrês: que é ornado como o xadrez (preto-e-branco), podendo ser um animal ou uma calçada; ferro fundido; aldraba (em Portugal).

aldraba: antiga campainha (de ferro, para bater na porta da frente e anunciar a chegada)

quartau: cavalo pequeno e troncudo; cavalo castrado; canhão de ¼ do tamanho normal (em desuso).

cunhã: menina; mulher; cabocla.

cariri: força, esforço

Cariri: tribo indígena da margem esquerda do rio São Francisco; língua extinta; região do sul do Ceará composta hoje por 8 municípios.

Quixadá: a cidade cearense dos monolitos, prestes a comemorar seus 150 anos

babujar: sujar de baba; bajular.

babugem: baba ou espuma nojenta aglomerada num ponto; dejeto alimentício; insignificância.

panasco(a): planta de pasto; pântano nutritivo para o gado.

pacavira: planta musácea (familia da banana) de onde se extrai matéria-prima para confeccionar tecido

caritó: casebre pobre; prateleira em casas sertanejas; espécie de estante rústica; gaiola de engorda de caranguejos; closet antigo, muquifo para coisas em desuso e tranqueiras.

garrancho: parte dura do tronco da árvore; graveto; doença dos quadrúpedes, que afeta o casco; ave ribeirinha (pernilonga); aquele que em alguns jogos de carta não está na vez; gadanho, um tipo de forca, instrumento do lavrador; letra indecifrável.

pernilonga: ave alvinegra; perna-longa (foto).

pernilonga

entanguido: encolhido pelo frio ou fome; raquítico.

salsa: tipo de uva; malandro; espécie de bufão carnavalesco lisboeta.

marrão(ã): porco que recém-deixou de mamar; carne fresca do porco; ovelha pequena (Pernambuco); corcunda; martelo grande; turrão; CDF (em Portugal); qualquer animal arredio.

raceada: procriação animal arranjada; de pedigree.

mugunzá: mingau de milho para alimentação no agreste (termo também encontrado em José de Alencar)

chouto: trote sem elegância de algumas montarias

Baturité: município a apenas 80km de Fortaleza, com menos de 40 mil habitantes, terra-natal de Antônio Couto Pereira, quem construiu o primeiro estádio do Coritiba

tapera: vilarejo fantasma; escombros; casa abandonada; caolho ou cego completo; palerma (São Paulo); caritó (acima).

ilharga(s): flancos; laterais do caixão; protetor.

maniva: caule da mandioca

paroara: ave tricolor de cabeça vermelha; modo do cearense se referir a forasteiros, particularmente paraenses ou amazonenses.

cacimba: orvalho; poço artesanal.

mezinha: remédio caseiro; espécie de laxante.

tejuaçu: lagarto grande

jucá: árvore conhecida como pau-ferro, conhecida pela madeira de excelência

madapolão: tecido branco de algodão

cambraia: espécie de tecido algodoado mais nobre que o madapolão.

anfractuosidade: cheio de saliências, i.e., depressões e elevações sucessivas; aspecto do nosso cérebro.

Quem comeu a carne, tem de roer os ossos…”

Mas você não é moreno como Conceição. Branco leva sol, fica corado; preto fica cinzento…”

Sem legume, sem serviço, sem meios de nenhuma espécie, não havia de ficar morrendo de fome, enquanto a seca durasse. Depois, o mundo é grande e no Amazonas sempre há borracha…”

E Chico Bento pensava: <Por que, em menino, a inquietação, o calor, o cansaço, sempre aparecem com o nome de fome?>”

Que foi, Josias? Você anda abestado, ou isso é ruindade? Que foi que andou fazendo?” “Meu filho, pelo amor de Deus! Você comeu mandioca crua? Assombrado, e sentindo a dor mais forte, o pequeno começou a chorar. Cordalina, aturdida, topando no madeirame do chão, andou até ao terreiro limpo, procurando na terra varrida umas folhas para um chá.”

Donde vens, Pedros e Paulo? Venho de Roma. O que há de novo em Roma, Pedros e Paulo?…”

Até a miséria tem fantasia e criara ali os gêneros de habitação mais bizarros. Uns, debaixo dum cajueiro, estirados no chão, quase nus, conversavam.”

Mas, minha filha, isso acontece com todos… Homem branco, no sertão – sempre saem essas histórias… Além disso não é uma negra; é uma caboclinha clara…” “Minha filha, a vida é assim mesmo… Desde que o mundo é mundo… Eu até acho os homens de hoje melhores.”

E ao fim da visita, quando ela falava sobre o efeito da seca na vida da cidade, pareceu-lhe até pedante… Tinha na voz e nos modos uma espécie de aspereza espevitada, característica de todas as normalistas [universitárias] que conhecia…”

Pra que vocês andam agora com umas saias tão justas? Vão subir no bonde, mostram até a batata da perna…”

Já era tão antiga, tão bem-instalada a sua fome, para fugir assim, diante do primeiro prato de feijão, da primeira lasca de carne!… E até lhe amargou o gosto daquela carne, lembrando-se de que Cordulina, a essa hora, engolia talvez um triste resto de farinha, e junto dela, devorada a magra ração, os meninos choravam…”

– E tu não tem pena de dar teus filhos, que nem gato ou cachorro?”

A mulher se justificou amargamente:

– Que é que se é de fazer? o menino cada dia é mais doente… A madrinha quer carregar pra tratar, boar ele bom, fazer dele gente…”

As reses secavam como se um parasita interior lhes absorvesse o sangue e lhes devorasse os músculos, deixando apenas a dura armação dos ossos sob o disfarce miserável do couro puído e sujo.”

E novembro entrou, mais seco e mais miserável, afiando mais fina, talvez, por ser o mês de finados, a imensa foice da morte.”

para evitar o excessivo desamparo, a gente precisa criar um ambiente. Suas idéias, suas reformas, seu apostolado… Embora nunca os realize… nem sequer os tente… mas ao menos os projete, e mentalmente os edifique…”

Pedra_da_Galinha_Choca_-_Broody_Hen's_Rock

Pedra da Galinha Choca, ponto turístico de Quixadá

A amizade de Mariinha Garcia com as irmãs de Vicente aumentava dia a dia. Era raro chegar o rapaz em Quixadá e não encontrar as 3 moças juntas, bordando, lendo revistas, conversando em risadinhas e cochichos de confiada intimidade.” “Ela e Alice não escondiam o plano de casar Mariinha com o irmão.” “E Vicente, o pobre, andava tão carecido de alegria e de graça! Ia-se deixando levar. Docemente, o namoro marchava, ao lado do outro idílio, entre Lourdinha e o Clóvis Garcia, que também corria rápido, entretido em conversas na loja, entre a venda de um metro de cambraia e de centímetros de fita.”

Ora o amor!… Essa história de amor, absoluto e incoerente, é muito difícil de achar… eu, pelo menos nunca o vi… o que vejo, por aí, é um instinto de aproximação muito obscuro e tímido, a que a gente obedece conforme as conveniências… Aliás, não falo por mim… que eu nem esse instinto… Tenho a certeza de que nasci para viver só…” “<Nascer para viver só? Olhe, Dona Conceição, já não ouviu dizer: ‘Vae solis!’ (*) Não crê na sabedoria dos antigos?> A moça deu um passo e encolheu os ombros: <Sei lá, doutor! Os antigos diziam tolices, como todo o mundo. Mas, até logo; Mãe Nácia está-me chamando lá da casa da Lourdinha…>”

(*) “Ai do solitário!” Eclesiastes 4:10

Afinal, o verdadeiro destino de toda mulher é acalentar uma criança no peito… E sentia no seu coração o vácuo da maternidade despreenchida… <Vae solis!> Bolas!” “Muher sem filhos, elo partido na cadeia da imortalidade… Ai dos sós…”

A OBRA DE ARTE NA ERA DE SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA – UMA RELEITURA DOS ESBOÇOS DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012 (http://xtudotudo6.zip.net/arch2012-12-01_2012-12-31.html) ou: Ensaio confuso sobre a técnica que se perde em especulações políticas

Grunewald

Ed. L&PM, 2013.

Trad. direta e seleção: Gabriel Valladão Silva, mestre em Filosofia, a prova de que doutor não é só quem faz doutorado.

Org., seleção, prefácio e revisão: Márcio Seligmann-Silva

Revisão final: Marianne Scholze

DIC – incunábulo: impressão pré-gutenbergiana

Quando eu nasci meus pais tiveram a idéia de que eu pudesse me tornar um escritor. Então seria bom que ninguém notasse imediatamente que eu era um judeu.”

Fuld – Walter Benjamin zwischen den Stühlen

No semestre de invenro de 1912-1913, Benjamin estudou na Universidade de Berlim, onde freqüentou aulas de Georg Simmel, Ernst Cassirer, Kurt Breysig (um dos poucos professores de quem Benjamin gostou) e Brenno Erdmann, entre outros.”

Apenas a confessada nostalgia de uma infância feliz e de uma juventude digna é a condição da criação. Sem isso, sem o lamento de uma grandeza perdida, não será possível nenhuma renovação de sua vida.” Benjamin, Documentos de cultura, documentos de barbárie

Em outubro do mesmo ano, o amigo de Benjamin Fritz Heinle suicidou-se junto com a amiga Rika Seligson, em parte devido ao início da gerra. Benjamin ficou muito abalado com esse fato e dedicou alguns sonetos ao amigo.”

W.B. – Dois poemas de Friedrich Hölderlin, “Dichtermut” e “Blödigkeit”

Em 1916, ele escreveu não apenas o que seria um primeiro esboço de seu livro sobre o drama barroco alemão (os artigos <Trauerspiel und Tragödie> [Drama barroco e tragédia], <Die Bedeutung der Sprache in Trauerspiel und Tragödie> [O significado da linguagem no drama barroco e na tragédia], como também compôs seu longo ensaio <Über die Sprache überhaupt und über dis Sprache des Menschen> [Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem humana].”

W.B. – Die Aufgabe des Übersetzers [A tarefa do tradutor]

Em 1922, ele concluiu um longo ensaio sobre As afinidades eletivas, de Goethe.”

<teor coisal> (Sachgehalt) e <teor de verdade> (Wahrheitsgehalt) (…) sem-expressão (Ausdruckslos), variante da teoria do sublime”

O Ursprung des Deutschen Ttrauerspiels (Origem do drama barroco alemão]: “Benjamin estava ciente de que seu ensaio – composto por cerca de meio milhar de citações [!] e baseado em uma ousada teoria neoplatônica das formas literárias – ia contra as regras da academia. Esse ensaio de Benjamin deve ser considerado como um dos textos mais radicais da primeira metade do século XX.”

