AUTODESVELO, DOS 3 AOS 6

Sonhei que descrevia um sonho: eu tinha 6 anos e descrevia como no sonho possuía 3, estava com a boca ensangüentada e com os dentes quebrados, com enorme dificuldade para falar; e descobria que tinha um irmão mais velho que até então ignorava. Seja porque meus pais o ocultaram de mim, seja porque algum acidente me o fez lembrar. E o mais irônico é que eu passava a contar o sonho que tive, em detalhes, para minha mãe. E dizia que somente ao me tornar adulto é que eu me lembraria deste meu irmão, como se isso não fosse absolutamente contraditório. Minha mãe se mostrava incrédula e confusa; eu não conseguia explicar que ao mesmo tempo “vim de ser adulto”; seja porque viajei no tempo, na verdade minha alma viajou no tempo, vindo se instalar no corpo de criança, ou porque era uma espécie de profeta e já havia previsto meu destino, e fosse capaz de vivê-lo simultaneamente, sincronicamente, como o próprio presente. No sonho, eu constatava, apesar de usar uma linguagem infantil, própria das crianças dessa idade, que a fonte de todos os meus males de humor e dos meus sentimentos depressivos se ligava à existência dessa quimera, esse meu irmão imaginário. Noutro segmento do sonho eu estava na escola, de posse desse conhecimento. Todos eram jovens experimentados, ou eram adultos infantilizados… E não é isso o adolescente? De alguma forma esse meu “novo velho” irmão estava lá comigo… Eu “sabia que” não devia me comportar de maneira bagunceira mas “não podia” controlar meu corpo. E eu contornava mal e mal um desenho (na carteira? no caderno?), com bastante peso no lápis, pensando: “somos sempre iguais, somos sempre os mesmos, não importa o que fazemos, o que já fomos, como mudamos, a essência perdura, não podemos fugir desse simples fato”…