ESTUDOS DE TRADUÇÃO – SOBRE A VARIAÇÃO

Como Não Fazer Inimigos Diariamente & Escapar de Pessoas

título livro

A) TRADUÇÃO E SOCIOLINGUÍSTICA VARIACIONISTA: A LÍNGUA PODE TRADUZIR A SOCIEDADE? In: Tradução & Comunicação – Revista Brasileira de Tradutores (n. 20, ano 2010) – Patrícia da Cunha Lacerda

Herzog, Labov & Weinreich – Empirical foundations for a theory of language change, 1968

Labov – Sociolinguistic patterns, 1972

“baseando-se na linguística formalista, estabeleceu-se como teoria a <Ciência da Tradução>, cuja intenção era analisar a tradução sob uma perspectiva de sistematicidade.” “Com o passar do tempo, temos observado um questionamento da noção de equivalência. A partir da abordagem histórico-descritiva, a tradução estabeleceu-se como uma disciplina independente e passou a ser denominada <Estudos da Tradução> (Holmes, 1972).”

“Como funcionalismo – também reconhecido como pós-estruturalismo [?] – entendem-se todas as abordagens linguísticas que concebem a língua como um instrumento de comunicação”

literatura comparada”

B) O PROJETO DE TRADUÇÃO MINORIZANTE DE LAWRENCE VENUTI

O americano anti-anglo-saxão e desmistificador do establishment!

“A sua crítica à estratégia de <domesticação>, adotada pela maioria dos tradutores de literatura ficcional nos países anglófonos, mais especificamente Estados Unidos eInglaterra, é uma marca de seu trabalho.”

A ESTRATÉGIA DE DOMESTICAÇÃO

“A domesticação transmite a ilusão de preservação do espírito do autor original na tradução. Venuti critica a estratégia de domesticação embora reconheça que a tradução inevitavelmente realiza um trabalho de domesticação pela condição de estar escrita na língua <doméstica>. Assim sendo, o autor parece implicitamente propor uma certa gradação: um texto pode ser traduzido sem que se apague totalmente o <ar de estrangeiridade> (2002, p. 17).”

<Uma tradução fluente é aquela que utiliza um inglês atual (‘moderno’) em vez de a rcaico, que seja amplamente utilizado, em vez de especializado (‘jargão’), e que seja padrão em vez de coloquial (‘cheio de gírias’)>

“efeito de transparência”

Infelizmente o foco do texto é na tradução: LÍNGUA DE PARTIDA (QUALQUER UMA) LÍNGUA DE CHEGADA (INGLÊS), o que não nos interessa aqui e agora.

“No Brasil, ao contrário, apesar de imaginar que a tendência do público também seja a de preferir uma tradução fluente e sem opacidades, vejo uma presença muito grande de referências da cultura estrangeira, um hábito de não traduzir nomes de produtos, de personagens, de referências estrangeiras como nomes de lugares, eventos, festividades, marcas culturais de modo geral.”

A ESTRATÉGIA DE ESTRANGEIRIZAÇÃO

<A tradução deve ser vista como um tertium datum, que ‘soa estrangeiro’ para o leitor, mas tem uma aparência opaca que a impede de parecer uma janela transparente através da qual se visse o autor ou o texto original: é esta opacidade – um uso da língua que resista à leitura fácil segundo os padrões contemporâneos – que deixará visível a intervenção do tradutor, seu confronto com a natureza alienígena do texto estrangeiro.>

<traduções de outras línguas para o alemão devem soar diferente: o leitor deve ser capaz de intuir o espanhol por trás de uma tradução do espanhol, ou o grego, por trás de uma tradução do grego. Se todas as traduções forem parecidas (como ocorria nas traduções vitorianas dos clássicos(*)), a identidade do texto-fonte se perde.> Schleiemacher (aquele?)

(*) BOM TEMA MONO

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s