Lacis abriu para Benjamin o mundo da nova literatura marxista, representada então por obras como História e consciência de classe, de Lukács, que Benjamin leu já em 1925. (…) Mas a verdade é que Benjamin se volta para o marxismo – e não tanto para o comunismo [não parece] – por influxo não apenas de Lacis, mas também de Bloch e de uma circunstância histórica e social que definiu essa guinada na vida de muitos intelectuais de então. O próprio Benjamin encontrava-se desde 1923 em uma situação de penúria econômica cada vez mais acentuada. Sua esposa, Dora, o sustentou entre 1922 e 1923 [e recebeu um belo prêmio por isso, como veremos mais tarde…]. Ele não podia mais contar com o apoio de seus pais. Seu pai, que viria a morrer em 1926, estava em bancorrota com a crise econômica na Alemanha do pós-guerra. A situação econômica de Benjamin não mudaria muito até o final de sua vida. (…) Ele encontrou nos autores marxistas um novo modo de revitalizar a crítica, o que já havia iniciado com sua leitura de F. Schlegel e de Novalis. O romantismo de esquerda foi reconhecido por ele prontamente como uma nova morada para seu pensamento e sua ação política.”

Ele escreveu um artigo sobre Goethe para a Enciclopédia russa que depois foi recusado. (…) Benjamin foi dos poucos filósofos – talvez o único antes de Derrida – que soube transportar a dinamite das vanguardas para a prática da filosofia. Entre dezembro de 1926 e janeiro de 1927, ele empreendeu uma visita a Asja Lacis em Moscou – um fiasco do ponto de vista emocional e político. Seus Diários de Moscou podem ser lidos como um dos documentos mais pessoais que ele produziu. Nessa época, para se sustentar, conseguiu ser aceito como colaborador no Frankfurter Zeitung (importante publicação de caráter cultura da época, que tinha em seu centro a figura de Siegfried Kracauer) e na revista Literarische Welt. Vale lembrar que entre 1926 e 1929 Benj. publicou textos como o sobre Proust (<Para uma imagem de Proust>) e <História cultural do brinquedo>.

O compromisso de Benjamin com o surrealismo pode ser lido em seu ensaio particularmente profundo sobre o tema de 1927 (<O surrealismo>). Nesse ano, ele também conseguiu fazer algum dinheiro jogando roleta [!] (…) Em Paris, deu início ao seu maior e mais ambicioso projeto, que o acompanharia até 1940: as Passagens. (…) nunca foi concluído.”

a falta de perspectivas concretas de trabalho fez com que cedesse aos convites de Scholem para ir à Palestina. (…) Essa verba deveria financiar seus estudos de hebraico, preparatórios para a emigração – que na verdade nunca se concretizou.

Na carta que Benjamin enviou a Scholem em janeiro de 1930, mais uma vez postergando sua ida à Palestina, escrevendo sugestivamente em francês a um amigo com quem de resto só se correspondia em alemão, ele afirma que seu desejo é o de <ser considerado como o primeiro crítico da literatura alemã>. Para tanto, ele teria que refundar a crítica como gênero. (…) Mas apenas cerca de 30 a 40 anos após a sua morte é que ele foi reconhecido como esse crítico número um.”

Entre novembro de 1929 e janeiro do ano seguinte, Benjamin viveu com Aja Lacis em Berlim, cidade onde ele morava com sua esposa Dora, residindo ainda na casa de seus pais, a mansão na Delbrückstrasse, n. 23, em Grünewald, que fôra construída por sua família em 1912. Em 1930 ocorreu o divórcio do casal, que custou a Benjamin uma condenação penal a pagar uma altíssima indenização à sua ex-esposa. (…) <Não é fácil encontrar-se na soleira dos 40 sem posses e colocação, casa e patrimônio.>

Benjamin, nos anos 1930-31, fez uso várias vezes de haxixe. Essa prática deu-se no contexto de experimentos semelhantes feitos pelos surrealistas [Não pode ter sido recreativo?]. Ele, algumas vezes na companhia de Bloch, fazia anotações e era acompanhado por dois médicos durante essas experiências e caminhadas pelo <paraíso artificial>, lembrando a expressão de Baudelaire de 1860.”

B. encontrou um pouco de paz após mudar-se para um pequeno apartamento em Wilmersdorf, Berlim: a última vez que ainda pôde se ver rodeado pelos seus cerca de 2 mil livros. Em 1931, publicou seu belo texto <Desempacotando minha biblioteca>, uma profunda reflexão sobre livros e o colecionismo. (…) Em agosto, em meio a uma profunda depressão, escreveu um texto intitulado <Diário de 7 de agosto de 1931 até o dia da morte>. Esse diário foi apenas até 16 de agosto. Mas sua primeira frase é desencorajadora: <Este diário não promete ser muito grande>. Como antídoto à depressão (…), ele se ocupou em fazer uma coletânea de cartas de autores alemães, tentando assim mostrar uma espécie de outra tradição do pensamento alemão que não a que estava a ponto de desaguar em um tipo mortífero de nacionalismo. Essa coletânea de cartas, denominada de Deutsche Menschen [Pessoas alemãs], foi publicada em 1936 na Suíça sob o pseudônimo de Detlef Holz. Entre 1931 e 1932 essas cartas selecionadas – de autores como Goethe, Kant, Büchner, Hölderlin, F. Schlegel, , Baader – foram publicadas no Frankfurter Zeitung.”

B. – Pequena história da fotografia

_. – Crônica berlinense

_. – Infância em Berlim por volta de 1900

_. – Doutrina das semelhanças

_. – Sobre a faculdade mimética

Em julho, no Hôtel du Petit Parc, em Nice, B. planejou seu suicídio, tendo inclusive feito um testamento e escrito várias cartas de despedida.”

Existem lugares nos quais eu posso ganhar um mínimo, e outros nos quais eu posso viver de um mínimo, mas nem um único no qual as duas condições se encontram”

Ele escreveu também uma teoria do romance (claramente inspirada por Lukács): <À lareira> e <Experiência e pobreza>”

Horkheimer e Friedrich Pollack, como comenta Scholem, decerto incentivados por Adorno, concederam um auxílio regular a B. da parte do Instituto. A partir da primavera de 1934, ele passou a receber 500 francos (cerca de 300 euros hoje) por mês. Foi sua grande salvação na situação desesperadora em que se encontrava. [!]

(…) Para sobreviver, passou alguns meses com sua ex-esposa, Dora, em San Remo, onde ela abrira uma pensão (…) Em Paris, ele se reaproximara de sua irmã Dora, também vivendo naquela cidade, e se hospedou freqüentemente com ela. Em 1935, ele escreveu ensaios de grande envergadura e repercussão: <Paris, a capital do século XIX>, a 1ª versão de seu ensaio sobre as passagens, seu artigo sobre a obra de arte (…) <Eduard Fuchs, o colecionador e o historiador>

1936:

O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov.

Esse ensaio dedica-se a uma reflexão sobre o fim da experiência, que por sua vez estaria na origem da crise da grande narrativa, diagnosticada como estando <em vias de extinção>.”

Em 1937 e no ano seguinte, B. continuou trabalhando no seu ensaio sobre Baudelaire, uma espécie de célula-mater do trabalho sobre as passagens. (…) Em 1938, concluiu o texto <A Paris do II Império em Baudelaire>, que após sofrer muitas críticas da parte de Adorno foi profundamente reelaborado no texto <Sobre alguns temas em Baudelaire>, de 1939. Em 1938, Benjamin encontrou-se regularmente com Bataille e Pierre Klossowski. (…) Durante esse período parisiense de exílio, B. também encontrou em algumas ocasiões Hannah Arendt, que deve ser lembrada como uma das primeiras a reconhecer o valor da sua obra. [Coincidentemente, a próxima na seqüência de leituras.]

O pacto de não agressão entre Hitler e Stalin de 23 de agosto de 1939 teve um efeito devastador sobre B. Esse descontentamento com a política se condensou no seu último texto, <Sobre o conceito da História>, de 1940, que pode ser considerado um dos documentos intelectuais mais impactantes sobre a vida dilacerada do século XX.

(…) Com o início da guerra em 1º de setembro, no dia 15 do mesmo mês ele foi enviado a um campo de trabalho em Nevers [sic – provavelmente, Nevres], na qualidade de alemão. Sua amiga Adrienne Monnier conseguiu libertá-lo em meados de novembro. A irmã tentou convencê-lo, sem sucesso, a emigrar para Londres. Graças à intervenção de Adorno, em meados de julho de 1940, B. finalmente conseguiu um visto para os EUA. Mas ele não obteve um visto para sair da França. O final da história é conhecido e se tornou uma espécie de marca que paira sobre B. e sua obra. (…) A verdade é que o suicídio, cometido em Portbou, após B. ter sido impedido de sair da França, é mesmo paradigmático. Foi realizado por um intelectual que de certa forma era um dos últimos grandes pensadores de ma tradição que foi condenada a seu fim com o nazismo.

* * *

Durer_diabo

B. nunca perde de vista a concepção grega das artes como tékhné, ou seja, como vemos no mito prometeico, uma tentativa, sempre ambígua, de <restituir ao ser humano uma totalidade>.” // Heidegger

August Sander (o maior fotógrafo retratista alemão, que publicou em 1929 seu Anlitz der Zeit [Rosto da época]).”

o enigmático, sinistro (Unheimlich), não cotidiano do cotidiano, criar uma aura para o habitual, trazer à consciência o invisível (meafísico, oculto) daquilo que parecia desaparecido.”

O elemento eminentemente ótico do modo de pensar e escrever de Kracauer, que também nesse ponto o unia a Benjamin, fica evidente nos textos de descrição e reflexão sobre a cidade, nos quais vemos como é possível filosofar a partir do gesto do andarilho ou do flâneur.”

É um gosto sublime sempre preferir as coisas elevadas à segunda potência. Por exemplo, cópias de imitações, julgamentos de resenhas, adendos a acréscimos, comentários a notas” Schlegel

a tentação não é pequena de substituir a data de 1900 pela de 2000”

Paradoxalmente, nas últimas duas décadas é a fotografia analógica que tem servido como um dos modelos do testemunho histórico” “<testemunho histórico> (geschichtliche Zeugenschaft). Temos de lembrar que zeugen, de onde deriva testemunhar em alemão, remete a gerar, procriar, reproduzir, ser pai.” “geramos sem a fecundação ao produzirmos robôs ou clones.”

diferentemente da maioria dos críticos da sociedade, Benjamin procura manter nesse ensaio uma visão positiva dos avanços da técnica. (Essa teoria da segunda técnica, ainda que sem a utilização desses termos, foi desenvolvida de modo cabal pelos últimos textos de Vilém Flusser, sobretudo em seu livro de 1985, O universo das imagens técnicas.)”

a relação entre a arte grega e os valores eternos – idéia essa que foi pela primeira vez formulada de modo acabado por Schiller em seu ensaio <Sobre a poesia inocente e a sentimental>, de 1795.

O fenômeno negativo, no avesso do qual se inscreve a arte da era dos choques, seria a aura. É interessante recordar que no século XVIII, em autores como Moses Mendelssohn, G.E. Lessing e Kant, o fenômeno negativo que era tomado como o oposto do que se considerava a arte então era o <asqueroso> (Ekel). Afirmava-se então também que o que provoca o asco nunca pode ser imitado e que o asqueroso, quando surge na arte, seria uma aparição direta da natureza.”

A arte aurática, que se ligava à falsa aparência” Relação direta com as páginas de Heidegger sobre Platão-Nie. que li ontem (9/4/17). “Mundo-verdade”

a flor azul (…) fusão com a natureza, fim da tristeza do estar no mundo.” Novalis – Heinrich von Ofterdingen, 1801.

Os cortes exigidos por Horkheimer e outros membros do Instituto tinham como justificativa o medo quanto à continuidade do financiamento da instituição, que havia se transplantado em parte para os EUA durante a II Guerra, e seus membros temiam trazer para si uma imagem radical de esquerdistas. O texto foi publicado em francês porque Horkheimer acreditou que as discussões levadas a cabo por Benjamin estariam mais inseridas no debate estético realizado então na França, onde Benjamin morava desde 1933”

Adorno cobra de Benjamin uma dialetização de uma série de conceitos, uma vez que ele discorda do olhar vanguardista e otimista de Benjamin diante do cinema e da segunda técnica. Apesar de Adorno criticar a influência de Brecht neste ensaio de Benjamin, o próprio dramaturgo não era um entusiasta deste trabalho.”

aprendemos a ver na arte um <buraco negro> que intensifica o tempo, concentrando-o em um agora diante de nossos olhos.”

* * *

Durer_melancolia

<Nem a matéria, nem o espaço, nem o tempo são há 20 anos aquilo que foram até então.> Paul Valéry: Pièces sur l’art (<La conquête de l’ubiquité>)”

Os gregos conheciam apenas dois métodos para a reprodução técnica de obras de arte: a fundição e a cunhagem. Bronzes, terra-cotas e moedas eram as únicas obras de arte que podiam ser criadas massivamente por eles. Todas as outras eram únicas e tecnicamente não reprodutíveis.” O Roberto Carlos

Com a xilogravura, as artes gráficas tornaram-se pela primeira vez tecnicamente reproduzíves; elas já o eram tempos antes de também a escrita sê-lo por meio da imprensa. São conhecidas as monstruosas modificações que a impressão – a reprodução técnica da escrita – provocou na literatura.”

Com a litografia, a técnica reprodutiva atinge um patamar fundamentalmente novo.”

as artes gráficas começaram a acompanhar o ritmo da impressão. Nisso, porém, já foram superadas, poucas décadas após a invenção da impressão sobre pedras, pela fotografia. Com a fotografia, a mão foi pela primeira vez aliviada das mais importantes obrigações artísticas no processo de reprodução figurativa, as quais recairiam a partir daí exclusivamente sobre o olho. Como o olho apreende mais rápido do que a mão desenha, o processo de reprodução figurativa foi acelerado de modo tão intenso que agora ele podia acompanhar o ritmo da fala. Se a litografia encerrava virtualmente o jornal ilustrado, também o cinema falado encontrava-se latente na fotografia. A reprodução técnica do som iniciou-se no final do século passado.”

No estúdio, o operador de câmera fixa as imagens, filmando-as na mesma velocidade em que o ator fala.”

Uma imagem medieval da Madonna ainda não era <autêntica> à época de sua criação; ela se o tornou no decorrer dos séculos seguintes, e talvez especialmente no século passado.”

A catedral deixa seu lugar para ser recebida no estúdio de um apreciador da arte; a música coral, que era executada em um salão ou ao ar livre, deixa-se apreciar em um cômodo.”

A mais miserável encenação provincial do <Fausto> tem em todo caso a vantagem, diante de um filme seu, de estar em concorrência ideal com a encenação original em Weimar.”

A significação social do filme, mesmo em seu aspecto mais positivo – e justamente nele –, revela-se impensável sem esse seu lado destrutivo, catártico: a liquidação do valor de tradição na herança cultural. Esse fenômeno é especialmente acessível nos grandes filmes históricos, de Cleópatra e Ben Hur [duas versões clássicas] a Fridericus e Napoleão.”

Abel Gance exclamou entusiasticamente em 1927: <Shakespeare, Rembrandt, Beethoven serão filmados… Todas as lendas, todas as mitologias e todos os mitos, todos os fundadores de religiões, e mesmo todas as religiões… aguardam sua ressurreição em celulóide, e os heróis precipitam-se aos portais> Abel Gance: Le temps de l’image est venu, in: L’art cinématographique II. Paris: 1927, pp. 94-96.”

Alois Riegl – Indústria artística do Império romano tardio, 1901.

Nada garante que um retratista contemporâneo, ao pintar um famoso cirurgião à mesa do café da manhã, rodeado pelos seus, atinge sua função social de modo mais certeiro que um pintor do século XVI que apresenta seus médicos representativamente ao público, como por exemplo Rembrandt em <Anatomia>.”

A remoção do objeto de seu invólucro, a destruição da aura, é a assinatura de uma percepção cujo <sentido para o idêntico no mundo> (Johannes V. Jensen) aumentou de tal modo que ela, por meio da reprodução, o extrai até mesmo do que é único. Revela-se, assim, no âmbito intuitivo, aquilo que na teoria se torna perceptível na crescente significação da estatística. O alinhamento da realidade com as massas e das massas com ela é um evento de alcance ilimitado, tanto para o pensamento quanto para a intuição.”

O essencialmente distante é o inaproximável. O inaproximável é de fato uma qualidade central da figura de culto. Ela permanece segundo sua própria natureza <distante, por mais perto que esteja>. A proximidade que se lhe pode alcançar em relação a uma matéria não interrompe a distância que ela conserva em sua aparição.”

o conceito de autenticidade não para jamais de tender a ultrapassar aquele da autêntica atribuição (Isso revela-se de modo especialmente claro no colecionador.): com a secularização da arte a autenticidade toma o lugar do valor de culto.”

O culto profuso à beleza, que se desenvolve na Renascença para manter-se em vigência por três séculos, revela nitidamente esses fundamentos após o término desse período, com o primeiro abalo mais intenso que sofreu: com o surgimento do primeiro meio de reprodução efetivamente revolucionário (simultâneo ao advento do socialismo), a fotografia, a arte sentiu aproximar-se a crise, reagiu com a doutrina do l’art pour l’art, que é uma teologia da arte. Desta surgiu por sua vez uma teologia negativa na forma da idéia de uma arte <pura> (Na poesia, Mallarmé foi o primeiro a alcançar essa posição.)”

<A bela arte (…) surgiu na própria igreja (…) embora (…) a arte já tivesse saído (com isso) do princípio eclesiástico.> (Hegel> Werke IX. Berlim: 1837, p. 414)”

Sabe-se, desde a investigação de Hubert Grimme, que a Madonna Sistina fôra pintada originalmente para fins expositivos. Grimme teve como ponto de partida para suas pesquisas a questão: o que faz ali o batente de madeira em primeiro plano na imagem, onde se apoiam os dois anjos? Como pôde, seguia perguntando Grimme, um Rafael chegar à idéia de equipar o céu com um par de cortinas? Dessa investigação resultou que a Madonna Sistina foi encomendada por ocasião do velório público do papa Sisto. O velório dos papas ocorria em uma capela lateral específica da basílica de São Pedro. O quadro de Rafael foi posicionado no velório solene, repousando sobre o caixão, numa espécie de nicho ao fundo dessa capela. Nas exéquias de Sisto, o quadro de Rafael encontrou uma aplicação extraordinária de seu valor de exposição. Algum tempo depois, ele foi para o altar-mor do mosteiro dos monges negros (beneditinos – N.T.) em Piacenza. A razão para esse exílio encontra-se no rito romano. O rito romano proíbe levar imagens expostas em cerimônias sepulcrais ao culto no altar-mor. A obra de Rafael foi em certa medida desvalorizada por meio desse regulamento. Para ainda assim obter um preço que lhe correspondesse, a cúria decidiu tolerar em silêncio a presença do quadro no altar. Para evitar a atenção, enviou-se o quadro à irmandade dessa província remota.”

O valor de culto enquanto tal tende justamente a manter a obra de arte oculta: certas estátuas de deuses são acessíveis somente ao sacerdote na cella” “A exponibilidade da pintura sobre madeira é maior do que aquela do mosaico ou do afresco que a antecederam.” “a sinfonia surgiu num momento em que sua exponibilidade prometia tornar-se maior do que a da missa.”

Brecht – Der Dreigroschenprozess (O processo dos três vinténs)

Em certo sentido, podemos considerar o ato máximo da primeira técnica como sendo o sacrifício humano; o da segunda encontra-se no horizonte dos aviões de controle remoto, que dispensam tripulação. A primeira técnica orienta-se pelo <de uma vez por todas> (nela trata-se do sacrilégio irreparável ou do sacrifício eternamente exemplar); a segunda, pelo <uma vez é nenhuma vez> (ela trata do experimento e das variações incansáveis dos procedimentos de teste). A origem da segunda técnica deve ser buscada onde o ser humano, com uma astúcia inconsciente, chegou pela primeira vez a tomar uma distância em relação à natureza.” “A primeira realmente pretende dominar a natureza; a segunda prefere muito antes um jogo conjunto entre natureza e humanidade. Isso vale sobretudo para o cinema.” “…quando a condição tiver se adaptado às novas forças produtivas desencadeadas pela 2ª técnica.” ILUSÃO

é a pessoa individual emancipada por meio da liquidação da primeira técnica que faz suas exigências. Mal a segunda técnica garantiu suas primeiras conquistas revolucionárias, as questões vitais do indivíduo – amor e morte – já exigem novas soluções. A obra de Fourier é o primeiro documento histórico dessa reivindicação.

atget cabaret au tambour

 

última trincheira: o semblante humano.” “O valor de culto da imagem encontra seu último refúgio no culto à rememoração dos entes queridos distantes ou falecidos.” “Onde o homem se retira da fotografia, o valor de exposição sobrepuja pela primeira vez o valor de culto. Ter dado a esse acontecimento o seu lugar é a significação incomparável de Atget, que registrou as ruas parisienses sob um aspecto despovoado por volta de 1900. Com muita razão disse-se dele que as fotografava como a uma cena de crime.” “provas indiciárias”

a legendagem – que claramente tem um caráter completamente distinto do título de um quadro – torna-se obrigatória pela primeira vez.”

Os gregos foram levados pelo estado de sua técnica a produzir valores de eternidade na arte. É a essa situação que eles devem seu lugar excepcional na história da arte” “Não há dúvida de que o nosso se encontre no pólo oposto ao dos gregos.” “o filme tornou crucial uma qualidade da obra de arte que teria sido a última a ser reconhecida pelos gregos, ou que, pelo menos, seria para eles a menos essencial de todas. É essa a sua capacidade de ser melhorado. O filme pronto é tudo menos uma criação de um lance” “Para realizar o seu filme Opinion publique, que tem 3 mil metros de comprimento, Chaplin filmou 125 mil metros. O filme é, portanto, a obra de arte mais passível de melhoria. E essa sua capacidade de ser melhorado está ìntimamente ligada a sua recusa radical do valor de eternidade.” “contraprova: o ápice de todas as artes encontrava-se na arte menos passível de melhoria – a saber, a escultura, cujas criações se fazem literalmente a partir de uma peça. A decadência da escultura na era da obra de arte montável é inevitável.”

A disputa travada no decorrer do século XIX entre a pintura e a fotografia acerca do valor artístico de seus produtos parece-nos hoje absurda e confusa.” “Embora já se tivesse gasto muita perspicácia em vão na resolução da questão de se a fotografia é uma arte – sem ter se colocado a pergunta anterior: se, por meio da intervenção da fotografia, o caráter geral da arte não foi modificado –, os teóricos do cinema logo assumiram o mesmo questionamento precipitado.” Resposta tardia: não é que o videogame não seja uma arte, é que não há mais “arte”.

Filme “Sonho de uma noite de verão” de Reinhardt

O filme (…) dá (ou poderia dar) explicações úteis sobre as ações humanas em detalhe (…) Toda motivação do caráter cessa, a vida interior das pessoas jamais dá a causa principal e é raramente o resultado principal da ação” Brecht, I, c., p. 268. “Assim, a significação do teste de proficiência cresce constantemente. No teste de proficiência trata-se de recortes da performance do indivíduo.”

O ator de cinema distingue-se do ator teatral pelo fato de sua performance artística, em sua forma original, a partir da qual se realiza a reprodução, não ocorrer diante de um público aleatório, mas diante de um comitê de especialistas, os quais, na qualidade de diretor de produção, diretor, operador de câmera, engenheiro acústico, iluminador, etc., podem tomar a todo tempo a atitude de interferir em sua performance artística.” “a interferência de um comitê especializado em uma performance artística é também característica de performances esportivas e, num sentido mais amplo, dos procedimentos de teste em geral.” “O esportista conhece, em certo sentido, apenas o teste natural.” Não o do atletismo pós-moderno ou participante de jogos individuais (exceto tênis?). Trabalho como performance: o cume do idiótico. “Nurmi, corredor finlandês que quebrou diversos recordes mundiais nos anos 1920.”

Atuar sob a luz do holofote atendendo ao mesmo tempo às condições impostas pelo microfone é uma performance de teste de primeira linha. Realizá-la significa conservar a sua humanidade diante da aparelhagem. O interesse nessa performance é enorme. Pois, tanto nos escritórios quanto nas fábricas, é diante de um aparato que a grande maioria da população urbana deve, ao longo da jornada de trabalho, renunciar à sua humanidade.” Eu, DiCaprio – Mas como é para o próprio proletário DiC.?

Pirandello – Cadernos de Serafino Gubbio Operador

Observadores especialistas reconheceram já há bastante tempo que na atuação para o cinema <quase sempre os maiores efeitos são atingidos ao ‘atuar-se’ o mínimo possível (…)>.”

a tentativa de deixar o ator atuar sem maquiagem, como o fez, entre outros, Dreyer, em seu Jeanne D’Arc. Ele passou meses escolhendo os 40 atores que comporiam o tribunal inquisitório. A busca por esses atores era como procurar um objeto de cena raro. Dreyer despendeu grandes esforços evitando a semelhança de idade, de estatura, de fisionomia entre esses atores.” “Um relógio em funcionamento será sempre um estorvo no palco. Ali, o seu papel de medir o tempo não tem lugar. Mesmo em uma peça naturalista, o tempo astronômico também colidiria com o cênico.”

a arte remove <a aparência e o engano deste mundo ruim e passageiro> do <verdadeiro conteúdo das aparições> (Hegel)”

A bela aparência como efetividade aurática, por outro lado, preenche ainda completamente a obra goethiana. Mignon, Ottilie e Helena têm parte nessa efetividade.”

O modo de agir do diretor que, para gravar o susto da pessoa representada, causa experimentalmente um susto real em seu ator é completamente justo cinematograficamente.” “Estrelas de cinema não são quase nunca atores excepcionais quando se trata do palco. Pelo contrário, são na maioria das vezes atores de segundo ou terceiro escalão, para os quais o cinema abriu uma grande carreira. E, por sua vez, são raramente os melhores atores de cinema que tentam passar do filme ao palco” “O típico ator de cinema representa apenas a si próprio. Ele opõe-se ao tipo do mímico.”

aparência e jogo (Schein und Spiel)” “autoalienação (Selbstentfremdung)“alienação (Befremdung)” “do mesmo tipo que a alienação do ser humano diante de sua aparição no espelho, na qual os românticos tinham gosto em demorar-se.”

nova seleção, uma seleção diante da aparelhagem, da qual o campeão, a estrela e o ditador emergem como vencedores.” Marilyn Federer the Hitler

Se há tantas versões e nunca nos decidimos pela melhor, isso quer simplesmente dizer: texto mal-redigido.

Na solidariedade da luta de classes proletária apaga-se a oposição morta, não dialética, entre indivíduo e massa; ela não se mantém para companheiros.” “A luta de classes afrouxa a massa compacta dos proletários; a mesma luta de classes, porém, comprime a da pequena burguesia. A massa impenetrável e compacta, que Le Bon e outros tornaram o objeto de sua <psicologia de massas>, é a pequeno-burguesia. A pequeno-burguesia não é uma classe; ela é de fato apenas massa, e uma massa tanto mais compacta quanto maior a pressão que sofre entre as duas classes hostis da burguesia e do proletariado.” #Pérolas

as manifestações da massa compacta trazem consigo sempre um traço de pânico – estejam expressando o entusiasmo com a guerra, o antissemitismo ou o impulso de autopreservação.”

Wertoff – Três canções para Lenin

Ivens – Borinage

O INGÊNUO: “a diferença entre o autor e o público está a ponto de perder o seu caráter fundamental.” “A competência literária não depende mais da formação especializada, mas da politécnica, tornando-se propriedade comum.” Na verdade, não depende nem daquilo, nem disso.

O talento artístico, porém, é algo bastante raro; disso segue (…) que a todo tempo e em toda parte a porção preponderante da produção artística tenha sido medíocre. Hoje, porém, a porcentagem de lixo no conjunto da produção artística está maior do que nunca” Aldous Huxley

diferentemente do mago (que ainda se encontra oculto no clínico geral), o cirurgião se abstém, no momento decisivo, de confrontar o seu paciente face a face; ao contrário, ele penetra-o de modo operativo. – Mago e cirurgião relacionam-se como pintor e operador de câmera.” “As audácias do operador de câmera são de fato comparáveis às do operador cirúrgico.” Forçação. “um caso da otorrinolaringologia; refiro-me ao assim chamado método perspectivo endonasal; ou remeto também às proezas artísticas acrobáticas, as quais, guiadas pela imagem invertida do espelho laringeal, devem realizar a cirurgia de laringe; também poderia falar da cirurgia de ouvido, que lembra o trabalho preciso de relojoeiros. Que rica gradação da mais sutil acrobacia muscular não é exigida do homem que quer consertar ou salvar o corpo humano! Pense-se na operação de catarata, na qual pode-se dizer que há uma disputa do aço com tecidos praticamente líquidos, ou nas significativas incursões na cavidade abdominal (Laparotomia).” Luc Durtain: La technique et l’homme, in: Vendredi, 13 de março de 1936, n. 19.

O comportamento mais reacionário – diante de um Picasso, por exemplo – torna-se altamente progressista em face de um Chaplin.” “quanto mais a significação social de uma arte é reduzida – como pode ser comprovado claramente no caso da pintura –, mais se distanciam mutuamente os comportamentos crítico e usufruidor do público. O convencional é usufruído àcriticamente; o efetivamente novo é criticado a contragosto. Mas não no cinema [ainda?].” “A pintura sempre foi apropriada à contemplação exclusiva de um ou de poucos. A contemplação simultânea de pinturas por um grande público, surgida no século XIX, é um sintoma precoce da crise da pintura” “Leonardo compara a pintura e a música com as seguintes palavras: <A pintura é superior à música pois não precisa morrer no momento em que é chamada à vida, como é o caso da música infeliz (…) A música, a qual se volatiliza assim que surge, é inferior à pintura que, com o uso do verniz, se torna eterna.> (Leonardo da Vinci: Frammenti letterarii e filosofici apud Fernand Baldensperger: Le raffermissement des techniques dans la littérature occidentale de 1840, In: Revue de Littérature Comparée, XV/I. Paris: 1935, p. 79, nota I).” “Igualmente, o mesmo público que reage de maneira progressista diante de uma comédia burlesca deve tornar-se reacionário diante do surrealismo.” O livro jamais “entrará em crise”?

Um ato falho em uma fala passava há 50 anos mais ou menos despercebido.”

Nossos botequins e avenidas, nossos escritórios e quartos mobiliados, nossas estações de trem e fábricas pareciam fechar-se em torno de nós de maneira desesperadora. Então veio o filme e mandou esse calabouço pelos ares com a dinamite do décimo de segundo” [?] “tampouco a câmera lenta traz à percepção padrões de movimento conhecidos, mas descobre, nesses movimentos conhecidos, outros completamente desconhecidos, <que não dão de modo algum a impressão de serem a desaceleração de movimentos mais rápidos, mas de estarem deslizando, singularmente flutuantes, de modo sobrenatural> (Rudolf Arnheim).” “Somente por meio da câmera chegamos a conhecer o inconsciente óptico, assim como conhecemos o inconsciente pulsional por meio da psicanálise.” “Muitas das deformações e estereótipos, das metamorfoses e catástrofes que afetam o mundo da óptica nos filmes encontram-se de fato em psicoses, alucinações e sonhos.” “O filme abriu uma brecha naquela antiga verdade heraclítica, segundo a qual os acordados têm o seu mundo em comum, e os dormentes têm cada um um mundo para si. E o fez muito menos apresentando o mundo do sonho do que criando figuras do sonho coletivo, como o mundialmente famoso Mickey Mouse.” “um desenvolvimento forçado de fantasias sádicas ou de alucinações masoquistas pode impedir o seu amadurecimento” Aristóteles – O Retorno “A risada coletiva proporciona a erupção precoce e salutar de tal psicose de massas.” Comédia e terror encontram-se, como revelam as reações de crianças, em proximidade estreita.” “O que se revela nos mais novos filmes da Disney já está, de fato, dado em alguns dos mais antigos: a tendência a aceitar confortavelmente a bestialidade e a violência como aparições que acompanham a existência.” “os Hooligans dançantes que encontramos em imagens de pogroms medievais, e o conto <A chusma>, dos irmãos Grimm, constitui a sua lívida e incerta retaguarda.” [?]

antes do surgimento do filme havia pequenos livros de fotos cujas imagens, passando rapidamente diante dos olhos do observador por meio de um movimento do polegar, exibiam uma luta de boxe, ou uma partida de tênis; havia os autômatos nos bazares ou passagens, em que um giro de manivela mantinha em movimento uma sequência de imagens.” “O vazio pode ser agradável em uma galeria de arte, mas não pode mais sê-lo no Kaiserpanorama, e de modo algum no cinema. Mas no Kaiserpanorama – como na maioria das galerias de arte – cada um ainda tem a sua própria imagem.” “Esse público era posto diante de um biombo, onde eram instalados estereoscópios, um para cada espectador. Diante desses estereoscópios apareciam automaticamente imagens singulares, que duravam pouco tempo para então dar lugar a uma outra. Edison precisou ainda trabalhar com meios semelhantes para executar o primeiro rolo de filme – antes de a tela de cinema e a técnica da projeção serem conhecidas – diante de um pequeno público que mirava dentro do aparato onde a seqüência de imagens se desenrolava.” “As extravagâncias e cruezas da arte que desse modo ocorrem nos assim chamados períodos de decadência originam-se, em verdade, de seu centro de força histórico mais rico. O dadaísmo teve ainda recentemente sua alegria em tais barbarismos. Seu impulso torna-se recognoscível apenas agora: o dadaísmo tentava obter com os meios da pintura (ou literatura) os mesmos efeitos que o público busca hoje no filme.” “Os dadaístas davam muito menos peso à valorização mercantil de suas obras do que a sua inutilidade enquanto objetos de imersão contemplativa. A degradação generalizada de seu material era um dos principais meios pelos quais buscavam atingir essa inutilidade. Seus poemas são <saladas verbais>; eles contêm expressões obscenas e todo lixo lingüístico imaginável.” Quão vanguardista, sr. Benjamin! “aniquilação indiscriminada da aura”

Jean-Hans_Arp

 

É impossível dar-se tempo para se concentrar e tomar uma posição diante de um quadro de Arp ou um poema de August Stramm da mesma maneira que diante de um quadro de Derain ou de um poema de Rilke. À imersão – que se tornou, com a decadência da burguesia, um exercício de comportamento associal – opõe-se a distração como uma espécie de jogo com o comportamento social.” “incitar a irritação pública. § Com os dadaístas, em vez de uma aparência atraente ou de uma construção tonal convincente, a obra de arte tornou-se um projétil. (…) O filme libertou de sua embalagem o efeito de choque físico que o dadaísmo ainda mantinha envolto no choque moral.

Derain

Também Riegl corrigiu esse termo nas edições seguintes de sua obra, substituindo <tático> (taktisch) por <tátil> (taktil).”

Eu já não posso mais pensar o que quero. As imagens movimentadas suplantam meus pensamentos” Georges Duhamel, Scènes de la vie future. Paris: Mercure de France, 2ª ed., 1930, p. 52. “Duhamel chama o filme de <um passatempo para hilotas, uma dispersão para criaturas ignorantes, abjetas, exauridas pelo trabalho, que são despidas de suas preocupações (…), um espetáculo que não exige nenhuma concentração, que não pressupõe nenhuma faculdade intelectual (…), que não acende nenhuma luz no coração e que não desperta nenhum outro tipo de esperança a não ser aquela ridícula de um dia tornar-se uma ‘estrela’ em Los Angeles.>”

Assim como para o dadaísmo, o filme oferece também para o cubismo e para o futurismo importantes conclusões. Ambos surgem como tentativas deficitárias da arte de dar conta da penetração da realidade com a aparelhagem.” “o pressentimento da construção dessa aparelhagem – que se baseia na óptica – tem um papel predominante no cubismo: no futurismo predomina o pressentimento dos efeitos, que entram em vigência com o rápido desenrolar da película.”

Construções vêm acompanhando a humanidade desde sua pré-história. Muitas formas de arte surgiram e desapareceram. A tragédia surge entre os gregos para apagar-se com eles e renascer depois de séculos. A epopéia, cuja origem está na juventude dos povos, apaga-se na Europa com o fim da Renascença. A pintura sobre madeira é uma criação da Idade Média, e nada lhe garante uma duração ininterrupta. A necessidade humana de moradia, porém, é constante.”

A recepção tátil ocorre mais por meio do hábito que pela atenção.” “a capacidade de resolver certas tarefas na dispersão indica que essa solução se tornou hábito.”

O fascismo caminha diretamente em direção a uma estetização da vida política. Com D’Annunzio a decadência penetrou a política; com Marinetti, o futurismo; e com Hitler, a tradição de Schwabing. § Todos os esforços para estetizar a política culminam em um ponto. Esse ponto é a guerra. A guerra, e somente a guerra, possibilita dar uma finalidade a grandes movimentos de massa sob auspício das relações de posse tradicionais.”

No lugar de usinas de força a guerra coloca em ação a força humana, na forma de exércitos. No lugar do trânsito aéreo, ela instaura o trânsito de balas, e na guerra química ela tem um novo meio para extirpar a aura. § Fiat ars – <pereat mundus>, diz o fascismo”

A humanidade, que em Homero fôra um dia objeto de contemplação para os deuses olímpicos, tornou-se objeto de sua própria contemplação. Sua autoalienação atingiu tal grau que se lhe torna possível vivenciar a sua própria aniquilação como um deleite estético de primeira ordem.” Conceito-engodo: o “querer-morrer”, o deixar malograr a parte podre, não pode ser entendido pela dialética.

Veredito: tradução bem aquém da primeira lida.

atget1

* * *

ANEXO A – Esboços de Benjamin

Nada é mais corrente ao teste em sua figura moderna do que medir o ser humano com uma aparelhagem.” Rocky IV – Ironia Comunista – Drogo, a Máquina

O gesto de Chaplin não é efetivamente cênico. Ele não teria sido capaz de se sustentar no palco. [!!!] (…) ele monta o ser humano no filme a partir de sua gesticulação (…) ele decompõe a movimentação expressiva humana em uma seqüência das mais mínimas enervações. Cada um de seus movimentos constitui-se de uma seqüência de partículas picadas de movimento.” “Sobre o que repousa então a comicidade desse comportamento?”

Dentre todas as artes, o teatro é a menos acessível à reprodução mecânica, quer dizer, à estandardização: por isso as massas afastam-se dele. Da perspectiva histórica, o mais importante da obra de Brecht talvez seja a sua produção dramática, a qual permite ao teatro assumir sua forma mais sóbria e modesta, e mesmo mais reduzida, para nela hibernar.” O mesmo erro de Leonardo: apólogo barato do próprio tempo.

Nietzsche reivindicou uma medida de valor moral própria para cada indivíduo. Esse ponto de vista encontra-se fora de curso; ele é infrutífero sob as relações sociais dadas.” “onde antes a exemplaridade era exigida moralmente, o presente exige a reprodutibilidade.”

Qual a situação de nossas construções atuais? Elas tornaram-se, como é possível reconhecer nas grandes cidades, suportes de reclames.” “Não há, diante do cartaz, como havia perante o ídolo, nem amigos da arte, nem ignorantes.”

Duchamp não pode ser identificado com nenhum tipo de escola. Ele era próximo do surrealismo, é amigo de Picasso, embora sempre tenha permanecido em isolamento.” “La Mariée mise à nu par ses Célibataires (…): assim que um objeto é visto por nós como uma obra de arte, ele não pode mais absolutamente figurar enquanto tal. (…) o ser humano contemporâneo pode experimentar o efeito específico da obra de arte muito mais em objetos desengajados (quer dizer, retirados de seu contexto funcional) do que em obras de arte renomadas.”

fenômenos da decadência (Entartungserscheinungen).”

A história da arte é uma história de profecias.” “É a tarefa mais importante da história da arte decifrar, nas grandes obras do passado, as profecias em vigência na época de sua concepção.”

Kinematograh mit optischem Ausgleich der Bildwanderung (Cinematógrafo com compensação ótica do movimento imagético) de August Musger, um aparelho que servia simultaneamente como câmera e como projetor e que foi o primeiro a possibilitar a gravação e reprodução de cenas em câmera lenta.”

Aquilo que surgiu no filme mudo como <música de acompanhamento> era – do ponto de vista histórico – a música que aguardava – <fazia fila> – diante dos portões do filme. (…) tanto um hit quanto uma sonata de Beethoven podem, enquanto tais, ser montados na ação do filme.” Mas a melhor música de acompanhamento, ironicamente, é justo a música clássica, a “única música” anterior ao filme!

Sade e Fourier têm em vista a efetivação imediata da vida humana feliz. Em oposição a isso, vê-se esse lado da utopia retroceder na Rússia. (Não é por acaso que as expedições ao Ártico e à estratosfera pertencem aos primeiros grandes feitos da União Soviética pacificada.)”

É sabido que Schiller deu um lugar privilegiado ao jogo em sua estética, enquanto a estética de Goethe é determinada por um interesse passional pela aparência.”

a invenção da arte da impressão levou à liberdade de imprensa. Hoje as invenções técnicas são meios de uma dominação monstruosa das massas; ao rádio pertence o monopólio radiofônico, ao filme a censura cinematográfica.” Carl Schmitt – palestra “Sobre a era das neutralizações e despolitizações”, em 1929.

Duchamp_legrandverre

* * *

ANEXO B – Carta de Adorno

O senhor sabe que o objeto <liquidação da arte> encontra-se há muitos anos subjacente a meus ensaios estéticos, e que a ênfase com a qual defendo o primado da tecnologia, acima de tudo na música, deve ser compreendida estritamente nesse sentido e no de sua segunda técnica.”

Adorno devia ser mais chato que o Prof. Edson pessoalmente.

Cf. Adorno, <Der Dialektische Komponist> (<O compositor dialético>), publicado em Viena, em 1924, e posteriormente incluído no volume de Adorno, Impromptus. Frankfurt a. M.: Suhrkamp, 1968.”

Por mais dialético que seja o seu trabalho, ele não o é em relação à própria obra de arte autônoma; ele ignora a experiência elementar (…) a suprema conseqüência na observância da lei tecnológica da arte autônoma a modifica, aproximando-a, no lugar da tabuização e da fetichização, do estado de liberdade daquilo que é conscientemente confeccionável, realizável.” “Ninguém poderia estar mais de acordo com o senhor do que eu, quando salva o filme kitsch em face do filme <de nível>; a l’art pour l’art, porém, seria igualmente carente de salvação”

O senhor fala do jogo e da aparência como os elementos da arte; mas nada me diz por que o jogo deveria ser dialético, e a aparência não. Pois dialetizar a tecnicização e a alienação, mas não o mundo da subjetividade objetivada, significa politicamente nada mais do que confiar imediatamente ao proletariado um desempenho que este, segundo a sentença de Lenin, não pode realizar senão por meio da teoria dos intelectuais como sujeitos dialéticos, que pertencem à esfera da obra de arte relegada ao inferno pelo senhor.”

a teoria da reprodução musical, planejada há anos por mim e por Kolisch (esse trabalho que Adorno planejou realizar com o violinista Rudolf Kolisch (1896-1978) nunca se concretizou. – N.R.)”

assim como a reificação do cinema não está totalmente perdida, tampouco a da grande obra de arte; e, enquanto seria uma atitude burguesa reacionária negar aquela primeira reificação a partir do ego, revogar essa segunda, no sentido do valor de uso imediato, beiraria o anarquismo. Les extremes me touchent, assim como ao senhor: mas apenas quando a dialética do mais elevado é equivalente à do mais rebaixado, e não simples deterioração. (…) sacrificar uma em favor da outra seria romântico; seja como romantismo burguês na conservação da personalidade e de todo encanto desse tipo, seja como romantismo anárquico na confiança cega no autodomínio do proletariado no processo histórico – do proletariado, o qual é ele mesmo produzido de forma burguesa. Devo acusar, de certo modo, o trabalho do segundo romantismo.”

Nada mais reacionário que um sábio comunista. O trabalho do negativo?

O riso do público no cinema não é absolutamente bom e revolucionário, mas cheio do pior sadismo burguês; o caráter de especialista dos jovens jornaleiros que discutem acerca do esporte me é altamente duvidoso; e, por fim, a teoria da dispersão, apesar de sua persuasão sob a forma do choque, não me convence.” “que o reacionário se torne um vanguardista perante o filme chapliniano – isso me parece igualmente uma completa romantização”

O senhor subestima a tecnicidade da arte autônoma e superestima a da arte dependente”

tampouco escaparemos das antigas tabuizações somente ao nos envolvermos com outras, novas. A finalidade da revolução é a abolição do medo. Por isso não precisamos ter medo dela, e nem ontologizar nosso medo.”

Trata-se de um veredito completo sobre o jazz, na medida em que particularmente seus elementos <progressistas> (aparência de montagem, trabalho coletivo, primado da reprodução perante a produção) são revelados como fachadas para um elemento que na verdade é totalmente reacionário. Creio que logrei decifrar efetivamente o jazz e determinar sua função social.”

Der liebe Gott wohnt im Detail [O bom Deus mora no detalhe]” Aby Warburg

as poucas sentenças acerca da desintegração do proletariado como <massa> por meio da revolução contam dentre o que há de mais profundo e poderoso que jamais encontrei em termos de teoria política desde que li Estado e Revolução [Lenin, 1917].” Faz aquela média covarde no final.

O PRIMO BASÍLIO

DIC – voltaire:

voltaire

(Curiosamente, Voltaire apreciava sentar-se em voltairtes!)        

        causeuse: sofá para dois

        bambinela: cortina do vão da janela

       “lausperene: [Religião católica] Louvor perene;  Exposição permanente do Santíssimo Sacramento.”

      capacho: artefato retangular ou redondo para limpar a sola dos sapatos; cesto para agasalhar os pés enquanto sentado.

        peitilho: parte da camisa que assenta sobre o peito

        farnel: marmita

        galgo: cão esguio e ágil usado para caçar lebres; perdigueiro.

        merino: lã de carneiro

     gaforin[h]a: cabelo em desalinho (tirado de Isabel Gafforini, cantora italiana que se apresentou em Lisboa no começo do XIX)

        cassa: tecido transparente de linho ou algodão

        estanqueiro: dono de estanco (tabacaria)

        tumba: azarado no jogo

        caquexia: enfraquecimento, torpor

        lamechas: piegas

    tipóia: sustento do braço do doente; carruagem caindo aos pedaços; cadeira para transporte de nobres (África, Índia).

        cachimônia: racionalidade, sensatez

        zarzuela: ópera-bufa espanhola

        azeviche: carvão mineral rico em carbono

        récua: bestas de carga

        casabeque: casaco feminino, leve e pequeno

        cacif[r]o: caixa para quinquilharias

        piorra: pião pequeno; cotovia.

        cotovia: ave cinzenta de pintas escuras

        chorão: salgueiro de ramos pendentes

        estearina: princípio dos corpos gordos; óleos.

        gebo: corcunda; maltrapilho; espécie de boi africano e asiático com uma corcunda.

        estore: cortina para janela de carruagem; persiana.

        cupê: carruagem fechada para dois

        choldra: escória; bodega; prisão.

        saloio: camponês; finório; tipo de pão lisboeta.

        albardão: sela rústica

        sinapismo: procedimento médico antigo que visa a deslocar o germe da doença para órgão menos relevante do corpo, cataplasma de mostarda.

        cabaz: caixa de folha para transportar comida; bebida quente à base de café, vinho, açúcar e canela.

        cheta: tostão, vintém

        grulhar: tagarelar

        tombadilho: cobertura do navio entre o mastro e a popa

        em mangas de camisa: com os cotovelos à mostra

        chazada: refeição com chá; esporro; maçada.

        inculcadeira ou inculcador(a): fofoqueira, charlatã; conselheira.

        quizila: inimizade, antipatia, zanga, embirração, teima

        alfenim: melindroso, janota

        derriçar: puxar violentamente; insistir; troçar; namorar.

        landó: landô, landau, carroça de quatro rodas com cabine conversível

        espertina: insônia

        goiva: fruta

        goivar: magoar

        quino: bingo, loto

        ourelo: tecido grosseiro; namoro; cautela.

 

* * *

“Jorge era muito escalorado, admirava Louis Figuier [biólogo], Bastiat [precursor da Escola Austríaca de Economia] e Castilho [escritor e jurista luso], tinha horror a dívidas e sentia-se feliz.”

 

“Era A Dama das Camélias. Lia muitos romances.”

 

“Fôra o seu primeiro namoro, o primo Basílio! Tinha então 18 anos! Ninguém o sabia, nem Jorge, nem Sebastião…” “Basílio estava pobre, partiu para o Brasil. Que saudades!” “Tinham passado 3 anos quando conheceu o Jorge. Ao princípio não lhe agradou. Não gostava dos homens barbados: depois percebeu que era a primeira barba, fina, rente, muito macia decerto”

 

“Que queres tu? De cada vez imagino que é uma paixão, e de cada vez me sai uma maçada.”

 

“entalado na sua vida mesquinha, Julião Zusarte via os outros, os medíocres, os superficiais, <furar>, <subir>, instalar-se à larga na prosperidade! (…) esperava, com a tenacidade do plebeu sôfrego, uma clientela rica (…) uma mulher loura com dote. (…) e como elas tardavam a chegar ia-se tornando despeitado e amargo; andava amuado com a vida; cada dia se prolongavam mais os seus silêncios hostis, roendo as unhas, e nos dias melhores não cessava de ter ditos secos, tiradas azedas – em que a sua voz desagradável caía como um gume gelado.” “Aquele parente, um <medíocre>, que vivia confortavelmente, bem casado, com a carne contente, estimado no Ministério, com alguns contos de réis em inscrições – parecia-lhe uma injustiça e pesava-lhe como uma humilhação.”

 

“D. Felicidade de Noronha sempre tivera o gosto perverso de certas mulheres pela calva dos homens”

 

“As neves que na fronte se acumulam

Terminam por cair no coração…”

 

“O conselheiro Acácio nunca usava palavras triviais; não dizia vomitar, fazia um gesto indicativo e empregava restituir. Dizia sempre <o nosso Garret, o nosso Herculano [historiador e novelista]>. Citava muito. Era autor. E sem família, num terceiro andar da Rua do Ferregial, amancebado com a criada, ocupava-se de economia política: tinha composto os Elementos Genéricos da Ciência da Riqueza e Sua Distribuição, segundo os Melhores Autores, e como subtítulo: Leituras do Serão. Havia apenas meses publicara a Relação de Todos os Ministros de Estado desde o Grande Marquês de Pombal até Nossos Dias, com Datas Cuidadosamente Averiguadas de Seus Nascimentos e Óbitos.”

 

“- Ah!, Lisboa sempre é Lisboa! – suspirou D. Felicidade.

– Cidade de mármore e de granito, na frase sublime do nosso grande historiador! – disse solenemente o conselheiro.”

 

“por escrúpulo e por dignidade, abandonou a rabeca (…) Entregou-se de todo à estatística.”

 

“<Esta vida mata-me!> Escrevia todavia por paixão entranhada pela Arte – porque era empregado na Alfândega, com bom vencimento, e tinha quinhentos mil réis de renda das suas inscrições. A Arte mesmo, dizia, obrigava-o a desembolsos: para o ato do baile da Honra e Paixão mandara fazer, à sua custa, botas de verniz para o galã, botas de verniz para o pai-nobre [quem faz o pai na tragédia ou na comédia]!” “Eu peço desculpas, isso é apenas um borrão. A coisa não está ainda com todos os ff e rr. – Fez então voz teatral: – Ágata!… É a mulher”

 

“Se enganou o marido, sou pela morte. No abismo, na sala, na rua, mas que a mate.”

 

“Todo o casal bem organizado, Sebastião, deve ter dois filhos! Deve ter pelo menos um!…”

 

“Parecia estar em Málaga ou em Granada, não sabia: por baixo de um lampião, suspenso a um ramo, um cantador sentado na tripeça mourisca faz gemer a guitarra; e ao largo dorme uma Andaluzia de romance de zarzuela, quente e sensual.”

 

“<Se houvesse um pequerrucho, já não ficavas tão só!> Ela suspirou. Também o desejava tanto! Chamar-se-ia Carlos Eduardo.” “E a vida parecia-lhe infindável, de uma doçura igual, atravessada do mesmo enternecimento amoroso, quente, calma e luminosa como a noite que os cobria.”

 

“- Diz que me não demorasse no médico. É como quem diz: cura-te depressa ou espicha depressa!

Foi buscar a vassoura a um canto, e com um suspiro agudo:

– Todas o mesmo, uma récua!”

 

Pp. 31-33: “As antipatias que a cercavam faziam-na assanhada, como um círculo de espingardas enraivece um lobo.” “veio-lhe a inquietação nervosa dos músculos da face, o tique de franzir o nariz: a pele esverdeou-se-lhe de bílis.

A necessidade de se constranger trouxe-lhe o hábito de odiar: odiou sobretudo as patroas, com um ódio irracional e pueril. Cada riso delas era uma ofensa à sua tristeza doentia; cada vestido novo uma afronta ao seu velho vestido de merino tingido. Detestava-as na alegria dos filhos e nas propriedades da casa. Rogava-lhes pragas. Se os amos tinham um dia de contrariedade, ou via as caras tristes, cantarolava todo o dia em voz de falsete a Carta Adorada!

As boas palavras mesmo, as condescendências, eram perdidas com ela, como gotas de água lançadas no fogo. Resumia as patroas na mesma palavra – uma récua. E detestava as boas pelos vexames que sofrera das más. A ama era para ela o Inimigo, o Tirano. Tinha visto morrer duas – e de cada vez sentira, sem saber por quê, um vago alívio, como se uma porção do vasto peso que a sufocava na vida se tivesse desprendido e evaporado!

(…) Andava à busca de um segredo, de um bom segredo! Se lhe caía um nas mãos!

(…) De comer sempre os restos ganhara o ar aguado, o seu cabelo tomara tons secos, cor de rato.

(…) e Juliana começou a detestar Luísa. pôs-lhe logo um nome: <a Piorrinha>!

(…) Jorge e Luísa tomavam banho todos os dias, e era um trabalhão encher, despejar todas as manhãs as largas bacias de folha: achava despropositada aquela mania de se porem a chafurdar todos os dias que Deus deitava ao mundo: tinha servido vinte anos e nunca vira semelhante despropósito!

(…) O pé era o seu orgulho, a sua mania, a sua despesa. Tinha-o bonito e pequenino.”

 

“Tratam-se por tu! – exclamou. – Tratam-se por tu, Srª Joana!”

 

“Luísa, que nunca tomava café, quis nessa tarde <meia chávena, mas forte, muito forte>”

 

“Também ele passara a manhã deitado no sofá a ler A Mulher de Fogo, de Belot. Tinha lido, ela?

– Não, que é?

– Talvez um pouco picante; não to aconselho!

D. Felicidade andava a ler o Rocambole. Tanto lho tinham apregoado! Mas era uma tal trapalhada! Embrulhava-se, esquecia-se… E ia deixar, porque tinha percebido que a leitura lhe aumentava a indigestão.” “felicitava-a, porque as doenças de estômago, ultimamente, tinham muito chique. Interessou-se pela dela, pediu pormenores.”

 

“É o primo! – refletiu ela. – E só vem então quando o marido se vai. Boa! E fica-se toda no ar quando ele sai, e é roupa branca e mais roupa branca, e roupão novo, e tipóia para o passeio, e suspiros e olheiras! Boa bêbada! Tudo fica na família!”

 

“– É algum romance? – perguntou Luísa.

– Não. É o tratado do Dr. Lee sobre doenças de útero.”

 

“tinha notado que muita gente, num local, causa vertigem aos homens de estudo.”

 

“Em rapaz fui dado à flauta.”

 

“– Alguma novidade, o que estava tocando, D. Luísa?

– Não! Uma música muito conhecida, já antiga: A Filha do Pescador, de Meyerbeer!”

 

“Sou negrinha, mas meu peito

Sente mais que um peito branco.”

 

“Não te podia levar para o Brasil. Era matar-te, meu amor! Tu imaginas lá o que aquilo é!”

 

“<Era uma mulher distintíssima, tinha naturalmente o seu amante…>

O adultério aparecia assim um dever aristocrático.”

 

“Mas tinha medo, podiam ver…

– O quê! Num cupê fechado? Com os estores descidos?

Mas então era pior que estar numa sala, era abafar numa boceta!”

 

“Basílio cantou a Medjê, a melodia de [Charles] Gounod, tão sensual e perturbadora.” https://www.youtube.com/watch?v=tocnIIWAGB8

 

“publicamente costumava gloriar-se de uma pobreza que intimamente não cessava de o humilhar.”

 

“Estiveram para casar. Depois o pai faliu, ele foi para o Brasil, e de lá escreveu para romper o casamento.

Julião sorriu, e encostando a cabeça à parede:

– Mas isso é o enredo da Eugênia Grandet, Sebastião! Estás-me a contar o romance de Balzac! (…)

– Ó Julião! Com essas coisas não se brinca!

– (…) Namorou-a solteira, agora quere-a casada! (…) O Primo Basílio tem razão: quer o prazer sem a responsabilidade! (…) Todos os primos raciocinam assim.”

 

“E quando a gente tem pouca saúde não há nada pior que enfrenesiar-se…”

 

“chamava-lhe <sua pomba>, <seu ideal>.”

 

“o amigo de Basílio de Brito, o visconde Reinaldo, achava a temperatura de Lisboa <reles>; e andava saturado de perfumes, por causa <do cheiro ignóbil de Portugal>.”

 

“ -…quando há amante sempre há mais que engomar.

– Deitam mais roupa branca, deitam – observou a Justina.”

 

“Meu marido detesta o bacalhau! Aquele animal! Eu é a minha paixão. Com azeite e alho!”

 

“Nunca – exclamou –, nunca, depois de mulher, senti por um homem o que senti pela Joaninha!… Pois podes crer…”

 

“A Traviata lembrou a Luísa A Dama das Camélias; falaram do romance; recordaram episódios…

– Que paixão que eu tive por Armando em rapariga! – disse Leopoldina.

– E eu foi por D’Artagnan – exclamou ingenuamente Luísa.

Riram muito. (…) Aos 13 anos já a gente vai na sua quarta paixão. Todas são mulheres, todas sentem o mesmo!”

 

“nos temperamentos sensíveis as alegrias do coração tendem a completar-se com as sensualidades do luxo.”

 

“Quantas mulheres viviam num amor ilegítimo e eram ilustres, admiradas! Rainhas mesmo tinham amantes. E ele amava-a tanto!… Seria tão fiel, tão discreto!”

 

“Estava muito feliz, naquela hesitação entre os impulsos da concupiscência e as prudências da economia.”

 

“Ia, enfim, ter ela própria aquela aventura que lera tantas vezes nos romances amorosos!”

 

“Vaca solta lambe-se toda, Srª Helena”

 

“está preguiçosa como uma freira: quando escreve, são quatro linhas”

 

“Estou na minha! A medicina é uma meia ciência, a fisiologia é outra meia ciência! São ciências conjeturais, porque nos escapa a base, conhecer o princípio da vida!”

 

“Uma teoria que pretende que as leis que governam os corpos brutos não são as mesmas que governam os corpos vivos é uma heresia grotesca! – exclamava. – E Bichat [o pai da histologia, a ciência que estuda os tecidos humanos, atuante no século XVIII; expoente da corrente do Vitalismo][*], que a proclama, é uma besta!

O estudante, fora de si, bradou que chamar a Bichat uma besta era simplesmente de um alarve.

Mas Julião desprezou a injúria e continuou, exaltado nas suas idéias:

– Que nos importa a nós o princípio da vida? Importa-me tanto quanto a primeira camisa que vesti! O princípio da vida é como outro qualquer princípio: um segredo! Havemos de ignorá-lo eternamente! Não podemos saber nenhum princípio. A vida, a morte, as origens, os fins, mistérios! São causas primárias com que não temos nada a fazer, nada! Podemos batalhar séculos, que não avançamos uma polegada. O fisiologista, o químico, não têm nada com os princípios das coisas; o que lhes importa são os fenômenos! Ora os fenômenos e as suas causas imediatas, meu caro amigo, podem ser determinados com tanto rigor nos corpos brutos, como nos corpos vivos – numa pedra, como num desembargador! E a fisiologia e a medicina são ciências tão exatas como a química! Isto já vem de Descartes!

Travaram então um berreiro sobre Descartes. E imediatamente, sem que Sebastião, atônito, tivesse descoberto a transição, encarniçaram-se sobre a idéia de Deus.

(…) E começaram a assaltar-se sobre a questão social, como dois galos inimigos.

(…) E depois de citarem com fúria Proudhon, Bastiat, Jouffroy [moralista do XIX], romperam em personalidades.”

 

[*] Obras principais:

Recherches physiologiques sur la vie et la mort (1800)

Anatomie générale (1801)

 

“E sentira-a, porventura, essa felicidade que dão os amores ilegítimos, de que tanto se fala nos romances e nas óperas, que faz esquecer tudo na vida, afrontar a morte, quase fazê-la amar? Nunca!”

 

“É que o amor é essencialmente perecível, e na hora em que nasce começa a morrer. Só os começos são bons. Há então um delírio, um entusiasmo, um bocadinho do Céu. Mas depois!… Seria pois necessário estar sempre a começar, para poder sempre sentir?… Era o que fazia Leopoldina. E aparecia-lhe então nitidamente a explicação daquela existência”

 

“Luísa parou, branca. Aquela triste palavra nunca mais deu-lhe uma saudade, uma comoção. Rompeu a chorar.”

 

“Basílio achava-a irresistível: quem diria que uma burguesinha podia ter tanto chique, tanta queda?”

 

“os suicídios em Lisboa diminuíam consideravelmente: atribuía isso à maneira severa e muito louvável como a imprensa os condenava…”

 

“Onde poria o dinheiro? No banco? Não: no fundo da arca – para estar mais seguro, mais à mão!”

 

“Todos agora, Julião, Ernestinho, o conselheiro, D. Felicidade, lhe pareciam adoráveis, com qualidades nobres, que nunca percebera, que repentinamente tomavam um grande encanto.”

 

“Fugir é bom nos romances!” “Uma mulher que foge deixa de ser a Srª D. Fulana, é a Fulana, a que fugiu, a desavergonhada, uma concubina! Eu tenho decerto de ir ao Brasil, onde hás-de tu ficar? Queres ir também, um mês num beliche, arriscar-te à febre-amarela? E se teu marido nos persegue, se formos detidos na fronteira? Achas bonito voltar entre dois polícias e ir passar um ano ao Limoeiro? O teu caso é simplícissimo.” “Enfim, oferece-lhe 300 mil réis, se quiseres. Mas pelo amor de Deus, não faças outra; não estou para pagar as tuas distrações a 300 mil réis cada uma!”

 

“Ao pé, (…) os seus livros – Mademoiselle Giraud ma femme [Belot], La vierge de Mabille [H. Escoffier], Ces Friponnes! [título correto: Estevanille Gonzalez, de Le Sage], Mémoires secretes d’une femme de chambre [Octave Mirbeau], Le chien d’arrêt [Histoire d’un chien[?], Guy de Maupassant], Manuel du chasseur, números do Figaro, a fotografia de Luísa e a fotografia de um cavalo.

E, soprando o fumo do charuto, começou a considerar, com horror, a <situação>! Não lhe faltava mais nada senão partir para Paris com aquele trambolhozinho! Trazer uma pessoa, havia sete anos, a sua vida tão arranjadinha, e patatrás!, embrulhar tudo, porque à menina lhe apanharam a carta de namoro e tem medo do esposo! Ora o descaro! No fim, toda aquela aventura desde o começo fôra um erro! Tinha sido uma idéia de burguês inflamado ir desinquietar a prima da Patriarcal. Viera a Lisboa para os seus negócios, era tratá-los, aturar o calor e o boeuf à la mode do Hotel Central, tomar o paquete, e mandar a Pátria ao Inferno!… Mas não, idiota! Os seus negócios tinham-se concluído – e ele, burro, ficara ali a torrar em Lisboa, a gastar uma fortuna em tipóias para o Largo de Santa Bárbara, para quê? Para uma daquelas! Antes ter trazido a Alphonsine!

A sua fortuna tinha sido feita com negócio de borracha, no alto Paraguai: a grandeza da especulação trouxera a formação de uma companhia, com capitais brasileiros; mas Basílio e alguns engenheiros franceses queriam resgatar as ações brasileiras, <que eram um empecilho>, formar em Paris uma outra companhia e dar ao negócio um movimento mais ousado. Basílio partira para Lisboa entender-se com alguns brasileiros e comprara as ações habilmente. A prolongação daquele incidente amoroso tornava-se uma perturbação na sua vida prática…”

 

“Pois tu achas isso decente, uma mulher que toma a cozinheira por confidente, que lhe está na mão, que perde a carta nos papéis sujos, que chora, que pede 200 mil réis, que se quer safar – isso é lá amante, isso é lá nada! Uma mulher que, como tu mesmo disseste, usa meias de tear!”

 

“O trem rolou. Era o nº 10… Nunca mais o veria! Tinham palpitado no mesmo amor, tinham cometido a mesma culpa. Ele partia alegre, levando as recordações romanescas da aventura: ela ficava, nas amarguras permanentes do erro. E assim era o mundo!”

 

“A senhora ou me dá 600 mil réis, ou eu não largo os papéis! – respondeu empertigando-se.

– 600 mil réis! Onde quer você que eu vá buscar 600 mil réis?

– Ao Inferno! – gritou Juliana – Ou me dá 600 mil réis, ou tão certo como eu estar aqui, o seu marido há de ler as cartas!”

 

“E a senhora, são passeios, tipóias, boas sedas, tudo o que lhe apetece – e a negra? A negra a esfalfar-se!”

 

“Receio muito que se repita comigo o caso bíblico da mulher de Putifar. Acredita que há um certo mérito em lhe resistir, porque a mulher, estanqueira como é, é lindíssima. E tenho medo que suceda algum fracasso à minha pobre virtude…”

 

“Quel giorno più no vi leggiemi avante.”

“E nós não lemos mais em todo o dia!”

 

“La bocca me bacciò tutto tremante”

“A boca me beijou tremendo todo…”

 

“– Ah! – fez D. Felicidade. – É uma novela?

– É o Dante, D. Felicidade – acudiu com seriedade o conselheiro – um poema épico classificado entre os melhores. Inferior, porém, ao nosso Camões! Mas rival do famoso Milton!

– Que nessas histórias estrangeiras os maridos matam sempre as mulheres! – exclamou ela. E voltando-se para o conselheiro:

– Sim, D. Felicidade, repetem-se lá fora com freqüência essas tragédias domésticas.”

 

“Que os pretos eram grandes cozinheiros, concordo… Mas a liberdade é um bem maior.”

 

“Quem queria negras trazia-as do Brasil!”

 

“Ali anda coisa de cabeça – dizia o Paula, franzindo a testa com o ar profundo – Sabe o que ela tem, Srª Helena? É muita dose de novelas naquela cachimônia. Eu vejo-a de pela manhã até à noite de livro na mão. Põe-se a ler romances e mais romances!… Aí tem o resultado: arrasada!”

 

“Tem anemia, o que todos temos. Que passeie, que se distraia. Distrações e ferro, muito ferro… E água fria, água fria pra cima daquela espinha!”

 

“Dies irae, dies illa,

Solvet saeculum in favilla!”

 

“O Português tem a mania da retórica… – disse Jorge.”

 

“Não vale nada. São muito freqüentes, estas síncopes, nas doenças de coração. Esta é simples. Mas é o diabo, às vezes têm um caráter apoplético, e vem a paralisia; pouco duradoura, sim, porque a efusão de sangue no cérebro é muito pequena, mas, enfim, sempre desagradável. – E acendendo o cigarro: – Essa mulher um dia morre-lhes em casa.” “o verdadeiro tratamento é o repouso, é a absoluta exclusão da fadiga. Que ela um dia se zangue ou que tenha uma manhã de canseira, e pode ir-se!”

 

“E as meninas solteiras! Muito pequerrucho por essas amas dos arredores tem o direito de lhes chamar mamã! Outras mais prudentes, receando os resultados do amor, refugiam-se nas precauções da libertinagem… Sem contar as senhoras que, em vista dos pequenos ordenados, completam o marido com um sujeito suplementar! – Exagerava muito; mas odiava-as tanto! Porque todas tinham, mais ou menos, sabido conservar a exterioridade decente que ela perdera, e manobravam com habilidade, onde ela, a tola, tivera só a sinceridade! E enquanto elas conservavam as suas relações, convites para soirées, a estima da côrte – ela perdura tudo, era apenas <a Quebrais>!

Aquela conversação enervava Luísa; numa tal generalidade do vício parecia-lhe que o seu caso, como um edifício num nevoeiro, perdia o seu relevo cruel, se esbatia; e, sentindo-o tão pouco visível, quase o julgava já justificado.”

 

“como os burgueses <da sua roda>, avaliava 12 milhões de francesas por 6 prostitutas de café-concerto – que tinha pago caro e enfastiado imenso!”

 

“Sempre tivera uma grande simpatia por ela… Uma grande simpatia!…”

 

“Jesus! O Castro!… Vir a uma casa amiga levar o tiro de 600 mil réis e ser corrido a chicote!… Com o seu próprio chicote!… Oh!, era para estourar!…!

 

“E pensando em tudo o que tinha feito e que tinha sofrido, as infâmias em que chafurdara e as humilhações a que descera, vinha-lhe um tédio de si mesma, um nojo imenso da vida. Não valia a pena lutar por uma vida tão vil.”

 

“Estava farto de medicina, disse depois de um silêncio. Era um beco sem saída. Devia-se ter feito advogado, político, intrigante… Tinha nascido para isso!” “Tudo isto está podre por dentro e por fora! O velho mundo constitucional vai a cair aos pedaços… Necessitam-se homens!” “Este país, meu caro amigo, tem-se governado até aqui com expedientes. Quando vier a revolução contra os expedientes, o País há-de procurar quem tenha os princípios.” “al hermoso sol português, como se diz nas zarzuelas” “Estúpido país, estúpida vida! – rosnou Julião.”

 

“De resto, acreditava pouco nas febres de desgosto. Julião tinha uma medicina literária. Pensou mesmo que seria mais prudente chamar o velho Dr. Caminha…”

 

“amava-a mais desde que a supunha infiel, mas de um outro amor, carnal e perverso. Releu a carta infinitas vezes, e a mesma curiosidade roedora, baixa, vil, torturava-o sem cessar. Como tinha sido? Onde era o <Paraíso>? Havia uma cama? Que vestido levava ela? O que lhe dizia? Que beijos lhe dava?”

 

“Meu Jorge, as rosas da saúde bem cedo reflorirão nas faces da sua virtuosa esposa!…”

 

“Ele teria ajoelhado aos pés dela, acolá, sobre o tapete? Sobretudo o divã tão largo, tão cómodo, desesperava-o; tomou-lhe ódio.”

 

“E que me dizem à novidade? – exclamou. – a peça do Ernesto teve um triunfo!…”

 

“Ora aqui vou eu entre os representantes dos dois grandes movimentos de Portugal desde 1820. A Literatura – e cumprimentou Ernestinho – e o Constitucionalismo – e curvou-se para o conselheiro.”

 

“Como era habituada a enxaquecas, Julião tranqüilizou-os; recomendou um sossego imóvel e sinapismos de mostarda aos pés – até que ele voltasse.”

 

“Se se lhe desse um copo de conhaque?… – lembrou de repente Julião. E vendo o olhar espantado do doutor: – Às vezes estes sintomas de coma não querem dizer que o cérebro esteja desorganizado: podem ser apenas a inação da força nervosa exausta. Se a morte é irremediável, não se perde nada: se é apenas uma depressão do sistema nervoso, pode-se salvar…”

 

“Ultimamente li eu que aos grandes golpes sucedem sempre sonos prolongados. Assim, por exemplo, Napoleão depois de Waterloo”

 

“O clima, este prodigioso engodo nacional! Um clima pestífero. Não há nada mais reles do que um bom clima!…”

 

“a verdade é que não era uma amante chique; andava em tipóias de praça; usava meias de tear; casara com um reles indivíduo de secretaria; vivia numa casinhola, não possuía relações decentes; jogava naturalmente o quino e andava por casa de sapatos de ourelo; não tinha espírito, não tinha toilette… Que diabo! Era um trambolho!”

 

“Setembro 1876-Setembro 1877.”

 

TESE MONOGRAFIA EM LETRAS

—IDÉIAS—e lá vamos Nós de novo…

. O discurso aforismático como brecha para o filosofar a que os autores originais da Pós-modernidade necessitam recorrer, diante da crise irreversível da Prosa (escrita branca, etc.) / A peculiaridade da língua espanhola nesse tocante – fundamentar em bibliografia (Hjelmslev, Ortega y Gasset, teses contemporâneas, etc.)

. História dos falsos cognatos Português-Espanhol e do seu Trato Acadêmico – o “desmerecimento” da função de tradutor espanhol-português devido à similitude dos dois idiomas e a crescente importância do estudo técnico na área

JEROME, OR DEATH IN THE LIFE OF THE OBSESSIONAL

“Our knowledge begins with a story – a bit simplistic, a bit stupid, of the kind we hear from the couch or read in the paper.

It concerns an analyst of great renown, who hour after hour is generous enough to receive and to listen to his illustrious clients. One day he was a little weary and did not get up from his easy chair. A charming secretary, used to this, ushered each patient out at the end of his session. It was 5 o’clock, and the obsessional who was lying there was speaking a great deal. When the session was over, the patient, particularly satisfied with himself, concluded with these words: <l think this has been a good session.> Then, echoing the words habitually spoken by the analyst, he added, <We are going to leave things there.> He looked at the therapist, who appeared to be colder than usual; he seemed to be asleep. But no, he was very pale, really cold. The patient was concerned and summoned the secretary, who became agitated. They called a colleague, who ran right over, listened, and said that the analyst had died three hours earlier.”

“Since its invention, I think that all the patients in the world have learned it or have reinvented it and told it as though it were theirs”

“What is principally in question is a desire to murder, desire to murder the father, that is to say, to bring about a death.” “identificação com a pessoa morta”

“O famoso provérbio, <Pensar em algo como se fosse a morte> (que quer dizer que não se deve pensar nesse algo em absoluto).” Pense na consciência morta de um elefante rosa.

“Even today there are those who believe in the death drive only in the same way that they believed in Santa Claus, in reverence to the fancy and the obstinacy of the old man.” Thankfully!

“he was 12 or 13 and had found an old revolver. There was a discussion at dinner, a dispute with his father, who broke down in tears. That day Jerome swore to himself never to oppose his father for the rest of his life.”

“he had for a long time desired to have a mummy. Moreover, Egyptian history interests him, as does anything else that can clarify the problem of origins. Jerome likes family trees and grand historical syntheses. He wants to know precisely of what lineage he is the final term, the result. He regrets not having a gallery of ancestors whose portraits he can see, so why not Ramses II, who is the mummy.”

“I want for once to be up to date; I want to liquidate all the files that have piled up on the left side of my desk, finally to be able to breathe. When I succeed, anxiety grabs me and I have to find another unfinished task quickly. I exhaust myself in catching up on my lateness, the work that I undertake ought already to have been finished. I have no free time; there are no Sundays for me.

Whether or not it is a question of identification, it is certain that Jerome wishes he were already dead, and especially that he lives as though he were already dead.

He is the end of a line, he cannot have children, he is the finish, the conclusion, already ended; there is no future for him, and the life that remains is already filled with tasks to accomplish, files to classify, affairs to liquidate, problems to bring up to date. On his trips everything is paid in advance. The only time he feels himself alive is at night in his car, when he discovers in the opening created by his headlights a road that promises new and mortal perils… a little like analysis.”

os dados já foram todos lançados

quântico migo babe

Um homem que não encontra seus óculos, pode muito bem ser porque já os tenha encontrado; já os esteja usando; há muito, muito tempo; tanto que já nem se lembra mais.

“l am like a blind man who wants to know what he will see before he gets his sight back.”

“the obsessional structure can be conceived of as the repeated refusal of the possibility of one’s own death.”

“Our unconscious does not believe in the possibility of its own death.” Freud

“Certainly, everyone knows that the mummy, in the dictionary of dreams, can also signify <penis> and can evoke the image of the bandaged organ of a late circumcision.”

“I think you can see that while Isabelle speaks of her sexuality, Jerome speaks of his existence. This is the way that J . Lacan has defined the questions of the hysteric and the obsessional neurotic.”

Freud – lnhibitions, Symptoms and Anxiety

“Jerome is convinced that his death will not arrest clock time, and that is what matters for him. He has a truly spatialized time that kepps life suspended or framed. (…) And I am convinced that this spatialization of time, this freezing of becoming, is in part the work of the death drive.”